Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  coesão  Voltar

Coesão



1. Que é coesão?

Leia o texto a seguir completando mentalmente as lacunas

1. O papa João Paulo II disse ontem, dia de seu 77º aniversário, que seu desejo 2. é "ser melhor". ................. reuniu-se na igreja romana de Ant'Attanasio com 3. um grupo de crianças, uma das quais disse: "No dia do meu aniversário 4. minha mãe sempre pergunta o queeu quero.E você, o que quer? ................. 5. respondeu: "Ser melhor". Outro menino perguntou a ..................... que 6. presente gostaria de ganhar neste dia especial. "A presença das crianças me 7. basta", respondeu ............................ . Em seus aniversários, ............... 8. costuma compartilhar um grande bolo, preparado por irmã Germana, sua 9. cozinheira polonesa, com seus maiores amigos, mas não sopra as velinhas, 10. pois este gesto não faz parte das tradições de seu país, a Polônia. Os 11. convidados mais freqüentes a compartilhar nesse dia a mesa com................ 12. no Vaticano são o cardeal polonês André Marie Deskur e o engenheiro 13. Jerzy Kluger, um amigo judeu polonês de colégio. Com a chegada da 14. primavera, .............. parece mais disposto. .............. deve visitar o Brasil na 15. primeira quinzena de outubro.

Agora complete as lacunas com

     Como você pode constatar, a palavra "papa" foi substituída várias vezes pelas palavras e expressões acima indicadas. Essas substituições evitam a repetição pura e simples da mesma palavra e propiciam o desenvolvimento contínuo ou o encadeamento semântico do texto, na medida em que se recupera numa frase ou passagem um termo ou idéia presente em outra.      O pronome "seu(s)" (linhas 1 e 7) também recupera semanticamente a expressão "papa João Paulo II", assim como "este gesto" recupera "sopra as velinhas"; "nesse dia", o "dia do aniversário do Papa".      Assim, um texto não é uma unidade constituída por uma soma de sentenças ou por um amontoado caótico de palavras e frases. Os enunciados, os segmentos do texto estão estritamente interligados entre si; há conexão entre as palavras, entre as frases, entre os parágrafos e as diferentes partes. Há encadeamento semântico.      Diz-se, pois, que um texto tem COESÃO quando seus vários elementos estão organicamente articulados entre si, quando há concatenação entre eles.

2. Mecanismos de coesão

A língua possui amplos recursos para realizar a coesão. Eis os principais. 2.1 Coesão por referência Exemplo: João Paulo II esteve em Porto Alegra. Aqui, ele disse que a Igreja continua a favor do celibato. Onde "aqui" retoma "Porto Alegre", e "ele" retoma "João Paulo II".      Os elementos de referência não podem ser interpretados por si mesmos; remetem a outros itens do texto, necessários a sua interpretação.      São elementos de referência os pronomes pessoais (ele,ela, o, a, lhe, etc.), possessivos (meu, teu, seu, etc.), demonstrativos (este, esse aquele, etc.) e os advérbios de lugar (aqui, ali, etc.). 2.2 Coesão por elipse Exemplo: João Paulo II esteve em Porto Alegre. Aqui, disse que a Igreja continua a favor do celibato.      Onde = a João Paulo II, ou seja, o leitor, ao ler, ao ler o segmento B, se depara com o verbo disse e, para interpretar seu sujeito, tem que voltar ao segmento A e descobrir que quem disse foi João Paulo II. 2.3 Coesão lexical      2.3.1 Coesão lexical por sinônimo Exemplo: João Paulo II esteve em Porto Alegre. Na capital gaúcha, o papa disse que a Igreja continua a favor .... Onde "Porto Alegre" = "capital gaúcha" e 'João Paulo II" = "papa"      A coesão lexical permite àquele que escreve manifestar sua atitude em relação aos termos, Compare as versões: João Paulo II esteve em Porto Alegre. Aqui, Sua Santidade disse que a Igreja ... João Paulo II esteve ontem em Varsóvia. Lá, o inimigo do comunismo afirmou ...      Rui Barbosa, na sua magistral conferência sobre Oswaldo Cruz, em 1917, nos dá lições acabadas da arte da sinonímia.

Santo Presente
(Zero Hora, 19/05/1997)
Para dizer febre amarela, por exemplo, empregou todas estas expressões sinônimas: vômito negro, a praga amarela, estigma desastroso, contágio brasileiro, o mesmo flagelo, germe amarílico, a tenaz endemia, a prega, a terrível doença, o contágio homicida, calamidade exterminada, a devoradora calamidade, a maligna enfermidade, essa desgraça, a terrível coveira, infecção xantogênica, esse contagio fatal ... nada menos que dezessete formas e recursos para evitar a repetição enfadonha. Referindo-se aos ratos, eis a série por ele excogitada: rataria, rasteira e abjeta família, esses vilíssimos roedores, essa espécie roaz, ralé inumerável, raça insaciável dos murídeos. Mencionando o fato da morte assim resolve Rui o problema da não repetição de termos: a cólera-mórbus deu morte ... a peste negra roubou 25 milhões de indivíduos à Europa ... dessa calamidade apenas escaparam um terço dos habitantes ... o número dos sepultados excede o dos sobreviventes ... de vinte mal se salvam duas pessoas ... no Hotel-Dieu expiram quinhentos ... para servirem de sepulcrário aos corpos que nos cemitérios já cabem ... Paris registra cinqüenta, Londres cem mil óbitos ... A Itália perde a metade de sua população ... vinte cinco milhões, pelo menos, desaparecem ... se diz haver arrebatado ao gênero humano cem milhões de vidas. Onze recursos de sinonímia num trecho de 34 linhas apenas! (LEITE, Ulhoa Cintra Marques. "Novo Manual de Redação e Estilo", Rio de Janeiro, 1953)

 

A substituição de um nome próprio por um nome comum se processa muitas vezes mediante a antonomásia. Trata-se de um recurso que expressa um atributo inconfundível de uma pessoa, de uma divindade, de um povo, de um país ou de uma cidade.

Veja os exemplos.

Castro Alves - O Poeta dos Escravos Gonçalves Dias - O Cantor dos Índios José Bonifácio - O Patriarca da Independência Simon Bolívar - O Libertador Rui Barbosa - O Águia de Haia Jesus cristo - O Salvador, o nazareno, o Redentor Édipo - O Vencedor da Esfinge Átila - O Flagelo de Deus Aquiles - O Herói de Tróia D. Quixote - O Cavaleiro de Triste Figura Cuba - A Pérola das Antilhas Veneza - A rainha do Adriático Jerusalém - O Berço do Cristianismo Egito - O Berço dos Faraós Ásia - O Berço do Gênero Humano Leônidas - O Herói das Termópilas Sólon - O Legislador de Atenas Moisés - O Legislador dos Judeus Hipócrates - O Pai da Medicina Heródoto - O Pai da História José de Alencar - O Autor de Iracema Raimundo Correa - O Autor de As Pombas Vênus - A Deusa da Beleza

     2.3.2 Coesão lexical por hiperônimoe      Muitas vezes, neste tipo de coesão, utilizamos sinônimos superordenados ou hiperônimos, isto é, palavras que correspondem ao gênero do termo a ser retomado. Exemplo:

                    Gênero Mesa          ® móvel Faca          ® talher Termômetro ® instrumento Computador ® equipamento Enceradeira ® eletrodoméstico

Exemplo: Acabamos de receber 30 termômetros clínicos. Os instrumentos deverão ser encaminhados ao Departamento de Pediatria.      2.3.3 Coesão lexical por repetição do mesmo item Exemplo: O papa viajou pelo Brasil. O papa reuniu nas capitais grande multidão de admiradores. 2.4 Coesão por substituição      A coesão por substituição consiste na colocação de um item num lugar de outro segmento. Exemplo: O papa ajoelhou-se. As pessoas também. O papa é a favor do celibato. Mas eu não penso assim. O papa ajoelhou-se. Todos fizeram o mesmo.

3. Observação de textos

Melhor do que teorizar sobre o assunto, com definições e classificações, é OBSERVAR os textos, conforme convicção exposta no capítulo "Como desenvolver a competência textual", que embasa a proposta deste "Guia de Produção Textual". A melhor escola é a leitura inteligente de textos modelares.

3.1 Leia o texto a seguir completando mentalmente as lacunas.

Uma cocheira para dois
David Coimbra - (Zero Hora, 28/3/1996)
Algumas pessoas têm a sensibilidade de um cavalo. São poucas, porém. Nem todas demonstram tanta ternura quanto ...................... que se equilibram sobre quatro ferraduras. E às vésperas de um grande acontecimento do mundo ...... , como o GP Bento Gonçalves do próximo domingo, eles se tornam ainda mais dados a melindres, tais são os mimos que lhes dispensam cavalariços, proprietários, jóqueis e treinadores. ........... são carentes. Nada pior para eles do que a solidão. Precisam de uma companhia. Qualquer uma. Outros ......... , se possível. Não sendo, se contentam com uma ovelha, um galo-de-briga, até um radinho de pilha. Em último caso, serve um espelho para lhes dar a ilusão de que não estão sós no escuro da cocheira. O ........ inglês Dani Angeli, três anos de idade, se afeiçoou especialmente a uma .................. que vive no Grupo de Cocheiras Clóvis Dutra, na Vila Hípica do Cristal. Quando ............ não está por perto, ................ fica inquieto. Não dorme sem ela. Uma noite longe da ............... significa uma noite de insônia, de ranger nostálgico de dentes e patadas nervosas na forragem que lhe serve como leito. Ao raiar da manhã, o cavalariço o encontra irreconhecível, estressado, incapaz de enfrentar um dia de trabalho ............... e a ovelhinha dormem juntos, passeiam diariamente lado a lado e até quando ele viaja para disputar alguma prova fora do Estado ela precisa ir junto. Sem .................... Dani Angeli não é ninguém.

 

3.2 Agora observe os mecanismos de coeão.      3.2.1 - Coesão lexical por sinônimos

     3.2.2 - Coesão lexical por repetição do mesmo item

     3.2.3 - Coesão lexical por referência

     3.2.4 - Coesão por elipse      * Identifique os elipses em

- Precisam de uma companhia - ... se contentam com uma ovelha ... - ... não estão sós no escuro da cocheira - Não dormem sem ela - ... passeiam diariamente lado a lado

3.3 Complete mentalmente as lacunas do texto a seguir

Erva e marimbondos

(Zero Hora, 18/04/1996)
A rainha e princesas da Feira Nacional do Chimarrão, de Venâncio Aires, animaram a manhã do presidente do Senado, José Sarney, ontem. .................... é convidado especial da Fenachim, que se realiza de 3 a 12 de maio. Ciceroneadas pelo governador Antônio Britto, ................. entregaram um pacote de boa erva ao .......... . Não será de grande proveito. Natural do Maranhão e eleito pelo Amapá, ...................... está mais acostumado com água de coco.

 

3.4 Agora, complete as lacunas com

- o primeiro - o segundo - ambos - um e outro - Tanto o rei do crime em Chicago - o ex-presidente - Capone - Collor - legendário Scarface - gânster

3.5 Observe, finalmente, o terceiro texto completando as lacunas com

- Ribamar - O autor de "Marimbondos de Fogo" - ex-presidente da República - as beldades

Fonte: www.pucrs.br

Coesão

A sua redação, seja ela dissertativa, descritiva ou narrativa, deve primar, como se sabe, pela clareza, objetividade, coerência e coesão. E a coesão, como o próprio nome diz ( coeso significa ligado), é a propriedade que os elementos textuais têm de estar interligados. De um fazer referência ao outro. De o sentido de um depender da relação com o outro. Preste atenção a este texto, observando como as palavras se comunicam, como dependem uma das outras.

São Paulo: Oito pessoas morrem em queda de avião

Das Agências

Cinco passageiros de uma mesma família, de Maringá, dois tripulantes e uma mulher que viu o avião cair morreram 

Oito pessoas morreram (cinco passageiros de uma mesma família e dois tripulantes, além de uma mulher que teve ataque cardíaco) na queda de um avião (1) bimotor Aero Commander, da empresa J. Caetano, da cidade de Maringá (PR). O avião (1) prefixo PTI-EE caiu sobre quatro sobrados da Rua Andaquara, no bairro de Jardim Marajoara, Zona Sul de São Paulo, por volta das 21h20 de sábado. O impacto (2) ainda atingiu mais três residências.

Estavam no avião (1) o empresário Silvio Name Júnior (4), de 33 anos, que foi candidato a prefeito de Maringá nas últimas eleições (leia reportagem nesta página); o piloto (1) José Traspadini (4), de 64 anos; o co-piloto (1) Geraldo Antônio da Silva Júnior, de 38; o sogro de Name Júnior (4), Márcio Artur Lerro Ribeiro (5), de 57; seus (4) filhos Márcio Rocha Ribeiro Neto, de 28, e Gabriela Gimenes Ribeiro (6), de 31; e o marido dela (6), João Izidoro de Andrade (7), de 53 anos.  

Izidoro Andrade (7) é conhecido na região (8) como um dos maiores compradores de cabeças de gado do Sul (8) do país. Márcio Ribeiro (5) era um dos sócios do Frigorífico Naviraí, empresa proprietária do bimotor (1). Isidoro Andrade (7) havia alugado o avião (1) Rockwell Aero Commander 691, prefixo PTI-EE, para (7) vir a São Paulo assistir ao velório do filho (7) Sérgio Ricardo de Andrade (8), de 32 anos, que (8) morreu ao reagir a um assalto e ser baleado na noite de sexta-feira.

O avião (1) deixou Maringá às 7 horas de sábado e pousou no aeroporto de Congonhas às 8h27. Na volta, o bimotor (1) decolou para Maringá s 21h20 e, minutos depois, caiu na altura do número 375 da Rua Andaquara, uma espécie de vila fechada, próxima à avenida Nossa Senhora do Sabará, uma das avenidas mais movimentadas da Zona Sul de São Paulo. Ainda não se conhece as causas do acidente (2). O avião (1) não tinha caixa preta e a torre de controle também não tem informações. O laudo técnico demora no mínimo 60 dias para ser concluído.

Segundo testemunhas, o bimotor (1) já estava em chamas antes de cair em cima de quatro casas (9). Três pessoas (10) que estavam nas casas (9) atingidas pelo avião (1) ficaram feridas. Elas (10) não sofreram ferimentos graves. (10) Apenas escoriações e queimaduras. Elídia Fiorezzi, de 62 anos, Natan Fiorezzi, de 6, e Josana Fiorezzi foram socorridos no Pronto Socorro de Santa Cecília.

Vejamos, por exemplo, o elemento (1), referente ao avião envolvido no acidente. Ele foi retomado nove vezes durante o texto. Isso é necessário à clareza e compreensão do texto. A memória do leitor deve ser reavivada a cada instante. Se, por exemplo, o avião fosse citado uma vez no primeiro parágrafo e fosse retomado somente uma vez, no último, talvez a clareza da matéria fosse comprometida.

E como retomar os elementos do texto? Podemos enumerar alguns mecanismos:

a) REPETIÇÃO: o elemento (1) foi repetido diversas vezes durante o texto. Pode perceber que a palavra avião foi bastante usada, principalmente por ele ter sido o veículo envolvido no acidente, que é a notícia propriamente dita. A repetição é um dos principais elementos de coesão do texto jornalístico fatual, que, por sua natureza, deve dispensar a releitura por parte do receptor (o leitor, no caso). A repetição pode ser considerada a mais explícita ferramenta de coesão. Na dissertação cobrada pelos vestibulares, obviamente deve ser usada com parcimônia, uma vez que um número elevado de repetições pode levar o leitor à exaustão.

b) REPETIÇÃO PARCIAL: na retomada de nomes de pessoas, a repetição parcial é o mais comum mecanismo coesivo do texto jornalístico. Costuma-se, uma vez citado o nome completo de um entrevistado - ou da vítima de um acidente, como se observa com o elemento (7), na última linha do segundo parágrafo e na primeira linha do terceiro -, repetir somente o(s) seu(s) sobrenome(s). Quando os nomes em questão são de celebridades (políticos, artistas, escritores, etc.), é de praxe, durante o texto, utilizar a nominalização por meio da qual são conhecidas pelo público. Exemplos: Nedson (para o prefeito de Londrina, Nedson Micheletti ); Farage (para o candidato à prefeitura de Londrina em 2000 Farage Khouri ); etc. Nomes femininos costumam ser retomados pelo primeiro nome, a não ser nos casos em que o sobrenomes sejam, no contexto da matéria, mais relevantes e as identifiquem com mais propriedade.

c) ELIPSE: é a omissão de um termo que pode ser facilmente deduzido pelo contexto da matéria. Veja-se o seguinte exemplo: Estavam no avião (1) o empresário Silvio Name Júnior (4), de 33 anos, que foi candidato a prefeito de Maringá nas últimas eleições; o piloto (1) José Traspadini (4), de 64 anos; o co-piloto (1) Geraldo Antônio da Silva Júnior, de 38 . Perceba que não foi necessário repetir-se a palavra avião logo após as palavras piloto e co-piloto . Numa matéria que trata de um acidente de avião, obviamente o piloto será de aviões; o leitor não poderia pensar que se tratasse de um piloto de automóveis, por exemplo. No último parágrafo ocorre outro exemplo de elipse: Três pessoas (10) que estavam nas casas (9) atingidas pelo avião (1) ficaram feridas. Elas (10) não sofreram ferimentos graves. (10) Apenas escoriações e queimaduras. Note que o (10) em negrito, antes de Apenas , é uma omissão de um elemento já citado: Três pessoas . Na verdade, foi omitido, ainda, o verbo: (As três pessoas sofreram) Apenas escoriações e queimaduras .

d) SUBSTITUIÇÕES: uma das mais ricas maneiras de se retomar um elemento já citado ou de se referir a outro que ainda vai ser mencionado é a substituição, que é o mecanismo pelo qual se usa uma palavra (ou grupo de palavras) no lugar de outra palavra (ou grupo de palavras). Confira os principais elementos de substituição:

- Pronomes: a função gramatical do pronome é justamente substituir ou acompanhar um nome. Ele pode, ainda, retomar toda uma frase ou toda a idéia contida em um parágrafo ou no texto todo. Na matéria-exemplo, são nítidos alguns casos de substituição pronominal: o sogro de Name Júnior (4), Márcio Artur Lerro Ribeiro (5), de 57; seus (4) filhos Márcio Rocha Ribeiro Neto, de 28, e Gabriela Gimenes Ribeiro (6), de 31; e o marido dela (6), João Izidoro de Andrade (7), de 53 anos. O pronome possessivo seus retoma Name Júnior (os filhos de Name Júnior ...); o pronome pessoal ela , contraído com a preposição de na forma dela , retoma Gabriela Gimenes Ribeiro (e o marido de Gabriela ...). No último parágrafo, o pronome pessoal elas retoma as três pessoas que estavam nas casas atingidas pelo avião: Elas (10) não sofreram ferimentos graves .

Veja outros exemplos de substituição pronominal:

a) Muitos brasileiros estavam assistindo à corrida, mas isso não bastou para que Rubinho vencesse a prova (o pronome demonstrativo isso retoma a idéia, expressa anteriormente, de que muitos brasileiros estavam assistindo corrida). Veja mais sobre os pronomes isso, isto, esse , etc. no tópico Este ou Esse? Eis a questão (em Dicas e Curiosidades );

b) Em época de fim de ano, as pessoas que trabalham com carteira assinada recebem o 13° salário, o que aquece a economia do país (o pronome demonstrativo o retoma o fato de as pessoas trabalharem com carteira assinada);

c) (...) Sérgio Ricardo de Andrade (8), de 32 anos, que (8) morreu ao reagir a um assalto e ser baleado na noite de sexta-feira (o pronome relativo que retoma Sérgio Ricardo de Andrade - Sérgio Ricardo de Andrade morreu ao reagir a um assalto...);

d) A Jonas Ricardo foram atribuídas atitudes violentas. Segundo sua esposa, ele a agrediu na última segunda-feira... (o pronome pessoal ele retoma Jonas Ricardo ; o pronome pessoal a retoma sua esposa ); etc.

- epítetos: são palavras ou grupos de palavras que, ao mesmo tempo que se referem a um elemento do texto, qualificam-no. Essa qualificação pode ser conhecida ou não pelo leitor. Caso não seja, deve ser introduzida de modo que fique fácil a sua relação com o elemento qualificado.

Exemplos:

a) (...) foram elogiadas pelo por Fernando Henrique Cardoso. O presidente, que voltou há dois dias de Cuba, entregou-lhes um certificado... (o epíteto presidente retoma Fernando Henrique Cardoso ; poder-se-ia usar, como exemplo, sociólogo );

b) Edson Arantes de Nascimento gostou do desempenho do Brasil. Para o ex-Ministro dos Esportes, a seleção... (o epíteto ex-Ministro dos Esportes retoma Edson Arantes do Nascimento ; poder-se-iam, por exemplo, usar as formas jogador do século , número um do mundo , etc.

- Sinônimos ou quase sinônimos: palavras com o mesmo sentido (ou muito parecido) dos elementos a serem retomados. Exemplo: O prédio foi demolido às 15h. Muitos curiosos se aglomeraram ao redor do edifício, para conferir o espetáculo ( edifício retoma prédio . Ambos são sinônimos).

- Nomes deverbais: são derivados de verbos e retomam a ação expressa por eles. Servem, ainda, como um resumo dos argumentos já utilizados. Exemplos: Uma fila de centenas de veículos paralisou o trânsito da Avenida Higienópolis, como sinal de protesto contra o aumentos dos impostos. A paralisação foi a maneira encontrada... ( paralisação , que deriva de paralisar , retoma a ação de centenas de veículos de paralisar o trânsito da Avenida Higienópolis). O impacto (2) ainda atingiu mais três residências (o nome impacto retoma e resume o acidente de avião noticiado na matéria-exemplo)

- Elementos classificadores e categorizadores: referem-se a um elemento (palavra ou grupo de palavras) já mencionado ou não por meio de uma classe ou categoria a que esse elemento pertença: Uma fila de centenas de veículos paralisou o trânsito da Avenida Higienópolis. O protesto foi a maneira encontrada... ( protesto retoma toda a idéia anterior - da paralisação -, categorizando-a como um protesto); Quatro cães foram encontrados ao lado do corpo. Ao se aproximarem, os peritos enfrentaram a reação dos animais ( animais retoma cães , indicando uma das possíveis classificações que se podem atribuir a eles).

- Advérbios: palavras que exprimem circunstâncias, principalmente as de lugar: Em São Paulo, não houve problemas. , os operários não aderiram... (o advérbio de lugar lá retoma São Paulo ). Exemplos de advérbios que comumente funcionam como elementos referenciais, isto é, como elementos que se referem a outros do texto: aí, aqui, ali, onde, lá , etc.

Observação : É mais freqüente a referência a elementos já citados no texto. Porém, é muito comum a utilização de palavras e expressões que se refiram a elementos que ainda serão utilizados. Exemplo: Izidoro Andrade (7) é conhecido na região (8) como um dos maiores compradores de cabeças de gado do Sul (8) do país. Márcio Ribeiro (5) era um dos sócios do Frigorífico Naviraí, empresa proprietária do bimotor (1). A palavra região serve como elemento classificador de Sul (A palavra Sul indica uma região do país), que só é citada na linha seguinte.

Conexão

Além da constante referência entre palavras do texto, observa-se na coesão a propriedade de unir termos e orações por meio de conectivos, que são representados, na Gramática, por inúmeras palavras e expressões. A escolha errada desses conectivos pode ocasionar a deturpação do sentido do texto. Abaixo, uma lista dos principais elementos conectivos, agrupados pelo sentido. Baseamo-nos no autor Othon Moacyr Garcia ( Comunicação em Prosa Moderna ).

Prioridade, relevância:

em primeiro lugar, antes de mais nada, antes de tudo, em princípio, primeiramente, acima de tudo, precipuamente, principalmente, primordialmente, sobretudo, a priori (itálico), a posteriori (itálico).

Tempo (freqüência, duração, ordem, sucessão, anterioridade, posterioridade):

então, enfim, logo, logo depois, imediatamente, logo após, a princípio, no momento em que, pouco antes, pouco depois, anteriormente, posteriormente, em seguida, afinal, por fim, finalmente agora atualmente, hoje, freqüentemente, constantemente às vezes, eventualmente, por vezes, ocasionalmente, sempre, raramente, não raro, ao mesmo tempo, simultaneamente, nesse ínterim, nesse meio tempo, nesse hiato, enquanto, quando, antes que, depois que, logo que, sempre que, assim que, desde que, todas as vezes que, cada vez que, apenas, já, mal, nem bem.

Semelhança, comparação, conformidade:

igualmente, da mesma forma, assim também, do mesmo modo, similarmente, semelhantemente, analogamente, por analogia, de maneira idêntica, de conformidade com, de acordo com, segundo, conforme, sob o mesmo ponto de vista, tal qual, tanto quanto, como, assim como, como se, bem como.

Condição, hipótese:

se, caso, eventualmente.

Adição, continuação:

além disso, demais, ademais, outrossim, ainda mais, ainda cima, por outro lado, também, e, nem, não só ... mas também, não só... como também, não apenas ... como também, não só ... bem como, com, ou (quando não for excludente).

Dúvida:

talvez provavelmente, possivelmente, quiçá, quem sabe, é provável, não é certo, se é que.

Certeza, ênfase:

decerto, por certo, certamente, indubitavelmente, inquestionavelmente, sem dúvida, inegavelmente, com toda a certeza.

Surpresa, imprevisto:

inesperadamente, inopinadamente, de súbito, subitamente, de repente, imprevistamente, surpreendentemente.

Ilustração, esclarecimento:

por exemplo, só para ilustrar, só para exemplificar, isto é, quer dizer, em outras palavras, ou por outra, a saber, ou seja, aliás.

Propósito, intenção, finalidade:

com o fim de, a fim de, com o propósito de, com a finalidade de, com o intuito de, para que, a fim de que, para.

Lugar, proximidade, distância:

perto de, próximo a ou de, junto a ou de, dentro, fora, mais adiante, aqui, além, acolá, lá, ali, este, esta, isto, esse, essa, isso, aquele, aquela, aquilo, ante, a.

Resumo, recapitulação, conclusão:

em suma, em síntese, em conclusão, enfim, em resumo, portanto, assim, dessa forma, dessa maneira, desse modo, logo, pois (entre vírgulas), dessarte, destarte, assim sendo

Causa e conseqüência. Explicação:

por conseqüência, por conseguinte, como resultado, por isso, por causa de, em virtude de, assim, de fato, com efeito, tão (tanto, tamanho) ... que, porque, porquanto, pois, já que, uma vez que, visto que, como (= porque), portanto, logo, que (= porque), de tal sorte que, de tal forma que, haja vista.

Contraste, oposição, restrição, ressalva:

pelo contrário, em contraste com, salvo, exceto, menos, mas, contudo, todavia, entretanto, no entanto, embora, apesar de, ainda que, mesmo que, posto que, posto, conquanto, se bem que, por mais que, por menos que, só que, ao passo que.

Idéias alternativas

Ou, ou... ou, quer... quer, ora... ora.

Fonte: www.coladaweb.com

voltar 1234avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal