Breaking News
Home / Filosofia / Raciocínio Dedutivo

Raciocínio Dedutivo

PUBLICIDADE

Definição de Raciocínio Dedutivo

raciocínio dedutivo é um processo lógico em que uma conclusão é baseada na concordância de múltiplas premissas que geralmente são consideradas verdadeiras.

raciocínio dedutivo é um processo lógico em que uma conclusão é baseada na concordância de múltiplas premissas que geralmente são consideradas verdadeiras.

O raciocínio dedutivo é provavelmente o processo mais utilizado em toda a matemática.

Sua contraparte, raciocínio indutivo, às vezes é referido como lógica ascendente. Quando o raciocínio dedutivo prossegue das premissas gerais para uma conclusão específica, o raciocínio indutivo passa de premissas específicas para uma conclusão geral.

O filósofo grego Aristóteles, considerado o pai do raciocínio dedutivo, escreveu o seguinte exemplo clássico:

Todos os homens são mortais.
Sócrates é um homem.
Portanto, Sócrates é mortal.

No exemplo de Aristóteles, às vezes referido como um silogismo, as premissas do argumento – que todos os homens são mortais e que Sócrates é um homem – são evidentemente verdadeiras. Porque as premissas estabelecem que Sócrates é um indivíduo em um grupo cujos membros são todos mortais, a conclusão inescapável é que Sócrates também deve ser mortal.

O que é o Raciocínio Dedutivo?

raciocínio dedutivo é uma das duas formas básicas de fundamentação válida. Começa com uma hipótese geral ou fato conhecido e cria uma conclusão específica dessa generalização. Isto é o oposto do raciocínio indutivo, que envolve a criação de amplas generalizações a partir de observações específicas.

A idéia básica do raciocínio dedutivo é que se algo é verdadeiro em uma classe de coisas em geral, essa verdade se aplica a todos os membros dessa classe.

Uma das chaves para o raciocínio dedutivo do som, então, é ser capaz de identificar adequadamente os membros da classe, porque categorizações incorretas resultarão em conclusões infundadas.

Verdade e Validade

Para que o raciocínio dedutivo seja sólido, a hipótese ou generalização original também deve estar correta. Uma dedução lógica pode ser feita a partir de qualquer generalização, mesmo que não seja verdade. Se a generalização é errada, porém, a conclusão específica pode ser lógica e válida, mas ainda pode ser incorreta.

Exemplos

Pode-se entender melhor o raciocínio dedutivo, observando exemplos.

A generalização pode ser algo como: “Todas as vespas têm ferrões.”

A conclusão lógica de uma instância específica, então, seria: “Isso é uma vespa, por isso tem um ferrão.” Esta é uma dedução válida. A verdade da dedução, no entanto, depende se o inseto observado é, de fato, uma vespa.

Raciocínio Dedutivo
Raciocínio Dedutivo

As pessoas frequentemente usam raciocínio dedutivo sem mesmo saber disso.

Por exemplo, um pai pode dizer a uma criança: “Tenha cuidado com essa vespa – pode te ferrão”. O pai diz isso porque ele ou ela sabe que as vespas têm ferrões e, portanto, que a vespa observado tem um ferrão e pode picar a criança.

Raciocínio indutivo

raciocínio indutivo funcionaria na ordem oposta. A observação específica seria que uma vespa em particular tem um ferrão. Pode-se induzir a que todas as vespas tenham ferrões. Muitos testes científicos envolvem provar se uma dedução ou indução é, de fato, verdadeira. Induzir que todos os gatos tenham pele de laranja porque um gato tem pele de laranja, por exemplo, pode ser facilmente refutado observando gatos que não possuem pele de laranja.

Silogismo

Uma das formas mais comuns e úteis de raciocínio dedutivo é o silogismo.

Um silogismo é uma forma específica de argumento que tem três etapas fáceis: uma premissa principal, uma premissa menor e uma conclusão lógica.

Por exemplo, a premissa “Cada X tem a característica Y” podia ser seguido pela premissa “Esta coisa é X”, o que iria originar a conclusão “Esta coisa tem a característica Y.” O primeiro exemplo vespa poderia ser dividido na premissa maior “Cada vespa tem um ferrão”, a premissa menor “Este inseto é uma vespa” e a conclusão “Este inseto tem um ferrão.” Criar um silogismo é considerado um bom caminho para o raciocínio dedutivo ser testado para garantir que seja válido.

Raciocínio dedutivo X Raciocínio indutivo

Raciocínio dedutivo

raciocínio dedutivo, ou dedução, começa com uma declaração geral, ou hipótese, e examina as possibilidades de chegar a uma conclusão lógica e específica.

O método científico usa a dedução para testar hipóteses e teorias. Na inferência dedutiva, nós possuímos uma teoria e, com base nela, fazemos uma previsão de suas conseqüências, ou seja, prevemos o que as observações deveriam ser se a teoria estivesse correta.

Raciocínio indutivo

raciocínio indutivo é o oposto do raciocínio dedutivo. O raciocínio indutivo faz ampla generalização de observações específicas. Basicamente, não há dados, então as conclusões são extraídas dos dados. Isso é chamado de lógica indutiva.

Na inferência indutiva, passamos do específico ao geral. Fazemos muitas observações, discernimos um padrão, fazemos uma generalização e inferimos uma explicação ou uma teoria.

Na ciência, há uma constante interação entre a inferência indutiva (baseado em observações) e inferência dedutiva (baseado na teoria), até chegarmos cada vez mais perto a ‘verdade’, que só podemos abordagem, mas não determinar com certeza absoluta.

O raciocínio indutivo tem seu lugar no método científico. Os cientistas usam isso para formar hipóteses e teorias. O raciocínio dedutivo permite que eles apliquem as teorias a situações específicas.

Os matemáticos usam tanto o raciocínio indutivo quanto o raciocínio dedutivo juntos.

Raciocínio abdutivo

Outra forma de raciocínio científico que não se encaixa no raciocínio indutivo ou dedutivo é Raciocínio abdutivo.

raciocínio abdutivo geralmente começa com um conjunto incompleto de observações e prossegue para a mais provável explicação possível para o grupo de observações. Baseia-se em fazer e testar hipóteses usando a melhor informação disponível. Muitas vezes, implica fazer um palpite educado depois de observar um fenômeno para o qual não há uma explicação clara.

Por exemplo, uma pessoa entra na sala de estar e encontra papéis rasgados por todo o chão. O cachorro da pessoa ficou sozinho na sala o dia todo. A pessoa conclui que o cão rasgou os papéis porque é o cenário mais provável. Agora, a irmã da pessoa pode ter trazido por sua sobrinha e ela pode ter arruinado os papéis, ou pode ter sido feito pelo senhorio, mas a teoria do cão é a conclusão mais provável.

raciocínio abdutivo é útil para formar hipóteses a serem testadas. O raciocínio abdutivo é freqüentemente usado por médicos que fazem um diagnóstico com base nos resultados dos exames e pelos jurados que tomam decisões com base na evidência que lhes é apresentada.

Fonte: whatis.techtarget.com/www.wisegeek.org/www.livescience.com/www.montereyinstitute.org

Veja também

Utopia

Utopia

A Utopia é a idealização de um mundo normalmente paralelo ao real, mas que é governado por princípios distintos.

Mito da Alma Gêmea

Mito da Alma Gêmea

PUBLICIDADE É bem provável que você já tenha tido contato com a expressão “alma gêmea”. …

Dogmatismo

Dogmatismo

PUBLICIDADE O que é o Dogmatismo? Do grego dogma (doutrina estabelecida), o dogmatismo é a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.