Breaking News
Home / Português / Crase

Crase


Crase – Emprego

PUBLICIDADE

Crase é a fusão (ou contração) de duas vogais idênticas numa só. Em linguagem escrita, a crase é representada pelo acento grave.

Exemplo: Vamos à (a prep. + a art.) cidade logo depois do almoço.

Observe que o verbo ir requer a preposição a e o substantivo cidade pede o artigo a.

Não é somente a contração da preposição a com o artigo feminino a ou com o pronome a e o a inicial dos pronomes aquele(s), aquela(s), aquilo que passa pelo processo da crase. Outras vogais idênticas são também contraídas, visto ser a crase um processo fonológico.

Exemplos: leer – ler / door – dor

I. Ocorrência da crase

PUBLICIDADE

1. Preposição a + artigos a, as:

Fui à feira ontem.
Paulo dedica-se às artes marciais.

OBSERVAÇÕES:

a) Quando o nome não admitir artigo, não poderá haver crase:

Vou a Campinas amanhã.
Estamos viajando em direção a Roma.

No entanto, se houver um modificador do nome, haverá crase:

Vou à Campinas das andorinhas.
Estamos viajando em direção à Roma das Sete Colinas.

b) Ocorre a crase somente se os nomes femininos puderem ser substituídos por nomes masculinos, que admitam ao antes deles:

Vou à praia.
Vou ao campo.
As crianças foram à praça.
As crianças foram ao largo.
Portanto, não haverá crase em:
Ela escreveu a redação a tinta. (Ela escreveu a redação a lápis.)
Compramos a TV a vista. (Compramos a TV a prazo.)

2. Preposição a + pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo:

Maria referiu-se àquele cavalheiro de terno cinza.
Depois nos dirigimos àquelas mulheres da Associação.
Nunca me reportei àquilo que você disse.

3. Na indicação de horas:

João se levanta às sete horas.
Devemos atrasar o relógio à zero hora.
Eles chegaram à meia-noite.

4. Antes de nomes que apresentam a palavra moda (ou maneira) implícita:

Adoro bife à milanesa.
Eles querem vitela à parmigiana.
Ele vestiu-se à Fidel Castro.
Ele cortou o cabelo à Nero.

5. Em locuções adverbiais constituídas de substantivo feminino plural:

Pedrinho costuma ir ao cinema às escondidas.
Às vezes preferimos viajar de carro.
Eles partiram às pressas e não deixaram o novo endereço.

6. Em locuções prepositivas e conjuntivas constituídas de substantivo feminino:

Eles vivem à custa do Estado.
Estamos todos à mercê dos bandidos.
Fica sempre mais frio à proporção que nos aproximamos do Sul.
Sentimos medo à medida que crescia o movimento de soldados na praça.

II. Principais casos em que não ocorre a crase

1. Diante de substantivo masculino:

Compramos a TV a prazo.
Ele leva tudo a ferro e fogo.
Por favor, façam o exercício a lápis.

2. Diante de verbo no infinitivo:

A pobre criança ficou a chorar o dia todo.
Quando os convidados começaram a chegar, tudo já estava pronto.

3. Diante de nome de cidade:

Vou a Curitiba visitar uma amiga.
Eles chegaram a Londres ontem.

4. Diante de pronome que não admite artigo (pessoal, de tratamento, demonstrativo, indefinido e relativo):

Ele se dirigiu a ela com rudeza.
Direi a Vossa Majestade quais são os nossos planos.
Onde você pensa que vai a esta hora da noite?
Devolva o livro a qualquer pessoa da biblioteca.
Todos os dias agradeço a Deus, a quem tudo devo.

5. Diante do artigo indefinido uma:

O policial dirigiu-se a uma senhora vestida de vermelho.
O garoto entregou o envelope a uma funcionária da recepção.

6. Em expressões que apresentam substantivos repetidos:

Ela ficou cara a cara com o assassino.
Eles examinaram tudo de ponta a ponta.

7. Diante de palavras no plural, precedidas apenas de preposição:

Nunca me junto a pessoas que falam demais.
Eles costumam ir a reuniões do Partido Verde.

8. Diante de numerais cardinais:

Após as enchentes, o número de vítimas chega a trezentos.
Daqui a duas semanas estarei em férias.

9. Diante de nomes célebres e nomes de santos:

O artigo reporta-se a Carlota Joaquina de maneira bastante desrespeitosa.
Ela fez uma promessa a Santa Cecília.

10. Diante da palavra casa, quando esta não apresenta adjunto adnominal:

Estava frio. Fernando havia voltado a casa para apanhar um agasalho.
Antes de chegar a casa, o malandro limpou a mancha de batom do rosto.
NOTA: Quando a palavra casa apresentar modificador, haverá crase: Vou à casa de Pedro.

11. Diante da palavra Dona:

O mensageiro entregou a encomenda a Dona Sebastiana.
Foi só um susto. O macaco nada fez a Dona Maria Helena.

12. Diante da palavra terra, como sinônimo de terra firme:

O capitão informou que estamos quase chegando a terra.
Depois de dois meses de mar aberto, regressamos finalmente a terra.

III. Ocorrência facultativa da crase

1. antes de nome próprio feminino:

Entreguei o cheque à Paula. OU Entreguei o cheque a Paula.
Paulo dedicou uma canção à Teresinha. OU Paulo dedicou uma canção a Teresinha.
NOTA: A crase não ocorre quando o falante não usa artigo antes do nome próprio feminino.

2. antes do pronome possessivo feminino:

Ele fez uma crítica séria à sua mãe. OU Ele fez uma crítica séria a sua mãe.
Convidei-o a vir à minha casa. OU Convidei-o a vir a minha casa.
NOTA: A crase não ocorre quando o falante não usa artigo antes do pronome possessivo.

3. depois da preposição até:

Vou caminhar até à praia. OU Vou caminhar até a praia.
Eles trabalharam até às três horas. OU Eles trabalharam até as três horas.
Eu vou acompanhá-la até à porta do elevador. OU Eu vou acompanhá-la até a porta do elevador.
NOTA: A preposição até pode vir ou não seguida da preposição a. Quando o autor dispensar a preposição a, não haverá crase.

Crase – O que é

Um outro assunto que preocupa são as falhas no uso da crase.

Vamos a ele:

PUBLICIDADE

A crase indica a fusão da preposição a com artigo a: João voltou à (a preposição + a artigo) cidade natal. / Os documentos foram apresentados às (a prep. + as art.) autoridades.

Dessa forma, não existe crase antes de palavra masculina: Vou a pé. / Andou a cavalo.

Existe uma única exceção, explicada mais adiante.

Regras práticas

Primeira

Substitua a palavra antes da qual aparece o a ou as por um termo masculino. Se o a ou as se transformar em ao ou aos, existe crase; do contrário, não.

Nos exemplos já citados: João voltou ao país natal. / Os documentos foram apresentados aos juizes.

Outros exemplos: Atentas às modificações, as moças… (Atentos aos processos, os moços…) / Junto à parede (junto ao muro). No caso de nome geográfico ou de lugar, substitua o a ou as por para.

Se o certo for para a, use a crase: Foi à França (foi para a França). / Irão à Colômbia (irão para a Colômbia). / Voltou a Curitiba (voltou para Curitiba), sem crase).

Pode-se igualmente usar a forma voltar de: se o de se transformar em da, há crase, inexistente se o de não se alterar: Retornou à Argentina (voltou da Argentina). Foi a Roma (voltou de Roma).

Segunda

A combinação de outras preposições com a (para a, na, da, pela e com a, principalmente) indica se o a ou as deve levar crase. Não é necessário que a frase alternativa tenha o mesmo sentido da original nem que a regência seja correta.

Exemplos: Emprestou o livro à amiga (para a amiga). / Chegou à Espanha (da Espanha). / As visitas virão às 6 horas (pelas 6 horas). / Estava às portas da morte (nas portas). / À saída (na saída). / À falta de (na falta de, com a falta de).

Usa-se a crase ainda:

1 Nas formas àquela, àquele, àquelas, àqueles, àquilo, àqueloutro (e derivados): Cheguei àquele (a + aquele) lugar. / Vou àquelas cidades. / Referiu-se àqueles livros. / Não deu importância àquilo.

2 Nas indicações de horas, desde que determinadas: Chegou às 8 horas, às 10 horas, à 1 hora. Zero e meia incluem-se na regra: O aumento entra em vigor à zero hora. / Veio à meia-noite em ponto. A indeterminação afasta a crase: Irá a uma hora qualquer.

3 – Nas locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas como às pressas, às vezes, à risca, à noite, à direita, à esquerda, à frente, à maneira de, à moda de, à procura de, à mercê de, à custa de, à medida que, à proporção que, à força de, à espera de: Saiu às pressas. / Vive à custa do pai. / Estava à espera do irmão. / Sua tristeza aumentava à medida que os amigos partiam. / Serviu o filé à moda da casa.

4 – Nas locuções que indicam meio ou instrumento e em outras nas quais a tradição lingüística o exija, como à bala, à faca, à máquina, à chave, à vista, à venda, à toa, à tinta, à mão, à navalha, à espada, à baioneta calada, à queima-roupa, à fome (matar à fome): Morto à bala, à faca, à navalha. / Escrito à tinta, à mão, à máquina. / Pagamento à vista. / Produto à venda. / Andava à toa. Observação: Neste caso não se pode usar a regra prática de substituir a por ao.

5 Antes dos relativos que, qual e quais, quando o a ou as puderem ser substituídos por ao ou aos: Eis a moça à qual você se referiu (equivalente: eis o rapaz ao qual você se referiu). / Fez alusão às pesquisas às quais nos dedicamos (fez alusão aos trabalhos aos quais…). / É uma situação semelhante à que enfrentamos ontem (é um problema semelhante ao que…).

Não se usa a crase antes de:

1 – Palavra masculina: andar a pé, pagamento a prazo, caminhadas a esmo, cheirar a suor, viajar a cavalo, vestir-se a caráter. Exceção. Existe a crase quando se pode subentender uma palavra feminina, especialmente moda e maneira, ou qualquer outra que determine um nome de empresa ou coisa: Salto à Luís XV (à moda de Luís XV). / Estilo à Machado de Assis (à maneira de). / Referiu-se à Apollo (à nave Apollo). / Dirigiu-se à (fragata) Gustavo Barroso. / Vou à (editora) Melhoramentos. / Fez alusão à (revista) Projeto.

2 – Nome de cidade: Chegou a Brasília. / Irão a Roma este ano. Exceção. Há crase quando se atribui uma qualidade à cidade: Iremos à Roma dos Césares. / Referiu-se à bela Lisboa, à Brasília das mordomias, à Londres do século 19.

3 – Verbo: Passou a ver. / Começou a fazer. / Pôs-se a falar.

4 – Substantivos repetidos: Cara a cara, frente a frente, gota a gota, de ponta a ponta.

5 – Ela, esta e essa: Pediram a ela que saísse. / Cheguei a esta conclusão. / Dedicou o livro a essa moça.

6 – Outros pronomes que não admitem artigo, como ninguém, alguém, toda, cada, tudo, você, alguma, qual, etc.

7 – Formas de tratamento: Escreverei a Vossa Excelência. / Recomendamos a Vossa Senhoria… / Pediram a Vossa Majestade…

8 – Uma: Foi a uma festa. Exceções. Na locução à uma (ao mesmo tempo) e no caso em que uma designa hora (Sairá à uma hora).

9 – Palavra feminina tomada em sentido genérico: Não damos ouvidos a reclamações. / Em respeito a morte em família, faltou ao serviço. Repare: Em respeito a falecimento, e não ao falecimento. / Não me refiro a mulheres, mas a meninas.

Alguns casos são fáceis de identificar: se couber o indefinido uma antes da palavra feminina, não existirá crase. Assim: A pena pode ir de (uma) advertência a (uma) multa. / Igreja reage a (uma) ofensa de candidato em Guarulhos. / As reportagens não estão necessariamente ligadas a (uma) agenda. / Fraude leva a (uma) sonegação recorde. / Empresa atribui goteira a (uma) falha no sistema de refrigeração. / Partido se rende a (uma) política de alianças.

Havendo determinação, porém, a crase é indispensável: Morte de bebês leva à punição (ao castigo) de médico. / Superintendente admite ter cedido à pressão (ao desejo) dos superiores.

10 – Substantivos no plural que fazem parte de locuções de modo: Pegaram-se a dentadas. / Agrediram-se a bofetadas. / Progrediram a duras penas.

11 – Nomes de mulheres célebres: Ele a comparou a Ana Néri. / Preferia Ingrid Bergman a Greta Garbo.

12 – Dona e madame: Deu o dinheiro a dona Maria . / Já se acostumou a madame Angélica. Exceção: Há crase se o dona ou o madame estiverem particularizados: Referia-se à Dona Flor dos dois maridos.

13 – Numerais considerados de forma indeterminada: O número de mortos chegou a dez. / Nasceu a 8 de janeiro. / Fez uma visita a cinco empresas.

14 – Distância, desde que não determinada: A polícia ficou a distância. / O navio estava a distância. Quando se define a distância, existe crase: O navio estava à distância de 500 metros do cais. / A polícia ficou à distância de seis metros dos manifestantes.

15 – Terra, quando a palavra significa terra firme: O navio estava chegando a terra. / O marinheiro foi a terra. (Não há artigo com outras preposições: Viajou por terra. / Esteve em terra.) Nos demais significados da palavra, usa-se a crase: Voltou à terra natal. / Os astronautas regressaram à Terra.

16 – Casa, considerada como o lugar onde se mora: Voltou a casa. / Chegou cedo a casa. (Veio de casa, voltou para casa, sem artigo.) Se a palavra estiver determinada, existe crase: Voltou à casa dos pais. / Iremos à Casa da Moeda. / Fez uma visita à Casa Branca.

Uso facultativo

1 – Antes do possessivo: Levou a encomenda a sua (ou à sua) tia. / Não fez menção a nossa empresa (ou à nossa empresa). Na maior parte dos casos, a crase dá clareza a este tipo de oração.

2 – Antes de nomes de mulheres: Declarou-se a Joana (ou à Joana). Em geral, se a pessoa for íntima de quem fala, usa-se a crase; caso contrário, não.

3 – Com até: Foi até a porta (ou até à). / Até a volta (ou até à). No Estado, porém, escreva até a, sem crase.

DISTÂNCIA

Desde que não se determine qual é, não tem crase: “A polícia ficou a distância”, “O navio estava a distância”. Quando se define a distância, entra a crase: “O navio estava à distância de 500 metros do cais.”

TERRA

Quando a palavra significa terra firme não há crase: “O navio estava chegando a terra firme”, “O marinheiro foi a terra”. Nos demais casos, usa-se à crase: “Ele estava chegando à terra natal”.

CASA

Quando é considerada como lugar onde se mora, não tem crase: “Voltou a casa”, “Chegou cedo a casa”. Nos demais casos, há crase: “Ele voltou à casa dos pais”, “Kennedy fez uma visita à Casa

Crase – Origem

A palavra crase (do grego Krásis = mistura, fusão) designa: Em gramática histórica, a contração de duas vogais iguais.

Por exemplo: door(de dolore)=dor; pee(de pede)=pé; maa(de mala)=má. Neste sentido, a crase foi um fenômeno constante na evolução do português arcaico para o moderno.

Em gramática normativa, a contração da preposição A com: o artigo A ou AS = Fomos à cidade assistir às festas. o pronome A ou AS = Irei à loja do centro. o A inicial dos pronomes AQUELE(S), AQUELA(S), AQUILO = Referiu-se àquele fato.

USO OBRIGATÓRIO

Com relação à fusão de A + A, observaremos preliminarmente:

que o primeiro A é sempre preposição

que o segundo A será um artigo ou um pronome demonstrativo

que a razão da crase é a de evitar-se um hiato

que o acento assinalador da contração é grave (`)

Condições para o uso da crase. Você usará o acento grave em A e AS, se forem satisfeitas as três condições seguintes:

Deve tratar-se de substantivo feminino, mesmo oculto.

Deve depender de outra palavra que exija a preposição A.

A palavra regida deve admitir o artigo A.

A crase é obrigatória nas locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas formadas de palavras femininas = às pressas, à custa de, à medida que.

A crase é obrigatória, também, quando preceder adjetivos que funcionam como substantivos = Todos levaram conforto às pobres. Nota = em muitos casos, o substantivo estará subentendido e o adjetivo concordar com ele.

Por exemplo: Vieram as alunas e o diretor fez louvores às (alunas) obedientes.

USO PROIBIDO DA CRASE

Não se usa acento grave diante de:

palavras masculinas = Pintou o quadro a óleo. Falaram a respeito de você. Nota = escreve-se: sapatos à Luís XV, estilo à Coelho Neto, porque nessa expressões se subentendem as palavras moda ou maneira, que são femininas.

palavras femininas não-determinadas, isto é, não precedidas de artigo = Isto cheira a tolice. Nota = neste caso, tais palavras são tomadas em se00000ntido geral, indeterminado.

verbos = Estou disposto a colaborar. Levou-os a passear.

esta e essa = Cheguei a essa conclusão.

pronomes indefinidos = Escreveu a toda pressa. Não deu valor a nada.

pronomes pessoais e de tratamento = Escrevi a você. Falei a ela. Nota = quando o vocábulo dona é substantivado ocorre crase. Por exemplo: Falei à dona de meu apartamento.

pronomes interrogativos = A quem haverei de recorrer?

artigos indefinidos = Fomos a uma aldeia.

nomes próprios que repelem o artigo = Fui a Lisboa(Vim de Lisboa). Rezo a Nossa Senhora. Nota = haverá crase toda vez que o substantivo for determinado pelo artigo. Por exemplo: Fui à Bahia(Vim da Bahia).

locuções de palavras femininas repetidas = Gota a gota. Frente a frente.

PARTICULARIDADES IMPORTANTES

A crase e os numerais:

Ocorrerá crase com os numerais que acompanharem palavras femininas, por imposição da regência = Tens direito à quarta parte do lucro.

Quanto ao cardinal UMA, só vem precedido de crase quando acompanha a palavra HORA = Daqui a uma hora irei ao mercado.

Usa-se crase com a locução adverbial À UMA = Todos responderam à uma (juntamente).

A crase e a palavra ‘casa’:

Não haverá crase quando a palavra casa significar residência da pessoa = Voltei a casa cedo.

Haverá crase quando a palavra casa estiver modificada por um adjunto e também quando significar estabelecimento comercial, pois nestes casos antepomos o artigo = Fiz uma visita à velha casa. Fui à Casa Dias.

A crase e a palavra ‘distância’:

Não haverá crase quando a palavra distância estiver indeterminada = O livro foi atirado a distância.

Haverá crase quando a palavra distância estiver determinada em metros = Estava à distância de cem metros.

A crase e os possessivos:

uso da crase diante dos pronomes possessivos é facultativo = Obedeço a minha mãe. Obedeço à minha mãe.

A crase e a palavra ‘até’:

Após a palavra até o uso da crase é facultativo = Fui com ela até a(à) porta.

A crase e os relativos:

Haverá crase antes dos pronomes relativos que e qual, sempre que se referirem a nomes femininos que os antecedem = Ali está a mestra de meus filhos, à qual devo agradecimentos.

Crase – Definição

A palavra crase designa a contração de duas vogais idênticas .

À gramática normativa interessa , sobretudo , a fusão da preposição a com:

1- o artigo feminino definido a ( ou as ):

O direito a a vida é inquestionável – O direito à vida é inquestionável .

2- o pronome demonstrativo a ( ou as ) :

Referi-me a a ( = aquela ) que chegou mais cedo . 

Referi-me à que chegou mais cedo .

3- os pronomes demonstrativos aquele(s) , aquela(s) , aquilo:

Visavas a aquele cargo ? – Visavas àquele cargo ?

4- o a dos pronomes relativos a qual e as quais:

Era ruim a peça a a qual fizeste referência . 

Era ruim a peça à qual fizeste referência .

Nesses casos , a ocorrência do fenômeno da fusão dessas vogais é indicado 

sempre pelo acento grave ( ) . Seu emprego depende , pois , da verificação

da ocorrência dessas vogais ( preposição + artigo , preposição + pronome ) 

no contexto sintático . Como obrigatoriamente o primeiro a é preposição ,

exigida quase sempre por um verbo ou um nome , a crase é um fato gramatical

estreitamente relacionado à regência verbal e nominal. 

REGRAS PRÁTICAS

1- Primeira regra prática:

Ocorre a crase sempre que , ao se substituir a palavra feminina por uma

masculina , aparece a combinação ao:

Exemplo = Amanhã iremos ao colégio – Amanhã iremos à escola .

2- Segunda regra prática:

Para verificar a ocorrência do artigo a , transforma-se a palavra

( a respeito da qual haja dúvida ) em sujeito de uma oração qualquer:

Exemplo = Iremos todos a Brasília ( ? ) ou Iremos todos à Brasília ( ? )

A palavra Brasília como sujeito: o Brasília foi concebida por Lúcio Costa

e Niemeyer. = Brasília foi concebida por Lúcio Costa e Niemeyer . 

Logo: Iremos todos o Brasília .

Observe que nomes de cidade não admitem , em geral , qualquer artigo . 

Porém modificados por adjunto adnominal , passam a admiti-lo .

Exemplo = Retornarei a Curitiba no próximo ano .

Retornarei à Curitiba de Dalton Trevisan .

3- Terceira regra prática:

Decorrente da regra geral é a fórmula mnemônica abaixo:

” Se vou A e volto DA , crase há .” Exemplo = SE vou à biblioteca e volta da biblioteca . 

” Se vou A e volto DE , crase pra quê ?” Exemplo = Se vou a Goiânia e volto de Goiânia .

4- Quarta regra prática:

Usa-se o acento grave sobre o a quando ele equivale a para a , na , pela , com a:

Exemplo = Ofereci ajuda à coordenadora = Ofereci ajuda para a coordenadora .

Mas: Ofereci ajuda a ela = Oferecei ajuda para ela .

Dica: Obviamente tais práticas nunca devem ser usadas como argumentos que justifiquem a ocorrência ou a não-ocorrência da crase . Em questões analítico-expositivas (discursivas) recorra sempre à regra geral.

Além disso , procure sempre proceder à análise da palavra a em todas as sua ocorrências: artigo definido , preposição , pronome oblíquo átono , pronome demonstrativo etc .

Crase Proibida

a – antes de palavras masculinas:

Exemplo = Irei a pé e você irá a cavalo .

b – antes de palavras femininas que , empregadas num sentido genérico , não admitam artigo: 

Exemplo = Não vou a festa , nem a recepção .

c – entre palavras repetidas femininas ou masculinas:

Exemplo = Encontrou-se face a face com o inimigo .

Ela sangrava gota a gota .

d – antes de verbos , já que não admitem artigo:

Exemplo = Começaremos a estudar hoje à tarde .

e – antes de pronomes , visto que em geral não admitem artigo:

Exemplo = Referiram-se a você , a ela e a mim .

f – antes da palavra CASA na acepção de domicílio próprio , a próprio casa de quem é mencionado na frase:

Exemplo = Depois do trabalho , foi a casa antes de ir à escola .

Mas: Depois do trabalho , foi à casa da namorada antes de ir à escola .

g – antes da palavra TERRA no sentido de chão firme ( em oposição  à expressão a bordo de ):

Exemplo = Encantados , os turistas desceram a terra .

Mas = Os astronautas regressaram à Terra .

h – antes da palavra DISTÂNCIA desde que não-especificada na locução a distância:

Exemplo = Sempre permaneci a distância .

Mas: Mantenha-se à distância de cinco metros. 

i – se o a estiver no singular e a palavra seguinte for feminina ou masculina no plural , ele é preposição e não é , pois , acentuado:

Exemplo = Chegamos a terríveis conclusões .

Mas: Chegamos às terríveis conclusões . 

CRASE FACULTATIVA

O uso do acento é optativo basicamente em três casos: 

a) após a preposição até: 

Exemplo = Fomos até a escola .- Fomos até à escola .

b) antes de pronomes possessivos femininos . = Como é facultativo o uso do artigo antes desses pronomes , a ocorrência da crase também é facultativa . 

Exemplo = Retornaremos a minha casa . – Retornaremos à minha casa . 

c) antes de nomes próprios femininos . Neste caso , é o artigo definido que pode ou não ser anteposto a tais substantivos . 

Exemplo = Entregarei tudo a ( para ) Juliana . = Entregarei tudo à ( para a ) Juliana . 

Contudo , não se deve usar artigo ( e portanto acento grave ) antes do nome de pessoas célebres e de santos: 

Exemplo = Entregarei tudo a Nossa Senhora . – 

Era uma referência a Mary Stuart . 

Crase Obrigatória

( Regra Geral e Casos Particulares )

a) preposição a e artigo a (as) : 

Exemplo = Resistiremos à tentação . 

b) preposição a e pronome demonstrativo a(s) = aquela(s) : 

Exemplo = Minha sugestão é semelhante ( = àquela ) que você deu . 

c) preposição a e pronomes demonstrativos aquele(s) , aquela(s) , aquilo : 

Exemplo = Renderemos homenagem àquele que nos guiou até aqui . 

d) preposição a e pronomes relativos a qual , as quais : 

Exemplo = Chegaram as mulheres às quais você deve agradar . ( agradar a ) . 

e) quando implícitas as expressões à moda de , à maneira de , mesmo antes de palavras masculinas : 

Exemplo = Usava cabelos à Djavan . ( Usava cabelos à moda de Djavan ) . 

f) nas expressões com indicação de hora especificada . 

Exemplo = Chegaremos à uma hora , não às duas . 

Mas = Sairemos daqui a uma hora ( = falta uma hora para a saída ) .

g) nas locuções adverbiais , conjuntivas e prepositivas cujo núcleo seja palavra feminina :

Exemplo = À tarde e à noite aquela casa ficava às moscas .

Tudo ocorreu às avessas .

Mas = Estou a fim de ficar com ela .

Tudo convergia a favor dele . 

Crase – Acento Gráfico

A crase é um acento gráfico?

Não.

A crase não é um acento gráfico. Palavra que em grego significa fusão, ou união, de duas vogais iguais e contíguas.

Ao falarmos, é normal acontecerem crases:

Estava aberto o caminho.

Em casos como o do exemplo acima não se registra o sinal gráfico da crase. É que na Língua Portuguesa só se assinalam as crases da preposição a com o artigo a/as; com os pronomes demonstrativos a/as e com a vogal inicial dos pronomes demonstrativos – aquele, aquela, aquilo.

O sinal gráfico que marca a crase (`) chama-se acento grave.

1. Crase de preposição a + artigo a/as

A regra geral determina que ocorrerá crase:

Se o termo regente exigir a preposição a: chegar a, contrário a.
Se o termo regido aceitar o artigo a/as: a escola, a idéia.
Cheguei à escola.
Sou contrário à idéia de trabalhar em casa.

Mas, se ocorrerem essas duas condições, não haverá crase:

Conheço a escola.
No exemplo acima não ocorre a crase porque falta a primeira condição: o termo regente não exige preposição.
Cheguei a Curitiba.

No caso acima, não ocorre a crase porque falta a segunda condição, ou seja, o termo regido não aceita artigo.

2. Dicas

Há duas dicas simples que ajudam a saber quando ocorre crase:

Substituir a palavra feminina por outra masculina. Se ocorrer a forma ao é sinal de que a crase:

Fui a sala (?). Fui ao salão
Portanto, o correto é: Fui à sala.
Estavam frente a frente (?). Estavam lado a lado.

Portanto, o correto é: Estavam frente a frente.

Substituir a preposição a por outras, tais como para, de, em. Se o artigo aparecer é sinal de que ocorreu crase:

Fui a Itália (?). Fui para a Itália.
Portanto, o correto é: Fui à Itália.
Fui a Cuba (?). Fui para Cuba.

No exemplo acima o artigo não aparece.

Portanto, o correto é: Fui a Cuba.

3. Casos facultativos

Pode ou não ocorrer crase:

Antes de nomes próprios femininos: Referiu-se à Luísa ou Referiu-se a Luísa
Antes de pronomes possessivos femininos:
Referiu-se a tua mãe ou Referiu-se à tua mãe

Atenção: nesses e em outros casos semelhantes, as dúvidas também podem ser resolvidas pelas mesmas dicas explicadas no item 2.

4. Crase antes de pronomes

Antes dos pronomes a que, a qual

Ocorre crase se o masculino correspondente for ao que, ao qual
Esta cerveja é superior à que você comprou.
Este vinho é superior ao que você comprou.
Esta é a decisão à qual chegamos.
Este é o ponto ao qual chegamos.
Antes dos pronomes aquele(s), aquela(s), aquilo.

Ocorre crase sempre que o termo regente exigir preposição a:

Fui àquele comício.
Sou avesso àquela idéia.

5. Expressões adverbiais, prepositivas e conjuntivas femininas

Sempre ocorre crase nestas expressões: às duas horas; à tarde; à direita; à esquerda; às vezes; às pressas; à frente de; à medida que…

Atenção: além dos casos acima, algumas expressões recebem o acento grave, mesmo que não haja a união de duas vogais, ou não ocorra a crase.

Este é um recurso normalmente usado para tornar a frase mais clara: Cortar à faca / vender à vista / bordar à mão

Crase – Palavra

A palavra crase provém do grego (krâsis) e significa mistura.

Na língua portuguesa, crase é a fusão de duas vogais idênticas, mas essa denominação visa a especificar principalmente a contração ou fusão da preposição a com os artigos definidos femininos (a, as) ou com os pronomes demonstrativos a, as, aquele, aquela, aquilo, aquiloutro, aqueloutro .

Para saber se ocorre ou não a crase, basta seguir três regras básicas:

01) Só ocorre crase diante de palavras femininas, portanto nunca use o acento grave indicativo de crase diante de palavras que não sejam femininas.

Ex. O sol estava a pino. Sem crase, pois pino não é palavra feminina.
Ela recorreu a mim. Sem crase, pois mim não é palavra feminina.
Estou disposto a ajudar você. Sem crase, pois ajudar não é palavra feminina.

02) Se a preposição a vier de um verbo que indica destino (ir, vir, voltar, chegar, cair, comparecer, dirigir-se…), troque este verbo por outro que indique procedência (vir, voltar, chegar…); se, diante do que indicar procedência, surgir da, diante do que indicar destino, ocorrerá crase; caso contrário, não ocorrerá crase.

Ex. Vou a Porto Alegre. Sem crase, pois Venho de Porto Alegre.
Vou à Bahia. Com crase, pois Venho da Bahia.
Obs.: Não se esqueça do que foi estudado em Artigo.

03) Se não houver verbo indicando movimento, troca-se a palavra feminina por outra masculina; se, diante da masculina, surgir ao, diante da feminina, ocorrerá crase; caso contrário, não ocorrerá crase.

Ex. Assisti à peça. Com crase, pois Assisti ao filme.
Paguei à cabeleireira. Com crase, pois Paguei ao cabeleireiro.
Respeito as regras. Sem crase, pois Respeito os regulamentos.

Casos especiais

01) Diante das palavras moda e maneira, das expressões adverbiais à moda de e à maneira de, mesmo que as palavras moda e maneira fiquem subentendidas, ocorre crase.

Ex. Fizemos um churrasco à gaúcha.
Comemos bife à milanesa, frango à passarinho e espaguete à bolonhesa.
Joãozinho usa cabelos à Príncipe Valente.

02) Nos adjuntos adverbiais de modo, de lugar e de tempo femininos, ocorre crase.

Ex. à tarde, à noite, às pressas, às escondidas, às escuras, às tontas, à direita, à esquerda, à vontade, à revelia …

03) Nas locuções prepositivas e conjuntivas femininas ocorre crase.

Ex. à maneira de, à moda de, às custas de, à procura de, à espera de, à medida que, à proporção que…

04) Diante da palavra distância, só ocorrerá crase, se houver a formação de locução prepositiva, ou seja, se não houver a preposição de, não ocorrerá crase.

Ex. Reconheci-o a distância.
Reconheci-o à distância de duzentos metros.

05) Diante do pronome relativo que ou da preposição de, quando for fusão da preposição a com o pronome demonstrativo a, as (= aquela, aquelas).

Ex. Essa roupa é igual à que comprei ontem.
Sua voz é igual à de um primo meu.

06) Diante dos pronomes relativos a qual, as quais, quando o verbo da oração subordinada adjetiva exigir a preposição a, ocorre crase.

Ex. A cena à qual assisti foi chocante. (quem assiste assiste a algo)

07) Quando o a estiver no singular, diante de uma palavra no plural, não ocorre crase.

Ex. Referi-me a todas as alunas, sem exceção.
Não gosto de ir a festas desacompanhado.

08) Nos adjuntos adverbiais de meio ou instrumento, a não ser que cause ambigüidade.

Ex. Preencheu o formulário a caneta.
Paguei a vista minhas compras.
Nota: Modernamente, alguns gramáticos estão admitindo crase diante de adjuntos adverbias de meio, mesmo não ocorrendo ambigüidade.

09) Diante de pronomes possessivos femininos, é facultativo o uso do artigo, então, quando houver a preposição a, será facultativa a ocorrência de crase.

Ex. Referi-me a sua professora.
Referi-me à sua professora.

10) Após a preposição até, é facultativo o uso da preposição a, quando esta for necessária ao elemento anterior ao até, portanto, caso haja substantivo feminino à frente, a ocorrência de crase será facultativa.

Ex. Fui até a secretaria ou Fui até à secretaria, pois quem vai, vai a algum lugar.

11) A palavra CASA:

A palavra casa só terá artigo, se estiver especificada, portanto só ocorrerá crase diante da palavra casa nesse caso.

Ex. Cheguei a casa antes de todos.
Cheguei à casa de Ronaldo antes de todos.

12) A palavra TERRA:

Significando planeta, é substantivo próprio e tem artigo, conseqüentemente, quando houver a preposição a, ocorrerá a crase; significando chão firme, solo, só tem artigo, quando estiver especificada, portanto só nesse caso poderá ocorrer a crase.

Ex. Os astronautas voltaram à Terra.
Os marinheiros voltaram a terra.
Irei à terra de meus avós.

Crase – Uso

A crase consiste na “fusão” de dois fonemas vocálicos iguais (a + a).

Por crase entende-se a fusão de duas vogais idênticas.

A crase é representada pelo acento grave = (à) = que se coloca sobre o “a”. ( = à).

Só se usa crase antes de nome feminino determinado, e regido da preposição “-a”. Só pode ser feminino determinado.

A CRASE SE DÁ EM

Contração da preposição a com o artigo feminino “a”.

Contração da preposição a com o pronome demonstrativo “a”.

Contração da preposição a com o “a” que inicia os demonstrativos aqueles, aquela, aquilo, aquelas.

Exemplo:

1) Irei à escola-Irei àquela escola

2) Irei a a escola-Irei a + aquela escola

O verbo ir pede a preposição “a” e o substantivo “escola” pede o artigo feminino “a”. A + a = à Irei à escola

Exemplo:

1) Falei à de saia branca =

1.1) Falei a ( = aquela) de saia branca.

2) Dei um livro àquele rapaz =

2.2) Deu um livro a aquele rapaz.

3) Levamos conforto àquela menina =

3.3) Levamos conforto a aquela menina.

4) Refiro-me àquilo que… =

4.4) Refiro-me a aquilo que…

Para que haja crase é necessário que se observe o seguinte:

A palavra seja feminina acompanhada de artigo feminino definido “a”. – O verbo exige a preposição e o substantivo, o artigo.

Que a palavra que antecede o substantivo exija a preposição “a” por força de sua regência.

Ocorre crase nos seguintes casos:

Diante de palavra feminina, clara ou oculta, que não repele o artigo.

Como sabermos se a palavra feminina repele ou não, o artigo?

Basta construi-lo em orações em que apareça regidos das preposições: “de”, “em” e “por”. Se tivermos meras preposições, o nome dispensa artigo.

Exemplo

1) Vou a Copacabana
2)
Vou a Vitória Substituo o verbo ir ( = vou) por: venho, passo, moro
3)
Venho de Vitória.
4)
Passo por Vitória.
5)
Moro em Vitória.

Então:

1) Vou a Copacabana.

2) Vou a Vitória. O “a” é mera preposição e as palavras Copacabana e Vitória repelem o artigo, por isso não se usa crase.

Porém, se houver necessidade de usar, respectivamente: da ( = de + a); na ( = em + a); pela ( = por + a), a palavra feminina tem o artigo feminino definido “a”, então haverá crase:

Exemplo:

1) Vou à Bahia
2)
Venho da Bahia
3)
Moro na Bahia
4)
Passa pela Bahia. Houve contração da preposição de + a = da, em + a = na, por + a = pela por isso “a” da Bahia é craseado.

Vou à Bahia.

Outra regra prática para sabermos se o substantivo exige ou não, o artigo feminino definido “a”.

Emprega-se a crase sempre que, substituindo-se o vocábulo feminino por um masculino, aparece a contração da preposição “a” com o artigo “o” = ao antes do nome masculino.

Eu vou a cidade Posso dizer: Eu vou ao Município Logo na oração: Eu vou a cidade, O “a” da cidade deve ser craseado.

Se o nome feminino repelir o artigo, pode exigi-lo quando determinado por um adjunto.

Exemplos

1) Eu vou a Roma
2)
A palavra Roma repele o artigo feminino, porém se eu disser:
3)
Eu vou a Roma dos Césares A palavra Roma, agora, está determinada, então, craseia-se o “a” de Roma. Eu vou à Roma dos Césares

Outro exemplo:

1) Eu vou a Copacabana.
2)
Eu vou à Copacabana de minha infância
3)
Ele foi a Minas
4)
Ele foi à Minas de Tiradentes.

Podemos usar o seguinte meio mnemônico para o uso da crase: Se vou a E venho dá

Eu craseio o à

Exemplos

1) Vou a festa
2)
Venho da festa Então eu craseio o “a” da festa. Vou à festa Se eu vou a E venho dê Crasear o a Para quê ?

Exemplos

1) Vou a são Paulo.
2)
Venho de São Paulo. A palavra São Paulo repele o artigo, então o “a” antes da palavra São Paulo é mera preposição, logo: Não se usa crase.

OBSERVAÇÃO

Se venho-“da”-é “a” (com crase).
Se venho-“de”-é “a” (sem crase).
Vou à Grécia-Venho da Grécia
Vou a Santa Catarina-Venho de Santa Catarina

USA-SE A CRASE

Nos objetos indiretos
Nos adjuntos adverbiais

(NOTA – Não se usa crase com palavra que funciona como Sujeito).

Exemplo: “A menina saiu”

Objeto direto
Adjunto adnominal
Para evitar ambigüidade
Diante de locuções constituídas de feminino plural.
Diante de locuções constituídas do substantivo feminino singular
A conjunção subordinada adv. proporcional

A crase e os pronomes relativos

A crase não deve ser empregada junto aos pronomes relativos QUE, QUEM e CUJO(A).

Nas orações em que aparece um termo regido pela preposição “a” acompanhado dos pronomes relativos acima apontados, não se verifica a contração da preposição e o artigo, portanto o acento grave indicativo da crase não é admitido.

Exemplos

Havia qualquer problema com a tomada à que ligaram o aparelho. [Inadequado]
Havia qualquer problema com a tomada a que ligaram o aparelho. [Adequado]

[termo regente: ligar a] [termo regido: (a) tomada]

Era geniosa a funcionária à quem se reportava. [Inadequado]
Era geniosa a funcionária a quem se reportava. [Adequado] [termo regente: reportar-se a] [termo regido: (a) funcionária]

A mulher, à cuja filiação se unira, esgotava-se em lágrimas. [Inadequado]
A mulher, a cuja filiação se unira, esgotava-se em lágrimas. [Adequado]

…[termo regente: unir-se a]

…[termo regido: (a) filiação]

A crase e os nomes no plural

A crase não deve ser empregada junto a nomes apresentados na forma plural.

Nas orações em que aparecem um termo regido pela preposição “a” acompanhado de nomes no plural, não se verifica a contração da preposição e o artigo, portanto o acento grave indicativo da crase não é admitido.

Exemplos

Sempre que lembrava, dava contribuições à piadas grosseiras. [Inadequado]
Sempre que lembrava, dava contribuições a piadas grosseiras. [Adequado]

.[termo regente: dar (contribuições) a]

.[termo regido: piadas]

Quem ganhasse concorria à revistas em quadrinhos. [Inadequado]
Quem ganhasse concorria a revistas em quadrinhos. [Adequado] [termo regente: concorrer a]

.[termo regido: revistas]

Observe que esses nomes no plural não são determinados, porque a idéia indicada é de uma expressão genérica. Ao contrário, se os nomes no plural regidos pela preposição “a” são determinados (ou seja: especificados), o acento grave indicativo da crase deve ser empregado.

Exemplos

A freqüência dos alunos as aulas é facultativa. [Inadequado]

A freqüência dos alunos às aulas é facultativa. [Adequado] [termo regente: freqüência a] [termo regido: as aulas]

A crase e palavras repetidas

A crase não deve ser empregada entre palavras repetidas.

Nas orações em que aparecem palavras repetidas ligadas pelo “a”, não se verifica a contração da preposição e o artigo, portanto o acento grave indicativo da crase não é admitido. Isso se dá porque esse “a” presente entre as palavras repetidas é uma preposição somente, e não uma fusão de preposição e artigo (crase).

Exemplos

O manual explica passo à passo os procedimentos com a ferramenta. [Inadequado]
O manual explica passo a passo os procedimentos com a ferramenta. [Adequado]

Finalmente encontrávamos frente à frente na votação. [Inadequado]
Finalmente encontrávamos frente a frente na votação. [Adequado]

São exemplos de expressões ligadas pela preposição “a”:

passo a passo…
frente a frente…
gota a gota…
ponto a ponto…
de mais a mais…

A crase e as locuções conjuncionais

A crase deve ser empregada junto a algumas locuções conjuncionais.

Nas orações em que aparecem um termo regido pela preposição “a” acompanhado de locuções conjuncionais, o acento grave indicativo da crase é obrigatório. Isso, porém, só se dá se a palavra seguinte à locução for feminina e puder vir acompanhada por determinantes (artigo, por exemplo).

Na Língua Portuguesa somente duas locuções conjuncionais se enquadram nesse emprego da crase.

São elas: à medida que e à proporção que.

Exemplos

A dose do remédio diminuirá a medida que o problema seja reduzido . [Inadequado]
A dose do remédio diminuirá à medida que o problema seja reduzido. [Adequado]

O medo aumentava a proporção que a noite caía. [Inadequado]
O medo aumentava à proporção que a noite caía. [Adequado]

Observe que as palavras femininas que podem ser determinadas participam da locução conjuncional; ou seja, são as palavras “(a) medida” e “(a) proporção”.

A crase e as preposições

A crase não deve ser emprega da junto a algumas preposições.

Dois casos, no entanto, devem ser observados quanto ao emprego da crase. Trata-se das preposições “a” e “até” empregadas antes de palavra feminina. Essas únicas exceções se devem ao fato de ambas indicarem, além de outras, a noção de movimento. Por isso, com relação à preposição “a” torna-se obrigatório o emprego da crase, já que haverá a fusão entre a preposição “a” e o artigo “a” (ou a simples possibilidade de emprego desse artigo). Já a preposição “até” admitirá a crase somente se a idéia expressa apontar para movimento.

Exemplos

A entrada será permitida mediante à entrega da passagem. [Inadequado]
A entrada será permitida mediante a entrega da passagem. [Adequado]

Desde à assembléia os operários clamavam por greve. [Inadequado]
Desde a assembléia os operários clamavam por greve. [Adequado]

Os médicos eram chamados a sala de cirurgia. [Inadequado]
Os médicos eram chamados à sala de cirurgia. [Adequado]

…[termo regente: chamar a / “a” = preposição indicativa de movimento]

…[termo regido: (a) sala / “a” = artigo]

…[sala: palavra feminina]

Os escravos eram levados vagarosamente até a senzala.
Os escravos eram levados vagarosamente até à senzala.

…[termo regente: levar a / “a” = preposição indicativa de movimento]

…[termo regido: (a) senzala / “a” = artigo]

…[senzala: palavra feminina]

Observe que não foi apontado no exemplo (4) o uso inadequado e adequado das ocorrências de crase. Isso se dá porque atualmente no Brasil o emprego da crase diante da preposição “até” é facultativo.

A crase e os artigos

A crase não deve ser empregada junto a artigos, exceto junto ao artigo “a”.

Os artigos (o, a, um, uma e suas flexões) são palavras que determinam um nome; por isso serem chamados de determinantes. Eles podem ser apresentados na forma de contração, sendo a crase uma dessas formas. Isto é, a crase é a contração, numa única palavra, entre o artigo definido feminino “a” e a preposição “a”.

Antecedendo um artigo indefinido (um, uma, uns, umas) a crase não é admitida, uma vez que a palavra seguinte à preposição, mesmo que feminina, já está acompanhada de um determinante.

Exemplos

A homenagem está sendo entregue a a pesquisadora neste momento. [Inadequado]
A homenagem está sendo entregue à pesquisadora neste momento. [Adequado]

Você pode se dirigir à uma sala ao teu lado esquerdo. [Inadequado]
Você pode se dirigir a uma sala ao teu lado esquerdo. [Adequado]

Quando o termo “uma” é associada à palavra hora, ele funciona como um numeral e, nesse caso, deve-se empregar a crase.

Exemplos

Os ingressos esgotaram-se a uma hora do espetáculo. [Inadequado]
Os ingresso esgotaram-se à uma hora do espetáculo. [Adequado]

A crase e os verbos

A crase não deve ser empregada junto a verbos.

O fenômeno da crase existe quando há uma fusão (ou contração) entre a preposição “a” e o artigo definido feminino “a”. Logo, se a palavra seguinte à preposição “a” for um verbo, o acento grave indicativo da crase não é admitido.

Os verbos são palavras que não admitem determinantes (artigo, por exemplo). Como a condição básica da existência da crase é a referência (mesmo que implícita) do artigo definido feminino, diante de verbos a crase se torna absurda.

Exemplos

Aquilo dava à entender que realmente havia conflitos em família. [Inadequado]
Aquilo dava a entender que realmente havia conflitos em família. [Adequado]

O prefeito se propôs à estudar melhor o assunto. [Inadequado]
O prefeito se propôs a estudar melhor o assunto. [Adequado]

A crase e os pronomes de tratamento

A crase não deve ser empregada junto a pronomes de tratamento, exceto em alguns casos, como “senhora(s)”.

Nas orações em que aparece um termo regido pela preposição “a” acompanhado de pronomes de tratamento, o acento grave indicativo da crase não é admitido.

Exemplos

Eu só empresto meu livro à você se for realmente necessário. [Inadequado]
Eu só empresto meu livro a você se for realmente necessário. [Adequado]

…[termo regente: emprestar (o livro) a]

…[termo regido: você]

Essas homenagens são afetuosamente dedicadas à Vossa Excelência. [Inadequado]
Essas homenagens são afetuosamente dedicadas a Vossa Excelência. [Adequado]

…[termo regente: dedicar a]

…[termo regido: Vossa Excelência]

Os pronomes de tratamento em geral não admitem determinantes (artigo, por exemplo). Dessa forma, não é apresentada na oração a contração entre artigo e preposição, mas tão somente a preposição. Porém, alguns pronomes de tratamento, admitindo o determinante, exigem o acento grave indicativo da crase quando o termo regente pede a preposição “a”.

São esses pronomes: senhora(s), senhorita(s), dona(s), madame(s)

Exemplos

A correspondência é endereçada a madame. [Inadequado]
A correspondência é endereçada à madame. [Adequado]

…[termo regente: endereçar a]

…[termo regido: (a) madame]

Alguém explicou a senhora o funcionamento do programa? [Inadequado]
Alguém explicou à senhora o funcionamento do programa? [Adequado]

…[termo regente: explicar (o funcionamento…) a]

…[termo regido: (a) senhora]

A crase e os pronomes indefinidos

A crase não deve ser empregada junto a alguns pronomes indefinidos.

Os pronomes indefinidos são aqueles que apresentam, de um modo vago, os seres em terceira pessoa. (ex.: alguém falou; qualquer lugar; certas questões…). Tais quais os artigos, os pronomes indefinidos funcionam como determinantes, ou seja, apresentam, mesmo que indeterminadamente, um nome. Desta forma, eles não admitem um artigo antecedendo a palavra a qual acompanham (ex.: a alguém falou; um alguém falou).

Nas orações em que aparece o termo regido pela preposição “a” introduzindo um termo determinado por pronome indefinido, o acento grave indicativo da crase é dispensado.

Exemplos

Preocupado com as crianças, dirigia-se agora à toda escola que conhecia. [Inadequado]
Preocupado com as crianças, dirigia-se agora a toda escola que conhecia. [Adequado]

…[termo regente: dirigir-se a]

…[toda: pronome indefinido]

Sempre perguntava à outra enfermeira sobre qual o leito que lhe pertencia… [Inadequado]
Sempre perguntava a outra enfermeira sobre qual o leito que lhe pertencia. [Adequado]

…[termo regente: perguntar a]

…[outra: pronome indefinido]

A crase e a conjunção “caso”

O fenômeno da crase existe quando há uma fusão (ou contração) entre a preposição “a” e o artigo definido feminino “a”.

A crase não deve ser aplicada ao “a” que segue qualquer conjunção. Apesar disso, freqüentemente se observa o emprego da crase depois da conjunção caso.

Provavelmente, isso se dá por analogia a outros termos da língua, como as expressões “devido à”…, “relativo à” que admitem a crase.

Exemplos

Muitos ingressos irão faltar, caso à estréia seja adiada. [Inadequado]
Muitos ingressos irão faltar, caso a estréia seja adiada. [Adequado]

Caso às promessas sejam falsas, outras revoltas acontecerão. [Inadequado]
Caso as promessas sejam falsas, outras revoltas acontecerão. [Adequado]

É interessante notar, porém, que em casos de inversão dos termos de uma oração que contenha a conjunção caso, pode-se verificar o “a” craseado após a conjunção. Mesmo nesse caso, não se trata de a conjunção caso reger a preposição “a”, mas sim de inversão dos termos, em que um objeto indireto, por exemplo, é antecipado na oração.

Exemplo

Caso as ordens eu não me refira, lembrem-me, por favor. [Inadequado]
Caso às ordens eu não me refira, lembrem-me, por favor. [Adequado]

…[ordem linear: “Caso eu não me refira às ordens”]

…[às ordens: objeto indireto de “referir-se”]

A conjunção caso pode ser substituída pela conjunção “se”, pois ambas têm valor condicional. Por essa operação de substituição é possível ter clara a função da palavra caso e, conseqüentemente, confirmar o emprego inadequado da crase junto a essa palavra.

A crase e as palavras no plural

A crase no singular não deve ser empregada junto a palavras no plural.

O fenômeno da crase existe quando há uma fusão (ou contração) entre a preposição “a” e o artigo definido feminino “a”. Logo, se a palavra seguinte à preposição “a” for feminina, mas plural, o acento grave indicativo da crase é dispensado.

Outra opção de corretude da construção com a crase é apresentar a contração entre a preposição “a” e o artigo definido feminino plural “as” diante de palavras femininas no plural, resultando na forma “às”.

Exemplos

As mudanças propostas são pertinentes às caderneta de poupança. [Inadequado]
As mudanças propostas são pertinentes a caderneta de poupança. [Adequado]

Na verdade, as histórias de bruxas pertenciam a fantasias infantis. [Inadequado]
Na verdade, as histórias de bruxas pertenciam às fantasias infantis. [Adequado]

Uso da crase

O emprego da crase está sujeito a duas condições:

O termo regente deve exigir a preposição a

O termo regido deve ser:

palavra feminina que admita o artigo a(s)

pronome demonstrativo a(s), aquele(s), aquela(s), aquilo

Exemplos

Vou à escola.
Esta bolsa é igual à que você usava.
Nunca mais fui àquele cinema.

Nunca se usa crase antes de: Exemplos:
masculino bife a cavalo, entrega a domicílio.
verbo disposto a reagir.
pronomes (que não aceitem o artigo a(s)) Falei a cada prima. Dirigiu-se a ela.
Referia-me a esta moça. Parabéns a você.
expressões formadas por palavras repetidas gota a gota, face a face.
nomes de cidades sem determinação
(exceção: haverá crase, se o nome da cidade vier determinado)
Vou a Santos.
Vou à poluída Santos.
palavras no plural precedidas de a (no singular) Assisti a demonstração de carinho.
Sempre ocorre crase: Exemplos:
na indicação do número de horas à uma e meia, às nove.
quando há ou se pode subentender a palavra moda chapéu à gaúcha (à moda gaúcha),
sopa à calabresa (à moda calabresa).
nas locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas Às vezes choro. Acabou devido à falta de luz.
Saímos à medida que recebíamos.

Uso da crase com nomes de mulheres

O uso do acento indicativo de crase diante de nomes próprios de mulheres é tido como “facultativo”, embora não seja exatamente optativo. Usa-se o acento grave [à] diante de alguns nomes femininos, mas não diante de outros – isso é verdade. O que de fato demarca nossa opção é a possibilidade de ser o nome determinado por um artigo.

No Brasil, o uso do artigo diante de nomes de pessoas tem um caráter regionalista, e não só de familiaridade.

Em suma: se você costuma empregar o artigo definido diante de um nome de mulher, pode usar o “a craseado” quando a situação pedir (ou seja, quando a expressão ou verbo diante do nome exige a preposição

a). Assim, vejamos primeiramente o caso de pessoas a quem chamamos pelo primeiro nome:

Gosto de Beatriz
Penso em Rita
Contei a Beatriz o que falei a Rita
Gosto da Beatriz.
Penso na Rita.
Contei à Beatriz o que disse à Rita

Já quando se faz referência a nome e sobrenome, tão-somente a familiaridade é que vai determinar o uso do acento indicativo de crase:

1) a crase não ocorrerá se o nome da pessoa for mencionado formalmente ou se tratar de personalidade pública, pois nessas circunstâncias o nome da pessoa, seja homem ou mulher, nunca é precedido de artigo definido:

Referiu-se a Rachel de Queiroz. [cp. Gosta de Rachel de Queiroz]

Fizemos uma homenagem a Euclides da Cunha. [nunca “ao Euclides da Cunha”, pois gostamos de Euclides da Cunha]

Muitos fizeram elogios de última hora a FHC e a Ruth Cardoso.

2) a crase ocorrerá se, apesar do nome completo, a pessoa for referida com amizade, numa atmosfera afetiva. É muito comum este tipo de uso nos agradecimentos que se fazem em livros, teses e dissertações, situação que pela sua formalidade e tipo de divulgação comporta o nome completo das pessoas homenageadas, embora possam ser da intimidade do autor.

É importante que se mantenha a coerência: se o nome do homem é articulado [o / ao], também o da mulher deverá ser precedido de artigo [a / à].

Vejamos um exemplo real:

“Desejo externar os meus agradecimentos

ao Dr. Alceu Lima, por sua contribuição nesta pesquisa

ao Prof. Nilo Lima, pela dedicada orientação

à Profa. Maria Lima e Silva, por sua amizade
ao Renato Cruz e Sousa, pelo companheirismo

à Rejane Silva e Silva, pela revisão.”

Há igualmente a situação de nomes próprios (verdadeiros ou artísticos) de homens e mulheres famosos com os quais também se usa o artigo definido porque a fama implica uma pretensa familiaridade com a pessoa. No Sul, por exemplo, dizemos “Gosto da Gal Costa. Comprei um disco da Gal (Costa)”.

Portanto:

Refiro-me à Gal Costa.

Entretanto, quem diz “Gosto de Gal Costa. Comprei um disco de Gal”, deve escrever:

Refiro-me a Gal Costa.

Crase com pronomes demonstrativos

A crase também ocorre com os pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s) e aquilo. Isso acontece quando a expressão anterior é acompanhada da preposição a, que se aglutina ao a inicial desses pronomes. Pronuncia-se um a só.

Na escrita, também fica um a só, mas com acento grave:

Refiro-me a aquele homem
Refiro-me àquele homem
Refiro-me a aquela mulher
Refiro-me àquela mulher
Não me refiro a aquilo
Não me refiro àquilo

Analisemos a mesma frase com o uso dos outros pronomes demonstrativos.

Veremos que com eles a crase é impossível, pois não começam pela vogal a:

Não me refiro a isso, refiro-me a esta/essa questão, não me refiro a esse/este tema.

Muitas pessoas estranham o acento numa palavra masculina como “aquele”. Vale lembrar que a crase implica duas vogais idênticas, portanto o que conta é a fusão do a preposição com a letra a que dá início ao pronome.

Vejamos alguns exemplos:

Comprei um vaso semelhante àquele que recebi de presente o ano passado. > semelhante a + aquele
Todas as minhas porcelanas são iguais àquelas que vovó tinha. > iguais a + aquelas
Cumpre seu papel com respeito absoluto àquilo que de melhor lhe foi transmitido por seus pais. > respeito a + aquilo
Ganhei uma toalha idêntica àquela que me deste no Natal.
Todos os diretores devem ficar cientes. Comunique o fato primeiro àquele que você considera mais importante.
O plano é um desafio àquelas convenções estabelecidas no acordo.
Dirigiu-se àquela moça que vimos ontem no Jornal do Meio-Dia.
Agradeço a meus pais e àqueles que sempre confiaram em mim.
Sabes a quem vou escrever? Àquele amigo de infância que se mudou para Olinda quando estávamos na 6ª série.
Os recursos serão destinados somente àqueles empresários em dia com o IR.
Prefiro esta proposta àquela.
O auxílio-acidente será devido a partir do dia seguinte ao da cessação do auxílio-doença, quando este benefício anteceder àquele (Lei 8.213/91).
“A crase está relacionada a um substantivo feminino, como você já falou. Mas vi um à craseado na frente de um ‘que’. Está correto? A frase era assim: Espero que você compre uma peça idêntica à que você quebrou.”
Trata-se de caso raro; é uso correto. Na verdade, a crase aí ocorre não pelo pronome relativo QUE mas por causa de um substantivo feminino subentendido, que está oculto justamente porque se pretende evitar sua repetição:
Espero que você compre uma peça idêntica à (peça) que você quebrou.
Ganhou uma moto igual à que havia comprado um mês antes. [igual à (moto) que]
Disse que tinha amor à vida, “à que tinha antes do acidente”, frisou com pessimismo.

Fonte: Centro Educacional Columbia/www.profabeatriz.hpg.ig.com.br/www.enaol.com

Check Also

Sumário

Sumário, Associação Brasileira de Normas Técnicas, (ABNT), Visão, Deve Conter, Sumário

Normas da ABNT

Normas da ABNT, Regras, Trabalho, Científico, Acadêmico, Monografia, Padrão, Modelo, Documento, Formatação, Quais são, Normas da ABNT

Regras da ABNT

Regras da ABNT

Regras da ABNT, Normas, Trabalho, Associação Brasileira de Normas Técnicas, Tese, Documentos, Elementos, Regras da ABNT

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.