Breaking News
Home / Filosofia / Ceticismo

Ceticismo

PUBLICIDADE

Uma das escolas filosóficas do helenismo, o ceticismo, é caracterizado por uma crítica ao dogmatismo e negação da relação epistemológica objetiva entre sujeito e objeto de conhecimento. Em outros termos, o cético rejeita a possibilidade de alguém conhecer efetivamente a algo.

Dessa forma, as grandes perguntas que por milênios abalaram o imaginário das civilizações na busca de uma resposta ficariam à deriva, inviáveis de solução haja vista a impossibilidade de qualquer ser, por mais superdotado que seja intelectualmente, estabelecer de forma efetiva a conexão entre sujeito e objeto inviabilizando a verdade, o conhecimento.

Seu idealizador foi o filósofo grego Pirro de Élida (365 – 275 a. C.) que, semelhante a outros filósofos, não deixou nada escrito, tendo seu pensamento chegado a nós por meio dos registros de seu discípulo Tímon de Fliunte, indispensável na sistematização e propagação do pirronismo, outro nome atribuído ao ceticismo, como bem assinala Giovanni Reale e Dario Antiseri em seu História da Filosofia.

Dentre os filósofos representantes da corrente filosófica cética, além do já mencionado cumpre citar: Arcesilau eCarnéades (ceticismo acadêmico), Enesídemo (ceticismo teórico) e por fim Saturnino e Sexto Empírico (ceticismo empírico).

Dentre as vertentes do ceticismo cumpre focar o absoluto e o relativo. O ceticismo absoluto nega a possibilidade de qualquer conhecimento: seja ele de ordem moral, religiosa, política ou teórico-diversa. E isso implica em consequências profundas na relação homem e natureza circundante bem como na relação afetivo-intelectual que a humanidade teve desde os primórdios e continua a ter com os supostos conhecimentos de si, do outro, do cosmos e sua estrutura e leis naturais tornados agora frutos de um erro metodológico que pressupunha alcançar a verdade inexistente. O representante máximo dessa vertente do ceticismo foi o filósofo Pirro que estabelece uma relação entre a suspensão do juízo (epoché) e a imperturbabilidade do espírito (ataraxia) em oposição clara ao dogmatismo.

Ceticismo

O ceticismo relativo nega apenas a possibilidade de alcançar o conhecimento de entes metafísicos semelhante ao protagonizado pelo filósofo escocês David Hume em que o conhecimento só se dá através da constatação empírica, ou seja, por meio dos órgãos dos sentidos (visão, audição, paladar, tato e olfato).

Desse modo, na visão dele, algumas pessoas desprovidas de alguns dos sentidos, cegos ou surdos de nascença não terão uma ideia que corresponda ao conhecimento sobre os sons e cores, visto que, o conhecimento divide-se em impressões que tanto os sentidos internos quanto os externos fornecem.

Na modernidade, pensando o dualismo substancial, e objetivando ratifica-lo, René Descartes exara a possibilidade de se pôr praticamente qualquer coisa em dúvida, ainda que esse algo seja a existência material de seu corpo e suas materialidades circundantes. Isso se efetiva, pois o filósofo francês acreditava na viabilidade do denominado argumento do sonho segundo o qual “O que me ocorre em vigília também pode ocorrer em sonho”.

Possibilitando-lhe estar absorto em um sonho dogmático-enganador capaz de alterar-lhe os sentidos de modo a torná-lo incapaz de exarar certezas sobre qualquer realidade corpórea ou incorpórea. Destarte, graças à virulência de sua argumentação dubitativa, o filósofo inaugura uma problemática cética própria, que se articula essencialmente em torno da questão da existência do mundo exterior, e justifica plenamente o uso da expressão “ceticismo metódico-cartesiano” em contraposição ao “ceticismo antigo”.

Além de sua expressividade na Filosofia, o ceticismo pode ser encontrado na Literatura de Augusto dos Anjos que o expressa, de forma poética,em “Ceticismo”, nos seguintes termos:

“Desci um dia ao tenebroso abismo,
Onde a dúvida ergueu altar profano;
Cansado de lutar no mundo insano,
Fraco que sou, volvi ao ceticismo” […].

Nessa estrofe, o poeta pré-modernista nos apresenta o eu-lírico volvido pela dúvida, pela indagação existencial que ao fragilizá-lo diante da enorme quantidade de certezas que outrora provavelmente possuía e que agora, após a descida ao “tenebroso abismo”, o conduz ao ceticismo, isto é, à eterna dúvida sobre tudo o que antes parecia ter algum estatuto dogmático.

Seja em sua expressão radical (ceticismo absoluto) ou moderada (ceticismo relativo/metafísico), encontrados tanto na Antiguidade Grega quanto na Modernidade filosófica e literária o ceticismo foi fundamental para que, enquanto humanidade, questionássemos os limites da razão humana na apreensão das realidades cognoscentes. E com isso avançássemos na construção do conhecimento que precisa sim passar pela dúvida, pelo questionamento, até chegar ou não ao seu caráter indubitável.

Fábio Guimarães de Castro

Veja também

Demagogia

Demagogia

PUBLICIDADE O que é demagogia? O dicionário Aurélio descreve como um dos possíveis significados para …

Raciocínio Analógico

Raciocínio Analógico

PUBLICIDADE Definição Processo de raciocínio do particular para o particular, que deriva uma conclusão a …

Raciocínio Dedutivo

Raciocínio Dedutivo

PUBLICIDADE Definição de Raciocínio Dedutivo O raciocínio dedutivo é um processo lógico em que uma conclusão é …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.