Breaking News
Home / Curiosidades / História da Jean Paul Gaultier

História da Jean Paul Gaultier

PUBLICIDADE

Conhecido como o “enfant terrible” da moda francesa, Jean Paul Gaultier tem alma de popstar, alçou o estrelato definitivamente quando Madonna empunhou um sutiã de cone em uma turnê mundial e, com sua criatividade e ousadia à flor da pele, é um dos maiores expoentes da moda.

Diferente desde sempre

Quando menino, o parisiense Jean Paul Gaultier pouco queria saber dos brinquedos que enchiam os olhos da garotada da época. Queria mesmo era criar bijuterias e acessórios com elementos que achava no lixo. Nada mais natural que nos dias de hoje seja autor de uma frase como “qualquer coisa é bela se vista de forma diferente”.

Isso revela seu espírito transgressor e o precoce talento de unir opostos completos em uma peça de roupa.

Não é à toa que a imprensa e a crítica de moda são unânimes em afirmar que Gaultier foi o responsável por levantar a discussão sobre o limiar entre o bom e o mau gosto por meio da prática da subversão.

Autodidata, com Pierre Cardin

Depois de enviar seus desenhos para todos os importantes estilistas da época, no dia do seu aniversário de 18 anos, em 24 de abril de 1970, recebeu um contato da maison Pierre Cardin: o autodidata Jean Paul Gaultier havia conseguido seu primeiro emprego com um dos mais importantes criadores da época.

No ano seguinte, uma rápida passagem por Jacques Esterel (o criador responsável pelo famoso vestido de casamento com o ator Jacques Charrier, em 1959) e então voltou a trabalhar com Cardin em 1974 para cuidar da loja do estilista francês nas Filipinas, onde chegou a desenhar para a primeira-dama do país e mulher do ditador Ferdinand Marcus, Imelda Marcos.

E, finalmente, em 1976, já de volta a França, Gaultier assina a sua primeira coleção e no ano seguinte abre a sua maison.

Subvertendo conceitos

O nome de Gaultier ficará para sempre gravado na história da moda como um estilista que rompeu conceitos há muito estabelecidos. Nos anos 80, deixou aparente a lingerie, trazendo-a do interior para o exterior.

E, em 1988, recriou a tradicional construção do traje masculino, ao propor saia para os homens, inspirado no kilt, o traje típico dos escoceses.

Uma imagem dessa revolução lhe valeu, seis anos depois, o lugar no pôster principal de uma badalada exposição no Metropolitan Museum de Nova Iorque com o título Coração valente: homens de saia, com imagens e peças de top estilistas do Planeta fashion, entre eles Jean Paul Gaultier.

Aos píncaros da glória com Madonna

Em 1990, seu talento recebeu a coroação final ao ser ungido pela deusa máxima do pop, Madonna, que o elegeu como o estilista de sua turnê Blond ambition (do inglês, “ambição loira”). Graças a sua intimidade com a subversão, Gaultier trouxe a lingerie à mostra e imortalizou em Madonna o corpete com os bojos cônicos, imagem que ficou registrada como um dos ícones do final do século.

Esse foi apenas o início da parceria da loira com o criador, que muito rendeu – inclusive um pedido de casamento. Em 1995, Gaultier revelou à imprensa que, por várias vezes, teria proposto matrimônio à popstar, que lhe disse: “sim, Jean Paul, eu me casarei com você porque é o único homem que não me fez sofrer”. Quando questionado pela imprensa porque a idéia de matrimônio não teria sido levado à frente, Gaultier inteligentemente retrucou: “um dia, nos casaremos de verdade, o que acontece é que ainda não criei um vestido de casamento adequado”.

Brincadeiras à parte, por duas temporadas, Madonna brilhou em desfiles do amigo. E, de acordo com a sua postura polêmica da época, sempre causando furor.

Bons momentos

Outro ponto alto na carreira de Gaultier foi a sua entrada no mundo da alta costura. Em 1997, ano em que completava duas décadas de sua marca própria, debutou no topo do mundo da moda e, ao lado de seu contemporâneo e também brilhante estilista, o francês Thierry Mugler, se celebrizou por renovar o mundo da alta costura, com desfiles performáticos e inesquecíveis.

Gaultier também tem um toque de Midas para o universo dos cosméticos. Vários de seus perfumes são recordes de vendas por anos seguidos. O primeiro, feminino, foi lançado em 1993 e a embalagem remete ao corpete criado para Madonna.

O masculino Le Male (1995) arrasou quarteirão: ainda é best-seller na Comunidade Européía.

Tal sucesso impulsionou o lançamento não apenas de cosméticos, mas também de uma linha de maquiagem para homens. Delírio para modernos e metrossexuais.

Genialidade no cinema

Além das passarelas, Gaultier também deu um show nas telas. Fez o figurino de filmes marcantes de cineastas de muita personalidade e que entraram para a história do cinema não apenas pela genialidade da obra, mas também pelas roupas especialíssimas.

Começou com O cozinheiro, o ladrão, sua mulher e o amante (1989), uma deliciosa experiência visual do diretor inglês Peter Greenway. Kika (1994), do espanhol Pedro Almodóvar, foi a próxima aventura do criador francês nas telonas.

E, mais uma vez, deixou a marca de sua genialidade ao vestir Andrea Caracortada, a personagem encarnada pela atriz espanhola Victoria Abril. Em 1997, cuidou dos croquis da divertida e meio caricata ficção cientifíca do francês Luc Besson, O quinto elemento.

Números

Com 16 lojas próprias e centenas de pontos-de-vendas em luxuosas lojas de departamento pelo mundo afora, a corporação Gaultier faturou US$ 10 milhões no ano passado e, em 1999, teve 35% de suas ações vendidas à maison francesa Hermes, em uma transação de US$ 26 milhões.

Em 2003, aceitou o convite da Hermés e assumiu a direção criativa da casa de moda, primeira vez na sua carreira que desenharia para outra marca. Gaultier repaginou a estética tradicional da marca e tem sido muito elogiado pela imprensa, que considera a sua ligação com a Hermès tão próspera quanto a de Karl Lagerfeld com a maison Chanel, além do ótimo retorno financeiro que vem gerando para seus sócios.

Olhar de ousadia

A genialidade de Gaultier também assina os óculos de sua recém-lançada coleção de armações de receituário e modelos solares pela De Rigo, que no Brasil e representada pela Wilvale. Todas as peças têm um toque muito particular, pronta para agradar em cheio o público fashionista.

Na infância Jean Paul Gaultier preferia vestir, pentear e maquiar seu ursinho de estimação do que participar de um jogo de futebol entre seus amigos.

Mesmo com pouca idade, Jean Paul Gaultier já se preparava para sua carreira de estilista.

Ele prestava atenção a tudo o que acontecia à sua volta, usando materiais jogados no lixo para criar bijuterias e acessórios para seus modelos.

Quando completou 18 anos, Jean Paul Gaultier começou a trabalhar definitivamente com moda.

O início não podia ser mais promissor. Seu mestre era Pierre Cardin, nome já consagrado internacionalmente.

A imprevisibilidade e o requinte de Pierre Cardin encantaram o irrequieto Gaultier.

Antes mesmo de ter seu próprio ateliê, Jean Paul Gaultier trabalhou com Jacques Esterel e para a Maison Patou, onde seu estilo irreverente não encontrou espaço.

Apesar de a crítica ter sido pouco favorável à coleção Bric et Broc, que era composta de roupas feitas de tapetes, ráfia, tutus de bailarina e jaquetas, Gaultier mostrou que havia um público ávido pelas ‘loucuras’ que ele criava quando apresentou sua primeira coleção em 1976.

Em pouco tempo, o estilista agradou público e crítica. Cada novidade tinha reações variadas seguidas de sucesso de vendas.

Os corseletes deixavam de ser roupa de baixo e ganhavam a cena principal, modelos grávidas desfilavam por suas passarelas, os homens exibiam saias, as transparências cruzavam sem medo a fronteira do mau gosto. Assim é o estilo inovador e surpreendente de Jean Paul Gaultier.

A fama de Jean Paul Gaultier cresceu ainda mais quando a cantora Madonna passou a usar os seus vestidos. Para homenagear Madonna, Gaultier fez um de seus perfumes com uma embalagem de um torso nu de mulher.

O mundo do show business, aliás, atrai Gaultier.

O estilista fez uma aparição no filme Prêt-à-Porter, do diretor Robert Altman, e foi apresentador no programa Eurotrash, durante algum tempo Gaultier fez um grande sucesso em toda a Europa, e também exibido no Brasil pelo Eurochannel.

Fonte: www.revistaview.com.br/www.sacks.com.br

Veja também

Labirinto

Labirinto

PUBLICIDADE Definição Um Labirinto complicada rede irregular de passagens ou caminhos nos quais é difícil encontrar o …

Necromancia

PUBLICIDADE Definição Necromancia é o ato de se comunicar com os mortos para descobrir o …

Cistoscópio

Cistoscópio

PUBLICIDADE Definição O Cistoscópio é um instrumento tubular de metal oco, equipado com uma luz, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.