Breaking News
Home / Português / Pontuação

Pontuação

Pontuação – Sinais

PUBLICIDADE

O emprego adequado dos sinais de pontuação é de fundamental importância para o sentido de uma frase.

Particularmente o emprego da vírgula requer cuidados especiais, devido à sua multiplicidade de aplicações e efeitos.

I – VÍRGULA: assinala uma pequena pausa.

1 – Usa-se entre os termos da oração:

a – Separando elementos de mesma função sintática, normalmente assindéticos:

Os livros, os cadernos, os lápis e as borrachas estão sobre a mesa.

Se a conjunção e se repete, a vírgula também deve ser repetida:

Comprou sapatos, e bolsa, e meias.

b – Assinalando a supressão do verbo:

No céu, as estrelas.

c – Separando adjuntos adverbiais antecipados, isto é,  colocados antes do verbo:

Neste momento, o pelotão se pôs em fuga.

d – Separando o aposto explicativo:

Jorge Amado, autor de Jubiabá, é um excelente romancista.

e – Separando o vocativo: Não toque nesses doces, menina!

f – Separando datas de localidades: São Paulo, 24 de setembro de 2009.

g – Separando expressões de caráter explicativo como: por exemplo, ou seja, isto é, etc.

h – Separando uma conjunção colocada no meio da oração:

Ela virá. Não se sabe, contudo, quando.

i – Separando objetos pleonásticos: O relógio, guardo-o no bolso do colete.

2 – Usa-se entre orações:  

a –  Separando as orações coordenadas assindéticas:  Pare, olhe, siga.

b – Separando as orações coordenadas sindéticas, exceto as ligadas pela conjunção e: Vá, mas volte sempre.

c – Separando as orações coordenadas sindéticas, ligadas pela conjunção e, de sujeitos diferentes: Ele foi ao Japão, e ela à Itália.

d – Separando as orações adverbiais; principalmente quando antepostas à oração principal: Quando saístes, ela chegou.

e – Separando orações adjetivas explicativas:  O homem, que é mortal, retorna ao pó.

f –  Separando as orações reduzidas adverbiais, adjetivas explicativas e substantivas apositivas: Saciada a sede, contou-nos  a aventura.

g – Separando as orações intercaladas: Cério, afirmou Antônio, que este é um caso perdido.

3 – Não se usa vírgula:

a – Entre sujeito e predicado: Os pequenos irmãos de Zulmira destruíram meu jardim.

b – Entre verbo e seus complementos: Entreguei o presente ao aniversariante.

c – Entre o nome e seus adjuntos e complementos nominais: A minha maio necessidade é de que você me compreenda.

d – Entre a oração principal e a subordinada substantiva (que não seja apositiva): Todos querem que você se saia bem no teste.

II – PONTO: Assinala o final de uma frase, uma pausa um pouco mais demorada de voz, devendo os períodos seguintes permanecer  à mesma linha  de pensamento.

A menina abriu os olhos pasmada. Suavemente avisado,  o cachorro estacou diante dela. Sua língua vibrava. Ambos se olhavam. (Clarice Lispector)

III – Ponto-final: Assinala a passagem de um grupo de idéias a outro de natureza diversa:

        A monarquia se enterrava. Revogou-se, portanto, o exílio dos Braganças, trouxeram-me para cá  os ossos do velho monarca e de sua esposa. E recebeu-se e recebeu-se a visita do Rei Alberto, a quem ofereceram festas magníficas.

         As finanças do Brasil não iam mal, permitiam despesas de vulto. Iniciaram-se então as obras contra a seca do Nordeste, que logo foram interrompidas. ( Graciliano Ramos)

IV –  Ponto de interrogação:  Usa-se nas interrogações diretas:

Fazer o quê? O vazamento se dava entre o soalho e o forro, não havia acesso possível. Onde descobrir um bombeiro em Londres, num sábado à noite? ( Fernando Sabino)

V- Ponto de exclamação: Usa-se nos enunciados de entonação exclamativa, depois de interjeições, vocativos,  apóstrofes ou verbos no imperativo:

Que bela vitória!  / Ó jovens! Lutemos!  / Oh! Meus amores!

VI – Ponto e vírgula: Sinal intermediário entre vírgula e ponto. Observa-se a tendência, entre os escritores modernos, de usar o ponto onde normalmente se usava o ponto e vírgula.

É usado geralmente:

a – Separando orações coordenadas assindéticas  de maior extensão: Creio que todos chegarão cedo; o avião decolou no horário previsto.

b – Separando, numa série, elementos que já  estão anteriormente separados por vírgulas: Encontramos na reunião: José, o presidente; Pedro, o vice;  Carlos, o primeiro secretário;  Francisco, o tesoureiro; e outros convidados.

c – Separando  orações  ligadas pelas conjunções: por conseguinte, portanto, contudo, entretanto, consequentemente: Nós não conseguimos esperar; contudo, afirmava-se que eles não demorariam.

VII – Dois pontos: Empregam-se os dois pontos:

a – Antes de uma citação: Vejamos o que nos diz Gilberto Freire: “(….) a arquitetura doméstica no Brasil está em fase de transição patriarcal para sua adaptação a circunstâncias pós-patriarcais”.

b – Antes da enumeração de uma série de itens: A dupla articulação da linguagem caracteriza-se: a) pela combinação e b) pela comutação.

c – Entre duas afirmativas, quando a segunda explica ou esclarece a primeira: Todos sabiam: ele não seria eleito.

VIII – Reticências: Usam-se reticências para:

a – Marcar uma interrupção na frase. Indicando que foram suprimidas algumas palavras: Vou contar aos senhores (…) principiou Alexandre amarrando o cigarro de palha. (G. R.)

b – Exprimir dúvida: Meu irmão, tipo sério, responsabilidades. Ele, a camisa; eu, o avesso.  Meio burguês, metido a sensato. Noivo…  (Manoel da Fonseca)

IX – Travessão:  Marca nos diálogos, a mudança de interlocutor:

Quais são os símbolos da Pátria?
Que pátria?
Da nossa pátria, ora bolas!  (Paulo Mendes Campos)

Serve para isolar palavras ou frases, destacando-as:

Mesmo com o tempo revoltoso – chovia parava, chovia, parava outra vez… – a claridade devia ser suficiente p’ra mulher ter avistado mais alguma coisa. ( Mário Palmério)

X – Parênteses:  Empregam-se os parênteses:

a – Nas indicações bibliográficas: “Sede assim qualquer coisa serena, isenta, fiel.” (MEIRELES, Cecília. Flor de poemas. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1972, p. 109)

b – Nas indicações cênicas dos textos teatrais: Mãos ao alto! (João automaticamente levanta as mãos, com os olhos fora das órbitas. Amália se volta.) (G. Figueiredo)

c – Quando se intercala num texto uma idéia ou indicação acessória: (…) e a jovem (ela tem dezenove anos) e o jovem poderia mordê-lo, morrendo de fome. (Clarice Lispector)

d – Para isolar orações intercaladas:

Estou certo que eu (se lhe ponho
Minha mão na testa alçada)
Sou eu para ela. ( Manoel Bandeira)

XI – Aspas:  São empregadas:

a – Para marcar citações: Eu vejo todo mundo cantando assim na televisão: “Salve lindo pendão da esperança, salve símbolo augusto da paz…” (José Carlos de Oliveira)

b – Para assinalar palavras ou expressões que pertençam a um nível de linguagem diferente do empregado: gírias, estrangeirismos, arcaísmos, neologismos, etc.: “October sigh”: Toda ela resplandece e triunfa no sossego da casa (…) (José Cardoso Pires)

c – Para dar ênfase a determinada palavra ou expressão: Ivo tentava se convencer da impossibilidade de acreditar na “ Providência Divina” (…) (Octávio de Faria)

Pontuação – Sinais Gráficos

Também conhecidos como “Sinais Gráficos”, uma vez que acompanham a grafia, servem para pontuar as frases e orações, auxiliando na comunicação de modo a lhe atribuírem entonação e significado.

1 – Vírgula: Utilizado em diferentes casos, como:

a) Separação de enunciados

Ex.: Comprei: lápis, borracha, régua e caderno

b) Separar a expressão de chamamento; o vocativo {pessoa a quem se destina o pedido expresso}

Ex.: Joana, traga-me um café.
Não faça isso, meu filho.

c) Separa expressões explicativas, retificativa tipo: isto é, por exemplo, a saber, ou seja, como vê, aliás,

Ex.: Siga para o Sr. Jairo, isto é, o diretor.

d) Separar localidade da data.

Ex.: Belém, 23 de maio de 2000.

e) Separa nome da rua do número da casa.

Ex.: Rua da Orquídea, n° 61.

f) Separar todas as conjunções coordenativas {mas; porém; contudo; entretanto; no entanto; todavia; pois; por conseguinte; segundo; com exceção de [e] e [nem]}

Ex: Fui, mas não comprei nada.
Vimos a ti, todavia por obrigação.

g) Separar aposto {palavra que serve como apelido, alcunho do ser em questão}

Ex.: Ana, a baixinha, estava te procurando.

h) Separar orações adjetivas explicativas.

Ex.: Jaime que é o melhor aluno da 5ª série, está doente.

i) Separar elementos paralelos de um provérbio.

Ex: Tal pai, tal filho

j) Depois do {sim} e do {não} usados nas respostas.

Ex: Sim, irei ao baile.

2 – Ponto-e-vírgula:

Marca pausa menor que o ponto e maior que a vírgula.

Usados comumente em:

a) Separação de artigos de leis.

Ex.: Não matarás;
Não desobedecerás a pai e mãe;

b) Separar frases que denotem sentido oposto

Ex.: O remédio cura; o veneno mata.

c) Separar nomes de mesmo sentido, e independentes. [sinonímia]

Ex.: Preto: crioulo; negro; escuro; moreno; mestiço; africano

3 -Dois Pontos:

É usado antes de enumeração.
Ex:
Vi tudo: dança, suor e cerveja.

Antes de exemplos.

Ex: São acentuadas: José; médico e lâmpada.

4 – Ponto de Interrogação:

Utilizado nas orações interrogativas diretas.
Ex:
Aonde você vai?

5 – Ponto de Exclamação:

Utilizado em finais de frases exclamativas.
Ex:
Como isso é lindo!
Utilizado nas interjeições e locuções interjetivas.
Ex:
Oh! Que belo dia!

6 – Parênteses:

Tem como função:

a) Intercalar um comentário do texto: “O primeiro beijo (convém sabê-lo) não é dado com a boca, mas com os olhos”.
b) Separar indicações bibliográficas: Ex
: “A vida se resulta num turbilhão de coisas boas, mas todos sabem que também se inclui no montante, a morte”.(Heraldo Meirelles, Pensamentos, p.12, Belém –Pará, 1999).

7 – Aspas:

a) Utilizadas no fim e no começo de citações alheias.

Ex: “Se casamento não fosse um negócio, não precisaria de testemunha”.

b) Para indicar estrangeirismo; neologismo; gíria.

Ex: Estamos no “hall” do hotel.

“Falô, bicho!”.

c) Para indicar casos de ironia

Ex: Mas que “gracinha”. Quantos zeros no boletim!

8 – Travessão:

Usado no discurso direto, indicando a fala do personagem.

Ex: — Aonde você vai?

— Para um lugar tranqüilo.

9 – Reticências:

Usados para indicar suspensão ou interrupção de pensamento voluntário ou involuntário.

Ex: Você é um f…
A vida é amor, sonho, mentira…

10 – Ponto:

Utilizado para determinar o fim de um período, comumente chamado de [seguida, parágrafo, final].

Seguida: Quando há uma continuidade do mesmo assunto ou tema.

Ex: Maria gostava de mingau. Ela preferia com canela.

Parágrafo: Quando há mudança de assunto; tempo; localidade.

Ex: O elefante é um paquiderme.

O homem é um primata.

Final: Quando encerra, termina a escrita.

Ex: Era só o que tinha pra falar.

Pontuação – Tipo

Aspas

Quando a pausa coincide com o final da expressão ou sentença que se acha entre aspas, coloca-se o competente sinal de pontuação depois delas, se encerram apenas uma parte da proposição; quando, porém, as aspas abrangem todo o período, sentença, frase ou expressão, a respectiva notação fica abrangida por elas.

“Aí temos a lei”, dizia o Florentino. “Mas quem as há de segurar? Ninguém.” (RUI BARBOSA) “Mísera! tivesse eu aquela enorme, aquela Claridade imortal, que tôda a luz resume!” “Por que não nasci eu um simples vaga-lume?” (MACHADO DE ASSIS)

Parênteses

Quando uma pausa coincide com o início da construção parentética, o respectivo sinal de pontuação deve ficar depois dos parênteses; mas, estando a proposição ou a frase inteira encerrada pelos parênteses, dentro deles se põe a competente notação:

“Não, filhos meus (deixai-me experimentar, uma vez que seja, convosco, êste suavíssimo nome); não: o coração não é tão frívolo, tão exterior, tão carnal, quanto se cuida.” (RUI BARBOSA)

“A imprensa (quem o contesta?) é o mais poderoso meio que se tem inventado para a divulgação do pensamento.” (CARLOS DE LAET)

Travessão

Emprega-se o travessão, e não o hífen, para ligar palavras ou grupos de palavras que formam, pelo assim dizer, uma cadeia na frase:

O trajeto Mauá–Cascadura; a estrada de ferro Rio–Petrópolis; a linha aérea Brasil–Argentina; o percurso Barcas–Tijuca, etc.

Ponto-final

Quando o período, oração ou frase termina por abreviatura, não se coloca o ponto-final adiante do ponto abreviativo, pois êste, quando coincide com aquêle, tem dupla serventia.

Ex.:“O ponto abreviativo põe-se depois das palavras indicadas abreviadamente por suas iniciais ou por algumas das letras com que se representam: v.g.: V. S.a, Il.mo, Ex.a, etc.” (Dr. ERNESTO CARNEIRO RIBEIRO)

Sinais de Pontuação – Vírgula

A vírgula nas intercalações

Essa tua voz esganiçada, por exemplo, é insuportável…
E esse teu nariz, se tu queres saber, está além das medidas…
Ele se julgava um herói, quero dizer, uma espécie de super-homem.
O rapaz ficou cansado, ou melhor, dormiu sobre os livros…
Falou durante duas horas; ninguém, contudo, o entendeu.
Marilda, a elegante secretária, deu-se mal com os computadores.
Expedito, funcionário preguiçoso, corre o risco de ser demitido.
Roberval, rapaz de sorte, conquistava todos os prêmios…
Ele, apesar das manias, não era um mau funcionário.

Vírgula separando termos independentes

Viu o príncipe encantado,
ficou deslumbrada,
apaixonou-se perdidamente,
decepcionou-se,
chorou….
Trabalhou duro,
prosperou; o vizinho, porém, preguiçoso, imprevidente, fracassou…

Vírgula separando adjuntos e orações subordinadas adverbiais

Adjuntos Adverbiais

.De repente, a vimos, ao longe, entre as nuvens… Era uma bruxa sinistra, montada num cabo de vassoura

Para vencer a crise, ele trabalhava até altas horas da noite, embora fosse muito grande o cansaço. orações adverbiais
Esperemos que o galho não se parta. Antes da conjunção integrante não se usa vírgula.

Vírgula indicando inversões, elipses e separando topônimos e numerais

Aos que vivem com mau-humor, tudo lhes desagrada. inversão
Para vencer a crise, ele trabalhava até altas horas da noite, embora fosse muito grande o cansaço. orações adverbiais
O crocodilo o devorará, se ele cair? oração adverbial Esperemos que o galho não se parta. Antes da conjunção integrante não se usa vírgula.

Vírgula indicando inversões, elipses e separando topônimos e numerais

Aos que vivem com mau-humor, tudo lhes desagrada. inversão
Na balança, uns curtem tristeza; outros, alegria. elipse do verbo

Vírgula antes da conjunção E

Preparou-se, estudou com muito empenho, e a professora o reprovou.
Começou na firma como humilde contínuo, trabalhou com empenho, recebeu sucessivas promoções, e conseguiu o posto de diretor administrativo.
“E esperou meia hora, e esperou uma hora, e duas horas, e ele não veio…” (Fernando Sabino)
E indaga, e investiga, e vira, e revira, e torna a procurar, mas nada acha…

Ponto e vírgula

Observe a modulação da voz, indicada pela linha sob a frase:

Pontuação

Ler em voz alta, mostrando pela modulação especial da voz, as pausas diferentes que distinguem a vírgula, o ponto e vírgula e o ponto final:

1. “Finalmente, vão os bons para o céu; os maus, para o inferno.” (Vieira)

2. Lendo-os com atenção, sente-se que Vieira, ainda falando o céu, tinha os olhos nos seus ouvintes; Bernardes, ainda falando das criaturas, estava absorto no Criador.” (A. F. de Castilho)

Dois pontos

Muito formal, a diretora da firma insistiu: V. Sa. está praticamente falido, sem garantias, não pode solicitar empréstimo…

Calor insuportável: tudo seco, parado e morto.

Finalmente o esperado pelas crianças: Papai Noel chegou. Trouxe tudo: bonecas, carrinhos, bolas, jogos de todos os tipos.

Travessão

“- Agora, o melhor – falou Fred, entusiasmado – vem por aí. – O quê? – perguntou a garota. – A correnteza nos está levando para a ilha.” (Ernst Hemingway)

“Bem feliz quem ali pode nest’hora Sentir deste painel a majestade!… Embaixo – o mar… em cima – o firmamento… E no mar e no céu – a imensidade!” (Castro Alves)

Pontuação – Sinal

Parênteses

Este sinal () é usado em orações intercaladas e incidentes: “Corri ao ilustre ateniense, para levantá-lo, mas (com dor o digo) era tarde: estava morto, morto pela segunda vez.” (Machado de Assis, Uma visita de Alcibíades.) O acordo de 1943 diz que o sinal de pontuação deve marcar-se depois dos parênteses, sempre que a pausa coincidir com o início da oração incidente. Mas quando a frase inteira ou qualquer unidade se achar encerrada pelos parênteses, coloca-se dentro destes a pontuação competente. Portanto, não há simultaneamente pontos-finais antes e depois dos parênteses. Havendo um ponto antes, o seguinte virá antes do segundo parêntese.

Pontuação com ETC.

Etc. é abreviatura da expressão latina et cetera (ou caetera) que significa ‘e outras coisas’, ‘e outros’, ‘e assim por diante’: Comprou livros, revistas, etc.

Pontuação nos títulos e cabeçalhos

Todos os cabeçalhos e títulos são encerrados por pontos-finais. Não há uniformidade quando ao uso desta pontuação, mas é de bom tom seguir o que determina a ortografia oficial vigente. Isso embora muita gente considere mais estético não pontuar títulos. Em jornalismo, por exemplo, não se usa a pontuação de titulação.

Ponto de exclamação

Quase sempre desnecessário em texto jornalístico. Só deve ser usado em declarações enfáticas, e sempre entre aspas.

Ponto-e-vírgula

Indica pausa maior que a vírgula e menor que o ponto.

Emprega-se nos seguintes casos:

A) para separar orações coordenadas não unidas por conjunção, que guardem relação entre si: a represa está poluída; os peixes estão mortos.

B) para separar orações coordenadas, quando pelo menos uma delas já tem elementos separados por vírgula: o resultado final foi o seguinte: 20 deputados votaram a favor da emenda; 39, contra.

C) para separar os diversos itens de uma enumeração, principalmente quando há vírgulas em seu interior: Compareceram ao evento: Herbert de Souza, o Betinho, cientista social; Paulo Santos, historiador; Marcos Tavares, economista, e Antônio Rocha, cientista político.

Travessão

O travessão (-) não passa de um hífen prolongado e tem os seguintes empregos:

1) liga palavras ou grupos de palavras que formam encadeamentos vocabulares: O percurso Rio – São Paulo. A estrada de ferro Rio Grande do Sul – São Paulo.
2)
substitui parênteses, vírgulas e dois pontos em alguns casos: “…vendo naquela paz de claustro católico como um recanto da pátria recuperada – o abrigo e a consolação – rolaram-me das pálpebras duas lágrimas mudas.” (Eça de Queiroz, O Mandarim.)
3)
indica dialogação, mudança de interlocutor: “Imagino Irene entrando no céu: – Licença, meu branco! E São Pedro bonachão: – Entra, Irene. Você não precisa pedir licença.” (Manuel Bandeira, Irene no Céu.)
4)
evita a repetição de um termo já mencionado: Assis (Joaquim Maria Machado de -)
5)
dá ênfase e realce à palavra ou pensamento que segue: “Só há um caminho para a conquista da natureza, dos homens, de si mesmo: – saber. Não há outro meio de o conseguir: – querer. (Afrânio Peixoto)

Vírgulas

Como as pessoas erram demais neste ponto, vamos repetir aqui as regras gerais já deixadas na redação do GAB-COM.

Devemos usar vírgulas para:

1 – Separar palavras da mesma classe.

Exemplo: “A casa tem três quartos, dois banheiros, três salas e um quintal”.

2 – Para separar vocativos.

Exemplo: “Minha filha, não seja precipitada.”

3 – Para separar apostos.

Exemplo: “Brasília, Capital da República, foi fundada em 1960.”

4 – Para separar palavras e expressões explicativas, retificativas ou continuativas.

Exemplos: “Gastamos R$ 1 mil, isto é, tudo o que tínhamos”. “Ela não pôde vir, ou melhor, não quis vir”. “Quer dizer que você, então, não mais verá o Festival de Monólogos?”

5 – Para separar orações coordenadas assindéticas.

Exemplo: “O tempo não pára no porto, não apita na curva, não espera ninguém.”

6 – Antes de todas as conjunções coordenativas, menos e e nem aditivas (o e, quando equivale a mas, exige anteposição de vírgula).

Exemplos: “Eu queria falar, mas não conseguia”. “Cumprimos nossa obrigação, logo nada temos a temer” . “Não chore, que será pior.”

7 – Depois do elemento coordenativo e correlativo de não só.

Exemplo: “Lars Grael não só pediu, mas exigiu Justiça.”

8 – Para separar todas as conjunções adversativas e conclusivas no meio da frase.

Exemplo: “Estou triste; não estou, porém, decepcionado.”

9 – Antes da conjunção e, quando os sujeitos forem diferentes.

Exemplo: “O homem vendeu o carro, e a mulher protestou.” No caso, “homem” é sujeito de “vendeu”, e “mulher” é sujeito de “protestou”.

10 – Antes de e e nem repetidos.

Exemplos: “Ele chegou, e gritou, e esbravejou, e esperneou, e morreu.” Ela não é lindíssima, nem elegante, nem inteligente, nem educada, mas é a mais nova loura do Tcham.”

11 – Para separar o nome da localidade, nas datas.

Exemplo: “Vitória, 5 de junho de 2000.”

12 – Depois de qualquer termo da oração que apareça fora do seu lugar normal.

Exemplo: “As laranjas, você chegou a comprar?”

13 – Para separar qualquer oração que venha antes ou no meio da principal.

Exemplos: “Quando o prefeito voltar, avise-nos imediatamente”. “O artista que ficou satisfeito com a sua obra, faltou à vocação”.

14 – Para separar orações adverbiais explicativas.

Exemplo: “Vitória, que é Capital do Espírito Santo, é conhecida como Cidade Presépio.”

15 – Para separar adjuntos adverbiais longos.

Exemplo: “ Depois de algumas semanas de trabalho árduo, voltamos para casa.”

16 – Para separar todas as palavras repetidas e também indicar omissão de verbos facilmente subentendidos.

Exemplos: “Mulheres, mulheres, mulheres, quantas mulheres?” Ou então: “Carmen ficou alegre; eu, muito triste.”

Sinal e Utilização

Ponto (.)

Usa-se no final do período, indicando que o sentido está completo e nas abreviaturas (Dr., Exa., Sr.); marca uma pausa absoluta

Vírgula (,)

Marca uma pequena pausa.

É usada para separar: o aposto; o vocativo; o atributo; os elementos de um sintagma não ligados pelas conjunções e, ou, nem; as coordenadas assindéticas não ligadas por conjunções; as orações relativas; as orações intercaladas; as orações subordinadas e as adversativas introduzidas por mas, contudo, todavia e porém.

Ponto e vírgula (;)

Sinal intermédio entre o ponto e a vírgula que indica que a frase não está finalizada.

Usa-se: em frases constituídas por várias orações, algumas das quais já contêm uma ou mais vírgulas; para separar frases subordinadas dependentes de uma subordinante; como substituição da vírgula na separação da oração coordenada adversativa da oração principal.

Dois pontos (:)

Marcam uma pausa e anunciam: uma citação; uma fala; uma enumeração; um esclarecimento; uma síntese

Ponto de interrogação (?)

Usa-se no final de uma frase interrogativa directa e indica uma pergunta

Ponto de exclamação (!)

Usa-se no final de qualquer frase que exprime sentimentos, emoções, dor, ironia e surpresa

Reticências (…)

Marcam uma interrupção na frase indicando que o sentido da oração ficou incompleto

Aspas (“…”)

Usam-se para delimitar citações; para referir títulos de obras; para realçar uma palavra ou expressão

Parênteses (…)

Marcam uma observação ou informação acessória intercalada no texto

Parágrafo (§)

Constitui cada uma das secções de frases de um escrito; começa por letra maiúscula, um pouco além do ponto em que começam as outras linhas.

Travessão (-)

Marca o início e o fim das falas, no diálogo para distinguir cada um dos interlocutores; as orações intercaladas; as sínteses no final de um texto. Substitui os parênteses.

Fonte: linguaeliteratura.kit.net/www.academia.org.br/www.hildebrando.com.br/www.priberam.pt

Veja também

Normas da ABNT

Normas da ABNT, Regras, Trabalho, Científico, Acadêmico, Monografia, Padrão, Modelo, Documento, Formatação, Quais são, Normas da ABNT

Sumário

Sumário, Associação Brasileira de Normas Técnicas, (ABNT), Visão, Deve Conter, Sumário

Regras da ABNT

Regras da ABNT

Regras da ABNT, Normas, Trabalho, Associação Brasileira de Normas Técnicas, Tese, Documentos, Elementos, Regras da ABNT

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.