Breaking News
Home / Esportes / Futebol de Sete

Futebol de Sete

PUBLICIDADE

Futebol de Sete
Futebol de Sete

História

Velocidade, agilidade e uma impressionante condução de bola são características dos jogadores do futebol de 7, um esporte que desperta mais interesse a cada edição dos Jogos Paralímpicos.

Esse esporte é praticado por atletas com paralisia cerebral, e cada equipe tem sete jogadores em campo.

As regras são praticamente as mesmas do futebol convencional.

As duas principais alterações são a ausência de impedimento e a cobrança do lateral, que pode ser feito com uma ou duas mãos.

As partidas são disputadas em dois tempos de 30 minutos cada.

O futebol de 7 faz parte do Programa Paralímpico desde os Jogos de Nova York e Stoke Mandeville, em 1984.

Futebol de Sete
Futebol de Sete

O futebol de 7

Só podem participar do futebol de 7 atletas com paralisia cerebral. Ainda assim, eles devem estar dentro da classe 5 a 8 (vale lembrar que, quanto maior o número, menor o comprometimento), ou seja, todos andam.

Durante a partida o time deve ter em campo, no máximo dois atletas da classe 8 e, no mínimo, um da classe 5 ou 6 (geralmente é o goleiro).

O campo é menor do que o normal: 75 m x 55 m. Cada equipe deve ter 7 jogadores em campo e 5 reservas.

O futebol de 7 é praticado por jogadores com paralisia cerebral. Essa modalidade surgiu pela primeira vez no Brasil, em 1978 e segue as mesmas regras da FIFA, com certas adaptações feitas sob responsabilidade do Comitê de Futebol da Associação Internacional de Esporte e Recreação de Paralisados Cerebrais.

No futebol de 7 não existe impedimento e o arremesso lateral pode ser feito com as duas mãos ou só com uma, rolando a bola no chão como no boliche.

O tamanho do campo de grama (natural ou sintética) é de 55 m de largura por 75 m de comprimento. As traves são menores que as utilizadas no futebol convencional (2 m de altura por 5 m de largura). O futebol de 7 é jogado em dois tempos de meia hora, com um intervalo de 15 minutos. Cada equipe tem sete jogadores em campo, inclusive o goleiro, e mais 5 reservas.

Apesar do nome sugerir, essa é uma deficiência motora e não mental. A paralisia cerebral prejudica de várias formas a capacidade motora dos atletas. Porém, diferentemente dos deficientes mentais, eles não apresentam comprometimento intelectual.

Jogam futebol de 7 os atletas das classes C5 a C8, sendo obrigatória a presença de um atleta C5 ou C6 em todos os momentos do jogo a fim de manter o equilíbrio entre as equipes.

Futebol de Sete
Futebol de Sete

Origem

Em 1978 surgiu o futebol de 7 para paralisados cerebrais.

Foi na cidade de Edimburgo, na Escócia, que aconteceram as primeiras partidas. A primeira Paralimpíada em que a modalidade esteve presente foi em Nova Iorque, em 1984. Em Barcelona (1992), o Brasil estreou nos Jogos Paralímpicos e ficou em sexto lugar. Na Paralimpíada de Atlanta (1996), a seleção brasileira ficou em penúltimo lugar na classificação geral. Quatro anos depois, em Sidney, virou o jogo e conquistou o terceiro lugar geral. Nos Jogos Paralímpicos de Atenas (2004), o Brasil se superou mais uma vez e conquistou a medalha de prata, deixando para trás potências como a Rússia, Estados Unidos e Argentina.

O futebol de sete é praticado por atletas do sexo masculino, com paralisia cerebral, decorrente de seqüelas de traumatismo crânio-encefálico ou acidentes vasculares cerebrais. As regras são da FIFA, mas com algumas adaptações feitas pela Associação Internacional de Esporte e Recreação para Paralisados Cerebrais (CP-ISRA).

O campo tem no máximo 75m x 55m, com balizas de 5m x 2m e a marca do pênalti fica a 9,20m do centro da linha de gol. Cada time tem sete jogadores (incluindo o goleiro) e cinco reservas.

A partida dura 60 minutos, divididos em dois tempos de 30, com um intervalo de 15 minutos.

Não existe regra para impedimento e a cobrança lateral pode ser feita com apenas uma das mãos, rolando a bola no chão.

Os jogadores pertencem às classes menos afetadas pela paralisia cerebral e não usam cadeira de rodas.

No Brasil, a modalidade é administrada pela Associação Nacional de Desporto para Deficientes (ANDE).

Classificação

Os jogadores são distribuídos em classes de 5 a 8, de acordo com o grau de comprometimento físico. Quanto maior a classe, menor o comprometimento do atleta.

Durante a partida, o time deve ter em campo no máximo dois atletas da classe 8 (menos comprometidos) e, no mínimo, um da classe 5 ou 6 (mais comprometidos).

Os jogadores da classe 5 são os que têm o maior comprometimento motor e, em muitos casos, não conseguem correr. Assim, para estes atletas, a posição mais comum é a de goleiro.

Vale lembrar que a paralisia cerebral compromete de variadas formas a capacidade motora dos atletas, mas, em cerca de 45% dos indivíduos, a capacidade intelectual não é comprometida.

Deficiência Visual

Ao contrário do futebol de 5, praticado somente por atletas com deficiência visual, o futebol de 7 é disputado por jogadores com paralisia cerebral, com seqüelas de traumatismo crânio-encefálico e acidentes vasculares cerebrais (AVC). Todos os competidores são andantes.

As partidas do futebol de 7 duram 60 minutos, divididos em dois tempos de 30 e com um intervalo de 15 minutos. Cada equipe tem sete jogadores em campo (com o goleiro) e cinco reservas, que são classificados em uma escala de 5 a 8, de acordo com o tipo de deficiência que apresentam. Quanto maior a classe, menor é o nível de comprometimento do atleta. Cada equipe pode ter no máximo dois atletas da classe 8 e no mínimo um atleta das classes 5 e 6.

As primeiras partidas deste esporte aconteceram em 1978, em Edimburgo, na Escócia. No mesmo ano, foi a criada a Associação Internacional de Esporte e Recreação de Paralisados Cerebrais (CP-ISRA), que gere a modalidade, adaptando as regras da Federação Internacional de Futebol (Fifa). A primeira participação paraolímpica veio em Nova Iorque-1984.

O esporte só foi introduzido no Brasil em 1989 por Ivaldo Brandão, no Rio de Janeiro. Três anos depois, a seleção participou de sua primeira Paraolimpíada, em Barcelona, onde acabou com o sexto lugar. Em Atlanta-1996, o Brasil piorou seu desempenho e acabou com a penúltima colocação no geral, mas deu a volta por cima em Sydney-2000, quando foi medalha de bronze.

Em Atenas-2004, a seleção só perdeu um jogo no torneio: o da decisão. Antes de ser derrotada pela Ucrânia por 4 a 1 e ficar com a medalha de prata, o Brasil havia vencido Estados Unidos, Holanda, Rússia e Argentina.

Fonte: rio2016.org.br/olimpiadas.uol.com.br/esporte.hsw.uol.com.br/cpb.org.br

Veja também

Nilton Santos

Nilton Santos, Jogador, Futebol, Vida, Clubes, Títulos, Nascimento, Seleção Brasileira, Titular, Carreira, Nilton Santos

Gilmar

Gilmar, Futebol, Jogador, Títulos, Goleiro, História, Clubes, Gols, Seleção Brasileira, Atuação, Mundial, Jogos, Carreira, Gilmar

Leônidas

Leônidas, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Biografia, Capitão, Ídolo, Diamante Negro, Treinador, Vida, Carreira, Leônidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.