Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Esportes / Atletismo Paraolímpico

Atletismo Paraolímpico

PUBLICIDADE

Atletismo Paraolímpico
Atletismo Paraolímpico

A prática dos para esportes ganhou força após as experiências traumatizantes da Segunda Guerra Mundial, que deixou muitos amputados ou paralisados. Praticar esportes se mostrou uma útil forma de inclusão e reparação. Mas para isso, era preciso permitir que as pessoas competissem de maneira justa, com pessoas com as mesmas capacidades físicas.

Atletismo Paraolímpico

As primeiras tentativas de classificação foram desenvolvidas sobre esse contexto, na Inglaterra, por médicos e especialistas da área de reabilitação, ainda no início dos esportes adaptados, na década de 40. No Brasil, a primeira tentativa de classificação foi em 1984, no campeonato de Basquete de Rodas da ABRADECAR. Na década de 90, com a introdução da classificação funcional no basquete, o atletismo também adotou um sistema de classificação.

Categorias e classes

Atualmente o Comitê Paraolímpico Internacional (IPC) reconhece cinco categorias de deficiência para a participação em competições:

Paralisados cerebrais
Deficientes visuais
Atletas em cadeira de rodas
Amputados
“les autres” (restrições físicas, que não se encaixam em outras categorias)

Existem ainda as classes, que diferenciam os atletas de acordo com a intensidade com que são afetados pela deficiência, distinguindo por exemplo um atleta totalmente cego, de outro que possui ainda alguma capacidade visual.

Para competir, o para atleta passa por uma avaliação medica, por uma equipe de classificação composta por três profissionais da área de saúde: médico, fisioterapeuta e um professor de Educação Física.

A classificação é realizada em três estágios: médico, funcional e técnico, ao final das quais o atleta será encaminhado para a classe mais adequada á suas capacidades. Se durante sua vida esportiva ele conseguir progressos físicos ou houver mudanças no sistema de classificação ele poderá ser deslocado de classe.

Como os esportes também são diferentes, e com características e exigências diferentes também, cada esporte possui seu próprio sistema de classificação. Assim, se um atleta compete em mais de um esporte, ele terá uma classificação para cada um.

No Atletismo

Para os esportes ligados ao atletismo, classificação é feita em função da capacidade do atleta de realizar movimentos, as potencialidades dos resíduos musculares, de sequelas de algum tipo de deficiência e dos músculos que não foram lesados.

A avaliação é feita através de testes de força muscular, de coordenação (realizado
geralmente para atletas com paralisia cerebral e desordens neuromotoras) e teste funcional (demonstração técnica do esporte realizado pelo atleta). Os classificadores analisam o desempenho do atleta considerando os resultados obtidos nos testes.

As Classes

Quanto menor o número, maior o grau de comprometimento. A classificação é a mesma para ambos os sexos, respeitadas as diferenças fisiológicas, nos lançamentos de dardo e disco, por exemplo, os pesos dos implementos utilizados variam de acordo coma classe de cada atleta.

O atletismo utiliza duas classificações, uma para provas de arremesso, com peso, disco, dardo, a classe “F”; e outra para as provas de pista, “T” do inglês “track”, com números indicando o tipo e o grau da deficiência. Por exemplo de 11 a 13 para deficientes visuais.

Prova Rendimento Médio em torno de:
Fem. Masc.
Rendimento Bom abaixo de:
Fem. Masc.
60 metros
10/12 anos
11.2s 10.8s
10.9s 10.6s
9.0s 8.5s
Prova Rendimento médio em torno de:
Fem. Masc.
Rendimento bom acima de:
Fem. Masc.
Salto em distância
10/12 anos
2.67m 3.04 m
2.84m 3.12 m
3.20m 3.80m
Prova Rendimento médio em torno de:
Fem. Masc.
Rendimento Bom acima de:
Fem. Masc.
Salto em altura
10/12anos
0.80m 0.88 m
0.84m 0.92 m
1.05m 1.15m
Prova Rendimento médio em torno de:
Fem. Masc.
Rendimento bom acima de:
Fem. Masc.
Lançamento de pelota
10/12 anos
19m 31m
22m 34m
30m 50m
Prova Rendimento médio em torno de:
Fem. Masc.
Rendimento bom acima de:
Fem. Masc.
Arremesso do peso
10/12 anos
4.50m 5.50m
5.00m 6.00m
(Peso de 3 kg)
6.00m 7.50m
(3 kg) (4kg)

História

A idéia de criar uma organização que pudesse coordenar o esporte para cegos no Brasil surgiu em 1980, quando se realizaram os Jogos das APAEs no Sul do país. Mas foi em 1981, no Campeonato Nacional de Desportos para Deficientes Físicos, em Curitiba – PR, que o projeto amadureceu. Nos anos de 1982 e 83 diversos campeonatos de futebol para cegos foram disputados, acelerando assim a fundação da CBDC. Em 19 de janeiro de 1984, em uma sessão do Conselho Nacional de Desportos (CND), ocorreu a Assembléia definitiva para efetivação da entidade.

As instituições consideradas pioneiras do movimento, que participaram dessa reunião, foram as seguintes: Centro Desportivo de Deficientes do Estado do Rio de Janeiro (Cedeverj, RJ); Serviços de Assistência São José Operário (Sasjo, RJ); Associação dos Deficientes do Paraná (Adevipar, PR); União de Cegos Dom Pedro II (Unicep, ES); Sociedade Luis Braile (SELB, ES), e Associação Catarinense para a Integração do Cego (Acic, SC).

Nos dias atuais, passou a ter a designação de Confederação Brasileira de Desportos para Cegos (CBDC), após aprovação em Assembléia Geral Extraordinária realizada na cidade de Campinas/SP em 15 de dezembro de 2005. Tendo como diretriz principal fomentar e desenvolver o desporto de cegos e deficientes visuais no Brasil, representando-o nacional e internacionalmente.

A CBDC é uma Sociedade Civil sem fins lucrativos, que congrega entidades de/para cegos, atletas cegos e portadores de deficiência visual e técnicos esportivos, constituindo-se em uma entidade de administração nacional do desporto. Reconhecida pela legislação brasileira como uma entidade de caráter confederativo, é a única organização nacional afiliada à International Blind Sports Federation (IBSA), o que a qualifica como responsável pela representação do Brasil nos eventos por ela organizados.

Atualmente, são de responsabilidade da CBDC a gestão e o desenvolvimento de seis modalidades esportivas: atletismo, futsal, goalbaIl, judô, natação e xadrez.

Este trabalho é desempenhado em diversas frentes como participação e conquista de campeonatos internacionais; promoção de um calendário nacional de competições; treinamento e reciclagem de profissionais; efetivação de parcerias com o poder público, iniciativa privada, instituições de ensino e outras organizações da sociedade civil e um trabalho intenso na mídia.

Essas ações possibilitam a inclusão social de várias pessoas ao difundir a prática esportiva pelos cegos em diferentes partes do Brasil, viabilizando assim a inserção destes atletas no calendário internacional.

Objetivos principais:

Desenvolver o desporto de rendimento,
Divulgar o desporto praticado por atletas cegos e deficientes visuais.

O ATLETISMO

O atletismo é hoje o esporte mais praticado nos mais de 70 países filiados à Federação Internacional de Desportos para Cegos (IBSA). Além dos Jogos Paraolímpicos, fazem parte de seu calendário maratonas, jogos mundiais e campeonatos mundiais para jovens. Um dos grandes fatores de difusão da modalidade é o fácil acesso e a naturalidade dos movimentos, já que correr, saltar, lançar e arremessar são atividades inerentes à sobrevivência do homem.

O atletismo para deficientes visuais é constituído basicamente por todas as provas que compõem as regras oficiais da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), com exceção de salto com vara, lançamento do martelo, corridas com barreira e obstáculos.

As provas são divididas por grau de deficiência visual (B1, B2 e B3) e as regras são adaptadas para os atletas B1 e B2. Para esses, é permitido o uso de sinais sonoros e de um guia, que corre junto com o competidor para orientá-lo. Eles são unidos por uma corda presa às mãos, e o atleta deve estar sempre à frente. As modalidades para os competidores B3 seguem as mesmas regras do atletismo regular.

ATLETISMO NO BRASIL

A ABDC, atual CBDC, realiza competições nacionais de atletismo desde a sua institucionalização em 1984 e concentra um grande número de atletas praticantes no país. Hoje a modalidade é destaque tanto nacional, quanto internacional. Os excelentes resultados em eventos realizados fora do País e em competições nacionais credenciam o atletismo como o esporte de maior ascensão no cenário paraolímpico brasileiro. Nos Jogos de Atenas, por exemplo, os atletas deficientes visuais conquistaram 12 das 16 medalhas da modalidade. Foram duas de ouro, seis de prata e quatro de bronze.

A velocista brasileira Anelise Hermany – B2 foi a primeira medalhista Paraolímpica entre os deficientes visuais. Ádria Santos é a maior medalhista cega da história paraolímpica brasileira.

CLASSIFICAÇÃO – ELEGIBILIDADE PARA PARTICIPAÇÃO

A delimitação do grupamento de deficientes visuais se dá por duas escalas: acuidade visual, aquilo que se enxerga a determinada distância; e campo visual, a amplitude da área alcançada pela visão, sendo o campo visual normal de 180 graus.

Caracteriza-se como cego aquele que possui uma acuidade visual de até 6/60 ou campo visual até 10 graus e, como portador de visão residual (ambliope), aquele que possui acuidade visual de 6/60 ou um campo visual entre 10 e 20 graus.

Pedagogicamente, delimita-se como cego aquele que necessita de instrução em braile (sistema de escrita por pontos em relevo) e, como portador de visão reduzida, aquele que lê tipos impressos ampliados ou com o auxílio de potentes recursos óticos (lupa).

A caracterização do grupamento de portadores de deficiência visual apresenta-se, pois, como etapa fundamental para a ação educativa (aulas de educação física), visto que orientará a adequação dos conteúdos, objetivos e procedimentos metodológicos, favorecendo as adaptações que se fizerem necessárias.

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO ESPORTIVA

Será elegível para participar de uma competição para pessoas portadoras de deficiência visual quem se enquadre no seguinte sistema de classificação:

Nas competições de atletismo, os atletas portadores de deficiências visuais utilizam o sistema de classificação da IBSA.
A IBSA possui uma classificação única para todas as modalidades esportivas. Essa classificação adota parâmetros de acuidade visual, escalas oftalmológicas que indicam a capacidade da visão em termos da distância (acuidade) e de sua área funcional (campo visual).

Os atletas deficientes visuais são divididos nas seguintes classes:

B1 – Desde a ausência total de percepção de luz em ambos os olhos até percepção luminosa sem a capacidade de reconhecimento da forma de uma mão, a qualquer distância.
B2 –
Desde a capacidade de reconhecer a forma de uma mão até a acuidade de 2/60 e/ou um campo visual inferior a cinco graus.
B3 –
Desde uma acuidade visual superior 2/60 até uma acuidade visual 6/60 e/ou campo visual superior a cinco graus e inferior a 20 graus.

Ou

B1 – Cego Com ou sem percepção luminosa
B2 – Baixa Visão AV = <2/60 ou CV = < 5º
B3 – Baixa Visão AV = entre 2/60 e 6/60 ou CV = entre 5º e 20 º

Nas provas de atletismo regidas pelo International Paralympic Commitee (IPC), os atletas portadores de deficiência visual das classes B1, B2, B3 recebem respectivamente, nas provas de pista, a classificação de T10, T11, T12 e, nas provas de campo, F10, F11, F12.

Os atletas das classes B1 e B2, nas competições, possuem assistência de um atleta-guia, que corre ao lado do atleta cego, ligado a uma corda no pulso ou na mão; ou correndo ao lado, passando-lhes instruções. E nas provas de saltos e lançamentos são permitidas a utilização de sinais acústicos e orientações verbais do guia.

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO

Quadro dos sistemas de classificação utilizados pela IBSA e do IPC.

IBSA – INTERNATIONAL BLIND SPORTS ASSOCIATION IPC – INTERNATIONAL PARALYMPIC COMMITTEE
B1 – Cego T-11 (Provas de pista)
F-11 (Provas de campo)
B2 – Baixa Visã T-12 (Provas de pista)
T-12 (Provas de pista)
B3 – Baixa Visã T-13 (Provas de pista)
F-13 (Provas de campo)

COMPETIÇÕES

Tipos de competições ou provas oferecidas

O atletismo é o esporte mais difundido na IBSA. É praticado em mais de 70 países. As competições são organizadas de acordo com o sistema de classificação da IBSA, usando as três categorias – B1, B2 e B3. Trata-se de uma modalidade oficial constituída basicamente de quase todas as provas que compõem as regras oficiais da Federação Internacional de Atletismo Amador (IAAF); sofrendo algum grau de modificação e adaptação com base no nível da deficiência visual, com o objetivo de estabelecer assim o equilíbrio nas competições.

As seguintes provas não são oferecidas nas competições de atletismo da IBSA: salto com vara, corridas com barreiras, corridas com obstáculos e lançamento do martelo. Em algumas destas, já foram feitas tentativas em provas com o caráter de exibição. São completamente observadas as regras do IAAF no caso de atletas B3.

ATLETISMO NO BRASIL

A Confederação Brasileira de Desportos para Cegos, filiada à IBSA, em sua modalidade de atletismo, concentra um grande número de atletas praticantes no Brasil e possui participação ativa como representante brasileira em competições internacionais.

As seguintes provas fazem parte do calendário da CBDC, categoria adulta:

Provas individuais: 100m rasos; 200m rasos; 400m rasos; 800m rasos; 1.500m rasos; 5.000m rasos; 10.000m rasos (somente masculino); salto em distância; salto triplo (somente masculino); salto em altura (somente masculino); arremesso de peso; arremesso de disco; lançamento de dardo e pentatlo.
Provas de Revezamento:
4 x 100m masculino e feminino, 4 x 400m masculino e feminino.

Além dessas provas, disputadas na categoria adulta, a CBDC também promove competições na categoria escolar.

Provas

REGRAS DA CBDC (ADAPTADAS)

Competições no Brasil

CATEGORIAS

Infantil: incluirá qualquer atleta com idade inferior a 14 anos, completos até o dia 31 de dezembro, no ano da competição.
Juvenil:
incluirá qualquer atleta com mais de 14 anos e menos de 17 anos, completos até o dia 31 de dezembro, no ano da competição.

CLASSES

Cegos.
Baixa Visão.

PROVAS

Infantil (Masc. e Fem.).

Corridas: 50m rasos e 500m rasos.
Salto em distância (Salto livre).
Lançamento de pelota (bola de beisebol).
Arremesso do peso (3 kg).

Juvenil (Masc. e Fem.).

Corridas de 100m rasos e de 1.000m rasos.
Salto em distância (salto livre).
Lançamento de pelota (bola de beisebol).
Arremesso do peso (4kg).

INICIAÇÃO AO ESPORTE

Princípios de iniciação

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA DEFICIENTES VISUAIS

A Deficiência Visual

Segundo CONDE (1995, p.10), “O portador de deficiência visual é uma pessoa normal, que não enxerga ou possui visão reduzida, ou seja, nenhuma outra defasagem lhe é naturalmente inerente”.

Para ele, a pessoa cega é uma pessoa normal desde que não possua nenhuma outra deficiência congênita ou adquirida. Contudo, em função da diminuição de suas possibilidades de experimentação, da subestimulação, de um relacionamento familiar e/ou social inadequado e de intervenções educacionais não apropriadas, poderá apresentar defasagens no desenvolvimento social, afetivo, cognitivo e psicomotor, quando comparados a indivíduos de visão normal da mesma faixa etária.

A pessoa com deficiência visual apresenta locomoção insegura, pouco controle e pouca consciência corporal, problemas posturais e insegurança (Seaman & De Pauw, 1982) o que pode gerar comprometimento do equilíbrio (estático), coordenação, agilidade, controle corporal e postura (Adams et al., 1985). O esporte pode ser uma ferramenta para minimizar estes problemas..

O desenvolvimento afetivo e social da criança vai depender principalmente das primeiras percepções que ela possui do ambiente, do sucesso ou insucesso de sua aprendizagem, da riqueza ou carência de sua vivência, da forma como ela é aceita ou rejeitada pelos adultos ou grupos iguais, condicionando a esses fatores seu ajustamento pessoal, social e sua integração ao mundo (SILVA, 1988, p.132)

Como acrescenta SILVA (1988), para que uma pessoa cega consiga levar adiante o seu treinamento, é preciso que tenha uma motivação, um objetivo a ser alcançado, e que esteja bem psicologicamente. A partir disso, a criança cega capta o mundo em que vive pela experimentação corporal, utilizando o movimento como base para a apreensão das informações; neste aspecto, sua autoconfiança, autoestima, a diminuição de ansiedades, estão diretamente ligadas às possibilidades de movimentar-se e locomover-se no ambiente.

DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA DEFICIENTES VISUAIS

Com o intuito de facilitar o entendimento da concepção do atletismo para pessoas portadoras de deficiência visual dentro da educação física nas escolas, relacionaremos alguns procedimentos básicos utilizados no processo de iniciação:

1) a educação física propicia um desenvolvimento global e harmônico, oferecendo condições básicas para a sua normalização e integração social. Por meio de exercícios físicos, o indivíduo cego ou de visão subnormal irá fortalecer sua autoconfiança, desenvolvendo-se física, psíquica e mentalmente;
2)
a prática regular da atividade física favorece boas condições de saúde, um bom físico, uma boa postura, tornam naturais os movimentos do corpo, facilitando assim sua orientação, sua locomoção e sua mobilidade;
3)
a criança portadora de deficiência visual tem benefícios no desenvolvimento de sua percepção corporal com a prática de atividades físicas.

A ação do exercício físico proporciona autoconfiança e determina um estado emocional mais estável e melhoria no seu desenvolvimento psicomotor, aprimorando o desenvolvimento do sistema respiratório. Assim promove-se a integração de crianças portadoras de deficiência visual.

ATLETISMO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

O atletismo contribui para o desenvolvimento orgânico e funcional da criança por meio de seu aparelho respiratório e circulatório, melhorando, entre outras coisas, a resistência à fadiga. As situações de múltiplos saltos, lançamentos e corridas permitem às crianças uma melhora geral de sua motricidade, um aprendizado de diferentes percepções e reconhecimento das sensações do movimento e do gesto.

A criança inicia-se no atletismo jogando. Com criança de 5 a 7 anos, não se trabalha o atletismo, realiza-se com ela atividades de jogos de corridas, saltos e lançamentos, melhorando suas capacidades psicomotoras. Por isso, deve-se multiplicar situações e graus de dificuldades nos jogos.

As sessões serão gerais e diversificadas (corridas e saltos, corridas e lançamentos, corrida-salto e lançamento), favorecendo a movimentação e solicitando a adaptação das crianças em variados esquemas.

As capacidades físicas e técnicas terão uma considerável melhora quando trabalhadas no programa de treinamento a orientação espacial e formação corporal: para o cego pela instrumentalização das informações passadas pelo técnico de maneira individualizada, utilizando todos os tipos de informações; para o atleta de baixa visão, as informações serão visuais e outros tipos de informações orientadas pelo técnico.

Como em qualquer tipo de treinamento, a aprendizagem da pessoa com deficiência visual no atletismo deve respeitar a individualidade biológica.

ATIVIDADES DE ATLETISMO COM ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

CORRIDAS

O primeiro passo para uma aula de corrida é o reconhecimento do espaço, tanto para o aluno cego como para o de baixa visão, conhecendo as dimensões (largura e comprimento), encontrando os obstáculos e reconhecendo referências para orientação espacial (canalização do vento e/ou direção, sons, cheiros ou luz em determinados pontos),recebendo todas as orientações e informações quanto ao local a ser utilizado, explorando o ambiente e criando um mapa mental de onde será feita a atividade. Toda vez que tiver alguma alteração do meio, o aluno deverá saber desta mudança.

Os educativos de corrida podem ser feitos também com o colega-guia.

O professor, juntamente com os alunos, pode desenvolver vários tipos de acompanhamentos de como deverá guiar o aluno cego ou de baixa visão. Pode-se guiar com acessórios, tendo uma corda entre as mãos de no máximo 50cm; sem acessórios, pode acompanhá-lo de mãos dadas, segurando a camisa do corredor cego e ou apenas correr ao seu lado com orientações verbais gerais quanto ao ritmo, à direção e outros.

Para que isto aconteça, deve existir uma boa coordenação entre guia e atleta, para que haja uma boa performance.

Muitos exercícios para desenvolver uma boa coordenação devem ser feitos juntos.

Alguns exemplos:

Atleta e guia, estando em uma posição parada, realizam o balanço dos braços (posição de corrida); simultaneamente iniciar de mãos dadas, depois com uma corda como já foi descrito.
Atleta e guia realizam uma corrida estacionária para desenvolver os movimentos simultâneos.

Observação: o professor deve sempre orientar o aluno-guia antes que ele ajude o colega, orientandoo para não puxar ou empurrar o atleta cego, devendo sempre estar ao lado ou um pouco mais atrás.

Nos educativos de corrida e coordenação geral, o professor deve ficar aproximadamente a uma distância de 20/30 metros longe do aluno e dar orientações sonoras para que ele venha em sua direção, seguindo a voz ou palmas, fazendo o exercício que foi pedido.

Quando estiver em uma quadra de esportes, o professor deve ficar no meio desta e o aluno na parte central; na pista de atletismo, o aluno deve ficar entre as raias de n 0 3 e n 0 4 e o professor nas mesmas raias na distância de 20/30 metros.

Exemplos de atividades:

Iniciar com os movimentos (balanço) dos braços em um ângulo de 90 graus, estando o aluno em uma posição parada com um pé ligeiramente em frente.
O aluno, na posição parada, deve elevar apenas o joelho de uma das pernas em um ângulo de 90 graus e repetir na outra perna
O mesmo exercício anterior, deve elevar alternadamente os joelhos sem sair do lugar como se estivesse marchando sem movimentos dos braços.
O mesmo exercício acima com os movimentos dos braços.
Corrida estacionária contra uma parede.
Corrida lateral.
Corrida para frente e para trás.
Corrida puxando um companheiro, com uma corda ou um elástico.
Subida e descida em um plinto baixo ou escada, com tempo a ser estipulado pelo professor e ritmo de acordo com o desenvolvimento do aluno.
Corrida estacionária na cama elástica, sozinho ou com um colega segurando suas mãos.
Usar uma corda, ao longo de uma linha reta de 20 metros, presa a um poste em cada extremidade, que irá possibilitar a orientação e a direção da corrida do aluno cego.

As atividades desenvolvidas podem ser todas encontrados nos livros de atletismo, mas devem sofrer as adaptações que sejam necessárias para sua realização.

Estas deverão ser táteis ou sonoras, quando usadas pelas pessoas cegas, e visuais com adaptações de cores em alto contraste, além de estímulos sonoros e táteis, para pessoas com baixa visão.

Técnicas básicas de corridas:

Colocação dos pés.
Movimentos das pernas.
Colocação das pernas.
Colocação da cabeça e do tronco.
Ritmo da corrida.
Respiração durante a corrida.

Exercícios básicos:

Passo do gigante: caminhar com passadas largas.
Caminhar nas pontas dos pés.
Andar o mais rápido possível.
Caminhar com elevação dos joelhos.
Saltos em deslocamento alternados dos pés.
Correr de frente e de costas.
Correr em círculo.
Correr em oito.
Correr para os lados, cruzando os pés pela frente e por trás.
Correr em forma de S.
Correr com elevação dos joelhos.

Velocidade:

Conceito: É a capacidade de o homem se deslocar rapidamente de um ponto ao outro. As capacidades físicas básicas que devem ser priorizadas para as provas de velocidade:

Velocidade.
Força.
Resistência anaeróbica.
Agilidade.
Descontração.

Erros no trabalho da corrida de velocidade:

CAUSAS EFEITO CORREÇÃO
Pé todo no chão.
Aumenta o atrito com o solo. Andar na ponta dos pés.
Faz o apoio anterior atrás da linha vertical do joelho O aproveitamento da impulsão é reduzido pelo não posicionamento articular. Coordenação de corrida com o apoio dos pés um pouco a frente dos joelhos.
Pouca extensão da perna de apoio. Correr sentado. Realizar duplos saltos.
Correr com os pés para fora ou para dentro. Perda de aplicação de força
e o aproveitamento da
reação não é ideal.
Saltitos para fortalecimento local. Correção em cima de uma linha reta.
Correr com a cabeça para trás. Falta de força muscular anterior. Exercícios de musculação

Atletismo Paraolímpico
Posição do pé do velocista

Atletismo Paraolímpico
Posição do pé do meio-fundista e fundista

Corridas de meio-fundo e fundo

As capacidades físicas básicas que devem ser priorizadas para as provas de meio-fundo e fundo:

Resistência aeróbica e resistência anaeróbica.
Força.
Velocidade.
Descontração

SALTOS

SALTO EM DISTÂNCIA

A fase de corrida nos saltos deve passar pelo mesmo processo pedagógico das corridas e arremessos (orientação espacial e dinâmica de deslocamento). O problema fica complexo no treinamento para a chamada (passo que antecede o salto), enquanto na fase aérea do salto o problema é minimizado, pois a questão da orientação espacial não influi mais, já que não se pode mudar o sentido do deslocamento.

A chamada é um elemento de precisão que depende de refinamento técnico gerado pela repetição exaustiva. A distância para a chamada deve ser treinada e estabelecida nos treinos. Apesar de a área de impulsão no salto em distância e no triplo, para o B1 e B2, ser de 1m x 1,22m, o aluno precisa ter o referencial espacial muito bem estabelecido, já que o atleta tem de correr na direção certa e ainda acertar a distância da tábua. Independente da ajuda de um chamador, esta ação é de muita complexidade em sua execução.

Para o salto em distância, o chamador deverá posicionar-se ao lado da área de impulsão e bater palmas para indicar a direção da corrida. Quando o atleta se aproximar, ele deverá dar sinal que faltam um ou dois passos para o salto. Pode-se usar um outro chamador atrás da caixa de areia dando as coordenadas de direção e o que fica ao lado da área de impulsão só indicará o momento do salto. Esta técnica com dois chamadores é muito útil no salto triplo, em que o atleta durante os três saltos tende a perder um pouco do senso de direção.

As capacidades físicas básicas que devem ser priorizadas para as provas de saltos:

Velocidade e força.
Agilidade.
Resistência anaeróbica.
Descontração.

A didática do salto em distância para deficientes visuais:

O aluno deve receber orientações e informações quanto ao local a ser utilizado, explorando o ambiente e criando um mapa mental de onde será feita a atividade.
O salto com orientação sonora. Utiliza-se um ou dois guias para esta função.
Orientar o aluno quanto ao alinhamento e à direção da corrida para o salto; em seguida, o técnico que está na área de impulsão orienta o aluno na corrida e na impulsão, pelo uso da voz ou palmas.

Regras básicas

Corredor de saltos.
Tábua de impulsão e/ou área de impulsão.
Área de queda.

Fases do salto

Corrida de balanço ou aproximação.
Chamada ou impulso.
Suspensão ou vôo (Extensão. Passada no ar. Tesoura. Arco.).
Queda.

Atletismo Paraolímpico

Técnica inicial

Aprendizado da corrida com chamada e números de passadas, educativos de saltos e exercícios de aprendizagem da figura do salto

Exemplos:

Salto parado com ambas as pernas: o aluno fica na borda da caixa de salto em distância com as pernas separadas lateralmente, realiza uma pequena flexão de pernas e salta para frente caindo na caixa de areia com pequena flexão de pernas.

Salto parado com impulsão na perna esquerda e queda na caixa de areia com ambas as pernas. Salto com uma passada com impulsão na perna esquerda. O professor pode acompanhar o aluno dando orientação verbal ou também acompanhá-lo de mãos dadas.

O mesmo salto acima com duas passadas até cinco passadas caminhando. Quando o aluno estiver com confiança e bom direcionamento, pode fazer as passadas correndo com intensidade média até conseguir correr bem direcionado em sua corrida máxima.

Trabalho com ritmo de passadas, exemplo corrida crescente. O atleta, no gramado ou na pista de atletismo, corre uma distância pré-determinada pelo técnico e simula a entrada do salto.

Fica a critério do atleta e do professor a melhor maneira de realizar o salto com número fixo de passadas ou com o professor (técnico) fazendo a chamada na área de impulsão, avisando o momento em que ele deve realizar o salto

Exemplos de atividades para o final do salto

O aluno, no final do salto, transporta o corpo para frente com a queda do corpo sobre os calcanhares.
O aluno fica em cima de um plinto e salta para um colchão procurando cair na posição sentado (final do salto).
O aluno, com uma passada, dá impulso em cima de um plinto baixo e salta para um colchão (como no exemplo acima).

SALTO TRIPLO

O salto triplo para deficientes visuais segue o mesmo princípio do salto em distância em relação aos guias, mas o ideal são dois: um deve fica na área de impulsão e outro para orientação da seqüência dos saltos

Fases do salto triplo:

Corrida de aceleração.
Hop.
Step.
Jump.
Queda

Corrida de aceleração:

A distância da corrida de aceleração varia entre 10 passadas, para iniciantes, e 20 passadas para atletas de alto nível.
Deve-se aumentar a velocidade progressivamente até a impulsão.

Hop:

O pé de impulso deve ser rápido (realizar sempre movimento de tração não de pistão)

Step:

Durante o step, o atleta mantém uma posição semelhante a do final de impulso, preparando para o jump, extensão da perna livre para a frente, para baixo e para trás. Manter o tronco na posição vertical.

Jump:

Pode ser efetuado com a técnica do salto em distância (qualquer das técnicas do salto em distância)

Metodologia:

Trabalhar somente a primeira parte do salto, caindo na areia (com 1, 2, 3, 4, 5 passadas).
Trabalhar somente o segundo salto, caindo na areia (com 1, 2, 3, 4, 5 passadas).

Educativos da parte final do salto triplo:

Pés juntos, saltar para a caixa de areia.
Com uma passada, saltar projetando o joelho da perna livre para frente e cair com os pés juntos (obs.: com 2, 3, 4, 5 passadas).
Trabalhar os dois últimos saltos (obs.: manter o joelho livre na frente e no salto final rodar os braços).
Aprendizado da corrida com chamada e números de passadas.
Educativos de saltos.
Exercícios de aprendizagem da figura do salto.

A técnica do salto triplo para deficientes visuais:

Exercício de salto duplo com a mesma perna.
Exercícios de saltos alternados.

SALTO EM ALTURA

Metodologia do salto tesoura e fosbory:

Passar o obstáculo em forma de tesoura (obs.: em todos os exercícios, trabalhar os dois lados, utilizando ora a perna esquerda, ora a perna direita).
Passar o obstáculo igual salto tesoura.
Correndo, subir no colchão (obs.: com cego, subir no colchão com 1, 2, 3, 4, 5 passadas).
Transpor sarrafo com corrida de curva em estilo tesoura.
Correr em linha reta com elevação dos joelhos.
Correr em curva, fazendo um círculo.
Correr em curva no pé de impulso, elevar a perna livre e o braço para o alto.
Correr em curva e, na chamada, elevar a perna livre e direcioná-la para o centro.
Correr em curva e direcionar o olhar na entrada do salto sobre o ombro para a parte de dentro do colchão.
Rolamento para trás no colchão.
Rolamento para trás com plinto para o colchão.
Saltar para trás com os dois pés juntos tendo o elástico como o sarrafo.
Saltar lateralmente com os dois pés juntos tendo o elástico como o sarrafo.
Saltar lateralmente com o pé de impulsão tendo o elástico como o sarrafo.
Saltar lateralmente com uma passada tendo o elástico como o sarrafo.

Metodologia do salto rolo ventral:

Transpor um plinto como se estivesse subindo em um cavalo, em seguida simular a posição do salto.
Saltar parado lateralmente com o pé de impulsão tendo o elástico como o sarrafo.
Saltar lateralmente com uma passada tendo o elástico como o sarrafo, aumentando gradativamente o número de passadas.

A didática do salto triplo para deficientes visuais:

Aprendizado da corrida com chamada e número de passadas.
Educativos de saltos.
Exercícios de aprendizagem da figura do salto.

ARREMESSOS E LANÇAMENTOS

O reconhecimento espacial do ambiente tem a função de conhecer a área de arremesso e lançamentos, pois é fundamental para o deficiente visual.

Enfocar exercícios de equilíbrio , já que nosso principal mecanismo de equilíbrio é a visão. Sem ela, no caso da cegueira, o sistema vestibular e a propriocepção devem ser estimulados para suprirem a ausência da visão. Os arremessos e os lançamentos são constantes processos de perda e retomada de equilíbrio, tanto estático quanto dinâmico.

Os lançamentos serão direcionados pelas informações verbais. Para isso, pode-se combinar diferentes informações em um mesmo exercício.

Em um exercício de arremesso de peso, o chamador irá atuar da seguinte maneira: posicionar o atleta no setor de arremesso, orientá-lo espacialmente (com informações táteis e sonoras), colocá-lo próximo dos implementos e, após, colocar-se na frente do atleta batendo palmas ou transmitindo informação sonora para indicar a direção do arremesso. Assim, no caso de um giro, o atleta saberá qual a direção correta.

Regras básicas

O tempo para o lançamento ou o arremesso é iniciado após a orientação espacial do atleta. Atleta e guia são um só de forma que qualquer um dos dois pode invalidar uma tentativa de arremesso, o guia pode orientar espacialmente o atleta a todo momento..

As capacidades físicas básicas que devem ser priorizadas para as provas de lançamento e arremesso:

Força.
Velocidade.
Agilidade.
Resistência anaeróbica.
Descontração.

ARREMESSO DO PESO

Técnicas básicas para lançamentos:

Posição das mãos.
Posição dos pés.
Posição do tronco.
Balanceios de braços e pernas.
Lançamentos de frente, costas , lateral.
Posição de arremesso.

Atletismo Paraolímpico

Atletismo Paraolímpico
Objetivo: empurrar o mais longe possível

Fases:

Posição inicial.
Deslocamento.
Arremesso.
Reversão.

Técnica:

Lateral.
O’Brien.

Metodologia:

Arremessar o peso ou medicine ball com ambas as mãos para frente.
Arremessar o peso ou medicine ball com ambas as mãos para o alto.
Arremessar o peso ou medicine ball para o chão.
Arremessar o peso ou medicine ball para o alto.
Arremessar o peso ou medicine ball para o chão.
Arremessar o peso ou medicine ball lateralmente.
Com medicine ball, passe de peito, finalizando com a quebra do pulso.
Com os pés lado a lado, pressionando a bola com a mão esquerda contra a direita, fazer uma rotação de tronco e arremessar a bola.
Idem acima, levando a perna direita para trás (obs.: dois lados).

Técnica (O’Brien)

Na ponta do pé, deslocar-se para trás.
Na ponta do pé, deslocar-se para trás, virando para dentro no final (agrupando)

Posição de equilíbrio:

Tempo 1. Posição inicial do arremesso: estica a perna esquerda para trás, vem para a frente sem
passar da linha do joelho.
Tempo 2.
Extensão da pena esquerda para trás e ficar no calcanhar da perna direita (obs.: sempre direcionar o olhar para a frente e não mexer os ombros).
Tempo 3.
Exercício acima, virando para dentro o pé direito.
Tempo 4.
Idêntico ao anterior, estendendo toda a perna direita transferindo para a perna esquerda.
Tempo 5.
Mudança da perna direita para a perna esquerda (reversão).

Técnica lateral:

Atleta fica na posição lateral ao local onde será direcionado o arremesso; realiza um deslocamento lateral e finaliza arremessando o peso.

Principais erros do arremesso do peso:

Tênis alto.
Desequilíbrio inicial.
Deslocamento errado da perna de chute.
Queda com as pernas estendidas.
Queda lateral.
Falta de extensão das pernas no final do arremesso

LANÇAMENTO DO DISCO

O aluno criará um quadro mental do esquema corporal para a melhoria dos movimentos da figura técnica do lançamento.

Atletismo Paraolímpico

Técnicas básicas para o lançamento:

Posição das mãos.
Posição dos pés.
Posição do tronco.
Balanceios de braços e pernas.
Lançamentos de frente, costas, lateral

Seqüência dos lançamentos:

Balanço – Giro – Lançamento.
Seqüência final do lançamento: pés – joelhos – quadril – braços.

Atletismo Paraolímpico

Metodologia:

Familiarizar-se com disco.
Trabalhar o disco no solo.
Trabalhar o disco para o alto.
Lançamento para frente.
Lançamento para frente com impulso das pernas.
Lançamento lateral.
Lançamento na posição de força.

Metodologia para realizar o lançamento com giro:

Girar com apoio de uma das pernas ora pela direita ora pela esquerda.
Girar com o pé fora do círculo, afastado do corpo e, no centro do círculo, encurta

Capacidades Motoras:

Força.
Resistência.
Velocidade.
Flexibilidade.
Coordenação.

LANÇAMENTO DO DARDO

Técnicas básicas para o lançamento:

Orientar a posição do dardo em relação ao seu esquema corporal, não esquecendo de, juntamente com o aluno, fazer um reconhecimento da área de lançamentos, orientando sobre o corredor de lançamentos e a linha final do lançamento do dardo.

Posição das mãos
Posição dos pés.
Posição do tronco.

Atletismo Paraolímpico

Parte final do lançamento do dardo

Atletismo Paraolímpico

Principais erros no lançamento do dardo:

Cruzada alta.
Tronco flexionado à frente.
Flexão do braço.
Ombro à frente (deve estar lateralmente).
Lançar antes de a perna esquerda tocar o solo.

Metodologia:

Lançamento com material improvisado.
Familiarização com o implemento.
Transporte do implemento.
Posição inicial do lançamento.
Lançamento lateral. Lançamento de frente.
Lançamento com ambas as mãos.
Lançamento com uma cruzada (com 2, 3, 4, 5 cruzadas).
Lançamento com uma passada (2, 3, 4, 5 passadas).

Jogos Paralímpicos

Velocidade, força, resistência, superação. Esses são alguns dos ingredientes que fazem do atletismo o esporte que mais atrai público nos Jogos Paralímpicos. As provas são disputadas por homens e mulheres de todos os grupos de deficiência – sejam elas físicas, sensoriais ou mentais, sendo estas como demonstração.

Atletismo Paraolímpico

Os atletas são separados de acordo com sua habilidade funcional, de forma a haver equilíbrio na competição, e contam com recursos como cadeiras de rodas, próteses ou até mesmo outro atleta atuando como guia.

Atletismo Paraolímpico

O atletismo faz parte do Programa desde os primeiros Jogos Paralímpicos, em 1960. As provas são divididas em corridas (de curta, média e longa distâncias e revezamento), saltos (altura, distância e triplo), lançamentos (dardo e disco) e arremessos (peso), pentatlo e maratona.

Participam atletas com deficiência física e visual, em provas masculinas e femininas, que têm especificidades de acordo com a deficiência dos competidores e se dividem em corridas, saltos, lançamentos e arremessos.

Atletismo Paraolímpico

Desde os Jogos de Roma, em 1960, o atletismo faz parte oficialmente do esporte paraolímpico. As primeiras medalhas do Brasil em Paraolimpíadas na modalidade vieram em 1984, em Nova Iorque e em Stoke Mandeville, Inglaterra.

Nos Estados Unidos foram conquistadas seis medalhas: uma de ouro, três de prata e duas de bronze. Na cidade inglesa, o Brasil obteve cinco medalhas de ouro, nove de prata e uma de bronze. Em Seul (1988), mais três de ouro, oito de prata e quatro de bronze. Na Paraolimpíada de Barcelona, em 1992, os competidores trouxeram três medalhas de ouro e uma de bronze. Em Atlanta (1996), o Brasil conquistou cinco medalhas de prata e seis de bronze. Em Sydney (2000) foram quatro de ouro, quatro de prata e uma de bronze.

Mas foi em Atenas, em 2004, que o atletismo brasileiro mostrou sua força: 16 medalhas no total, sendo cinco de ouro. Em Pequim (2008), foram 14 medalhas, sendo quatro de ouro, três de prata e sete de bronze, com destaque para Lucas Prado que conquistou três medalhas de ouro. Nos Jogos Parapan-Americanos do Rio de Janeiro (2007) o Brasil terminou em primeiro lugar geral, com 25 medalhas de ouro, 27 de prata e 21 de bronze, totalizando 73 medalhas na modalidade.

O atletismo paraolímpico é a modalidade que mais rendeu medalhas ao Brasil, com destaque para Ádria Santos, a maior medalhista do Brasil na competição conquistando ao todo 13 medalhas em 6 Paraolimpíadas. Logo aos 14 anos, ela esteve em Seul 1988 e conquistou 2 pratas. Em Barcelona 1992, a brasileira ganhou sua primeira medalha de ouro. Em Atlanta 1996 conquistou 3 pratas, mas foi em Sydney 2000, que Ádria teve a sua melhor participação, com dois ouros e uma prata. Atenas 2004 lhe rendeu 1 medalha de ouro e 2 de prata, e na sequência em Pequim 2008, 1 de bronze.

Atletas com deficiência física e visual, de ambos os sexos, podem praticar a modalidade. As provas são de acordo com a deficiência dos competidores, divididas entre corridas, saltos, lançamentos e arremessos. Nas provas de pista (corridas), dependendo do grau de deficiência visual do atleta, ele pode ser acompanhado por um atleta-guia, que corre ao seu lado ligado por uma cordinha. Ele tem a função de direcionar o atleta, mas não deve puxá-lo, sob pena de desclassificação. As competições seguem as regras da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), com algumas adaptações para o uso de próteses, cadeira de rodas ou guia, mas sem oferecer vantagem em relação aos seus adversários. No Brasil, a modalidade é administrada pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro.

Classificação

Para provas de campo – arremesso, lançamentos e saltos

F – Field (campo)

F11 a F13 – deficientes visuais
F20 – deficientes mentais
F31 a F38 – paralisados cerebrais (31 a 34 -cadeirantes e 35 a 38 – ambulantes)
F40 – anões
F41 a F46 – amputados e Les autres
F51 a F58 – Competem em cadeiras (seqüelas de Polimielite, lesões medulares e amputações)
Para provas de pista – corridas de velocidade e fundo

T – track (pista)

T11 a T13 – deficientes visuais
T20 – deficientes mentais
T31 a T38 – paralisados cerebrais (31 a 34 -cadeirantes e 35 a 38 – ambulantes)
T41 a T46 – amputados e les autres
T51 a T54 – Competem em cadeiras (seqüelas de Polimielite, lesões medulares e amputações)

OBS: A classificação é a mesma para ambos os sexos. Entretanto, os pesos dos implementos utilizados no arremesso de peso e nos lançamentos de dardo e disco variam de acordo com a classe de cada atleta.

Regras do Atletismo Paraolímpico

ADAPTAÇÕES DAS REGRAS

As alterações das regras visam a possibilitar a prática do atletismo pelas pessoas portadoras de deficiência visual.

As principais diferenças entre as regras da IAAF e IBSA e suas adaptações em relação às regras do atletismo.

A principal diferença entre estes dois tipos de atletismo é que a IBSA apresenta um sistema de classificação de seus participantes (Classes B1, B2, B3), segundo os dados do sistema de classificação.

Classe B1

Corridas

Os atletas precisam utilizar óculos escuros, vendas ou tamponamento em todas as provas. A corrida é realizada juntamente com um atleta-guia.

Saltos

A prova do salto em distância e salto triplo tem como principal diferença a utilização de uma área de impulsão que mede 1,22m x 1m, sendo que a distância do salto será aferida a partir do ponto de impulsão na área de impulsão, ou caso esta ocorra antes desta área, será feita a medida na tábua convencional. Nas provas de salto em distância e triplo, o atleta B1 pode utilizar-se de dois guias, sendo um responsável pelo seu posicionamento na pista de aceleração e outro para lhe dar a orientação de direção. Esta configuração do posicionamento dos guias na área de salto não é obrigatória. No entanto, os guias não podem se posicionar dentro da zona de aterrissagem, nem deixar marcas na areia entre o ponto de queda do atleta e a tábua de impulsão. O atleta poderá ter assistência auditiva ou tátil de seus guias, pois nesta prova o atleta poderá ter dois guias para sua orientação espacial.

Descrição da área do salto em distância classe B1 e B2

A área em branco é a área de impulsão que mede 1,22m de largura por 1m de comprimento.

Na prova do salto em altura, é permitido que o atleta toque o sarrafo antes de saltar.

Lançamentos

O atleta pode receber orientações sonoras, táteis do guia. Nas provas de lançamento, o guia posiciona o atleta e sai da área de arremesso, esperando em um ponto em que esteja seguro, podendo ainda dar orientação sonora ao atleta em um local seguro. O guia retorna para conduzir o atleta após o levantamento da bandeira de sinalização do árbitro, no entanto deverá retirar o atleta pela área de trás da zona de lançamento. Caso isto não ocorra, será apontada infração.

Classe B2

Corridas

Os atletas precisam utilizar óculos opacos, vendas ou tamponamento em todas as provas. A corrida é realizada juntamente com um atleta-guia.

Saltos

A prova de salto em distância e salto triplo, assim como na classe B1, têm como principal diferença a utilização de uma área de impulsão que mede 1,22m x 1m, sendo que a distância do salto será aferida a partir do ponto de impulsão na área de impulsão, ou caso esta ocorra antes desta delimitação, será feita a medida na tábua convencional. O atleta poderá ter assistência auditiva ou tátil de seu guia. Atleta B2 só pode utilizar-se de um guia.

Nestas provas, o guia é responsável pelo posicionamento e orientação de sua direção para o salto. O guia pode estar ao lado da tábua de impulsão ou no final da caixa de salto, mas não dentro dela.

O atleta B2 pode dispor destes recursos mais a utilização de marcações com cores e bandeiras nas áreas de salto

Salto em altura

É permitido que o atleta toque o sarrafo antes de saltar.

Lançamentos

O atleta pode receber orientações sonoras, táteis do guia. Nas provas de lançamento, o guia posiciona o atleta e sai da área de arremesso, esperando em um ponto em que esteja seguro, podendo ainda dar orientação sonora ao atleta em um local seguro. O guia retorna para conduzir o atleta após o levantamento da bandeira de sinalização do árbitro, no entanto deverá retirar o atleta pela área de trás da zona de lançamento. Caso isto não ocorra, será apontada infração.

Classe B3

O atleta B3 compete sob as mesmas regras do desporto convencional em todas as situações. As regras são da IAAF.

REGRAS E FUNÇÕES

O guia nas corridas é o olho do atleta, sendo-lhe permitida a comunicação verbal e física com o atleta. Dentro das técnicas para conduzir o atleta, será permitida a utilização de cordas guias, a condução pelo braço ou pelo uniforme do atleta. No entanto, não é permitido ao guia puxar, empurrar ou propelir o atleta na busca de uma vantagem sobre os outros competidores. O guia deve estar sempre ao lado ou atrás do atleta, não ficando mais de 50cm longe dele. Na linha de chegada, o guia deve posicionar-se atrás da linha do atleta para não atrapalhar a arbitragem. A troca de guias pode ocorrer nas provas com distância acima de 400m. A troca deverá ser notificada à arbitragem antes da largada da prova e a substituição se dará no local designado pela arbitragem. Será permitida apenas uma substituição. Exceção será feita na maratona, onde podem ocorrer três trocas de guias nos quilômetros 10, 20 e 30.O guia não é um competidor, ele é parte de uma equipe na competição. A qualquer infração das regras pelo guia, a dupla será punida.

A passagem no revezamento ocorre pelo toque entre atletas, guias, atletas e guias. Não existe zona de aceleração neste tipo de prova. O guia, nesse caso, tem de permanecer na mesma linha ou atrás do atleta, mesmo na passagem. O bastão como elemento simbolizador da passagem, estará sendo adotado em um futuro próximo. O papel do guia nesse evento é fundamental para que as passagens sejam eficientes.

GUIA: O ATLETA

Ser guia requer um elevado nível de profissionalismo, mesmo quando trabalha como voluntário. Como guia, deve não só ter condutas pessoais e profissionais de qualidade, mas também viver de acordo com elas. A relação entre guia e atleta não se resume apenas à sua preparação para os acontecimentos na competição. É também uma questão de formar atitudes e ser educador no sentido mais amplo da palavra. Por meio do seu trabalho e do modo como o realiza, ele projeta uma imagem para o treino dos atletas, para os técnicos e ainda para aqueles que estão envolvidos no treino.

Os guias, devido ao trabalho que desempenham na preparação dos atletas, representam um papel importante na performance final do seu atleta. Sua conduta, aparência pessoal, sua personalidade, seus conhecimentos técnicos, devem corresponder às necessidades dos atletas. Isto sempre irá refletir na confiança que o atleta deposita em seu guia. Ele deve plena observância aos deveres do compromisso assumido. Precisa estar ou manterse sempre disponível dentro e fora dos locais de competição. Não deve esquecer nunca da responsabilidade quanto à pontualidade e quantidade de tempo disponibilizado para as tarefas combinadas.

Algumas regras básicas do guia e de sua função:

Assim que o corredor cego cruzar a linha de chegada, o guia deve estar necessariamente atrás dele.
O método de condução é de escolha do atleta. Este pode optar por ser guiado com um cordão, ou ainda correr livre. Além disso, o corredor pode receber orientações verbais do guia. Bicicletas ou outros meios mecânicos de transporte não podem ser utilizados por guias.
Em nenhum momento, o guia pode arrastar o atleta ou impeli-lo com um empurrão. Qualquer infração nesse sentido conduzirá à desclassificação do atleta.
Utilizando-se ou não de uma corda, como método de condução, atleta e guia não deverão estar separados por mais de 0,5m de distância, em nenhum momento da prova.

NOTA: Quando situações acidentais ou extraordinárias induzirem à violação da condição acima será de inteira responsabilidade do oficial técnico da IBSA decidir a favor ou contra a desclassificação do atleta. Os princípios utilizados para tomar tal decisão incluirão consideração sobre algum perigo passado ou desvantagem sofrida por outro competidor na mesma prova.

Para as corridas de pista em médias e longas distâncias (acima de 400m), serão permitidos dois guias. Permite-se apenas uma troca de guia para cada corredor.

A troca (substituição) deve ocorrer sem prejudicar os demais corredores e deve ser realizada apenas na reta de largada. Os corredores-guias devem vestir colete de cor laranja, para que sejam claramente diferenciados dos competidores. O técnico, em função das regras aqui descritas e pela experiência, procura traçar o que se chama de ideal do perfil técnico do guia. Este atleta em primeiro lugar deve estar consciente de suas funções como guia, já que passará a ser os olhos dos atletas e o responsável direto pela performance do atleta no momento da competição. Para que isto aconteça, é necessário que ele transmita calma e segurança para o atleta e o domínio da situação e das regras. Deve estar integrado no movimento do paradesporto. A atividade do guia inicia já nos treinamentos e não apenas na competição. Ele deve estar presente no dia-a-dia dos atletas e possuir conhecimentos das técnicas do esporte.

Fonte: www.informacao.srv.br/turismoadaptado.wordpress.com/www.rio2016.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Arremesso de Peso

Arremesso de Peso

PUBLICIDADE O arremesso de peso é uma prova de atletismo moderno. A pessoa impulsiona uma …

História das Olimpíadas

História das Olimpíadas

Os Jogos Olímpicos começaram em 776 a.C. em Olímpia, na Grécia antiga, e duraram por mais de mil anos.

Rivellino

Rivellino

Rivellino, Roberto, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Seleção Brasileira, Gols, Faltas, Cobrador de Faltas, Corinthians, Vida, Carreira, Rivellino

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+