Breaking News
Home / Curiosidades / História da Yves Saint Laurent

História da Yves Saint Laurent

PUBLICIDADE

Yves Saint Laurent foi um grande estilista francês, criador de um estilo inovador da maneira de se vestir da mulher, uma das figuras mais atuantes do mundo da moda.

Pode-se dizer que Yves Saint Laurent foi o grande mestre da alta-costura que revolucionou a moda do século XX, o primeiro estilista vivo a ser honrado com uma exposição de seu trabalho no Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque, e também recebeu em 2001 das mãos de Jacques Chirac, a Legião de Honra (Ordre National de la légion d’Honneur), no grau de Comandante.

Yves Saint Laurent nasceu na Argélia (possessão francesa), em 1936. O talento de Yves para a moda foi despertado cedo, aos 15 anos de idade fez o figurino para um balé de sua cidade natal, Oran, Argélia (ocupada pela França). Em 1953, com apenas 17 anos começou a trabalhar na Maison Francesa de Christian Dior, e em 1957, com o falecimento de Christian, Yves passou a administrar a empresa (em decadência).

Devido a Guerra de Independência da Argélia, Saint Laurent teve que abandonar sua carreira e atender ao chamado do exército Francês. Frágil e sensível, Yves St. Laurent sofreu um esgotamento nervoso e teve que ser submetido a tratamento psiquiátrico, devido ao forte estresse e maltratos no convívio com seus colegas soldados que o ridicularizavam.

Essa passagem em sua vida deixou marcas profundas no comportamento de Yves St. Laurent. O estilista, durante toda sua vida, teve vários surtos maníaco-depressivo.

Terminado o tratamento e afastado da guerra, Yves abandona a Dior e funda sua marca, YSL, financiada por Pierre Bérge, companheiro e parceiro de toda sua vida.

A marca Yves Saint Laurent (YSL) se tornou, em pouco tempo, uma das marcas mais famosas do mundo. A sofisticação e praticidade passaram a ser um estilo, a marca registradas da (YLS), que resgatou peças do guarda-roupa masculino e adaptou ao universo feminino. Em 1966 criou e apresentou o primeiro Smoking feminino, estilo apresentado na coleção Pop Art.

Yves inovou também ao usar manequins negras em seus desfiles.

As inovações da alta-costura feitas por Yves Saint Laurent, permitiu a mulher um estilo único de novas atitudes femininas e liberdade em seu papel e comportamento na sociedade. Até então, não era permitido, além de mal visto, uma mulher usar calça comprida.

O grande ícone da alta-costura, Yves St. Laurent, abandonou o mundo da moda em 2002. Seu último desfile foi uma retrospectiva da todas as suas criações, que vestiram mulheres ricas e celebridades do mundo todo.

Yves Saint Laurent morreu aos 72 anos, em 2008, vítima de um câncer cerebral. Deixou um imenso legado, construído ao lado de seu companheiro Pierre Bérge, uma grande personalidade do mundo das artes, que preside a Fundação Yves Saint Laurent e protege o patrimônio construido pelo casal.

No começo de 2009, Pierre Bérge leilou a coleção de móveis e objetos pessoais do casal. Arrecadou cerca de R$ 574 milhões, sendo que R$ 206 milhões ficaram para o Grand Palais (que realizou o leilão) e o restante, Bérge diz que doará a filantropia.

A Fundação Yves Saint Laurent possui um acervo valioso que consta de: croquis, modelos e desfiles assinados por St. Laurent. Todo esse material pode ser visto em exposições realizadas por todo o mundo.

A mostra “Yves Saint Laurent – Viagens Extraordinárias” chegou ao Rio de Janeiro no dia 26 de maio desse ano, e reúne 50 figurinos completos de coleções passadas, estilos que serão apresentados em croquis, manequins e vídeos. A mostra está no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro.

“Yves saint Laurent foi o maior estilista de moda da segunda metade do século XX. Ele deu poder às mulheres e criou um guarda-roupa moderno para elas.”

(Pierre Bérge)

“Nada é mais belo do que um corpo nu. A roupa mais bela que pode vestir uma mulher são os braços do homem que ela ama. Mas, para aquelas que não tiveram a sorte de encontrar está felicidade, eu estou lá.”

(Yves St. Laurent)

História

Celebrado como um dos maiores estilistas do século 20, YVES SAINT-LAURENT, que definiu o guarda-roupa da mulher contemporânea, integrou um famoso grupo, de designers franceses, responsável por transformar Paris na capital da moda mundial. A YVES SAINT-LAURENT se transformou em uma marca de luxo mítica francesa.

Yves Henri Donat Mathieu-Saint Laurent, conhecido mundialmente por três letra, YSL, tornou-se sinônimo de moda e alta costura.

O mestre da moda nasceu no dia 1º de agosto de 1936 em Ora, cidadezinha litorânea localizada na Argélia e aos dezessete anos, enquanto estudava em Paris na tradicional École de la Chambre Syndicate de la Haute Couture (algo como “Escola da Câmara Sindical de Alta Costura”), entrou, em 1954, num concurso patrocinado pelo International Wool Secretariat e ganhou o primeiro prêmio com um vestido para coquetel. Pouco tempo depois, foi contratado pela tradicional marca DIOR como assistente de modelagem.

Quando Christian Dior morreu, em 1957, o argelino de espírito francês assumiu a direção criativa da sofisticada e famosa grife com o desafio de salvar o negócio da ruína financeira.

As coleções desse estilista precoce criaram considerável controvérsia: não eram o que as pessoas e os clientes esperavam das coleções de Dior: o célebre TRAPÉZIO de 1958 era uma roupa considerada de “menina-moça”, um vestido de ombros estreitos com um corpete semi-ajustado e saia curta, evasê, que se tornou febre mundial e rendeu a seu criador o prêmio Neiman Marcus daquele ano, concedido às maiores contribuições ao mundo da moda pela renomada cadeia de lojas norte-americana; a recriação, em 1959, de uma versão mais curta da Saia entravada; e as jaquetas de couro preto, suéteres de gola rolê e bainhas adornadas com pele de 1960.

Para entender o impacto das suas criações já na época, basta observar a manchete de um dos principais jornais de Paris, que estampou na capa “Yves Saint Laurent salvou a França”, em referência à criação do vestido trapézio.

O público via a roupa moderna que se usava nas ruas ser reinventada nas mãos de um costureiro. Mas foi então, que Yves Saint-Laurent foi convocado para servir na Guerra de Independência da Argélia em setembro de 1960.

Vários meses depois, tendo recebido baixa por motivo de saúde, foi ferido em combate, voltou para Paris e descobriu que Marc Bohan assumira o posto de estilista-chefe na maison Dior. O mestre então, com o sócio Pierre Bergé, abriu sua própria maison em 1962.

Era o começo de uma marca gloriosa. Sua primeira coleção, lançada em memorável desfile no 29 de janeiro desse mesmo ano, apresentou uma bem-sucedida japona de lã azul-marinho com botões dourados; e batas de trabalhador feitas de jérsei, seda e cetim.

Ano após ano, deu mais contribuições à moda: em 1963, suas botas que iam até as coxas foram amplamente copiadas; em 1965, fundiu arte à moda em seus vestidos Mondrian, em jérsei branco de silhueta reta ornado de linhas verticais e horizontais pretas e espaços com as cores primárias homenageando o mestre cubista holandês; em 1966 lançou o smoking feminino, uma de suas inovações de maior sucesso, composto por blusa transparente e calça masculina e que representava uma provocação sexual e social, já que, na época, alguns lugares proibiam a presença de mulheres vestindo calças; em 1967, os Knickers de veludo foram um lançamento importante de suas coleções; no ano seguinte, apresentou blusas transparentes e a clássica Saharienne, a jaqueta tipo safári; em 1969, o terninho; e, em 1971, o blazer. Durante a década de 70, continuou a reinar em Paris.

Em 1976, uma das coleções mais memoráveis da época, apelidada de Russa ou Cossaca, apresentou roupas camponesas exóticas. As saias compridas e rodadas, os corpetes e as botas exerceram forte influência, enquanto o desfile transformou lenços e xales em peças de moda permanentes.

Na década de 80, homenageou em suas coleções, dentre outros, Marcel Proust e Catherine Deneuve (sua amiga, cliente e espécie de embaixatriz da casa YSL).

A sigla foi rapidamente compreendida como sinônimo de elegância e passou a aparecer nas etiquetas de inúmeros produtos licenciados como perfumes, bolsas e chapéus e óculos. Em 1999, vendeu sua grife para o PPR Group (Pinault-Printemps-Redoute), o terceiro maior conglomerado de marcas de luxo do mundo, que também detém a italiana Gucci, continuou a frente da YSL.

Somente deixou o mundo da moda em janeiro de 2002, depois de 70 coleções de alta costura e 200 desfiles no currículo, apresentando no Centro Georges Pompidou um desfile retrospectivo de seus 40 anos de criação, com suas iniciais, YSL, sendo conhecidas como sinônimo de alta-costura.

Ao final do desfile, enquanto sua musa Catherine Deneuve cantava “Ma plus belle histoire d’amour”, o estilista se despedia em meio a aplausos e lágrimas.

Um dos símbolos máximos da sofisticação e do bom gosto em moda por quase quatro décadas, amigo de algumas das mais ricas e famosas mulheres do mundo, todas suas clientes como Diane von Furstenberg, Loulou de La Falaise e Catherine Deneuve, o estilista, transformou a YSL num ícone da moda, que apresentou mais de setenta coleções de alta-costura e lançou uma infinidade de produtos que levam sua marca e são vendidos em toda parte do mundo. Yves Saint-Laurent morreu em Paris aos 71 anos, diagnosticado com câncer cerebral, às 23h60min de 1 de junho de 2008.

A linha do tempo

1962

Desenhou o figurino para Claudia Cardinale no filme “A Pantera Cor de Rosa”, de Blake Edwards.

1964

Lançamento de seu primeiro perfume chamado Y.

1966

Inauguração da primeira boutique Saint Laurent Rive Gauche. Lançamento da coleção com inspiração nas tradições primitivas africanas.

1969

Inauguração de sua primeira boutique de moda masculina chamada Rive Gauche Homme.

1971

Lançamento a coleção retrô anos 40.

Pousou nu, num clique de Jeanloup Sieff, para o lançamento do perfume YSL Pour Homme.

1976

Lançamento da coleção inspirada nos balés russos.

1977

Lançamento do perfume Opium (maior sucesso em fragrâncias da grife).

1981

Lançamento do perfume Kouros.

1983

Lançamento do perfume Paris.

1989

Lançamento do perfume Jazz.

1992

Lançamento da Touche Eclat, caneta luminosa que ilumina e disfarça imperfeições. Com sua embalagem dourada chique e prometendo milagres no rosto, até hoje o produto nunca sai da lista dos itens mais vendidos da marca francesa. Segundo os cálculos da YSL, uma caneta destas é vendida a cada 20 segundos em algum lugar do mundo.

1993

Lançamento do perfume Champagne.

2007

Lançamento do perfume Elle.

Cosméticos avançados

Os comésticos da marca são desenvolvidos no laboratório da Yves Saint Laurent, conhecido como Gisca (Grupo de interesse Científico em Cosmética Avançada), que exibe uma cartela de soldados pesquisadores formada por especialistas em pele humana, imunologia, biologia do tecido adiposo, dermo-farmacologia, biologia cutânea, pigmentação cutânea e por aí vai.

O museu da moda

Em 1986, Saint-Laurent foi o primeiro estilista no mundo a exibir seus trabalhos em um museu – o Louvre, em Paris. Esse era apenas o presságio do que estaria por vir: em 2002, a despedida do gênio também marcou a inauguração do único museu no mundo dedicado ao trabalho de um único estilista, a Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent. Distante meia hora do centro da capital francesa, conta com um acervo de 5 mil peças de vestuário, 2 mil pares de sapatos, mais de 10 mil exemplares de jóias e centenas de chapéus, reunidos desde os tempos do estilista na maison Dior.

O ícone

Yves Saint-Laurent não foi somente um estilista, mas uma figura emblemática do mundo da moda. Transgrediu com classe; revolucionou sem perder referências; mudou a moda ao permanecer fiel à sua própria essência; transformou mantendo-se fiel ao seu próprio estilo, ou seja, deixou um legado de autenticidade e criatividade digno de perpetuação de sua memória.

Vestiu atrizes, primeiras-damas, cabeças coroadas européias, africanas e asiáticas; criou jóias, sapatos, acessórios como chapéus, bolsas e outros tão significativos que hoje são procurados com lupa em brechós do mundo inteiro. Difundiu a transparência e também a minissaia, criou vestidos de noiva, colocou modelo negra nas passarelas, entre tantas outras propostas inovadoras.

Dados corporativos

Origem: França
Fundação: 1962
Fundador: Yves Saint-Laurent e Pierre Bergé
Sede mundial: Paris, França
Proprietário da marca: PPR Group
Capital aberto: Não (subsidiária)
Chairman: François Pinault
CEO: Valérie Hermann
Diretor Criativo: Stefano Pilati
Faturamento: Não divulgado
Lucro: Não divulgado
Lojas: 63
Presença global: + 50
Presença no Brasil: Sim
Funcionários: 800
Segmento: Vestuário
Principais produtos: Roupas, acessórios, perfumes, bolsas
Ícones: O smoking feminino
Website: www.ysl.com

A marca no mundo

A marca YVES SAINT-LAURENT possui atualmente mais de 60 lojas localizadas nos maiores centros da moda, além de ter seus produtos vendidos em sofisticadas lojas de departamentos e boutiques multimarcas. A divisão de beleza da grife francesa, conhecida como YSL Beauté, foi vendida recentemente a gigante L’Óreal por US$ 1.68 bilhões.

Você sabia?

Yves Saint-Laurent foi o primeiro estilista do mundo a usar manequins negras em desfiles de moda.

Em 1983, ele se tornou o primeiro designer de moda vivo a ser honrado com uma exposição de seu trabalho no Metropolitan Museum of Art em Nova Iorque.

Fonte: www.mundodasmarcas.blogspot.com/bethccruz.blogspot.com

Veja também

Anacronismo

Anacronismo

PUBLICIDADE Definição Anacronismo é um erro na cronologia, especialmente: um extravio cronológico de pessoas, eventos, …

Labirinto

Labirinto

PUBLICIDADE Definição Um Labirinto complicada rede irregular de passagens ou caminhos nos quais é difícil encontrar o …

Necromancia

PUBLICIDADE Definição Necromancia é o ato de se comunicar com os mortos para descobrir o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.