Breaking News
Home / Arte / Festivais Tradicionais Chineses

Festivais Tradicionais Chineses


Chun Jie – o Festival da Primavera, chamado também de Ano Novo Chinês

PUBLICIDADE

O festival da primavera é o ano novo chinês, que ocorre normalmente no fim de janeiro ou em fevereiro, variando segundo o calendário lunar chinês. Ele é o festival mais importante e alegre na China, e tradicionalmente, a atmosfera festiva permanece por quase um mês.

Hoje o festival é mais curto do que era, mas ainda há pessoas velhas que celebram como antigamente: todas as preparações são feitas com antecipação, os costumes durante o festival e as celebrações duram até duas semanas depois o festival.

Origem do Festival da Primavera

Festivais Tradicionais Chineses

O ano novo chinês proviu de cerimônias de sacrifícios da época das dinastias Yin e Shang (século 16 – século 11 a.C.). Mas existem muitas lendas sobre sua origem. A lenda mais conhecida é sobre o monstro Nian.

Fala-se que na época antiga existia um monstro Nian. Ele tinha um chifre na cabeça, e era muito cruel. Nian vivia normalmente no fundo do mar, subia a beira somente na véspera do ano novo para comer bichos e pessoas. Assim, sempre na véspera do ano novo, as pessoas fugiam da aldeia para as montanhas para não serem mortas por Nian.

Festivais Tradicionais Chineses

Na véspera de um certo ano, quando as pessoas estavam correndo para fora da aldeia, chegou um mendigo velho, andando de bengala, tendo barbas brancas e olhos brilhantes.

Festivais Tradicionais Chineses

Pessoas da aldeia estavam fechando as portas e janelas, fazendo malas ou pegando bichos dos estábulos. As pessoas estavam chamando uma as outras, cavalos estavam relinchando. A aldeia tinha uma grande confusão, ninguém prestava atenção neste velho.

Uma avó que morava no fim da aldeia viu o velho, ela lhe deu comida e o avisou para se esconder nas montanhas por causa do monstro.

O velho sorriu e respondeu: “Se avó me deixar ficar na casa esta noite, vou expulsar o monstro.”

Festivais Tradicionais Chineses

Foi uma surpresa para a avó, ela ficou olhando para o velho. Mesmo que ela sentisse que o velho tinha um espírito bem diferente, não acreditou, e continuou avisando o velho. O velho somente sorriu e não falou nada. A avó não tinha outro jeito, deixou o velho ficar em casa e foi às montanhas sozinha.

Festivais Tradicionais Chineses

À meia noite, o monstro Nian veio.

Ao chegar na aldeia, ele já percebeu alguma coisa anormal: a casa da avó no fim da aldeia estava bem iluminada com velas, e as portas estavam cobertas com papeis vermelhos. Nian gritou, e tremeu. Ele olhou para a casa da avó por um momento curto, depois, correu até a casa gritando. Quando ele chegou perto da porta, vieram de repente barulhos explosivos. Nian ficou surpreso, e tremeu e parou de se aproximar.

Festivais Tradicionais Chineses

Ninguém sabia que Nian tinha medo de fogo, de barulho explosivo e da cor vermelha.

As portas da casa da avó se abriram, o velho, de veste comprida vermelha, estava rindo no centro do pátio. Nian ficou tão assustado que até perdeu a cor na cara. Ele se virou e saiu correndo.

O dia seguinte era o primeiro dia do ano novo. As pessoas voltaram à aldeia e descobriram que a aldeia estava bem calma. Tudo mundo ficou surpreso.

Lembrando do velho, a avó entendeu tudo.

Ela contou isto para as pessoas e voltou para casa junta com elas: as suas portas estavam cobertas com papeis vermelhos, uma pilha de bambu ainda estava queimando no pátio, algumas velas vermelhas ainda estavam iluminando a casa.

Festivais Tradicionais Chineses

As pessoas ficaram muito alegres. Para celebrar a paz, elas puseram roupas novas, chegaram nas casas dos parentes e amigos para dar os parabéns. A notícia se espalhou rapidamente na aldeia, tudo mundo se informou sobre a maneira de expulsar o monstro Nian.

Daí, na véspera do ano novo, todas as famílias decoravam as portas com papeis vermelhos, soltavam fogos de artifícios, deixavam a casa iluminada, e aguardavam até o novo dia começar. Na manhã do primeiro dia do ano novo, pessoas se visitavam para dar os parabéns. O costume se espalhou, e virou finalmente o festival tradicional mais importante da China.

E celebrar o ano novo é chamado de Guo Nian, Guo significa “passar”, Nian significa “ano”, mas na lenda, é o nome do monstro.

Os costumes tradicionais no Festival da Primavera

Para os chineses, o Festival da Primavera é um festival familiar. Se for possível, tudo mundo volta para a casa dos pais. As pessoas que trabalham longe dos pais voltam para esta reunião anual. Neste período, é normal ver grandes famílias chinesas, tendo três ou quatro gerações, reunidas para celebrar o festival.

La Ba Zhou – o mingau de La Ba 
No dia 18 de dezembro
Song Zao Wang – a despedida do Deus do Forno 
Nos dias 23/24/25 de dezembro

Sao Chen – a limpeza da casa 
Do dia 23 ao dia 30 de dezembro
As decorações da casa 
Do dia 23 ao dia 30 de dezembro

Na véspera do ano novo chinês 
No dia 30 de dezembro
Bai Nian – cumprimentar pelo Ano Novo 
Desde o primeiro dia do ano novo

Hui Niang Jia – mulheres casadas 
voltam para a casa dos pais 
No segunda dia do ano novo
Jie Cai Shen – Receber o Deus da Riqueza 
No dia 5 de janeiro

Song Qiong – a despedida Do deus da Pobreza 
No dia 6 de janeiro
Miao Hui – feiras de templo 
Durante o Ano Novo Chinês até o dia 15 de Janeiro

Yuan Xiao Jie – o festival de lanterna 
No dia 15 de janeiro

Yuan Xiao Jie – o festival de lanterna

No dia 15 de janeiro

O festival das lanternas é à noite do dia 15 de janeiro, em chinês ele é chamado de Yuan Xiao Jie – o festival de Yuan Xiao. “Yuan” significa aqui o primeiro mês do ano, “Xiao” significa “a noite”, e “Jie” significa “o festival”.

O nome veio porque esta é a primeira noite de lua cheia depois do Ano Novo. Nesta noite pessoas comem uma comida especial chamada de Yuan Xiao, ou podem participar de uma feira das lanternas, e decifram as charadas das lanternas.

Em muitas áreas, nesta noite há também outras celebrações, como a dança do dragão, a dança do leão, a dança do tambor da paz, dança das pernas de pau, e diversos tipos de danças folclóricas.

Yuan Xiao é uma comida doce feita com arroz e diversos recheios, que podem ser a massa de feirão, de tangerina, de gergelim, de chocolate, etc. A comida pode ser cozida ou frita, ela se chama também Tang Yuan.

E as charadas das lanternas são charadas colocadas em lanternas, é uma diversão antiga que tem também sua história interessante.

A Origem do Festival da Primavera

O festival de lanterna começou na Dinastia Han (206 a.C – 220). Há muitas lendas sobre sua origem. A lenda que eu adoro é sobre uma empregada imperial, chamada de Yuan Xiao.

Fala-se que na época do imperador Wu da Dinastia Han, havia um conselheiro imperial no palácio, chamava-se Dong Fangshuo. Ele era muito baixo, mas muito inteligente e gentil, e sempre ajudava as outras pessoas. E por isso, as pessoas do palácio o respeitavam muito.

Um dia em dezembro, o jardim imperial foi coberto com neve. Dong Fangshuo foi ao jardim para pegar flores de ameixeira. Quando ele entrou no jardim, viu uma empregada, chorando, correndo para o poço e tentando pular no poço. Ele seguiu rapidamente e parou a moça.

A moça se chamava Yuan Xiao. Ela tinha uma irmã mais nova e os pais em casa, fora da cidade, mas ela não podia vê-los depois de entrar no palácio. Todo ano no ano novo, ela inha muita saudade da família. Neste ano, teve muita neve e vento.

Ela ficou muito preocupada com sua família: como eles passariam o inverno tão frio. Ela ficou muito triste, e até pensou em morte.

Dong Fangshuo conversou muito com ela para acalmá-la, e prometeu que acharia um jeito para que ela pudesse encontrar-se com sua família. E da história de Yuan Xiao, ele percebeu que todas as empregadas no palácio tinham o mesmo problema. Ele decidiu arranjar alguma coisa para elas.

Ele foi à família de Yuan Xiao, e lhes explicou o seu plano. Depois, ele voltou ao centro da cidade, e estabeleceu uma banca de cartomante. As pessoas conheciam Dong Fangshuo, e sabiam que ele era bem formado e conhecia a astrologia, assim, vieram a pedir para ele fazer adivinhações.

Mas todas as pessoas receberam a mesma adivinhação: “Vai pegar fogo no dia 16 de janeiro.”

As pessoas ficaram com muito medo e pediram um jeito de salvá-las.

Dong Fangshuo, mostrando uma cara misteriosa, falou: “No dia 13 de janeiro, todos os velhos com barbas brancas da cidade devem esperar na Avenida Shi Li Pu no noroeste da cidade. Quando chegar a noite, vai chegar uma moça de vermelho num burro de cor rosa. Ela é a Deusa do Fogo que recebeu a encomenda de queimar a cidade. Para salvar a cidade, os velhos devem lhe pedir para salvar a cidade.”

Ao ouvir isso, as pessoas acreditaram. Eles se informaram e a notícia se espalhou pela cidade. No dia 13 de janeiro, todos os velhos com barbas brancas chegaram a aguardar no local definido. Quando escureceu, veio realmente uma moça de vermelho num burro de cor rosa. Os velhos acercaram-se da moça e lhe pediram ajuda.

A moça, olhando para as pessoas velhas e tristes, disse: “Eu vim sob encomenda do Imperador de Jade. Quando queimo a cidade, ele fica olhando do céu. Se não houver fogo, vai ser minha culpa. Mas os senhores me pedem tanto, tenho de ajudá-los. Vou deixar a encomenda que recebi, podem levá-la para o imperador do mundo humano e ele deve achar uma saída.” Ela deixou um papel no chão, e foi embora.

Os velhos pegaram a encomenda, e a mandaram para o Imperador Wu.

Na encomenda estava escrito:

A cidade de Chang’an terá um desastre, o fogo destruirá a cidade imperial;
chegará o fogo do céu no dia 16, a noite ficará vermelha por causa das chamas.

Lendo isso, o imperador ficou tremendo. Ele chamou seu conselheiro, Dong Fangshuo, e pediu uma saída.

Dong Fangshuo disse:

“Ouvi que a Deusa do Fogo gosta também de comer Tang Yuan*. Podemos fazer isso: à noite de 15, todas as famílias na cidade têm de fazer Tang Yuan como ofertas para a Deusa do Fogo, e pedir sua misericórdia; todas as pessoas têm de fazer lanternas vermelhas e colocá-las nas portas, nas janelas e nos pátios.”

“À noite de 16, a cidade deve ser iluminada pelas lanternas vermelhas; as pessoas vão soltar fogos de artifícios nesta noite; quando o Imperador de Jade vir do céu a cidade vermelha iluminada, e fogos estourando sobre a cidade, vai acreditar que a cidade estar sendo queimada. E nesta noite, abrimos os portões da cidade e convidamos pessoas do campo para ver as lanternas. Sua majestade, as concubinas e as empregadas vão sair em grupos pequenos pelas ruas, para ver as lanternas e para se misturar com as pessoas do campo que não devem ser envolvidas no desastre, aí, vão compartilhar da sorte deles e eliminar o azar.”

“Além disso, a deusa sabe também que a empregada Yuan Xiao sabe muito bem fazer Tang Yuan. Mandamos Yuan Xiao passear na rua, com uma lanterna vermelha grande na mão, com o nome dela. Eu vou seguí-la e pegar uma tigela de Tang Yuan. Vamos andar pela a cidade para fazer uma oferta fiel. A Deusa do Fogo vai se comover e deixar-nos em paz.”

O imperador Wu ficou muito contente com a idéia, e mandou fazer tudo do mesmo jeito que Dong Fangshu falou.

À noite de 16, o sol se pôs atrás das montanhas. As pessoas do campo entraram na cidade para ver as lanternas. O imperador tirou a veste imperial e saiu do palácio de veste normal. A imperatriz, as concubinas, as empregadas saíram do palácio em grupos pequenos. Toda a cidade de Chang’an estava iluminada por lanternas vermelhas e fogos de artifícios. Os fogos de artifícios grandes brilhavam no céu, a cidade estava muito linda.

A irmã mais nova de Yuan Xiao chegou também na cidade para ver as lanternas, acompanhando os pais.

Quando ela viu a lanterna grande com o nome de Yuan Xiao nela, chamou com muita felicidade: “Yuan Xiao! Yuan Xiao!” A família se reuniu.

Depois da noite cheia de luz e fogo, a cidade ficou tranqüila. O imperador ficou muito contente. No ano seguinte, ele ordenou a manter o festival.

Ano após ano, o festival virou uma tradição: à noite do dia 15, as pessoas comem Tang Yuan; à noite do dia 16, há festa das lanternas.

Porque a Tang Yuan usada na oferta imperial foi feita por Yuan Xiao, pessoas a chamam também Yuan Xiao, e chamam o festival “o festival de Yuan Xiao”.

* Tang Yuan é o outro nome da comida Yuan Xiao

Origem do jogo de charadas no festival das lanternas

Festivais Tradicionais Chineses

Como charadas foram combinadas com lanternas? Há também uma lenda sobre isso.

Era uma vez, havia um homem rico chamado de Hu. Porque ele tinha dinheiro, ele era muito rude, e media sua relação com as pessoas sempre pelo dinheiro.

Pessoas o chamavam “Xiao Mian Hu” – o tigre com cara sorridente. Este Xiao Mian Hu sempre adulava as pessoas ricas e atormentava as pessoas pobres.

Um dia, antes do Festival da Primavera, chegaram duas pessoas, uma atrás da outra, ao seu portão. A primeira pessoa se chamava Li Cai, vindo de veste boa.

A segunda se chamava Wang Shao, que era um menino pobre. Quando o guarda viu que Li Cai estava vindo, informou Hu correndo. Hu chegou no portão e recebeu Li Cai sorrindo. Li Cai disse que queria pedir emprestado 500g de prata. Hu foi buscar a prata e deu-a para Li Cai. Li Cai foi embora.

Hu estava voltando para casa quando Wang Shao, o menino pobre, chegou a pedir: “O senhor, eu queria pedir emprestado algum alimento.”

Ao ver Wang Shao, Hu já ficou bravo e falou: “Fique longe!” Wang Shao, nem teve tempo para explicar nenhuma coisa, foi expulso da casa de Hu pelo guarda.

No caminho para casa, Wang Shao ficou pensando no que tinha acontecido, e ficou muito bravo. De repente, surgiu uma idéia na sua cabeça, ele decidiu fazer uma brincadeira com “o tigre com cara sorridente”.

O Festival da Primavera passou rapidamente, o Festival das Lanternas estava chegando. Todas as famílias estavam preparando as lanternas, Wang Shao também.

À noite do Festival das Lanternas, as pessoas decoraram as ruas, vielas e casas com lanternas. Wang Shao saiu de casa, com uma lanterna na mão. A lanterna era muito grande e bem iluminada, e a coisa especial da lanterna era que havia um poema escrito nela. Quando Wang Shao chegou no portão de Hu, ele levantou a lanterna bem alto. A lanterna atraiu muita gente, e ao ver a multidão, Hu chegou também mais perto para vê-la.

O poema diria:

Tem cabeça afiada e corpo fino, de cor branca como a prata;

Falando sobre o peso, não pesa nada mesmo;

Os olhos ficam na bunda, que conhecem somente a roupa em vez da pessoa.

Ao ler isso, Hu ficou com a cara vermelha e muito bravo, gritou: “Sujeito! Ousa abusar de mim?”

Ele mandou os empregados tirarem a lanterna, Wang Shao levantou a lanterna mais alto e falou, sorrindo:

“O senhor, como sabe que estou abusando do senhor?” 
“O que você escreveu na lanterna?”

Wang Shao leu de novo o poema, e Hu falou: “Se não fosse eu, quem seria?” 
“O senhor pensou demais,” Wang Shao sorriu e disse: “Este poema é uma charada, e o resultado é um alfinete de costura. Não é?”

Hu não tinha mais nada para responder, e virou-se e voltou para casa, sob a risada da multidão.

A história se espalha amplamente. No ano seguinte, muita gente colocou charadas nas lanternas para se divertir, e as charadas eram chamadas de “charadas de lanterna”. Mais tarde, isso virou um costume. Até hoje, no Festival das Lanternas há sempre charadas.

Chun Long Jie – o Festival do Dragão da Primavera

O dia 2 de fevereiro

Festivais Tradicionais Chineses

Há uma lenda entre o povo, contando que o dia 2 de fevereiro é o dia no qual o rei dragão no céu levanta sua cabeça. Porque o dragão é responsável pela chuva, depois deste dia, vai chover mais. Este dia se chama o Festival do Dragão da Primavera. Neste dia, os agricultores no norte se levantam bem cedo, vão pegar água do rio ou do poço, e fazer uma oferta em casa. As pessoas comem talharim, tortas fritas e pipocas.

Comer talharim e tortas fritas é costume que “levanta a cabeça do dragão” e “come a vesícula biliar do dragão”.

Sobre o costume de comer a pipoca tem um dito: “o feijão de ouro flore, o rei dragão sobe no céu; acumula as nuvens e distribui a chuva, terá boas colheitas de tudo.”

Sobre a origem do Festival do Dragão da Primavera, existe uma lenda no interior no norte na China.

Fala-se que quando Wu Zetian, uma imperatriz, subiu ao trono do imperador, o Imperador de Jade* ficou muito bravo. Ele ordenou que todos os dragões parassem de dar chuva para o mundo humano por três anos.

Pouco tempo depois, o rei dragão, que foi responsável pelo rio do céu, ouviu o choro das pessoas do mundo. Vendo que as pessoas morriam de fome, ele ficou preocupado que o mundo humano acabasse. Violando o pedido do Imperador de Jade, ele deu chuva para as pessoas.

Quando o Imperador de Jade ficou sabendo disso, ficou furioso. Ele mandou o rei dragão para o mundo humano, foi preso de baixo de uma montanha grande, e colocou uma tábua em cima da montanha.

Estava escrito na tábua:

O rei dragão fez chover violando as regras do céu, Deve ficar preso no mundo humano por mil anos;

Pode voltar ao palácio do céu, Somente se o feijão de ouro florir.

Para salvar o rei dragão, as pessoas ficavam procurando o feijão de ouro, mas não foi fácil encontrar.

No ano seguinte, no dia 2 de fevereiro, as pessoas estavam trabalhando com as sementes de milho.

De repente, elas perceberam que as sementes de milho pareciam “o feijão de ouro”: se fritassem as sementes para que elas abrissem, seria “o feijão de ouro florindo”. Assim todas as famílias fizeram pipocas em casa e fizeram ofertas de pipocas nos seus pátios.

Quando o rei dragão levantou a cabaça e viu isso, ficou sabendo que as pessoas o tinha salvado.

Chamou o Imperador de Jade: “O feijão de ouro está florindo! Liberte-me!”

Ao ver que todas as famílias tinham ofertas de feijão florido nos seus pátios, o Imperador de Jade não teve outro jeito. Ele libertou o rei dragão e o deixou voltar para o palácio do céu, para continuar a ser responsável pelos assuntos de chuva para o mundo humano.

E o festival ficou, e também os costumes.

* O Imperador de Jade é o deus mais supremo no budismo e no taoismo, e tem controle sobre todos os deuses dos três mundos: o mundo humano, o mundo celestial e o mundo subterrâneo.

Qing Ming

O dia 5 de abril

Qing Ming, o dia cinco de abril, é um dia para lembrar as pessoas falecidas da família. Neste dias, muita gente visita os túmulos das pessoas falecidas e fazem ofertas.

Este costume veio da Dinastia Han (206 a.C. – 220 d.C), e se espalhou amplamente na China.

O costume é chamado na China Sao Mu, “Sao” significa “limpar”, “Mu” significa “túmulo” – lógico, a principal atividade neste dia é limpar os túmulos dos falecidos da família: limpar as tábuas, tirar as ervas daninhas, pôr nova terra em cima dos túmulos (os túmulos de famílias normais eram sempre cobertos com terra; mesmo hoje, podem-se encontrar túmulos cobertos com terra no campo).

Depois da limpeza, as pessoas fazem também uma oferta: comidas preferidas, frutas, doces, bebidas, etc.

Depois de Sao Mu, as pessoas vão também fazer Ta Qing. “Ta Qing” significa “pisar nos verdes”, que na verdade é um passeio depois de Sao Mu. O nome surgiu porque este período é a primavera e a natureza começa a virar verde. Ta Qing é um passeio na primavera.

Duan Wu Jie – o festival Duan Wu

O dia 5 de maio

O nome do festival Duan Wu varia nas áreas diferentes, mas os costumes de todas as áreas são quase iguais. Tradicionalmente, no festival de Duan Wu as pessoas colocam uma pintura de Zhong Kui* na parede para proteger a casa, comem uma comida chamada de Zong Zi**, bebem uma aguardente chamada de Xiong Huang, preparam sacrifícios, usam um pacote cheio de perfumes naturais chamado de Xiang Nang, e participam de corridas de barcos de dragões – Sai Long Zhou. Por causa da corrida de barcos de dragões, o festival é também chamado do Festival do Barco de Dragão.

A origem do festival Duan Wu

O festival Duan Wu provém da morte de um poeta chamado de Qu Yuan, do Reino Chu do Período dos Reinos Rivais (770 a.C – 221 a.C).

Nessa época, o Reino Chu e o Reino Qin tinham muitas guerras um com o outro. Qu Yuan era um poeta e ministro do Reino Chu. O rei do Reino Chu confiava muito nele, mas por causa de difamações de outros ministros contra ele, o rei perdeu a confiança. Qu Yuan, tinha muitas aspirações mas não podia fazer nada, ficou muito triste e deprimido. Nesse período, ele escreveu muitos poemas imortais.

Em 229 a.C., o Reino Qin invadiu o Reino Chu e ocupou 8 cidades. O rei do Reino Qin mandou um enviado para o Reino Chu, para convidar o rei para vir ao no Reino Qin para participar da negociação de paz. Qu Yuan percebeu que o convite era uma armadilha e pediu ao rei para que ele não fosse. O rei ficou bravo com ele e o mandou para o exílio.

O rei foi ao Reino Qin como combinado, mas ao chegar, foi preso. O rei ficou muito arrependido e deprimido, três anos depois, morreu na prisão no reino inimigo. Pouco depois, o rei do Reino Qin invadiu o Reino Chu de novo, o novo rei de Chu deixou a capital e fugiu. O Reino Chu chegou no fim. Qu Yuan, ainda estava no exílio, ouviu sobre a morte do último rei e a perda da capital. Respirou fundo, e se suicidou pulando no Rio Mi Luo.

Ouvindo que Qu Yuan se suicidara no rio, as pessoas que moravam perto chegaram no rio e procuraram o corpo dele. Para que os peixes do rio não machucassem o corpo de Qu Yuan, eles jogaram muita comida chamada de Zong Zi e muitos ovos no rio. Um médico, pensando em deixar os dragões e os monstros do rio bêbados, jogou aguardente Xiong Huang no rio. E muita gente saiu de barcos, para expulsar os peixes e procurar o corpo de Qu Yuan.

Daí, para lembrar o poeta Qu Yuan, todo ano no dia cinco de maio, o povo do antigo Reino Chu ia ao rio, andava de barcos e jogava a comida Zong Zi no rio.

O costume se espalhou amplamente no norte e no sul da China.

E a comida Zong Zi, a aguardente Xiong Huang e a corrida dos barcos de dragões viraram parte do festival.

Este costume é do sul da China. Em lenda Zhong Kui é um espírito que captura espíritos maus para as pessoas. As pessoas usam pinturas de Zhong Kui para proteger a casa e expulsar os espíritos maus.

** Zong Zi é uma comida feita principalmente com arroz, enrolado com folhas de junco e cozida ao vapor. A comida tem várias variações dependendo dos ingredientes usados. Os mais comuns são arroz com jojoba, arroz com castanha, arroz com massa de carne, arroz misturado, etc.

Qi Xi – a sétima noite

No dia 7 de julho

A lenda de Qi Xi é sobre o amor e é a lenda chinesa mais antiga sobre estrelas. Num livro escrito na Dinastia Han (206 a.C. – 220 d.C.) já aparece a lenda. Esta lenda aparece em vários livros antigos, às vezes mudam alguns detalhes, mas o princípio é igual, que é sobre a separação de um casal, um rapaz do mundo humano e a filha mais jovem do Imperador do Céu; ao casal é permitido reunir-se somente uma vez por ano, na sétima noite de julho, em cima de uma ponte construída por pegas.

O casal na lenda são duas estrelas: o marido se chama Niu Lang – o rapaz de gado, e a esposa se chama Zhi Nü – a moça que tece. Eles moram nos dois lados do Rio do Céu, que os separa. Usando os termos modernos, Zhi Nü é a estrela Vega, e Niu Lang é a Altair; as duas estrelas pequenas ao lado da Altair são os dois filhos deles; e o Rio do Céu é a Via Láctea.

O casal fica longe mesmo: Niu Lang fica a 154 mil bilhões de quilômetros à Terra, e Zhi Nü, 250 mil bilhões de quilômetros; Zhi Nü é muito maior e mais brilhante que Niu Lang, mas por causa da maior distância à Terra, ela parece quase igual a Niu Lang. A luz de Niu Lang demora 16 anos e 4 meses para chegar à Terra, e a de Zhi Nü, 26 anos e cinco meses. A distância entre as duas estrelas é 16,4 ano-luz. Se Niu Lang quisesse ligar para Zhi Nü, ouviria a voz dela 32 anos depois de ser conectado…

Lenda da Sétima Noite

Muitos anos atrás havia um rapaz chamado de Niu Lang – o rapaz de gado. Ele era muito pobre, tinha um boi velho e um arado só. Ele era muito trabalhador, levantava-se todo dia de madrugada para trabalhar no campo. Ele vivia só, o velho boi era seu bom amigo.

Um dia, seu boi de repente lhe falou: “Vá à beira do rio, você vai encontrar algumas moças tomando banho no rio. As roupas estão na beira do rio. Segure a roupa de cor de rosa, uma moça vai ficar contigo.”

Niu Lang foi à beira do rio e realmente viu algumas moças tomando banho lá. As roupas estavam na beira do rio, seguindo as palavras do seu boi, ele pegou a de cor de rosa, e se escondeu.

Acabaram os banhos, as moças saíram do rio e se vestiram, voaram embora. Somente uma moça, a mais nova e mais linda, não achou a roupa dela e não conseguiu sair.

Niu Lang saiu do lugar onde ele se escondia e devolveu a roupa, mas pediu: “Fique comigo. Vamos curtir e sofrer juntos. A gente vai ser feliz.”

A moça era a filha mais nova do Imperador do Céu, chamada de Zhi Nü – a moça que tece. Ela vivia no céu, trabalhava sempre no tear e tecia nuvens coloridas para serem roupas do céu. De vez em quando, saía com as irmãs para tomar banho no rio. Neste dia, sentada ao lado do rio, olhou para o rapaz do mundo humano, ela apaixonou. Ela ficou, e se tornou a esposa de Niu Lang. Daí, Niu Lang arava, Zhi Nü tecia, e eles viviam felizes. Zhi Nü distribuía os bichos-de-seda do céu para as pessoas e lhes ensinava a criar o bicho-de-seda, a fiar seda e a tecer tecidos brilhantes de seda e de cetim. O casal tinha um filho e uma filha. Era uma família feliz, eles se amavam muito.

Mas essa felicidade não durou muito até o Imperador do Céu ficar sabendo. O imperador mandou seres celestes para capturar Zhi Nü e a levar de volta para o céu. A família foi quebrada. Niu Lang vivia com os filhos no mundo humano.

Um dia, o boi velho de Niu Lang abiu de novo a boca e falou: “Niu Lang, estou velho, estou morrendo. Depois da minha morte, tire a minha pele. Se você se vestir com a minha pele, conseguirá voar e se reunir com Zhi Nü no céu.” Ao falar isso, o boi morreu. Seguindo a dica, Niu Lang se vestiu com a pele do boi, carregou os dois filhos e subiu ao céu para procurar Zhi Nü.

Festivais Tradicionais Chineses

Ele quase pegou a mão de Zhi Nü, quando a Rainha do Céu o descobriu. Ela pegou um grampo de cabelo e riscou entre o casal. Um rio do céu apareceu, fundo e turbulento. Niu Lang e Zhi Nü ficaram nos dois lados do rio, olhando um para o outro, e choraram.

O grande amor entre Niu Lang e Zhi Nü comoveu as pegas. Milhares de pegas chegaram ao Rio do Céu e construíram uma ponte. O casal se reuniu em cima da ponte das pegas. A Rainha do Céu não tinha outro jeito, permitiu que eles se encontrassem uma vez por ano em cima da ponte das pegas, à sétima noite de julho.

Daí Niu Lang vive a oeste do Rio do Céu com os filhos, e Zhi Nü vive sozinha a leste do rio. Fala-se que eles atam cartas de amor em ossos do boi e lançadeiras, e os jogam para outro o lado do rio, assim eles trocam as cartas. Perto de Niu Lang, a estrela Altair, há quatro estrelas pequenas que são quatro lançadeiras que Zhi Nü jogou para ele; e perto de Zhi Nü, a estrela Vega, há 3 estrelas pequenas, que são os ossos do boi de Niu Lang.

E fala-se que na sétima noite de julho, não se encontra nenhuma pega no mundo porque todas elas vão para o céu para construir a ponte para o casal; e na manhã do dia 8 de julho, todas as pegas perdem as penas do rabo. Se chover nesta noite, as pessoas falam que a chuva são as lágrimas de Zhi Nü.

Nà noite do dia 7 de julho, as moças sempre saem para desfrutar das estrelas e para ver se Niu Lang e Zhi Nüe reúnem. Ao mesmo tempo, as moças pedem ao céu para ficarem tão hábeis e inteligentes como Zhi Nü, além disso, para terem casamentos felizes e contentes.

Zhong Qiu – o Festival da Lua

Festivais Tradicionais Chineses

No dia 15 de agosto

O dia 15 de agosto é o meio do outono, por isso, o nome chinês deste festival é “o meio do outono”. O festival é à noite. Nesta noite, a lua está muito cheia e brilhante. Para os chineses, esta noite é uma noite para a família se reunir. As pessoas da família voltam para jantar, e depois do jantar, curtem a lua, comem frutas e um doce chamado de Yue Bing – a torta da lua. Há famílias que mantêm costumes tradicionais e fazem ofertas para a lua.

Este festival é bem antigo, mas ainda é muito popular na China. Áreas e etnias diferentes têm costumes diferentes neste festival.

Há muitos anos, o dia 15 de agosto é um dia especial para a lua: na Dinastia Zhou (século 11 a.C – 221 a.C) tinha nesta noite celebrações para receber o tempo frio e fazer ofertas para a lua; na Dinastia Tang (618 – 907) festas para curtir a lua e compor poemas eram populares; na Dinastia Song do Sul (1127 – 1279) as pessoas se davam presentes de Yue Bing*, com o sentido de que as famílias ficassem juntas; e à noite havia sempre atividades para apreciar a lua, e passeios de barcos eram populares; e nas Dinastias Ming (1368 – 1644) e Qing (1644 – 1911), o Festival da Lua ficou mais popular, diversos costumes foram formados, como Fang Tian Deng – lanternas do céu, Wu Hou Long – a dança do dragão de fogo, etc.

As duas comidas que não podem faltar nesta noite são Yue Bing e a melancia.

Fonte: minhachina.com

Veja também

Arte Marajoara

Arte Marajoara

PUBLICIDADE A arte marajoara é uma das culturas dos povos amazônicos com alto grau de …

Arte Plumária

Arte Plumária

PUBLICIDADE O que é arte plumária? Arte plumária, como o nome indica, se refere aos …

Antologia

PUBLICIDADE Na publicação de livros , uma antologia é uma coleção de obras literárias escolhidas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.