Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Concretismo  Voltar

Concretismo

 

Concretismo é um abstracionismo geométrico que procura, através de cores e linhas, um movimento perceptivo vibratório. O espectador, ao contemplar a obra, vai sentir certas vibrações e modificações perceptíveis nas imagens da composição.Traz semelhanças com o Suprematismo e o Construtivismo.

Concretismo
Max Bill. Harmonie der Saulen, 1979. Litografia.

Concretismo procura sintetizar as teorias abstratizantes e científicas da Arte Moderna. É bidimensional, levando a pintura de volta superfície do quadro, como fez Mondrian no Neo-plasticismo.

No Brasil, a primeira Bienal de São Paulo(1951) estimula muitos artistas a engajarem-se na linguagem despojada e geométrica da arte concreta.

A aplicação prática do Concretismo foi a programação visual e o design industrial. Destacam-se os brasileiros Ivan Serpa, Lígia Clark e Hélio Oiticica.

Concretismo
Ivan Serpa. Formas, 1951. Óleo sobre tela.

Concretismo
Ivan Serpa. Faixas Ritmadas, 1953. Tinta industrial sobre hard board.

Internacionalmente, destacam-se Max Bill, Josef Albers e Bruno Munari.

Concretismo
Max Bill. Double surface with six rectangular corners (Moebius), 1948-78. Granito.

A arte concreta é precursora do movimento “op-art”.

Fonte: www.diretoriodearte.com

Concretismo

Concretismo é um movimento de vanguarda na música erudita e nas artes plásticas que surge na Europa nos anos 50. Na literatura, a primeira manifestação oficial se dá no Brasil. O movimento defende a racionalidade e rejeita o Expressionismo, o acaso e a abstração lírica e aleatória. Não há intimismo nas obras, nem preocupação com o tema. A idéia é acabar com a distinção entre forma e conteúdo e criar uma nova linguagem.

Na década de 60, poetas e músicos envolvem-se com temas sociais. De modo geral, é uma ligação pessoal, sem destaque na obra, a qual se preocupa mais com a inovação da linguagem.

Muitos artistas, porém, defendem a afirmação do poeta russo futurista Vladímir Maiakóvski (1893-1930) de que não há arte revolucionária sem forma revolucionária.

O movimento surge oficialmente no cenário artístico internacional em 1954, quando começam a funcionar regularmente os cursos da Escola Superior da Forma em Ulm, na Alemanha. Baseia-se na produção e na teoria de vários artistas ligados ao Abstracionismo geométrico, sobretudo do suíço Max Bill (1908-). Eles exigem racionalidade, desfazem a distinção entre figura e fundo e enfatizam a linguagem do design. Usam régua para conceber as pinturas. As esculturas têm formas geométricas.

Nos anos 60, o Concretismo e as tendências do Abstracionismo geométrico originam a op art (arte óptica), uma arte abstrata em que efeitos ticos confundem forma e fundo e distorcem a profundidade. Muitas obras são criadas em preto-e-branco. Várias dependem da luz ambiente e de movimento para produzir os efeitos pretendidos. O nome mais significativo é o do húngaro radicado na França, Victor Vasarely (1908-).

Nascida oficialmente no Brasil, com a obra dos poetas Augusto de Campos (1931-), Haroldo de Campos (1929-) e Décio Pignatari (1927-), a poesia concreta alcança expressão também em países europeus, no Japão e nos Estados Unidos (EUA).

Caracteriza-se pelo abandono do verso, da importância do tema e da expressão de emoções íntimas. Explora o som e a disposição das letras no papel, em busca de efeito gráfico, eliminando a direção tradicional de leitura. Na composição do texto, podem ser usados vários tipos de letra.

Eventualmente a impressão é feita em cores. Entre os precursores da poesia concreta estão os poetas franceses Guillaume Apollinaire (1880-1918), Stéphane Mallarmé (1842-1898), o norte-americano Ezra Pound (1885-1972), os futuristas e os dadaístas.

Concretismo na música aparece em 1948, com Pierre Schaeffer, (1910-1995). As composições são criadas com base nas sucessivas montagens de fitas com sons do cotidiano, como vassouras em fricção no chão, água escorrendo da torneira, barulhos de rua.

No início, o Concretismo na música tem caráter aleatório.

Depois, adota os critérios rígidos que marcam o movimento nas artes plásticas e na poesia.

O resultado é a música eletrônica desenvolvida na Alemanha.

Concretismo nas artes plásticas ganha força após a exposição das obras de Max Bill, vencedor da 1ª Bienal de Artes de São Paulo, em 1951, e do lançamento do manifesto Ruptura no ano seguinte. O líder do movimento é Waldemar Cordeiro (1925-1973). Fazem parte do grupo inicial Geraldo de Barros (1923-1998) e Luís Sacilotto (1924), que também antecipam características da op art.

Na literatura, o primeiro número da revista Noigandres, em 1953, marca a união dos criadores da literatura concreta - Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari. Mas só na segunda edição, em 1955, é que se publica o primeiro poema integralmente concreto, Poetamenos, de Augusto de Campos, feito em 1953.

Na década de 60, realizam-se experimentações formais com palavras ligadas a problemas sociais. Poetas concretos destacam escritores esquecidos, como é o caso de Sousândrade (1832-1902), e valorizam o trabalho de tradução como uma recriação poética. Exercem também influência sobre compositores ligados ao Tropicalismo.

Concretismo na música é bem recebido no país, mas na época não há estúdio que faça esse tipo de composição.

Fonte: www.spiner.com.br

Concretismo

Entende-se por VANGUARDA um grupo de pessoas cujas idéias se mostram impregnadas por uma nova postura frente a conceitos já estabelecidos. Mudança de linguagem e estilo. Novos ângulos. Experimentação. Assim ao longo da História as Vanguardas se sucedem, renovam diretrizes estéticas e influenciam definitivamente a cultura e o comportamento das nações. Nossa primeira vanguarda consistente se deu com o Modernismo, que se revigorou com a Antropofagia, mantendo sua ânsia renovadora por praticamente três décadas, até surgir em São Paulo um grupo de poetas e artistas capazes de abalar todo esse alicerce moderno mas trintão: o movimento Concreto, liderado por Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari.

É interessante constatar que o concretismo acontecia em várias partes do mundo a partir do final da segunda guerra mundial.

Houve concretismo na Alemanha, na França, nos Estados Unidos, Inglaterra e Escócia, em muitos casos uns não sabiam o que os outros estavam fazendo.

No Brasil o concretismo se deu quase que de forma simultânea, quando descobrem Erza Pound e resolvem realizar um trabalho de "invenção".O surgimento oficial se daria em 1956 com a Exposição Nacional de Arte Concreta, realizada no Museu de Arte Moderna em São Paulo, embora o grupo já existisse desde 52. A exposição reuniu trabalhos de artistas de São Paulo e Rio, contou com palestras de vários poetas e pintores.

O movimento continha em suas veias um pouco do sangue antropofágico de Oswald de Andrade, o formalismo de Pound e a herança visual de Stéphane Mallarmé, mas buscava (ou já tinha encontrado) um novo estilo, "produto de uma evolução crítica de formas". Alguns estudiosos o consideram um sub-movimento, inserido nas muitas variações do Modernismo, sem a consistência que caracteriza os grandes movimentos artísticos.

No entanto a poesia brasileira deste período se debateu entre ser ou não ser concretista, muitos poetas se sentiram pressionados: era a morte da lírica?

Outros chegaram a pensar que aquele fosse o rumo definitivo da poesia, como se em poesia caminhos definitivos existissem. Mas não existem...

Felizmente a poesia brasileira é plural, terrivelmente plural, mesmo diante da avassaladora influência do concretismo, ocorrida não apenas pela qualidade da obra do grupo, mas pelo desenvolvimento de uma teoria poética sem precedentes em nossa história literária, com proposições e objetivos artísticos bem delineados: "linguagem direta, economia, arquitetura..." e, também, pelo excelente trabalho de traduções.

concretismo enriqueceu a poesia brasileira contemporânea com a possibilidade da palavra pura, palavra-coisa, trouxe os ideogramas, a poesia russa moderna, Mallarmé e Octavio Paz, abrindo um novo leque poético.

Enfim , a grande contribuição do movimento foi ter colocado a poesia no centro da roda, instrumento de e para o debate, como uma "arte geral da palavra, poesia como produto: objeto útil.".

Poesia como coisa, coisas inventadas, reinventadas, reverbificadas. Décadas depois podemos afirmar: a experiência acrescentou novos códigos e parâmetros estéticos à cultura brasileira contemporânea, e ainda hoje desperta polêmicas. Quer mais? Ave Poesia! Assim seja.

Concretismo
"beba coca cola" (1957), 
Décio Pignatari

Concretismo
Lygia Clark, Plano superfícies moduladas n.3

Concretismo
Haroldo de Campos, 1962

Concretismo
"pós-tudo" - Augusto de Campos

Fonte: www.tanto.com.br

Concretismo

Movimento de Vanguarda ligado ao concretismo de poesia, música e artes plásticas do mundo inteiro.

Manifestou-se principalmente a partir de 1957, no Suplemento Literário do "Jornal do Brasil", e noutras publicações como as revistas "Noigandres" ou "Tendência", de circulação bastante reduzida. O verso foi extinto, e também abolida a possibilidade da leitura tradicional, podendo o texto ser exposto indiferentemente em linhas e direcções várias, ou como formas que valham por suas próprias aparências gráficas, à maneira de cartaz abstraccionista.

Assim, a palavra retorna ao seu valor de signo não intelectado, e organiza-se numa sintaxe na qual as partículas de junção desaparecem em benefício de uma "ideografia" nova. Há um interesse muito especial pelo aspecto gráfico do poema : várias famílias e dimensões de tipos de caracteres topográficos devem ser utilizados dentro do mesmo poema, para o devido relevo de intenções.

Dicionário da Literatura, 5 volumes, COELHO, Jacinto do Prado (dir.lit.), 3ªedição, Porto, Figueirinhas, vol.1, 1982, p.193

Fonte: www.citi.pt

Concretismo

Concretismo
Max Bill – artista responsável pela vinda do Concretismo para o Brasil.

Concretismo surgiu na Europa no início do século XX, advindo do movimento abstracionista moderno, o qual tinha como característica fundamental a abstração da arte através da incorporação de formas geométricas ao visual.

Os artistas tinham como objetivo aliar os recursos gráficos à arte (música, poesia e artes plásticas) e abstrair-se de todo envolvimento com o lirismo e o sentimentalismo artístico.

Os concretistas adotavam meios para que a realidade fosse incorporada ao trabalho artístico.

Dessa forma, os quadros e as poesias apontavam para as figuras arquitetônicas e esculturais do cotidiano, além de possuírem diversas possibilidades de leituras através dos diferentes ângulos visuais. Este tipo de concepção da arte é chamada de plástica.

O Cubismo foi um movimento que marcou esta manifestação artística do Concretismo ao definir o quadro como suporte para a reconstrução da realidade, a qual pode ser vista por diferentes facetas.

O responsável pela vinda da concepção plástica da arte para o Brasil e, de forma geral, para a América Latina, foi Max Bill, artista, arquiteto e designer gráfico suíço. Em 1951, Bill realizou uma exposição de suas obras no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp, a qual inicia o processo de consolidação do movimento concretista no Brasil.

poesia concreta começa a ser notada através da publicação da revista “Noigandres” pelos poetas Décio Pignatari, Haroldo de Campos e Augusto de Campos e se estabiliza através da Exposição de Arte Concreta, em 1956, no Museu de Arte Moderna de São Paulo.

As principais características da poesia concreta são: a abolição do verso tradicional, o aproveitamento do espaço em branco da página, a disposição geométrica, o conteúdo voltado aos aspectos sonoro e visual, o uso de neologismos e a ruptura com a sintaxe.

Fonte: www.mundoeducacao.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal