Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Engenharia Mecatrônica  Voltar

Engenharia Mecatrônica

ÁREA DE ATUAÇÃO

Mecatrônica é a integração sinergética da engenharia mecânica com eletrônica e controle inteligente por computador no projeto e manufatura de produtos e processos.

Um sistema mecatrônico realiza aquisição de sinais, processamento digital e, como saída, gera forças e movimentos. Os sistemas mecânicos são estendidos e integrados com sensores, microprocessadores e controladores, podendo, assim, seguir comandos externos para realizar determinadas tarefas.

Exemplos de sistemas mecatrônicos são: máquinas robóticas para manufatura, manipulação e serviço; sistemas para automação de máquinas e processos; máquinas com controle digital; veículos autoguiados; máquinas ferramentas controladas por computador; máquinas robóticas para aplicações de diagnóstico e reabilitação em medicina; e dispositivos como: câmeras eletrônicas, impressoras, máquinas de telefax, fotocopiadoras, vídeogravadores, etc.

A formação recebida habilita o engenheiro mecatrônico para atividades de concepção, implementação, utilização e manutenção de unidades de produção automatizadas ou a serem automatizadas. Os interessados pelas qualificações deste profissional são empresas de engenharia, indústrias de produção de equipamentos e de programas para automação industrial e indústrias usuárias destas técnicas.

O CURSO DE MECATRÔNICA

O currículo do engenheiro mecatrônico tem: um sólido embasamento em matemática, física e informática; conhecimentos gerais de mecânica e eletrônica; conhecimentos aprofundados em controle de processos por computador, informática industrial e automação da manufatura; e conhecimentos básicos de economia, gestão e segurança. O curso tem uma duração de 10 semestres e na estrutura curricular existe uma participação balanceada de disciplinas de eletrônica, mecânica e informática além de disciplinas específicas. No último semestre o aluno deverá desenvolver um trabalho de graduação sob a orientação de um professor.

REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO

Trata-se de uma nova profissão e sua regulamentação segue a Portaria N° 1694 do Ministério de Educação, de 05 de Dezembro de 1994, que criou a habilitação de Engenharia de Controle e Automação.

Fonte: www.graco.unb.br

Engenharia Mecatrônica

Quando o curso foi criado na USP, cinco anos atrás, ainda era difícil compreender o trabalho do engenheiro mecatrônico sem pensar nos filmes de ficção. Hoje todo mundo conhece os eletrodomésticos “inteligentes”, os sistemas automáticos de segurança de residências e prédios, os robôs para serviços de grande precisão. E fica fácil entender que esse profissional associa conhecimentos das áreas de mecânica, eletrônica e informática. Atualmente, as linhas de produção competitivas contam com ele para garantir a qualidade nos produtos em série, reduzindo os custos industriais.

Responsável pela integração entre os componentes mecânicos e eletrônicos dos sistemas que controlam os equipamentos e compõem os processos industriais, o engenheiro mecatrônico ganha mercado à medida que aumenta o uso de robôs nas indústrias ou quando os elevadores automáticos se tornam obrigatórios nas construções recentes. Como a automação industrial é crescente, emprego não é coisa rara na área – especialmente para quem trabalha com instrumentação industrial e eletrônica ou robótica. As indústrias automotivas estão entre os grandes empregadores, tanto pela eletrônica usada nos carros, como pela robotização das fábricas. “Costumamos dizer que o campo desse engenheiro é multidisciplinar”, diz Celso Furukawa, coordenador do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos da Escola Politécnica da USP. “Ele pode tanto trabalhar em empresas mecânicas tradicionais quanto naquelas ligadas somente a computação e automação industrial”, explica.

As máquinas precisas criadas por esse profissional são usadas também na área biomédica. É o engenheiro mecatrônico quem projeta equipamentos que auxiliam no diagnóstico, na reabilitação ou em cirurgias de alto grau de precisão. Por isso, empresas que produzem equipamentos para médicos, dentistas, cirurgiões empregam cada vez mais esse profissional. O setor de agricultura e pecuária é outro campo de trabalho, assim como a indústria, de maneira geral. Na informática, ele é capaz de desenvolver software e linguagens de programação para os sistemas operacionais, além de projetar sistemas digitais e controladores lógicos programáveis. “Existem muitas oportunidades fora do Brasil. Hoje há um déficit mundial de profissionais dessa área”, diz Furukawa.

Conhecidos também como engenharia de controle e automação, os cursos de Mecatrônica espalhados pelo Brasil têm forte ênfase em matemática, física, cálculo e informática nos dois primeiros anos. Depois disso, a parte profissionalizante inclui, por exemplo, aulas de sistemas industriais, de controle de processos, informática industrial e projeto mecânico. Completam essa formação matérias como gestão e segurança, além do estágio obrigatório no último ano.

Duração média do curso

Cinco anos

Fonte: www1.uol.com.br

Engenharia Mecatrônica

O QUE É ENGENHARIA MECATRÔNICA

Ramo que integra os conhecimentos de mecânica e eletrônica, e em si é a união de tecnologias na área de mecânica, eletrônica, software, controle de processos inteligentes assistidos por computador e manufatura de produtos.

O ENGENHEIRO MECATRÔNICO

PERFIL

Profissional de nível superior capacitado a projetar, implementar, analisar e otimizar os processos industriais “discretos”, atuando nas áreas de robótica industrial, de projetos, de manufatura e engenharia assistidos por computador, sistemas flexíveis de manufatura, sistemas de controle e interfaces homem-máquina, além de incentivar o empreendedorismo no sentimento da criação de empresas integradoras de processos industriais de manufatura.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

Atuar de forma ética e empreendedora, individualmente ou em equipe, projetando e analisando sistemas, produtos e processos eletroeletrônicos e mecânicos; supervisionar a operação e a manutenção de sistemas; desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas técnicas, e avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental.

Fonte: www.cefetce.br

Engenharia Mecatrônica

O Engenheiro Mecânico tem amplas oportunidades de atuação, tanto na iniciativa privada quanto na pública.

É um profissional que atua na execução de projetos, desenvolvimento e produção de dispositivos e sistemas mecânicos, consultoria e atividade em ciência e tecnologia, gerenciamento de empresas e fiscalização técnica.

Também, como autônomo, está apto a realizar estudo de viabilidade técnico-econômica, executar projetos, vistorias, perícias, avaliações, arbitramentos, laudos, responsabilidades e pareceres técnicos.

Duração

5 anos.

Fonte: www3.pucrs.br

Engenharia Mecatrônica

Objetivos

Mecatrônica é curso com bases em Engenharia Elétrica, mas com forte ênfase em automação e controle, abrangendo parte da Engenharia Mecânica e das Ciências da Computação. O nome é uma conjunção de Mecânica com Eletrônica, definindo o controle automático de sistemas mecânicos (como por exemplo, os robôs) baseado em 'inteligência' computacional, formalizada por softwares e hardware (computação e eletrônica).

Diploma

Graduação em Engenharia Mecatrônica

Conteúdo

Campo de Atuação

O Engenheiro Mecatrônico pode atuar em várias áreas da indústria, desde a base de controle de processos, até a automação de sistemas discretos e sistemas de transições discretas, linhas de montagens, projetos de otimização de produção, bem como manutenção e geração de modelos de plantas e controle supervisório.

Perfil do Formando

O profissional graduado em Engenharia Mecatrônica, com uma sólida formação tecnológica e humanística, estará diretamente relacionado às áreas de criação e desenvolvimento de novos produtos voltados para a área de mecatrônica e estará capacitado a dentre outros Desenvolver equipamentos envolvendo a aquisição de sinal, processamento digital e controle; Projeto de dispositivos eletro-mecânicos; Aprimorar produtos atuais visando melhorar seu desempenho e/ou satisfazer necessidades dos clientes; Desenvolver novos produtos dentro da compreensão da inter-relação dos sistemas de produção com o meio ambiente, desde a obtenção da matéria prima até a disposição final do produto, atentando para a exigência de sustentabilidade; Elaborar anteprojetos para desenvolvimento de novos produtos ou implementação de novos processos de produção; e Manter contatos com fornecedores nacionais e estrangeiros de novas tecnologias e equipamentos.

Um profissional desta área leva tecnologia para as indústrias.

Fonte: www.educaedu-brasil.com

Engenharia Mecatrônica

É o ramo da engenharia que desenvolve e executa projetos de automação industrial. O engenheiro mecatrônico projeta e opera equipamentos utilizados nos processos automatizados de indústrias em geral, além de fazer sua manutenção. Ocupa-se do gerenciamento de projetos de automação industrial e comercial. É o responsável pela programação das máquinas e pela adaptação de softwares aos processos industriais. Em empresas que já estão automatizadas, redimensiona, opera e mantém os sistemas e equipamentos já instalados.

O mercado de trabalho

O profissional encontra ofertas de trabalho em indústrias de diversos setores, como automobilístico, químico e petroquímico, de alimentos e embalagens e de tecnologia da informação (TI). Com uma visão sistêmica, o engenheiro entende o processo, o controle, o TI de uma empresa e faz tudo isso funcionar de forma integrada. No eixo Rio-São Paulo, é contratado por grandes empresas para desenvolver e implantar projetos de automação e robotização. Também existem vagas em boa parte das empresas que migraram para cidades do interior do Paraná, da Bahia, de Minas Gerais, do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Sul e de Goiás. Geralmente, o engenheiro ocupa o topo da pirâmide das etapas do desenvolvimento de um projeto. Os formados nessa carreira também têm sido bastante requisitados pela indústria médica e por hospitais públicos e privados, onde gerenciam projetos de automação, adaptam softwares aos processos já existentes e programam sistemas de informação e banco de dados. A área de meio ambiente também precisa do profissional, que ajuda grandes indústrias a diminuir desperdícios, a fazer uso racional da água e a reduzir a emissão de poluentes. No setor privado, a Vale (antiga Companhia Vale do Rio Doce) é uma boa empregadora.

O curso

Como em todas as engenharias, nos dois primeiros anos o forte são as aulas de matemática, física, química e muita informática. A partir do terceiro misturam-se as disciplinas de engenharia mecânica, eletrônica e computação. Em mecânica, você estuda termodinâmica e elementos de máquinas. Em eletrônica estão matérias como eletrônica analógica e digital e na área de computação, aulas de estrutura de dados e sistemas de informação. Também há disciplinas integrativas, entre elas projetos de máquinas e integração da manufatura por computador. Nas atividades em laboratório, o aluno aprende a desenvolver, a projetar, a analisar e a controlar máquinas operadas eletronicamente. O estágio é obrigatório. Algumas escolas exigem um projeto de conclusão de curso. Em outras, ainda, essa graduação é oferecida como habilitação de Engenharia Mecânica.

Duração média

Cinco anos.

O que você pode fazer

Automação comercial e domótica

Projetar sistemas automatizados de controle de equipamentos em edifícios comerciais e em residências, como elevadores, iluminação, aparelhos de ar condicionado e eletrodomésticos.

Automação industrial

Desenvolver e implantar projetos de automação em indústrias. Manipular robôs industriais.

Bioprocessos

Projetar, construir e operar equipamentos empregados nas indústrias de biotecnologia.

Informática

Projetar sistemas de informação e bancos de dados. Programar equipamentos automatizados.

ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

É o ramo da engenharia que desenvolve e executa projetos de automação industrial. O engenheiro de controle e automação projeta e opera equipamentos utilizados nos processos automatizados de indústrias em geral, além de fazer sua manutenção. Ocupa-se do gerenciamento de projetos de automação industrial e comercial. É o responsável pela programação das máquinas e pela adaptação de softwares aos processos industriais. Em empresas que já estão automatizadas, redimensiona, opera e mantém os sistemas e equipamentos já instalados.

O mercado de trabalho

O profissional encontra ofertas de trabalho em indústrias de diversos setores, como automobilístico, químico e petroquímico, de alimentos e embalagens e de tecnologia da informação (TI). Com uma visão sistêmica, o engenheiro entende o processo, o controle, o TI de uma empresa e faz tudo isso funcionar de forma integrada. No eixo Rio-São Paulo, é contratado por grandes empresas para desenvolver e implantar projetos de automação e robotização. Existem vagas ainda em boa parte das empresas que migraram para cidades do interior do Paraná, da Bahia, de Pernambuco, de Minas Gerais, do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Sul e de Goiás. Manaus, por conta da Zona Franca, também é um importante mercado. Geralmente, o engenheiro ocupa o topo da pirâmide das etapas do desenvolvimento de um projeto. Os formados nessa carreira têm sido bastante requisitados pela indústria médica e por hospitais públicos e privados, nos quais gerenciam projetos de automação, adaptam softwares aos processos já existentes e programam sistemas de informação e banco de dados. Nesse campo, os salários costumam ser até quatro vezes maiores. O segmento agrícola do Rio Grande do Sul e do Paraná também demanda profissionais para trabalhar na indústria de estruturas metálicas, de conservação de grãos e de máquinas para automação de colheita. A área de meio ambiente é mais uma que precisa do profissional para ajudar grandes indústrias a diminuir desperdícios, a fazer uso racional da água e a reduzir a emissão de poluentes. No setor privado, a Companhia Vale é uma boa empregadora.

O curso

Como em todas as engenharias, nos dois primeiros anos o forte são as aulas de matemática, física, química e muita informática. Nesse curso, o aluno também vê no início lógica digital, efeitos sociais da automação e sistemas processadores e periféricos. A partir do terceiro misturam-se as disciplinas de engenharia mecânica, eletrônica e computação. Em mecânica, você estuda termodinâmica, elementos de máquinas e processos químicos, metalúrgicos e automotivos, entre outros. Em eletrônica estão matérias como eletrônica analógica e digital e na área de computação, aulas de estrutura de dados e sistemas de informação. Também há disciplinas integrativas, entre elas projetos de máquinas e integração da manufatura por computador. Nas atividades em laboratório, o aluno aprende a desenvolver, a projetar, a analisar e a controlar máquinas operadas eletronicamente. O estágio é obrigatório, assim como o trabalho de conclusão de curso. Em algumas escolas, essa graduação é oferecida como habilitação de Engenharia Mecânica, às vezes com a denominação mecatrônica.

Duração média

Cinco anos.

O que você pode fazer

Automação comercial e domótica

Projetar sistemas automatizados de controle de equipamentos em edifícios comerciais e em residências, como elevadores, iluminação, aparelhos de ar condicionado e eletrodomésticos.

Automação industrial

Desenvolver e implantar projetos de automação em indústrias. Manipular robôs industriais.

Bioprocessos

Projetar, construir e operar equipamentos empregados nas indústrias de biotecnologia.

Informática

Projetar sistemas de informação e bancos de dados. Programar equipamentos automatizados.

Fonte: guiadoestudante.abril.com.br

Engenharia Mecatrônica

O curso de Engenharia de Controle e Automação visa a formação de profissionais com domínio das tecnologias de sistemas de Controle Automático por Computador, Manufatura Inteligente e Robótica Industrial. Capacita profissionais nas áreas de controle automático, acionamento elétrico, eletrônica digital e computação aplicada.

O engenheiro de controle e automação é responsável, portanto, pela modernização industrial e pelo aumento de produtividade e competitividade nas indústrias – e faz isso utilizando, de forma objetiva, recursos eletrônicos e computacionais aplicados a sistemas eletromecânicos.

A área de Engenharia de Controle e Automação – também chamada Mecatrônica, por integrar as Engenharias Mecânica, Elétrica e de Computação – tem se destacado no Brasil devido às suas implicações socioeconômicas. Nas últimas décadas, o avanço tecnológico nas áreas de equipamentos industriais, eletrônica e microprocessadores, aliado ao desenvolvimento de softwares, tem contribuído muito para o crescimento de processos controlados por computador.

A modernização é vista, hoje, como uma condição cada vez mais vital para a permanência de uma organização no mercado. A crescente competitividade gerada pela globalização tem exercido forte pressão sobre os demais setores econômicos, abrindo o mercado de trabalho para os engenheiros de controle e automação.

Essa busca passa pela adoção de novas formas de gestão e de produção, com a finalidade de reduzir custos e prazos e, ainda, melhorar a qualidade dos produtos. É aí que entra a Engenharia de Controle e Automação, que dissemina as modernas técnicas de gestão e produção.
Nas áreas de arquitetura e construção, o engenheiro de controle e automação pode desenvolver casas e prédios inteligentes; nas ciências biomédicas, é capaz de aperfeiçoar aparelhos cirúrgicos; e tem se mostrado presença cada vez mais indispensável nas indústrias metalúrgicas, automotivas, eletrônicas e optoeletrônicas.

O mercado exige desse profissional conhecimentos de diversas Engenharias, como Mecânica, Elétrica e de Computação. Essa demanda multidisciplinar torna o mercado de trabalho promissor. O profissional pode atuar nas áreas que necessitem de processos automáticos e controláveis por sistemas computacionais. Cabe a ele, ainda, identificar as necessidades de automação de uma empresa e atendê-las de acordo com as tecnologias adequadas e recursos disponíveis.

Fonte: www.vunesp.com.br

Engenharia Mecatrônica

Objetivos do Curso

O estudante recebe na UNIP formação em Engenharia de Controle e Automação (Mecatrônica). Além da engenharia mecânica clássica, é dada ênfase em mecânica fina e em eletrônica de comando/controle, com parte prática em laboratórios de automação, de computação, robótica e instrumentação.

Dessa forma, objetiva-se formar um profissional apto a trabalhar na indústria moderna, na área de automação.

Atividades Principais

Projetar, instalar e gerenciar sistemas computadorizados para controle da produção industrial

Criar equipamentos para uso em linhas de produção automatizadas

Projetar e programar robôs industriais utilizados no processo de fabricação

Utilizar máquinas programadas por computadores para a fabricação de peças mecânicas.

Mercado de Trabalho

O profissional pode atuar nas indústrias de automação, de informática, têxteis, metalúrgicas, de cerâmicas, automobilísticas, mecânicas etc.

O mercado de trabalho é crescente, especialmente na indústria nacional, na qual a automação é uma necessidade quando se busca maior competitividade (redução de custos e melhoria da qualidade).

Atualmente, a maioria dos profissionais que atuam neste mercado não tem preparo suficiente para o exercício da função. Cumpre salientar que o curso de Engenharia Mecatrônica foi criado justamente como uma resposta às necessidades das indústrias, especialmente de grande porte.

Duração

5 anos

Fonte: www.unip.br

Engenharia Mecatrônica

Para os candidatos a professor Pardal, a Engenharia de Controle e Automação, ou Engenharia Mecatrônica, é o curso ideal. Afinal, que outra faculdade reúne nada menos que os conceitos de quatro outras engenharias e, de quebra, ainda ensina a fazer robôs?

A Engenharia de Automação traz no currículo partes dos cursos de Engenharia Mecânica, Elétrica, Eletrônica e de Computação. Conforme o coordenador do curso na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Augusto Bruciapaglia, o profissional da área tem como atribuições o controle e automação de equipamentos, processos, unidades e sistemas de produção.

"Este conceito está ficando restritivo demais, pois, além do uso industrial das tecnologias da automação, as atividades não-industriais vêm crescendo, como a domótica - automatização de tarefas e rotinas de uma residência visando ao conforto, à segurança e à economia de energia", explica.

O objetivo é facilitar a vida das pessoas, seja no trabalho, seja em casa. Dentro de uma fábrica de automóveis, provavelmente foi um engenheiro de automação quem desenvolveu os robôs que montam as peças dos veículos. Em uma casa, foi o mesmo profissional quem criou um sistema inteligente de desligamento de lâmpadas, por exemplo.

Mercado

O engenheiro mecatrônico encontra emprego especialmente no setor de serviços, segundo uma pesquisa desenvolvida pela UFSC com 265 egressos do curso. "Observa-se que as empresas do setor de serviços contratam a maior quantidade de engenheiros, seguidas da indústria e da educação - em universidades, onde os cursos de EC&A têm crescido muito ultimamente", afirma Bruciapaglia.

O piso para o profissional é o do engenheiro, de 8,5 salários mínimos, o equivalente a R$ 3,5 mil. "Mas pode variar significativamente em pouco tempo", avisa o coordenador da UFSC. Após dois a três anos de atuação na área, o engenheiro mecatrônico pode ganhar entre R$ 5 mil e R$ 7 mil mensais.

É para você?

Não tem jeito. É preciso gostar, ou melhor, amar matemática, além de ter um ótimo raciocínio lógico. "É uma excelente opção para jovens com elevada capacidade de abstração, amantes das matemáticas, das ciências em geral e da física em particular, pela possibilidade de, através delas, explicarmos o mundo usando modelos matemáticos sobre os quais será possível produzir os controladores que permitirão o adequado desempenho dos sistemas de interesse", complementa o professor da UFSC.

O que vem por aí

Fortes avanços em tecnologia e preços caindo na área tem um resultado bem positivo para o profissional da Mecatrônica, afirma Bruciapaglia: mais oportunidades de trabalho. "A pesquisa nessa área é muito dinâmica", comenta. "As tendências da profissão são de acelerada expansão na onda do crescimento exponencial das tecnologias da informação e da comunicação.

A constante redução de preços desses insumos permite a implementação de melhores e mais complexos sistemas de controle o que, aliado as exigências de segurança, produtividade, qualidade e competitividade das empresas na economia globalizada, nos asseguram um futuro muito promissor para este profissional que será altamente requisitado.

Diferencial

Para se destacar durante a faculdade, o professor sugere que o aluno aprimore suas habilidades em comunicação interpessoal, oral e escrita - se possível também em mais de uma língua, além de reforçar as habilidades em empreendedorismo, inovação e gestão de pessoas.

Fonte: noticias.terra.com.br

Engenharia Mecatrônica

Descrição

O engenheiro Mecatrônico alia o estudo dos componentes mecânicos e eletrônicos com os equipamentos e processos industriais. O nome é uma fusão de Mecânica com eletrônica. Ele é o profissional o responsável pela automação industrial. Ele projeta , opera e dá manutenção aos chamados robôs industriais, equipamentos do processo de automação programando máquinas, coordenando engenheiros mecânicos e eletrônicos na realização de projetos desta área.

Currículo Básico

Matemática, Física, Sistemas Industriais e de Produção, Controle de Processos, Informática, Eletrônica Analógica e Digital, Robótica.

Aptidões Desejáveis

O Engenheiro Mecatrônico precisa ter raciocínio abstrato, habilidade numérica, interesse por atividades científicas, mecânicas e automatizadas.

Especializações possíveis

Mecânica e Robótica.

Campos de Atuação

Campo de trabalho crescente devido ao aumento da automação na sociedade. Empresas Privadas das mais diversas áreas que necessitam de automação na linha de produção.

Fonte: www.guiadasprofissoes.com.br

Engenharia Mecatrônica

Sobre a profissão

É o ramo de estudos que lida com os processo de automação. O profissional em mecatrônica pesquisa e elabora projetos que envolvam as áreas de conhecimento da mecânica, da elétrica, da eletrônica e da informática.

Modernamente, quase todo tipo de indústria utiliza algum processo de automação, seja no movimento de suas esteiras, seja com máquinas de embalagem automática, seja no processo de montagem de peças. A robotização da produção é uma realidade graças aos estudos da mecatrônica.

Esse profissional é responsável tanto pela criação e construção do maquinário mecatrônica como pela manutenção dos sistemas automáticos de produção. Ele também elabora projetos para as indústrias que estão se constituindo, determinando qual o maquinário necessário para cada linha de produção específica.

A informática é uma forte aliada dos processos automatizados de produção, por isso o estudo de softwares de tecnologia aplicada é fundamental para o profissional mecatrônico. São os programas de computador que controlam o funcionamento das máquinas criadas por esses profissionais. Por isso o engenheiro mecatrônico também trabalha no projeto de sistemas de informação e bancos de dados envolvidos na programação de equipamentos automatizados.

Tipos de Curso

a) Nível Superior

Bacharelado

Duração média de 5 anos. O curso oferece um primeiro ano recheado de disciplinas exatas como matemática, física, química e informática. As disciplinas de engenharia mecânica, eletrônica e computação aparecem nos segundo e terceiro anos. Algumas das disciplinas oferecidas são termodinâmica, elementos de máquinas, eletrônica analógica e digital, sistemas de informação e estruturas de banco de dados. São ofertadas muitas horas de prática de laboratório, onde o aluno desenvolve projetos de máquinas eletronicamente controladas. Podem oferecer habilitações em engenharia mecânica ou elétrica ou ter os nomes de Automação e Controle, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Industrial de Controle e Automação, Engenharia de Automação Industrial e outros, ou ainda ser uma habilitação da Engenharia Mecânica. O estágio é obrigatório.

b) Nível Superior

Tecnológico (Automação e Controle)

Duração média de 3 anos. O curso tecnológico correlato à área é o de Automação e Controle e o de Eletrônica. As disciplinas básicas são matemática, física e informática aplicada. Alguns cursos têm vocação específica para a mecânica, enquanto outros preparam o aluno para o trabalho com a informatização de sistemas de produção. O curso de eletrônica também pode ser uma opção para os interessados na área.

c) Nível Superior

Tecnólogo (Eletrônica)

Duração média de 4 anos. O currículo básico compreende disciplinas comuns a eletrotécnica como física, estatística e matemática. As disciplinas específicas são eletrônica digital, informática, metrologia, microporcessadores, automação de processos industriais, telecomunicação fixa e móvel e sistemas de telefonia e computadores. Outros cursos tecnológicos na área que podem interessar são Automação e Controle e Telecomunicações. O estágio é obrigatório, assim como a apresentação de trabalho de conclusão do curso (TCC).

d) Nível Médio

Curso Técnico

Duração média de 2 anos. O curso técnico de mecatrônica oferece disciplinas como desenho técnico, metrologia, eletrônica geral, linguagem de programação, pneumática, processos de usinagem, eletrônica, hidráulica, tecnologia de materiais e máquinas, microprocessadores, comandos numéricos computadorizados, robótica e sistemas de qualidade. Em geral o estágio é obrigatório e o aluno precisa apresentar um projeto como conclusão de curso.

e) Cursos Livres

Existem cursos de formação continuada que complementam os conhecimentos do profissional, podem ser na área de administração, mecânica, automação, qualidade e informática. Em geral requerem algum conhecimento na área como pré-requisito.

Mercado de Trabalho

O mercado de trabalho do profissional em mecatrônica ou automação e controle acompanha o mercado industrial. Em épocas de finanças positivas a indústria cresce e contrata mais profissionais, quando existe crise, o setor sente maiores dificuldades para se desenvolver.

No entanto, como praticamente todas as indústrias modernas trabalham com algum tipo de automação, existe uma certa estabilidade no mercado de empregos, nem que seja na manutenção do maquinário já em uso.

O mercado de pesquisadores também é muito promissor, Institutos de fomento à pesquisa costumam patrocinar projetos de iniciação científica e de desenvolvimento de novos produtos.

Outro setor que tem crescido muito é o de desenvolvimento de equipamentos médico-hospitalares com sistemas automatizados. Os modernos equipamentos capazes de realizar cirurgias sob o comando à distância dos médicos é um bom exemplo da aplicação dos conhecimentos mecatrônicos no desenvolvimento da saúde.

Ofertas de Emprego

As regiões Sul e Sudeste, por concentrarem o maior número de industrias, são ainda os maiores empregadores, no entanto pólos industriais no Norte e Nordeste também rquisitam os trabalhos desse profissional.

O engenheiro mecatrônico costuma ocupar cargos na criação de projetos. Ele está habilitado para elaborar sistemas automatizados. Já tecnólogos e técnicos costumam trabalhar na manutenção e na supervisão do maquinário industrial.

A carreira acadêmica também é uma alternativa para quem quer investir na pesquisa de novos processadores e sistemas, assim como o magistério, nas faculdades e cursos técnicos, pode representar uma boa promessa de emprego para quem diploma de pós-graduação.

Fonte: www.cursocerto.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal