Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Arte / Xilogravura

Xilogravura

O que é

PUBLICIDADE

Xilogravura é uma técnica de impressão de uma gravura em relevo.

Um artista esculpe uma imagem na superfície de um bloco de madeira com goivas, as partes de impressão ao nível da superfície.

A superfície é coberta com tinta sobre a superfície com um rolo coberto de tinta, deixando a tinta sobre a superfície plana, mas não nas áreas não impressas.

Xilogravura

Uma forte característica dos folhetos de cordel é sem dúvida suas xilogravuras. Você sabe o que significa xilogravura?

Xilo vem do grego e significa madeira.Xilogravura é uma expressão artistica. Nasceu na China por volta do ano 800.

Xilogravura, é a arte de gravar em madeira. Primeiro o artista esculpe na madeira o que deseja desenhar, depois através das etapas abaixo, ele imprime no papel o desenho feito.

Matriz: taco de madeira gravado com instrumentos de corte.

Entintagem: a tinta é colocada na área que não foi encavada através de um rolo.

Impressão: transporte da imagem para o papel através de pressão a mão ou no prelo.

Quanto à matriz, outros materiais podem ser usados como: linóleo, poliuretano, compensados, etc.

Outra técnica muito parecida é a lineogravura, mas como diferenciar a xilogravura da linoleogravura?

1. Na xilogravura, nos planos fechados aparecem os veios da madeira, o que não acontece na linoleogravura, que fica chapada.

2. Passando a mão na imagem sente-se o relevo da pressão nas duas técnicas.

Xilogravura

O reino mágico da xilo(gravura)

Resumo

No Nordeste, a cultura popular é exuberante. É aclamada e cultuada, não apenas dentro, mas, sobretudo, fora do país. Podemos citar como exemplo os folhetos da Literatura de Cordel, que são escritos, ilustrados e recitados pelos seus próprios habitantes, reconhecida internacionalmente.

O Movimento Armorial é uma página dessa história de riqueza artística. Tal Movimento tem Ariano Suassuna como idealizador, o qual procurou valorizar a cultura popular da região, fazendo das suas manifestações a fonte alimentadora do seu trabalho erudito.

A xilogravura faz parte dessa história e consiste em utilizar a madeira para, aí, serem talhados os mundos mágico, romântico e trágico. Os xilo(gravuristas) J. Borges e Gilvan Samico são artistas conhecidos e renomados.

Dado ao seu caráter cultural, social, literário, poético, político, educativo e artístico, a xilogravura – elemento do Movimento Armorial – insere-se na perspectiva de desenvolvimento da valorização, do respeito, da preservação, do cultivo e interesse da sociedade pela cultura popular, sendo objeto de estudo, conhecimento e aprendizado.

Neste sentido, o objetivo deste trabalho é discutir a importância da arte da xilogravura para compreensão do romanceiro popular (Literatura de Cordel), que tem suas raízes no medieval ibérico que penetrou no Brasil.

Para elaborar este trabalho, foram realizadas entrevistas com os artistas José Francisco Borges e José Gilvan Samico, para que pudéssemos perceber as características e simbologias de suas obras. Além disso, foi necessária a realização de pesquisa bibliográfica em livros, revistas, e em sites sobre cultura popular, xilogravura e sobre o Movimento Armorial, do qual J. Borges e Samico são representantes.

Na primeira parte, discutiremos aspectos do Nordeste, do Movimento Armorial, da gravura e de sua evolução. Adiante, tomaremos como foco de nossa análise duas obras, nas quais descreveremos a simbologia apresentada.

O Nordeste brasileiro, ainda que em pleno século XXI, não oferece condições favoráveis de vida para os seus habitantes. É uma região esquecida pelos que ditam e regem as leis públicas deste país. É um lugar castigado pela falta de recursos, pela falta de atenção, e pelo poder constituído.

Mesmo apresentando tantas dificuldades, é nesta região que grande parte de escritores, cineastas, universitários, pesquisadores, intelectuais, busca inspiração para escrever livros, poemas, para fazer filmes, novelas, teatros e, também, para elaborar teses, desenvolver estudos, enfim, uma série de atividades culturais.

É uma terra curiosa, que desperta o interesse de muitos. É também uma terra rica de sentimentos, de valores e de realizações humanas. No Nordeste, a cultura popular é exuberante. É aclamada e cultuada, não apenas dentro, mas, sobretudo, fora do país. Podemos citar os folhetos da Literatura de Cordel, que são escritos, ilustrados e recitados por artistas da própria região.

O Movimento Armorial é uma página dessa história de riqueza artística. Seu precursor, o poeta, escritor, professor e mestre Ariano Suassuna procurou valorizar a cultura popular da região, fazendo das suas manifestações a fonte alimentadora do seu trabalho erudito.

É um Movimento que integra vários aspectos da cultura nordestina, como literatura, música, escultura, gravura, tapeçaria, cerâmica, pintura e espetáculos de rua. Para o ensaísta e professor universitário de Direito Internacional Público, Marcos Vinicios Rodrigues Vilaça,

O movimento armorial tem uma ligação com o espírito mágico do Romanceiro Popular do Nordeste – a literatura de cordel – com a música de viola, rabeca, pífano, que acompanha seus “cantadores”, e com xilogravuras, ilustração de suas capas, assim também com o espírito e a forma das artes e espetáculos populares. (VILAÇA, 2000, p. 16).

De acordo com a norma culta da língua brasileira, o nome ARMORIAL é um substantivo, mas o professor Ariano Suassuna emprega-o como adjetivo. Ele justifica que o escolheu por que o nome tem ligação com os esmaltes da Heráldica (brilho puro, festivo, nítido, metálico e colorido) como um brasão, além de ser uma palavra bela. E completa: ‘’conjunto de insígnias, brasões, estandartes e bandeiras de um povo, no Brasil a Heráldica é uma arte muito mais popular do que qualquer outra coisa’’. (SUASSUNA, 1974, p. 4).

Mesmo antes da existência desse Movimento, muitos artistas já cultivavam e exploravam a cultura popular nordestina sem mesmo ter conhecimento teórico sobre o que estavam criando, pois para esses artistas o importante da arte é criar.

O levantamento de um aparato teórico pode ser levado a efeito em depoimentos dos próprios artistas. Concretamente, xilo(gravuristas) como José Francisco Borges Gilvan e José Samico declaram que eram armoriais antes da existência do movimento. Eram armoriais avant la lettre, como diriam os franceses. Estes os dois mais conhecidos e renomados artistas gravadores populares no Brasil, segundo palavras ditas pelo então idealizador do movimento, Ariano Suassuna.

O dicionário Larousse, Ática, define xilogravura assim: “gravura obtida pelo processo da xilografia”. Xilografia quer dizer “arte de gravar em madeira. Técnica de impressão em que o desenho é entalhado com goiva, formão, faca ou buril em uma chapa de madeira”. (LAROUSSE, 2001, p. 1042).

A gravura armorial constitui-se, primeiramente, em utilizar a forma mais primitiva e simples, que é a madeira, mas não a madeira das árvores nativas e sim compensadas, e as ferramentas são construídas de forma artesanal pelos próprios artesãos. Na madeira, são talhados, ou desenhados com certa rusticidade, os mundos mágico, romântico e trágico. Retratam-se cenas misteriosas como as narradas na literatura de cordel.

Nos anos 40, a xilogravura chega ao apogeu no Nordeste rural, surgindo nomes ao lado dos artistas tradicionais: Expedito Sebastião da Silva, Augusto Laurindo Alves (Cotinguiba), José Estácio Monteiro, José Martins dos Santos, Minelvino Francisco da Silva, Eneias Tavares dos Santos, além de José Soares da Silva (Dila), José Costa Leite, José Francisco Borges (J. Borges). Nessa época, também a xilogravura passou por uma fase de rejeição do público nordestino; pensava-se até na sua extinção. Mas, com a ajuda de estrangeiros, essa prática artística reagiu, firmou-se e se impôs como meio de expressão. (QUEIROZ, 1983).

Após esse período conturbado, graças à coragem e perseverança dos artistas nordestinos, a xilogravura começou a ganhar espaço e se destacar no mundo moderno.

Beatriz Bittencourt relata muito bem esse processo de crescimento, explicando que:

A partir da década de 60 foi que a xilogravura começou a se destacar e ganhar status. Intelectuais começaram a produzir álbuns de gravuras, o que fez com que a xilogravura ganhasse proporções internacionais. (BITTENCOURT, 2004).

Hoje em dia, a xilogravura é presença marcante no meio publicitário, na imprensa, nas ilustrações em revistas e livros, como forma de enriquecer a cultura popular, sendo certamente um bom começo para substituir o desenho gráfico.

No Estado de Pernambuco, principalmente na zona do Sertão, há presenças acentuadas de artistas tradicionalmente populares, que destacam em suas obras elementos representativos do cotidiano sertanejo. A xilogravura é esculpida por interioranos, camponeses e citadinos, que expressam a vida do homem com a natureza, as lendas, os mitos, a religiosidade, enfim, tudo que retrata as histórias, os conhecimentos e as experiências de vida.

J. Borges: do cordel a xilogravura

Outro nordestino e sertanejo, José Francisco Borges, ou J. Borges, como prefere ser chamado, é conhecido dentro e fora do país como um dos melhores xilógrafos e poetas populares. Começou a se interessar pela arte popular através dos folhetos da literatura de cordel que ouvia, lia e, posteriormente, passou a escrever e vender.

Em suas histórias, são retratados o dia-a-dia do pobre, do cangaço, do amor, dos castigos do céu, dos mistérios, dos milagres, crimes e corrupção, dos folguedos populares, da religiosidade, do engano, enfim, de todo o universo cultural que descreve a vida do povo nordestino.

Para J. Borges, o cordel foi a base para o início da sua profissão. A originalidade, irreverência e personagens imaginários são notáveis nas suas obras. Hoje sua principal atividade é a xilogravura, hábil tarefa de esculpir figuras de diabo, Lampião, prostitutas, vaqueiros, festas de São João e assim em diante.

A obra A chegada da prostituta no céu (1976), na qual iremos trabalhar, descreve o confronto da sociedade civil com o convencionalismo, em que o certo e o errado, o bem e o mal, o bom e o ruim são uma regra É uma obra que retrata o perdão, a religiosidade, o mito e lendas sertanejas.

Nela, há personagens emblemáticas da cultura nordestina como São Pedro – santo da chuva e chaveiro do céu e o satanás – inimigo, diabo e o que arma ciladas. Há ainda a figura da mulher (prostituta – ser marginalizado, odiado, que usa o adultério para sobreviver). A mulher e o diabo são personagens que chamam muita atenção, seja por serem engraçados, feios ou bonitos, disse Borges.

Samico: universo fantástico

O pernambucano Gilvan Samico é considerado um dos melhores gravadores da cultura popular nordestina. Sua obra possui traços de dois grandes mestres do ramo de xilogravura – Lívio Abramo e Oswaldo Goeldi, com quem adquiriu lições e técnicas importantes para o aperfeiçoamento de sua arte.

Outro elemento que se percebe acentuadamente em seu trabalho é o reencontro com suas raízes culturais, fincadas precisamente no Romanceiro Popular Nordestino.

Uma marca característica de Samico se dá pelo universo imaginário criado por ele – um mundo mágico, mitológico e fantástico. Universo de figuras de animais domésticos como cachorro, cavalos, pavões, galos; selvagens, como leões, lagartos, cobras; e outros, como peixes, borboletas e pássaros.

Além desses, os inventados, como dragões, leões com asas, cavalo sem orelha e bichos de duas cabeças. (FARIAS, 2005). Há ainda, nesse cenário, imagens de mulheres e homens que, adequadamente, se unem e transmitem a idéia ilusionista e lendária.

Na obra A Fonte (1990), é possível perceber alguns ou quase todos os aspectos acima citados, como também a construção de um universo misterioso, erótico e belo. É uma obra considerada forte, criativa e arrebatadora que chama a atenção primeiramente pelo fato de a imagem feminina seguir uma transitividade que nos leva a ter várias informações, subsídios e interpretações. A mulher como fonte de prazer, sabedoria, amor, coragem, vida, procriação, beleza e dignidade. Como o centro das atenções. Como mito.

A mulher que se encontra no topo provoca nossa imaginação, nos faz achar que, em virtude da sua posição, seja uma sereia, por se mostrar sedutora, por possuir pés/caudas, com formato de peixe e cabelos longos e por estar despida, sendo, portanto a representação hierárquica maior, ou seja, rainha do mar (Iemanjá), fonte do desejo, da esperança, do encanto e da fé.

De seus pés/caudas onde se encontra a fonte, jorra água que irriga as duas plantas, brotando delas mulheres-flores, simbolizando a reprodução e a fertilidade. Já a mulher (parte inferior) também faz analogia à explicação já citada, apenas o que diferencia é que a água jorra da boca de um lagarto-monitor – espécie de varanídeo, lagarto grande, ágil, predador, de cabeça pontuada, pescoço longo e delgado, corpo robusto, membros dotados de garras poderosas e cauda comprida e espessa; esses bichos são bons trepadores e nadadores. (FERREIRA, 1999, p.1179). Além disso, existem duas lagartas em fase de metamorfose que estão indo de encontro à figura feminina como a deleitar-se.

Nas duas obras, podemos perceber a constante figura feminina. Possivelmente seja por seu fascínio, mistério e sensualidade. Como diz J. Borges, “a mulher chama muita atenção, mulher linda, bonita, chama atenção, mulher feia demais chama atenção” (BORGES, 2005). São também obras mitológicas, onde se misturam lendas e a criatividade de cada artista. Obras que guardam segredos por trás de figuras que representam histórias reais ou fictícias.

O crítico de arte e curador independente, Frederico Morais visualiza uma estrutura simétrica na obra de Samico, descrição esta que também cabe à obra de J. Borges:

“[…] esta simetria é também semântica, isto é, ela corresponde aos binômios ou dualismos que integram o fabulário sertanejomedieval do Nordeste: Deus e o diabo, o bem e o mal, o céu e o inferno, realidade e fantasia”. (MORAIS, 1997, p. 10).

A obra A Fonte nos chamou atenção pelo destaque dado à figura feminina, pelo toque erótico e pelas várias relações com a natureza. Já a obra A chegada da prostituta no céu foi escolhida por ela representar para J. Borges sua xilogravura predileta, por ter grande aceitação do público, além do destaque também atribuído à mulher.

Referências

BITTENCOURT, Beatriz. O que é xilogravura. Disponível em: <http://www.artepostal.com.br/xilo.php>. Acesso em: 20 setembro 2005.

BORGES. José Francisco. José Francisco Borges: Depoimento [setembro 2005].

Entrevistadores: Claudilaine Lima e Sandra Guedes. 2005. Entrevista concedida para o artigo O Reino Mágico da Xilo(gravura).

FARIAS, Agnaldo. O oráculo de Olinda. Gilvan Samico. Recife: Coleção artistas do mamam, 2005.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

LAROUSSE, Ática. Dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Ática, 2001.

MORAIS, Frederico. Encantamento. Samico: 40 anos de gravura. Rio de Janeiro: centro cultural banco do Brasil; Recife: museu de arte moderna Aloísio Magalhães, 1998.

Catálogo.

QUEIROZ, Jeová Franklin. A xilogravura nordestina. Revista Educação e Cultura do Estado da Paraíba. João Pessoa: ano III, nº 11, out/nov/dez/1983.

_______, A via sacra da gravura sertaneja. Revista Interior. Brasília: ano VII, nº 36, jan/fev/ 1981.

SAMICO, Gilvan. Gilvan Samico. Depoimento [outubro 2005]. Entrevistadores: Claudilaine Lima e Sandra Guedes. 2005. Entrevista concedida para o artigo O Reino Mágico da Xilo(gravura).

SUASSUNA, Ariano. O movimento armorial. Recife: Editora Universitária, 1974.

VILAÇA, Marcos Vinicios Rodrigues. Caderno de literatura brasileira. São Paulo: Instituto Moreira Salles, novembro/2000.

Claudilaine Lima
Sandra Guedes

Fonte: en.wikipedia.org/ www.edukbr.com.br/www.unicamp.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arte Nova

PUBLICIDADE Definição Art nouveau é um estilo internacional em arquitetura e design que surgiu na …

Tipografia

PUBLICIDADE A Tipografia, design ou seleção de formulários de letras a serem organizados em palavras …

Ilusionismo

PUBLICIDADE Definição Ilusionismo é uma técnica de usar métodos pictóricos para enganar o olho. Ilusionismo éo uso …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

QUESTION 1 You are managing a SharePoint farm in an Active Directory Domain Services (AD DS) domain. You need to configure a service account to use domain credentials. What should you do first? A. Configure the service account to use a domain user account. B. Register the domain credentials in the Farm Administrators group. C. Configure the service account to use a local user account. D. Register the domain credentials as a SharePoint managed account. Correct Answer: D Explanation QUESTION 2 A company named Contoso, Ltd. has a SharePoint farm. The farm has one Search service application configured. The Search service application contains five crawl databases, all of which contain content. Contoso plans to crawl knowledge base content from its partner company Litware, Inc. The knowledge base content must be stored in a dedicated crawl database.https://www.pass4itsure.com/az-103.html You need to configure crawling. What should you do? A. Add a crawl database that contains the Litware knowledge base to the existing Search service application. B. Provision a new Search service application. Configure the service application to crawl the Litware knowledge base content. C. Set the MaxCrawlDatabase parameter to 6. D. Create a dedicated Microsoft SQL Server instance for the Litware crawl database. Correct Answer: B Explanation Explanation/Reference: https://www.pass4itsure.com/az-9002.html The maximum number of crawl databases is 5 per Search service application so we need another Search service application. This maximum limit is increased to 15 with an Office 2013 update but the question doesn't mention that this update is installed so we have to assume the question was written before the update was released. https://www.pass4itsure.com/az-300.html QUESTION 3 A company uses SharePoint 2013 Server as its intranet portal. The Marketing department publishes many news articles, press releases, and corporate communications to the intranet home page. You need to ensure that the Marketing department pages do not impact intranet performance. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. In Central Administration, set up a User Policy for the Super User and Super Reader accounts. B. Configure IIS to use the Super User and Super Reader accounts for caching. C. Use the Farm Configuration Wizard to configure the Super User and Super Reader accounts. D. Use Windows PowerShell to add the Super User and Super Reader accounts. Correct Answer: AD Explanation Explanation/Reference: A: The way to correct this problem is to first create two normal user accounts in AD. These are not service accounts. You could call them domain\superuser and domain\superreader, but of course that's up to you. The domain\superuser account needs to have a User Policy set for that gives it Full Control to the entire web application. D: If you are using any type of claims based authentication you will need to use Windows PowerShell. And Windows PowerShell is the hipper more modern and sustainable option anyway. If you are using classic mode authentication run the following cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "domain\superreader" $w.Update() If you are using claims based authentication run these cmdlets on one of your SharePoint https://www.pass4itsure.com/n10-007.html servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "i:0#.w|domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "i:0#.w|domain\superreader" $w.Update() Note: * If you have a SharePoint Publishing site and you check the event viewer every once in a while you might see the https://www.pass4itsure.com/70-331.html following warning in there: Object Cache: The super user account utilized by the cache is not configured. This can increase the number of cache misses, which causes the page requests to consume unneccesary system resources. To configure the account use the following command 'stsadm -o setproperty -propertynameportalsuperuseraccount -propertyvalue account -urlwebappurl'. The account should be any account that has Full Control access to the SharePoint databases but is not an application pool account. Additional Data: Current default super user account: SHAREPOINT\system This means that the cache accounts for your web application aren't properly set and that there will be a lot of cache misses. If a cache miss occurs the page the user requested will have to be build up from scratch again. Files and information will be retrieved from the database and the file system and the page will be rendered. This means an extra hit on your SharePoint and database servers and a slower page load for your end user. Reference: Resolving "The super user account utilized by the cache is not configured." QUESTION 4 You are managing a SharePoint farm. Diagnostic logs are rapidly consuming disk space. You need to minimize the amount of log data written to the disk. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. Set the log event level to Information. B. Set the log event level to Verbose. C. Set the log trace level to Medium. D. Set the log trace level to Verbose. E. Set the log event level to Warning. F. Set the log trace level to Monitorable. Correct Answer: EF Explanation Explanation/Reference: E: Event Levels Warning, Level ID 50 Information, Level ID: 80 Verbose, Level ID: 100 F: Trace levels: Monitorable: 15 Medium: 50 Verbose: 100 Note: When using the Unified Logging System (ULS) APIs to define events or trace logs, one of the values you must supply is the ULS level. Levels are settings that indicate the severity of an event or trace and are also used for throttling, to prevent repetitive information from flooding the log files. Reference: Trace and Event Log Severity Levels QUESTION 5 A company's SharePoint environment contains three web applications. The root site collections of the web applications host the company intranet site, My Sites, and a Document Center. SharePoint is configured to restrict the default file types, which prevents users from uploading Microsoft Outlook Personal Folder (.pst) files. The company plans to require employees to maintain copies of their .pst files in their My Site libraries. You need to ensure that employees can upload .pst files to My Site libraries. In which location should you remove .pst files https://www.pass4itsure.com/70-342.html from the blocked file types? A. The File Types area of the Search service application section of Central Administration B. The General Security page in the site settings for the site collection C. The Blocked File Types page in the site settings for the site collection D. The General Security section of the Security page of Central Administration Correct Answer: D Explanation