Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  formação das palavras  Voltar

Formação das Palavras



Para analisar a formação de uma palavra, deve-se procurar a origem dela. Caso seja formada por apenas um radical, diremos que foi formada por derivação; por dois ou mais radicais, composição.

São os seguintes os processos de formação de palavras:

Derivação

Formação de novas palavras a partir de apenas um radical.

Derivação Prefixal

Acréscimo de um prefixo à palavra primitiva; também chamado de prefixação. Por exemplo: antepasto, reescrever, infeliz.

Derivação Sufixal

Acréscimo de um sufixo à palavra primitiva; também chamado de sufixação. Por exemplo: felizmente, igualdade, florescer.

Derivação Prefixal e Sufixal

Acréscimo de um prefixo e de um sufixo, em tempos diferentes; também chamado de prefixação e sufixação. Por exemplo: infelizmente, desigualdade, reflorescer.

Derivação Parassintética

Acréscimo de um prefixo e de um sufixo, simultaneamente; também chamado de parassíntese. Por exemplo: envernizar, enrijecer, anoitecer. Obs.: A maneira mais fácil de se estabelecer a diferença entre Derivação Prefixal e Sufixal e Derivação Parassintética é a seguinte: retira-se o prefixo; se a palavra que sobrou existir, será Der. Pref. e Suf.; caso contrário, retira-se, agora, o sufixo; se a palavra que sobrou existir, será Der. Pref. e Suf.; caso contrário, será Der. Parassintética. Por exemplo, retire o prefixo de envernizar: não existe a palavra vernizar; agora, retire o sufixo: também não existe a palavra enverniz. Portanto, a palavra foi formada por Parassíntese.

Derivação Regressiva

É a retirada da parte final da palavra primitiva, obtendo, por essa redução, a palavra derivada. Por exemplo: do verbo debater, retira-se a desinência de infinitivo -r: formou-se o substantivo debate.

Derivação Imprópria ou conversão

É a formação de uma nova palavra pela mudança de classe gramatical. Por exemplo: a palavra gelo é um substantivo, mas pode ser transformada em um adjetivo: camisa gelo.

Composição

Formação de novas palavras a partir de dois ou mais radicais.

Composição por justaposição

Na união, os radicais não sofrem qualquer alteração em sua estrutura. Por exemplo: ao se unirem os radicais ponta e , obtém-se a palavra pontapé. O mesmo ocorre com mandachuva, passatempo, guarda-pó.

Composição por aglutinação

Na união, pelo menos um dos radicais sofre alteração em sua estrutura. Por exemplo: ao se unirem os radicais água e ardente, obtém-se a palavra aguardente, com o desaparecimento do a. O mesmo acontece com embora (em boa hora), planalto (plano alto).

Hibridismo

É a formação de novas palavras a partir da união de radicais de idiomas diferentes. Por exemplo: automóvel, sociologia, sambódromo, burocracia.

Onomatopéia

Consiste em criar palavras, tentando imitar sons da natureza. Por exemplo: zunzum, cricri, tique-taque, pingue-pongue.

Abreviação Vocabular

Consiste na eliminação de um segmento da palavra, a fim de se obter uma forma mais curta. Por exemplo: de extraordinário forma-se extra; de telefone, fone; de fotografia, foto; de cinematografia, cinema ou cine.

Siglas

As siglas são formadas pela combinação das letras iniciais de uma seqüência de palavras que constitui um nome: Por exemplo: IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística); IPTU (Imposto Predial, Territorial e Urbano).

Neologismo semântico

Forma-se uma palavra por neologismo semântico, quando se dá um novo significado, somado ao que já existe. Por exemplo, a palavra legal significa dentro da lei; a esse significado somamos outro: pessoa boa, pessoa legal.

Empréstimo lingüístico

É o aportuguesamento de palavras estrangeiras; se a grafia da palavra não se modifica, ela deve ser escrita entre aspas. Por exemplo: estresse, estande, futebol, bife, "show", xampu, "shopping center".

Fonte: www.gramaticaonline.com.br

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

Para analisar a formação de uma palavra, deve-se procurar a origem dela. Caso seja formada por apenas um radical, diremos que foi formada por derivação; por dois ou mais radicais, composição. São os seguintes os processos de formação de palavras: Derivação: Formação de novas palavras a partir de apenas um radical.

Derivação Prefixal

Acréscimo de um prefixo à palavra primitiva; também chamado de prefixação.

Exemplos

Derivação Sufixal

Acréscimo de um sufixo à palavra primitiva; também chamado de sufixação.

Exemplos

Derivação Prefixal e Sufixal

Acréscimo de um prefixo e de um sufixo, em tempos diferentes; também chamado de prefixação e sufixação.

Exemplos

Derivação Parassintética

Acréscimo de um prefixo e de um sufixo, simultaneamente; também chamado de parassíntese.

Exemplos

Observação

A maneira mais fácil de se estabelecer a diferença entre Derivação Prefixal e Sufixal e Derivação Parassintética é a seguinte: retira-se o prefixo; se a palavra que sobrou existir, será Der. Pref. e Suf.; caso contrário, retira-se, agora, o sufixo; se a palavra que sobrou existir, será Der. Pref. e Suf.; caso contrário, será Der. Parassintética. Por exemplo, retire o prefixo de envernizar: não existe a palavra vernizar; agora, retire o sufixo: também não existe a palavra enverniz. Portanto, a palavra foi formada por Parassíntese.

Derivação Regressiva

É a retirada da parte final da palavra primitiva, obtendo, por essa redução, a palavra derivada. Por exemplo: do verbo debater, retira-se a desinência de infinitivo -r: formou-se o substantivo debate.

Derivação Imprópria

É a formação de uma nova palavra pela mudança de classe gramatical. Por exemplo: a palavra gelo é um substantivo, mas pode ser transformada em um adjetivo: camisa gelo.

Composição

Formação de novas palavras a partir de dois ou mais radicais.

Composição por justaposição

Na união, os radicais não sofrem qualquer alteração em sua estrutura. Por exemplo: ao se unirem os radicais ponta e pé, obtém-se a palavra pontapé. O mesmo ocorre com mandachuva, passatempo, guarda-pó.

Composição por aglutinação

Na união, pelo menos um dos radicais sofre alteração em sua estrutura. Por exemplo: ao se unirem os radicais água e ardente, obtém-se a palavra aguardente, com o desaparecimento do a. O mesmo acontece com embora (em boa hora), planalto (plano alto).

Hibridismo

É a formação de novas palavras a partir da união de radicais de idiomas diferentes. Por exemplo: automóvel, sociologia, sambódromo, burocracia.

Onomatopéia

Consiste em criar palavras, tentando imitar sons da natureza. Por exemplo: zunzum, cricri, tiquetaque, pingue-pongue.

Abreviação Vocabular

Consiste na eliminação de um segmento da palavra, a fim de se obter uma forma mais curta. Por exemplo: de extraordinário forma-se extra; de telefone, fone; de fotografia, foto; de cinematografia, cinema ou cine.

Siglas

As siglas são formadas pela combinação das letras iniciais de uma seqüência de palavras que constitui um nome.

Exemplos

Neologismo semântico

Forma-se uma palavra por neologismo semântico, quando se dá um novo significado, somado ao que já existe.

Por exemplo, a palavra legal significa dentro da lei; a esse significado somamos outro:

Empréstimo lingüístico

É o aportuguesamento de palavras estrangeiras; se a grafia da palavra não se modifica, ela deve ser

escrita entre aspas.

Exemplos

Fonte: www.algosobre.com.br

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

As palavras estão em constante processo de evolução, tornando a língua um fenômeno vivo que acompanha o homem. Alguns vocábulos caem em desuso (arcaísmos), outros nascem (neologismos) e muitos mudam de significado com o passar do tempo.

Em Língua Portuguesa, em função da estruturação e origem das palavras, pode-se chegar à seguinte divisão:

Para a formação das palavras portuguesas, é necessário o conhecimento dos seguintes processos de formação:

Composição

Junção de radicais. São dois tipos de composição, em função de ter havido ou não alteração fonética.

Justaposição - sem alteração fonética (girassol, sexta-feira)

Aglutinação - alteração fonética, com perda de elementos (planalto, pernalta). Gera perda da delimitação vocabular e a existência de um único acento fônico

Derivação

palavra primitiva (1 radical) acrescida, geralmente, de afixos.

São cinco tipos de derivação:

1. Prefixal

Acréscimo de prefixo à palavra primitiva (in-feliz, des-leal)

2. Sufixal

Acréscimo de sufixo à palavra primitiva (feliz-mente, leal-dade)

3. Parassintética ou parassíntese

Acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo, ao mesmo tempo, à palavra primitiva (en+surdo+ecer / a+benção+ado / en+forca+ar). Por esse processo se forma essencialmente verbos, de base substantiva ou adjetiva; mas há parassintéticos de outras classes (subterrâneo, desnaturado)

Observação

se com a retirada do prefixo ou do sufixo não existir aquela palavra na língua, houve parassíntese (infeliz existe e felizmente existe, logo houve prefixação e sufixação em infelizmente; ensurde não existe e surdecer também não existe, logo ensurdecer foi formada por parassíntese)

4. Regressiva ou deverbal

Redução da palavra primitiva (frangão > frango gajão > gajo, rosmaninho > rosmano, sarampão > sarampo, delegado >delega, flagrante > flagra, comunista>comuna). Cria substantivos, que denotam ação, derivados de verbos, daí ser chamado também derivação deverbal (amparo, choro, vôo, corte, destaque, conserva, fala, pesca, visita, denúncia etc.).

Observação

para determinar se a palavra primitiva é o verbo ou o substantivo cognato, usa-se o seguinte critério: substantivo denotando ação constitui-se em palavra derivada do verbo, mas se o substantivo denotar objeto ou substância será primitivo (ajudar > ajuda, estudar > estudo ? planta > plantar, âncora > ancorar)

5. imprópria ou conversão

Alteração da classe gramatical da palavra primitiva ("o jantar" - de verbo para substantivo, "é um judas" - de substantivo próprio a comum, damasco por Damasco)

Hibridismo

São palavras compostas, ou derivadas, constituídas por elementos originários de línguas diferentes (automóvel e monóculo- gr e lat / sociologia, bígamo, bicicleta - lat e gr / alcalóide, alcoômetro - ár. e gr. / caiporismo - tupi e gr. / bananal - afric e lat. / sambódromo - afric e gr / burocracia - fran e gr)

Onomatopéia

Reprodução imitativa de sons (pingue-pingue, zunzum, miau, zinzizular)

Abreviação vocabular

Redução da palavra até o limite de sua compreensão (metrô, moto, pneu, extra)

Siglonimização

Formação de siglas, utilizando as letras iniciais de uma seqüência de palavras (Academia Brasileira de Letras - ABL). A partir de siglas, formam-se outras palavras também (aidético, petista, uergiano)

Fonte: www.graudez.com.br

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

As palavras de uma língua qualquer, geralmente, procedem de três formas básicas:

a) a corrente hereditária b) a importação estrangeira c) a formação vernácula

Sendo que a corrente hereditária e a importação estrangeira não são estudadas neste momento.

A formação de palavras consiste, basicamente, na combinação de morfemas, radicais e afixos, possibilitando, assim, que o número de palavras de uma língua seja maior que o acervo de elementos.

Consultando qualquer boa gramática, verificaremos que o número de prefixos e sufixos não passa de algumas dezenas

Em principio são dois processos de formação de palavras.

A formação de palavras pode ser, por:

a) DERIVAÇÃO b) COMPOSIÇÃO

Fonte: www.brazilianportugues.com

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

Processo de formação das palavras (explicação prática)

As palavras podem ser formadas pelos seguintes processos:

Observe:

1. Por derivação

a. prefixal: prefixo + radical (ex.: des + fazer; re + fazer; des + contente; contra + dizer)

b. sufixal: radical + sufixo ( ex.: pedr + eiro; cafe + zinho; lis + ura; ferr + eiro etc.)

c. parassíntese: prefixo + radical + sufixo (ex.: e + nobr + ecer ) depois de formada a palavra não se pode dispensar nem o prefixo, nem o sufixo sob pena da palavra ficar sem sentido).

d. por prefixação e sufixação: prefixo + radical + sufixo ( ex.: des + leal + dade, in + feliz + mente)

e. Regressiva: forma, a partir de verbos, substantivos indicadores de ação (ex.: sustentar – sustento)

f. imprópria: muda a classe gramatical sem alterar a forma dela (ex.: o quê, o viver, o comer, o sim)

2. Composição

a. por justaposição: as palavras que se juntam não se alteram ( ex.: ponta + pé = pontapé)

b. por aglutinação: quando ocorre alteração em pelo menos uma das palavras que se juntam (ex.: filho + de + algo = fidalgo)

3. Processo secundário

a. hibridismo: união de palavras de idiomas diferentes ( ex.: tele (grego) + visão (latim)= televisão; abreu + grafia ( português e latim) = abreugrafia etc.

b. onomatopéia: imitação de sons ( ex.: o tic-tac do relógio; cri – o cri dos grilos etc)

BIBLIOGRAFIA

1. MAIA. João Domingues, Português, Novo Ensino Médio, vol. Único,Editora Ática,São Paulo,3a edição, 2000. 2. CADORE. Luís Agostinho, Curso Prático De Português,, volume único, Editora Ática, São Paulo, 3a ed., 1995. 3. PLATÃO ET FIORIN, Lições de textos: leitura e redação, Editora Ática, São Paulo, 3a edição, 1998. 4. INFANTE. Ulisses, Curso de Gramática Aplicada aos textos, 2ª edição, São Paulo, Scipione, 1995. 5. MESQUITA. Roberto Melo, Gramática da Língua Portuguesa, 3ª edição, São Paulo, Saraiva, 1995.

Fonte: recantodasletras.uol.com.br

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

Junção de duas ou mais palavras formando uma com significado próprio

 

Formação

Exemplos

Justaposição

união de duas ou mais palavras conservando cada uma o seu acento próprio e ortografia (em regra, ligadas por hífen) amor-perfeito, pé-de-cabra, segunda-feira chapéu-de-chuva pára-quedas passatempo saca-rolhas

Aglutinação

união de duas ou mais palavras que se subordinam a um único acento tónico (o da segunda) e sofrem alterações ortográficas aguardente (água + ardente) embora (em + boa + hora) fidalgo (filho + de + algo) Monsanto (monte + santo)

Fonte: www.priberam.pt

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

Processos de formação de palavras

As palavras estão em constante processo de evolução, tornando a língua um fenômeno vivo que acompanha o homem. Alguns vocábulos caem em desuso (arcaísmos), outros nascem (neologismos) e muitos mudam de significado com o passar do tempo.

Em Língua Portuguesa, em função da estruturação e origem das palavras, pode-se chegar à seguinte divisão:

palavras primitivas - não derivam de outras (casa, flor)

palavras derivadas - derivam de outras (casebre, florzinha)

palavras simples - só possuem um radical (couve, flor)

palavras compostas - possuem mais de um radical (couve-flor, aguardente)

Para a formação das palavras portuguesas, é necessário o conhecimento dos seguintes processos de formação:

Composição

Junção de radicais. São dois tipos de composição, em função de ter havido ou não alteração fonética.

Justaposição

Sem alteração fonética (girassol, sexta-feira)

Aglutinação

Alteração fonética, com perda de elementos (planalto, pernalta). Gera perda da delimitação vocabular e a existência de um único acento fônico

Derivação

Palavra primitiva (1 radical) acrescida, geralmente, de afixos. São cinco tipos de derivação.

Prefixal

Acréscimo de prefixo à palavra primitiva (in-feliz, des-leal)

Sufixal

Acréscimo de sufixo à palavra primitiva (feliz-mente, leal-dade)

parassintética ou parassíntese - acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo, ao mesmo tempo, à palavra primitiva (en+surdo+ecer / a+benção+ado / en+forca+ar). Por esse processo se forma essencialmente verbos, de base substantiva ou adjetiva; mas há parassintéticos de outras classes (subterrâneo, desnaturado)

Observação

Se com a retirada do prefixo ou do sufixo não existir aquela palavra na língua, houve parassíntese (infeliz existe e felizmente existe, logo houve prefixação e sufixação em infelizmente; ensurde não existe e surdecer também não existe, logo ensurdecer foi formada por parassíntese)

Regressiva ou deverbal

Redução da palavra primitiva (frangão > frango gajão > gajo, rosmaninho > rosmano, sarampão > sarampo, delegado >delega, flagrante > flagra, comunista>comuna). Cria substantivos, que denotam ação, derivados de verbos, daí ser chamado também derivação deverbal (amparo, choro, vôo, corte, destaque, conserva, fala, pesca, visita, denúncia etc.).

Observação

para determinar se a palavra primitiva é o verbo ou o substantivo cognato, usa-se o seguinte critério: substantivo denotando ação constitui-se em palavra derivada do verbo, mas se o substantivo denotar objeto ou substância será primitivo (ajudar > ajuda, estudar > estudo ? planta > plantar, âncora > ancorar)

Imprópria ou conversão

Alteração da classe gramatical da palavra primitiva ("o jantar" - de verbo para substantivo, "é um judas" - de substantivo próprio a comum, damasco por Damasco)

Hibridismo

São palavras compostas, ou derivadas, constituídas por elementos originários de línguas diferentes (automóvel e monóculo- gr e lat / sociologia, bígamo, bicicleta - lat e gr / alcalóide, alcoômetro - ár. e gr. / caiporismo - tupi e gr. / bananal - afric e lat. / sambódromo - afric e gr / burocracia - fran e gr)

Onomatopéia

Reprodução imitativa de sons (pingue-pingue, zunzum, miau, zinzizular)

Abreviação vocabular

Redução da palavra até o limite de sua compreensão (metrô, moto, pneu, extra)

Siglonimização - formação de siglas, utilizando as letras iniciais de uma seqüência de palavras (Academia Brasileira de Letras - ABL). A partir de siglas, formam-se outras palavras também (aidético, petista, uergiano)

Fonte: www.graudez.com.br

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

Processos de Formação de Palavras

Maneira como os morfemas se organizam para formar as palavras.

Neologismo

Beijo pouco, falo menos ainda. Mas invento palavras Que traduzem a ternura mais funda E mais cotidiana. Inventei, por exemplo, a verbo teadorar.

Intransitivo

Teadoro, Teodora.

Derivação

Processo de formar palavras no qual a nova palavra é derivada de outra chamada de primitiva. Os processos de derivação são:

Derivação prefixal

A derivação prefixal é um processo de formar palavras no qual um prefixo ou mais são acrescentados à palavra primitiva.

Exemplos

Derivação parassintética

A derivação parassintética ocorre quando um prefixo e um sufixo são acrescentados à palavra primitiva de forma dependente, ou seja, os dois afixos não podem se separar, devem ser usados ao mesmo tempo, pois sem um deles a palavra não se reveste de nenhum significado.

Exemplos

anoitecer ( a- prefixo e -ecer sufixo), neste caso, não existem as palavras anoite e noitecer, pois os afixos não podem se separar.

Derivação sufixal

A derivação sufixal é um processo de formar palavras no qual um sufixo ou mais são acrescentados à palavra primitiva.

Derivação regressiva

A derivação regressiva existe quando morfemas da palavra primitiva desaparecem.

Exemplos

Derivação prefixal e sufixal

A derivação prefixal e sufixal existe quando um prefixo e um sufixo são acrescentados à palavra primitiva de forma independente, ou seja, sem a presença de um dos afixos a palavra continua tendo significado.

Exemplos

deslealmente ( des- prefixo e -mente sufixo ).

Você pode observar que os dois afixos são independentes: existem as palavras desleal e lealmente.

Derivação imprópria

A derivação imprópria, mudança de classe ou conversão ocorre quand

A palavra comumente usada como pertencente a uma classe é usada como fazendo parte de outra. Ex.: coelho (substantivo comum) usado como substantivo próprio em Daniel Coelho da Silva; verde geralmente como adjetivo (Comprei uma camisa verde.) usado como substantivo (O verde do parque comoveu a todos.)

Composição

Processo de formação de palavras através do qual novas palavras são formadas pela junção de duas ou mais palavras já existentes.

Existem duas formas de composição:

A justaposição ocorre quando duas ou mais palavras se unem sem que ocorra alteração de suas formas ou acentuação primitivas.

Exemplos

A composição por aglutinação ocorre quando duas ou mais palavras se unem para formar uma nova palavra ocorrendo alteração na forma ou na acentuação.

Exemplos

Hibridismo

Consiste na formação de palavras pela junção de radicais de línguas diferentes.

Exemplos

Onomatopéia

Consiste na formação de palavras pela imitação de sons e ruídos.

Exemplos

Sigla

Consiste na redução de nomes ou expressões empregando a primeira letra ou sílaba de cada palavra.

Exemplos

Abreviação ou redução

Consiste na redução de parte de palavras com objetivo de simplificação.

Exemplos

Fonte: www.portugues.com.br

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

Existem vários processos de formação de palavras na Língua Portuguesa. Esses processos foram usados ao longo da história do idioma e podem ser usados atualmente para a criação de neologismos, quando se quer criar uma palavra para um conceito até então desconhecido.

Os principais processos de formação de palavras são os seguintes:

Derivação

A derivação é um processo que consiste no acréscimo de morfemas a um radical já existente, a fim de representar um conceito relacionado à palavra original. Existem cinco processos de derivação, a saber:

Prefixação

Consiste em adicionar à palavra um prefixo.

Exemplos

Sufixação

Consiste em adicionar à palavra um sufixo.

Exemplos

Parassíntese

Consiste em adicionar à palavra, ao mesmo tempo, um prefixo e um sufixo. Exemplos: veneno - envenenamento, vermelho - avermelhado, frio - esfriamento, etc. Note-se que não são consideradas parassínteses palavras como "desordenamento", "decodificação", etc. uma vez que existem as palavras "ordenamento", "desordem", "codificação", sendo o prefixo independente do sufixo. Nesse caso, diz-se que a palavra sofreu tanto prefixação quanto sufixação.

Regressão

Geralmente são substantivos oriundos de verbos, e consistem na supressão das desinências verbais.

Exemplos

Conversão

Esta derivação não modifica a palavra, consiste apenas em mudar a classe gramatical, geralmente transformando o verbo em substantivo. Exemplos: o saber, o porquê, etc. Consiste também em usar adjetivos como se fossem advérbios, por exemplo: "andar rápido", "jogar bonito", etc.

Composição

A composição é o processo que consiste em unir dois ou mais radicais para formar uma nova palavra. Existem quatro processos de composição, a saber:

Justaposição

Neste caso, não há mudança nas palavras originais, e estas são unidas por hífens.

Exemplos

Aglutinação

Neste caso, parte do elemento original das palavras se perde, e assim deixa de existir a noção do composto.

Exemplos

União de radicais: processo semelhante ao de aglutinação, consiste em juntar elementos radicais do latim ou do grego para dar um novo significado.

Exemplos

Hibridismo: consiste em unir elementos sendo cada um oriundo de um idioma.

Exemplos

Estrangeirismo

O estrangeirismo é o processo que consiste em introduzir uma palavra de um idioma estrangeiro dentro do português. Pode receber nomes diferentes de acordo com o idioma de origem, como anglicismo (do inglês), galicismo (do francês), germanismo (do alemão), etc. Não são consideradas estrangeirismos as palavras de origem latina, bem como as palavras brasileiras de origem tupi. O estrangeirismo pode ser de duas categorias:

Com aportuguesamento: consiste em adaptar a grafia do idioma estrangeiro para o português. Exempos: abajur (do francês "abat-jour"), algodão (do árabe "al-qutun"), lanche (do inglês "lunch"), etc. Sem aportuguesamento: consiste em conservar a forma original da palavra. Exemplos: networking, mise-en-scène, pizza, etc.

Acrônimo

O acrônimo, ou sigla, é uma forma de composição de palavras que consiste em juntar letras ou sílabas de outras palavras para dar origem a uma nova. Na maioria dos casos (mas nem sempre), o acrônimo serve para designar nomes próprios, não sendo, portanto, um processo tradicional de formação de palavras.

Os acrônimos podem ser de duas categorias:

Silabáveis

Formam efetivamente uma nova palavra, podendo ser pronunciada de acordo com as normas do idioma.

Exemplos

Não silabáveis

Não formam propriamente uma palavra, sendo constituídos apenas pelas iniciais das palavras, sendo necessária a pronúncia do nome de cada letra.

Exemplos

Fonte: pt.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal