Breaking News
Home / Português / Hipótese

Hipótese

PUBLICIDADE

Definição de Hipótese

Hipótese é uma suposição feita com base em algumas evidências.

Este é o ponto inicial de qualquer investigação que traduza as questões de pesquisa em uma previsão.

Uma hipótese é uma declaração precisa e testável do que o(s) pesquisador(es) preveem que será o resultado do estudo.

Isso geralmente envolve a proposição de uma possível relação entre duas variáveis: a variável independente (o que o pesquisador muda) e a variável dependente (o que a pesquisa mede).

Na pesquisa, há uma convenção de que a hipótese é escrita em duas formas, a hipótese nula e a hipótese alternativa (chamada de hipótese experimental quando o método de investigação é um experimento).

Uma hipótese é uma proposição, ou conjunto de proposições, apresentada como uma explicação para a ocorrência de algum grupo específico de fenômenos, seja afirmada meramente como uma conjectura provisória para orientar a investigação (hipótese de trabalho) ou aceita como altamente provável à luz de fatos estabelecidos.

Na ciência, uma hipótese é uma ideia ou explicação que você testa por meio de estudo e experimentação. Fora da ciência, uma teoria ou suposição também pode ser chamada de hipótese.

Uma hipótese científica é o bloco de construção inicial do método científico. Muitos o descrevem como uma “suposição fundamentada”, baseada em conhecimento e observação anteriores. Embora isso seja verdade, a definição pode ser expandida. Uma hipótese também inclui uma explicação de por que a suposição pode estar correta, de acordo com a Associação Nacional de Professores de Ciências.

O que é uma hipótese?

Uma hipótese é uma explicação para um fenômeno que pode ser testado de alguma forma que, idealmente, o comprove ou refute.

Para a duração do teste, a hipótese é considerada verdadeira, e o objetivo do pesquisador é testar rigorosamente seus termos.

O conceito é uma parte muito importante do método científico e também é válido em outras disciplinas. Por exemplo, alguns historiadores levantaram a hipótese de que os julgamentos das bruxas de Salem foram provocados pelo consumo de grãos contaminados com ergot, resultando em uma histeria em massa.

Quando alguém formula uma hipótese, ele ou ela o faz com a intenção de testá-la, e ele ou ela não deve saber o resultado de testes potenciais antes que a hipótese seja feita.

Ao formular uma hipótese, os ideais do método científico são frequentemente mantidos em mente, por isso é projetado para ser testado de uma forma que poderia ser replicada por outras pessoas.

Também é mantido claro e simples, e a hipótese se baseia em informações e raciocínios conhecidos.

Uma hipótese não precisa estar certa ou errada, mas a pessoa que a formula precisa estar preparada para testar a teoria até seus limites.

Se alguém levantar a hipótese de que a exposição a X causa Y em ratos de laboratório, por exemplo, ele ou ela deve ver se a exposição a outras coisas também causa Y.

Quando os cientistas publicam resultados que suportam uma hipótese, eles frequentemente detalham as etapas que tomaram para tentar refutar assim como as etapas que o confirmaram, para tornar o caso ainda mais forte.

Em alguns casos, uma hipótese acaba se revelando errada, e isso é considerado perfeitamente aceitável, porque ainda promove a causa da ciência. No exemplo acima, por exemplo, ao mostrar que a exposição a X não causa Y, um cientista pode ilustrar que mais pesquisas sobre Y são necessárias. Neste exemplo, o fato de a hipótese estar errada não significa necessariamente que a substância X é segura, porque a substância X ainda pode causar outra coisa.

Também é possível que uma hipótese se torne inconclusiva após o teste. Isso pode ocorrer porque um cientista não tem as ferramentas necessárias para o teste, sugerindo que técnicas científicas avançadas poderiam ser usadas no futuro para testar a ideia.

Também pode ser o resultado de não haver informações suficientes ou uma hipótese simplesmente mal formulada e difícil de testar.

A evolução de uma hipótese

A maioria das hipóteses formais consiste em conceitos que podem ser conectados e seus relacionamentos testados. Um grupo de hipóteses se reúne para formar uma estrutura conceitual.

Conforme dados e evidências suficientes são reunidos para apoiar uma hipótese, ela se torna uma hipótese de trabalho, que é um marco no caminho para se tornar uma teoria.

Embora as hipóteses e teorias sejam frequentemente confundidas, as teorias são o resultado de uma hipótese testada. Embora as hipóteses sejam ideias, as teorias explicam as descobertas do teste dessas ideias.

Qual é a diferença entre uma teoria e uma hipótese?

Hipótese
Hipótese

Uma hipótese tenta responder a perguntas apresentando uma explicação plausível que ainda não foi rigorosamente testada.

Uma teoria, por outro lado, já passou por testes extensivos por vários cientistas e é geralmente aceita como uma explicação precisa de uma observação. Isso não significa que a teoria está correta; apenas que os testes atuais ainda não foram capazes de refutá-lo, e as evidências, como são entendidas, parecem apoiá-lo.

Uma teoria geralmente começa como uma hipótese – uma suposição educada para explicar o fenômeno observável. O cientista tentará abrir buracos em sua hipótese.

Se ela sobrevive às metodologias aplicadas da ciência, começa a assumir o significado de uma teoria para o cientista.

A próxima etapa é apresentar as descobertas à comunidade científica para mais testes independentes. Quanto mais uma hipótese é testada e sustentada, mais bem aceita ela se torna como teoria.

A teoria da evolução, por exemplo, é apoiada por uma pletora de evidências científicas na forma de dados de pesquisas cosmológicas, geofísicas e arqueológicas, para citar apenas alguns campos relevantes.

Os cientistas não apenas rastrearam a evolução das espécies por meio de registros esqueléticos, mas a própria Terra, nosso sistema solar, as estrelas e galáxias podem ser “datados” por meio de vários métodos científicos. Esta evidência parece rastrear o universo de cerca de 13,7 bilhões de anos até um evento “Big Bang”.

Embora pareça não haver fim para as evidências que sustentam a teoria da evolução, ainda é apenas uma teoria. As teorias, não importa quão bem aceitas, estão sempre sujeitas a mudanças à medida que novos conhecimentos vêm à tona.

A Teoria da Relatividade de Einstein, por exemplo, explicou o mundo em grande escala, mas quebrou quando se tratou do mundo do infinitesimalmente pequeno.

Esta famosa teoria foi aumentada mais recentemente pela teoria M das supercordas, que uniu muito bem as quatro forças conhecidas no universo em uma elegante equação matemática.

A teoria M prediz exoticamente que vivemos em um mundo de dez dimensões, mais uma para o tempo, para um total de 11 dimensões. Embora muitos aspectos da teoria M dificultem o teste, a perfeição matemática dessa teoria deu-lhe força nos círculos científicos.

Uma hipótese atual de grande importância é a da energia escura. Os cientistas podem calcular quanta massa está presente no universo, mas a matéria física – matéria feita de átomos – representa apenas 4% do total.

Acredita-se que a matéria escura compõe outros vinte por cento, deixando cerca de setenta e seis por cento sem explicação. Digite a energia escura hipoteticamente convocada para preencher a lacuna.

Existem alguns candidatos concorrentes para energia escura com pesquisas em andamento. No entanto, um dos problemas é a dificuldade em detectá-lo. Portanto, mesmo que sua interação com a gravidade em escala maciça seja suficiente para fazer com que o universo se expanda rapidamente, detectá-lo no laboratório é um pouco como verificar se há uma leve brisa usando um cata-vento cheio de buracos gigantescos. No entanto, à medida que os cientistas desvendam o mistério da massa perdida, a resposta um dia passará da mera hipótese à teoria geralmente aceita.

O que é a hipótese de interação?

hipótese de interação é um tipo de teoria que propõe que um dos métodos mais eficazes de aprender uma nova língua é por meio da interação pessoal e direta.

Esta teoria é aplicada especificamente à aquisição de uma língua estrangeira ou de uma segunda língua.

A hipótese de entrada afirma que um aluno de uma língua só precisa receber “entrada” por meio de formas de leitura, escuta de conversas e aulas de gramática e vocabulário. A hipótese de saída, por outro lado, enfatiza a importância de praticar e falar para reter e lembrar o idioma. A hipótese de interação combina tanto o “input” quanto o “output”, afirmando que a interação não é apenas um meio para o aluno estudar o idioma, mas também um meio para o aluno praticar o que aprendeu.

A Hipótese de Interação reconhece que durante as conversas, existem certas situações em que um participante não entende o que o outro diz, mas é nessas situações que o aprendizado se torna mais eficaz.

A teoria se refere a essa ocorrência como “negociação”, em que os participantes tentarão entender e reparar a falha de comunicação durante a interação.

O primeiro passo na negociação é a própria interação, quando ambos os participantes começam a conversar. A segunda etapa, o “feedback negativo”, ocorre quando um participante não entende uma determinada palavra, às vezes observada em uma ação não verbal, como franzir a testa. Em alguns casos, o outro participante pode solicitar esclarecimentos dizendo,

“Perdão?” ou “Você pode dizer isso de novo?” O processo em que o participante incompreendido se esforça para fazer o outro participante entender é chamado de “saída de modificação”.

O participante pode parafrasear ou dar exemplos para tornar o significado da palavra mais claro, até que o outro participante responda de forma afirmativa que ele entendeu.

A hipótese de interação sugere uma interação entre um aluno do segundo idioma e um falante nativo, para que o aluno possa estudar o idioma em seu ambiente mais autêntico. Dessa forma, o aluno não aprende apenas sobre a linguagem, mas também as nuances e outras dicas não-verbais que acompanham as palavras.

O que é uma hipótese quantitativa?

Hipótese
Hipótese

Uma hipótese quantitativa contém uma proposição nula e uma alternativa que é provada ou refutada por meio de análise estatística.

O processo especula que uma variável independente afeta uma variável dependente e um experimento é conduzido para ver se há uma relação entre as duas.

Esse tipo de hipótese é expresso em termos numéricos e possui regras e limites específicos. A hipótese nula é rejeitada ou aceita como resultado de dados estatísticos coletados durante um conjunto de experimentos.

Uma das principais diferenças entre uma hipótese qualitativa e uma quantitativa é que ela tem limites muito específicos. Um exemplo de hipótese nula pode ser “cinco horas adicionais de estudo por semana levam a uma média de notas mais alta em estudantes universitários”. A hipótese alternativa provavelmente declararia “cinco horas adicionais de tempo de estudo por semana não aumentam a média de notas dos estudantes universitários.” A fim de rejeitar ou aceitar a hipótese nula, os dados experimentais precisariam ser registrados durante um período de tempo especificado.

A maioria dos estudos que se propõem a testar uma hipótese quantitativa mede os dados com base na significância estatística, o que significa que há baixa possibilidade de erro.

No caso de provar ou refutar o efeito do tempo de estudo nas médias das notas dos estudantes universitários, um grupo de controle provavelmente seria testado.

Os comportamentos e ambientes desses grupos são geralmente controlados pelos pesquisadores. Os dados também seriam obtidos de um grupo de alunos cujos comportamentos e ambientes não foram controlados.

Visto que uma hipótese quantitativa e um estudo de pesquisa dependem de dados numéricos, os resultados de um experimento ou pesquisas são traduzidos em valores matemáticos. Por exemplo, muitos estudos de pesquisa de mercado usam escalas que atribuem um valor numérico a cada resposta. Uma resposta “concordo” pode corresponder ao número “4”, enquanto uma resposta “discordo” pode corresponder ao número “2”. Quando todo o feedback da pesquisa é registrado e analisado, uma porcentagem com base na quantidade total de respostas é atribuída a cada número.

A análise estatística é frequentemente usada para examinar os resultados de levantamentos e dados experimentais. Se a hipótese quantitativa é rejeitada ou aceita depende do resultado numérico da análise.

Por exemplo, se a média das notas deve ser de pelo menos 3,5 para provar que a quantidade de tempo de estudo tem um efeito direto, uma média de 3,45 resultaria na rejeição da hipótese quantitativa.

Fonte: www.simplypsychology.org/byjus.com/conjointly.com/www.sciencebuddies.org/www.wisegeek.org/Encyclopaedia Britannica/www.editage.com/www.livescience.com/www.dictionary.com/www.soas.ac.uk

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Topônimo

PUBLICIDADE Definição Topônimo é um nome derivado do nome de um lugar. Topônimo é o …

Estrofe

Estrofe

Estrofe é um conjunto de versos. E Verso é cada linha do poema. As estrofes são separadas por espaços ...

Redação no ENEM

Redação no Enem

A prova de redação exigirá de você a produção de um texto em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, sobre um tema ...