Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  figuras de pensamento  Voltar

Figuras de Pensamento



Antítese

Consiste na oposição entre duas palavras ou idéias, geralmente na mesma frase.

Exemplos:

- Nunca dois iguais foram tão diferentes. - A casa que ele fazia Sendo a sua liberdade Era sua escravidão (Vinícius de Morais)

-"Nasce o sol e não dura mais que um dia. Depois da luz, se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em contínuas tristezas, a alegria..."

Paradoxo

É o encontro de idéias com sentidos opostos. São pensamentos que se contradizem formando um só núcleo de expressão, diferenciando-se desta forma da antítese.

Exemplo:

"Amor é fogo que arde sem se ver É ferida que dói e não se sente É um contentamento descontente É dor que desatina sem doer..." (Camões)

Ironia

Consiste em sugerir, pela entonação, o contrário do que as palavras ou orações parecem exprimir.

Exemplos:

- Como ele está apaixonado!!

- O ministro foi sutil como uma jamanta e fino como um hipopótamo...

Figuras de Pensamento

Perífrase

É a figura que consiste em exprimir por várias palavras aquilo que se diria em poucas ou em uma palavra. Torna-se, portanto, uma referência indireta.

Exemplos:

- A pátria de Voltaire está em guerra. (A França está em guerra.)

- O oxigênio do globo terrestre está terminando.

Outros Exemplos

A cidade da luz = Paris

O país do sol nascente = Japão

A eterna cidade = Roma

A cidade maravilhosa = Rio de Janeiro

Eufemismo

É a atenuação ou suavização de idéias consideradas desagradáveis, cruéis, imorais, obscenas ou ofensivas.

Exemplos:

- Ele entregou a alma a Deus. (Em lugar de: Ele morreu)

Figuras de Pensamento

-Nos fizeram varrer calçadas, limpar o que faz todo o cão... (Em lugar de fezes)

- Ela é minha ajudante (Em lugar de empregada doméstica)

- "...Trata-se de um usurpador do bem alheio..." (Em lugar de ladrão)

Disfemismo

É o contrário do eufemismo. O disfemismo é utilizado para dar um impacto violento, desagradável, obsceno e ofensivo.

Exemplos:

- Ele bateu as botas! (Em lugar de morreu.)

- Esse lixeiro é muito ruim. (Em lugar de: Esse gari não trabalha muito bem.)

- A televisão me deixou burro, muito burro demais... (Titãs)

Hipérbole

Consiste no exagero de uma idéia.

Exemplos:

- Eu já lhe disse um bilhão de vezes para não exagerar quando falar!

- Este anel deve ter custado os olhos da cara.

- Quase morri de estudar!

Gradação

Consiste numa sequência de palavras, sinônimas ou não, que intensificam uma mesma idéia. Pode ser da menos intensa para a mais intensa e vice-versa.

Exemplos:

- O trigo... nasceu, cresceu, espigou, amadureceu, colheu-se. (Padre Vieira)

- Ele chorou, berrou, esperneou.

Prosopopéia

Consiste em atribuir linguagem, sentimentos e ações de seres humanos a seres inanimados ou irracionais.

Exemplos:

- O galo cantou às quatro da manhã... (Cantar é humano)

- O Morro dos Ventos Uivantes... (Os ventos não uivam)

A estrela d ‘alva no céu desponta E a lua anda tonta com tamanho esplendor...

- Em um belo céu de anil, os urubus, fazendo ronda, discutem, em mesa redonda, os destinos do Brasil.

- O longo braço do Sol impele os ventos.

Apóstrofe

Consiste no chamamento ou interpelação a uma pessoa ou coisa que pode ser real ou imaginária, pode estar presente ou ausente; usada para dar ênfase.

Exemplos:

Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal!

Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus!

Deus! Deus! Onde estás que não respondes?

Fonte: geocities.yahoo.com.br

FIGURAS DE PENSAMENTO

As figuras de pensamento são recursos de linguagem que se referem ao significado das palavras, ao seu aspecto semântico.

São figuras de pensamento:

a) antítese d) apóstrofe g) paradoxo

b) eufemismo e) gradação h) hipérbole

c) ironia f) prosopopéia i) perífrase

Antítese

Ocorre antítese quando há aproximação de palavras ou expressões de sentidos opostos.

Exemplo

"Amigos ou inimigos estão, amiúde, em posições trocadas. Uns nos querem mal, e fazem-nos bem. Outros nos almejam o bem, e nos trazem o mal."

(Rui Barbosa)

Apóstrofe

Ocorre apóstrofe quando há invocação de uma pessoa ou algo, real ou imaginário, que pode estar presente ou ausente. Corresponde ao vocativo na análise sintática e é utilizada para dar ênfase à expressão.

Exemplo

"Deus! ó Deus! onde estás, que não respondes?"

(Castro Alves)

Paradoxo

Ocorre paradoxo não apenas na aproximação de palavras de sentido oposto, mas também na de idéias que se contradizem referindo-se ao mesmo termo. É uma verdade enunciada com aparência de mentira. Oxímoro (ou oximoron) é outra designação para paradoxo.

Exemplo

"Amor é fogo que arde sem se ver;

É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer;"

(Camões)

Eufemismo

Ocorre eufemismo quando uma palavra ou expressão é empregada para atenuar uma verdade tida como penosa, desagradável ou chocante.

Exemplo

"E pela paz derradeira1 que enfim vai nos redimir Deus lhe pague".

(Chico Buarque)

1paz derradeira: morte

Gradação

Ocorre gradação quando há uma seqüência de palavras que intensificam uma mesma idéia.

Exemplo

"Aqui... além... mais longe por onde eu movo o passo."

(Castro Alves)

Hipérbole

Ocorre hipérbole quando há exagero de uma idéia, a fim de proporcionar uma imagem emocionante e de impacto.

Exemplo

"Rios te correrão dos olhos, se chorares!"

(Olavo Bilac)

Ironia

Ocorre ironia quando, pelo contexto, pela entonação, pela contradição de termos, sugere-se o contrário do que as palavras ou orações parecem exprimir. A intenção é depreciativa ou sarcástica.

Exemplo

"Moça linda, bem tratada,

três séculos de família,

burra como uma porta:

um amor."

(Mário de Andrade)

Prosopopéia

Ocorre prosopopéia (ou animização ou personificação) quando se atribui movimento, ação, fala, sentimento, enfim, caracteres próprios de seres animados a seres inanimados ou imaginários.

Também a atribuição de características humanas a seres animados constitui prosopopéia o que é comum nas fábulas e nos apólogos, como este exemplo de Mário de Quintana: "O peixinho (...) silencioso e levemente melancólico..."

Exemplos

"... os rios vão carregando as queixas do caminho."

(Raul Bopp)

Um frio inteligente (...) percorria o jardim..."

(Clarice Lispector)

Perífrase

Ocorre perífrase quando se cria um torneio de palavras para expressar algum objeto, acidente geográfico ou situação que não se quer nomear.

Exemplo

"Cidade maravilhosa

Cheia de encantos mil

Cidade maravilhosa

Coração do meu Brasil."

(André Filho)

Fonte: www.coladaweb.com

Figuras de pensamento

Antítese

Consiste na aproximação de termos contrários, de palavras que se opõem pelo sentido. “Os jardins têm vida e morte.”

Ironia

É a figura que apresenta um termo em sentido oposto ao usual, obtendo-se, com isso, efeito crítico ou humorístico. “A excelente Dona Inácia era mestra na arte de judiar de crianças.”

Eufemismo

Consiste em substituir uma expressão por outra menos brusca; em síntese, procura-se suavizar alguma afirmação desagradável. Ele enriqueceu por meios ilícitos. (em vez de ele roubou)

Hipérbole

Trata-se de exagerar uma idéia com finalidade enfática. Estou morrendo de sede. (em vez de estou com muita sede)

Prosopopéia ou personificação

Consiste em atribuir a seres inanimados predicativos que são próprios de seres animados. O jardim olhava as crianças sem dizer nada.

Gradação ou clímax

É a apresentação de idéias em progressão ascendente (clímax) ou descendente (anticlímax) “Um coração chagado de desejos Latejando, batendo, restrugindo.”

Apóstrofe

Consiste na interpelação enfática a alguém (ou alguma coisa personificada). “Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus!”

Fonte: www.tradutorweb.com.br

Figuras de pensamentos

Figuras que se posicionam no plano das idéias; faz-se por imaginação, por raciocínio, por desenvolvimento ou por significação simbólica.

Antítese

É a aproximação de palavras ou expressões que exprimem idéias contrárias, adversas.

Exemplos

E Carlos, jovem de idade e velho de espírito, aproximou-se. O que sempre foi simples tornou-se complexo.

Apóstrofe

É a interpelação inesperada de um ente real ou imaginário que se faz com a interrupção da seqüência do pensamento.

Exemplo

Sei de minhas condição vil e efêmera. Sei também de minhas fraquezas. Tu, que queres aqui? (note que a seqüência foi interrompida bruscamente com a evocação de alguém).

Observação

Não confundir apóstrofe com apóstrofo, que é o sinal gráfico que indica a supressão de um fonema. Exemplo: Tomei dois copos d'água (o apóstrofo indica que o fonema e foi supresso)

Eufemismo

É uma maneira de, por meio de palavras mais polidas, tornar mais suave e sutil uma informação de cunho desagradável e chocante.

Exemplos

Infelizmente ele se foi (em vez de ele morreu). A criança nasceu com problemas mentais (em vez de A criança nasceu retardada)

Gradação

É a maneira ascendente ou descendente como as idéias podem ser organizadas na frase.

Exemplos

Jonas, inesperadamente, assustou-se. Depois, gritou, aterrorizou-se e morreu (gradação ascendente, do menor para o maior). Ela é uma bandida, uma enganadora, uma sem-vergonha (gradação descendente, do maior para o menor).

Ironia

Figura que consiste em dizer, com intenções sarcásticas e zombadoras, exatamente o contrário do que se pensa, do que realmente se quer afirmar. Exige, em alguns casos, bastante perícia por parte do receptor (leitor ou ouvinte).

Exemplos

Olá! Júlio. Como você está em forma (considere-se que Júlio seja um rapaz com mais de 130 quilos)! Meus parabéns pelo seu serviço (considere-se que o vigia tenha dormido e a empresa tenha sido completamente esvaziada durante um assalto)...

Hipérbole

Modo exagerado de exprimir uma idéia.

Exemplos

Estou morrendo de sede. Você é a garota mais linda do mundo.

Prosopopéia (ou personificação)

É a atribuição de características humanas a seres não-humanos.

Exemplos

O prédio sorria perante os trabalhadores (sorrir é uma atitude humana atribuída a um imóvel, uma edificação). Depois que o sol me cumprimentou, dirigi-me à cozinha (cumprimentar é uma atitude humana atribuída a um astro).

Reticência

É a suspensão de uma idéia ou de um pensamento, deixando a cargo do leitor ou ouvinte a interpretação/inferência do que deveria ou poderia ser mencionado.

Exemplos

Eu fiz toda a minha tarefa. Carla... bem... ela... (podemos deduzir que Carla não fez a tarefa). Hoje eu tenho meu arroz e o meu feijão. Amanhã... (podemos deduzir que o emissor da mensagem não tenha certeza de que terá algo para comer amanhã; ou de que será feijão com arroz. A correta inferência dependerá do contexto em que a reticência estiver inserta).

Retificação

Consiste em consertar uma afirmação anterior.

Exemplos

Todos os deputados se reuniram para trabalhar. Ou melhor, para fazer-nos pensar que iriam trabalhar. Ele, aliás, todos eles me traíram.

Fonte: www.gramaticaonline.com.br

voltar 12avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal