Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  História da Budweiser  Voltar

História da Budweiser

História da Budweiser

1795 Budweiser Beer

País de Origem: República Tcheca

A primeira cerveja fabricada na cidade de Budweis - República Tcheca.

História da Budweiser
A primeira cerveja de Budweis - República Tcheca

História

A cerveja 1795 é a premium Lager original da famosa cidade de Budweis, na Bohemia, República Tcheca, produzida pela cervejaria BMP (Budejovicky Mestansky Pivovar). A mais antiga cervejaria da região, foi fundada no centro histórico em 1795. Referência mundial em cervejas Lagers, Budweis é cidade de origem de excelentes cervejas desse tipo há mais de 700 anos. Fabricada sob rigorosos e tradicionais processos, a cerveja 1795 utiliza até hoje a receita original e tanques abertos de fermentação, atingindo os mais elevados padrões estabelecidos pela D.O.C (Denominação de Origem Controlada) determinados pela União Européia, exclusivamente para cervejas produzidas na cidade de Budweis. Similar aos vinhos, desde 2004 a União Européia decretou o uso do termo "Budejovické Pivo" ou "Budweiser Bier" como D.O.C, afirmando que a qualidade superior da cerveja está intimamente ligada à região onde é produzida. Apreciada pela cor dourada, paladar redondo e balanceado amargor, a BMP produz e prepara seu próprio malte, utiliza o famoso lúpulo de Saaz e água de fonte própria retirada a mais de 270 metros abaixo da terra.

História da Budweiser

Datas-chave na disputa das cervejas Budweiser:

1795 - É fundada a cervejaria BMP (Budejovicky Mestansky Pivovar). 1802 - A cervejaria BMP produz a primeira Budweiser Bier. 1872 - A cervejaria BMP inicia exportações aos Estados Unidos. 1877 - A cervejaria Anheuser-Busch, nos EUA, registra a marca "Budweiser" 1882 - A cervejaria BMP registra a marca "Budweiser Lager Bier". 1895 - É fundada a cervejaria Budejovicky Budvar, a concorrente tcheca da BMP.

História da Budweiser

Curiosidade

Em 1894, A dolphus Busch testemunhou na Corte do Distrito Sul de Nova Iorque, em favor da Cervejaria Anheuser-Busch na disputa pelo uso da marca Budweis, afirmando que sua idéia era simples: "produzir uma cerveja com a mesma qualidade, cor e gosto da cerveja que era produzida em Budweis". Ele se referia à BMP, pois na época não existia nenhuma outra cervejaria em Budweis.

Principais características

1795

Fabricada sob rigorosos e tradicionais processos, com malte próprio e lúpulo de Saaz, a 1795 é uma cerveja premium Lager dourada, com paladar redondo e balanceado amargor. Tem aroma fresco e floral, ideal para acompanhar pratos condimentados, como os da culinária thai, indiana ou chinesa, peixes e saladas.

Fonte: www.buw.com.br

História da Budweiser

História da Budweiser

A cerveja Budweiser Lager foi lançada em 1876 pela E. Anheuser & Co., de St. Louis. Hoje, a Anheuser-Busch é a maior cervejaria do mundo em termos de volume e compete em inúmeros mercados. Além da Budweiser, líder no mercado norte-americano, a empresa detém mais de 30 marcas diferentes de cerveja, diversas outras bebidas alcoólicas e não alcoólicas, um grupo de parques temáticos e uma imobiliária.

Embora mantenha métodos tradicionais na produção de cerveja, a Anheuser-Busch adotou novas abordagens tecnológicas que aprimoram seu negócio e a efi cácia de seu marketing. Em 1997, o presidente August Busch III prometeu tornar a empresa líder na identifi cação dos padrões de compra dos clientes.

O segredo para analisar em tempo real a efetividade do marketing são dados oportunos: obter informações dos atacadistas e varejistas sobre o que é vendido, onde e como.

“Os dados obtidos do atacado e do varejo tornaram-se a força vital de nossa organização”, revela Joe Patti, vice-presidente para planejamento de varejo e gerenciamento de categoria. Assim, a Anheuser-Busch criou o BudNET para conectar-se com os atacadistas, varejistas e outros parceiros de negócios. O sistema inclui relatório de vendas, desenvolvimento de clientes, informações sobre promoções no varejo e projeções de vendas semanais, assim como uma ampla gama de funções relacionadas a logística. O BudNET é o canal de informações para um sistema da Anheuser-Busch chamado Wears (Wholesaler Equity Agreement Reporting System). Com o BudNET, o pessoal de entrega dos 700 distribuidores da Budweiser nos Estados Unidos podem ser os olhos e os ouvidos da cervejaria.

O Wears e o BudNET fazem muito mais do que controlar o fl uxo de Buds nas prateleiras dos varejistas. Usando um computador portátil com leitor de código de barras, os entregadores também coletam dados sobre produtos concorrentes, identifi cando o que está na prateleira ao lado. Ao fi nal do dia, a Anheuser-Busch reúne os dados e procura tendências. “Se a Anheuser-Busch perder espaço de prateleira em uma loja de Clarksville, no Tennessee, saberá imediatamente”, garante Joe Thompson, presidente do Independent Beverage Group, uma empresa de pesquisa e consultoria. “Eles são melhores nisso do que qualquer um, incluindo a Coca-Cola.”

Entender os consumidores significa mais do que apenas coletar dados sobre seu produto ou o produto do concorrente.

A Anheuser-Busch também analisa dados de códigos de barras publicados pela Information Resources Inc. (IRI) para acompanhar o comportamento de compra do consumidor em relação a uma ampla variedade de produtos. Assim, após examinar dados sobre mudanças nos hábitos alimentares dos consumidores em outros grupos de alimentos, foi lançada com sucesso a Michelob Ultra, uma cerveja com baixo teor de carboidratos.

Dados detalhados também ajudam a aprimorar o marketing e o sortimento de produtos da Anheuser. Com dados organizados por loja, ela pode criar materiais de marketing dirigido. Por exemplo, no bairro Castro, em São Francisco, os pôsteres exibem modelos gays — coisa que não ocorre no bairro Mission.

Melhores dados ajudam igualmente a prever vendas locais durante feriados: é importante saber, por exemplo, que em Atlanta se comemora mais o Quatro de Julho (Dia da Independência) do que o dia de São Patrício. Dados demográfi cos ajudam a Anheuser-Busch a saber onde as latas vendem melhor do que as garrafas (nos bairros de classe C e D), e levaram a empresa a lançar diversas bebidas com inspiração latina, como Tequiza e Sauza Diablo, voltadas ao crescente mercado hispânico.

A Anheuser-Busch usa uma variedade de fontes de dados internas e externas — incluindo dados demográfi - cos de consumo, de ponto-de-venda e de mercado — para orientar decisões quanto ao sortimento de produtos.

Nesse aspecto, ela adota o padrão do setor, composto por seis etapas; denominado Effi cient Item Assortment (EIA), que é publicado pelo Food Marketing Institute. Um software, desenvolvido em parceria com um fornecedor externo, cria uma listagem mestra de sortimento de produtos para lojas individuais e grupos de lojas.

Essa ferramenta ganhou o prêmio Technology Leadership Award (liderança em tecnologia) da revista Consumer Goods Technology (CGT).

A empresa também utiliza TI no âmbito internacional. O site Budexchange.co.uk, hospedado no BudNET, rastreia dados-chave e vendas nos 5 mil pontos-de-venda britânicos. O sistema premia a lealdade dos clientes empresariais com materiais de suporte da marca Budweiser. A Anheuser-Busch utiliza os dados fornecidos pelos pontos-de-venda em seu programa de comunicações de marketing segmentado. Em um mercado em que as vendas totais caíram 5,7 por cento, as vendas da Budweiser aumentaram 7 por cento.

A Anheuser-Busch continua a expandir sua rede de informações empregando seu poder de mercado para melhorar a coleta e o compartilhamento de dados. Segundo August Busch IV, presidente de operações domésticas, “cervejarias e atacadistas com orientação clara para dados terão uma vantagem competitiva distinta”. E dados sobre participação de mercado confi rmam o sucesso da estratégia da empresa — a fatia de mercado da Anheuser-Busch cresceu de 48,9 por cento em 2002 para 50,1 por cento em 2003.

Fonte: www.memes.com.br

voltar 1234avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal