Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Mangabeira

Mangabeira

PUBLICIDADE

 

Mangabeira – Hancornia speciosa Gomes

Família: Apocynaceae
Nomes Populares:
Mangabeira e mangaba
Sinonímia Botânica:
Echiets glauca Roem. & Schult.

Mangabeira
Mangabeira

Características Morfológicas

Planta lactescente, com 5-7m de altura, dotada de copa arredondada.

Tronco tortuoso, bastante ramificado, revestido por casca suberosa mais ou menos áspera, de 20-30cm de diâmetro.

Folhas simples, glabras nas duas faces, brilhantes, coriáceas, de 7-10cm de comprimento por 3-4cm de largura, de coloração avermelhada quando novas e ao caírem.

Inflorescências fasciculadas, com flores perfumadas de cor branca.

Fruto baga globosa, glabra, com polpa carnosa e comestível, contendo muitas sementes.

Origem

A mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) é uma árvore frutífera de clima tropical, nativa do Brasil e encontrada em várias regiões do País, desde os Tabuleiros Costeiros e Baixadas Litorâneas do Nordeste, onde é mais abundante, até os cerrados das regiões Centro-Oeste, Norte e Sudeste.

Ocorrência

Região nordeste do país na caatinga e, nos estados centrais até São Paulo e Mato Grosso do Sul no cerrado.

E também encontrada na região litorânea e em algumas regiões do Pará e no vale do Rio Tapajós na região amazônica.

Madeira

Madeira muito pesada (densidade 1,19 g/cm3), de grande resistência mecânica e praticamente imputrescível; alburno diferenciado do cerne e facilmente decomposto.

Fenologia

Floresce durante os meses de setembro-novembro, ainda com os frutos da florada anterior na planta. Os frutos amadurecem em novembro-janeiro.

Uso

Árvore pelo porte e forma da copa, pode ser utilizada na arborização de ruas estreitas.

Uso/outras utilidades

Os frutos, comestíveis, são comercializados nas feiras e industrializados na forma de sorvetes e doces, principalmente na região nordeste e na caatinga.

Utilidade

A madeira é empregada apenas para caixotaria e para lenha e carvão. Seus frutos são comestíveis e muito apreciados, pricipalmente na região Nordeste do país, onde são regularmente comercializados nas feiras e, industrializados na forma de sorvete e doces. É cultivada na caatinga para a industrialização de seus frutos. Os frutos são também consumidos por algumas espécies de animais silvestres. A árvore, pelo porte e forma da copa pode ser utilizada na arborização de ruas estreitas.

Obtenção de sementes

Colher os frutos da árvore, quando iniciarem a queda espontânea, ou recolhê-los do chão imediatamente depois. Amontoá-los em sacos plásticos durante vários dias para amolecê-los e facilitar a retirada manual das sementes. Lavá-las e, em seguida, secá-las à sombra.

Produção de mudas

Colocar as sementes para germinar em canteiros ou em recipientes individuais contendo substrato organo-argiloso. A emergência é lenta e a taxa de germinação é baixa. O desenvolvimento tanto das mudas, quanto das plantas no campo é lento.

Fonte: www.clubedasemente.org.br

Mangabeira

A mangabeira é uma planta que apresenta potencialidade para exploração frutífera, cujos frutos apresentam teor de proteína superior a maioria dos frutos tropicais.

A principal safra é a de verão que ocorre de dezembro a abril, com aumento da produção sendo que os frutos tem a melhor aparência.

A colheita é feita manualmente, colhetando-se os frutos caídos no solo ou colhendo-se diretamente na árvore os frutos “de vez”.

Seus frutos aromáticos, saborosos e nutritivos, tem ampla aceitação no mercado para consumo in natura, quanto para a indústria. Apenas os frutos apresentam um valor comercial nutritivo significativo, ele é constituído de polpa (77%), casca (11%) e semente (12%), o seu valor energético é de cada 100 g aproximadamente 43 calorias.

A mangaba apresenta ótimo aroma e sabor, sendo utilizada na produção de doces, xarope, compotas, vinho, vinagres, suco e delicioso sorvete.

História Natural

Folhas lineares, lanceoladas, glabras por ambas as faces. Pecíolos mais curtos que as folhas; flores pedunculadas, pedúnculos mais curtos que a corola, solitários, comumente uniflores; baga unilocular e polisperma. A mangabeira é árvore de mediana grandeza, de folhas miúdas e pontadas, flor como Jasmim, ramosa, lactescente, assemelhando-se muito com as ambelanias descritas pelo Aublet.

A fruta é redonda de vários tamanhos num mesmo ramo, a casca amarelada e avermelhada. A polpa branca extremamente mole com várias pevides cobertas de cotão. O lenho, a flor, a mesma fruta, quando partidas, destilam um leite alvo e pegajoso. “Esta árvore vegeta bem”, diz Arruda, “em terras arenosas dos tabuleiros dando frutos de variado tamanho, desde o de ovos de pomba até o de franga, a sua cor é amarela esverdeada, salpicada de encarnado; são quase de consistência de sorvas, mas muito mais saborosos, e assaz conhecidos nos mercados de nossas praças de Pernambuco e Bahia”. “As mangabas,” diz Bernardino Gomes, “depois de maduras são amareladas, mas pela parte exposta ao sol são mais amareladas e pintadas de encarnado; têm, além disso, um cheiro que não é desagradável, e um sabor doce e ligeiramente amargo, e um tanto adstringente, todavia muito agradável.”

Esta fruta é comestível e, ainda que se coma muito, não faz mal segundo afirmam Pison e Marcgrave, e atesta a minha pouca experiência. Cumpre advertir que esta fruta nunca amadurece na árvore; quando cai ou se colhe da árvore, é dura e abunda de um leite viscoso. Passados, porém, alguns dias faz-se tão mole, que se desfaz na boca. A Mangabeira floresce pelo verão no Rio de Janeiro, onde se cultivam alguns pés enquanto ela vegeta muito na Bahia e nas províncias do norte.

Análise Química

O leite viscoso que se tira por incisão tanto das Mangabas verdes como da casca da Mangabeira coalha-se e dá uma espécie de goma elástica como a que vem do Pará, com a diferença de ser menos elástica (Bernardino Gomes). A fruta contém um suco gomoso, sacarino, ácido e vinhoso. O extrato da casca é sem cheiro, de cor amarela escura, de um sabor amargo, dissolve-se totalmente dentro do álcool, contém matéria extrativa, albumina e pequena porção de tanino.

Mangabeira
Mangabeira

Propriedades

Enquanto a fruta está dura, faz-se de doce; neste estado, usa-se nas sobremesas. Preparam-se várias formas de doces de mangabas, é produzido nas províncias do norte para o consumo do Brasil e também para se exportar parte para a Europa. Em medicina, usa-se do xarope de mangaba para curar a disenteria.

O emprego tem sido feliz em muitos casos. As frutas pisadas passam à fermentação espirituosa e desta à azetosa, convertendo-se o seu suco em tempo curto em ótimo vinagre, mais forte do que o das uvas. Empregam-se no curativo da disenteria o vinagre ou o xarope, em doses refratas, misturado-os com os cozimentos apropriados.

A cultura da Mangabeira tem se generalizado nas províncias do norte, e ela tem melhorado as frutas etc. O Rio de Janeiro conta poucos troncos de Mangabeira, cuja madeira não se utiliza. A cultura das Mangabeiras hoje é muito extensa na Bahia, em Alagoas e demais províncias do norte.

O nome de Hancornia dado pelo Bernardino Gomes, foi homenagem ao almirante inglês Hancom e o de Ribeirea, consagrado pelo Arruda, foi tributo de gratidão pago ao seu discípulo o Padre João Ribeiro Pessoa Montenegro que aperfeiçoou a cultura das Mangabeiras no distrito de Olinda.

Fonte: www.mast.br

Mangabeira

A mangabeira é uma das mais importantes produtoras de matéria-prima para a agroindústria de sucos e sorvetes do Nordeste e Centro Oeste

A mangabeira é abundante em todos os tabuleiros e nas baixadas litorâneas da região Nordeste, onde se obtém – de forma extrativista – a quase totalidade dos frutos colhidos. Acha-se as frutas também nos cerrados do Centro-oeste, no norte de Minas e em parte da Amazônia.

Floração: de agosto a novembro com pico em outubro.

Frutificação: pode ocorrer em qualquer época do ano mas principalmente de julho a outubro ou de janeiro a abril (Almeida et al., 1998).

Árvore hermafrodita de porte médio (entre 4 a 7 metros de altura), dotada de copa arredondada (4 a 6 metros de diâmetro); tronco tortuoso, bastante ramificado, áspero; ramos lisos, avermelhados; látex branco abundante.

Folhas opostas, lanceoladas, simples, pecioladas, glabras nas duas faces, brilhantes, coriáceas, de 7 – 10 cm de comprimento por 3 – 4 cm de largura, coloração avermelhada quando novas e ao caírem. Inflorescência com cerca de 1 a 7 flores perfumadas de cor branca.

Fruto baga globosa, glabra, com polpa carnosa e comestível, contendo muitas sementes; pode pesar de 30 a 260 g.

Conhecendo o fruto e fazendo dele uso, os indígenas chamavam-no de mangaba – “coisa boa de comer”. O fruto tem forma de pêra, muito viscoso quando verde, contém suco leitoso que quase embriaga e pode matar; a polpa é branca, fibrosa e recobre sementes circulares. Maduro, o fruto tem casca amarelada com manchas vermelhas, é aromático, delicado, tem ótimo sabor mesmo sendo ainda um pouco viscoso.

A mangaba só deve ser consumida quando madura pois, antes disso, pode até mesmo causar problemas de saúde para quem a consumir. Os frutos não devem ser retirados da árvore, mesmo que, aparentemente estejam maduros. Devemos aguardar que, após amadurecerem, caiam no chão para que possam ser colhidos. Para que possamos consumí-los, entretanto, devemos aguardar 24 horas. Nesta fase, a fruta está amarelada e apresenta manchas vermelhas.

Atualmente, a sua exploração ainda é feita de modo extrativista devido ao fato da cultura continuar sendo mantida no seu habitat natural. A planta produz frutos aromáticos, saborosos e nutritivos, com ampla aceitação de mercado, tanto para o consumo in natura quanto para a indústria de doce, sorvete, suco, licor, vinho e vinagre.

A mangabeira é uma das mais importantes produtoras de matéria-prima para a agroindústria de sucos e sorvetes do Nordeste e Centro Oeste.

Hoje, o volume de frutas que chega no mercado é menor que a procura. Nas regiões de maior ocorrência, muitas pessoas ganham o sustento informalmente com a coleta das mangabas e venda no mercado.

Atualmente, já ocorre a comercialização, em supermercados, de mangaba em bandejas de isopor revestidas com filme de PVC com capacidade para 500 g (Lederman et al., 2000 apud Borges et al., 2000).

Alguns cultivos comerciais estão começando a se estabelecer, mas as poucas informações sobre técnicas de cultivo ainda limitam a expansão dos pomares comerciais.

Mangabeira
Mangabeira

Mangabeira
Mangabeira – Folhas e Flores

A mangabeira é uma planta de clima tropical, vegeta bem em áreas com temperatura média anual em torno de 25ºC e chuvas entre 750 mm a 1500 mm anuais bem distribuídas. A planta tolera períodos secos e se desenvolve melhor em períodos quentes. Apesar de ser encontrada vegetando em solos arenosos, ácidos, pobres em nutrientes e em matéria orgânica, e de fácil drenagem, a mangabeira apresenta melhor desenvolvimento em solos areno-argilosos profundos e com bom teor de matéria orgânica.

A mangabeira multiplica-se por sementes; estas são obtidas de frutos somente maduros – colhidos ainda “de vez”. Estes frutos devem ser sadios, com quantidade de polpa de bom aspecto e colhidos de plantas precoces, vigorosas, isentas de pragas e doenças, e produtivas. Imediatamente após retiradas dos frutos as sementes devem ser lavadas para eliminação total da polpa e secadas à sombra sobre jornal por 24 horas. Devem ser semeadas até o quarto dia após a lavagem.

O semeio pode ser feito em canteiros de terra ou em sacos de polietileno preto com dimensões 14 cm x 16 cm ou 15 cm x 25 cm enchidos com terra preta e areia lavada – proporção 1:1.

O uso de calcário e o excesso de irrigação e/ou matéria orgânica no substrato, para a formação de mudas, prejudica o desenvolvimento delas, além de favorecer o ataque de doenças do sistema radicular (Avidos e Ferreira, 2003). A germinação ocorre a partir de 21 dias após o semeio, estendendo-se por 30 dias.

O plantio definitivo é feito cerca de 120 dias após o semeio, no início das chuvas, quando as mudas tiverem cerca de 20 centímetros de altura. O crescimento é lento. O espaçamento recomendado em plantio solteiro é de 6 x 4 metros ou 6 x 5 metros. O plantio definitivo deve ser feito em terreno previamente adubado (um mês antes), com esterco de curral. Adubação orgânica, em geral, é muito bem aceita. As mudas devem ser colocadas em covas de 50 x 50 x 50 cm.

A mangabeira costuma crescer pendida devido à ação do vento e emitir grande quantidade de ramos laterais, muitos deles junto ao solo. Portanto, é necessário escorar a planta no lado oposto à incidência dos ventos, e realizar podas regulares, eliminando-se os ramos que crescem até a altura de 30 ou 40 cm do solo quando a planta alcançar 80 cm de altura. Galhos secos e doentes são podados ao longo da vida da planta. Regularmente, efetuar capina em coroamento em torno da planta e manter o resto da área roçada.

A colheita inicia-se quando a mangabeira chega aos 5 ou 6 anos de idade, embora já se tenha identificado plantas que frutificam com 3 anos e meio de idade.

Apresenta 2 safras de fruto/ano: no início e meados do ano.

Quando a mangaba está no ponto máximo de desenvolvimento, desprende-se da árvore e completa o amadurecimento no chão, o que demora entre 12 e 24 horas.

Quando maduros, os frutos tornam-se muito perecíveis e devem ser consumidos rapidamente, o que é um empecilho à comercialização. Por isso, a maior parte da colheita é feita no pé, e o fruto fica pronto para o consumo em dois a quatro dias. Nesse caso, deve-se ter experiência para saber a hora exata da colheita.

Os frutos colhidos no chão, chamados “de caída”, são mais valorizados.

A produção de frutos da mangabeira é estimada em quatro toneladas/hectare/ano.

Fonte: www.mudasnativas.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Síntese de Proteínas

PUBLICIDADE O que é a síntese de proteínas? A síntese de proteínas é um processo …

Teoria do Encaixe Induzido

PUBLICIDADE O que é a teoria do encaixe induzido? A teoria do encaixe induzido foi proposta …

Sinalização Celular

PUBLICIDADE O que é sinalização celular? A sinalização celular é um processo de comunicação entre …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+