Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Manga - Página 4  Voltar

Manga

Nome popular da fruta: Manga
Nome científico: Mangifera indica L.
Origem: Ásia (Índia)

Manga

Fruto

Fruto do tipo drupa, com 5 a 20 cm de comprimento, forma alongada, ovóide ou arredondada. A casca é esverdeada, com manchas pretas, amarelas ou róseas quando madura. A polpa é carnosa, suculenta, de coloração amarela ou amarelo-alaranjada, fibrosa em algumas variedades. A semente é achatada e de tamanho variável.

Planta

Árvore de grande porte – atinge até 35 ou 40 m de altura –, com copa densa, frondosa e com raio de até 10 m. As folhas são perenes, coriáceas, de coloração avermelhada quando jovem e verde-escura posteriormente. A inflorescência é uma panícula em forma de cone. As flores são pequenas alvas, róseas ou esverdeadas.

Cultivo

Na exploração da manga no Brasil convivem sistemas extensivos, em áreas esparsas, quintais e fundos de vales em pequenas propriedades, formando bosques subespontâneos; e sistemas tecnificados, normalmente irrigados e em extensas áreas, visando a produção de variedades selecionadas para os mercados interno e externo.

Nos sistemas extensivos predominam as variedades locais do tipo ‘Bourbon’, ‘Rosa’, ‘Espada’, ‘Coqueiro’, ‘Ouro’, entre várias outras. Nos sistemas tecnificados predominam novas variedades de manga, principalmente de origem norte-americana e de comprovada aceitação pelos mercados, principalmente para consumo “in natura”.

A escolha da variedade de manga a ser plantada está relacionada às preferências do mercado consumidor; o potencial produtivo da variedade para região; as limitações fitossanitárias e de pós-colheita da variedade; e, principalmente, ao comportamento ou tendência de mercado do tipo de fruto a ser produzido. Por ser uma planta com período juvenil muito longo – iniciando a produção comercial com quatro anos de idade –, a má escolha da variedade pode significar enormes prejuízos em curto prazo.

Dentre as muitas variedades, a Tommy Atkins (de origem norte-americana) é a mais produzida e que possui a maior participação no volume comercializado de manga no mundo, devido principalmente a sua coloração intensa, produções elevadas e resistência ao transporte a longas distâncias. No entanto, variedades com melhor sabor vêm se projetando no mercado mundial, em detrimento da Tommy Atkins, como a Palmer.

Um dos principais problemas no cultivo da mangueira, para quase todas as variedades, é a irregularidade na produção, com alternância (uma safra de maior produção é seguida de uma safra de menor produção). A utilização de reguladores (hormônios) vegetais na cultura permite o atendimento mais racional da demanda, considerando-se épocas mais favoráveis do ponto de vista comercial e fitossanitário, podendo também contribuir para controlar a alternância de produção. As indústrias, principalmente, são afetadas pela inconstância na produção anual, onde se observa uma flutuação de até 150% na oferta.

No entanto, para se obter sucesso com esta prática, o produtor deverá conhecer bem a planta e os agentes internos e externos que naturalmente afetam este processo. Os produtos mais usados são os nitratos de potássio, amônio e cálcio, em concentrações que variam de 1% a 8%, dependendo da variedade e da região. Deve-se tomar cuidado, no entanto, com as dosagens em função que superdosagens, que podem causar desfolha e queima das gemas, bem como subdosagens, que promovem baixa eficiência. Em geral, os fitorreguladores são pulverizados nas plantas a partir do 4O ano de idade, entre o final da estação chuvosa e início da seca, nas horas menos quentes do dia e em ramos com aproximadamente 7 meses.

As pragas e doenças constituem fatores limitantes à cultura da mangueira. Dentre as pragas, as moscas-das-frutas são o principal problema. As larvas desses insetos sobrevivem no interior dos frutos e causam queda prematura e a inutilização destes para o comércio e indústria.

A antracnose (causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioides Penz.) é uma doença que causa grandes prejuízos na produção e comercialização da manga e o seu controle é importante para garantir a produtividade e manter a qualidade dos frutos.

Usos

A manga é consumida fresca ou industrializada, na forma de polpa, suco ou doce.

Mercado

A manga brasileira tem no mercado interno seu principal destino, comercializada quase que exclusivamente na forma fresca, embora também seja encontrada nas formas de compota, suco integral e polpa congelada. A polpa é empregada na elaboração de doces, geléias, sucos e néctares, além de poder ser adicionada a sorvetes, misturas de sucos, licores e outros produtos.

As folhas, bem como o tronco (madeira), são aproveitados nas indústrias farmacêutica e madeireira.

Devido à ocorrência das pragas e doenças, o exportador de manga é obrigado a realizar diversos tratamentos pós-colheita nos frutos para atender mercados específicos, como Estados Unidos e Japão. Os tratamentos oneram os custos e exigem instalações próprias (packing house) para serem realizados, aumentando substancialmente o investimento.

Pierre Vilela

Fonte: www.sebrae.com.br

Manga

Esta fruta deliciosa, refrescante no verão, tem quase quinhentas variedades. Isso mesmo, quinhentas! Nativa da Índia, trazida de Goa pelos colonizadores portugueses, a manga é altamente nutritiva, rica em fibras, proteínas, sais minerais e vitaminas (A, B, C). Deve-se evitar, porém, o suco da fruta verde, porque contem substâncias abortivas.

Nome científico: Mangifera indica
Família: Anacardiáceas
Nome comum: mangueira, manga
Origem: Índia e Burma

Manga

Descrição e característica da planta

A mangueira apresenta copa bem enfolhada e pode variar de tamanho em função da variedade, da fertilidade do solo, da idade e do porta-enxerto. Em geral, as plantas não enxertadas podem atingir 40 metros de altura, enquanto que nas culturas comerciais e com plantas enxertadas, as plantas chegam a 7 metros. Para impedir o crescimento excessivo da copa, são feitas podas controladas de formação e de produção. Plantas de menor porte facilitam o trabalho para controle de pragas e de doenças e na operação de colheitas. As folhas são grossas, coriáceas, inteiras, lanceoladas, verde-escuras na parte superior, a nervura principal e as secundárias são salientes e a coloração amarelo-esverdeada. Na extremidade dos ramos, forma-se uma inflorescência denominada panícula. Normalmente, a planta floresce e frutifica uma vez por ano, mas, com a adoção de técnicas especiais, como poda e aplicação de hormônios de crescimento ou a combinação de estresse hídrico por 30 a 70 dias e com a aplicação foliar de nitrato de potássio ou cálcio, consegue-se provocar o florescimento e frutificação mais de uma vez ao ano e na época desejada.

No Brasil, essas técnicas são usadas com sucesso, principalmente, no Vale do São Francisco, nos estados de Pernambuco, Bahia e Minas Gerais. As primeiras flores a se abrir nas panículas são hermafroditas (30%), elas têm os dois sexos juntos, e depois vêm as masculinas (70%). Numa única panícula, formam-se de 400 a 17.000 flores, mas somente algumas delas resultam em frutos e atingem a fase de colheita. Em geral, duas doenças causadas por fungo, o oídio e a antracnose, podem destruir totalmente as flores. A mangueira se desenvolve e frutifica bem em clima quente e não tolera geada.

A propagação é feita através de enxertia de uma variedade desejada em um porta-enxerto de outra variedade de mangueira. Plantas enxertadas são recomendadas porque nos pomares, a época de frutificação, o tamanho e a cor dos frutos ficam uniformes. Em plantas enxertadas, a frutificação pode ocorrer a partir do segundo ano e, comercialmente, no terceiro ou no quarto ano.

O fruto tem uma casca externa e, logo abaixo, a polpa que pode ser fibrosa (“fiapos”) ou com pouca fibra e um caroço (semente) grande ou pequeno conforme a variedade. Externamente, a cor do fruto pode ser vermelha, roxa, amarela ou verde, em várias tonalidades relacionadas às variedades, assim com o seu tamanho. As comerciais mais conhecidas e exportadas têm as seguintes características: Haden, casca amarelo-avermelhada, peso médio 480 gramas; Tommy atkins, vermelho-amarelada, peso médio 580 gramas e Keitt, amarelo-esverdeada, peso médio 600 gramas.

Produção e produtividade

O Brasil é um grande produtor de manga e está entre os oito maiores produtores mundiais dessa fruta, junto com o México, as Filipinas, a Índia, o Paquistão e a África do Sul. Em 2001, o Brasil produziu 540.000 toneladas em 67.000 hectares e exportou 94.000 toneladas, representando 17,4%.da sua produção. A região Nordeste é a principal produtora com 53% do total. A produtividade média no Nordeste é estimada em 20 toneladas por hectare, mas em áreas onde adotam técnicas mais avançadas chegam produzir 40 toneladas por hectare. Para o estado de São Paulo, a média é estimada em 9 a 10 toneladas por hectare.

Utilidade

A fruta é consumida principalmente ao natural, como fruta fresca, mas é processada também em pedaços em caldas, sucos, néctar, geléias e sorvetes.

Partes utilizadas

Casca dos ramos, folha, fruto.

Propriedades medicinais da manga

Manga, fruto da mangueira, árvore frondosa da família das Anacardiáceas originária do Sul da Ásia, hoje cultivada em toda os países tropicais e subtropicais- apresenta uma polpa carnosa, algumas vezes fibrosa, amarela em diversos tons, rica em terebintina, um óleo-resina, e de agradável paladar ao natural ou sob forma de compotas, marmeladas, geléias e refrescos.

As mais conhecidas variedades, que apresentam diferenças no tamanho, na forma , no colorido e no sabor, são as seguintes:

Manga-espada

Alongada e achatada dos lados. Permanece verdolenga mesmo após a maturação.

Manga-rosa

Arredonda e lindo colorido amarelo, matizado de rosa. Tamanho variável segundo a região produtora.

Manga-bourbon

Mais ou menos esférica e verde-amarelada.

Manga-família

Mais ou menos esférica e verde-amarelada.

Manga-favo-de-mel

Alonga e intensa coloração amarela; muito doce.

Manga-carlotina

Pequena e arredondada. Amarelo-esverdeada, com pintinhas escuras, alto teor de vitaminas C.

Manga-coração-de-boi

Como o nome indica, apresenta-se sob a forma de um coração.

A manga é uma fruta saborosa e nutritiva, hoje nativa em certas regiões do Brasil.

Ajuda a tratar de: anemias, bronquites (asmáticas e catarrais), desnutrição, escaras, escorbuto, feridas (incluindo as bucais), gengivites, tosses, úlceras varicosas.

Utilidades Medicinais

Anemia

A manga pode ser incluída na dieta dos anêmicos, junto com alimentos que contenham ferro.

Asma

Chá das folhas tenras da mangueira. Tomar morno, com mel.

Diarréia

Tomar o chá dos ramos tenros.

Digestão, distúrbios da

Fazer uma ou mais refeições só de manga.

Dispepsia

Ver digestão, distúrbios da.

Diurese

Comer mangas ou tomar o suco.

Respiratórias, doenças das vias

Xarope de manga: cozinhar o suco natural de manga com mel, até ficar reduzido à metade. Tomar uma colher de sopa de hora em hora.

Sarna

Cataplasma com a goma-resina que se extrai do tronco.

Verminoses

Preparar um decocto dos brotos dos ramos e da amêndoa das sementes, bem triturados, e tomar, em jejum, na dose de uma xícara de chá, juntamente com suco de limão.

Fonte: www.frutas.radar-rs.com.br

 

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal