Breaking News
Home / Filosofia / A Banalidade do Mal

A Banalidade do Mal

PUBLICIDADE

Hannah Arendt: A Banalidade do Mal

Quando pensara os regimes totalitários na Europa a filósofa judia, Hannah Arendt, detectar neles algo em comum: a presença do que ela chamou de “banalidade do mal”. Entender conceitualmente o mal banal, a sua aplicabilidade e atualização nos dias de hoje é a intenção deste texto.

Focando o nazismo na Alemanha, a filósofa judia corresponsabiliza os Conselhos Judaicos por terem fornecido aos nazistas listas com dados sigilosos dos judeus: o que teria facilitado o genocídio desse povo nos campos de concentração e extermínio.

A Banalidade do Mal

Para exemplificar o mal banal, Arendt traz a público o relato do julgamento de Eichmann em Jerusalém, um burocrata nazista encarregado de assinar os documentos que autorizavam o envio de judeus aos campos de concentração e extermínio. Interrogado pelo tribunal sobre a sua culpa referente aos seus atos, Eichmann repetia à exaustão que “apenas cumpria ordens”, pois, em momento algum ele, de forma direta ligara uma câmara de gás ou deixara os condenados passar por situações degradantes de sua condição humana; ele apenas, de forma irrefletida, cumpria o seu papel enquanto funcionário nazista.

Diante dos depoimentos de Eichmann, Arendt percebera que o réu, na condição de burocrata não foi movido pelo “mal radical” kantiano (mal pelo mal), mas a sua atitude má decorrera da falta de pensamento e juízo: o que Hannah Arendt chamou de “banalidade do mal”.

Em outras palavras, o mal banal cometido por Eichmann nada tem a ver com distúrbio moral, intelectual, psicológico ou eugênico, haja vista Eichmann mostrar-se um homem comum, bom cidadão, mas que pela ausência do pensamento tornou-se mal. Nesse sentido, Arendt aponta que o mal banal pode estar muito mais próximo de nosso cotidiano do que podemos supor. Esse mal atinge todo tipo de pessoa e não apenas aos psicopatas ou indivíduos que possuam qualquer desordem mental, intelectual ou moral.

O mal banal se atualiza em todo contexto ou situação em que a burocracia impera sobre os direitos humanos. Onde, em nome do cumprimento de normas sejam elas estatais ou privadas negligenciamos a dignidade humana sob a justificativa de estar obedecendo à lei, tal qual Eichmann alegara durante todo o seu julgamento em Jerusalém. Desse modo, o burocrata nazista, a ver de Arendt, abdicara do pensamento e do julgamento para apenas raciocinar o que o levou a tornar-se mal mesmo sendo um homem bom.

Dica Cultural

O vídeo a seguir fora retirado do filme Hannah Arendt, sob direção de Margarethe Von Trotta, mostra de forma bastante clara aspectos do julgamento de Eichmann em Jerusalém e a interpretação da análise que a filósofa faz do caso e a banalidade do mal.

Referências Bibliográficas

SCHIO, Sônia Maria. Hannah Arendt: o mal banal e o julgar. Veritas, Porto Alegre, v.56, nº 1, p. 127-135, jan./abr. 2011.

Veja também

Raciocínio Dedutivo

Raciocínio Dedutivo

PUBLICIDADE Definição de Raciocínio Dedutivo O raciocínio dedutivo é um processo lógico em que uma conclusão é …

Utopia

Utopia

A Utopia é a idealização de um mundo normalmente paralelo ao real, mas que é governado por princípios distintos.

Mito da Alma Gêmea

Mito da Alma Gêmea

PUBLICIDADE É bem provável que você já tenha tido contato com a expressão “alma gêmea”. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.