Breaking News
Home / Curiosidades / Frenologia

Frenologia

PUBLICIDADE

O que é

A frenologia é uma teoria, popularizada no início do século XIX, que liga a forma e a medida do crânio aos traços de personalidade.

A frenologia foi recebida com ceticismo mesmo em seus primeiros dias e agora é considerada uma pseudociência, desenvolvida através da aplicação indevida do método científico.

No entanto, os cientistas modernos reconhecem a frenologia como um precursor de teorias mais amplamente aceitas sobre o cérebro.

A foi a primeira grande teoria a reconhecer a importância do cérebro e postular que diferentes áreas do cérebro regulam diferentes funções.

Idéias semelhantes foram discutidas já na era clássica, por exemplo, nos escritos de Aristóteles, mas Franz Joseph Gall, o fundador da frenologia, foi o primeiro a usar as medidas da cabeça para prever traços de personalidade.

Gall, que chamou sua teoria de craniologia, dividiu o cérebro em 27 áreas diferentes, cada uma com uma função específica, como afeto, orgulho, sentimento religioso, habilidade poética e a tendência a matar.

Na primeira metade do século XIX, o auge da frenologia, a teoria foi usada para prever o futuro das crianças e selecionar os candidatos a emprego, da mesma forma que os testes de personalidade às vezes são usados hoje em dia.

Para realizar uma análise frenológica, o cientista mediu a cabeça do paciente com um paquímetro, depois sentiu a superfície das áreas levantadas e deprimidas.

As áreas levantadas foram pensadas para indicar que a parte do cérebro localizada abaixo desse ponto estava bem desenvolvida, enquanto as áreas deprimidas indicavam o oposto.

Infelizmente, a frenologia às vezes era usada para promover o racismo, principalmente pelos nazistas.

Embora a frenologia tenha sido superada pela neurociência, psicologia e outros trabalhos científicos modernos sobre o cérebro, ela ainda é bem conhecida e frequentemente referenciada na cultura popular, geralmente em um contexto de brincadeira.

Muitas pessoas estão familiarizadas com a aparência de um gráfico de frenologia, que normalmente mostra uma cabeça de perfil com áreas delineadas denotando certos aspectos da personalidade.

A frase comumente ouvida, “Você deveria examinar sua cabeça”, é na verdade uma referência à frenologia, não à psicologia, como é frequentemente assumido.

Definição

O termo frenologia é derivado das palavras gregas phren (mente) e logos (conhecimento).

A frenologia é baseada na ideia de que o cérebro é o órgão da mente e as regiões físicas do cérebro podem contribuir para o caráter de uma pessoa.

Mesmo no auge de sua popularidade, a frenologia era controversa e agora é considerada desacreditada pela ciência.

Frenologia – Prática pseudocientífica

Frenologia é o estudo da conformação do crânio como indicativo de faculdades mentais e traços de caráter, especialmente de acordo com as hipóteses de Franz Joseph Gall (1758-1828), um médico alemão, e adeptos do século XIX como Johann Kaspar Spurzheim ( 1776–1832) e George Combe (1788–1858).

A frenologia gozou de grande apelo popular até o século XX, mas foi totalmente desacreditada pela pesquisa científica.

Os princípios sobre os quais a frenologia se baseava eram cinco:

1) o cérebro é o órgão da mente;

2) os poderes mentais humanos podem ser analisados em um número definido de faculdades independentes;

3) essas faculdades são inatas e cada uma tem sua sede em uma região definida da superfície do cérebro;

4) o tamanho de cada uma dessas regiões é a medida do grau em que as faculdades sentadas nela formam um elemento constituinte do caráter do indivíduo; e

5) a correspondência entre a superfície externa do crânio e o contorno da superfície do cérebro abaixo é suficientemente próxima para permitir ao observador reconhecer os tamanhos relativos desses vários órgãos pelo exame da superfície externa da cabeça.

O sistema de Gall foi construído por um método de empirismo puro, e seus chamados órgãos foram identificados em bases bastante ilusórias. Tendo escolhido arbitrariamente o lugar de uma faculdade, ele examinou as cabeças de seus amigos e os grupos de pessoas com essa peculiaridade em comum, e neles buscou a característica distintiva de seu traço característico.

Alguns de seus estudos anteriores foram feitos entre internos de prisões e manicômios lunáticos, e alguns dos traços que ele presumia detectar eram “criminosos”. Eles batizavam o nome de manifestações excessivas, mapeando órgãos de assassinato, roubo e assim por diante. No entanto, os nomes foram alterados por Spurzheim para se alinharem com considerações mais morais e religiosas. Gall assinalou em seu modelo da cabeça os lugares de 26 órgãos como cercos redondos com interespaços vagos.

Spurzheim e Combe dividiram todo o couro cabeludo em manchas oblongas e contíguas identificadas por várias designações, tais como amatividade, filoprogenitividade, concentricidade, adesividade, combatividade, destrutividade, sigilo, ganância, construtividade, autoestima, amor à aprovação, cautela, benevolência, veneração. consciência, firmeza, esperança, maravilha, idealidade, sagacidade, imitatividade, individualidade, percepção de forma, percepção de tamanho, percepção de peso, percepção de cor, percepção de localidade, percepção de ordem, percepção de ordem, memória de coisas, percepção de tempo, percepção linguística, compreensão comparativa e espírito metafísico.

Franz Joseph Gall

Spurzheim, Johann Kaspar

Fonte: Equipe Portal São Francisco

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Borduna

PUBLICIDADE A borduna está entre a mais simples de todas as armas: uma pequena vara, …

Otoscópio

PUBLICIDADE O que é Um otoscópio é uma ferramenta que permite ao médico ver dentro …

Osteótomo

PUBLICIDADE O que é um Osteótomo? Osteótomo são instrumentos (dispositivos) simples que foram projetados e são …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.