Breaking News
Home / Filosofia / Alienação

Alienação

O que é Alienação?

PUBLICIDADE

Na história da filosofia, o termo alienação adquiriu plurissignificações a depender do filósofo e sua intencionalidade ao usá-lo. O filósofo italiano Abbagnano, indo além, ressalta a flexibilidade do termo alienação a depender da concepção antropológica adotada como referência.

O termo aparece nos pensamentos de: Hegel, Feuerbach (alienação religiosa), Marcuse, Adorno e Horkheimer assumindo conotações das mais diversas. Entretanto, o conceito de alienação ganha corpo especificamente com: Marx e Rousseau. Esse a entende como a base do contrato social enquanto Karl Marx relaciona a alienação com o resultado da separação promovida pelo sistema capitalista entre a força de trabalho do operário e o fruto do seu trabalho. Ambos associaram a alienação à teoria social e política, claro que com suas especificidades.

Alienação em Rousseau

Alienação em Rousseau

É na obra O Contrato Social que Rousseau, filósofo suíço,melhor delineia o seu conceito de alienação como pressuposto para o contrato social baseado na livre associação de interesses dos indivíduos que integram o corpo social político tornando-se um sujeito coletivo. Sendo a liberdade condição primordial nada justificaria a vontade em ser escravizado (vender-se a si mesmo) ou sair do estado de natureza e perder a liberdade seja para um governante ou qualquer empecilho à liberdade dos cidadãos. O conceito fica explícito quando Rousseau diz: “As cláusulas deste contrato reduzem-se a uma só: a alienação total de cada associado de todos os seus direitos, a toda a comunidade”.

Desse modo, percebe-se que somente a alienação entendida enquanto renúncia voluntária de todos os direitos individuais, vida e propriedades ao poder soberano – representado pela vontade geral – possibilitaria aos cidadãos garantir a efetivação dos direitos de toda a comunidade. Em outras palavras, os cidadãos abdicariam os seus instintos, desejos e vontades particulares em prol da comunidade assim instituída que estabeleceria normas para o agir social sem, contudo, haver desigualdade nas relações de poder para que todos possam efetivamente gozar dos mesmos direitos.Assim concebida, a alienação de todos tornaria viável o pacto social, garantindo uma condição basilar de igualdade entre todos os pactuantes. Não à toa que suas ideias posteriormente influenciariam as insurreições francesas. Entretanto, adverso a Hobbes, Rousseau não acreditava que a instauração da Sociedade Civil necessariamente salvaria o homem da barbárie, mas antes o degeneraria.

Alienação em Marx

Alienação em Marx
“Operários” – Tarsila do Amaral – 1933

É com Karl Marx que o termo alienação ganha consistência e torna-se robusto conceitualmente. É considerado pensador da esquerda hegeliana, daí sua intensa crítica à religião, à política e à sociedade como um todo. Em seu pensamento notam-se influências das mais diversas: Hegel, Feuerbach, Proudhon, Adam Smith, etc. Dentre suas obras cumpre citar o expressivo Manuscritos Econômicos e Filosóficos obra em que o conceito de alienação é altamente explorado. O fim da alienação só ocorreria se antes mudasse a realidade concreta, material,de exploração operária na sociedade capitalista.

É importante salientar que Marx não desconsidera a importância do trabalho, inclusive entende-o como elemento primordial na humanização do indivíduo e distinção com relação aos demais animais.O problema surge quando os produtos desse trabalho se tornam mercadorias e, portanto, adquirem valor de uso e de troca independentemente do valor humano agregado. Nesse estágio, a relação entre produção de bens e apropriação das riquezas não é justa para o operário, mas antes desproporcional na medida em que ele, por meio de sua força de trabalho também tornada mercadoria, produz uma quantidade infinitamente grande de riquezas para o capitalista e recebe a mínima parte possível devido à existência da propriedade privada dos meios de produção. Nessa relação, o trabalho que antes garantia a humanização do ser torna-se alheio ao trabalhador que se desconhece, não se vê no fruto do seu trabalho, torna-se alienado do processo produtivo.

Tal processo de alienação fica evidente na música de Zé Ramalho, Construção, onde canta a história de um pedreiro, operário da construção civil, que vendeu a sua força de trabalho ao capitalista para construir prédios, colégios, aos quais hoje ele e a sua família não podem ter acesso, pois tornaram-se estranhos e motivo de medo dos que ocupavam aqueles lugares privilegiados da cidade. Inviabilizando, inclusive, que o operário admire o fruto do seu trabalho sob risco de ser acusado de ladrão. E esse fato o faz questionar o porquê de ter deixado o Norte, local onde por pior que fossem as condições de vida o seu trabalho visava o enriquecimento familiar e não o do capitalista, além de não haver essa necessária alienação entre produto do trabalho e trabalhador.

Alienação em Feuerbach

Alienação em Feuerbach

O pensamento feuerbachiano centra-se na crítica sistemática à religião, reduzindo a teologia à antropologia. Dessa forma, Deus reduzir-se-ia a uma construção projetada a partir da essência humana e de seu ideal de perfeição tornado divino. A partir disso, Feuerbach delineia o seu conceito de alienação da religião em que Deus é o ser do homem exteriorizado, divinizado. E na medida em que o homem retira de si a sua humanidade a transfere para um Deus tornado a sua imagem e semelhança ele se aliena de sua própria humanidade para transferi-la a um objeto que não possui existência própria, mas depende intrinsecamente de sua criação e atribuição de predicados. O problema disso é que na medida em que esse Deus ganha predicativos cada vez mais divinos é a humanidade do homem que proporcionalmente decai e está sendo posta em questão. O homem se despe daquilo que ele tem de melhor e que o torna humano para potencializar o objeto de sua criação.Resultando na alienação do homem e sua humanidade a um outro de si. No limite, Feuerbach pensa que a única forma dese livrar da alienação religiosa, recuperar a humanidade perdida com a religião e a consequente criação de Deus seria o ser humano tornar-se ateu.

Fábio Guimarães de Castro

Referências Bibliográficas

O pensamento político em movimento: Ensaios de filosofia política. EricsonFalabretti,AnorSganzerla e Antônio Valverde – Orgs.

História da Filosofia – vol. II e III – Giovanni Reale e Dario Antiseri.

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Justiça e Direito em Nietzsche

Justiça e Direito em Nietzsche

PUBLICIDADE O que é Justiça e Direito em Nietzsche? A justiça e o direito são abordados …

Behaviorismo Ryleano

Behaviorismo Ryleano

PUBLICIDADE O que é o behaviorismo ryleano? Gilbert Ryle, contrário à mente substancial cartesiana, defende …

Antropomorfismo

Antropomorfismo

PUBLICIDADE O que é antropomorfismo? Doutrina filosófica que interpreta toda a realidade seja ela física …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.