Breaking News
Home / Esportes / Beisebol

Beisebol

Beisebol – Jogo

PUBLICIDADE

O Beisebol é um jogo coletivo um pouco diferente do normal praticado na Europa, pois quando uma equipe ataca, fá-lo apenas com um batedor e o máximo de três corredores, e quando uma equipe defende fá-lo com nove jogadores dispersos por um quarto de círculo.

Da família do cricket, este jogo é sobretudo praticado nos Estados Unidos da América, se bem que também seja praticado agora e com o apoio da IBA – International Baseball Association – em países como o Canadá, Coreia do Sul, Japão, Venezuela, Cuba, México, República Dominicana, Porto Rico e Panamá e na Europa em Itália, Alemanha, Espanha, França e Holanda e Portugal, países com algum número de entusiastas nesta modalidade.

O objetivo do Beisebol é o de vencer o jogo, marcando mais pontos/corridas que o adversário sendo que o objetivo da defesa é eliminar os atacantes da equipe adversária que entram em campo, tentando bater a bola lançada pelo lançador (“Pitcher”) e correr à volta do quadrado com a finalidade de conquistar as quatro bases marcando assim ponto.

Um jogo normal é constituído por nove entradas (“innings”), podendo levar horas até ser concluído, pois não tem limite de tempo.

Em cada entrada cada uma das equipes tem a possibilidade de atacar e de defender uma vez sendo que a equipe visitante começa a atacar, trocando de posição com a equipe da casa quando três dos seus batedores/corredores forem eliminados, passando então a equipe da casa a atacar. Quando três elementos de cada equipe forem eliminados acaba então essa entrada iniciando-se de imediato uma nova entrada.

Ganha o jogo a equipe que tiver completado mais vezes o quadrado de jogo, fazendo mais pontos que o adversário. Neste jogo não existem empates pelo que se ao fim de nove entradas as equipes se encontrarem empatadas terão que se realizar mais entradas até se encontrar um vencedor.

Num jogo um jogador que é eliminado só poderá voltar a atacar/bater quando os restantes membros da equipe inscritos na lista dada ao arbitro antes do início da partida como sendo batedores da equipe, já tiverem também batido, podendo existirem mexidas na lista através de substituições, sendo que o número mínimo de batedores é de nove, tal como o número de jogadores de campo. Contudo podem existir batedores/corredores em exclusividade, ou seja, esses jogadores não participam na defesa da equipe.

Beisebol – Origem

A palavra beisebol deriva diretamente do inglês “baseball”, que é a junção de “base” (base) e “ball” (bola), justamente as duas principais características do esporte.

Beisebol
Beisebol

As raízes do Beisebol são antigas, profundas e internacionais na sua origem.

A Rússia tinha uma versão do Beisebol, designada por “lapta”, em 1300. Os jogos ingleses, “Cricket” e Rounders”, contribuíram para o surgimento da modalidade e são jogados desde os séculos dezasseis e dezassete, respectivos.

A famosa escritora inglesa, Jane Austen, referiu-se a um jogo de “ base-bola”, jogado no relvado de uma aldeia, no seu romance “ Northanger Abbey”, escrito em 1800.

Os alemães jogavam um jogo chamado “ Schlagball” que era muito parecido com o “ Rounders”. O lançador atirava a bola para um atacante, que batia com um pau e depois tentava correr em circuito de bases, sem ser atingido pela bola na posse da defesa.

Os americanos também tinham uma versão do “Rounders”.

As versões do Beisebol tiveram vários nomes, tais como: “base ball”, goal ball, round ball ou apenas base.

A primeira narração dum jogo de Beisebol teve lugar em Ontario(Canadá), a 4 de junho de 1838. O jogo era dividido em innings (entradas) e cada equipe tinha 3 outs (eliminações) por innings.

Em 1845, Catwright, de New York City ficou conhecido como “ o pai do Beisebol” escrevendo um conjunto de vinte regras padrão para o jogo, onde passou a existir um árbitro.

Este conseguiu criar uma das primeiras equipes conhecidas de Beisebol, “Knickerbocker Base Ball Club” de New York City.

Em 1876 surgiu nos Estados Unidos a liga nacional de Beisebol. Em 1877 criou-se a associação internacional constituída por equipes profissionais do Canada e Estados Unidos.

Em 1938 surge a Federação Internacional de Beisebol com intuito de organizar competições. Em 1953 foi fundada a Confederação Europeia de Beisebol.

História

O Beisebol é um dos esportes mais populares do mundo, principalmente nos Estados Unidos. É considerado uma das maiores tradições americanas, por isso, até hoje as regras originais são mantidas sem alteração.

O esporte teve origem na cidade de Cooperstown, Estado de Nova York, onde está instalado o Pavilhão da Fama do Baseball (museu oficial do beisebol) e foi se espalhando pelos Estados Unidos após a Guerra Civil, pois no intervalo das batalhas os soldados praticavam o esporte nos acampamentos militares e ao voltarem para suas cidade de origem, levaram o beisebol como nova forma de lazer.

Nos demais países, o Beisebol foi espalhado por funcionários de empresas americanas ou por soldados americanos que viviam em bases militares pelo mundo.

O Beisebol

Nos Estados Unidos, em meados de 1700, os imigrantes ingleses pertencentes elite das cidades de Boston e Nova Iorque tinham o hábito de jogar cricket. Pouco tempo depois, ainda em Boston, uma versão mais simplificada do cricket conhecida como rounders passou a ser praticada, tornando-se popular entre os jovens da região.

Em 1750, o rounders era composto por 2 bases e o objetivo do jogo era rebater a bola lançada pelo arremessador longe o suficiente para que o rebatedor pudesse correr entre as bases; cada ida e volta bem sucedida entre elas correspondia a um ponto. A defesa, por sua vez, deveria pegar a bola e acertá-la no rebatedor, impedindo-o de marcar ponto.

Inúmeros praticantes foram surgindo e adaptações foram sendo realizadas. Surgia o townball. O novo desporto tinha o campo quadrado, geralmente com 4 bases, embora este número pudesse variar entre 2 e 5. O arremessador localizava-se a cerca de 11m de distância do rebatedor.

Os nova-iorquinos, aproveitando a moda de Boston, fixaram o número de bases em 4 e deram ao jogo o nome de “The New York Game”. Neste jogo, os times se alternavam entre ataque e defesa a cada out (rebatedor eliminado). A volta completa pelas 4 bases era chamada de ace e era vencedora a equipe que marcasse 21 aces.

Em 1845, Alexander Cartwright projetou o primeiro campo de baseball com formato de diamante. Um ano mais tarde, as equipes New York Nine e Knickerbocker Club estreavam o campo em formato de diamante na cidade de Hoboken, em New Jersey. Cada equipe contava com nove jogadores, aparentemente por nenhum motivo específico, a não ser pelo fato de os nova-iorquinos terem insistido neste número.

A chegada da Guerra Civil popularizou o “New York Game”, quando soldados do nordeste dos EUA foram vistos carregando seus equipamentos de jogo. Após a guerra, o desporto tornou-se tão popular que cada vilarejo tinha sua própria equipe.

A parir de 1800, o taco de cricket foi sendo substituído pelo taco arredondado, luvas almofadadas e equipamentos de segurança passaram a ser utilizados.

Em 1889, o Beisebol já era um esporte popular nos Estados Unidos. Outros dizem que o Beisebol procede do jogo inglês rounders; outros opinam que foi inventado em 1839 pelo norte-americano Abner Doubleday.

Diversas alterações nas regras do jogo foram realizadas até chegarmos no basebal atual, cheio de suspenso até o fim.

Enquanto seguiu as regras do rounders, os rebatedores eram os favorecidos no jogo porque escolhiam a bola que o arremessador deveria lançar. Ironicamente, após tantas mudanças, hoje são os arremessadores que detêm o controle sobre o jogo, comandando a partida ao lançar – a seu critério – bolas que dificultem a batida do rebatedor, responsabilizando-se pelo sucesso ou fracasso da sua equipe.

O que é?

É um esporte completo, que exige força, reflexos, agilidade, e velocidade.

O jogo de Baseball, ou Beisebol aqui no Brasil, é um dos jogos mais populares do mundo, principalmente nos Estados Unidos. Este é um esporte tipicamente americano que conquistou adeptos pelo mundo inteiro e é o esporte mais popular em países como o Japão, Cuba, e em muitos países do Caribe e da América Central.

O Beisebol é um esporte completo, que exige força, reflexos, agilidade, e velocidade.

Alguns jogadores profissionais, com certeza poderiam ser velocistas, outros poderiam praticar outras formas de atletismo. O Beisebol é um esporte coletivo onde o espírito de equipe e a colaboração entre os jogadores em campo é muito importante.

O Beisebol é um esporte familiar, onde a assistência ou torcida é formada de famílias, desde o avo até o netinho, onde o amor ao esporte é passado de geração a geração.

Como se joga?

Resumidamente, durante um jogo de Beisebol as equipes se alternam entre tempos de defesa e ataque.

A equipe que está no ataque visa marcar pontos, e é obrigada a ir para a defesa, toda vez que tiver três dos seus jogadores de ataque eliminados. O ataque tem por objetivo marcar pontos, que acumulados, e em maior número que os marcados pelo adversário, permitem à equipe conquistar a vitória.

O ponto no beisebol não é marcado pela bola e, sim, pelo jogador – o corredor no caso. Normalmente, o corredor parte da terceira base e corre até a base principal depois de uma rebatida válida. O objetivo do corredor é conquistar a base seguinte e, consecutivamente, conquistar a base principal. No momento em que o corredor conquista a base principal, ele marca um ponto para a equipe.

A equipe que está na defesa tenta evitar que a equipe adversária marque pontos e procura eliminar jogadores do ataque adversário. Ela sai da situação de defesa para a situação de ataque, quando consegue eliminar três jogadores de ataque do adversário. Quando uma equipe está na defesa, seus nove jogadores entram em campo, equipados com as suas luvas, cada um para defender uma região do campo determinada pela sua especialidade e pelo técnico. A dupla mais importante da defesa é formada pelo arremessador e receptor, e sua função é de impedir que o rebatedor do time adversário consiga realizar uma boa rebatida.

O campo é dividido em Jardim Interno e Jardim Externo. O Jardim Interno é a área interna do campo, a partir da área gramada para dentro. Nesta área central, existe um quadrado gramado, seus vértices (pontas) são as bases do beisebol. O Jardim Externo é a área gramada, externa do campo. Esta área é dividida, para fins de colocação dos jogadores da defesa.

Vantagens:

Melhora o condicionamento físico, a coordenação motora, reflexos e agilidade.
Trabalho em equipe.

Risco: Se praticado em excesso pode causar lesões nos cotovelos e ombros.

Quem pode praticar:

Adultos e crianças podem praticar o beisebol.
Pessoas com problemas cardíacos devem evitar este esporte.

Dica: Fazer alongamento antes e depois do treino;

Fique por dentro de algumas expressões usadas no Beisebol:

“Batting order” – ordem de rebater;
Bola Viva – bola em jogo;
Bola Morta – bola fora do jogo;
“Out” – eliminação;
“Double Pay”- dupla jogada;
“Strike Out” – eliminação do rebatedor após o 3º strike;
“Save” – não eliminado;
“Time”- tempo.

Equipamentos do Beisebol

Beisebol

Bases; 1ª, 2ª e 3ª

Deverão ser feitas em tecido branco ou em materiais sintéticos, e deverão estar seguramente presas ao chão. Todas elas deverão estar completamente dentro do campo (a 1ª e a 3ª não deverão estar em cima da linha mas ao lado da mesma, dentro do campo) .

Deverão ter 38cm de lado e entre 7,6cm e 12,7cm de espessura, sendo enchidas/preenchidas com um material macio (no caso das sintéticas deverão ser relativamente moles).

Back Stop

Estrutura montada por detrás da Casa Base com o objetivo de parar as bolas (mantendo-as em jogo) que o receptor não conseguir apanhar oriundas de um lançamento ou de um passe. Cada clube tem montado uma estrutura própria, a qual basicamente consiste numa armação de metal coberta por uma rede.

Bola

A Bola de Beisebol é feita de pele, cordão e cortiça (ou borracha). O núcleo da bola deverá ser em cortiça, em volta do qual é enrolado um cordão (bastante apertado) até ficar com aproximadamente 23 cm de circunferência. Deverá ser então coberta com duas tiras de pele branca. O seu peso é de 30 gramas.

Boné/chapéu

Indispensável (e obrigatório) para os jogadores da equipe que está a defender, para evitar o encadeamento provocado pelo sol ou luminosidade excessiva.

Caneleiras

Estrutura de plástico (normalmente) muito resistentes (para proteger as pernas/canelas do receptor das bolas lançadas e/ou mal batidas) mas maleáveis, pois o receptor utiliza-as durante todo o tempo em que a sua equipa está a defender. Utilizadas também pelo árbitro principal.

Capacete

Utilizado pelos jogadores da equipe atacante que estejam, no momento, em jogo (dentro de campo). Obrigatório uma vez que estes jogadores, quando correm entre bases não costumam olhar para a bola, e esta normalmente circula muito perto dos atacantes.

O receptor utiliza um capacete próprio, de tamanho mais reduzido (parece uma tigela).

Casa Base (home plate)

Base marcada por um pedaço de borracha branco achatado e com 5 lados. Deverá ter 31cm quadrados. Um dos lados deve medir 43,2cm, os dois lados ligados a este 30,5cm e os outros dois (os que forma a cunha e se juntam) 21,6cm

Cleats

Tênis com cravos essenciais a darem a aderência necessária aos atletas quando fazem o arranque para começar a correr, quer quando na defesa perseguem uma bola rápida quer quando no ataque iniciam a corrida.

Derrapar implica demorar mais tempo a fazer a jogada o que em muitos casos poderá ditar a eliminação ou não de um jogador.

Existem cravos de borracha e metálicos, ambos fixos como removíveis. Dado o tipo de campos em que jogamos em Portugal (terreno duro) aconselha-se os de borracha fixos (cravos de forma retangular) pois são mais confortáveis e duradouros, pois desgastam-se mas raramente se partem.

Os de metal (cravos achatados em forma de lamina) são mais aconselhados em terrenos moles ou relvados, pois neste caso torna-se mais eficientes em termos de aderência.

De qualquer modo cada jogador deverá utilizar aqueles com que se sentir mais confortável. Na dificuldade de encontrar este tipo de ténis próprios para o Beisebol, umas “chuteiras” poderão substituí-los facilmente.

Coquilha

Embora de utilização incômoda é uma peça fundamental para todos os jogadores seja qual for a sua posição. Protege os órgãos genitais

Écran em L (L screen)

Estrutura móvel utilizada para proteger o lançador (ou MLB) das bolas batidas, quando em treino.

Luva

Serve como protetor da mão que apanha as bolas batidas pelo atacante ou passadas pelos companheiros de equipe.

A sua dimensão pode depender do tamanho do jogador (infantil,… , sênior) e/ou da posição em que este joga – as luvas dos jogadores do Campo Interior são normalmente mais pequenas que as dos jogadores do Campo Exterior. Existem duas posições em que é permitida a utilização de luvas um pouco diferentes, mais “almofadadas”.

O Primeira Base – luva idêntica dos outros jogadores mas com maior dimensão e com mais proteções – e o Receptor, que utiliza uma luva quase redonda sendo esta bastante almofadada. Pode ser feita de vários materiais desde os sintéticos à pele natural.

A sua escolha é bastante importante pois uma luva mais barata pode servir para quem começa a jogar ou quem não joga muito, mas se for utilizada em situações em que a bola atinja altas velocidades poderá degradar-se com facilidade.

Como escolher/tratar da luva:

Escolha uma luva de acordo com a posição onde irás jogar com maior freqüência

Campo Exterior – Luva grande
Lançador –
luva média ou grande com cor uniforme
Campo Interior –
(exceto 1º base) luva pequena ou média
Primeira Base –
Luva 1ª base (Beisebol)
Luva 1ª base ou de campo exterior (Softbol)
Receptor –
Luva de receptor (Beisebol)
Luva de 1ª base ou campo exterior (Softbol)

Uma Luva não tem de ser cara para ser boa e durar muitas épocas. Procura uma luva com que te sintas confortável e que dê para ajustar à tua mão.

Deverá permitir que utilize luva de batimento entre a mão e a luva (à exceção dos Lançadores de Beisebol), uma vez que esta irá absorver a maior parte do suor da mão (protegendo assim a luva de Beisebol).

Antes de te decidires por uma luva, apalpa-a e molda-a com as tuas mãos de modo a sentires a qualidade da pele (deverá ser bastante resistente).

Uma luva mais rija poderá ser mais difícil de quebrar mas uma vez que o faças esta durará mais épocas. Uma luva mais mole implica a utilização de uma pele mais fina o que implica uma menor duração da luva.

Indicações como “All leather Palm”(palma toda em pele) normalmente querem dizer que o resto da luva não é em pele. Atenção às luvas em material sintético, hoje em dia è cada vez mais difícil de fazer a distinção das da pele verdadeira.

As luvas em pele deverão ter um selo a dizer “Genuine Leather (pele genuína). As luvas sintéticas são praticamente impossíveis de quebrar, e nem sempre são as mais baratas (especialmente se se tiver de comprar uma todas as épocas).

“Quebrar” a luva

Uma boa luva é como um bom amigo, demora-se algum tempo a “construir uma relação”, mas quando esta é conseguida, tem-se algo em que podemos realmente confiar.

Uma luva tem vários pontos onde é possível ajustar ao tamanho da mão, ou ajustar a distancia que as diversas partes que a constituem tem entre si. O apertar ou alargar dos vários cordões de cabedal existentes permite alargar ou apertar mais a luva.

Das mais variadas maneiras de quebrar uma luva (algumas delas bastante originais mas pouco eficientes) a mais acessível continua a ser a utilização de creme para fazer a barba (tenta utilizar um creme que não tenha um cheiro muito intenso).

Outro produto que podes arranjar facilmente são as velas de “sebo” que antigamente se costumavam utilizar nas botas de cabedal. No caso de dispores de óleo para luvas de Beisebol, deverá então utilizar este.

Ao “oleares” a luva, deverás ter em atenção para não o fazeres excessivamente. Aplica um dos produtos escolhidos (óleo de luva, creme ou sebo) com a ajuda de um pano ou toalha limpa (aplica o produto neste(a) e depois esfrega na luva), apenas nas zonas onde a luva necessite de ser mais flexível.

Não apliques o produto na luva toda. Espera perto de 24 horas para que a luva possa absorver o produto antes de passares à fase seguinte.

Na segunda fase, há que jogar insistentemente com um colega (passar a bola um para o outro) até começares a sentir a luva a cooperar mais contigo (mais ou menos 100 passes).

Algo que poderá acelerar o processo de quebrar a luva será o de trocar umas bolas com o Lançador da tua equipa (ou alguém que consiga Lançar/passar com força – se tiveres acesso a uma máquina de lançar bolas melhor).

Não apliques mais do produto até passarem perto de duas semanas, e fá-lo apenas em áreas onde a luva necessite de mais flexibilidade.

Coloca então uma bola de Softbol no bolso (pocket) da luva, dobra-a (enrola-a) mantendo a ponta do dedo miudinho por de baixo da do polegar e ata bem com um cinto (se puderes utilizar um cinto elástico melhor)

Tratar da Luva

Primeiro tens de compreender que a luva é feita de um material orgânico e que se decomporá se ficar úmido ou que ficará muito duro quando secada ao sol ou calor intenso. A saliva, portadora de enzimas, também acelera o processo de deterioração por isso, não é boa idéia utilizar cuspo na luva.

Não permitas que fique molhada da transpiração utilizando uma luva (de batimento, por exemplo) por de baixo da luva de Beisebol de modo a que esta absorva a transpiração que surge quando jogas.

Quando a luva ficar molhada, seca-a com uma toalha, ou pano e deixa a exposta há temperatura ambiente por umas horas até que seque completamente (especialmente os cordões de cabedal). Poderás então aplicar um pouco de “óleo” nos cordões de cabedal e em algumas partes da luva.

Quando se arruma a luva convém colocar uma bola de Softbol no bolso (pocket) da luva, dobra-la mantendo a ponta do dedo miudinho por de baixo da do polegar e atá-la bem com um cinto (se puderes utilizar algo elástico melhor).

Pelo menos uma vez por ano (entre épocas) deverás afrouxar os cordões de cabedal (desapertar) dos dedos e da rede da luva, remover a sujidade, verificar o estado dos cordões, voltando a apertar depois todos estes de acordo com o desejado.

Os cordões danificados são facilmente identificados quando relaxados devendo ser então substituídos. Jogar com estes danificados poderá estragar ainda mais a luva assim como poderá constituir um perigo para quem a utiliza.

Luva de Batimento

Luvas utilizadas pelos jogadores atacantes, quando batem a bola. A utilização deste tipo de luvas permite ao batedor ter um melhor controlo do taco, ao mesmo tempo que oferece uma certa proteção contra a vibração do mesmo a quando do contato com a bola.

Poderão também ser utilizadas por alguns dos defesas, por debaixo da luva de pele como modo de retenção do suor da mão (evitando que este estrague a luva).

Máquina de Lança Bolas MLB (pitching machine)

Existem vários gêneros e modelos destes tipos de máquinas. Utilizadas majoritariamente no treino dos batedores, onde proporcionam uma grande quantidade de diferentes lançamentos a velocidades variáveis, mantendo sempre a mesma precisão.

Pode também ser utilizada no treino defensivo, podendo colocar as bolas com velocidades variáveis em vários pontos do campo (como o treinador quiser).

Umas máquinas utilizam as bolas oficiais enquanto outras funcionam com bolas de segurança (feitas de materiais mais “macios”).

Máscara de Beisebol

Estrutura em metal (ou outro material resistente), almofadada que protege a face e parte de cabeça do receptor contendo normalmente uma peça móvel que protege a garganta/pescoço. Deverá ser resistente de modo a proteger o receptor das bolas lançadas e/ou mal batidas.

Deverá ser de remoção e colocação fácil pois está constantemente a ser retirada (quando a bola entra em jogo). Poderá estar ligada a um capacete, especialmente utilizado pelo receptor. Utilizada também pelo árbitro principal.

Peitilho

Escudo que protege o peito do jogador que joga na posição de receptor o qual defende a casa base e recebe os lançamentos do lançador.

Deverá ser resistente de modo a proteger o receptor das bolas lançadas e/ou mal batidas e do contato físico em que este jogador se vê envolvido quando há jogadas “apertadas” na casa base.

Contudo deverá também ser maleável de modo a permitir ao jogador que o usa ter liberdade de movimentos. Utilizado também pelo árbitro que se posiciona por de trás do receptor (árbitro principal).

Prato/base do lançador (pitcher plate)

Deverá ser um pedaço de borracha branca achatado, de 61cm por 15,3cm. Encontra-se colocado entre a 2ª base e a casa base, distando do ponto mais distante desta em 18,45m.

Taco de Beisebol

Instrumento essencial com que a equipe atacante “coloca” a bola em jogo. O seu tamanho e peso dependem da perícia, força e tamanho do jogador em causa. Pode também ter a ver com a força psicológica que transmite ao jogador.

Podem ser feitos em diversos materiais como a madeira (tradicional mas menos eficaz em ligas menos competitivas), o alumínio (mais utilizado dada a sua eficiência Vs preço Vs durabilidade) e outros (fibras).

Túnel de Batimento (Batting Cage)

Estrutura montada fora do campo de jogo, utilizada para a prática e ou aquecimento do batimento. Normalmente feita de uma armação em metal sendo o “túnel” formado por uma rede, a qual evita que as bolas batidas saiam da área do túnel.

Deste modo o treino de batimento poderá ocupar só uma ou duas pessoas que com menos material fazem um treino mais eficiente e rápido.

Numa das extremidades posiciona-se o batedor e na outra uma máquina de lançar bolas (pitching machine) ou um lançador, os quais deverão estar devidamente protegidos por um “écran em L”.

Regras

O Beisebol é um jogo entre duas equipas de nove jogadores cada (mais os suplentes), as quais são orientadas por um treinador, jogado num campo limitado de acordo com regras próprias, sendo arbitrado por um ou mais árbitros. O objetivo de cada equipa é o de vencer o jogo, marcando mais pontos/corridas que a oponente.

Não vamos aqui falar de todas as regras que regem esta modalidade mas sim dar umas noções sobre algumas das regras e situações básicas:

Um jogo é constituído por nove entradas (“innings”). Em cada entrada cada uma das equipes tem a possibilidade de atacar e de defender uma vez. A equipa visitante começa a atacar, trocando posições com a equipa da casa quando 3 dos seus jogadores forem eliminados, então passa a equipa da casa a atacar.
Quando 3 elementos de cada equipa forem eliminados acaba então essa entrada iniciando-se de imediato uma nova entrada. A equipe que tiver marcado mais pontos/corridas no fim das 9 entradas que dura um jogo ganha.
Não existem empates, pelo que se ao fim das nove entradas as equipas tiverem o mesmo número de corridas marcadas deverão realizar outra(s) entrada(s) de modo a que ao fim de uma destas uma das equipas tenha mais pontos que a outra.
Num jogo de 9 entradas cada equipa poderá ver os seus jogadores a serem eliminados 27 vezes (quando um jogador é eliminado só poderá voltar a atacar/bater quando os restantes 8 membros da equipa já tiverem também batido).
Uma equipa quando defende coloca estrategicamente os seus nove jogadores em campo.

Por a bola em jogo:

O batedor ocupa a sua posição na caixa de batimento (jogador da equipa atacante)
O lançador (jogador da equipa que defende) deverá lançar a bola para o batedor , o qual decidirá se vai ou não tentar bater essa bola.
O objetivo da equipa que está a atacar é fazer com que o seu batedor se torne num corredor fazer com que estes avancem no terreno, passando pelas 3 bases até chegarem à Casa Base sem ser eliminado. Quando isto acontece a equipa que está a atacar uma corrida.
Quando 3 jogadores da equipa ofensiva são eliminados, essa equipa deixa de atacar e passa a defender
O objetivo da equipe que está a defender é o de evitar que os jogadores da equipe atacante marquem pontos/corridas, eliminando-os antes que estes consigam avançar até à casa Base. Ao fim de 3 eliminações trocam de posição passando então a atacar.

O batedor

Cada jogador da equipa atacante deverá bater na ordem definida pela lista de batimento da sua equipa
O primeiro batedor no início de cada entrada será aquele cujo nome apareça logo após o nome do último jogador a ter completado o seu batimento, na entrada anterior.
O batedor não poderá abandonar a caixa de batimento quando o lançador se encontrar na posição de lançamento (set position).
Um batedor completa o seu batimento quando é eliminado ou quando se torna num corredor.
Caso o ataque termine antes do batedor ter completado o batimento (exemplo, um corredor é eliminado a tentar roubar) este jogador será o primeiro a bater na próxima vez que a sua equipa estiver a atacar.

Existem várias maneiras de eliminar um batedor, sendo as mais comuns:

Quando o batedor falhar pela 3ª vez a colocação em campo de uma bola lançada, por qualquer combinação de um dos seguinte motivos:

Tentar bater a bola e falhar (e o receptor apanhar a bola com a luva antes desta tocar no chão ou no árbitro):
Não tentar bater na bola lançada e esta passar na zona de strike (e o receptor apanhar a bola com a luva antes desta tocar no chão ou no árbitro):
Tentar bater a bola, falhar e esta bater-lhe no corpo
Quando o batedor, que já tenha falhado o batimento por 2ªs vezes, tentar fazer um toque de bola e for considerado um batimento inválido.
Quando o batedor bater uma bola válida mas não conseguir chegar à primeira base antes da bola que havia sido batida (jogada feita pela equipa que defende).
Quando o batedor bater uma bola válida mas for apanhado entre bases.
Quando o batedor bater uma bola válida mas a equipa que defende conseguir apanhar a bola antes desta tocar no chão.
A terceira tentativa de batimento é falhada e o receptor não apanha a bola, mas a 1ª base está ocupada e há menos de 2as eliminações nessa entrada.
For chamado um balão interior
Passar de uma caixa de batimento para a outra (de batimento à direita para batimento à esquerda) enquanto o lançador está pronto para lançar.
Interferir intencionalmente com o passe do receptor (catcher), fora da caixa de batimento, quando este tenta fazer uma jogada (ecepção feita se for eliminado um corredor nessa jogada)

Existem várias maneiras de eliminar um corredor, sendo as mais comuns:

Quando o batedor bater uma bola válida e um corredor, obrigado a correr, não conseguir chegar à base de destino antes da bola (jogada pela equipe que defende)
Quando uma bola batida tocar no corredor antes que um defesa lhe tenha tocado
Quando um corredor for “apanhado” fora da base por um defesa que tenha a bola em seu poder (deverá tocar o atacante com a mão/luva que tem a bola). Esta regra não se aplica quando o batedor, que se tornou num corredor, acabou de chegar à 1ª base, tendo passado por cima da mesma, desde que não tenha tentado correr para a 2ª base.

O batedor torna-se num corredor, quando:

Bater uma bola válida e conseguir chegar à 1ª base antes que a equipa defensiva consiga fazer a bola chegar à 1ª base
Bater uma bola por cima da cerca/barreira de fundo – Home run (neste caso avançaria diretamente para a casa base, passando por cima das restantes bases)
O lançador fizer 4 bolas, ou seja, lançar 4 bolas fora da zona de strike, sem que o batedor lhes tente acertar (neste caso avança para a 1º base)
O lançador acertar com a bola no batedor (fora da zona de strike) sem que este tenha tentado fazer o batimento
O receptor interferir com a tentativa de batimento do atacante
O receptor deixar cair a bola que seria o 3º “strike” e o batedor conseguir chegar a 1ª base antes da bola ou antes que um defesa em posse da bola lhe toque (contando que não está ninguém na base e há uma ou nenhuma eliminação).
O lançador fizer um balk .

O atacante poderá avançar para as restantes bases quando:

Sendo batedor, consegue bater a bola para longe, possibilitando-o correr até à base possível (desde que entretanto não seja eliminado)
Sendo batedor, bater uma bola por cima da cerca/barreira de fundo fazendo um home run. Neste caso avançaria diretamente para a casa base, marcando uma corrida (assim como fariam todos os corredores que estivessem nas bases na altura do batimento.
Sendo corredor consegue alcançar outra(s) base(s) , quando o seu colega de equipe bate uma bola válida
Sendo corredor, rouba uma (ou mais) base(s)
Quando o batedor for “premiado” com a 1ª base (sem ter de bater) e houver um corredor que se encontre nesta (se por sua vez caso haja um corredor em segunda este avança para terceira e caso esta também esteja ocupada – quando a bases estão cheias – este último corredor marca um ponto/corrida)
Um corredor é obrigado a correr (chegar a outra base) quando entre si e o batedor não houver nenhuma base livre (após o batedor colocar uma bola válida em jogo)

Bola viva Vs Bola Morta

Caso uma bola passada atinja um treinador acidentalmente ou uma bola lançada ou passada toque num dos árbitros, a bola continua viva (no entanto se o treinador interferir num lançamento, o corredor é eliminado).

A bola torna-se morta e os corredores avançam uma base, ou retornam à base onde se encontravam sem perigo de serem eliminados, quando:

Uma bola (lançada) toca no batedor ou na sua roupa, fora da zona de strike, sem que o batedor tente bater a bola. O batedor avança para 1ª base e os corredores, se forçados, avançam uma base.

O árbitro da casa base interfere com o passe feito pelo receptor. Esta interferência deverá ser ignorada se o passe for feito e eliminar o corredor.

For feito um balk. O batedor avança para a 1ª base, e os corredores avançam uma base, se forçados

A bola seja batida fora da zona de jogo, corredores voltam às bases

For feito um batimento inválido e a equipa que defende não conseguir apanhar a bola antes de esta tocar no chão. Os corredores regressam ás bases, tendo de tocar nas mesmas.

Se uma bola válida tocar num corredor ou num árbitro antes de ter tocado num jogador da equipe defensiva (se tocar no corredor, este é eliminado). Esta regra não é aplicada se a bola já tiver passado por um defesa do campo interior e mais nenhum defesa do campo interior conseguisse apanhar a mesma.

Uma bola lançada ficar presa na mascara do árbitro ou do receptor, mantendo-se fora de jogo. Os corredores avançarão uma casa. Em caso de ser a 3ª strike ou a 4ª bola o batedor avança para a 1ª base.

Um lançamento acerta num corredor que tenta marcar. O corredor fica salvo

Os Jogadores da defesa

Primeira Base (first base)

Responsável por apanhar as bolas batidas na sua direção (bolas baixas) e por apanhar passes feitos pelos seus companheiros de modo a eliminar os atacantes que se dirijam à 1ª base (normalmente o batedor)- Poderá ser destro ou canhoto
Requer pouca corrida e passe. Requer alguma destreza em apanhar todo o tipo de bolas passadas pelos companheiros. Posição ocupada normalmente por jogadores mais velhos, ou mais pesados.
Um jogador grande nesta posição facilita o passe dos companheiros, impondo ao mesmo tempo respeito aos batedores que tentam chegar a esta base

Segunda Base (second base)

Responsável por apanhar as bolas batidas na sua direção (bolas entre 1ª e 2ª bases) ou por cobrir a 2ª base quando as bolas são batidas entre a 2ª e a 3ª base.
Responsável por defender a 1ª base quando há um toque de bola nessa direção ou quando o 1ª base vai atrás de uma bola batida (esta função deverá ser combinada com o lançador)
Preferencialmente destro pois mais facilmente consegue fazer o passe para 1ª quando apanha a bola batida ou após receber a bola de um colega (numa jogada dupla).
Não precisa de ter o braço mais potente uma vez que se encontra junto da 1ª base

ShortStop

Responsável por apanhar as bolas batidas na sua direção (bolas entre 2ª e 3ª bases) ou por cobrir a 2ª base quando as bolas são batidas entre a 1ª e a 2ª base.Normalmente o melhor jogador do campo interior pois a maioria das bolas rasteiras são batidas para a sua área.
Normalmente com o braço mais potente pois freqüentemente tem de colocar a bola na 1ª base estando no ponto mais distante em relação à mesma.
Preferencialmente destro pois mais facilmente consegue fazer o passe para 1ª quando apanha uma bola batida

Terceira Base (third base)

Responsável por apanhar as bolas batidas na sua direção (bolas baixas) e por defender a 3ª base
Deverá estar constantemente alerta pois muitas das bolas são batidas na sua direção de forma ríspida (por isso esta posição é alcunhada de “canto quente”)

Lançador (pitcher)

Inicia a ação de cada jogada lançando a bola sobre a casa base onde o batedor estará preparado para bater
Precisa de ter um lançamento potente
Precisa de ter controlo no lançamento e ser consistente nos lançamentos efetuados
Convém ter mais que um tipo de lançamento
Responsável por cobrir a 1ª base quando a bolas rasteiras são batidas nessa direção deverá combinar esta função com o 2ª base

Receptor (catcher)

Utiliza uma mascara, capacete, caneleiras, peitilho e outro equipamento de segurança, jogando de cócoras por de trás da casa base (e do batedor)
Recebe as bolas lançadas pelo lançador que o batedor não consegue bater
Deverá ter um braço potente para conseguir eliminar os corredores que tentem roubar bases
Deverá ser duro e resistente, uma vez que na sua posição há jogadas que poderão ser mais violentas, e é freqüentemente atingido por bolas vindas do lançador ou de ressaltos dos tacos
Informa o lançador sobre o tipo de lançamento que deverá ser feito, de acordo com o batedor em causa
É por vezes aquele que organiza a equipa

Glossário

Anotador(a) – Pessoa(as) que registram tudo o que acontece durante o jogo. Esta informação é depois utilizada na elaboração das estatísticas das equipas e dos jogadores.

Apanhada (“fly out”)- qualquer bola que seja apanhada (por um defesa de campo) antes de tocar no chão (base, árbitro ou atacante)

Balão (“fly ball”) – bola batida em balão, que sobe muito

Balão interior(Infield fly) – será gritado pelo árbitro a uma bola batida em balão que irá cair no campo interior. Tal só acontece quando houver um corredor na 1ª base quando a bola á batida e houver menos de 2as eliminações, sendo o batedor automaticamente eliminado.

Balk – Movimento ilegal cometido pelo Lançador

Banco – (Dogout) Lugar reservado aos jogadores e técnicos das equipas nos momentos em que não estão em jogo.

Base – um dos quatro pontos que devem ser tocados, por ordem, pelo corredor para marcar pontos.

Base por Bolas – Quando a 1ª base è atribuída ao batedor após 4 lançamentos fora da zona de strike (ou seja 4 bolas)

Batedor (“batter”) – primeira função do jogador atacante quando chega a sua vez de bater a bola.. Após o batimento, o jogador larga o taco e torna-se corredor.

Batimento inválido (“foul-ball”) – batimento irregular, para fora das linhas laterais do campo. Determina paragem do jogo (bola morta) e soma uma tentativa para o batedor.

Bola (“ball”) – vantagem do batedor em relação ao lançador. Pode ser devido ao lançamento por parte do lançador, para fora do quadrado imaginário, sem que o batedor efetue qualquer movimento.

Bola Morta – quando a bola não está em jogo

Bola Válida (fair ball) – batimento que fica em terreno válido

Bola Viva – quando a bola está em jogo

Campo Exterior (outfield) – zona do campo onde não existem bases (a zona mais afastada da Casa Base

Campo Interior (infield) – zona do campo abrangida pelas bases

Corredor (runner) – jogador da equipe atacante quando deixa de ser batedor (desde que não seja eliminado)

Defesa – qualquer jogador da equipa que defende

Defesa Exterior (outfielder) – defesa do campo exterior

Defesa Interior (infielder) – defesa do campo interior

Eliminação (“out”) – quando um atacante é eliminado pela equipa que defende. 3 eliminações implica que a equipa que atacava passa a defender e vice versa .

Entrada (“inning”) – conjunto de 1 ataque e 1ª defesa por parte de cada uma das equipas (um jogo é constituído por nove entradas)

“Home-run” – batimento legal para além dos limites e vedações do campo de jogo (no corredor limitado pelas linhas que partem de casa e passam pela 1ª e 3ª base) que permite ao batedor dar uma volta completa, marcando assim um ponto, e que todos os corredores que estejam em base marquem ponto, sem que a defesa possa fazer algo para o evitar.

Início da Entrada (top of the inning) – quando a equipa visitante vai atacar (inicio de cada entrada)

Interferência – (interference) quando um jogador ou técnico (atacante ou defesa) ou árbitro interfere (propositadamente ou acidentalmente) com uma jogada, não permitindo que o jogador ou jogadores da outra equipa consigam efetuar uma jogada.

Jogada Dupla (double play) – quando numa jogada são eliminados 2 jogadores de uma equipa

Jogada Forçada – jogada na qual o corredor perde direito à base onde se encontra uma vez que o batedor se torna corredor e entre estes não ouver nenhuma base vazia.

Lançador (“pitcher”) – defesa que efetua o lançamento do centro do terreno para o receptor. O seu objetivo é lançar a bola de modo a evitar o batimento do batedor, mas tem de enviar a bola para um quadrado imaginário que se situa entre os joelhos e as axilas do batedor (zona de “strike”).

Lançamento – bola enviada pelo lançador para o receptor no início de cada jogada.

Obrigado a correr – Quando o batedor se torna um corredor, se estiver um corredor na 1ª base este é obrigado a conquistar a base seguinte de modo a deixar a 1ª base disponível para o batedor. Se houver um corredor na 2ª base esse terá de correr para a 3ª, e se houver um corredor na 3ª este será obrigado a avançar para casa. Um corredor que esteja numa base é obrigado a correr sempre que a bola for posta em jogo e entre ele e o batedor não houver uma base livre.

Ponto/corrida (run) – quando um atacante chega a Casa Base sem ser eliminado. No fim do jogo, a equipa com maior número ganha.

Quebrar a Luva – Ato de moldar a luva à mão do utilizador, quando esta é nova tornando-a mais macia, confortável, pronta para jogar

Receptor (“catcher”) – defende a Casa Base e comanda grande parte das operações da sua defesa.

Roubar – quando um corredor consegue alcançar outra base sem que tenha havido um batimento e sem ser eliminado

Salvo (safe) – quando um jogador chega a uma base sem ser eliminado.

“Strike” – vantagem do lançador em relação ao batedor. Dá-se quando o batedor efetua o movimento com o taco (“swing”) e não acerta na bola. Não fazendo qualquer movimento com o taco mas a bola toca a bola válida. Quando o batedor bate uma bola inválida e tem menos de 2 strikes. È feito um toque de bola inválido. O lançamento atinge o batedor quando este tenta bater. O lançamento atinge o batedor dentro da zona de strik. Este ato é prenunciado pelo árbitro ou através de um gesto com o braço.

“Strike-out” – eliminação direta do batedor por tentativas de batimento falhadas. Cada batedor tem três tentativas.

Terreno Inválido – parte do terreno de jogo fora das linhas de validação

Terreno Válido – parte do terreno de jogo dentro das linhas de validação

Topo da Entrada (bottom of the inning) – quando a equipa da casa vai atacar (fim de cada entrada)

Toque de bola (bunt) – bola intencionalmente batida sem força, que rola suavemente dentro do campo interior (a posição do batedor muda significativamente antes de ser feito o contato com a bola.

Walk – quando o batedor avança para a 1ª base após o lançador lançar 4 bolas fora da zona de strik,

Zona de Strike – espaço imaginário sobre a casa base compreendido entre as axilas e a parte superior dos joelhos do batedor.

Fonte: www.forumbasebol.feirenseweb.com/www.carlosc.hpg.ig.com.br

Veja também

Nilton Santos

Nilton Santos, Jogador, Futebol, Vida, Clubes, Títulos, Nascimento, Seleção Brasileira, Titular, Carreira, Nilton Santos

Gilmar

Gilmar, Futebol, Jogador, Títulos, Goleiro, História, Clubes, Gols, Seleção Brasileira, Atuação, Mundial, Jogos, Carreira, Gilmar

Leônidas

Leônidas, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Biografia, Capitão, Ídolo, Diamante Negro, Treinador, Vida, Carreira, Leônidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.