Breaking News
Home / Filosofia / Utilitarismo

Utilitarismo

PUBLICIDADE

Definição

Utilitarismo é a doutrina ética de que a virtude se baseia na utilidade e que a conduta deve ser direcionada para promover a maior felicidade do maior número de pessoas.

O utilitarismo é uma teoria moral que defende ações que promovem a felicidade ou o prazer geral e rejeita ações que causam infelicidade ou dano.

Uma filosofia utilitária, quando direcionada para a tomada de decisões sociais, econômicas ou políticas, visa o aprimoramento da sociedade. “A maior quantidade de bens para o maior número de pessoas” é uma máxima do utilitarismo.

A filosofia está associada a Jeremy Bentham e John Stuart Mill, dois grandes filósofos britânicos e pensadores políticos.

O que é utilitarismo?

O utilitarismo é uma estrutura ética para uma ação moral eficaz. Fundamentalmente, baseia-se na quantificação do bem em termos de utilidade e na tentativa de maximizar essa quantidade.

A utilidade é frequentemente definida como felicidade ou prazer, embora existam outras variantes, como a satisfação das preferências ou o utilitarismo das preferências.

Essa estrutura é frequentemente definida como um esforço para alcançar o maior bem para o maior número. Existem também numerosas sub-vertentes do utilitarismo com várias advertências e notas de rodapé sobre o tema básico.

É uma forma de consequencialismo, onde os fins justificam os meios: se um vale provisório de utilidade negativa deve ser percorrido para atingir um pico de maior utilidade, então essa doutrina advoga.

O utilitarismo tem sido usado como uma estrutura para argumentar sobre o valor de diferentes ações ou filosofias políticas desde que foi formulado.

As pessoas provavelmente têm pensamentos utilitários há muito tempo, mas nos registros escritos se origina do filósofo grego Epicuro.

As origens do utilitarismo moderno podem ser encontradas no filósofo britânico do século XVIII Jeremy Bentham. Ele chamou sua formulação de “o maior princípio de felicidade”. Depois de Bentham estava John Stuart Mill, que admirava muito Bentham, e publicou o famoso curta-metragem Utilitarismo. Hoje, John Stuart Mill é o nome mais frequentemente associado a essa doutrina.

Em seus escritos, Mill argumentou que os prazeres culturais, intelectuais ou espirituais tinham um significado mais profundo do que o mero prazer físico, porque alguém que havia experimentado os dois valorizaria mais o primeiro.

Em seus outros trabalhos, como o ensaio On Liberty, Mill usou o utilitarismo para argumentar por seu “princípio da liberdade”, que afirma “o único propósito pelo qual o poder pode ser exercido com justiça sobre qualquer membro de uma comunidade civilizada, contra sua vontade, é: para evitar danos aos outros. ”

Houve várias variações do utilitarismo desenvolvidas desde os dias de Mill. A estrutura abrangente é compatível com várias filosofias diferentes. A primeira divisão notável é aquela entre o utilitarismo do ato e o utilitarismo da regra.

No utilitarismo do ato, cada ação é examinada caso a caso e selecionada de acordo com o que se prevê levar à mais alta utilidade.

Sob o utilitarismo das regras, o agente moral procura formular e agir sob a orientação de regras que maximizem a utilidade se forem seguidas consistentemente.

No utilitarismo negativo, o objetivo é minimizar a utilidade negativa – dor e sofrimento – em vez de maximizar a utilidade positiva, pois argumenta-se que a negatividade da utilidade negativa é maior que a positividade da utilidade positiva. No entanto, foi apontado que uma implicação disso é que devemos agir para diminuir radicalmente a população ou mesmo eliminá-la completamente, como um objetivo secundário de eliminar a utilidade negativa. Por esse motivo, essa variação é controversa.

Utilitarismo: visão geral

O utilitarismo é uma visão ou teoria filosófica sobre como devemos avaliar uma ampla gama de coisas que envolvem escolhas que as pessoas enfrentam.

Entre as coisas que podem ser avaliadas estão ações, leis, políticas, traços de caráter e códigos morais.

O utilitarismo é uma forma de consequencialismo, porque repousa na idéia de que são as conseqüências ou resultados de ações, leis, políticas etc. que determinam se são bons ou ruins, certos ou errados. Em geral, o que quer que esteja sendo avaliado, devemos escolher aquele que produzirá os melhores resultados gerais.

Na linguagem dos utilitaristas, devemos escolher a opção que “maximiza a utilidade”, ou seja, a ação ou política que produz a maior quantidade de bens.

O utilitarismo parece ser uma teoria simples, porque consiste em apenas um princípio de avaliação: faça o que produz as melhores consequências.

De fato, porém, a teoria é complexa porque não podemos entender esse princípio único, a menos que conheçamos (pelo menos) três coisas:

a) que coisas são boas e ruins;
b) cujo bem (isto é, quais indivíduos ou grupos) devemos procurar maximizar; e
c) se ações, políticas etc. são corrigidas ou erradas por suas conseqüências reais (os resultados que nossas ações realmente produzem) ou por suas conseqüências previsíveis (os resultados que previmos ocorrerão com base nas evidências que temos).

O utilitarismo é uma teoria ética que determina o certo do errado, concentrando-se nos resultados. É uma forma de consequencialismo.

O utilitarismo sustenta que a escolha mais ética é aquela que produzirá o maior bem para o maior número. É a única estrutura moral que pode ser usada para justificar a força militar ou a guerra.

É também a abordagem mais comum ao raciocínio moral usada nos negócios devido à maneira como contabiliza custos e benefícios.

No entanto, como não podemos prever o futuro, é difícil saber com certeza se as consequências de nossas ações serão boas ou más. Essa é uma das limitações do utilitarismo.

O utilitarismo também tem dificuldade em contabilizar valores como justiça e direitos individuais.

Por exemplo, suponha que um hospital tenha quatro pessoas cujas vidas dependem do recebimento de transplantes de órgãos: coração, pulmões, rim e fígado. Se uma pessoa saudável entrar no hospital, seus órgãos poderão ser colhidos para salvar quatro vidas às custas de uma vida. Indiscutivelmente, isso produziria o maior bem para o maior número.

Mas poucos o considerariam um curso de ação aceitável, muito menos o mais ético.

Portanto, embora o utilitarismo seja sem dúvida a abordagem mais fundamentada para determinar o certo e o errado, ele tem limitações óbvias.

Utilitarismo – História

O utilitarismo é uma das abordagens mais poderosas e persuasivas da ética normativa na história da filosofia. Embora não tenha sido totalmente articulada até o século XIX, posições proto-utilitárias podem ser discernidas ao longo da história da teoria ética.

Embora existam muitas variedades da visão discutida, geralmente o utilitarismo é a visão de que a ação moralmente correta é a ação que produz o melhor. Há muitas maneiras de explicar essa afirmação geral.

Uma coisa a notar é que a teoria é uma forma de consequencialismo: a ação correta é entendida inteiramente em termos das consequências produzidas.

O que distingue o utilitarismo do egoísmo tem a ver com o escopo das conseqüências relevantes.

Na visão utilitarista, é preciso maximizar o bem geral – isto é, considerar o bem dos outros, bem como o próprio bem.

Os utilitaristas clássicos, Jeremy Bentham e John Stuart Mill, identificaram o bem com prazer; assim, como Epicuro, eram hedonistas sobre o valor. Eles também sustentaram que devemos maximizar o bem, ou seja, gerar “a maior quantidade de bem para o maior número”.

O utilitarismo também se distingue pela imparcialidade e neutralidade do agente. A felicidade de todos conta o mesmo. Quando alguém maximiza o bem, é o bem considerado imparcialmente.

Meu bem conta não mais do que o bem de qualquer outra pessoa. Além disso, a razão pela qual eu tenho que promover o bem geral é a mesma que qualquer outra pessoa tem para promover o bem. Não é peculiar para mim.

Todas essas características dessa abordagem da avaliação moral e/ou tomada de decisão moral provaram ser um tanto controversas e as controvérsias subsequentes levaram a mudanças na versão clássica da teoria.

Resumo

O utilitarismo é uma das teorias morais mais conhecidas e mais influentes. Como outras formas de consequencialismo, sua ideia central é que se as ações são moralmente certas ou erradas depende de seus efeitos.

Mais especificamente, os únicos efeitos relevantes das ações são os bons e os maus resultados que elas produzem. Um ponto-chave deste artigo diz respeito à distinção entre ações individuais e tipos de ações.

Os utilitários da lei se concentram nos efeitos de ações individuais (como o assassinato de Abraham Lincoln por John Wilkes Booth), enquanto os utilitários da regra se concentram nos efeitos de tipos de ações (como matar ou roubar).

Os utilitaristas acreditam que o objetivo da moralidade é melhorar a vida, aumentando a quantidade de coisas boas (como prazer e felicidade) no mundo e diminuindo a quantidade de coisas ruins (como dor e infelicidade).

Eles rejeitam códigos ou sistemas morais que consistem em comandos ou tabus baseados em costumes, tradições ou ordens dadas por líderes ou seres sobrenaturais. Em vez disso, os utilitaristas pensam que o que torna uma moralidade verdadeira ou justificável é sua contribuição positiva para os seres humanos (e talvez não-humanos).

Os utilitaristas clássicos mais importantes são Jeremy Bentham (1748-1832) e John Stuart Mill (1806-1873). Bentham e Mill eram teóricos importantes e reformadores sociais.

Sua teoria teve um grande impacto no trabalho filosófico da teoria moral e nas abordagens da política econômica, política e social.

Embora o utilitarismo sempre tenha tido muitos críticos, há muitos pensadores do século XXI que o apóiam.

A tarefa de determinar se o utilitarismo é a teoria moral correta é complicada porque existem versões diferentes da teoria e seus apoiadores discordam sobre qual versão está correta.

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Teoria da Decisão

Teoria da Decisão

PUBLICIDADE Definição A teoria da decisão é a teoria de tomar decisões com base na atribuição de …

Práxis

Práxis

PUBLICIDADE O que é Práxis? O vocábulo práxis, à semelhança de tantos outros conceitos filosóficos, …

Patrística

Patrística

PUBLICIDADE O que é Patrística? Para compreendermos o significado e particularidades que a Patrística assume …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.