Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Fonoaudiologia  Voltar

Fonoaudiologia

Perfil do profissional

O fonoaudiólogo é um profissional da área da saúde que atua em promoção, diagnóstico, orientação e tratamento da comunicação oral e escrita, voz, audição e funções de mastigação, deglutição e respiração. Atende desde o recém-nascido até a terceira idade.

Mercado de trabalho

Nas áreas da saúde (consultórios, clínicas, ambulatórios, hospitais, maternidades, asilos, home care), educação (orientação a pais e professores, triagem de alunos e prestação de consultoria a equipes pedagógicas), meios de comunicação e artes (aperfeiçoamento dos padrões da fala, voz e expressão nas diferentes modalidades de comunicação), justiça (realização de perícias técnicas e assessoria em casos de ações cíveis e criminosas relacionadas à fonoaudiologia.), empresarial (desenvolvimento de projetos de comunicação oral e escrita nas instituições), estética (desenvolvimento dos padrões da voz, da fala e da face) e ocupacional (prevenção e conservação da audição em ambientes insalubres, minimizando os riscos ambientais à saúde).

Fonte: estacio.br

Fonoaudiologia

A comunicação é essencial na vida do ser humano, pois é o instrumento fundamental do aprendizado e a base das relações pessoais ou profissionais. O curso de Fonoaudiologia forma profissionais generalistas, com domínio dos instrumentos e métodos técnico-científicos que lhes permitem atuar nas diferentes áreas da comunicação oral e escrita, voz e audição, em atividades preventivas, de aprimoramento e reabilitação. O corpo docente utiliza equipamentos modernos para as aulas teóricas e práticas e supervisiona os estágios, que colocam os alunos em contato com a realidade de seu campo profissional. O curso dispõe de clínica especializada com equipamentos destinados à avaliação auditiva (salas com tratamento acústico, audiômetros, imitanciômetros, entre outros), salas de terapia com espelho de observação, laboratório de voz, computadores e softwares específicos para terapia fonoaudiológica.

O perfil do egresso do curso de Fonoaudiologia caracteriza- se pelo domínio dos instrumentos e métodos específicos para prevenção, avaliação, diagnóstico, orientação, terapia e aperfeiçoamento dos aspectos fonoaudiológicos envolvidos na função auditiva, periférica e central, na função vestibular, na linguagem oral e escrita, na articulação da fala, na voz, na fluência, no sistema miofuncional orofacial e cervical e na deglutição. Caracteriza-se, também, pela consciência da necessidade de constante atualização profissional, capacidade de trabalhar em equipe, interesse pela investigação científica, consciência ética da profissão e responsabilidade social.

O currículo do curso é formado por disciplinas básicas que têm por objetivo desenvolver a compreensão do processo da linguagem humana (Anatomia, Fisiologia, Física Acústica, Linguística), disciplinas específicas da fonoaudiologia (Audiologia, Linguagem Oral e Escrita, Voz, Motricidade Oral, Otoneurologia), disciplinas que desenvolvem a capacidade de trabalhar em equipe (Otorrinolaringologia, Odontologia, Neurologia, Psicologia) e os estágios supervisionados realizados nos quatro últimos semestres do curso.

O mercado de trabalho é promissor devido à variedade de campos abrangidos pela fonoaudiologia. O trabalho fonoaudiológico nos hospitais e maternidades é de extrema importância, devido ao seu papel na diminuição do tempo de recuperação de pacientes acometidos de dificuldades de deglutição, queimaduras, distúrbios neurológicos, entre outros. A fonoaudiologia também ganhou espaço nas empresas de telemarketing e emissoras de rádio e televisão, desenvolvendo programas de aperfeiçoamento da comunicação ocupacional. O fonoaudiólogo também atua em unidades básicas de saúde, ambulatórios de especialidades, consultórios, clínicas, homecare, asilos, creches e berçários, escolas regulares e especiais, instituições de ensino superior, empresas de aparelhos auditivos e serviços de saúde ocupacional.

Fonte: fmu.br

Fonoaudiologia

Historia da Fonoaudiologia

Data da década de 30 a idealização da profissão de Fonoaudiólogo, oriunda da preocupação da medicina e da educação com a profilaxia e a correção de erros de linguagem apresentados pelos escolares.

Na década de 60, deu-se início ao ensino da Fonoaudiologia no Brasil, com a criação dos cursos da Universidade de São Paulo (1961), vinculado à Clínica de Otorrinolaringologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina, e da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1962), ligado ao Instituto de Psicologia. Ambos estavam voltados à graduação de tecnólogos em Fonoaudiologia, sendo que o primeiro currículo mínimo, fixando as disciplinas e a carga horária destes cursos, foi regulamentado pela Resolução n° 54/76, do Conselho Federal de Educação.

Nos anos 70, tiveram início os movimentos pelo reconhecimento dos cursos e da profissão. Foram criados, então, os cursos em nível de bacharelado, e o curso da Universidade de São Paulo foi o primeiro a ter seu funcionamento autorizado, em 1977. Sancionada em 09 de Dezembro de 1981, pelo então presidente João Figueiredo, a Lei n° 6965, que regulamentou a profissão de Fonoaudiólogo, veio ao encontro dos sonhos de uma categoria profissional, que ansiava ser reconhecida. Além de determinar a competência do Fonoaudiólogo, com a Lei, foram criados os Conselhos Federal e Regionais de Fonoaudiologia, tendo como principal finalidade a fiscalização do exercício profissional.

As atividades do Conselho Federal de Fonoaudiologia tiveram início em 1983. Em 15/09/84, pela Resolução CFFa n° 010/84, foi aprovado o primeiro Código de Ética da profissão, que elencava os direitos, deveres e responsabilidades do Fonoaudiólogo, inerentes às diversas relações estabelecidas em função de sua atividade profissional. O crescimento da profissão, a ampliação do mercado de trabalho do Fonoaudiólogo e uma maior conscientização da categora têm levado os Conselhos de Fonoaudiologia à revisão de toda a sua Legislação. O primeiro fruto deste esforço conjunto foi a elaboração de um Código de Ética novo. Aprovados em 17/12/95. O próximo passo será a revisão da Lei n° 6965, que está commpletando 15 anos.

Através de suas comissões de educação, desenvolvendo um trabalho que envolve a participação indispendável dos 31 cursos de Fonoaudiologia do Brasil, os Conselhos pretendem, também, reformular o currículo mínimo da Fonoaudiologia, e submetê-lo à apreciação do MEC, como forma de garantir ao profissional uma formação condizente com a realidade atual.

Juramento do Fonoaudiólogo

"Neste momento, ao assumir a profissão de Fonoaudiólogo, obrigo-me solenemente a dedicar meu trabalho à Humanidade, utilizando o domínio desta ciência em todas as suas formas de expressão, prevenindo, orientando e tratando todos aqueles que o necessitem. Respeitarei os segredos que me forem confidenciados. Manteirei, por todos os meios ao meu alcance, a honra de minha profissão.

Não permitirei que considerações de ordem religiosa, de nacionalidade, de raça, de ordem política ou de padrões sociais se interponham entre o meu dever e o meu semelhante e não usarei meus conhecimentos contra as leis humanas.

Faço tais promessas solenemente, livremente sob minha palavra de honra."

Adaptação da Declaração de Genebra (1948)

Fonte:www.fonojp.hpgvip.com.br

Fonoaudiologia

O que é fonoaudiologia?

Fonoaudiologia é uma ciência que tem por objetivo o estudo e pesquisa dos métodos e técnicas de prevenção e terapia, realizadas na comunicação oral (fala – linguagem) e escrita, voz e audição.

Quem é o fonoaudiólogo?

O fonoaudiólogo é um profissional de formação superior e graduação plena, dentro da área biomédica; é o terapeuta que trata as patologias da comunicação humana.

Ele pode atuar em diferentes setores dentro do mercado de trabalho:

- Clínicas multi e interdisciplinares
- Escolas
- Empresas
- Hospitais
- Teatro
- Consultórios particulares

Clínicas multi e interdisciplinares

A necessidade que a fonoaudiologia tem de se interrelacionar com:

Psicologia

O objeto central do estudo do fonoaudiólogo é a comunicação humana. Para tanto, em casos que necessitem a intervenção psicoterápica conjugada ao tratamento fonoaudiólogo, possibilitará uma compreensão e expressão mais efetiva.

Otorrinolaringologia

Especialidade da medicina que trata ouvido, nariz e garganta. O otorrinolaringologista deve manter saudáveis estas estruturas para que o tratamento funcional possa ser iniciado pelo fonoaudiólogo, nas diferentes patologias.

Fisioterapia

Auxilia a fonoaudiologia quanto à postura, à respiração e atividades físicas adequadas, relacionando-as às funções estomatogmáticas.

Ortodontia

O fonoaudiólogo diagnostica e atua com exercícios que são capazes de corrigir a respiração bucal, padrões de mastigação e deglutição, bem como vícios posturais da língua, cooperando com a ortodontia. A ortodontia é uma especialidade da Odontologia que estuda a oclusão dentária, tendo como objetivo fazer o paciente atingir o melhor em forma, função e estética dentofacial.

Pedagogia

O fonoaudiólogo trabalha junto ao pedagogo nas áreas de elaboração de planejamento escolar (prevenção) e fazendo sugestões quanto às atitudes a serem seguidas pelo educador e/ou paciente na área da linguagem.

ESCOLAS

O compromisso de uma escola é o de dar a melhor educação possível para cada criança. Para isso é necessário conhecê-la integralmente, considerando cuidadosamente todos seus aspectos perceptuais e cognitivos.

O campo de trabalho da fonoaudiologia na escola compreende:

Prevenção

A intervenção preventiva abrange alguns aspectos:

Detecção precoce de transtornos nos primeiros anos de escolaridade

Trabalho de informação aos pais educadores

Intervenção direta, como por exemplo, na realização de estimulação dentro da sala de aula, junto com o professor, buscando facilitadores de aprendizagens.

Avaliação e diagnóstico

Esta é uma área onde a atuação do fonoaudiólogo se faz quase que individualmente, ou seja, independente da equipe educacional, uma vez que se tem como objetivo avaliar a comunicação oral, escrita e aspectos relacionados a elas. Após o levantamento dos dados obtidos, o fonoaudiólogo tem condições de orientar os pais e os professores das crianças que apresentem problema quanto às medidas a serem tomadas.

Tratamento

Necessitando do atendimento terapêutico, acreditamos que este deva ser realizado por profissionais e/ou serviços especializados.

Acompanhamento de casos

Deve ser realizado em todos os casos que tenham sido encaminhados a outros serviços ou profissionais. Nestes casos o fonoaudiólogo pode ser o elo entre o professor e o especialista, facilitando a troca de informações.

Empresas

Várias empresas já assimilaram que investir no material humano de sua equipe (gerentes, supervisores, operadores, etc...) muitas vezes é a chave para o aumento dos negócios e consequentemente da lucratividade. É importante ressaltar que a maneira de falar também faz parte da imagem expressada pela empresa. A atuação fonoaudiológica, já amparada pelas leis trabalhistas quanto aos aspectos auditivos (avaliação audiológica dos trabalhadores) e ergonômicos, tem sido requisitada de diversas maneiras e irá variar de acordo com as necessidades de cada empresa.

Hospitais

O trabalho do fonoaudiólogo e hospitais tem por finalidade acompanhar o paciente e distintas áreas, fazendo parte do corpo clínico.

Setor de Neurologia

O fonoaudiólogo avalia o paciente que teve como consequência de embolias, enfartes, tromboses, aneurismas, tumores, ferimentos por quedas ou armas de fogo, a afasia. Esta significa a perda total ou parcial da capacidade de se usar a linguagem oral e/ou escrita. Em seguida, o terapeuta traça o tratamento planejado de acordo com o nível de instrução do paciente, suas preferências pessoais e grau de perda verificado. Orienta os familiares quanto se pode ajudar, estimular e incentivar o afásio, ao sair do hospital. Em caso de paralisia facial ideopática (quando há compressão do nervo) há indicação da intervenção cirúrgica e atuação fonoaudiológica.

Setor de Otorrinolaringologia

O fonoaudiólogo poderá acompanhar os pacientes nas diferentes intervenções na área de patologia vocal (módulos, pólipos, carcinomas, laringectomias..) e auditiva (má formação do aparelho auditivo, implantes cocleares, etc...). Orientando o paciente e familiares, condutas facilitadoras para a recuperação e posterior tratamento fonoaudiológico.

Setor de Cirurgia Plástica

Quando se trata de paciente portador de fissura palatina e lábio leporino, a fonoaudiologia integra a equipe multi-disciplinar com o objetivo de acompanhar o paciente antes e depois das cirurgias necessárias. Este acompanhamento se faz através da avaliação, orientações periódicas e encaminhamentos

Setor de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial

Os indivíduos adultos portadores de desproporções maxilomandibulares possuem características miofuncionais orais próprias ao tipo de desproporção que apresentam. Estas alterações funcionais são, na verdade, adaptações que foram desenvolvidas para viabilizar as funções estomatognáticas. Em casos como esses, a cirurgia ortognática corrige essas discrepâncias, e, associada à ortodontia corrige as posições dentárias em fase pré e pós-cirúrgica. A fonoaudiologia atua então na reeducação da forma, restabelecendo as funções estomatognáticas.

Setor de Neonatologia

Teatro

Os indivíduos que fazem uso da voz como principal instrumento de trabalho são denominados profissionais da voz. Dentre estes podemos citar os atores, cantores, locutores, apresentadores, dentre outros. Devido ao avanço da ciência, os profissionais da voz procuram meios de aperfeiçoá-la, de acordo com as suas necessidades. O fonoaudiólogo, então, passa a assumir um importante papel, tendo em vista que é o profissional que lida com a maneira mais ampla da comunicação.

Consultórios Particulares

Ao consultório fonoaudiológico têm chegado as mais diferentes patologias da comunicação. Citaremos as mais comuns na atividade clínica em breves relatos.

Dislalia: A dislalia consiste na presença de erros na articulação dos sons da fala. Estes erros podem ser omissões, trocas de posição de fonemas, assimilações de outros fonemas e acréscimos de fonemas que não existiam na palavra inicial.

A dislalia pode ser causada por:

- ambiente familiar inadequado
- imitação
- falta de estímulos
- hereditariedade
- bilinguismo
- dificuldades no desenvolvimento auditivo
- atraso no desenvolvimento motor
- atraso de maturação neurológica

No aspecto funcional da fala influi o equilíbrio da musculatura orofacial, a sensibilidade da região articulatória e a percepção auditiva.

Exemplos:

- BOLA - /POLA/
- PORTA - /POITA/
- PRETO - /PETO/

O tratamento consiste em diagnosticar o tipo de dislalia e traçar um plano terapêutico adequado a fim de dar condições para a produção correta dos sons da fala.

Disfemia (gagueira)

A disfemia é um transtorno de fluência da palavra, que se caracteriza por uma expressão verbal interrompida em seu ritmo, de maneira mais ou menos brusca. A descontinuidade do discurso vem acompanhada de déficit no funcionamento da coordenação fonorespiratória, e força muscular reduzida que podem estar associadas a respostas emocionais e neurovegetativas.

Atenção, pais!! Existe a gagueira chamada fisiológica que ocorre em torno dos dois anos e pode ir até aproximadamente quatro ou cinco anos. É um processo que faz parte do desenvolvimento da linguagem da criança. O mais indicado é ignorar este padrão de fala, deixando que a própria criança passe por mais esta fase sem perceber que estava gaguejando.

Alterações da motricidade oral A terapia miofuncional, no trabalho com motricidade oral, atua nas desordens miofuncionais restabelecendo as funções de:

- respiração
- mastigação
- deglutição
- fonação e articulação
- sucção

É possível também associar recursos mioterápicos, adequando força e movimento dos músculos a elas envolvidos, além de trabalhar a remoção de hábitos parafuncionais e postura. Os tratamentos são individualizados, estabelecendo de maneira diversificada os exercícios a cada caso específico, respeitando a relação forma-função. Daí, a importância do trabalho em parceria com a ortodontia, complementando-se na definição das alterações de personalidade.

Respiração oral

A criança, quando nasce, respira pelo nariz e, caso não aconteçam interferências como rinites, bronquites, alergias, hipertrofia de amígdalas ou adenóides, a respiração nasal deverá continuar até o final da vida.

Funções do nariz

- respirar (filtrar, aquecer e umidificar o ar)
- cheirar
- falar

Quando não respiramos pelo nariz e sim pela boca, podemos causar desde uma simples irritação da mucosa oral até graves alterações de crescimento. A língua irá posicionar-se diversamente dentro da boca, e não cumprirá seu papel de modelador dos arcos dentários.

Algumas características do respirador oral para os quais devemos estar atentos:

- indivíduos que roncam e babam a noite
- sensação de boca seca ao acordar
- menor rendimento físico
- diminuição do olfato e paladar
- gengivas hipertrofiadas (tamanho aumentado)
- olheiras
- lábios hipotônicos (moles)
- nariz geralmente entupido
- língua muito flácida e anteriorizada
- assimetrias faciais
- deglutição atípica
- respiração ruidosa
- mastigação ruidosa
- cabeça mal posicionada
- mordidas cruzadas unilaterais; etc...

O tratamento parte da conscientização da respiração nasal e a importância do uso do nariz e do fortalecimento da musculatura oral.

É imprescindível a orientação à família quanto à mudança de comportamento ao dormir e o tipo de alimentação, que deverá conter mais alimentos sólidos, melhorando a hipotonia dos órgãos fonoarticulatórios.

O trabalho com o respirador bucal não é limitado à fonoaudiologia. Muito pelo contrário, normalmente temos um otorrinolaringologista e um ortodontista acompanhando o caso.

Mastigação: A mastigação é o trabalho conjunto da mandíbula em relação à cavidade oral (língua, dentes e músculos) que tem como objetivo a degradação mecânica dos alimentos, transformando-os em pedacinhos.

Em seguida, estes pedacinhos menores ligam-se entre si pela ação misturadora da saliva, obtendo-se desta forma o bolo alimentar pronto para ser deglutido.

Alguns indicadores que nos mostram que a mastigação não está sendo feita adequadamente:

- musculatura facial assimétrica
- dor ou ruído na ATM (articulação têmporo- mandibular)
- desvio ou limitação mandibular
- postura unilateral viciosa
- movimentos verticalizados

É necessário que se faça uma consulta ao ortodontista, a fim de diagnosticar estes possíveis quadros. E em seguida buscar o trabalho fonoaudiológico para que se possa atuar conjuntamente de uma maneira mais efetiva.

Deglutição: Podemos definir deglutição como o ato de engolir, isto é, o transporte do bolo alimentar ou de líquidos da cavidade oral até o estômago. Ela age como mecanismo protetor, removendo partículas originariamente perdidas na mesofaringe.

A deglutição alcança a maturação aproximadamente aos 3 anos, quando passa a ser chamada deglutição adulta, e esta se caracteriza por:

- toque de língua na papila palatina
- oclusão dentária
- não participação ativa dos músculos peri-orais
- movimento ondulatório da língua contra o palato.

Geralmente o deglutidor atípico apresenta:

- respiração bucal
- postura incorreta da cabeça
- musculatura peri-oral alterada
- presença de interposição e pressionamento atípico da língua
- deslize mandibular
- alteração da sensibilidade oral

Estas alterações podem aparecer isoladamente ou associadas.

Observação

Dependendo da posição do pescoço, a língua também tenderá a se posicionar mais para frente ou para trás, colaborando com o crescimento inadequado. E quando a língua sai do arco superior, ela eleva a laringe junto, o que tende a provocar também um problema vocal.

Devemos buscar sempre o correto posicionamento do tronco e da cabeça para iniciarmos o tratamento de reeducação miofuncional, que visa o trabalho de toda a musculatura orofacial associada à deglutição, para alcançar um bom desempenho desta função.

Fonação e Articulação

Fonação

É o fenômeno produzido através dos sons pelos órgãos da fonação, devidamente controlados, amoldados e articulados.

Órgãos da fonação e ressonadores fisiológicos:

- laringe
- faringe
- cavidade bucal
- cavidade nasal

A boca desempenha um papel importantíssimo na articulação dos sons, seguida da língua e seus distintos posicionamentos em relação aos dentes, aos lábios e às bochechas.

A mandíbula deve ter um posicionamento próprio, para que haja a articulação correta de cada sílaba, garantindo um espaço interdental.

O aparelho respiratório capta o fluxo de ar (inspiração e expiração), controlados através de diferentes músculos da caixa toráxica e do abdômen, e pelo diafragma.

A respiração pode ser considerada como o motor da voz e as pregas vocais, como o regulador indispensável da provisão de ar, o que permite todas as variedades de emissão.

Articulação

A articulação dos sons é realizada pelos órgãos fonoarticulatórios, que determinam modificações do som produzido inicialmente nas pregas vocais.

A língua é o principal órgão da articulação, atuando em conjunto com os dentes, palato e mandíbula.

Atraso de linguagem

O atraso de linguagem é uma ausência, dificuldade ou transtorno na aquisição e desenvolvimento dos aspectos prosódico, fonológico, semântico e sintático da língua.

Podemos identificar uma pessoa com atraso de linguagem quando:

- apresenta uma articulação (fala) deficiente
- vocabulário pobre para sua idade
- dificuldades na estruturação de sentenças
- dificuldades em organizar o pensamento

As causas podem ser por

- estimulação ambiental deficiente
- fatores hereditários
- fatores genéticos
- problemas orgânicos
- bilinguismo
- distúrbios emocionais

Na terapia de atraso de linguagem há de ser estabelecida uma relação de confiança entre o terapeuta e o paciente, devendo ainda haver o desenvolvimento das funções linguísticas de estimulação, organização e produção.

Fonte: www.fonojp.hpgvip.com.br

Fonoaudiologia

Sobre a profissão

A fonoaudiologia se ocupa da pesquisa acerca dos processos de comunicação. O fonoaudiólogo trabalha na diagnose, prevenção e reabilitação da voz, da audição e da motricidade oral. Esse terapeuta cuida tanto dos processos de fala, quanto dos de leitura e escrita.

É bastante comum que os fonoaudiólogos trabalhem em associação com outros profissionais, como terapeutas, psicólogos, fisioterapeutas, otorrinolaringologistas e pedagogos. Em parceria com dentistas e ortodentistas auxilia na prevenção e no tratamento de problemas como oclusão, vícios de mastigação e de deglutição.

Também fica sob a responsabilidade desse profissional a preparação de profissionais que usam a voz como instrumento de trabalho, como cantores, atores e locutores. Nas escolas, faz o acompanhamento de crianças com dificuldades de aprendizagem, como a dislexia, ou problemas da fala, como a gagueira.

Tipos de Cursoa) Nível Superior

Bacharelado

Duração média de 4 anos. A grade curricular é ampla, envolvendo disciplinas das áreas médicas, biológicas e humanas como: alterações da motricidade oral, anatomia, neuroanatomia, aparelho de ampliação sonora individual, aquisição e desenvolvimento da linguagem, audiologia educacional, avaliação audiológica, avaliação dos distúrbios voz, biologia, ciências sociais, comunicação e expressão, distúrbio leitura/escrita, distúrbios da fluência, distúrbios da linguagem oral/proc, auditivo central, distúrbios vocais, fisiologia, fundamentos física acústica e biofísica, linguística e fonética, patologia. o estágio é obrigatório.

Mercado de Trabalho

O mercado de trabalho para os fonoaudiólogos é estável. A maior expectativa gira em torno da possibilidade da especialidade se tornar obrigatória em todo o serviço público de saúde, o que aumentaria as possibilidades de contratação.

De qualquer forma o mercado é bastante robusto. Dados da organização mundial de saúde dão conta que cerca de 10 a 15% da população mundial tem dislexia, problema que causa transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração. É o distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Todas essas pessoas precisam do acompanhamento de uma equipe transdisciplinar que inclui o fonoaudiólogo.

O forte crescimento das empresas de telemarketing no país também fez aumentar o mercado de trabalho. O fonoaudiólogo auxilia os operadores no aprendizado das fraseologias específicas e também fazem o acompanhamento para prevenção de lesões de fala e audição, realizando, por exemplo, exames regulares de audiometria.

Ofertas de Emprego

O fonoaudiólogo encontra trabalho em todas as regiões do país, principalmente nas cidades de médio e grande porte. Ele pode clinicar em consultórios particulares, atendendo pessoas com dificuldade de fala ou então orientando profissionais que utilizam a voz. Pode também trabalhar em clinicas multidisciplinares que cuidam do restabelecimento de pessoas acidentadas.

O ramo de telemarketing concentra suas empresas nas grandes capitais, especialmente em São Paulo e Rio de Janeiro. Já as escolas que contratam esses profissionais para auxiliar no acompanhamento das crianças com problemas de aprendizagem são da rede privada e estão espalhadas nas grandes cidades do país.

Hospitais por todo o país também contratam o fonoaudiólogo para fazer os testes de audiometria neonatal, detectando precocemente problemas de audição nos recém nascidos. Esses profissionais também auxiliam na terapia de bebês com dificuldades para sugar o seio materno.

Fonte:www.cursocerto.com.br

Fonoaudiologia

O objetivo deste artigo é apresentar os caminhos da fonoaudiologia que,como uma nova profissão, necessita de constantes pesquisas científicas e especializações para encontrar-se no mercado de trabalho, em especial na audiologia ocupacional. Esta é uma área considerada somente técnica, mas que com o passar do tempo vem descobrindo a importância de ser parte integrante da educação e qualidade vida dos trabalhadores a ela ligados.

Fonoaudiologia

A fonoaudiologia por ser uma profissão nova, vem procurando, com sucesso um maior direcionamento dentro do mercado de trabalho. A especialização e a pesquisa científica tem sido o trampolim para o reconhecimento da importância desta profissão que, associada à diversas outras áreas pensam na união de idéias e experiências como uma nova perspectiva de trabalho dentro da saúde, em especial à saúde do trabalhador.

As mudanças abruptas pelas quais passamos diariamente influem, com toda certeza, na atuação de diversos profissionais que estão na área ocupacional. O médico do trabalho, está frente a novas doenças relacionadas ao mesmo, o engenheiro, consequentemente deverá estar atento aos riscos de novas máquinas e substâncias, bem como o fonoaudiólogo,deverá ter maior conhecimento dos agentes nocivos à saúde auditiva e auxiliar os demais componentes da área médica das empresas, em especial no que se refere a execução responsável do exame audiométrico, sua análise onde levantamos o indicador para o Engenheiro de segurança procurar a causa e a informação quanto à utilização de Equipamento de Proteção Individual – o protetor auricular . a eficácia deste e de muitos outros fatores na fonoaudiologia depende do direcionamento e do reconhecimento do problema em uma determinada empresa.

Enfatizamos, então a necessidade da inter-relação entre profissionais, trabalhadores, empresários para a transformação do ambiente de trabalho em um lugar de trocas valiosas, onde aprender, ensinar, produzir, agir, ou seja, conhecer seja realmente feito com reflexão e vontade.

UNITERMOS

Fonoaudiologia – Comunicação – Aperfeiçoamento – Audiologia Ocupacional – Programa de Conservação auditiva

A preocupação com o homem e o trabalho

“Neste momento, ao assumir a profissão de Fonoaudiólogo, obrigo-me solenemente a dedicar meu trabalho a humanidade, utilizando o domínio desta ciência em todas as formas de expressão, prevenindo, orientando e tratando todos aqueles que o necessitarem.

Respeitarei os segredos que me forem confiados. Manterei, por todos os meios ao meu alcance, a honra da minha profissão.

Não permitirei que considerações de ordem religiosa, de nacionalidade, de raça, de ordem política ou de padrões sociais se interponham entre o meu dever e o meu semelhante e não usarei meus conhecimentos contra leis humanas.

Faço tais promessas solenemente, livremente sob minha palavra de Honra.” (juramento do fonoaudiólogo)

A partir deste juramento dá-se início a caminhada de muitos profissionais em direção ao mercado de trabalho. Esta profissão é reconhecida desde 09 de dezembro de 1981, pela lei 6965/81 e considera Fonoaudiólogo “o profissional com graduação plena em fonoaudiologia, que atua em pesquisa, prevenção, avaliação, e terapia fonoaudiológicas na área da comunicação oral e escrita, voz e audição, bem como em aperfeiçoamento dos padrões da fala e da voz”.(Código de ética do profissional fonoaudiólogo).

Pela definição dada e pela referida data de reconhecimento verificamos que a profissão é consideravelmente nova, no entanto com um campo de atuação extenso, levando constantemente o profissional a refletir, analisar, avaliar, criar ou reformular os seus próprios conceitos, adequando-os ao mundo atual. Por lidar, principalmente com distúrbio da comunicação, precisa ter uma visão global, investir na pesquisa científica, a fim de sair da simples característica de técnico, atribuída a ele até o momento. A pessoa que procura este profissional, deixa de ser uma simples patologia, e passa a ser um “ser humano”. O fonoaudiólogo não deve ter medo de aprender, aprender, aprender e aprender a aprender sobre si e sobre a profissão que abraçou.(FIALHO, 2001).

Atuar na comunicação humana e suas desordens é a meta desta profissão. Jacubovics (2000), refere que sob o ponto de vista Comportamental-Cognitivo, o ato de falar pode ser visto como um desempenho do indivíduo. As desordens da fala, voz, audição e linguagem podem ser consideradas como formas defeituosas de comportamentos. A mesma autora faz-nos refletir sobre: como se sente uma criança com paralisia cerebral? O gago? O surdo? O Afásico? Todas estas questões nos fazem pensar em aspectos cognitivos extremamente complexos de serem mensurados e manipulados, pois envolvem fenômenos como: o pensamento, ansiedade, motivação, percepção etc., mas, somente depois de analisarmos o comportamento e estes aspectos do homem em questão poderemos desenvolver um plano de tratamento. Cabe ao fonoaudiólogo-cientista analisar o tipo de problema, levantar hipótese de trabalho, criar alternativas de tratamento encontrar formas de lidar com o problema colocando em prática sua hipótese ou intuição. Se mesmo assim não obtiver sucesso, poderá rever seus passos e procurar alternativas confiáveis para a situação. Como pensava Paulo Freire aprender é arriscar-se, é inventar, é transformar (FIALHO, 2001). O conhecimento do profissional que irá trabalhar com distúrbios da comunicação, terá que ser amplo e abrangente, englobando áreas afins que se entrelaçam com a fonoaudiologia.

Foi com esta preocupação que o fonoaudiólogo procurou a especialização como forma de aprofundamento, daí surgiram os cursos de Audiologia, Voz, Motricidade Oral, Linguagem, que com o tempo abriram-se para “subáreas”, entre elas a Audiologia Ocupacional que ressalta a importância da atuação fonoaudiológica junto aos trabalhadores expostos a agentes nocivos à saúde auditiva, tais como ruído, agentes ototóxicos e vibração. Oliveira (1996) confere que o profissional desta área vem ultrapassando os limites da clínica de reabilitação, onde ações preventivas ganham espaço cada vez maior e nas discussões sobre saúde ocupacional passou a ter papel preponderante.

No envolvimento com o meio ocupacional, também se preocupa em garantir o direito ao cidadão brasileiro, organizando estratégia que promovam ou protejam a saúde, quanto no diagnóstico e intervenção de eventuais distúrbios, principalmente de trabalhadores que utilizam voz, fala, linguagem e audição como instrumento de trabalho.(COSTA, 2000)

Durante a atuação em empresas, o fonoaudiólogo deve estar unido aos demais profissionais envolvidos na manutenção e prevenção da saúde do trabalhador. Sua participação está além da realização de audiometria, no acompanhamento periódico dos funcionários e na motivação dos mesmos em utilizarem meios para protegerem sua audição. O exame audiométrico propriamente dito, tem tido conotação extremamente técnica, mas podemos verificar que isto é uma inverdade, pois é claro que o executante do teste deve saber ser hábil e competente, deve ter cuidados com o equipamento, fazendo regulagens com as mais exigentes normas nacionais e internacionais, mas é importante observar que neste o trabalhador interage, sendo portanto subjetivo, carente de cuidados especiais, exigindo do profissional que se mantenha bem informado sobre o comportamento do ser humano. Também urge a conscientização do fonoaudiólogo no concernente às suas responsabilidades sociais, integração e reconhecimento de si, para com profissionais das áreas afins, pois de uma maneira generaliza estão envolvidos.

Este envolvimento com outros profissionais da saúde ocupacional fica claro na participação do fonoaudiólogo em um programa denominado Programa de Conservação Auditiva (PCA) ou como alguns especialistas o chamam, Programa de Prevenção de Perdas Auditivas. Este programa visa um conjunto de medidas coordenadas com o objetivo de impedir que determinadas condições de trabalho provoquem a deterioração dos limiares auditivos em um determinado grupo de trabalhadores (IBAÑEZ, 1997) ou como refere FIORINI (2001), o programa objetiva minimizar os riscos, evitando o desencadeamento ou agravamento de perdas auditivas no trabalho. Estas medidas são tomadas em comum acordo entre a empresa, trabalhadores, médico do trabalho, enfermeira do trabalho, Engenheiro do Trabalho, Técnicos em Segurança do Trabalho e Fonoaudiólogos.Este último tem papel fundamental neste processo, pois além de realizar o exame audiométrico, apresenta as condições em que se encontra o comportamento auditivo e com isto informa sobre a eficácia do programa. Este momento é muito valioso para aquisição e manipulação dos dados audiométricos onde se faz necessário que o fonoaudiólogo tome condutas imediatas, tanto no que se refere ao seu parecer quanto nas medidas de prevenção auditiva. Também é uma das únicas pessoas que tem contato demorado com o trabalhador em um momento no qual sua saúde auditiva e o fator de risco são prioridades.

Neste momento a fonoaudiologia, entra em contato com o funcionário, sua ansiedade, seu pensamento em relação à empresa e suas expectativas quanto aos cuidados com a saúde, não só auditiva, mas geral. Então o fonoaudiólogo neste momento deve emprestar o fazer da psicologia cognitiva, deverá investigar como os indivíduos conhecem ou obtém conhecimento a respeito de seu mundo e como utilizam esse conhecimento para guiar suas decisões e realizar ações mais eficazes (FIALHO, 2001).

Posteriormente ao reconhecimento do local e observação do trabalhador, medidas de segurança são tomadas, quando necessário. O ideal seria que estas medidas fossem personalizadas para a empresa analisada, adequada à sua realidade e condições, bem como a tomada de posições definitivas de proteção coletiva, atenuando os níveis de pressão sonora elevados, diretamente na fonte, levando a um consenso geral. No entanto observamos frequentemente que as resoluções ”paliativas” de prevenção individual são as mais comuns, fixando-se em especial, no Protetor Auricular e sobrecarregando de responsabilidade o funcionário que além de trabalhar em um local ruidoso, passa a considerar-se fonte de auto-proteção. Contudo, a escolha do equipamento de proteção individual (EPI) e a implantação do mesmo, é feita de maneira aleatória, geralmente sem conhecimento do trabalhador, que passará a usá-lo sem muita informação. Empresas mais conscientes envolvem neste momento, o trabalhador em treinamentos e programas educacionais, visando, além da boa utilização do EPI, criar vínculos com o trabalhador para a criação de um conjunto de estratégia para treinamento pessoal e formas de divulgação de resultados de cada uma das etapas do programa. Um ponto relevante é esquecido com frequência pela empresa e pelos componentes do PCA: a opinião do usuário é de suma importância. Levantar conjuntamente as metas é uma questão de respeito, pois implica na superação do próprio ponto de vista e poderá resultar no sucesso do programa intencionado (FIALHO, 2001) e criar novas metas para a Indústria como programas de educação ambiental e ou de orientação direcionada. Neste caso “É preciso que o processo educativo não transmita certezas, seja agradável e significativo, privilegie a expressão e a comunicação de todos os participantes, promova o encontro, a convivência e a cooperação (FIALHO, 2001)”.

CONCLUSÃO

Finalizamos reconhecendo que o homem é um ser social e no processo de comunicação, bem como na aquisição do conhecimento é altamente dependente da audição. Por este e outros motivos este sentido deve ser bem cuidado, e o auxilio deverá vir de quem estudou não somente as patologias que ocorrem no órgão orelha, mas daquele que consegue visualizar que entre as orelhas tem um ser humano.

FREITAS (1998), ressalta que “O ser humano necessita do convívio social, da cultura popular e do saber para ver a ciência em sua totalidade. O pesquisador é um ser cheio de emoções, sonhos e realizações que contribuem para o progresso social e científico”.É desta forma que o fonoaudiólogo deve pensar para conseguir colocar-se cada dia mais como alguém comprometido e responsável pelo desenvolvimento de sua profissão podendo assim contribuir para a melhor qualidade de vida dos trabalhadores a ele confiados.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARTIGO 1º, PARÁGRAFO ÚNICO. LEI 6965 DE 9/12/81 – Lei 6965/81 e demais

normas do CFFa ,Código de Ética do Profissional Fonoaudiólogo. Conselho

Federal de Fonoaudiologia – 5º Colegiado, Editora Positiva Ltda, Brasília.

FIALHO, F. A. P. – Ciências da Cognição, 1ª edição. Florianópolis-SC. Editora Insular:

2001. 264p.

FIORINI, A.C.; NASCIMENTO P. E. S. – Programa de Prevenção de Perdas Auditivas.

In: NUDELMANN, A.A.;COSTA,E.A.;SELIGMAN,J;IBAÑEZ, R. N. – Perda

Auditiva Induzida Pelo Ruído, volume II. Revinter, Rio de Janeiro, 2001,241p.

FREITAS, J. A. S. – Audiologia Atual - volume I. Frontis Editorial, São Paulo, 1998.

IBAÑEZ, R. N. – Programa de Conservação Auditiva. In: NUDELMANN,

A.A.;COSTA,E.A.;SELIGMAN,J;IBAÑEZ, R. N. – Perda Auditiva Induzida Pelo

Ruído. Volume I, Bagagem, 1997, 297p.

Jacubovicz, R. A. – A Fonoaudiologia como Ciência. Ver Fonoaudiologia Brasil –

CFFA, volume 3, nº 3, p. 24 –29,abril 2000, Brasília,2000.

JURAMENTO DO FONOAUDIÓLOGO - Lei 6965/81 e demais normas do CFFA,

Código de Ética do Profissional Fonoaudiólogo. Conselho Federal de

Fonoaudiologia – 5º Colegiado, Editora Positiva Ltda, Brasília.


OLIVEIRA, T. C. M. – A fonoaudiologia pode fazer muito pela saúde do trabalhador.

Ver Jornal do CFFA, Ano V, nº 7, p 8-11, setembro/outubro de 2000, Brasília, 2000.

Fonte: www.cce.ufsc.br

Fonoaudiologia

É a ciência que se ocupa da pesquisa, da prevenção, do diagnóstico, da habilitação e reabilitação da voz, da audição, da motricidade oral, da leitura e da escrita. O fonoaudiólogo cuida das questões ligadas à comunicação oral e escrita. Ele trata deficiências de fala, audição, voz, escrita ou leitura. Pode atuar em parceria com fisioterapeutas, otorrinolaringologistas, neurologistas e psicólogos. Com dentistas, trata de males que podem causar ou agravar problemas ortodônticos, como vícios de mastigação e deglutição. Auxilia profissionais que utilizam a voz, como cantores e atores. Pode trabalhar em clínicas, consultórios, escolas, hospitais e emissoras de televisão. Para exercer a profissão é preciso registrar o diploma no Conselho Regional de Fonoaudiologia.

O mercado de trabalho

As ofertas de trabalho para o fonoaudiólogo têm perspectivas de crescimento com a possibilidade de se tornar obrigatória a presença do profissional no serviço público de saúde, sobretudo nos programas de saúde da família do governo federal. Em cidades de médio e grande portes, maternidades contratam o especialista em audiologia, para a realização de testes de audiometria em recém-nascidos, e em motricidade oral, para ajudar os bebês com dificuldade de sugar o leite materno. Em hospitais de todo o país e empresas de home care ele auxilia pacientes que saem da UTI com dificuldade para engolir os alimentos, atua na reabilitação de fissurados labiopalatal e no tratamento de patologias cujos sintomas são vertigens e tonturas. É crescente a procura de fonoaudiólogos por profissionais que necessitam de boa dicção, como locutores, executivos, oradores e políticos, que aprendem a entonação e a impostação corretas da voz.

O mesmo acontece nas empresas de telemarketing, que se utilizam de técnicas de preservação da voz e da audição de seus funcionários. Também crescem as chances de trabalho em escolas particulares de educação infantil, onde o formado acompanha o desenvolvimento da linguagem dos alunos. Em geriatria, os fonoaudiólogos auxiliam idosos na adaptação aos aparelhos auditivos e próteses dentárias. Cidades do interior do país têm muita carência desse especialista, já que a maioria concentra-se nas grandes capitais. Aumenta ainda a atuação do fonoaudiólogo como perito nos processos judiciais entre empregador e empregado por perdas auditivas relacionadas a ruídos no ambiente de trabalho e na realização de exames admissionais e demissionais em empresas.

O curso

O currículo inclui disciplinas de diversas áreas do conhecimento. Das ciências biológicas e da saúde, o aluno estuda anatomia, fisiologia, genética e patologias. Das ciências sociais e humanas, os futuros fonoaudiólogos vêem psicologia, pedagogia e ética. Boa parte da formação, no entanto, é voltada para os conteúdos específicos da profissão, como audição, linguagem oral e escrita, fala e prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento dos distúrbios da comunicação. Há, ainda, aulas de física acústica e metodologia da pesquisa. No final da graduação é preciso fazer um estágio, bem como apresentar uma monografia.

Duração média

Quatro anos

O que você pode fazer

Audiologia

Diagnosticar e prevenir problemas de audição, realizando testes e elaborando programas de redução de barulho em fábricas. Selecionar e adaptar aparelhos para correção de problemas auditivos.

Linguagem

Prevenir e tratar distúrbios como gagueira, troca de letras na fala e na escrita e retardo de linguagem. Trabalhar com comunicação suplementar ou alternativa, auxiliando crianças com dificuldade de aprendizado da linguagem e adultos vítimas de acidente ou doença grave que afetam a comunicação oral.

Motricidade oral

Pesquisar, avaliar e tratar problemas relacionados com a sucção, a deglutição, a mastigação, a respiração e a fala. Trabalhar com aperfeiçoamento dos padrões de fala e estética facial.

Voz

Aplicar técnicas para o aperfeiçoamento da articulação, respiração, entonação e pronúncia de profissionais que utilizam a voz em suas atividades, como atores, locutores, apresentadores de TV e políticos. Avaliar, prevenir e tratar problemas como rouquidão, sequelas de tumores e alteração no tom da voz.

Fonte: guiadoestudante.abril.com.br

Fonoaudiologia

Gagueira, língua "presa", troca de letras. Quando pensamos em um fonoaudiólogo, logo vem à mente um profissional que vai resolver os problemas na fala. Mas pouca gente lembra que esse profissional também trata de quem tem alguma desordem auditiva e até escrita.

A lista de atribuições é grande. Ele é o responsável em prevenir, intervir e reabilitar as alterações de linguagem oral e escrita, de fala, de audição, de fluência, de voz e de motricidade orofacial.

Mercado

O fonoaudiólogo pode trabalhar em instituições públicas e privadas, de diferentes naturezas: hospitais, maternidades, empresas, consultórios particulares, unidades básicas de saúde, centros de pesquisa, entre outros. "Pode atuar na área da Saúde e ou da Educação já que trata dos Distúrbios da Comunicação", explica Fabiola Ferrer Del Nero Mecca, professora e coordenadora de estágios do curso na Universidade Guarulhos, em São Paulo.

Não há piso para a profissão, explica Fabiola. Mas, conforme a professora, nos serviços públicos, a média salarial está em R$ 2 mil para 30 horas de trabalho semanais. "Para serviços públicos, verifica-se um aumento do número de vagas já que muitas ações são implantadas na saúde auditiva como o Teste da orelhinha obrigatório em todas as maternidades, e os programas da saúde pública como o NASF- Núcleo de Apoio a Saúde da Família", conta.

A opção mais comum ainda é a atuação em consultórios particulares. "Entretanto, este perfil está sendo rápido e continuamente modificado, em virtude da inserção do fonoaudiólogo em diferentes segmentos de serviços de saúde, como hospitais e empresas", diz a professora. "Para quem está iniciando na profissão de forma autônoma, a principal dificuldade é a captação de clientes e a inerente dificuldade no trato com os planos de Assistência Médica. Atualmente, todos os planos de saúde são obrigados a ressarcir o associado de sessões de fonoterapia."

É pra você?

É importante que o futuro profissional goste de atuar na área de saúde e da educação. "Também deve interessar-se por questões que envolvam a comunicação humana", comenta Fabiola. Entre as disciplinas do curso, aulas nas área de Medicina, Psicologia e Pedagogia, além de matérias específicas da área de Física e aulas de Fonética e Linguística.

O que vem por aí

A importância de "falar bem" nos mais diversos campos de trabalho vem ampliando o mercado para os fonoaudiólogos. Assim, não só quem trabalha diretamente com a viz, como atores, jornalistas e radialistas procuram os serviços especializados atuamente. Políticos, executivos e outros profissionais apostam no fonoaudiólogo para se comunicar melhor.

A professora da Universidade Guarulhos ainda lembra que a profissão tem se especializado e crescendo cientificamente. "Diferentes segmentos profissionais nas áreas de saúde, educação e comunicação têm incorporado o fonoaudiólogo em sua equipe de trabalho. Desta forma, hoje é comum termos fonoaudiólogos em UTI adulta e infantil, em laboratórios de diagnóstico clínico, em empresas etc."

Diferencial

Investir em atividades comunitárias e pesquisa científica são boas pedidas. "Esta participação garante o desenvolvimento prático e científico da profissão", comenta Fabiola. "Neste sentido, o curso de Fonoaudiologia da UnG oferece ao aluno a possibilidade de realizar diversas ações comunitárias. Na área da voz, por exemplos tivemos pelo 3º ano a melhor campanha da voz do Brasil. Nossas ações garantiram a participação de 5000 pessoas de diferentes idade, gênero, profissão, etc. No âmbito da pesquisa temos nos empenhado na ampliação de nossos trabalhos. Atualmente temos alunos bolsistas de iniciação em pesquisa trabalhando junto ao nosso diretório de pesquisa do CNPq", enumera.

Fonte: noticias.terra.com.br

Fonoaudiologia

Descrição

A Fonoaudiologia estuda a linguagem, a audição, suas perturbações e tratamento com a utilização de técnicas e métodos específicos. O Fonoaudiólogo é o terapeuta que previne e diagnostica distúrbios de linguagem e audição , aplicando métodos e técnicas de tratamento e reabilitação. Identifica problemas como: surdez, mudez, gagueira e de dicção. Atua também na área de saúde do trabalhador, visando à prevenção, identificação e correção dos distúrbios funcionais de audição ou fala.

Currículo Básico

Psicologia, Anatomia, Bioquímica, Pedagogia, Fundamentos de Biologia, Fundamentos de Física, Biofísica Linguística.

Aptidões Desejáveis

É preciso sensibilidade, capacidade de interpretação e análise, atenção concentrada e perseverança.

Especializações possíveis

Fonoaudiologia Educacional, Fonoaudiologia Estética e Fonoaudiologia Terapêutica.

Campos de Atuação

Hospitais, Clínicas, Escolas, Instituições Públicas.

Fonte: www.guiadasprofissoes.com.br

Fonoaudiologia

O QUE FAZ

Estuda e trata dos problemas da fala, da audição, da escrita e da leitura, com o uso de técnicas e métodos específicos. É considerado o terapeuta da voz, da fala, da audição e das linguagens oral e escrita. Trata de distúrbios como surdez, mudez, gagueira, problemas de dicção e outros. Para isso, faz exames, diagnósticos e desenvolve programas terapêuticos para cada caso. Trabalha também com artistas no seu aperfeiçoamento vocal.

CAMPO DE TRABALHO

Audiologia

Realiza testes que visam a obtenção do diagnóstico de distúrbios de audição em recém-nascidos, crianças e adultos. Pode indicar e adaptar aparelhos para a surdez, sempre seguindo a orientação do otorrinolaringologista. Atua ainda na elaboração de programas preventivos de redução de barulho nas fábricas.

Fonoaudiologia Clínica

Pesquisa, diagnostica e previne distúrbios de comunicação oral e escrita; atuando no atendimento a pacientes com problemas de gagueira, voz, alterações de fala ou que apresentam dificuldades no aprendizado da linguagem.

Fonoaudiologia Educacional

Estudo do desenvolvimento da linguagem oral e escrita das crianças; implantação de programas de prevenção de distúrbios da fala; orientação a professores sobre métodos de ensino a deficientes e uso da voz em sala de aula.

Fonoaudiologia Estética

Treinamento da expressão vocal de atores, locutores, apresentadores e políticos.

REGULAMENTAÇÃO

Lei 6965 de 09/12/1981. Necessita do registro no Conselho Regional de Fonoaudiologia (CRFa) para exercer a profissão.

DURAÇÃO

4 anos, com estágio supervisionado obrigatório.

CONTEÚDO

Psicologia, Neurologia, Bioquímica e Pedagogia compõem o currículo básico, além de Linguística, Fonética, Fonologia, Anatomia e Fisiologia da Audição. Os alunos têm aulas também sobre procedimentos clínicos para avaliação e tratamento dos distúrbios da linguagem, da voz e da audição com base em casos reais.

TITULAÇÃO

Fonoaudiólogo.

Fonte: www.10emtudo.com.br

Fonoaudiologia

"Profissional que estuda a fonação e a audição, diagnostica suas perturbações e prescreve os respectivos tratamentos"

O que é ser fonoaudiólogo?

Fonoaudiólogos são profissionais da área da saúde que atuam na promoção, prevenção e adequação da comunicação oral e escrita, voz e audição e funções de mastigação, deglutição e respiração. Além de prevenir o desenvolvimento da doença, o fonoaudiólogo pesquisa e avalia suas possíveis causas para depois aplicar a terapia capaz de curá-la. Ele trabalha com indivíduos de todas as idades, desde o recém-nascido até o idoso.

Quais as características necessárias para ser um fonoaudiólogo?

É preciso sensibilidade, capacidade de interpretação e análise, atenção concentrada e perseverança.

Características desejáveis:

- capacidade de interpretação e análise
- habilidade de comunicar-se e lidar com o público
- interesse por questões sociais
- paciência
- objetividade
- criatividade

Qual a formação necessária para ser um fonoaudiólogo?

É preciso ter graduação em fonoaudiologia. Os cursos são oferecidos em instituições de ensino superior da rede pública e privada, têm a duração de 4 anos e geralmente ocorrem em período integral. Os cursos voltados para a área de fonoaudiologia, atualmente, abordam assuntos relacionados às disfunções como doenças do corpo, além dos distúrbios de comunicação como resultados de problemas psíquicos e audição ou retardo da fala em crianças por causas psicológicas.

Principais atividades de um fonoaudiólogo

Pode exercer atividades clínicas, de docência, pesquisa, realizar atividades administrativas e de assessoria/consultoria fonoaudiológica.
Estuda e trata dos problemas da fala, da audição, da escrita e da leitura, com o uso de técnicas e métodos específicos. É considerado o terapeuta da voz, da fala, da audição e das linguagens oral e escrita. Trata de distúrbios como surdez, mudez, gagueira, problemas de dicção e outros. Para isso, faz exames, diagnósticos e desenvolve programas terapêuticos para cada caso.

Áreas de atuação e especialidades

Audiologia

É o campo da fonoaudiologia voltado para promoção, prevenção, diagnóstico e reabilitação da função auditiva e vestibular, incluindo estudo e pesquisa. O objetivo principal da audiologia é garantir a comunicação e a qualidade de vida do indivíduo por meio da otimização de suas habilidades auditivas.

Alguns exemplos de ações realizadas pelo fonoaudiólogo especialista em Audiologia: exames para avaliar a função auditiva e vestibular; seleção, adaptação e acompanhamento do uso de Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI), implante coclear e qualquer outro dispositivo para reabilitação auditiva ou proteção da audição; (Re)habilitação da audição a partir de uma proposta terapêutica.

Linguagem

Linguagem é o campo da fonoaudiologia voltado para o estudo, pesquisa, promoção, prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento de transtornos a ela relacionados, a fim de garantir e otimizar o uso das habilidades de linguagem do indivíduo, objetivando a comunicação e garantindo bem estar e inclusão social.

Alguns exemplos de ações realizadas pelo fonoaudiólogo especialista em linguagem: assessorias às escolas e pais com relação ao desenvolvimento da linguagem oral e escrita, terapia com crianças que têm um atraso no desenvolvimento da linguagem oral ou escrita, terapia para crianças que não estão articulando os sons adequadamente, estão com problemas na escrita e outros.

Motricidade Orofacial

É o campo da fonoaudiologia voltado para o estudo, pesquisa, prevenção, avaliação, diagnóstico, desenvolvimento, habilitação, aperfeiçoamento e reabilitação dos aspectos estruturais e funcionais das regiões orofacial e cervical.

Alguns exemplos de ações realizadas pelo fonoaudiólogo especialista em Motricidade Oral: avaliar e reabilitar os problemas da fala e fluência decorrentes de alterações neurológicas ou músculo-esqueléticas; avaliar e reabilitar as alterações e/ou anomalias estruturais craniofaciais - congênitas, de desenvolvimento e/ou adquiridas - ósseas, musculares, articulares, posturais, que comprometam e/ou que se associem às funções orofaciais, temporomandibulares e cervicais.

Voz-é o campo da fonoaudiologia voltado para o estudo e a pesquisa da voz, a promoção da saúde vocal, a avaliação e o aperfeiçoamento da voz; assim como a prevenção, o diagnóstico e o tratamento das alterações vocais, quer sejam na modalidade de voz falada como na voz cantada.

Alguns exemplos de ações realizadas pelo fonoaudiólogo especialista em Voz:

Tratamento das pessoas que possuem alteração vocal, como rouquidão, voz áspera, soprosa. Aprimoramento da comunicação das pessoas que trabalham com a comunicação, como locutores, cantores, etc.

Saúde Coletiva

Saúde Coletiva é o campo da Fonoaudiologia voltado à construção de estratégias de planejamento e gestão em saúde, no campo fonoaudiológico, com vistas a intervir nas políticas públicas, bem como atuar na atenção à saúde, nas esferas de promoção, prevenção, educação e intervenção, a partir do diagnóstico de grupos populacionais.

Alguns exemplos de ações realizadas pelo fonoaudiólogo especialista em:

Saúde Coletiva

Promoção e apoio ao aleitamento materno exclusivo; promoção da saúde da criança e do adolescente nos aspectos da fala, audição, linguagem oral e escrita, voz e motricidade orofacial; promoção e proteção à Saúde do Trabalhador (distúrbios da voz do professor, trabalhadores expostos a níveis elevados de ruído); promoção do envelhecimento saudável (estratégias de comunicação).

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho é amplo; fonoaudiólogos podem atuar em empresas, hospitais, escolas e instituições, embora a clínica fonoaudiológica ainda seja a preferência da maioria.

Muitos profissionais que utilizam a voz profissionalmente (cantores, jornalistas, repórteres, políticos, operadores de telemarketing, entre outros) consultam um fonoaudiólogo regularmente.

Outras oportunidades são oferecidas no campo da segurança e da medicina do trabalho, inclusive porque a legislação trabalhista determina a realização de exames audiológicos nos trabalhadores expostos a ruídos.

O fonoaudiólogo trabalha em parceria com vários profissionais, dentre eles: médicos otorrinolaringologistas, cirurgiões de cabeça e pescoço, pediatras, neurologistas, bem como psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e dentistas.

Curiosidades

Atraso de Linguagem

Caracteriza-se pela ausência ou retardo no aparecimento da linguagem oral. Crianças que até um ano e meio não dizem palavras isoladas ou que aos dois anos não formam frases devem ser avaliadas. O Atraso de linguagem pode ser sinal de algum problema como deficiência mental, deficiência auditiva, falta de estímulos, problemas psicológicos, problemas neurológicos ou uma superproteção dos pais adiantando ou adivinhando a vontade da criança fazendo com que ela não tenha necessidade de se comunicar. Ele pode gerar transtornos cognitivos, sociais e emocionais que repercutem no processo escolar e na vida da criança.

Fonte: www.brasilprofissoes.com.br

Fonoaudiologia

A Fonoaudiologia estuda basicamente a comunicação, a linguagem, a audição e a interação entre as elas. Cabe ao Fonoaudiológo diagnosticar e tratar problemas que possam ocorrer na comunicação, tais como surdez, gagueira, surdez, dicção incorreta, ou problemas de respiração que atrapalhem a fala. O fonoaudiólogo além de atuar no ataque aos problemas de fala, também atua na prevenção orientando e disseminando boas práticas.

Uma outra atribuição do fonoaudiólogo é também ajudar na reabilitação de pacientes que tenham tido sequelas na voz devido a alguma doença, tal como câncer ou então algum acidente. Além de ajudar, juntamente com os psicologos a crianças com retardo de fala devido a problemas psicologicos ou traumas.

Grade Básica do Curso de Fonoaudiologia

- Psicologia
- Fisiologia do Aparelho Respiratório
- Anatomia
- Pedagogia
- Psicologia Básica
- Anatomia
- Fundamentos de Biologia
- Ciência do Comportamento
- Bioquímica
- Biofísica Linguística

Fonoaudiologia: Aspectos Favoráveis

Uma coisa interessante sobre fonoaudiologia que muita gente não sabe e é uma otima oportunidade de trabalho para os bons fonoaudiólogos é o entretenimento. Sempre que um dublador vai ser escolhido para um filme um fonoaudiólogo é consultado, pois para que o resultado da dublagem fique bom, o dublador tem que ter uma voz correspondente ao tipo físico do ator original que vai aparecer nas imagens.

Fonoaudiologia: Aspectos Desfavoráveis

O aspecto desfavorável da fonoaudiologia é que em hospitais, ao contrário das outras especialidades médicas que são necessárias em grande quantidade, as vagas de fonoaudiologia são mais restritas.

Fonte: www.guiadacarreira.com.br

Fonoaudiologia

A formação valoriza a integração social, com a necessária comunhão entre teoria e prática por meio da atividade supervisionada e da orientação de pesquisa. A formação clínico-terapêutica capacita o graduado à assessoria completa nas atividades envolvidas.

O fonoaudiólogo atua nas atividades ligadas à prevenção, diagnóstico e reabilitação dos distúrbios da comunicação (fala, voz, linguagem oral e escrita e audição). Os distúrbios de que mais se ocupa são a mudez, a surdez e a gagueira, além de problemas da dicção. Também treina e aperfeiçoa a voz de cantores, comunicadores, políticos e atores.

O profissional trabalha em parceria com fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, neurologistas, psicólogos, otorrinolaringologistas e ortodontistas no atendimento aos pacientes. Atua em clínicas, hospitais, estabelecimentos de ensino, centros de reabilitação dos distúrbios de comunicação e consultórios particulares.

Fonte: www.fumec.br

Fonoaudiologia

É a prevenção, aprimoramento, diagnóstico e terapia relacionados à linguagem oral e escrita, à audição e aos sistemas suplementares de comunicação.

O Fonoaudiólogo

Pesquisa, diagnostica, previne e trata distúrbios da comunicação oral e escrita. Atende pacientes com problemas de gagueira, voz, alterações da fala, ou dificuldades no aprendizado da linguagem escrita. (Fonoaudiologia Clínica).

Realiza testes para diagnosticar distúrbios de audição em recém-nascidos, crianças e adultos. Junto com o otorrinolaringologista indica e adapta aparelhos de surdez. (Audiologia).

Elabora e acompanha programas de prevenção de problemas auditivos em fábricas, ao lado de médicos e engenheiros de segurança do trabalho.

Aplica técnicas específicas para o aprimoramento da comunicação oral.

Faz o treino da linguagem, expressão e impostação da voz de atores, cantores, locutores, políticos, empresários e outras pessoas que tenham a voz como instrumento de trabalho. (Fonoaudiologia Estética).

Estuda o desenvolvimento da linguagem oral e escrita de crianças, implantando programas de prevenção de distúrbios da fala e aprendizagem, bem como orientando professores. (Fonoaudiologia Educacional).

Colabora no diagnóstico e na adaptação de aparelhos odontológicos, atuando nos problemas causados pela utilização incorreta do aparelho fonador, junto a médicos e dentistas.

Onde Pode Trabalhar

Hospitais, Clínicas Fonoaudiológicas, Médicas, Psicológicas, Pedagógicas, Odontológicas.

Ambulatórios, Centros de Reabilitação, Consultórios Particulares.

Universidades, Escolas de 1.º e 2.º graus, Escolas de Educação Especial, Empresas Industriais.

Empresas de Comunicação (rádio, televisão), Empresas Cinematográficas e de Teatro.

O Curso

Abrange a parte de formação básica e geral onde são ofertados conteúdos como Anatomia Geral, Neuroanatomia Aplicada, Biologia e Fisiologia, Psicologia, Física e Biofísica, Linguística, Neurologia e outros.

Na parte profissionalizante, existem procedimentos clínicos envolvidos na avaliação e no tratamento dos distúrbios da linguagem, da voz e da audição, a partir de exemplos reais.

São ofertadas disciplinas como Audiologia, Avaliação da Linguagem, Audiologia Educacional, Deficiência Mental, Distúrbios da Comunicação, Fonoaudiologia Aplicada à Paralisia Cerebral, Ética Profissional, Oclusão Dentária, Psicomotricidade Aplicada aos Distúrbios da Linguagem entre outras.

DURAÇÃO

04 anos.

Fonte: www.cfh.ufsc.br

Fonoaudiologia

Sobre a profissão

A fonoaudiologia se ocupa da pesquisa acerca dos processos de comunicação. O fonoaudiólogo trabalha na diagnose, prevenção e reabilitação da voz, da audição e da motricidade oral. Esse terapeuta cuida tanto dos processos de fala, quanto dos de leitura e escrita.

É bastante comum que os fonoaudiólogos trabalhem em associação com outros profissionais, como terapeutas, psicólogos, fisioterapeutas, otorrinolaringologistas e pedagogos. Em parceria com dentistas e ortodentistas auxilia na prevenção e no tratamento de problemas como oclusão, vícios de mastigação e de deglutição.

Também fica sob a responsabilidade desse profissional a preparação de profissionais que usam a voz como instrumento de trabalho, como cantores, atores e locutores. Nas escolas, faz o acompanhamento de crianças com dificuldades de aprendizagem, como a dislexia, ou problemas da fala, como a gagueira.

Tipos de Curso

a) Nível Superior

Bacharelado

Duração média de 4 anos. A grade curricular é ampla, envolvendo disciplinas das áreas médicas, biológicas e humanas como: alterações da motricidade oral, anatomia, neuroanatomia, aparelho de ampliação sonora individual, aquisição e desenvolvimento da linguagem, audiologia educacional, avaliação audiológica, avaliação dos distúrbios voz, biologia, ciências sociais, comunicação e expressão, distúrbio leitura/escrita, distúrbios da fluência, distúrbios da linguagem oral/proc, auditivo central, distúrbios vocais, fisiologia, fundamentos física acústica e biofísica, linguística e fonética, patologia. o estágio é obrigatório.

Mercado de Trabalho

O mercado de trabalho para os fonoaudiólogos é estável. A maior expectativa gira em torno da possibilidade da especialidade se tornar obrigatória em todo o serviço público de saúde, o que aumentaria as possibilidades de contratação.

De qualquer forma o mercado é bastante robusto. Dados da organização mundial de saúde dão conta que cerca de 10 a 15% da população mundial tem dislexia, problema que causa transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração. É o distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Todas essas pessoas precisam do acompanhamento de uma equipe transdisciplinar que inclui o fonoaudiólogo.

O forte crescimento das empresas de telemarketing no país também fez aumentar o mercado de trabalho. O fonoaudiólogo auxilia os operadores no aprendizado das fraseologias específicas e também fazem o acompanhamento para prevenção de lesões de fala e audição, realizando, por exemplo, exames regulares de audiometria.

Ofertas de Emprego

O fonoaudiólogo encontra trabalho em todas as regiões do país, principalmente nas cidades de médio e grande porte. Ele pode clinicar em consultórios particulares, atendendo pessoas com dificuldade de fala ou então orientando profissionais que utilizam a voz. Pode também trabalhar em clinicas multidisciplinares que cuidam do restabelecimento de pessoas acidentadas.

O ramo de telemarketing concentra suas empresas nas grandes capitais, especialmente em São Paulo e Rio de Janeiro. Já as escolas que contratam esses profissionais para auxiliar no acompanhamento das crianças com problemas de aprendizagem são da rede privada e estão espalhadas nas grandes cidades do país.

Hospitais por todo o país também contratam o fonoaudiólogo para fazer os testes de audiometria neonatal, detectando precocemente problemas de audição nos recém nascidos. Esses profissionais também auxiliam na terapia de bebês com dificuldades para sugar o seio materno.

Fonte: www.cursocerto.com.br

Fonoaudiologia

O curso de Fonoaudiologia possibilita ao profissional trabalhar na prevenção, diagnóstico e reabilitação dos distúrbios da comunicação, trabalhando de forma individual ou em conjunto com pediatras, neurologistas, psicólogos, pedagogos e otorrinolaringologistas.

Atividades Principais

diagnosticar distúrbios da audição e fala em recém-nascidos, crianças e adultos

criar e desenvolver programas e técnicas de prevenção de problemas auditivos

prevenir distúrbios da comunicação oral e escrita

tratar distúrbios da comunicação como gagueira, deficiência auditiva, alterações da voz e fala, entre outros

aperfeiçoar a expressão vocal de atores, locutores, apresentadores e políticos.

Mercado de Trabalho

O profissional possui um vasto campo de atuação, trabalhando em clínicas, escolas, hospitais, televisão, política, teatro, asilos e creches.
A atuação clínica refere-se à área de audiologia, linguagem, voz e motricidade oral.

No trabalho hospitalar, o profissional atua junto a equipes de neonatologia, pediatria, otorrinolaringologia, cirurgia plástica, psiquiatria, oncologia e área de exames.

Voltando-se à área educacional, o fonoaudiólogo participa de trabalhos com alunos e professores, no que tange à prevenção, identificação e correção de possíveis alterações. Sua área de abrangência inclui berçários, educação infantil, cursos de graduação e pós-graduação.

Uma tendência crescente no mercado é a atuação na área estética, ensinando pessoas a falar em público, tratando os problemas da dicção e rompendo bloqueios que possuam para se expor.

Nesse caminho, os setores de saúde, educação e comunicações absorvem um grande percentual de fonoaudiólogos.

Duração do Curso

4 anos.

Fonte: www.curso-objetivo.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal