Breaking News
Home / Esportes / Halterofilismo

Halterofilismo

PUBLICIDADE

Halterofilismo ou levantamento de peso olímpico é um esporte que envolve levantamento de peso, tanto quanto possível, cujas extremidades são fixadas, que determinam o peso final que é levantado.

Para este conjunto é chamado de halteres.

Existem dois tipos de competição: arranco e arremesso.

Na primeira, deve ser levantada, sem interrupção, toda a extensão dos braços sobre a cabeça.

Na segunda, você deve fazer o mesmo, mas permite uma interrupção do movimento quando a barra estiver na altura do ombro.

Ele foi desenvolvido na Europa durante o século XIX, mas tem antecedentes em épocas anteriores.

Em 1905 foi fundada a Federação Internacional de Halterofilismo, que rege o esporte. Ele fazia parte dos esportes de Jogos Olímpicos de Atenas 1896 e Saint Louis 1904, mas desapareceu em 1908, voltou em 1920 Antwerpen.

As mulheres não entraram no programa olímpico até a Olimpíada de Sydney 2000.

Em academias de musculação exige uma certa quantidade de anexos, tais como: Bares (palanquetas) discos (1, 2,5, 5, 10, 15, 20 e 25 kg), pregos para bares, pistas de altura, bancos (assentos), e outras plataformas.

Ele é considerado como o mais genuíno esporte de força, mas também exige grande habilidade e atitude mental excepcional.

Levantar pesos ou musculação envolve um treino completo para alcançar o desenvolvimento do atleta no palco, forçando todos os músculos do seu corpo para executar uma ação que exceder a soma dos recursos parciais individuais.

História

Halterofilismo é provavelmente um dos esportes mais antigos.

Podemos colocar as suas origens por volta do ano 3600 aC, na China, os imperadores praticavam exercícios de força.

Também na dinastia Chow (1122 aC) os soldados, como um pré-requisito para se juntar ao exército, eles tinham que levantar uma série de pesos.

A maioria dos historiadores apontam para o lutador grego Milo de Croton como o pioneiro de levantamento de peso.

O século VI aC, na Grécia, era conhecido como o Idade da Força, levantando grandes pedras lançou as bases de levantamento de peso de hoje.

No século XIX, principalmente na Europa Central , era costume a realização de exposições de força em tavernas, levantando uma enorme barra de ferro com bolas de metal nas pontas. No final desse século, levantamento de peso era profissionais circenses dedicação quase exclusiva, como Saxon irmãos. Mais tarde, ele começou a se apresentar em um amador, organizando competições entre clubes.

Halterofilismo
Dimitrios Tofalos campeão olímpico de levantamento de peso em 1906 na Grécia e um dos primeiros expoentes do esporte.

Halterofilismo
As primeiras versões do levantamento de peso com barras de ferro com enormes bolas de metal nas pontas.

Na primeira Olimpíada moderna, realizada em Atenas, em 1896, de levantamento de peso foi incluído como um esporte olímpico. O inglês foi destacado foi Launceston Elliot, que levantou, com uma mão, 71 kg.

Em Paris em 1900 não foi realizado concurso.

Nos Jogos Olímpicos de Saint Louis 1904, o grego Péricles Kakousis conseguiu levantar 111,67 kg.

Então aconteceu oito anos sem remoção e re-apresentado em Antuérpia em 1920.

Participantes foram divididos em categorias por peso: pena, leve, médio, meio-pesado e pesado.

Em 1928, em Amsterdam foram instituídos três modos: início, desenvolvimento e tempo.

Mais tarde, em Munique, em 1972 introduziu novas categorias de peso: mosca e superpesado.

Atualmente compete em dois modos: Clean & Jerk.

Em 1987 foi realizado o primeiro campeonato de levantamento de peso feminino e do Comitê Olímpico Internacional, em 1997, aprovou a participação das mulheres nos Jogos Olímpicos.

As categorias de peso foram uma nova mudança.

Atualmente é configurado dessa forma: masculino e sete oito categorias definidas peso do corpo feminino.

Em 1905 ele fundou a Federação Internacional de Paris, que inicialmente se juntou catorze países. A partir desta data começou a formar federações nacionais.

Em 1920 ele estabeleceu a Federação Internacional de Halterofilismo (em francês: ‘ Fédération Internationale d’haltérophilie ‘ ), um amador cujo nome oficial hoje é da Federação Internacional de Levantamento de Peso (IWF), composto federações amadores de vários países. Esta é a entidade responsável por controlar e regular todas as reuniões internacionais de levantamento de pesos globalmente. Além disso, entre suas funções é padronizar os registros.

No Campeonato Mundial, Jogos Olímpicos, Jogos Regionais e Campeonatos Continentais e torneios internacionais só podem ser utilizadas barras, sistemas de iluminação para os juízes, cronometristas escalas e aprovado pelo IWF.

Estas competições são organizadas com base em dois movimentos indivíduo-Clean & Jerk, e com as dez categorias de peso corporal.

No início dos anos 1980 levantadores União Soviética dominou as competições internacionais na categoria de mais de 110 kg, atingindo e superando 210 kg de arrebatar e 265 kg na modalidade, duas vezes, para um total de 465 kg.

Até 1956 não é reconhecido levantamento testes com uma mão em competições internacionais.

As relações de poder sofreram mudanças significativas nas últimas décadas.

No início do século, na Áustria, Alemanha e França foram os países mais bem-sucedidos, então foi o Egito e alguns anos mais tarde, os Estados Unidos reinava.

Na década de 1950 e décadas seguintes, três levantadores de peso da União Soviética desempenhou o papel de personagens, com a Bulgária se tornaria seu principal rival.

Desde meados dos anos 90, no entanto, Turquia, Grécia e China têm catapultado para a cabeça. O mais recente levantamento de peso poder, no homem, é a Grécia.

Nas mulheres, a China tem sido dominante desde o início, com outros países emergentes da Ásia como fortes candidatos ao título de campeão. Em geral, porém, a Europa é o continente mais poderoso em competições, ambos os sexos.

Halterofilismo hoje

A Federação Internacional de Halterofilismo (IWF) hoje tem 167 países membros. Cerca de dez mil halterofilistas participam anualmente em competições oficiais, no entanto, é uma ferramenta indispensável para o desenvolvimento de resistência a todos os esportes e bilhões de pessoas ao redor do mundo preferem exercícios com barras para o bem de forma física. Input calcula os campeonatos do mundo têm aumentado ano após ano. O público recorde foi registrado no Campeonato Mundial de 1999, em Atenas, na Grécia, com um total de 660 atletas de 88 países participantes.

 Halterofilismo nos Jogos Olímpicos

Desde 1896, o levantamento de peso aparece em 20 Jogos Olímpicos. Na vigésima primeira edição do esporte olímpico em Sydney , o primeiro programa inclui mulheres concorrentes. Levantador de peso mais bem-sucedido atleta olímpico de todos os tempos é o turco Naim Suleymanoglu, que ganhou três campeão olímpico (1988, 1992 e 1996).

O húngaro Imre Földi é recordista ser cinco vezes medalhista olímpico de ouro (1960, 1964, 1968, 1972 e 1976), enquanto o americano Schemansky Norbert é o único que ganhou medalhas em quatro jogos: uma medalha de prata em 1948, ouro em 1952, bronze em 1960 e 1964.

Categorias do concurso

A disciplina do ramo de levantamento de peso é dividido em masculino e feminino. Ambos os ramos são categorizados corporal nas mulheres, há sete categorias, 48 kg, 53 kg, 58 kg, 63 kg, 69 kg, 75 kg e mais de 75 kg. Nos homens, há oito categorias, 56 kg, 62 kg, 69 kg, 77 kg, 85 kg, 94 kg, 105 kg e mais de 105 kg.

Nos Jogos Olímpicos ou campeonatos internacionais, os concorrentes na forma de rasgadas, normalmente até 41-68 kg acima do peso corporal e modo de recuperação de 82-100 kg. O levantador de levantar o maior peso é adicionado nas duas modalidades ganha a competição. Se dois ou mais concorrentes no mesmo elevador da mesma categoria de peso, foi declarado o vencedor de menor peso corporal.

Arrebatar

É o primeiro ano de competição. Envolve o levantamento da barra do chão até acima da cabeça, com uma extensão completa dos braços em um agachamento , tudo em um só movimento. Este exercício é o mais técnico no levantamento de pesos . A barra é colocada horizontalmente em frente das pernas do levantador.

Ser apreendidos, com as mãos pronados, e cresceu em um único movimento a partir da plataforma em toda a extensão de ambos os braços verticalmente acima da cabeça, enquanto se move as pernas em terra ou Flex. O bar vai passar por um movimento contínuo ao longo do corpo, do qual não faz parte, exceto para os pés, você pode tocar a plataforma durante a execução do levantamento. A extensão (para trás) do pulso não deve ocorrer até o bar ultrapassou cabeça levantador. O levantador pode ser recuperada usando o tempo necessário a separação ou agachar-se e coloque os pés na mesma linha, paralela ao plano do tronco e bar. O juiz irá sinalizar, logo que o levantador é completamente imóvel em todas as partes do seu corpo. O peso levantado deve ser mantida na posição final de imobilidade, restantes braços e pernas estendidas. Os pés na mesma linha, paralelos ao plano do tronco e do bar, até que o juiz dá o sinal de “terra”. O sinal de aterramento deve ser audível e visível e deve ser colocado ao lado da quadra central (contra o levantador).

Dois tempos

Este exercício envolve levantar a barra do chão até os ombros com um agachamento. Subsequentemente recuperaram na posição em pé, para iniciar a segunda fase denominada condimentado , realizando uma flexão das pernas, empurrando a barra de cima da cabeça com uma tesoura, enquanto subsequentemente recuperados por colocar o pé para baixo em paralelo com a haste o chão.

Há duas fases diferentes neste movimento: o primeiro ( limpo ou carregado), o competidor levanta a barra do chão fazendo um idiota e agachamento para ficar sob ele. Em seguida, segurando a barra em linha reta até a altura do ombro, a segunda ( idiota ou limpo), joelhos minimamente flexão, levanta a barra acima da cabeça, ganhando força com as pernas e os braços completamente estendidos. O levantador deve manter os pés no mesmo plano ao longo do processo e na segunda fase, estender as pernas totalmente.

Existe uma variante do modo de dois tempos ( impulso yerk ), na qual é permitido colocar os pés a um nível diferente e manter as pernas dobradas. A maioria dos levantadores de executar o segundo movimento um pouco de dobrar e esticar as pernas, de repente, causando um efeito de primavera, quando abaixar o corpo para ser colocado sob a barra, completando a pesquisa.

Vestuário

O atleta de levantamento de peso requer equipamento especial com as especificações técnicas, tais como:

Os sapatos : eles são feitos de couro com um salto de certas medidas que lhe dão estabilidade ao receber o bar, e evitar ferimentos nas costas.
A bottarga ou Malliot :
Feito de Lycra , que permite conforto nos movimentos técnicos.
Joelho :
servem para impedir danos ou, em alguns casos como uma proteção.
O cinto ou faixa :
usado quando há uma sobrecarga de trabalho na região lombar para evitar lesões e proteger a parte inferior das costas, levantador de peso tem as qualidades físicas que têm grande força na parte inferior das costas e abdômen.
Pulseiras :
para proteger a articulação do pulso da mão.
Aladeras :
mais usados nas sessões de formação, eles servem principalmente para o levantador de peso pode manter uma boa aderência em ambas as mãos ao levantar cargas para se tornar importante.
Magnésio em pó :
Usado e manchado nas partes levantador do corpo que geram algum tipo de atrito, especialmente nas mãos e nos ombros, durante a competição, o magnésio é um auxílio no processo de remoção, uma vez que impede a geração de agentes suor do corpo pode apresentar algum tipo de problema ao levantamento olímpico.

Referências

www.telefonica.net/web2/halterofilia/historia/historia.htm
www.iwf.net
Microsoft ® Encarta ® 2008. © 1993-2007 Microsoft Corporation.

Fonte: es.wikipedia.org/wiki/Halterofilia

Halterofilismo

Origem e Definição

O Halterofilismo surgiu na Grécia, no treinamento de atletas “que usavam os halteres como ponto de apoio/impulso” (Schermann), personificado no mito do lendário herói grego Milo de Cróton.

Segundo o mito, Milo de Cróton desenvolveu volume e potência musculares carregando diariamente um bezerro até à sua maturação como touro, deixando implícitos os princípios básicos, modernamente explicáveis cientificamente: metodológico – o aumento gradativo da resistência oposta aos movimentos do corpo humano; biológico – estímulos às alterações do metabolismo muscular (propiciando reações orgânicas gerais )induzindo hipertrofia e potência musculares crescentes como respostas orgânicas, para manutenção do equilíbrio homeostático,em reação aos estímulos crescentes das cargas aumentadas gradativamente.

Na história do Halterofilismo, encontram-se frequentemente exibições folclóricas em feiras e de circos, de artistas exibindo corpos trabalhados e/ou executando provas de força, seja puxando diversos tipos de veículos ou levantando pesos– inicialmente com enormes bolas interligadas por barras, as marombas – com aferições reais ou falsas, preenchidas ou não com artefatos de chumbo.

Deste jogo de aparências, provavelmente se originaram os preconceitos iniciais com relação à atividade gímnico esportiva do Halterofilismo como aplicação e desenvolvimento muscular puros, levando à criação da designação de Culturismo, que permitia sua inserção social.

Século XIX No Brasil, houve exibições folclóricas de força noestilo circense pelo cidadão basco Santiago e pelo inglês Furry no início deste século, segundo indícios históricos, sem registros explícitos. Antes da passagem para o século XX, já eram populares no país os equipamentos idealizados no exterior por Eugen Sandow, ou seja, as molas de preensão e os extensores de molas, algo próximo ao Método de Tensão Dinâmica de Charles Atlas, surgido nos EUA na década de 1930.

1882 – 1892 –1898 Nestes períodos encontram-se planos de aula de ginástica do Ginásio Nacional, atual Colégio Pedro II, situado no Rio de Janeiro – RJ, descrevendo exercícios com as expressões“varas ou barras com pesos” e “marombas”.

1904 Realizaram-se na cidade de São Paulo, provas de Levantamentos de Pesos entre o Clube de Regatas São Paulo e o Clube Atlético Esperia.

1906 – 1908 Na cidade do Rio de Janeiro – então Distrito Federal– o francês Paul Pons, lidera uma turma de praticantes de exercícios com pesos e de lutas no Parque Fluminense, que se exibiam em praças e ruas. Este grupo incluiu personalidades importantes à época, tais como Francisco Lage, Zeca Floriano – filho de Floriano Peixoto, Presidente da República – e o Dr. Eutíquio Soledade, pai de Tico Soledade.

1939 Na Associação Cristã de Moços – ACM do Rio de Janeiro, então sediada à Rua Araújo Porto Alegre, Marcello B. de Viveiros, médico do esporte, organiza um ginásio de Halterofilismo, com Francisco Lino de Andrade, certamente influenciado pela cultura francesa, pois na França o vocábulo Halterophile era utilizado na área de levantamentos, usando-se também o termo Culturismo para designar os atletas que se dedicavam ao desenvolvimento da musculatura corporal como símbolo de excelência física. Funda-se ainda no RJ, a Seção de Pesos e Halteres do clube Botafogo Futebol e Regatas, sob a direção de Paulo Azeredo. Realizou-se também um campeonato inter-clubes, com a participação do Flamengo,Central (de Niterói), Irapurás e Botafogo, sob supervisão da Federação, com seu delegado e fiscal, Arnaldo Costa. Neste ano iniciam-se as atividades da antiga Escola Nacional de Educação Física e Desportos – ENEFD, no RJ, onde Paulo Azeredo é encarregado da parte de aparelhos e levantamento de pesos, ligada à Cadeira de Esportes Terrestres Individuais.

1946 Marcello Viveiros – que utilizava o pseudônimo Marcos Benjamim – organiza o Ginásio Força e Saúde, à Rua Erasmo Braga 277, 13º andar, Centro, Rio de Janeiro, transferido logo após para a Rua da Glória 32, apto. 702, onde lidera o Grupo Fôrça e Saúde, com uma Editora e uma Revista, homônimas. A partir deste ano são organizados os primeiros Campeonatos de Levantamentos Olímpicos e Excelência Física, assim como aparece a Revista Capitão Atlas que inclui artigos técnicos sobre Halterofilismo. O impacto deste Grupo fez-se presente até a década de 1970 e sua tradição se fixou na memória do Halterofilismo brasileiro.

1948 – 1949 Em São Paulo, Renato Pace organiza o Clube Hércules, e Alcyr Rondon, o Ginásio Apollon. No RJ, Nísio Dourado, cria o Ginásio Apolo; Newton de Souza Carvalho, o Ginásio Brasil,e Cláudio Flávio de Magalhães (Tibí), o Ginásio Vigor. Em Porto Alegre, Justino Viana instala o Ginásio Sparta. A partir da década de 1950, os ginásios e academias de Halterofilismo tornam-se comuns em todas as regiões do Brasil.

Décadas 1940 – 1950 O Grupo Força e Saúde lança a primeira publicação especializada, a Revista “Fôrça e Saúde” e edita também o “Sistema Ideal”, ensinando por correspondência uma série de exercícios com pesos para utilização individual, com um sistema de repetições duplas gradativas, para manter uma segurança biológica na sua utilização, pois não havia recomendação de exame médico prévio. Destaque-se também a atuação pioneira de Paulo Ernesto Ribeiro (professor de Educação Física), atuante na área desde 1947, que publicou artigos bastante instrutivos na Revista do Capitão Atlas e que criou também a Milo Halterofilismo. Nesta época, ainda circulavam no Brasil os folhetos do Método de Charles Atlas, importados dos EUA e sujeitos a um enfoque mercadológico, da instrução sobre o desenvolvimento muscular. Este método, antes citado sob a denominação de Tensão Dinâmica – que no Brasil influenciou toda a geração de especialistas ativos nos anos de 1930 a 1950 –, provavelmente foi um precursor do Exercício Isocinético.

1965 – 1968 Inspirado no modelo de gerenciamento Força e Saúde, Luiz dos Santos, neste período, ao assumir a Federação Metropolitana de Halterofilismo – FMH, sediada no RJ, reproduz a tradição do Grupo original, iniciando pelos Campeonatos de Exercícios Básicos e de Excelência Física – até então interrompidos– que atraem e incentivam novos atletas para os Campeonatos de Levantamentos de Pesos. Destaque-se que a FMH tinha sido mantida, à época, por mais de uma década graças à compreensão do clube Botafogo F.R. e aos esforços pessoais de José Reis, professor de Educação Física e ex-levantador. Este fato pode ser considerado como uma regressão dos esforços do Grupo Força e Saúde, pois a FMH foi subordinada à Confederação Brasileira de Desportos-CBD após a dissolução da Confederação Brasileira de Halterofilismo – criação do Grupo na década de 1940 – pelo Conselho Nacional de Desportos-CND.

1951 – 1963 O Grupo Força e Saúde lança a primeira Barra Olímpica projetada e fabricada no país em 1951. No ano seguinte foi lançada a Revista “Músculos” pelo mesmo Grupo, e foi criado o Curso de Técnico em Pesos e Halteres, na ENEFD, no qual se diplomaram treze licenciados em Educação Física nos anos subseqüentes, sendo os últimos em 1963. Egressos desta especialização: Luiz dos Santos (médico e pesquisador na especialidade); Sidney Veras, (técnico da Seleção Olímpica, para Tokyo –1964); Hermógenes da Encarnação Gouveia. (campeão sulamericano de Levantamentos Olímpicos). Em 1961, o destaque no esporte foi a participação de João Batista, 4º lugar no Campeonato Mr. Mundo, Paris, realizado naquele ano.1971 Ano da publicação do Diagnóstico de Educação Física e Desportos no Brasil (DaCosta) em que se contaram os atletas registrados nas federações de Halterofilismo de todo o país: 2647, sendo 1560 concentrados na região sudeste.

1997 Confirmando uma trajetória de mais de um século de expansão no Brasil, o Halterofilismo (ou “Musculação”, “Pesos e Halteres”,etc) é identificado em 13o lugar entre 82 disciplinas ofertadas numa amostra de 80 Instituições de Ensino Superior em Educação Física de todas as regiões do Brasil, ou seja, cerca de 20% do total hoje existente destas entidades (ver mapa).

Décadas de 1960 – 2000 Expansão importante das academias de ginástica no Brasil, as quais passaram progressivamente a oferecer serviços variados, usando-se o Halterofilismo diretamente com barras e halteres ou seus princípios mediante uso de equipamentos mecânicos e eletrônicos de contra-resistência crescente gradativa.

Situação Atual

A experiência permite confirmar que o esporte em foco tem crescido sempre que se conserva integrado, sem separações entre Levantamento e Culturismo, sobretudo em termos de funcionamento de federações e da formação acadêmica de profissionais de Educação Física e atividades correlatas. Há indícios, contudo, que esta expansão nem sempre decorre como desenvolvimento. Isto porque há um predomínio aparente de objetivos estéticos em lugar de saúde, sob a denominação do galicismo “Musculação” que, sem conotações técnicas, fruto de má tradução, tem contribuído para a oferta descontrolada de cursos relâmpagos de “sistemas” os mais diversos, perdendo-se sua validade científica.

Se o uso de marcas estrangeiras para cunhar tais simulações tornou-se um hábito no Brasil, o presente estágio da evolução do Halterofilismo neste país sugere um retorno às tradicionais expressões da língua inglesa que traduzem a essência atual deste antigo esporte: weight-lifting – levantamento de pesos, modalidades olímpicas e seu treinamento específico;weight-training – treinamento com pesos – halteres – para fins desportivos e médicos; e body-building – construção do corpo, referido à auto-modelagem.

Referências Bibliográfias

Azeredo, Paulo, A História do Levantamento de Pesos, Revistas Fôrça e Saúde, Ed. Força e Saúde, RJ, no. 8, abr/jun/ 1948, e no. 9, jul/set/1948; Capinussu, J.M. e DaCosta, L.P.,
Administração e Marketing nas Academias de Ginástica, Ibrasa, 1989, São Paulo, pp. 22 – 30; Revistas Fôrça e Saúde, nº 1 a 15;
Revistas Músculos, nº 1 a 7; Figueiredo, Nilson, Modelagem do Físico; Depoimento de Cid Pacheco (2003); Schermann, A . , Os Desportos em Todo o Mundo, vol. I e II, Edição do Autor, RJ, 1954;
Da Costa, L.P., Diagnóstico de Educação Física e Desportos no Brasil, DEF – MEC / Miniplan, Brasília, 1971.

Fonte: www.atlasesportebrasil.org.br/textos/74.pdf

Veja também

Nilton Santos

Nilton Santos, Jogador, Futebol, Vida, Clubes, Títulos, Nascimento, Seleção Brasileira, Titular, Carreira, Nilton Santos

Gilmar

Gilmar, Futebol, Jogador, Títulos, Goleiro, História, Clubes, Gols, Seleção Brasileira, Atuação, Mundial, Jogos, Carreira, Gilmar

Leônidas

Leônidas, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Biografia, Capitão, Ídolo, Diamante Negro, Treinador, Vida, Carreira, Leônidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.