Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Pronome Oblíquo  Voltar

Pronome Oblíquo

 

Os pronomes pessoais oblíquos são indicados para uso sintático de objetos.

Os pronomes o, a, os, as são utilizados para substituir o objeto direto. Já os pronomes lhe, lhes substituem o objeto indireto.

Os demais pronomes oblíquos átonos (me, te, se, nos e vos) tanto podem ser empregados para substituir objeto direto quanto indireto. Neste último caso, deve-se analisar a transitividade verbal para classificar o complemento.

Exemplos

Emprestei-o

O assunto interessa-lhe

Telefonou-me

Convidaram-nos

Cabe também destacar que com a utilização dos pronomes como objeto indireto a preposição não aparece, dificultando um pouco a análise.

Exemplos

Comprei um presente a ela = comprei-lhe um presente

Pronome Oblíquo - O que é

Pronome pessoal do caso oblíquo é aquele que, na sentença, exerce a função de complemento verbal, ou seja, objeto direto ou objeto indireto.

Sendo um pronome ele carrega consigo as características próprias a essa classe gramatical, ou seja, é uma palavra que pode:

Substituir um nome

Qualificar um nome

Determinar a pessoa do discurso

Em verdade, o pronome oblíquo é uma forma variante do pronome pessoal do caso reto.

Essa variação na forma do pronome indica tão somente a função diversa que eles desempenham na oração: pronome reto marca o sujeito da oração; pronome oblíquo marca o complemento verbal da oração.

Os pronomes oblíquos sofrem variação de acordo com a acentuação tônica que possuem.

Dessa forma eles podem ser:

Pronome oblíquo átono

São chamados átonos os pronomes oblíquos cuja acentuação tônica é fraca.

Os pronomes oblíquos apresentam flexão de número, gênero e pessoa, sendo essa última a principal flexão porque marca a pessoa do discurso. Dessa forma, o quadro dos pronomes oblíquos átonos é assim configurado:

1ª pessoa do singular (eu): me

2ª pessoa do singular (tu): te

3ª pessoa do singular (ele, ela): o, a, lhe

1ª pessoa do plural (nós): nos

2ª pessoa do plural (vós): vos

3ª pessoa do plural (eles, elas): os, as, lhes

O lhe é o único pronome oblíquo átono que já se apresenta na forma contraída, ou seja, houve a união entre o pronome o ou a e preposição a ou para. Por acompanhar diretamente uma preposição, o pronome lhe exerce sempre a função de objeto indireto na oração. Os demais pronomes átonos em geral funcionam como objeto direto.

Pronome oblíquo tônico

São chamados tônicos os pronomes oblíquos cuja acentuação tônica é forte.

Os pronomes oblíquos apresentam flexão de número, gênero (apenas na 3ª pessoa) e pessoa, sendo essa última a principal flexão porque marca a pessoa do discurso.

Dessa forma, o quadro dos pronomes oblíquos tônicos é assim configurado:

1ª pessoa do singular (eu): mim, comigo

2ª pessoa do singular (tu): ti, contigo

3ª pessoa do singular (ele, ela): ele, ela

1ª pessoa do plural (nós): nós, conosco

2ª pessoa do plural (vós): vós, convosco

3ª pessoa do plural (eles, elas): eles, elas

Os pronomes oblíquos tônicos sempre acompanham uma preposição, em geral as preposições a, para, de e com. Por esse motivo os pronomes tônicos exercem a função de objeto indireto da oração.

Observe que as únicas formas próprias do pronome tônico são a primeira pessoa (mim) e segunda pessoa (ti). As demais repetem a forma do pronome pessoal do caso reto.

A forma contraída dos pronomes tônicos (comigo, contigo, conosco e convosco) é obrigatória na construção dos pronomes de 1ª e 2ª pessoas do singular e do plural. As terceiras pessoas do singular e plural, por possuírem uma forma iniciada por vogal (ele, por exemplo), se apresentam separadas da preposição "com" (com ele, com elas e etc.).

Os pronomes oblíquos tônicos contraídos (contigo, por exemplo) freqüentemente exercem a função de adjunto adverbial de companhia (ex.: Ele carregava este nome consigo).

Formas especiais do pronome oblíquo

O pronome oblíquo, quando exerce a função de objeto direto, adquire formas especiais conforme a posição que ocupa na sentença. Isso, porém, só é válido para os pronomes oblíquos de terceira pessoa do singular e do plural.

Quando o pronome oblíquo estiver antes do verbo (próclise, as formas utilizadas são as padrões: o, a, os, as.

Quando o pronome oblíquo estiver depois do verbo (ênclise), as formas do pronome variam de acordo com o verbo que acompanham.

São duas as terminações verbais que comandam a forma do pronome oblíquo enclítico:

1. verbos terminados em -r, -s ou –z acrescenta-se " " antes da forma do pronome (-lo, -la, -los, -las).

Exemplo:

Todos podiam fazer o exercício em casa. Todos podiam fazer-o em casa. [Inadequado] Todos podiam fazê-lo em casa. [Adequado]

2. verbos terminados em ditongo nasal (-am, -em, -ão e -õe) acrescenta-se "-n" antes da forma do pronome (-no, -na, -nos, -nas).

Exemplo:

Eles tinham aquela criança como filha rebelde. Eles tinham-a como filha rebelde. [Inadequado] Eles tinham-na como filha rebelde. [Adequado]

O pronome em início de sentenças

O pronome reto (eu, tu, ele e etc.) ocupa sempre a posição de sujeito da oração. Já o pronome oblíquo (me, te, o, se e etc.) exerce a função de objeto da oração, complementando o verbo transitivo. Como é papel do sujeito iniciar uma sentença, o pronome oblíquo não deve ocupar essa posição inicial.

Embora seja correto o emprego do pronome oblíquo antes do verbo (próclise), se o verbo estiver iniciando sentença é aconselhável o emprego do pronome depois do verbo (ênclise).

Exemplos:

Te censuraram em público. [Inadequado] Censuraram-te em público. [Adequado]

Me passa o sal, por favor!. [Inadequado] Passa-me o sal, por favor!. [Adequado]

O pronome e o objeto direto

O objeto direto é formado por um nome, em geral um substantivo. Esse nome pode vir substituído por um pronome. Quando isso ocorre, o pronome empregado deve ser o pronome oblíquo (me, te, o, se e etc.).

O pronome reto (eu, tu, ele e etc) ocupa sempre a posição de sujeito da oração. Cabe, portanto, ao pronome oblíquo exercer a função de objeto da oração, complementando o verbo transitivo.

Exemplos:

Ela queria o prêmio para si. Ela queria ele para si. [Inadequado]

Ela o queria para si. [Adequado]

...[ela = pronome reto = sujeito da oração]

...[o = pronome oblíquo = objeto direto da oração]

Chamaram Maria de santa. Chamaram ela de santa. [Inadequado]

Chamaram-na de santa. [Adequado]

...[sujeito indeterminado do verbo "chamar"]

...[na = pronome oblíquo = objeto direto da oração]

Fonte: www.graudez.com.br/www.nilc.icmc.usp.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal