Breaking News
Home / Português / Vozes do Verbo

Vozes do Verbo

Vozes do Verbo – Língua Portuguesa

PUBLICIDADE

Na área gramatical da língua portuguesa, encontramos uma classe a qual é chamada de verbo, que especifica ações realizadas, e que dentre as outras existentes, é a que mais carrega consigo flexões, sendo elas de tempo, modo, pessoa, número e voz.

Destacando-se as vozes do verbo, é necessário saber que elas estão diretamente relacionadas ao modo como é apresentada na ação, determinada pelo verbo em relação ao sujeito.

Voz ativa

O sujeito é quem pratica ou participa da ação, ou seja, é o agente da ação verbal.

Exemplo:

João leu o jornal – João é o sujeito agente, aquele que praticou a ação de ler, e leu o jornal é o verbo na voz ativa.

Voz passiva

Professora com alunos na sala de aula.Nesta, a situação é contrária da voz ativa, ou seja, o sujeito recebe a ação expressa através do verbo, portanto, torna-se paciente.

Exemplo:

O jornal foi lido por João – o jornal é sujeito paciente, e foi lido por João é o verbo na voz passiva.

A voz passiva pode ser dividida em: sintética ou pronominal e analítica.

Voz passiva sintética ou pronominal

A composição da frase é de verbo transitivo direto em 3° pessoa + se + sujeito paciente.

Exemplo:

Alugam-se casas. – alugam-se é voz passiva sintética, e casas – sujeito paciente.

Voz passiva analítica

Professora ensinando aluno. Formada pelos verbos auxiliares ser e estar + particípio do verbo transitivo + agente da passiva.

Exemplo:

Jogos solidários foram realizados – jogos solidários equivale ao sujeito paciente, e foram realizados é voz passiva analítica.

Voz passiva reflexiva

A ação verbal é praticada e recebida pelo sujeito, ou seja, o sujeito é agente e paciente ao mesmo tempo.

Exemplo:

O garoto machucou-se – o garoto – sujeito agente, e machucou-se é verbo na voz reflexiva.

Voz reflexiva recíproco

Sujeito composto e verbo, existe indicação de que um elemento do sujeito realiza ação sobre o outro mutuamente.

Exemplo:

Aline e João se casaram. – sujeito composto, praticando a mesma ação.

Essas são as flexões de vozes do verbo existentes em nossa língua portuguesa.

Vozes do Verbo – Tipos

Vozes Verbais

Voz verbal é a flexão do verbo que indica se o sujeito pratica, ou recebe, ou pratica e recebe a ação verbal.

Voz Ativa

Quando o sujeito é agente, ou seja, pratica a ação expressa pelo verbo.

Exemplos:

O rapaz dançou muito na festa.
Érbio beijou sua namorada.
Janderlaine aplaudiu o cantor Belo.

Voz Passiva

Quando o sujeito é paciente, ou seja, sofre a ação verbal.

Voz Passiva Sintética

A voz passiva sintética é formada por verbo transitivo direto, pronome se (partícula apassivadora) e sujeito paciente.

Exemplos:

Vendem-se leitões.
Aluga-se sala comercial.
Consertam-se gaitas.

Voz Passiva Analítica

A voz passiva analítica é formada por sujeito paciente, verbo auxiliar SER + verbo principal no particípio (formando locução verbal) e agente da passiva.

Exemplos:

O cantor Belo foi aplaudido por Janderlaine.
As gaitas foram consertadas pelo técnico.
Joelma foi traída pela lua.

Voz Reflexiva

Há dois tipos de voz reflexiva:

Reflexiva

Será chamada simplesmente de reflexiva, quando o sujeito praticar a ação sobre si mesmo.

Exemplos:

Rutherfórdio feriu-se com a faca.
Os soldados ocultaram-se na mata.
A menina machucou-se.

Reflexiva recíproca

Será chamada de reflexiva recíproca, quando houver dois elementos como sujeito: um pratica a ação sobre o outro, que pratica a ação sobre o primeiro.

Exemplos:

Os noivos beijaram-se no casamento.
As motocicletas chocaram-se na pista.
Renato e Pedro amam-se.

Passos da Transformação Passiva

Para efetivar a transformação da ativa para a passiva, procede-se da seguinte maneira:

Passo 1: objeto direto vira sujeito
Passo 2: verbo Principal vai para o particípio
Passo 3: surge o verbo auxiliar ser, assumindo o mesmo modo e tempo do verbo principal
Passo 4: sujeito vira agente da passiva (passo não obrigatório)

Observe:

VOZ ATIVA

Vozes do Verbo

O passo 4 não é obrigatório quando, na voz ativa, o sujeito é indeterminado.

Observe:

Vozes do Verbo

Dica: a transformação da ATIVA -> PASSIVA sempre resultará no aumento de verbos (+1), pois surgirá o verbo auxiliar SER na composição da locução verbal

Voz do Verbo

Voz do verbo é a forma que este assume para indicar que a ação verbal é praticada ou sofrida pelo sujeito.

Três são as formas verbais: a ativa, a passiva, e a reflexiva.

A VOZ ATIVA

Um verbo está na voz ativa quando a flexão verbal nos indica que o sujeito é quem pratica a ação expressa pelo verbo, ou seja, ele é o agente da ação: Os jogadores ganharam o torneio.

O sujeito da oração é representado por: Os jogadores (foram eles que ganharam o torneio). São, portanto, os “agentes da ação expressa pelo verbo”. Se o sujeito é o agente da ação, a forma verbal [ganharam] está na voz “ativa”.

“O torneio” funciona como objeto do verbo e representa o “paciente da ação” na voz ativa.

De modo prático, a estrutura básica de uma oração na voz ativa se compõe de: Um sujeito agente + verbo de ação + objeto paciente.

Um ladrão + roubou + seu carro. – O caçador + abateu + a ave.
As doenças afligem o homem.
As águas isolavam as aldeias.
O pai acompanhava a noiva.

A VOZ PASSIVA

Um verbo está na voz passiva quando a flexão verbal nos indica que o sujeito é quem sofre a ação expressa pelo verbo: O torneio foi ganho pelos jogadores.

Jogadores, agora, expressa a ação verbal na voz passiva, por isso denominado agente da passiva.

É introduzido normalmente pela preposição [por], que pode vir combinadas com os artigos [o, os, a, as] nas contrações: pelo(s), pela(as).

Apesar das diferenças formais entre as vozes ativas e passivas, as orações continuam transmitindo a ideia de ação: “jogadores” continua o agente.

A nomenclatura gramatical considera duas estruturas possíveis para a voz passiva: a passiva analítica e a sintética ou pronominal.

1. A Passiva Analítica é formada normalmente pelo verbo auxiliar ser, estar, ficar, seguido do particípio do verbo principal:

O Homem é afligido pelas doenças.
A aldeia estava isolada pelas águas.
O jogador foi afastado pelo técnico.
A noiva vinha acompanhada pelo pai.
A gazela estava sendo devorada pelo leão.

A passiva analítica, de preferência com a omissão do agente da passiva, foi muito usada pela mídia, na ditadura militar, devido à censura.

A mídia precisava informar sem ferir a imagem do governo: “Policia Militar espanca trabalhadores”; tornava-se: “Trabalhadores são espancados”.

2. A Passiva Sintética ou Pronominal é formada por um verbo ativo (t. direto ou direto e indireto) na 3ª. pessoa, seguido de pronome [se] (apassivador): Vendem-se casas (Casas são vendidas = Ativa)

Organizou-se o campeonato.
Discutiram-se os programas.

NA REFLEXIVA a forma verbal indica que o ser representado pelo sujeito faz (agente) e recebe (paciente) a ação verbal.

Em outras palavras, ele ao mesmo tempo pratica e recebe a ação verbal: Carlos cortou-se com um canivete. A forma verbal cortou-se está na voz reflexiva, porque Carlos é, a um só tempo, agente e paciente, ou seja, ele praticou e recebeu a ação de cortar-se.

Na voz reflexiva, o verbo é sempre transitivo (direto ou direto e indireto) e tem como objeto um dos pronomes oblíquos átonos (pronomes reflexivos) me, te, se, nos, vos. Para sabermos se é reflexivo, basta acrescentar a mim mesmo, a ti mesmo, a si mesmo, a nós mesmos, a vós mesmos, respectivamente.

O verbo reflexivo é conjugado com os pronomes reflexivos:

Considera-te (a ti mesmo = objeto direto) aprovado?
O garoto feriu-se (a si mesmo = objeto direto).
O preso suicidou-se.
O coração nunca mais se (obj. direto) libertava do seu poder (obj. indireto)

Observações: os verbos dos exemplos não expressam, sozinhos, a reflexibilidade. Esta surge com a presença do pronome oblíquo átono da mesma pessoa do sujeito. O pronome substitui o ser que recebe a ação vinda do verbo.

Não se deve atribuir sentido reflexivo a verbos que designam sentimentos como: queixar-se, alegrar-se, arrepender-se, zangar-se, indignar-se e outros. A prova de que não são verbos reflexivos é que não se pode dizer.

Outros Exemplos:

O garoto magoou-se.
Nós nos perdemos na serra.

A Voz Reflexiva Recíproca denota reciprocidade, ação mútua ou correspondida. Os verbos, nesse caso, são usados, geralmente, no plural.

O pronome oblíquo corresponde a um ao outro, mutuamente:

Os Presidentes se cumprimentaram (mutuamente).
Amam-se (amam um ao outro) como irmãos.
Os dois pretendentes insultaram- (um ao outro, mutuamente) se.
Gustavo e Amanda se casaram.
Eles se amam muito.

O verbo é a classe gramatical que mais sofre flexões. Uma dessas flexões diz respeito à voz verbal, que é a forma como o sujeito se relaciona com o verbo e os  complementos deste.

Há três vozes verbais:

1) A voz ativa. Quando o sujeito é o agente da ação ou processo verbal.

Exemplos:

Roberto cortou a melancia. Quem cortou a melancia? Roberto.

2) Voz passiva. O sujeito sofre a ação verbal.

A voz passiva pode ser:

a) Analítica (verbo ser + particípio do verbo principal):
           A melancia foi cortada por Roberto.

Aqui se percebe que o objeto direto da oração do verbo na voz ativa se tornou o sujeito (paciente) na voz passiva. E que o sujeito da voz ativa se tornou o agente da passiva.

b) Sintética. A voz passiva é feita com o pronome SE (partícula apassivadora) em vez do verbo SER: Cortou-se a melancia.

03) Voz reflexiva. O sujeito pratica e sofre a ação expressa pelo verbo: Roberto cortou-SE.

Notas:

a) Só o verbo transitivo direto (ou direto e indireto) pode passar para voz passiva.

Vejamos por quê:

Antes de tudo, na voz passiva, é necessário um agente da passiva, que na voz ativa é o sujeito, e de um sujeito paciente, que na voz ativa é objeto direto.

Vamos tentar passar um verbo transitivo indireto (VTI)  para voz passiva:

Ele assiste ao filme (VTI).
Ao filme foi ‘assistido’ por ele (errado). Inclusive a oração fica sem sentido.

Tentemos a voz passiva sintética:

Assiste-se ao filme. Temos aí um sujeito indeterminado. O SE é índice de indeterminação do sujeito.
Em ambos os casos, teríamos um sujeito preposicionado, o que é proibido por lei municipal, estadual e federal.
Eu gosto de abacaxi.
De abacaxi eu sou gostado (errado). Uma aberração!
Gosta-se de abacaxi. Outra vez temos um sujeito indeterminado.
Eu dei o picolé a Luiz.
O picolé foi dado a Luiz
Deu-se o picolé a Luiz.

DAR é um verbo transitivo direto e indireto. Assim, ele pode passar para voz passiva, como vimos.

Resumindo: Só se pode passar para a voz passiva o VTD ou o VTDI. O VTI não é possível.

b) Não confundir SE, partícula apassivadora, com SE, índice de indeterminação do sujeito.

Uma das maneiras de se  indeterminar o sujeito, é usar o verbo na terceira pessoa do singular, na voz ativa, acompanhado do pronome SE.

E isso só ocorre com os verbos intransitivos, os transitivos indiretos, e os de ligação:

Morre-se fácil aqui (Verbo Intransitivo)
Precisa-se de encanadores (Verbo Transitivo Indireto).
Em uma sala de cirurgia, sempre se fica tenso (Verbo de Ligação).
Já o SE, partícula apassivadora, o verbo, na voz passiva, pode estar no singular ou plural em concordância com o sujeito. Aliás, essa é uma das dicas de como saber  se o pronome SE é ou não partícula apassivadora: Se o verbo estiver no singular, passa-se para o plural, se o verbo flexionar-se, é partícula apassivadora:  Cortou-se a melancia. Cortaram-se as melancias.

c) Se houver dúvida se um pronome é ou não reflexivo, basta substituí-lo pela expressão A SI MESMO. Se puder, trata-se de um pronome reflexivo: Ele cortou-se. Ele cortou a si memo.

d) Para se formar a voz passiva analítica nunca se usa como auxiliar os verbos TER e HAVER. Então, quando em uma locução verbal estiverem como verbo auxiliar um desses dois verbos, já se sabe que se trata de um tempo composto e a locução está na voz ativa. Os principais auxiliares da voz passiva é SER e ESTAR (este muito mais raro).

D) Como vimos, o tipo de relação (de atividade, passividade, ou de ambas) do sujeito e seu verbo é o que chamamos de VOZ. Há um caso particular de voz reflexiva: A reflexiva recíproca, quando, num caso de sujeito composto, um age sobre o outro (ou outros) de modo recíproco: Beijaram-se Natan e sua namorada.

E) O uso de uma ou de outra voz não é totalmente indiferente:

Quando se usa a voz ativa se tenciona enfatizar o agente da ação. Na voz passiva, o destaque é para a ação. Em não havendo o desejo  consciente de se enfatizar a ação, somos mais diretos, concisos, objetivos e claros, usando a voz ativa.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/www.graudez.com.br/br.geocities.com

Veja também

Normas da ABNT

Normas da ABNT, Regras, Trabalho, Científico, Acadêmico, Monografia, Padrão, Modelo, Documento, Formatação, Quais são, Normas da ABNT

Regras da ABNT

Regras da ABNT

Regras da ABNT, Normas, Trabalho, Associação Brasileira de Normas Técnicas, Tese, Documentos, Elementos, Regras da ABNT

Sumário

Sumário, Associação Brasileira de Normas Técnicas, (ABNT), Visão, Deve Conter, Sumário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.