Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Telescópios  Voltar

Telescópios

No século VII, os árabes instalaram observatórios em Bagdá, Cairo, Damasco e outros centros importantes, e construiram quadrantes e torqueti, idealizados por Ptolomeu, assim como ampulhetas, astrolábios e esferas armilares. Quando conquistaram a Espanha no século XI, os árabes estabeleceram observatórios nestes novos centros, de modo que a astronomia passou para a Europa sem interrupção. Em 1571 foi publicado o livro do matemático inglês Leonard Digges (c.1520-c.1559) Geometricall Practise, name Pantometria, descrevendo o teodolito, que permite m edidas angulares, horizontais e verticais, precisas, a partir de um ponto de referência. Digges também descreveu um sistema com uma lente de longa distância focal e outra de curta distância focal em 1550, que pode ser interpretado como um precursor do telescópio.

Telescópios

Galileo Galilei (1569-1642) começou suas observações telescópicas em 1609, usando um telescópio construído por ele mesmo. Não cabe a Galileo o crédito da invenção do telescópio, no entanto. Lentes rudimentares escavadas na ilha de Creta datam de 2000 aC. Lentes e óculos já eram usados desde cerca de 1350, e a maioria dos historiadores aceita que o primeiro telescópio foi construído pelo fabricante de óculos holandês Hans Lippershey (1570-1619), que em 1608 inventou um instrumento para olhar coisas a distância, constituído por um tubo com uma lente em cada extremidade. O holandês Sacharias Janssen (c.1580-c.1638) também construiu um telescópio na mesma época. Em maio de 1609, Galileu ouviu falar do aparelho e, sem nunca o ter visto, resolveu fazer um para si mesmo. Construiu seu primeiro telescópio (que ele chamava perspicillum) em junho, com um aumento de 3 vezes; rapidamente aprimorou-o e em novembro já tinha um telescópio com um aumento de 20 vezes, muito mais potente que qualquer outro existente nessa época. Com esse intrumento ele iniciou, ainda nesse ano, as observações que marcaram o início da astronomia moderna.

Estes telescópios eram refratores, com lentes:

Telescópios
Refrator

como o grande telescópio construído por Sir William Herschel Hershel(1738-1822), em 1784, com 48 cm de diâmetro. O construído por Herschel em 1789, com 1,2 m de diâmetro, com o qual ele descobriu os satélites de Saturno, Enceladus e Mimas, já usava espelhos. O maior refrator, com 102 cm de diâmetro, foi construído em 1895 no Observatório de Yerkes.

Telescópios

Refrator ou Refletor

Telescópios
Refrator

O telescópio de Galileo, construído em 1609-1610, era composto de uma lente convexa e uma lenta côncava. Johannes Kepler (1571-1630), no seu livro Dioptrice publicado em 1611, explicou que seria melhor construir um telescópio com duas lentes convexas, como se usa atualmente. Em 1668 Isaac Newton (1643-1727) construiu um telescópio refletor (catóptrico, do grego kátoptron, espelho), usado atualmente em todos os observatórios profissionais, com um espelho curvo (parabolóide ou hiperbolóide) ao invés de uma lente, usada nos telescópios refratores (dióptrico) de Galileo e Kepler.

Telescópios

Newton argumentou que a luz branca era na verdade uma mistura de diferentes tipos de raios que eram refratados em ângulos ligeiramente diferentes, e que cada tipo de raio diferente produz uma cor espectral diferente. Newton concluiu, erroneamente, que telescópios usando lentes refratoras sofreriam sempre de aberração cromática.

Telescópios

Telescópios

Aberração cromática e geométrica: o foco para cores diferentes ou para posições diferentes dos raios na lente estão em posições distintas.

Newton então propôs e construiu um telescópio refletor, com 15 cm de comprimento.

Telescópios

Newton colocou um espelho plano no tubo, a 45°, refletindo a imagem para uma ocular colocada no lado. A ocular é uma lente magnificadora colocada no foco do telescópio, e usada para olhar a imagem. O telescópio de Newton gerava imagens nove vezes maior do que um refrator quatro vezes mais longo. Os espelhos esféricos construídos naquela época produziam imagens imperfeitas, com aberração esférica.

Guillaume Cassegrain (1625-1712) propôs em 1672 usar um espelho convexo secundário para convergir a luz para um buraco no centro do espelho principal, mas espelhos curvos não podiam ser feitos naquela época.

A maioria dos telescópios modernos tem foco Cassegrain. A distância entre o espelho secundário e o primário, aumentando a distância focal, age como uma telefoto, permitindo grande escala de imagem.

A maior lente que se pode construir tem aproximadamente 1 metro de diâmetro, pesa meia tonelada, e deforma-se devido ao seu próprio peso, já que não pode ser apoiada por trás, como um espelho pode.

A sensibilidade de um telescópio aumenta com o tamanho da área coletora, e portanto com o quadrado do diâmetro, de modo que dobrando o seu tamanho, podemos detectar objetos quatro vezes mais fracos.

Os telescópios na Terra podem enxergar objetos da ordem de 1 segundo de arco ou maiores (1 segundo de arco corresponde a uma moeda de 25 centavos a 50 km de distância!). Com ótica ativa, que modifica rapidamente a forma dos espelhos para compensar a variação causada pela atmosfera da Terra, este limite está decrescendo para aproximadamente 0,3 segundos de arco.

Em 1948 foi inaugurado o telescópio Hale, de Monte Palomar, na Califórnia, com um espelho primário de 200 polegadas (5 metros) de diâmetro. Este foi o maior telescópio do mundo por três décadas. Desde 1990 o maior telescópio é o Keck, no Havaí, com 10 metros de diâmetro.

Na verdade existem atualmente dois telescópios Keck, I e II, idênticos, e seus espelhos, de 10 metros cada, são formados por mosaicos de espelhos menores.

Telescópios

Os maiores telescópios de espelhos únicos (monolíticos) são o VLT do European Southern Observatory, no Chile, e o Gemini Norte, no Havaí, com 8 metros de diâmetro de espelho principal.

Os telescópios modernos têm focos Ritchey-Chrétien, propostos por George Ritchey (1864-1945) e Henri Chrétien (1879-1956), onde o pequeno espelho secundário do Cassegrain é substituído por outro de forma mais complexa, que permite a correção da imagem para um campo maior. Na verdade tanto o primário quanto o secundário são hiperbolóides, neste sistema.

Para grandes campos, os telescópios mais utilizados são os catadriópticos (espelho mais lente corretora) do tipo Schmidt-Cassegrain, desenvolvidos pelo estoniano Bernhardt Voldemar Schmidt (1879-1935), ou Maksutov, desenvolvidos pelo russo Dmitri Maksutov (1896-1964). Os Maksutovs são muito parecidos com os Schmidts, mas têm placa de correção curvada, permitindo maior campo e maior contraste.

Telescópios

Muitos observatórios têm ainda um foco Coudé (cotovelo, em francês) em seus telescópios equatoriais, em que um conjunto de espelhos leva a luz para uma posição de grande distância focal, e portanto de grande magnificação (escala de campo). Normalmente os espelhos direcionam a luz através de um furo no eixo polar do telescópio. Para montagens alto-azimutal, a luz pode ser direcionada ao longo do eixo de altura para um dos dois focos Nasmyth [James Nasmyth (1808-1890)] na lateral do telescópio.

Telescópios

Fonte: astro.if.ufrgs.br

Telescópios

Foi Galileu quem inventou o telescópio?

Não, mas foi responsável pelo seu aperfeiçoamento e o primeiro a compreender a sua utilidade astronómica.

Um telescópio pode ser construído com espelhos?

Telescópios refletores, como o inventado por Newton, utilizam espelhos excepto na ocular.

Quando se fabrica um telescópio, é mais fácil alcançar boa resolução ou grande ampliação?

A ampliação de um telescópio depende simplesmente da relação entre a distância focal do telescópio e a distância focal da ocular. É assim simples alcançar grandes ampliações, mas a qualidade da imagem pode ser fraca. A qualidade da imagem depende da perfeição das superfícies ópticas utilizadas e do tamanho da superfície da lente/espelho do telescópio. Uma superfície maior permite alcançar uma melhor resolução, que é a capacidade de distinguir dois objetos distantes muito próximos no céu.

Porque é que a resolução de um telescópio depende do seu tamanho?

A resolução de um telescópio é proporcional ao diâmetro da sua superfície coletora de luz e inversamente proporcional ao comprimento de onda da luz utilizada.

Não encontrou resposta para a sua dúvida? Não a esqueça!

A possibilidade de colocar novas questões encontra-se encerrada. A ausência de apoios e dificuldades em termos de disponibilidade por parte dos nossos colaboradores forçaram-nos a encerrar, esperamos que de forma temporária, o Pergunte ao Astrónomo.

Fonte: www.portaldoastronomo.org

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal