Breaking News
Home / Astronomia / Formação de Estrelas

Formação de Estrelas

PUBLICIDADE

A formação de estrelas é um processo complexo, que sempre produz um disco protoplanetário gasoso ao redor da jovem estrela.

A formação de estrelas é o processo pelo qual uma nuvem escura e fria de gás e poeira é transformada em uma estrela brilhante com uma temperatura superficial entre 2.700 a 50.000 ° C).

Muitas regiões da Via Láctea estão cheias de nuvens frias de gás que começam a se contrair, sob certas condições, como resultado de sua própria atração gravitacional. Quando uma dessas nuvens se contrai, ela esquenta e tende a se tornar esférica. O aquecimento, no entanto, produz pressão no gás que neutraliza a contração e, eventualmente, a contração pode ocorrer se a gravidade e a pressão do gás se equilibrarem.

Se a nuvem estiver quente o suficiente para iniciar as reações de fusão termonuclear no centro, ela poderá se sustentar contra sua própria gravidade por um longo tempo. Essa nuvem é então chamada de estrela.

O que é formação de estrelas?

A formação de estrelas é o processo no qual grandes nuvens de gás no espaço colapsam e formam uma nova estrela.

O tamanho da estrela que se forma determina o que acontecerá com a estrela depois que ela morrer.

Durante suas vidas, as estrelas emitem constantemente calor, luz e energia do processo de fusão nuclear que ocorre dentro delas. O sol é um exemplo perfeito de uma estrela claramente visível da Terra.

Está perto o suficiente para parecer grande, mesmo que seja apenas uma estrela de tamanho médio, e seu calor e luz permitem que plantas e animais do planeta prosperem.

Para que ocorra a formação de estrelas, a pressão dentro de uma nuvem de gás deve ser muito fraca para suportar a nuvem.

Massa de jeans é um termo para a massa que uma nuvem específica deve atingir antes de entrar em colapso. Quando essa massa é atingida, a nuvem entra em colapso devido ao seu próprio peso e grupos menores de gás se rompem. Esses aglomerados têm uma força gravitacional e começam a atrair mais gás e partículas de poeira flutuando ao seu redor.

Esse processo continua até que material suficiente tenha sido puxado, criando uma protoestrela.

A protoestrela continua a crescer e o processo de formação de estrelas continua até atingir o ponto em que a fusão nuclear começa. Os núcleos de átomos no protoestrela são forçados juntos e se fundem, liberando energia.

O processo de formação de estrelas é concluído e a estrela atingiu a parte principal de sua vida.

A nova estrela continuará produzindo calor, luz e energia até que não consiga mais manter o equilíbrio entre sua própria atração gravitacional interna e a expansão externa de gás.

O tamanho da estrela, controlado principalmente pela força de sua força gravitacional e sua massa total durante a formação da estrela, determina o que acontece com ela na sua morte.

Quando a estrela atinge a velhice, ela se expande para formar um gigante vermelho. Essa expansão ocorre quando uma estrela está perdendo a batalha para manter seu equilíbrio e equilíbrio, e eventualmente se encolherá em uma estrela anã branca ou formará um buraco negro. As anãs brancas estão esfriando lentamente, mas ainda emitem luz.

Pensa-se que a formação de um buraco negro, formado a partir da morte de estrelas extremamente grandes, seja causada pelo colapso da estrela em si mesma.

Os buracos negros ainda são em grande parte um mistério, e os cientistas têm muito a aprender sobre eles e como eles funcionam.

Formação estelar

As estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar, conhecidas como nuvens moleculares.

Essas regiões são extremamente frias (temperatura de entre -253.15 e -263.15 Grau Celsius, logo acima do zero absoluto). A essas temperaturas, os gases se tornam moleculares, significando que os átomos se unem. CO e H2 são as moléculas mais comuns em nuvens de gás interestelares.

O frio profundo também faz com que o gás se acumule a altas densidades. Quando a densidade atinge um certo ponto, as estrelas se formam.

Como as regiões são densas, são opacas à luz visível e são conhecidas como nebulosa escura. Como eles não brilham pela luz óptica, devemos usar radiotelescópios e radiotelescópios para investigá-los.

A formação de estrelas começa quando as partes mais densas do núcleo da nuvem colapsam sob seu próprio peso/gravidade. Esses núcleos normalmente têm massas em torno de 104 massas solares na forma de gás e poeira.

Os núcleos são mais densos que a nuvem externa e, portanto, entram em colapso primeiro. À medida que os núcleos colapsam, eles se fragmentam em grupos com cerca de 0,1 parsecs de tamanho e 10 a 50 massas solares em massa. Esses aglomerados se transformam em protoestrelas e todo o processo leva cerca de 10 milhões de anos.

Resumo

As estrelas começam suas vidas em nuvens moleculares, vastos reservatórios de gás e poeira, dos quais existem muitos em nossa galáxia.

Nas últimas duas décadas, aprendemos que a formação de estrelas envolve não apenas a acumulação, ou o influxo, de matéria, mas também o fluxo de saída.

As saídas de estrelas jovens assumem muitas formas e são visíveis através do espectro eletromagnético, das ondas de rádio ao ultravioleta. Quando o Sol tinha apenas um milhão de anos e antes da Terra se formar, também teria produzido esses jatos de matéria que se estendiam por longas distâncias de vários anos-luz.

Compreender como uma estrela nasce é importante não apenas em si, mas porque nos fala sobre as condições que dão origem a sistemas planetários como o nosso.

O estudo da formação de estrelas fez avanços enormes nas últimas décadas por várias razões. A nova instrumentação está nos permitindo observar os viveiros estelares, as nuvens escuras e empoeiradas que permeiam a Via Láctea e revelando pela primeira vez os vários estágios envolvidos. Ao mesmo tempo, o aumento do poder computacional nos permitiu simular realisticamente o nascimento estelar.

No lado observacional, nossos esforços concentraram-se na compreensão do fenômeno das saídas de estrelas jovens. Como a formação estelar envolve o colapso gravitacional de nuvens de gás e poeira, é claro que está associada ao “influxo” de matéria. Paradoxalmente, no entanto, parece que essas entradas não podem ocorrer sem a expulsão, isto é, vazão, de material também. Não se sabe como as saídas são geradas, mas elas podem ser um meio de remover o momento angular do sistema, permitindo que mais material seja acumulado na estrela recém-nascida.

As saídas são visíveis em uma variedade de comprimentos de onda e são encontradas como tendo componentes moleculares, atômicos e ionizados. Eles são mais dramáticos nas fases iniciais do processo de formação de estrelas, quando uma estrela como o nosso Sol tem apenas 100.000 anos (comparada com a idade atual do Sol de 5 bilhões de anos).

Então, a jovem estrela ejeta enormes jatos de gás que se estendem por vários anos-luz e sinalizam seu nascimento.

Frequentemente, observa-se que os discos envolvem novas estrelas, que, em muitos casos, acreditamos que formarão sistemas planetários como o nosso. Como discos e jatos parecem estar indissociavelmente vinculados, as teorias atuais concentram-se em entender como esses discos podem gerar jatos.

Formação de estrelas

Fonte: abyss.uoregon.edu/www.astro.umass.edu/courses.lumenlearning.com/www.wisegeek.org/spacetelescope.org/www.atnf.csiro.au/ircamera.as.arizona.edu/www.dias.ie

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Galáxia Irregular

PUBLICIDADE Galáxia irregular uma galáxia sem forma específica e uma massa relativamente baixa. Elas estão …

Radiação Cósmica

PUBLICIDADE Definição A radiação cósmica é uma radiação ionizante produzida quando fótons primários e partículas …

Evolução Estelar

PUBLICIDADE A evolução estelar é uma descrição do modo como as estrelas mudam com o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *