Breaking News
Home / Curiosidades / Habilidades cognitivas

Habilidades cognitivas

Definição de habilidades cognitivas

PUBLICIDADE

As habilidades cognitivas têm como objetivo facilitar mudanças na maneira como as pessoas pensam sobre a realidade.

Habilidades cognitivas são as maneiras pelas quais seu cérebro se lembra, raciocina, prende a atenção, pensa, lê e aprende.

Suas habilidades cognitivas o ajudam a processar novas informações, pegando essas informações e distribuindo-as nas áreas apropriadas do cérebro.

Quando você precisa dessas informações posteriormente, seu cérebro também usa habilidades cognitivas para recuperar e usar essas informações.

Ao desenvolver habilidades cognitivas, você ajuda seu cérebro a concluir esse processo com mais rapidez e eficiência e garante que entende e processa efetivamente essas novas informações.

No local de trabalho, as habilidades cognitivas ajudam a interpretar dados, lembrar os objetivos da equipe, prestar atenção durante uma reunião importante e muito mais.

Essas habilidades o ajudam a lembrar de informações anteriores que podem estar relacionadas aos objetivos da sua organização e o ajudam a fazer conexões importantes entre as informações antigas e novas para que você trabalhe com mais eficácia.

Habilidades cognitivas

O que é cognição?

A cognição tem a ver com a forma como a pessoa entende o mundo e age nele.

A cognição é o conjunto de habilidades ou processos mentais que fazem parte de quase todas as ações humanas enquanto estamos acordados.

Habilidades cognitivas são habilidades baseadas no cérebro de que precisamos para realizar qualquer tarefa, desde as mais simples às mais complexas. Eles têm mais a ver com os mecanismos de como aprendemos, lembramos, resolvemos problemas e prestamos atenção do que com qualquer conhecimento real.

Por exemplo, atender o telefone envolve percepção (ouvir o toque), tomada de decisão (atender ou não), habilidade motora (levantar o receptor), habilidades linguísticas (falar e entender a linguagem), habilidades sociais (interpretar tom de voz e interagir adequadamente com outro ser humano).

Habilidades cognitivas são apoiadas por redes neuronais específicas.

Por exemplo, as habilidades de memória dependem principalmente de partes dos lobos temporais e partes dos lobos frontais (atrás da testa).

Pessoas com lesões cerebrais traumáticas podem apresentar menor capacidade cognitiva associada a regiões e redes neuronais comprometidas (razão pela qual a neurorreabilitação é tão importante).

Habilidades cognitivas

O que são habilidades cognitivas?

Habilidades cognitivas são um conjunto de habilidades que são aprendidas em vários graus à medida que uma pessoa cresce e se desenvolve mentalmente.

Ao contrário das habilidades baseadas no conhecimento acadêmico, as habilidades cognitivas são habilidades que são usadas para aprender, compreender e integrar informações de forma significativa.

As informações aprendidas cognitivamente são compreendidas, não apenas memorizadas.

Existem muitos grupos de habilidades cognitivas e cada categoria ampla pode ser dividida em conjuntos de habilidades muito específicos. Os marcos são freqüentemente usados para rastrear o progresso das crianças e podem ser empregados para diagnosticar dificuldades de aprendizagem ou outros problemas que podem exigir atenção especial.

Alguns exemplos de habilidades cognitivas incluem habilidades motoras, memória, atenção, percepção e uma ampla categoria conhecida como habilidades executivas.

Cada uma dessas habilidades pode ser subdividida em operações mentais específicas que podem ser usadas em diferentes situações ou para completar tarefas.

Primeiramente, essas habilidades são empregadas para resolver problemas, perceber o mundo de uma forma que faça sentido e seja consistente e para aprender novas habilidades e informações.

Uma das categorias mais importantes de habilidades cognitivas envolve as funções executivas.

Essas são habilidades que podem ajudar a governar outras habilidades e fornecer uma estrutura mental essencial para o aprendizado. As funções executivas incluem sequenciamento, inibição, solução de problemas e flexibilidade. Algumas dessas habilidades podem ser usadas para apoiar outras categorias e, mais importante, podem ajudar a fornecer um meio de integrar as informações na mente para que possam ser compreendidas.

Certas tarefas aprendidas, como ler e escrever, dependem fortemente de habilidades cognitivas. O pensamento simbólico é uma dessas habilidades. Esta é a capacidade cognitiva de relacionar um símbolo a um som, imagem ou outro significado específico que não esteja necessariamente implícito na aparência real do símbolo. Essa habilidade é vital para entender como ler e escrever por meio do uso de um alfabeto, no qual as letras realmente não têm nenhuma relação visual com o significado ou sons que produzem.

Muitas dessas habilidades trabalham juntas para permitir que algumas ações cotidianas sejam realizadas. Atender uma porta depois que uma campainha foi tocada é um exemplo. Para atender uma porta, uma pessoa deve ser capaz de identificar um som, desviar a atenção para o som, relacionar o som a um objeto físico dentro do ambiente, mesmo que não seja o objeto real que está fazendo o barulho, e então usar habilidades motoras para alcançar a porta e abra-a. Todas essas etapas são classificadas como habilidades cognitivas.

Habilidades cognitivas

O que é função cognitiva?

A função cognitiva se refere à capacidade de uma pessoa de processar pensamentos.

Cognição se refere principalmente a coisas como memória, capacidade de aprender novas informações, fala e compreensão de leitura. Na maioria dos indivíduos saudáveis, o cérebro é capaz de aprender novas habilidades em cada uma dessas áreas, especialmente na primeira infância, e de desenvolver pensamentos pessoais e individuais sobre o mundo.

Fatores como envelhecimento e doenças podem afetar a função cognitiva ao longo do tempo, resultando em problemas como perda de memória e dificuldade para pensar nas palavras certas ao falar ou escrever.

Os humanos geralmente são equipados com uma capacidade para funções cognitivas ao nascer, o que significa que cada pessoa é capaz de aprender ou lembrar uma certa quantidade de informação.

Isso geralmente é medido usando testes como o teste de quociente de inteligência (QI), embora estes possam ser imprecisos na medição completa das habilidades cognitivas de uma pessoa.

A infância e a primeira infância são os períodos em que a maioria das pessoas é mais capaz de absorver e usar novas informações, com a maioria das crianças aprendendo novas palavras, conceitos e maneiras de se expressar semanalmente ou mesmo diariamente. A capacidade de aprender diminui pouco a pouco à medida que envelhecemos, mas a função cognitiva geral não deve se esgotar em grande escala em indivíduos saudáveis.

Certas doenças e condições podem causar um declínio na cognição.

A esclerose múltipla (EM), por exemplo, pode eventualmente causar perda de memória, incapacidade de compreender novos conceitos ou informações e fluência verbal esgotada.

Nem todos os pacientes que sofrem dessa condição sentirão esses efeitos colaterais, e a maioria dos pacientes manterá a capacidade de falar tão bem quanto o intelecto geral.

Algumas pesquisas sugerem que é possível melhorar a função cognitiva e prevenir um declínio natural na memória e no pensamento quando causado pelo envelhecimento normal.

Fazer atividades como problemas com palavras, problemas de memória e matemática pode “exercitar” o cérebro de forma que menos células morram ou se tornem inativas com o tempo.

Isso pode resultar em um período mais longo de cognição de alto nível e até mesmo aumentar as habilidades cognitivas em alguns indivíduos. Assim como qualquer outro músculo do corpo, o cérebro precisa de estimulação regular para permanecer forte.

Quaisquer sintomas de cognição diminuída devem ser avaliados por um médico para descartar quaisquer condições graves.

A esclerose múltipla (EM), por exemplo, pode inicialmente se apresentar por mudanças sutis na função cognitiva antes de progredir para sintomas mais graves. Na maioria dos casos, a perda de memória ou a incapacidade de pensar com clareza são causadas por problemas simples que podem ser resolvidos facilmente. Fadiga ou estresse, por exemplo, podem resultar em perda temporária de cognição. O problema geralmente é resolvido assim que as questões subjacentes forem tratadas.

Os sintomas prolongados ou que pioram com o tempo devem sempre ser levados a sério, no entanto, pois podem sinalizar um transtorno mental ou físico.

O que são processos cognitivos?

Os processos cognitivos, comumente chamados de cognição, são os muitos processos que atuam juntos na formação do pensamento.

A cognição nos ajuda a adquirir informações e tirar conclusões conscientes e subconscientes sobre o mundo que nos rodeia.

Nossos cinco sentidos convencionais são utilizados neste processo complexo como meio de coleta de informações.

A definição específica de cognição é um tanto vaga, com uma quantidade significativa de debate interdisciplinar sobre seu significado exato. A raiz latina de cognição é cognoscene, que se traduz como “conceituar”, “reconhecer” e “saber”.

Os processos cognitivos podem ser definidos como abrangendo todo o processamento de informações, mesmo no nível subconsciente, ou como estritamente a capacidade de pensar e raciocinar, que é um evento consciente exclusivo dos seres humanos.

Muitos antropólogos e outros estudiosos em várias disciplinas consideram a capacidade de processar informações conscientemente como a característica humana definidora.

Para entender a complexidade dos processos cognitivos, é necessário ter uma percepção ampla de como os humanos geralmente veem o mundo.

Existe uma infinidade de informações ao nosso redor em todos os momentos, permitindo que sejam tomadas decisões sobre o meio ambiente. Essas decisões podem ser triviais, como a cor da camisa a vestir, ou salvar vidas, como o que fazer em uma situação de emergência. O processo de tomar a informação disponível por meio de nossos sentidos e traduzi-la em conclusões ou ações é possibilitado pela cognição.

Alguns processos específicos envolvidos na cognição podem ser memória, associação, linguagem e atenção. Outros processos cognitivos relacionados são formação de conceitos, reconhecimento de padrões, imagens e resolução de problemas.

É importante perceber que esses processos são sobrepostos na natureza e muitas vezes funcionam juntos de maneiras complexas para formular quaisquer conclusões sobre o mundo externo e interno.

Embora esses processos cognitivos sejam universais, existem diferenças específicas de cada pessoa que não são completamente compreendidas.

Essas diferenças são a força motriz entre a tomada de decisão e a perspectiva. Existem inúmeras escolas de pensamento sobre a origem das diferenças cognitivas.

Alguns argumentam que existe uma predisposição genética que dita as diferenças de personalidade, e outros acreditam que esses traços são mais motivados pela experiência, enquanto a maioria é consistente com a noção de que uma combinação de natureza e criação nos torna quem somos.

Se dois gêmeos idênticos foram criados na mesma casa, é provável que sejam semelhantes em muitos aspectos, mas ainda assim diferentes em personalidade. Eles são geneticamente idênticos, mas ainda têm processos cognitivos diferentes que moldam a maneira como dão sentido ao mundo. Este é um exemplo de como suas experiências, ou nutrição, fizeram com que fossem diferentes. Ao contrário, se esses dois gêmeos foram separados ao nascer e cresceram em ambientes diferentes, eles ainda podem exibir certas semelhanças na personalidade, dando evidências a favor de uma predisposição genética na personalidade.

Fonte: sharpbrains.com/www.indeed.com/www.braingymmer.com/www.mindmattersjo.com/learning.shine.com/www.wisegeek.org/www.learningrx.com/cogx.info/news.mit.edu/helpmegrowmn.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Borduna

PUBLICIDADE A borduna está entre a mais simples de todas as armas: uma pequena vara, …

Frenologia

PUBLICIDADE O que é A frenologia é uma teoria, popularizada no início do século XIX, …

Otoscópio

PUBLICIDADE O que é Um otoscópio é uma ferramenta que permite ao médico ver dentro …