Breaking News
Home / Filosofia / Behaviorismo Ryleano

Behaviorismo Ryleano

PUBLICIDADE

O que é o behaviorismo ryleano?

Gilbert Ryle, contrário à mente substancial cartesiana, defende a mente relacional. Essa, de acordo com (LOPES; ABID, 2003), poderia ser advogada pelo behaviorismo radical o que, no limite, efetivaria a verossimilhança dessa Ciência Comportamental constituir esteio para uma filosofia da mente.

Todavia, essa afirmação coloca-nos mediante um problema: Teria Skinner eliminado a mente do behaviorismo radical, focando-se na análise comportamental e prescindido da ação mental? Para solucionar esse problema, Lopes e Abidem O Behaviorismo Radical como Filosofia da Mente propõe tomar como base o conceito de mente de Ryle, que a seu ver:

“um representante da Filosofia Analítica, que busca, através de uma análise gramatical, desvendar o verdadeiro significado do vocabulário mental, dissolvendo assim o problema do mentalismo. Esse autor ensina que os termos mentais muitas vezes são enunciados quase-ontológicos […] e, portanto, caracterizam-se por serem expressões sistematicamente enganadoras, no sentido de que sua utilização no senso comum pode induzir teóricos, dispostos a interpretá-las fora desse contexto original, a graves erros. Um desses erros seria considerar a mente como pertencente a uma categoria lógica incorreta”.

O erro categorial no uso filosófico dos termos mentais, exarado por Ryle em A Concepção de Mente, embasa-se numa análise gramatical segundo a qual o senso comum, referindo-se à mente tende a utilizar dum vocabulário mental, preferindo o uso dos verbos no gerúndio ao passo que os teóricos da doutrina oficial utilizando-se dum vocabulário mentalista partem de semelhante senso comum porém o substantivam para possibilitar a existência duma mente substancial.

Todavia, afirmam Lopes e Abid: “é justamente nesse processo que os teóricos se enganam: ao se deparar com um substantivo passam a inferir a existência de um evento ou entidade. É até possível utilizar um substantivo para referir-se a uma propriedade disposicional, como por exemplo, compreensão ou inteligência, entretanto, isso não significa que a disposição exista como substância” mote, segundo Ryle, do erro categorial. Desta forma, compreender-se-á a mente como um erro categorial cometido pelos teóricos oficiais, que atribuíam substancialidade a categorias de existência distinta.

Behaviorismo Ryleano

Compreendida a mente dessa forma, os doutrinadores oficiais seriam “vítimas das armadilhas do vocabulário mental do senso comum”. Pois, sendo tais vocábulos sistematicamente enganadores e causadores dos erros categoriais acabam por substancializar o que originariamente não era substância.

Destarte, a crítica ryleana à interpretação substancialista da mente acaba por tornar inviável uma série de oposições binárias, por exemplo, “físico/mental, interno/externo, mente/matéria” acreditáveis pela doutrina oficial.

A mente, segundo a proposta ryleana, a ver de Lopes e Abid “deixa de ser algo obscuro e inacessível e, atribuir tal caráter aos processos mentais é uma demonstração da ignorância acerca da teoria das categorias fundada por Aristóteles” cuja afirmava a pluralidade categórica de existência do ser.

Uma vez corrigido o erro lógico em identificar disposição com ocorrência, “não há como reduzir o significado dos conceitos mentais a comportamento”, ainda que, a ver de Lopes e Abid, a partir da proposta ryleana, mente seja comportamento. O que impõe o questionamento: qual o limite delineador entre o comportamento mental e o não mental?

Para responder à inquirição Lopes e Abid propõe um retorno à linguagem ordinária proposta por Ryle segundo a qual a inexatidão terminológica se encontra não no senso comum, mas nos teóricos que atribuíram existência a gerúndios tornados substantivos.

Desta forma, “Talvez um dos critérios para fazer essa classificação seja o resultado e a originalidade diante de um problema, um comportamento mental será aquele que resolver o problema com originalidade. Outro critério pode ser a velocidade com que esse problema é resolvido quanto mais rápido se resolve um problema maior o indício de que aquele comportamento é mental”.

Destarte, concluem Lopes e Abid, “Ao contrário da filosofia da mente tradicional, que defende a existência de uma mente imaterial e inacessível, e de uma mais atual, que identifica a mente com o cérebro, o Behaviorismo Radical pode ser considerado uma filosofia da mente na exata medida em que considera a mente como uma relação complexa como comportamento, que não pode ser reduzido aos seus constituintes”.

Fábio Guimarães de Castro

Referências Bibliográficas

RYLE, G. O mito de Descartes. In: M. Luisa Nunes. Introdução à psicologia: o conceito de espírito. Lisboa: Moraes Editora, 1970 pp. 13-25. Presente online em: www.fflch.usp.br/df/opessoa/Ryle-MitoDescartes-2.pdf.

Veja também

Empirismo

Empirismo

PUBLICIDADE O que é empirismo? O ambiente histórico-filosófico moderno é marcado, dentre outras características pelo …

Demagogia

Demagogia

PUBLICIDADE O que é demagogia? O dicionário Aurélio descreve como um dos possíveis significados para …

Raciocínio Analógico

Raciocínio Analógico

PUBLICIDADE Definição Processo de raciocínio do particular para o particular, que deriva uma conclusão a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.