Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  estrangeirismo  Voltar

Estrangeirismo



Há um bom número de palavras estrangeiras empregadas em nosso idioma, as quais ainda não foram devidamente assimiladas, i. é, aportuguesadas. Devem guardar a sua grafia originária. Estão citadas aqui as mais correntes:

living (ingl.) long-play (ingl.) mademoiselle (fr.) magnificat (lat.) match (ingl.) maximum (lat.) meeting (ingl.) ménage (fr.) menu (fr.) mignon (fr.) mister (ingl.) mistress (ingl.) monsieur (fr.) music-hall (ingl.) ad libitum (lat.) a posteriori (lat.) a priori (lat.) ampèrè (fr.) atelier (fr.) avant-première (fr.) bercetisa (fr.) black-out (ingl.) blitz-krieg (al.) bureau (fr.) bye-bye (ingl.) causeur (fr.) close-up (ingl.) corner (ingl.) coulomb (fr.) cow-boy (ingl.) cum-quibus (lat.) dancing (ingl.) debele (fr.) démarche (fr.) derby (ingl.) enjambement (fr.) ex-cathedra (lat.) ex-iibris (lat.) extra-muros (lat.) facies (lat.) footing (ingl.) forward (ingl.) full-back (ingl.) garçonnière (fr.) gauche (fr.) gauss (al.) gentleman (ingl.) (pl. gentiemen) glibert (ingl.) globe-trotter (ingl.) goal-average (ingl.) (goal)-keeper (ingi.) gruyère (fr.) habeas-corpus (lat.) habitat (lat.) habitué (fr.) hait-back (ingl.) hall (ingl.) handicap (ingl.) hinterland (al.) humour (Ingl.) (humor) ibidem lbfl (lat.) iceberg (Ingl.) idem (lat.) imprimatur (lat.) in extremis (lat.) incontinenti (lat.) intermezzo (it.) intra-muros (lat.) ipsis litteris (lat.) ipsis verbis (lat.) ipso facto (lat.) item (lat.) (iazz)-band (ingl.) joule [ju] (ingl.) Kaiser (al.) keepor (ingl.) kirsch (al.) kominform komintem kremlin kümmel (al.) week-end (ingl.) winchester (ingl.) lady (ingl.) (pl. ladies) laisser-aller (fr.) laissez-faire (fr.) leitmotiv (al.) lied(er) (al.) litteratím (lat.) mutatis mutandis (lat.) nihil obstat (lat.) nouveau-riche (fr.) office-boy (ingl.) off-side (ingl.) opus (lat.) ouverturo (fr.) pari-passu (lat.) passim (lat.) pedigree (ingl.) peignoir (fr.) performance (ingl.) play-ground (ingl.) pot-pourri (fr.) prernier (fr.) princeps (lat.) quantum (lat.) quilowatt (ingl.) quorum (lat.) (rail)way (ingl.) ralientando (it.) râté (fr.) referee (ingl.) rock-and-roll (ingl.) rugby (ingl.) rush (ingl.) savoir-faire (fr.) savoir-vivre (fr.) schottisch (al.) scilicet (lat.) scratchman (ingl.) (pl. scratchmen) sex-appeal (ingl.) short (ingl.) shunt (ingl.) side-car (ingl.) sine die (lat.) sine qua non (lat.) sir (ingl.) smoking (ingl.) smorzando (it.) soirée (fr.) speaker (ingl.) speech (ingl.) stand (ingl.) standard (ingl.) steeple-chase (ingl.) storzando (it.) sui.generis (lat.) surmenage (fr.) sursis (fr.) tarad (ingl.) taraday (ingl.) tar-niente (it.) tertius (lat.) tlamboyant (fr.) toul (ingl.) tournée (fr.) trigidaire (fr.) up-to-date (ing.) urbi et orbi (lat.) vaudeville (fr.) vemíér (fr.) (nônio) verbi gratia (lat.) vernissage (fr.) vis-à-vis (fr.) vivace (it.) volt volt-ampère warrant (ingl.) water-closet (ingl.) water-polo (ingl.) waterproot (ingl.) watt (ingl.)

Nota

No meio do texto vernáculo, devem esses estrangeirismos ser escritos entre aspas ou grifados (sublinhados no manuscrito ou datilografado), excetuam-se os já consagrados: ampère, facies, idem, item, incontinenti, coulomb, quilowatt, etc.

Ao lado desses, há contudo numerosos estrangeirismos já aportuguesados. Devem ser prestigiados: é a lei da assimilação lingüística.

Estrangeirismos já aportuguesados

abat-jour (fr.): abajur agrate (fr.): agrafo alle,qretto (it.): alegreto allegro (it.): alegro avalanche (fr.): avalancha baceara (t) (fr.): bacará back (ingl.): beque balancier (fr.): balancê ballet (fr.) : balê ou balé base-ball (ingl.): basebol e beisebol basket-ball (ingl.): basquete(bol) (existe a f. port. bola-ao-cesto) bâton (fr.): batom beefsteak (ingl.): bife(steque) beige (fr.): bege bersaglieri (it.): bersalher [é] bibelot (fr.): bibelô biberon (fr.): biberão bidet (fr.): bidê ou bidé bidon (fr.): bidão bijouterie (fr.): bijuteria bikini (ingl.): biquíni ou biquine bilboquet (fr.): bliboquê bili (ingL.): bil blockhaus (al.): blocausse blutt (ingl.): blefe [é] boer (hol.): bôer boite (fr.): boate bonnet (fr.): boné boulevard (fr.): bulevar bouquet (fr.): buquê box (ingl.): boxe brandy (ingl.): brande ou champanhe brevet (fr.): brevê breveter (fr.): brevetar bric-à-brac (fr.): bricabraque bridge (ingl.): bridge brig (ingl.): brigue brouhaha (fr.): bruaá buildog (ingl.): buldogue bungalow (ingl.): bangalô buttet (fr.): bufete [ê] cabaret (fr.): cabaré cabine (fr.): cabina cabriolet (fr.): cabriolé cache-col (fr.): cachecol cache-nez (fr.): cachenê cache-pat (fr.): cachepô cachet (fr.): cachê cake (ingl.): queque cama uflage (fr.): camuflagem camelot (fr.): camelô camoufler (fr.): camuflar cancan (fr.): cancã carapace (fr.): carapaça carnet (fr.): carnê ou carné carrosserie (fr.): carroçeria (port.) ou carroceria (bras.) carrousel (fr.): carrossel casino (it.): casino ou cassino (ingl. ou fr.) casse-tête (fr.): cassetete [é] catgut (ingl.): categute cavaiqnac (fr.): cavanhaque cernionette (fr.): camioneta, caminheta, camioneta chalet (fr.): chalé champagne (fr.): champanha chance (fr.): chance ou chança chantage (fr.): chantagem chassis (fr.): chassi château (fr.): chatô chaufteur (fr.): chofer chauvinisma (fr.): chauvinismo chic (fr.): chique choc (fr.): choque chope (fr.): chope [ô] cicerone (it.): cicerone cliché (fr.): clichê clicherie (fr.): clicheria clip(s) (ingl.): clipe, clipes club (ingl.): clube coaltar (ingl.): coltar cock-tail (ingl.): coquetel cognao (fr.): conhaque comité (fr.): comitê complat (fr.): complô confetti (it.): confete [é] copyright (ingl.): copirraíte coquette (fr.): coquete corbeille (fr.): corbelha cotilion (fr.): cotilhão couché (fr.): cuchê coupé (fr.): cupê coupon (fr.): cupão e cupom crachat (fr.): crachá crack (ingl.): craque crayon (fr.): creiom [è-i] crèche (fr.): creche crépon (fr.): crepom cricket (ingl.): críquete crochet (fr.): crochê croquette (fr.): croquete croquis (fr.): croqui croupier (fr.): cruplê cubilot (fr.): cubilô culotte (Ir.): culote dandy (ingl.): dândi débauchar (fr.): debochar débauche (fr.): deboche debênture (ingl.): debênture décoliation (fr.): decoração décollage (fr.): decolagem décoller (fr.): decolar délailler (fr.): detalhar dérapage (fr.): derrapagem destroyer (ingl.): destróier détail (fr.): detalhes detect (ingl.): detectar detective (ingl.): dete(c)tive dilettante (it.): diletante dollar (ingl.): dólar dossier (fr.): dossiê double [u] (ingl.): dáblio drink (ingl.): drinque éclosion (fr.): eclosão edelweiss (ai.): edelvais édredon (fr.): edredão ou edredom élite (fr.): elite enveloppe (fr.): envelope équipe (fr.): equipe êraper (fr.): derrapar escroc (fr.): escroque étiquette (fr.): etiqueta filbury (ingl.): tílburi filet (fr.): filé flageoler (fr.): flajolé flirt (ingl.): flerte, flertar fog (ingl.): fogue folk-lora (ingl.): folclore (a pronúncia mais corrente é com o o aberto) foot-ball (ingl.): futebol gabardine (fr.): gabardina gaffe (fr.): gafe garage (fr.): garagem garçom (fr.): garção ou garçom gare (fr.): gare geisha (jap.): gueixa gelosia (it.): gelosia geyser (isl.): gêiser ghetto (it.): gueto ghimel (hebr.): guímei gin (ingl.): gim glacê (fr.): glacê Gneiss (al.): gnaisse gnocchi (it.): nhoque goal (ingl.): gol, golo godet (fr.): godá ou godô golf (ingl.): golfe gouache (fr.): guache gratis (lat.): grátis grès (fr.): grés grimaca (fr.): grimaça grippe (fr.): gripe grísé (fr.): grisê grisette (fr.): grisete grog (ingl.): grogue groseille (fr.): groselha [é] gruppetto (it.): grupeto [é] guéridon (fr.): gueridom guichet (fr.): guichê guidon (fr.): guidom e guidão guillotina (fr.): guilhotina hachuro (fr.): hachura hai-kai (jap.): haicai hand-ball (ingl.): handebol hangar (fr.): hangar hara-kiri (jap.): haraquiri heth (hebr.): hete heureka (gr.): heureca Hinterland (al.): hinteriândia hockey (ingl.): hóquei Hornblende (al.): hornblenda Hornwerk (al.): hornaveque imbroglio (it.): imbróglio indigotier (fr.): indigoteiro ínfluenza (it.): influenza in-folio (lat.): in-fólio jargon (fr.): jargão jeep (ingl.): jipe jérémiade (fr.): jeremiada jersey (ingl.): jérsei jettatura (it.): jetatura jiu-iitsu (jap.): jujutsu jockey (ingl.): jóquei jungle (ingl.): jângal(a) jury (ingl.): júri kéfir (fr.): quefir képi (fr. < al.): quepe kermesse (fr.): quermesse kimono (jap.): quimono kíoxk (tur.): quiosque kitchenette, kitchenet (ingl.): quitinete knock-out (ingl.): nocaute kodak (ingl.): codaque kyrie (gr.): quírie kyrie, eleison (gr.): quirielêisom lambrequin (fr.): lambrequim lamed (hebr.): lârnede landau (fr.): landô landaulet (fr.): landoló landgrave (fr.): land(e)grave lansquenet (fr. - al: Landsknecht): Lansquenê ou lansquenete larghetto (it.): largueto lasagna (it.): lasanha lavanderie (fr.): lavanderia (Bras.) ou lavandaria (Port.) lazzarane (it.): lazarone lazzaretto (it.): lazareto leader (ingl.): líder liane (fr.): liana líbretto (it.): libreto limousine (fr.): limusine linkage (ingl.): lincagem lockout (ingl.): locaute loquette (fr.): loquete lord (ingl.): lorde lorette (fr.): loreta lorgnon (fr.): lornhão loulou (fr.): lulu lucarne (fr.): lucarna lumachella (ita.): lumaquela lunch (lngl.): lanche macadam (ingl.): macadame maçon (fr.): maçom ou mação madame (fr.): madama madonna (it.): madona magazine (ingl.): magazine maíllot (fr.): maiô manchette (fr.): manchete manicure (fr.): manicuro (m) e manicura (f) manteau (fr.): mantô maquette (fr.): maqueta e maquete maquillage (fr.): maquilagem maquiller (fr.): maquilar e maquiar marabout (fr.): marabu marionette (fr.): marionete marquise (fr.): marquesa e marquise marron (fr.): marrom martadella (it.): mortadela massacrer (fr.): massacrar matinée (fr.): matinê matité (fr.): matidez mayonnaise (fr.): maionese mazanilia (esp.): maçanilha medium (lat.): médium mem (hebr.): meme memorandum (lat.): memorando menuet (fr.): minuete merlette (fr.): merleta merlin (fr.): merlim métro (fr.): metrô mezzanino (it.): mezanino mignonette (fr.): minhonete minuetto (it.): minueto [ê] mispickel (fr. < al. Misspickel): mispíquel mitaine (fr.): mitene modiglione (it.): modilhão mofetta (it.): mofeta monétiser (fr.): monetizar montre (f r.): montra motinillo (esp.): molinilho moutinet (fr.): molinete mozzetta (it.): mozeta munus (lat.): múnus mylord (ingl.): milorde nielle (fr.): nielo nycron (ingl.): náicron nylon (ingl.): náilon omelette (fr.): omelete ou omeleta omnibus (lat.): ônibus onglet (fr.): onglete onus (lat.): ônus orphéon (fr.): orfeão paletot (fr.): paletó paletta (it.): paleta panne (ir.): pane pantalla (esp.): pantalha panthéon (fr.): panteão paquebot (fr. < ingi. packet-boat): paquebote paquet (fr.): paquê, paquete parques (fr.): parquê e parquete pasteuriser (fr.): pasteurizar pastiche (fr. < it. pasticcio): pasticho pâté (fr.): patê patit-gris (fr.): petigris patois (fr.): patoá pélerina (fr.): pelerine peleteria (fr.): peleteria e peletaria penny (ingl.): pêni percaline (fr.): percalina percheron (fr.): percherão petit-maitre (fr.): petimetre piatter (fr.): piafé pickles (ingl.): pickles picnic (ingl.): piquenique pierrot (fr.): pierrô pince-nez (fr.): pencenê ping-pong (ingl.): pingue-pongue pique (fr.): piquê piston (fr.): pistão pitoresco (it.): pitoresco pivot (fr.): pivô pizzicato (it.): pizicato placard (fr.): placar planche (fr.): prancha plaqué (fr.): plaquê plasquette (fr.): plaqueta plastron (fr.): plastrão plateau (fr.): platô plissage (fr.): plissagern plissé (fr.): plissado e plissê poker (ingl.): pôquer pompon (fr.): pompom poney (fr. < ingl. pony): pônei popeline (fr.): popelina pose (fr.): pose pouf (fr.): pufe poule (fr.): pule pozzolana (it.): pozolana praline (fr.): pralina prêt (fr.): pró prima donna (it.): prima-dona prise (fr.): prise purée (fr.): purê e puréia (a forma corrente é pirê) quaker (ingl.): quacre qui-pro-quo (lat.): qüiproquó quoph (hebr.): cofe racconto (it.): raconte ragoût (fr.): ragu raid (ingl.): reide raquette (fr.): raquete e raqueta (corresp. ao it. rachetta) ravíne (fr.): ravina ravioli (it.): ravióli ray-grass (ingl.): raigrás rayon (ingl.): raiom razzia (it.): razia recaoutchoutage (fr.): recauchutagem recaoutchouter (fr.): recauchutar recipe (lat.): récipe réclame (fr.): reclame ou reclamo record (ingl.): recorde referendum (lat.): referendo relais (fr.): relé rendez-vous (fr.): randevu renette (fr.): renete report (ingl.): reporte e reportar reporter (ingl.): repórter requiem (lat.): réquiem resch (hebr.): rexe réséda (fr.): resedá e reseda ricochet (fr.): ricochete ricotta (it.): ricota ring (ingl.): ringue risotto (it.): risoto ritornello (it.): ritamélo rnansarde (fr.): mansarda rnaroutle (fr.): marufle roast-beet (ingl.): rosbife e bife rondeau (fr.): rondó rosillo (esp.): rosilho rosoglio (it.): rosólio rouge (fr.): ruge rump-steak (ingl.): rumisteque sabotago (fr.): sabotagem saboter (fr.): sabotar salsiccia (it.): salsicha saltarello (it.): saltarelo samech (hebr.): sâmeque sandwich (ingl.): sanduíche score (ingl.): escore scratch (ingl.): escrete seguidilla (esp.): seguidilha shampoo (ingl.): xampu shibaleth (hebr.): xibolet (para ser aportg. Há que se escrever xibolete.) shílling (ingl.): xelim shoot (ingl.): chute, chutar (já consagrados, embora a transliteração normal do sh ingl. Se faça com o x em port.: xampu, xelim, Xangai, etc.) sketch (ingl.): esquete ski (ingl.): esqui(ar) slack (ingl.): eslaque slogan (ingl.): eslógão snob (ingl.): esnobe snooker (ingl.): sinuca society (ingl.): soçaite solvable (fr.): solvável soutache (fr.): sutache spaghetti (it.): espaguete spleen (ingl.): esplim sport (ingl.): esporte stalf (ingl.): estafe stencil (ingl.): estêncil sterling (ingl.): esterlina (libra) - esterlim e esterlino stock (ingl.): estoque store (fr.): estore sweater (ingl.): suéter swing (ingl.): suingue t(h)aler (al.): táler t(h)alweg (al.): talvegue tamiser (fr.): tamisar tank (ingl.): tanque team (ingl.): time tender (ingl.): tênder tennis [de lawn-tennis] (ingl.): tênis terracotta (it.): terracota terzetto (it.): terceto test (ingl.): testar tic (fr.): tique tilm (ingl.): filme toast (ingl.): toste toboggan (ingl., canad.): tobogã toileite (fr.): toalete tory (ingl.): tóri toulard (fr.): fular tourism (ingl.) ou tourisme (fr.): turismo tourist (ingl.) ou touriste (fr.): turista tox-trot (ingl.): foxtrote trailer (ingl.): trêiler, tráiler tramway (ingl.): trâmuei, tranvia travesti (fr.): travesti, tra(n)svestido tricoline (fr.): tricolina tricot (fr.): tricô triolet (fr.): triolé trolley (ingl.): trole trompette (fr.): trompeta, trompete trou-trou (fr.): frufru truism (ingl.): truísmo trust (ingl.): truste turbine (fr.): turbina turt (ingl.): turfe twist (ingl.): tuíste ukaz (russo - através do fr. ou do esp.): ucasse usine (fr.): usina usinier (fr.): usineiro vade mecum (lat.) vade-mécum valise (fr.): valise vedetta (it.): vedeta vedette (fr.): vedete vellorí (cast.): velhori veloutíne (fr.): velutina vendetta (it.): vendeta vermíne (fr.): vérmina (por vir do fr. só caberia a prosódia paroxótina: vermina. O proparoxítono - vérmina - é latinismo.) vermout (fr.< al. Wermut): vermute verve (fr.): verve vichy (fr.): vichi villeggiatura (it.): vilegiatura vitrail (fr.): vitral vitrine (fr.): vitrina vol-au-vent (fr.): volovã volley-ball (ingl.): volibol ou (m.us.) voleibol ou ainda, abrev., vôlei wagon (fr. < ingl.): vagão wagonette (fr.): vagonete e vagoneta whisky (ingl.): uísque whist (ingl.): uíste Woltram (al.): volfrâmio yacht (ingl.): late yankee (ingl.): ianque yen (jap.): iene yoghurt (ingl.): iogurte.

Palavras derivadas de nomes estrangeiros

Escrevem-se em tudo pela grafia original, exceto na terminação, que deve ser vernácula. Ex..- bachiano (bakl), beethoveniano, byronismo, comtiano, treudiano, treudismo, garrettiano, goethiano, hegelianismo [gue], hoftmânnico, kantiano, neokantismo, littreano, littreísta, malherbiano, malplghia, maithusiano, oftenbachiano (bak), pasteurizar, rabeiaísiano, shakespeariano, spengleria-no, taylorismo, voltairiano, wertheriano, zwingliano, etc.

Fonte: www.vitoria.es.gov.br

Estrangeirismo

A língua portuguesa se parece muito com o Brasil cosmopolita. Nosso país abriga pessoas, que já formaram gerações, de diversas regiões do mundo – a nossa miscigenação tão falada. O paralelismo entre a nação e a língua é justamente pela introdução de fatias de outras culturas.

Quanto aos estrangeirismos, algumas expressões já foram “abrasileiradas”, como o caso do verbo ‘deletar’. Outras são usadas do jeito original, como fast-food, overbook e outras expressões que facilmente poderiam ser trocadas por um similar nacional, mas que insistem em permanecer como exceções à regra.

O Projeto de Lei 1676, de 1999, de autoria do deputado Aldo Rebelo, procura eliminar o uso desnecessário dessas expressões, na tentativa de valorizar a língua nacional. A polêmica em cima disso reside no seguinte questionamento: é realmente necessário proibir por lei o estrangeirismo? Se for o caso, a lei surtirá efeito?

Na minha opinião, a resposta para ambas as perguntas é ‘não’. Primeiramente, mesmo sendo contra o uso excessivo de estrangeirismos, não considero válida a criação de uma lei para este fim. Cada um deve usar ou não a língua portuguesa por uma questão moral, e não legal. Além do mais, a língua é um importante “indicador de soberania cultural”, por isso, se o português está desvalorizado, não será uma lei que reverterá este problema.

Todavia, lamento pelo excesso de expressões inúteis que encontramos na publicidade, tanto de TV quanto em outdoors (esta palavra já é praticamente consagrada no idioma), e também no mundo de negócios. Expressões toscas como go ou not go são totalmente descartadas.

O motivo da valorização de estrangeirismos, em especial de origem norte-americana, é o contato cotidiano com o inglês, devido à globalização, que gerou uma certa idéia de status (outra expressão estrangeira), assim, parece mais fino falar pelas expressões que exigem uma ‘forçadinha’ no sotaque. Além do mais, demonstra mais intimidade com outras línguas, parecendo que domina não só o português, mas o estrangeiro também.

Se a população está agregando ao seu vocabulário cada vez mais palavras estrangeiras, enquanto desconhece a própria língua, o problema está no que causa isto tudo, e não na conseqüência. Estrangeirismo é apenas uma conseqüência da crescente convivência, absorvendo diversos costumes, com a cultura norte-americana. Herdamos muitas características do nosso vizinho estadunidense, como a arquitetura atual da cidade, o hábito de andar em grupos, tribos urbanas que provém daquela cultura, há grande contato com a música ianque muito mais do que com a de outros países, as comidas rápidas ou semiprontas, a grande audiência de filmes hollywoodianos etc.

Tudo encaminha a uma interseção de línguas: em alguns pontos bem dosada; em outros, exageradamente inútil. Diante dessa relação costumeira do uso, mesmo que indevido, proibir estrangeirismos por lei seria tão inútil quanto proibir desvios gramaticais ou gírias. Será que realmente vale a pena este confronto? Não seria melhor pensar por que uma pessoa prefere um termo estrangeiro em vez do nacional? São pontos, logicamente, muito mais difíceis de serem tocados. Talvez por isso sejam ignorados.

Fonte: letrasdespidas.wordpress.com

estrangeirismo

O que é estrangeirismo?

Mais uma curiosidade! Você sabia que o termo "estrangeirismo" significa palavra ou expressão de outras línguas, empregada na língua portuguesa.

Não é nenhuma novidade o fato de palavras ou expressões estrangeiras estarem incorporadas na nossa língua. A grande maioria das palavras de nossa língua tem origem latina, grega, árabe, espanhola, italiana, francesa, inglesa. Essas palavras são introduzidas pelos mais variados motivos, sejam eles fatores históricos, sócio-culturais e políticos, modismo ou até mesmo avanços tecnológicos.

As palavras de origem estrangeira geralmente passam por um processo de aportuguesamento fonológico e gráfico. Decorrente desse processo deixamos de perceber quando estamos fazendo uso de estrangeirismos.

Mesmo com tantos estrangeirismos, devemos ter sempre o bom senso, para fugir das prováveis polêmicas que poderemos enfrentar quando fazemos uso dos mesmos.

Eis aqui alguns exemplos de estrangeirismos mais comuns hoje em dia:

Cappuccinos = do italiano

Drinques = do inglês drink

Designer = do inglês

O Volp (Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa) registra as formas estrangeiras : cappuccino, drink, designer; e as aportuguesadas: capucino, capuchino, drinque.

Fonte: www.jurisway.org.br

Estrangeirismo

empréstimos ou neocolonialismo?

De uns tempos para cá as lojas ditas chiques, quando em liquidação, resolveram dizer que os preços estão "50% off" e estampar a estranha palavra "sale" nas vitrines. Não chega a ser novidade num país em que as pizzarias têm serviço de "delivery", e não de "telentrega", e as pessoas no intervalo dos congressos fazem um "coffee-break", e não uma "pausa para o café", mas o assunto voltou ao debate com a decisão do juiz federal substituto da 1ª Vara de Guarulhos, Antônio André Muniz Mascarenhas de Souza, de determinar que o governo federal fiscalizasse o uso de estrangeirismos em anúncios publicitários sob pena de multa. Se posta em prática, expressões como "sale" ou "off" deveriam aparecer acompanhadas de tradução no mesmo destaque em peças publicitárias em qualquer tipo de anúncios, vitrines, prateleiras ou balcões, pois para o juiz a decisão segue determinação do Código de Defesa do Consumidor e apenas a publicidade que não contenha algum tipo de oferta terá liberdade para o uso indiscriminado de qualquer símbolo, palavra ou gesto.

Em 1999, o deputado Aldo Rabelo (PC do B) já havia apresentado um projeto de lei que causou enorme polêmica proibindo o uso de “termos estrangeiros” em documentos oficiais (só para constar, na França desde 1994 é obrigado o uso do francês em publicações oficiais do governo, na educação e em contratos legais, motivo pelo qual a Academia Francesa de Letras cria equivalentes nacionais para os termos da ciência e tecnologia). Mas será essa submissão lingüística do português brasileiro uma questão de política pública? Será que um juiz ou um deputado, ou melhor, será que todos os juízes e deputados juntos conseguiriam mudar essa cultura dos neologismos?

Primeiro, é preciso pensar por que uma palavra como “gol” ou “sutiã” não é considerada estrangeirismo e outra como "shopping", é. Tanto “gol” não é uma palavra do nosso idioma que o plural dela é “gols”, um caso único de plural com “s” depois do “l” (em espanhol, por exemplo, é "goles", e em Portugal, "golos"). Mas com o passar do tempo, depois de uma ou duas gerações, a palavra perdeu o “a” original, tornando-se “gol” e não "goal", bem como "penalty" virou “pênalti” e "back" virou “beque”. Mas são todas estrangeiras, ou melhor, de origem estrangeira (como, aliás, nosso idioma não é propriamente brasileiro, mas herança do colonizador português).

Segundo, não podemos ficar dando voltas ao redor da história. Já no começo do século XX alguns intelectuais reclamavam da invasão de termos franceses, muitos dos quais ainda permanecem, como "démodé" e "menu", enquanto outros intelectuais retomavam termos do latim para demonstrar erudição, trazendo de volta palavras como "status". Sem contar, é claro, o fato do português falado no Brasil ser uma grande mistura, com termos árabes, vide “alface”, e africanos, vide “bunda” (como de resto nosso povo é uma mistura de raças).

Dessa forma, não precisa de mais do que dez minutos de leitura de um jornal para identificarmos uma grande quantidade de empréstimos lingüísticos, muitos antigos e já incorporados ao nosso idioma, termos que não assustam nem motivam projetos de lei ou liminares judiciais (caso emblemático é o da palavra “performance”, transformada em única proparoxítona sem acento do português).

Mas o que chama a atenção são os novos termos, a maioria provindos da informática, termos que lutam por reconhecimento e espaço como "scanner", "delete" e "plug", que já têm variações aportuguesadas como "escanear/escaneado", "deletar/deletado" ou "plugar/plugado", ao lado de termos já reconhecidos e pronunciados por qualquer criança brasileira como "mouse", "light" e "sexy" (bem, talvez nem toda criança pronuncie "sexy"...). Sem contar as siglas, como "VIP" e "AIDS", esta última inclusive já transformada em radical em “aidético”.

Particularmente não acho que seja positiva essa adesão incondicional ao que vem do inglês, mas também não parece uma solução inteligente a repressão pura e simples da língua porque essa adesão é cultural, não apenas lingüística. A incorporação de tantos termos de língua inglesa hoje é apenas um sintoma de que o “american way of life” é o grande modelo do viver brasileiro e quiçá ocidental: mais do que incorporar termos, incorporamos hábitos, como ir ao shopping, usar equipamentos high-tech, estudar marketing, consumir o show business, comer fast-food e tomar refrigerantes lights.

Não seremos um país melhor ou pior por causa disso. É possível que daqui a cem anos se fale algo mais próximo do inglês, mais distante do (conservador) português de Portugal, e quem sabe não se possa falar em uma língua brasileira, com gramática e dicionário próprios. Difícil saber. Ruim mesmo é dentro do próprio país termos de viver com grupos sociais que insistem em diferenciar a língua portuguesa daquela falada por outros grupos, e para tanto são facilmente seduzidas por qualquer termo em inglês disponível, caso do "off", do "coffee-break" e do para mim estranhíssimo "it". Mas aí a questão já é outra, de neocolonialismo, e de novo passa mais pela cultura do que pela língua.

Dados curiosos

Resolvi escrever sobre este tema por causa de um trabalho que fizemos para a faculdade sobre empréstimos lingüísticos, trabalho no qual chegamos a alguns padrões interessantes sobre os empréstimos contemporâneos. A partir de um conjunto amostral de 50 palavras, identificamos que 90% delas são substantivos, como as palavras "jeans" e "pager", e 10% são adjetivos, como "sexy" e "expert". A predominância da língua inglesa, evidente no dia-a-dia dos falantes de português, também está refletida em nossa pesquisa, onde 88% das palavras são provenientes da língua de Shakespeare. A tecnologia é a área que mais incorporou termos estrangeiros modernos ao nosso léxico, sendo 42% da amostra composta por palavras que estão associadas à tecnologia.

Outro fato que chama a atenção nestas palavras incorporadas ao português é a grafia. Mais de 70% delas são escritas apenas com as 23 letras convencionais do alfabeto português, enquanto 16% das palavras são grafadas com “Y”, 10% são grafadas com “K” e 6% são grafadas com “W”, letras já incorporadas ao dia-a-dia do brasileiro. Por curiosidade, notamos ainda que o corretor ortográfico automático do Word em Português (Brasil) reconhece 50% dos termos, enquanto na versão Português (Portugal) apenas 8% dos termos são reconhecidos como do léxico, o que é apenas mais um sinal de como nossa cultura é mais aberta aos empréstimos lingüísticos do que a cultura portuguesa.

Fonte: www.digestivocultural.com

ESTRANGEIRISMO

NO PORTUGUÊS DO BRASIL FATOR DESCARACTERIZANTE?

Resumo

Este texto pretende discutir a validade do projeto de lei 1676/99, que objetiva defender, proteger e promover a língua portuguesa em território brasileiro. Para tanto, usaremos, como referencial teórico, artigos de Fiorin e Aubert. Nossa hipótese é mostrar que o uso de estrangeirismos, em especial o de anglicismos, não descaracteriza a língua, uma vez que atinge apenas algumas áreas pré-determinadas.

Palavras-chave: preconceito, empréstimo e renovação lingüísticos.

“Os limites da minha linguagem denotam os limites do meu mundo”. (LUDWIG WITTGENSTEIN)

O projeto de lei n.º 1676/99, de autoria do deputado Aldo Rebelo, é um dos poucos assuntos relacionados à língua que tem espaço na mídia brasileira. Em época recente, o projeto tornou-se objeto de polêmica entre o seu autor e alguns lingüistas, entre eles Fiorin (2000) e Aubert (2001). Considerado por este último como preconceituoso, o referido documento objetiva defender, proteger e promover a língua portuguesa no Brasil.

Para tanto, sugere que o uso do português se torne obrigatório em determinadas situações do cotidiano, sendo que qualquer “uso de palavra ou expressão em língua estrangeira, ressalvados os casos excepcionados” na lei “e na sua regulamentação, será considerado lesivo ao patrimônio cultural brasileiro, punível na forma da lei”. Apud AUBERT, 2001: 68)

O deputado, ao justificar o projeto de lei, argumenta que assistimos, atualmente, a uma verdadeira descaracterização da língua portuguesa, (Grifo nosso) tal a invasão indiscriminada e desnecessária de estrangeirismos. Nosso objetivo, neste trabalho, é discutir a validade dessa afirmativa, sobretudo com relação aos empréstimos lexicais da língua inglesa.

O projeto de lei, em seu artigo 3.º, define os segmentos sociais que serão alvo da possível lei: (1) todos os brasileiros; (2) todos os estrangeiros que se encontram em nosso país há mais de um ano. Define também as situações em que a língua portuguesa deve ser usada:

Art. 3.º - É obrigatório o uso da língua portuguesa por brasileiros natos e naturalizados, e pelos estrangeiros residentes no País há mais de 1 (um) ano, nos seguintes domínios socioculturais:

I – no ensino e na aprendizagem;

II – no trabalho;

III – nas relações jurídicas;

IV – na expressão oral, escrita, audiovisual e eletrônica oficial;

V – na expressão oral, escrita, audiovisual e eletrônica em eventos públicos nacionais;

VI – nos meios de comunicação de massa;

VII – na produção e no consumo de bens, produtos e serviços;

VIII – na publicidade de bens, produtos e serviços.

(Apud AUBERT, 2001: 166-7)

Nota-se, principalmente nos incisos VI, VII e VIII, que o campo de ação do projeto de lei é o léxico da língua, já que pretende coibir o uso de certas palavras estrangeiras nos meios de comunicação, no anúncio e publicidade comerciais. Com isso, a lei se tornaria uma barreira na descaracterização do português brasileiro.

Segundo Fiorin (2000: 225-6), o que caracteriza uma língua é a sua gramática e o seu fundo léxico comum. Partindo do pressuposto de que o projeto de lei visa a planificar o uso do léxico no português brasileiro, não iremos nos preocupar, aqui, com o que tange à gramática. Desse modo, sobra-nos a questão do fundo léxico comum. E o que vem a ser esse fundo?

A base que sustenta o léxico de uma língua é denominada fundo léxico comum, que, por sua vez, expressa noções que não são afetadas por mudanças econômicas, sociais e políticas:

O léxico possui um fundo comum, que caracteriza uma língua e é tão resistente quanto à gramática, porque as noções que ele expressa, de um lado, não são afetadas por mudanças econômicas e sociais, e, de outro, porque são de uso geral e coloquial. Esse fundo comum é o sustentáculo da estrutura léxica de uma língua. (Fiorin, 2000: 226)

Fazem parte desse fundo comum palavras que designam, por exemplo, as partes do corpo, o mobiliário, os tipos de parentesco, os nomes de animais e de plantas, os fenômenos da natureza, os dias, os meses e as estações do ano. Em geral, grande parte das palavras do fundo em questão é de origem latina e, como podemos observar, encontram-se atualmente em franco uso, não sendo substituídas por estrangeirismos. (cf. Fiorin, 2000: 226-7)

Da mesma maneira, o léxico de uma língua é composto, também, por palavras de formação vernácula e por empréstimos de outras línguas. Esses empréstimos refletem, por sua vez, a posição de determinada nação em relação às outras, ou seja, as dependências social, política, cultural e, sobretudo, econômica, fazem com que as nações dependentes adotem produtos, serviços e modismos das nações dominantes.

Em nossa época, os estrangeirismos existentes na língua portuguesa do Brasil advêm principalmente da língua inglesa, devido à forte presença norte-americana em nossas vidas. Esses anglicismos não fazem parte de nosso fundo lexical comum, pois são empréstimos lingüísticos conseqüentes de determinada situação sócio-econômica vivida pelo Brasil, em determinada situação histórica. Foi assim no séc. XIX, quando a França era o centro cultural do mundo ocidental: a língua portuguesa, nessa época, viu-se invadida por expressões francesas, quase todas de origem léxica, como dominó, paletó, champagne, bouquet, chance, comitê, troupe etc. Algumas dessas palavras, ainda hoje, sobrevivem na língua portuguesa do Brasil, tendo sido absorvidas pelo nosso léxico:

Essa influência à distância não é nova. No caso brasileiro, fez-se, ao longo de quase dois séculos, pelo peso e prestígio da cultura francesa, e, com mais intensidade, a partir dos anos 40 do século XX, pelo peso e prestígio da cultura, da economia e do poderio militar anglo-americano. A difusão e a presença crescente dos meios de comunicação e da chamada “indústria do entretenimento” proporcionam ferramentas de disseminação de matrizes comportamentais (inclusive de comportamentos lingüísticos), irradiando da cultura dominante para as culturas periféricas. (AUBERT, 2001: 166)

Desse modo, o léxico é formado por um fundo comum, que é fixo, por construções vernaculares (derivação, sufixação, parassíntese, composição e prefixação) e por empréstimos de outras línguas, que variam de acordo com o momento social vivido pela nação. Segundo Fiorin, o léxico de uma língua é, assim, “um conglomerado de formas provindas de fontes diversas”. (2000: 227)

Entretanto, da mesma forma que os povos dominados recebem empréstimos lingüísticos de nações dominantes, estas, de uma maneira mais amena, também apresentam, em seu vocabulário, estrangeirismos. Ou seja, ainda que a adoção de empréstimos seja mais relevante em um determinado lado (dos países dominados), o outro lado, isto é, os países dominantes, também têm, no conjunto lexical, sua porção de palavras importadas. Este fato pode ser incentivado, no caso do Brasil, pelas suas dimensões territoriais e demográficas. A realidade territorial brasileira exige das culturas dominantes, em determinadas circunstâncias, acomodação lingüística, a fim de que essas nações possam interagir com o universo brasileiro. (cf. AUBERT, 2001: 170-1)

Exemplificando essa situação, Aubert postula:

Demonstra essa circunstância a designação oficial do Brasil como Federative Republic of Brazil, embora um termo mais próximo à idiomaticidade do inglês teria sido Federal Republic of Brazil. Do mesmo modo, para permitir à cultura anglo-saxã lidar com a realidade societária brasileira, foi necessário cunhar o termo quotaholter, para designar o sócio-quotista de uma empresa de responsabilidade limitada, posto que shareholder ou stockholder gerariam imprecisão, tendentes a ser percebidos como equivalente a acionista de sociedade anônima. (2001: 171)

A percepção do conteúdo do léxico nos desautoriza, dessa maneira, a falar em descaracterização, pois os empréstimos lingüísticos (e, entre eles, o “tão temível” anglicismo) fazem parte da história e do uso de uma língua.

Diante dos fatos apresentados acima, podemos afirmar que, para justificar o projeto de lei 1676/99, pelo menos um dos argumentos usados pelo deputado Aldo Rebelo não tem fundamentação científica. Ao afirmar que os estrangeirismos estão descaracterizando a língua portuguesa falada no Brasil, o deputado se esquece de que os empréstimos fazem parte da dinâmica da língua, ao mesmo tempo em que refletem a situação de determinado momento histórico do povo que a usa.

Percebe-se também que o deputado não conhece a história da própria língua portuguesa no Brasil (repleta de palavras oriundas de línguas indígenas e africanas), já que acredita que é possível coibir o fenômeno do empréstimo lingüístico, simplesmente proibindo o uso de certas expressões por meio de uma lei.

Por sua vez, o fundo léxico comum, que, juntamente com a gramática formam a base de uma língua, não é afetado pelos estrangeirismos (no caso especial do Brasil, pelos anglicismos). Estes últimos só ocorrem em determinadas “partes mais flexíveis” do nosso vocabulário. Atualmente, podemos citar os meios musical e cinematográfico e, em especial, a Informática, como as fontes mais comuns de anglicismos, dado à intensa influência norte-americana nessas áreas.

Assim, torna-se muito difícil, a curto e médio prazo, evitar o empréstimo lingüístico, já que a situação político-econômica mundial faz com que a língua inglesa tenha um maior prestígio em relação às outras línguas. Acrescente-se, ainda, que o empréstimo, de uma certa maneira, é um dos meios de renovação lexical e, em conseqüência, pode ser considerado, lingüisticamente, um recurso pertencente ao fenômeno do enriquecimento de uma língua.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AUBERT, Francis Henrik. Preconceitos lingüísticos subjacentes ao projeto de lei n.º 1676/99. In: URBANO, Hudinilson et al. (org.) Dino Preti e seus temas. São Paulo: Cortez, 2001.

FIORIN, José Luiz. Política lingüística no Brasil. Gragoatá, 2000, v. 9, p. 221-31.

Gil Roberto Costa Negreiros (PUC-SP, UNIVERSITAS e FSM-MG)

Fonte: www.filologia.org.br
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal