Breaking News
Home / Esportes / Motocross

Motocross

PUBLICIDADE

MotoCross é modalidade esportiva, e como o próprio nome diz é praticada sobre uma moto, onde o modelo é específico para o esporte, que possui algumas categorias, como, Arenacross, Enduro, Trial entre outras.

Motocross
Motocross

Todas essas modalidades se comportam fora da estrada, em lugares fechados, com desníveis de terrenos, a prova compreende em uma avaliação individual do piloto ou uma corrida, quem tiver o melhor desempenho e chegar primeiro, obviamente é o vencedor.

São fabricadas motos exclusivas para o desenvolvimento do esporte várias empresas do ramo como Honda, Kawasaki, KTM, Susuki e Yamaha também são fabricantes e algumas patrocinadoras da modalidade esportiva.

O MotoCross é considerado por muitos um esporte bastante perigoso, devido às arriscadas manobras, mas a modalidade recompensa bem seus pilotos vencedores, pois para realizar o MotoCross é preciso de muito dinheiro e investimento, ou seja, é um esporte bem caro.

História

Na História Motocross temos de nos reportar à Inglaterra onde a pacata moda de passear pelo campo começou, andando entre árvores e pelo leito dos riachos para acabar gerando competições acirradas, uma corrida de velocidade em circuito fechado , em terreno acidentado, com buracos,inclinações, curvas e obstáculos dos mais diversos tipos, é praticamente uma arte que conta bem a História do Motocross.

Nessa primeira fase, a História do Motocross conta que, as provas eram pontuadas de acordo com o número de faltas cometidas pelos concorrentes em trechos controlados por fiscais. Isso ainda não era motocross.

Insatisfeitos, os ingleses colocaram novas regras

O percurso passou a ser delimitado, transformando-se num circuito fechado e protegido do público, evitando maiores acidentes. Essa nova modalidade foi chamada de scramble. Segundo a História do Motocross foi só partir de 1920, quando começou a ser conhecido na Holanda e Bélgica, é que o esporte ganhou o nome de motocross.

No início, o cross era praticado com máquinas inglesas derivadas das motos de turismo de série, que embora modificadas, ainda eram muito pesadas e pouco ágeis.

Relata a História do Motocross que foi um piloto inglês quem construiu a primeira motocicleta específica para a modalidade, uma moto esportiva.

A primeira competição internacional foi na França, em 1939, mas por muito tempo o motocross não seria reconhecido internacionalmente como esporte.

A partir disso, outras modalidades foram criadas, como o Motocross Madness.

Origem do Motocross no Mundo

O esporte de motocross foi popularizada na Europa durante os anos 50 e 60, principalmente na Europa Ocidental.

A maioria dos eventos foram realizados em campos abertos e pastagens, e os melhores pilotos eram da Europa. Ainda hoje, motocross é correr ao ar livre, em trilhas de terreno natural.

As corridas são mais longas (geralmente cerca de 40 minutos) Motocross veio para os Estados Unidos em meados da década de 60, ea idéia originou-se com um homem chamado Edison Dye. Ele ajudou a trazer mais os melhores pilotos da Europa para ajudar a mostrar o esporte para a América.

Ao longo dos próximos anos, alguns dos melhores pilotos que vieram para a América na época incluia Campeões Mundiais Torsten Hallman, Bengt Aberg, Joel Robert, e Roger De Coster, juntamente com muitos outros grandes pilotos. Roger De Coster é um grande motivo de motocross se tornou popular nos EUA – De Coster realmente atingiu um nervo com os fãs americanos.

Naqueles primeiros anos, os pilotos norte-americanos não eram páreo para os europeus.

Na maioria das corridas, foi um feito para um americano mesmo terminar entre os top ten. Mas os Estados Unidos tinha caído no amor com motocross.

Lentamente, eles aprenderam técnicas de treinamento, condicionamento, e ganhou experiência, tanto em corridas com os europeus quando eles vieram para os EUA, e por alguns norte-americanos indo para a Europa para competir no Mundial de Motocross Championships.

Em 1973, Jim Pomeroy se tornou o primeiro americano a ganhar um Campeonato Mundial de Motocross Grand Prix, capturando a rodada de abertura na Espanha daquele ano da série campeonato mundial.

Supercross é um ‘americanizada’ versão do motocross. É basicamente a mesma pilotos e motos mesmo, mas as corridas são executados em pistas artificiais, principalmente em locais de grande estádio.

As raças são mais curtos, com muitos grandes saltos e obstáculos agradável multidão, e isso faz tempo e precisão mais importante do que a velocidade máxima.

Mike Goodwin é o homem que inventou supercross.

O supercross primeira foi realizada em Los Angeles Coliseum em 1972, Supercross motocross ajudou a trazer ao público de uma forma muito mais fácil – em vez de viajar para fora para uma fazenda rural ou pasto, o esporte chegou às massas – os locais do estádio a facilidade de chegar ao evento, estacionamento, assentos agradável, comida, e muito mais.

Hoje, o esporte de supercross cresceu de seu início humilde em 1972 no automobilismo segunda maior prestígio nos EUA, superado apenas pela NASCAR no interesse dos fãs.

Categoria do Motocross

O motociclismo se divide basicamente em duas vertentes, de acordo com o terreno da disputa: off-road e on-road. Na primeira, as provas acontecem fora da estrada, ou seja, em percursos de terra ou terrenos acidentados. Na provas on-road, as provas acontecem sobre o asfalto, normalmente em autódromos.

Dentro da vertente off-road, existem quatro divisões básicas: pistas, trail, enduro e rali. Nas provas de pistas, as motos, conhecidas como trail, são mais esguias e com suspensões maiores que as de rua, adaptadas (sem lanterna e faróis). É o motocross, o supercross e o minicross.

No trail, motos trail são utilizadas em percursos com trilhas, montanhas, subidas e descidas, mas apenas com o intuito de passeio. No enduro, no mesmo tipo de terreno, motos mais preparadas (mais potentes) competem de verdade. Por último, no rali, motos mais confortáveis e resistentes competem em trechos mais regulares e em distâncias maiores.

Motocross
Imagem cedida pela Confederação Brasileira de Motociclismo

Outra característica das motos interessante é a variação de tempos dos motores (dois ou quatro). Os primeiros são menores e mais leves, e produzem mais potência já que o motor tem uma explosão a cada giro, enquanto o de quatro tempos dá uma a cada quatro.

A Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM), responsável pela categoria, organiza apenas os campeonatos nacionais das respectivas modalidades.

Competições de âmbito estadual são regidas por federações estaduais. Atualmente, oito torneios estão sob a tutela da entidade.

Veja quais são eles:

Supermoto: uma mistura de motocross com motovelocidade, com trechos da prova em asfalto e outros sobre a terra. É dividida em três categorias, de acordo com particularidades técnicas das motos.

Motocross: corrida de motos sobre uma superfície de terra que exige perícia do piloto e bom desempenho do veículo. Divide-se em seis categorias conforme a potência das motocicletas.

Motocross
Imagem cedida pela Confederação Brasileira de Motociclismo

Enduro de Regularidade: campeonato de regularidade no qual motociclistas fazem percursos de deslocamento sobre terra e asfalto.

Enduro FIM: campeonato de velocidade com trechos de cronometragem, com subcategorias divididas de acordo com limitações técnicas das motos.

Rally: rali de regularidade com motos, sendo que a formação das subcategorias acontece de acordo com as limitações técnicas das motos.

Minicross: corrida de motocross com motos de menor tamanho e potência, normalmente disputada nos mesmos locais onde acontecem as provas de Motocross.

Motovelocidade: campeonato de velocidade sobre o asfalto, com disputas realizadas em autódromos fechados.

Cross Country: rali de velocidade com motos e quadriciclos, com subcategorias divididas de acordo com as limitações técnicas de cada veículo.

Dicas de Pilotagem Motocross

Motocross

Moto: Para você que é iniciante recomendamos uma moto de menor potência como a 125cc porque elas te dão mais “chances”, as 250cc já são mais “viôlentas” e qualquer erro pode causar um tombo. Para o ínicio não precisamos de uma moto importada que são mais caras, podemos “adaptar” modelos nacionais para o motocross como a DT200 da yamaha.

Ondulações ou costelas: Eis a zona mais complicada do supercross ou motocross, onde normalmente se perdem ou se ganham as corridas.

As duas maneiras mais usadas para passar esse obstáculos são as seguinte:

Dar todo gás no motor e pular por cima delas ir “batendo” as rodas na ponta das costelas.
Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outram e assim em diante.

Frenagens: As frenagens das curvas é o que pode dar a você a vitória na corrida, o melhor modo de frenar é jogar o corpo bem para trás e evitar que a roda traseira saia do chão.

Curvas: existem duas maneiras de fazer curva. Pela parte de dentro, que você será obrigado a fazer quando estiver defendendo a posição, bloqueando legalmente a passagem do adversário. E pela parte de fora que você tem de virar a moto sem apoiar em qualquer lugar fazer no braço e na frenagem esse tipo de curva requer mais técnica que o pela parte de dentro.

Regulagens: Recomendamos que você mesmo faça suas regulagens, pois é você que irá andar na moto, você que mais a conhece, assim a regulará do modo que mais lhe agrada.

Dicas importantes para quem vai iniciar no MotoCross/ Supercross

Após presenciarmos muitos pilotos de MX/ SX começarem no esporte e por falta de informação ou orientação adequada acabam desistindo do MotoCross ou Supercross.

Como os nossos campeonatos regionais (norte-mineiro) estão em constante evolução e cada dia aumenta o número de praticantes e eventos, resolvemos divulgar algumas dicas básicas de MX/ SX – Motocross / Supercross.

Muitas das dicas abaixo já foram divulgadas, outras nem tanto. A ideia não é ser o primeiro, mas sim, ajudar aqueles que estão iniciando no Motocross, um dos esportes de maior beleza estética e de emoção que existe (se duvidar basta comparar uma foto de MX com uma foto de futebol, por exemplo) e que atrai milhares pessoas onde acontece os eventos.

Qual moto comprar?

Nos Estados Unidos existe uma escala de evolução com as motos. A medida que se vai evoluindo na técnica, o mesmo acontece com as motos. 60, 80, 125 2t (School Boys), 250f, 450 (alguns ainda preferem 250 2t). Reparem que os meninos da 80cc não vão direto para 250 4 tempos, ele passam a categoria 125 2t que é a “moto escola” do mx, onde se aprende realmente a andar. Lá definiram a School Boys para 125cc. Também existe vários campeonatos com 125 iniciante, 125 intermediária e 125 Pró, para os adultos e veteranos.

No Brasil, muitos não tiveram a oportunidade de começar no esporte cedo, mas devido a “onda” 4t, os iniciantes estao comprando 250f e até mesmo 450, a última moto na escala de evolução do mx.

Pode até ser vantagem no começo adquirir a 250f, mas sua evolução vai ficar restrita as facilidades da tocada de uma 4 tempos e só. Além disto, 4t exige um mecânico competente, que também verifica o desgaste das peças no período correto e uma tocada mais refinada do piloto. Se ficar estourando o giro e pendurando demais na embreagem os prejuízos serão certos.

Outro detalhe: ligar uma 4t no tranco, nem pensar!

Com persistência a bordo de uma 125, o piloto iniciante realmente vai aprender a andar no mx e quando passar a 250f, utilizará melhor o que a moto pode oferecer.

Não podemos esquecer do seguinte: moto ajuda, mas o que manda é o piloto. Em várias corridas, temos a oportunidade de ver pilotos de 125 e 250 2t, ficando a frente das 4t na linha de chegada. Por falar em 250 2t, é a melhor moto custo/benefício na relação manutenção/potência. É uma excelente moto, mas exige preparo físico e técnica.

Uma boa dica para quem quer iniciar no esporte é adquirir uma motocicleta nacional, as de 230cc (CRF/ Honda ou TTR/ Yamaha). Estas motocicletas não são adequadas para saltos, no caso da modalidade Supercross, mas encara muito bem uma pista de Velocross e dependendo da forma que andar, ela suporta as pistas de Motocross, nos eventos que tem a categoria nacional.

A grande vantagem das 230cc é o custo de manutenção, que é baixo em relação as importadas. Hoje em dia estas motos são consideradas as motocicletas introdutórias para os pilotos acima de 15 anos no esporte. A outra vantagem é que ao adquirir uma motocicleta 230cc o piloto terá outras opções para se divertir e até ganhar ritmo, como as Trilhas, Enduros e Veloterras e só depois começa a encarar as pistas de motocross.

Comprei a moto. O que fazer?

1- Verificar o posicionamento dos seguintes itens:

Guidão (o ideal é um pouco a frente)
Manetes (devem ficar um pouco abaixo do guidão)
Pedal de freio (um pouco acima da pedaleira)
Pedal de marcha (no mesmo nível ou um pouco acima da pedaleira)
Altura dos garfos na mesa (mais acima melhora em curvas de baixa e piora em alta velocidade, mais baixo piora nas curvas de baixa e melhora em alta velocidade)

2- Acertar suspensões, carburação.

Esta parte necessita de um bom mecânico. Montador e lavador de moto tem muitos, mas preparadores são poucos. Exige também um feeling do piloto. Ele deve saber passar para o mecânico o que está acontecendo com a moto. Mas isto vem com o tempo. Vai ajudar procurar entender o funcionamento das suspensões e da carburação pra começar.

3- Relação

Verifique qual o número da relação na moto (número de dentes do peão e coroa). Ela pode estar muito reduzida ou muito longa.

Qual combustível usar?

Os mais usados são Pódium, Comum com Pódium, Comum e até de aviação. Seja qual for utilizar, a regulagem na carburação vai ser alterada para cada tipo de combustível.

Onde regulo as suspensões?

Suspensão traseira: o parafuso de compressão e a porca para compressão em alta velocidade, ficam na parte de superior do amortecedor traseiro e o parafuso do retorno na inferior.
Suspensao dianteira:
se for Showa, a compressão é em cima e o retorno é em baixo, se for Kayaba o contrário. Em cima também fica o parafuso para retirada do ar, mas deve ser feito com a moto sobre um cavalete.

Como regulo as suspensões?

Esta regulagem varia de acordo com o peso e nível de pilotagem dos pilotos.

Nos parafusos de compressão e retorno feche todos os cliques e vá contando até abrir todos os cliques. Feche tudo de novo e coloque na metade de cada regulagem. Esta é a regulagem padrão e está longe da ideal. É a partir daí, que andando na pista, você vai realizar o ajuste fino das suspensões. Quanto mais fechar os cliques de compressão, mais dura ficará a suspensão e quanto mais abrir, mais macia.

Nos cliques de retorno, quanto mais fechar, mais lento ficará o retorno e quanto mais abrir, mais rápido.

Iniciantes tendem a deixar a compressão muito macia e o retorno muito lento. Como não conseguem “emendar” alguns obstáculos, a suspensão nesta regulagem fica mais suave para cair antes da recepção, mas em curvas e em velocidade ficará péssimo.

Lembrem- se: mx foi feito para cair nas recepções dos obstáculos e não antes.

A regulagem mais adequada é uma compressão mais dura, pois a medida que o nível do piloto aumenta, a tendência é zerar qualquer tipo de pista e caindo nas recepções, não há necessidade de suspensões macias. Com relação ao retorno, este não pode ser muito lento e nem muito rápido. Tem que ter paciência para achar o ponto ideal.

Também se deve regular o *SAG de acordo com o seu peso e deverá fazê-lo vestindo todo seu equipamento. Neste item o seu mecânico poderá ajudá-lo. Um excelente preparador de suspensões que sempre indico é Orfeu Trajano da Aftershocks. *SAG (diferença da altura da suspensão traseira toda esticada com altura da suspensão traseira com o piloto sobre a moto).

No caso do parafuso de compressao de alta velocidade, abra o parafuso até o fim e feche variando uma volta e meia a duas voltas e meia. Este também vai ser de acordo com o piloto.

Se for moto zero, lubrifique os links da balança, caixa de direção, troque o óleo de caixa e faça um reaperto geral.

Quais equipamentos devo comprar?

Parece uma pergunta óbvia mas não é.

Além de capacete, óculos, colete, calça, camisa, cinta, luvas, botas, queria destacar o seguinte: NÃO EXISTE FAZER MX DE JOELHEIRA! Tem que ser brace E DE QUALIDADE! Se economizar neste item, com certeza irá ter problemas sérios de joelho no primeiro tombo que exigir um brace de qualidade.

Outro equipamento que não deve ser desconsiderado é uma bota, entra no mesmo caso do brace: TEM QUE SER DE QUALIDADE! Qualidade não quer dizer mais caro. Na dúvida entre em contato conosco.

Quais equipamentos devo comprar para a moto?

No começo só um equipamento é essencial: um bom guidão. Não caia na “onda” de comprar cano, ponteira, etc. Ande com a moto original e a medida que for sentindo necessidade de um “upgrade” faça no devido tempo.

Cheguei na pista o que fazer?

Antes de colocar o equipamento, alongue todos os músculos do corpo, não só a moto dever ser aquecida mas o corpo também. Após o alongamento, dê uma “namorada” na moto. Confira tudo, água radiador, folgas em rolamentos, raios. Confira se não esta faltando nada ou fora do lugar. Após o aquecimento da moto, quando for entrar na pista, ande umas duas voltas devagar, para reconhecimento e aquecimento do corpo.

Como me preparar fisicamente?

O mx é um esporte ímpar, aliás, não é só um esporte, é um estilo de vida. Não basta treinar somente a técnica com a moto. É preciso melhorar os hábitos alimentares, evitar ou diminuir bebidas alcoólicas, dormir bem. Além disto, a preparação fisica também é específica. Motocross exige resistência física e ao mesmo tempo força muscular para suportar os impactos constantes. Sendo assim, somente ficar “bombado” não vai resolver e cuidar só da parte aeróbica também não. O treinamento deverá englobar ambos.

Meus braços estão “travando” o que fazer?

Existe uma cirurgia para acabar com travamento de braços, mas esta é um medida para poucos. A maior parte dos pilotos tem os braços travados por posicionamento incorreto na moto, ou seja, estão “pendurados” na moto. Nada mais errado do que expressão “tem que ter braço para fazer mx”. O motocross exige pernas, os braços devem ficar soltos, sem fazer força com as mãos no guidão. Por isto acontece os travamentos. Alivie as mãos do guidão no ar durantes os saltos e seu problema de travamento vai acabar.

Compensa fazer um curso de pilotagem?

Com certeza. Motocross é física. Entenda alguns fundamentos da física e entenderá como o posicionamento é importante. A moto possui um centro de gravidade.

O piloto deve ficar sobre o centro de gravidade da moto. Por isto nas curvas se deve fazer força na pedaleira de fora da curva e a perna interna servirá como um pêndulo. A distribuição de peso também é fundamental. Quando se está acelerando o piloto deverá se posicionar para a frente e durante as frenagens para trás.

Freios- Quem pára a moto é o freio dianteiro!

Outra dica: quando estiver freiando não se deve apertar a embreagem. Deve se utilizar “o motor” para diminuir a velocidade. Se apertar a embreagem a moto ficará solta e sem controle. No mx, exceto em alguns casos, se não estiver acelerando vai estar freiando. A moto não deverá ficar solta. Se passar em trecho de baixa velocidade volte o acelerador, mas sem cortar totalmente a aceleração. Também não se deve “travar” a roda traseira, exceto em curvas com escoras altas, estilo SX.

Curvas- O piloto só senta pouco antes de fazer a curva e logo após a curva, volta a posição do centro de gravidade com as pernas flexionadas. Exceto quando for pegar tração ou emendar obstáculos próximos as curvas. Neste caso, sentar ajudará. O desafio de pilotar bem é diminuir a lacuna entre as frenagens das curvas e retomada da aceleração. Quando menor a lacuna, mais rápido o piloto será.

Saltos- Mantenha a aceleração constante na aproximação do salto. Olhe sempre para frente. A medida que for subindo no obstáculo, o posicionamento do corpo irá a frente. No ar, o corpo vai se deslocar para trás e quando estiver aterrissando volta para a frente, acelerando novamente ao tocar no solo. Se no ar a moto subir muito a frente, pise no freio para descê-la e se estiver muito baixa, acelere que a frente subirá.

Como devo me comportar em dias de corrida?

Antes de encarar uma corrida, certifique- se que conseguiu um mínimo de dominio sobre a moto ou então poderá se machucar e também machucar outros pilotos.

O Box é um local de confraternização, descanso e concentração. Muitos pilotos passam “a mil” nos boxes, fazendo barulho e jogando poeira em todos. Estes mesmos “pilotos de box”, na pista, são os mais lentos. Alguns pais também começam ensinando os filhos errado. Colocam os meninos de 50 ou 60 para treinar nos boxes.

Durante a corrida, respeite os adversários, faça ultrapassagens limpas e seja consciente, na dúvida se um piloto bem a sua frente irá “emendar o salto” tire a mão. Muitos acidentes acontecem com pilotos caindo em cima de outros pilotos. Piloto “Kamikase” é muito diferente de piloto agressivo.

Qual categoria devo correr?

Procure provas que separa a categoria Estreante da Intermediária. Provas onde só existem Intermediária ou Amador, o iniciante no motocross não tem a menor chance. A medida que for evoluindo a tocada, suba de categoria, não fique “pegando vaquinha” como muitos pilotos fazem. Além de desestimular os iniciantes, o piloto “pegador de vaquinha” está se iludindo, correndo só com pilotos de menor nível, o nível dele também seja prejudicado.

Que manutenções devo fazer?

Nunca ande com a moto suja, logo após uma corrida ou treino lave a moto e o filtro de ar (com sabão em pó mesmo) e coloque óleo de filtro retirando o excesso. Dê um reaperto geral na moto. Se for 4t, a cada 4 horas troque o óleo do motor e a cada 8, o filtro de óleo. Crie uma planilha e anote a data/tempo de uso da moto. Assim fará as manutenções no período especificado pelo manual.

Preparação física

De todos os poucos trabalhos científicos publicados no mundo desde 1945 a respeito do motocross, é de comprovação geral que pilotos desta modalidade necessitam de uma potência aeróbia de excelência, além de outras qualidades físicas, para que junto com a sua técnica apurada tenham sucesso nas pistas.

Comprovado na prática, sabemos o quanto é importante o piloto de motocross, enduro, supercross ou rali desenvolver a máxima capacidade aeróbia para ter um bom desempenho nas corridas. Muitos pilotos relatam que se sentem bem no início da corrida e depois não aguentam mais.

O braço trava, a moto fica mais pesada, os saltos ficam mais curtos, o corpo não responde e ele é facilmente ultrapassado. Uma das respostas para tal acontecimento é a baixa condição aeróbia em que o piloto se encontra.

Para treinar esta qualidade física, é necessário avaliá-la e saber em quanto está esta variável, para termos um ponto de partida e não subestimar ou superestimar a condição do indivíduo. Testes físicos específicos em campo ou laboratório poderão identificar em que nível aeróbio está o piloto.

Com base nos resultados, um profissional especializado poderá prescrever um plano de treinamento individualizado, que irá melhorar a condição cardiovascular do praticante. A resistência aeróbia é uma qualidade física que uma vez treinada, obtém resultados significativos a cada seis meses.

Portanto, há necessidade de se treinar com um bom planejamento para quando o piloto for competir, possa obter resultados positivos. Lembrando que, quanto pior condicionado fisicamente estiver o atleta, mais rápido ele se condiciona.

Existem várias formas e métodos de se treinar, porém é necessário respeitar princípios científicos de treinamento, verificar a especificidade do movimento no esporte, quais os grupos musculares envolvidos, qual o tempo e locais de prova e também as condições ambientais do local da corrida.

Sabendo de todas estas variáveis, procuram-se adequar atividades que mais se aproximem ao gesto técnico e características da modalidade. Mas qual seria o melhor exercício aeróbio para o motociclista off road?

Em princípio, o piloto anda na moto sentado e em pé, às vezes semi agachado, salta, se equilibra, faz exercícios dinâmicos e estáticos com os braços; enfim, vários movimentos envolvendo grupos musculares específicos, elevando significativamente a frequência cardíaca durante toda a corrida.

E então? Correr, pedalar, remar, nadar ou pular corda.

Todas estas atividades podem ser utilizadas a partir do momento em que o piloto junto com o seu treinador souber por que e para que está treinando aquela atividade, naquele determinado momento do seu planejamento. Utilizamos a corrida a pé em todo o processo de trabalho, associada à bicicleta (mountain bike), remoergômetro, natação e pular corda.

Corrida na rua ou esteira (pré-temporada, preparatório, específico e transição) – métodos contínuos, intervalados e adaptativos. Piso de asfalto, grama, terra ou areia. Realizar os treinos no horário das competições.

Bicicleta (mountain bike) – alternada com o trabalho de corrida, utilizando trilhas ou mesmo uma pista de motocross. Pode-se alternar com bicicleta de corrida e trechos de estrada com planejamento específico.

Remoergômetro – em circuitos aeróbios no período específico de treinamento ou com simulações intervaladas.

Natação – particularmente, prefiro apenas como recuperação após as corridas em qualquer período de treinamento. Exercícios de descontração total (relaxamento) na água.

Pular corda – em circuitos aeróbios alternando com exercícios de força específicos para a modalidade.

Em qualquer uma destas atividades tem que haver planejamento, metodologia científica e orientações com profissional especializado, a fim de não provocar lesões, sobrecarregar ou mesmo não respeitar a individualidade biológica do piloto.

Algumas dicas importantes:

A avaliação médica deve ser feita todo ano com profissional capacitado que deve ser um cardiologista. Os testes ergométricos de esforço e exames laboratoriais são os mais solicitados, porém alguns centros especializados possuem exames mais complexos que mensuram a capacidade aeróbica através da analise de espirometria durante o exame ergométrico além de dosagem de lactato.

Quanto maior a idade maior é o risco de ter problemas que estão relacionados com os esforços físicos, principalmente em pessoas acima dos 30 anos.

Alimentação é um fator muito importante para um atleta de alto rendimento, deve ser balanceada e adaptada as necessidades do piloto, principalmente durante às competições, sendo assim a orientação de um nutricionista se torna muito importante.

A capacidade física que o piloto adquire se deve principalmente ao tipo de treinamento que realiza. Um preparador físico para acompanhar e orientar os treinos vai melhorar e muito o rendimento do atleta. Evite adaptar treinamentos de outros pilotos ao seu, cada pessoa é diferente da outra, o que pode ser bom para ele não é bom para você.

Qualquer lesão ou machucado pode se agravar com o tempo se não for bem cuidado, não deixe de procurar auxílio médico quando ocorrer algum trauma mesmo que você não ache a lesão importante, é mais fácil tratar um trauma recente que uma lesão crônica.

Nunca ultrapasse seus limites busque sempre aperfeiçoar a técnica porém com segurança. Sempre utilize os principais equipamentos de segurança seja nos treinos ou em provas.

Sempre priorize a sua saúde ela é fundamental para seu bem estar seja na prática esportiva ou no convívio social, evite usar qualquer tipo de droga para melhorar seu rendimento, pois as conseqüências são sempre desastrosas.

Fonte: www.guiadicas.com/radicalnorte.wordpress.com/monstersports.com.br

Veja também

Nilton Santos

Nilton Santos, Jogador, Futebol, Vida, Clubes, Títulos, Nascimento, Seleção Brasileira, Titular, Carreira, Nilton Santos

Gilmar

Gilmar, Futebol, Jogador, Títulos, Goleiro, História, Clubes, Gols, Seleção Brasileira, Atuação, Mundial, Jogos, Carreira, Gilmar

Leônidas

Leônidas, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Biografia, Capitão, Ídolo, Diamante Negro, Treinador, Vida, Carreira, Leônidas

2 comments

  1. muito bom as dicas e tudo mais!

  2. Nossa muito bom mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.