Breaking News
Home / Filosofia / Silogismo

Silogismo

PUBLICIDADE

O que é Silogismo?

O silogismo é um tipo de raciocínio dedutivo formado normalmente por três proposições (enunciados declarativos). Sendo duas premissas (unidades de um argumento) e uma conclusão (resultado do argumento). Noutros termos, dadas as premissas supostas como verdadeiras deduz-se algo como conclusão deste argumento.

É com o filósofo grego Aristóteles que temos a primeira teorização do silogismo entendido enquanto um encadeamento necessário em que as premissas fornecem conteúdo para o que se afirma na conclusão sem dar o chamado “salto lógico” comum nos raciocínios indutivos em que analisados uma certa quantidade de fatos o indivíduo dá um salto lógico e conclui a totalidade como sendo expressão necessária dos fatos particulares. Todavia, o que importa neste texto é o raciocínio do tipo dedutivo objeto de análise do silogismo.

Silogismo

O silogismo categórico é composto por três termos: termo maior, termo médio e termo menor que, para tornar válido o silogismo, deverão aparecer duas vezes com o mesmo sentido. Além do fato de o termo médio aparecer apenas nas premissas e ser necessariamente suprimido na conclusão, isto é, o resultado do argumento. A exemplo, tem-se o clássico silogismo que deduz a mortalidade de Sócrates que provavelmente você já ouviu em aulas de Filosofia, Lógica:

Todo homem é mortal.
Sócrates é homem.

Logo, Sócrates é mortal.

Perceba que a conclusão da mortalidade de Sócrates decorre por necessidade lógica das premissas: “Todo homem é mortal”proposição categórica do tipo universal afirmativa e “Sócrates é homem”proposição do tipo particular afirmativa. Desse modo, a conclusão é uma consequência necessária das premissas.

É importante frisar que nem sempre a conclusão virá localizada no final do argumento. Ela poderá vir no início, meio ou fim do silogismo. No início, por exemplo em: Carlos é racional porque todo homem é racional e Carlos é homem. Ou ainda no meio, a exemplo: Todo homem é racional, logo Carlos é racional porque ele é homem. E no fim como aparece no silogismo da mortalidade de Sócrates conforme já vimos acima. Daí a necessidade de conhecermos alguns dos indicadores de premissas e conclusão.

São indicadores de premissa: “porque, uma vez que, em decorrência de, em vista de, pois, etc. São indicadores de conclusão: “portanto, logo, assim, decorre de, seguir-se-á, em consequência de, por conseguinte, etc. As listas de ambos os indicadores são extensas, caso tenha interesse buscar lista completa na internet.

Regras Básicas Para o Silogismo:

– O silogismo deve ter três termos: maior, médio e menor;

– De duas premissas particulares nada resulta;

– De duas premissas negativas nada resulta;

– O Termo Médio nunca entra na conclusão;

– O Termo Médio deve ser ao menos uma vez total;

– Nenhum termo poderá ser total na conclusão sem ser antes total nas premissas;

– De duas premissas afirmativas não se conclui uma negativa;

– A conclusão segue sempre a premissa mais fraca.

Fábio Guimarães de Castro

Referências Bibliográficas

COPI, I. M..Introdução à lógica. Tradução de Álvaro Cabral. 2. Ed. São Paulo: Mestre Jou, 1978.

Veja também

Raciocínio Dedutivo

Raciocínio Dedutivo

PUBLICIDADE Definição de Raciocínio Dedutivo O raciocínio dedutivo é um processo lógico em que uma conclusão é …

Utopia

Utopia

A Utopia é a idealização de um mundo normalmente paralelo ao real, mas que é governado por princípios distintos.

Mito da Alma Gêmea

Mito da Alma Gêmea

PUBLICIDADE É bem provável que você já tenha tido contato com a expressão “alma gêmea”. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.