Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Pitangueira

Pitangueira

PUBLICIDADE

 

Pitangueira – Eugenia uniflora L.

Família: Myrtaceae
Nomes Populares:
Pitanga, pitangueira, pitangueira-vermelha, pitanga-roxa, pitanga-branca, pitanga-rósea, pitanga-do-mato.
Sinonímia Botânica:
Eugenia micheli Lam., Stenocalyx micheli (Lam.) O. Berg., Stenocalyx brunneus O. Berg., Stenocalyx affinis O. Berg., Stenocalyx strigousus O. Berg., Stenocalyx impunctatus O. Berg., Stenocalyx glaber O. Berg., Stenocalyx lucidus (Lam.) O. Berg., Stenocalyx dasyblastus O. Berg., Eugenia costata Camb., Myrtus brasiliana L., Pinia rubra L.., Pinia penducalata L.., Eugenia indica Mich.
Origem:
Nativa brasileira, ocorre desde Minas Gerais até o Rio Grande do Sul

Pitangueira
Pitangueira

Pitangueira
Pitangueira – Flor

Características Morfológicas

Altura de 6-12m, dotada de copa mais ou menos piramidal.

Tronco tortuoso e um pouco sulcado, de 30-50cm de diâmetro, com casca descamante em placas irregulares.

Folhas simples, comprimento por 1-3cm de largura. Folhas opostas, simples e brilhantes na face superior.

Flores solitárias ou em grupos de 2-3 nas axilas da extremidade dos ramos. Flores solitárias ou inflorescências de cor branca e frutos vistosos, brilhantes e sulcados.

Fruto drupa globosa achatada e sulcada, glabra, brilhante, vermelha, amarela ou preta quando madura, de popla carnosa e comestível, contendo 1-2 sementes.

É uma planta recomendada para plantio em locais de reflorestamento e áreas degradadas.

Floresce na primavera e os frutos ocorrem até o final do verão, conforme a região.

Ocorrência

Ocorre desde Minas Gerais até o Rio Grande do Sul, na floresta semidecídua do planalto e da bacia do rio Paraná.

Madeira

Moderadamente pesada, dura, compacta, resistente e de longa durabilidade natural.

Fenologia

Floresce durante os meses de agosto-novembro.

Os frutos amadurecem em outubro-janeiro.

Utilidade

A madeira é empregada na confecção de cabos de ferramentas e outros instrumentos agrícolas. A árvore é ornamental, podendo ser utilizada no paisagismo, apesar da inconveniênmcia dos frutos que em lugares públicos podem causar sujeira.

É planta amplamente cultivada em pomares domésticos para a produção de frutos, que são consumidos ao natuaral e na forma de suco. É recomendável seu plantio em reflorestamentos heterogêneos destinados à recomposição de áreas degradadas de preservação permanente, visando proporcionar alimento à avifauna.

Fonte: www.clubedasemente.org.br

Pitangueira

Pitangueira – Eugenia uniflora L.

Nome popular: Pitangueira
Nome científico: Eugenia uniflora L.
Família: Myrtaceae
Origem: Brasil

A pitangueira (nome científico Eugenia uniflora) é uma árvore nativa da Mata Atlântica brasileira, onde é encontrada na floresta estacional semidecidual do planalto e nas restingas, desde Minas Gerais até o Rio Grande do Sul em regiões de clima subtropical.

É uma árvore medianamente rústica, de porte pequeno a médio, com 2m a 4m de altura, mas alcançando, em ótimas condições de clima e de solo, quando adulta, alturas acima de 6m e até, no máximo, 12m. A copa globosa é dotada de folhagem perene.

As folhas pequenas e verde-escuras, quando amassadas, exalam um forte aroma característico. As flores são brancas e pequenas.

A planta é cultivada tradicionalmente em quintais domésticos. O seu plantio é feito simplesmente pela colocação de um caroço de pitanga no solo ou pelo transplante de uma muda até o local adequado.

Dá-se bem em quase todo tipo de solo, incluindo os terrenos arenosos junto às praias. É também usada como árvore ornamental em áreas urbanas de cidades brasileiras, na recuperação de áreas degradadas de sistemas agroflorestais multiestrato e em reflorestamentos heterogêneos. As pitangueiras com frutos são um ótimo atrativo para pássaros e animais silvestres em geral.

A tradição popular atribui algumas qualidades terapêuticas às infusões feitas com as folhas verdes da pitangueira ( chá de pitanga ou chá de pitangueira).

A pitangueira

A pitangueira ( Eugenia uniflora L., Myrtaceae) espécie nativa brasileira, pode ser encontrada em diversas regiões devido sua adaptabilidade às mais distintas condições de clima e solo. Alterações nas características físicas e químicas dos fru tos podem existir, uma vez que sofrem influência de condições climáticas e amb ientais . Estudos de caracterização do fruto regional são importantes para o delineamento dos processos de transformação que visem manter suas características.

O fruto a presenta c oloração alaranjada, vermelho – sangue ou roxa, o que lhe confere aspecto ornamental.

Sua polpa é macia, agridoce, com aroma peculiar.

A composição físico – química mostrou que a pitanga apresenta teor de compostos fenólicos e capacidade antioxidante significa tiva. A cor intensa da fruta pode indicar a presença de fitoquímicos, que apresentam propriedades antioxidantes , com benefícios à saúde.

A fruta apresenta elevado teor de antocianinas, estáveis em pH ácido, podendo cons tituir – se em corante para alimentos c om propiedade funcional.

Visando o aproveitamento da fruta, a adição do suco ao chá verde proporcionou a elaboração de uma bebida funcional com aceitabilidade sensorial , sugerindo potencial tecnológico. Além do consumo in natura, este fruto é utilizado par a a produção de geléias, o que indica a presença de pectinas, polissacarídeos estruturais com propriedades geleificantes; cuja ocorrência motivou sua análise e extração.

Nomes Populares:

Cerejeira brasileira,
Ginja,
Pitanga,
Pitanga branca,
Pitanga do mato,
Pitanga rósea,
Pitanga roxa,
Pitanga vermelha,
Pitangueira,
Pitangueira miúda,
Pitangueira vermelha,

Propriedades:

É adstringente, analgésica,
Depurativa,
Digestiva,
Estimulante,
Vermífuga,
Auxilia em afecções do fígado, bronquite,
Cólica menstrual,
Diabete,
Gota,
Hipertensão,
Infecções da garganta,
Combate a diarréia, a diarréia infantil,
Disenteria.

Fonte: natural.enternauta.com.br

Pitangueira

Família: Myrtaceae
Nome científico: 
Eugenia uniflora
Nomes Populares: 
pitangueira, pitanga, pitangueira-vermelha, pitanga-do-mato, yba-pitanga

Pitangueira
Pitangueira

Descrição Morfológica

 Árvore de 6 a 12 m de altura, possui tronco tortuoso, malhado de cores claras e acinzentadas, soltando placas com o desenvolvimento. Suas folhas são glabras, simples, opostas, ovadas, muito aromáticas, de 3-7 cm de comprimento por 1-3 cm de largura.

Flores e Frutos: As flores são brancas, solitárias ou em grupo de 2 ou 3 nas axilas e extremidades dos ramos.

Os frutos são bagas globosas, lisas, sulcadas, brilhantes de cor geralmente vermelha, podendo ser também amarela, roxa ou quase preta, com polpa carnosa e agridoce, contendo 1 ou 2 sementes. A floração ocorre de agosto a novembro e os frutos amadurem de outubro a janeiro.

Características Ecológicas: Secundária inicial ou tardia. Heliófila ou de meia sombra, e seletiva higrófita.

Em geral ocorre nos estratos intermediários de florestas secundárias no estágio intermediário, sendo relativamente mais escassa em florestas clímax. É comum em florestas aluviais dos planaltos. Produz anualmente grande quantidade de frutos e sementes viáveis, amplamente disseminadas por pássaros.

Ocorrência Natural: De Minas Gerais até o Rio Grande do Sul. No Paraná ocorre na Floresta Ombrófila Mista e na Floresta Estacional Semidecidual, particularmente nas formações aluviais.

Usos: É ornamental, podendo ser utilizada no paisagismo urbano, de jardins e pomares. Seus frutos são muito atrativos para a avifauna, peixes e alguns mamíferos. Também podem ser consumidos ao natural ou sob a forma de suco, doces, geléias e licores.

Suas flores são melíferas. A madeira é empregada na confecção de cabos de ferramentas e outros instrumentos agrícolas.

Na medicina popular suas folhas e frutos têm amplo uso: anti-diarréico, hipoglicemiante, diurético, antifebril e anti-reumático.

O chá das folhas é indicado nas diarréias, verminoses e febres infantis. O extrato alcoólico das folhas pode ser usado no tratamento de bronquites, tosses, febres, ansiedade, hipertensão arterial e verminoses.

Aspectos de Cultivo: As sementes têm viabilidade de armazenamento bastante curta, devendo ser semeadas assim que colhidas.

A germinação inicia-se entre 20 a 50 dias após a semeadura, apresentando poder germinativo geralmente superior a 80%. As mudas podem ser plantadas no campo após cerca de 6 meses e seu desenvolvimento é moderado.

Bibliografia

Árvores Brasileiras, Vol.1 (LORENZI, 1992); Livro das Árvores e Arvoretas do Sul (LONGHI, 1995); Árvores do Sul (BACKES & IRGANG, 2002); Plantas Medicinais no Brasil (LORENZI & MATOS, 2002); Frutas Brasileiras (LORENZI et al., 2006).

Fonte: www.chaua.org.br

Pitangueira

Pitanga: uma fruta especial

Pitangueira
Pitangueira

A pitanga, fruto da pitangueira (Eugenia uniflora L.), pertence à família botânica das Myrtaceae. É uma planta frutífera nativa do Brasil, da Argentina e do Uruguai.

A pitanga é o fruto da pitangueira, árvore de origem brasileira, nativa da Mata Atlântica. Mede de 2 cm a 3 cm de diâmetro.

Tem sabor agridoce, polpa aquosa, rosada e perfumada. A casca costuma ser branca, alaranjada ou vermelho-escuro.

O seu nome vem da palavra tupi “pyrang”, que significa “vermelha”.

A pitangueira é usada como árvore ornamental em várias cidades brasileiras. Frutifica de outubro a janeiro. Um dos principais produtores da fruta é o estado de Pernambuco.

A pitanga é arredondada, achatada nas extremidades. Contém vitaminas A, C, do complexo B, cálcio, ferro, fósforo.

A coloração vermelha da fruta deve-se à presença de licopeno, antioxidante eficaz no combate ao câncer.

Pode ser consumida ao natural, em sucos, sorvetes, geléias, vinhos, licores e doces.

Já era apreciada pelos colonizadores que a cultivavam em suas residências, e de seus frutos que produziam doces e sucos, além de utilizarem suas folhas na medicina popular.

Apesar de sua origem tropical, seu cultivo já se encontra difundido por diversos países, podendo ser encontrada no sul dos Estados Unidos, nas ilhas do Caribe e em alguns países asiáticos. No Brasil, a região nordeste é a única a explorar comercialmente esta fruta de alto potencial econômico.

A pitangueira frutifica de outubro a janeiro, e existe uma grande variação na coloração da fruta, indo do laranja, passando pelo vermelho, e chegando ao roxo, ou quase preto.

As folhas da pitangueira têm conhecidas atividades terapêuticas, tendo sido usadas no tratamento de diversas enfermidades, como febre, doenças estomacais, hipertensão, obesidade, reumatismo, bronquite e doenças cardiovasculares. Tem ação calmante, antiinflamatória, diurética, combate a obesidade e também possui atividade antioxidante.

Os extratos da folha da pitangueira, assim como de outras espécies nativas, também apresentam atividade contra Trypanosoma congolense (doença do sono), e moderada atividade bactericida, sobre Staphylococcus aureous e Escherichia coli.

Há uma variedade de compostos secundários, ou fitoquímicos, já identificados nas folhas da pitangueira, como flavonóides, terpenos, taninos, antraquinonas e óleos essenciais. No entanto, sobre a fruta da pitangueira existem poucos estudos, identificando somente algumas antocianinas e carotenóides.

Pesquisas mostram que o conteúdo de fitoquímicos é maior em pitangas maduras do que semi-maduras e estes compostos de uma maneira geral estão concentrados na película da fruta, ou seja, na casca, sendo encontrados em menores concentrações na polpa. Para a pitanga, isto não chega a ser um problema já que, geralmente, é consumida sem a retirada da fina casca que protege a polpa.

Muitos estudos demonstram que o consumo de frutas e hortaliças, principalmente as coloridas, trazem benefícios à saúde. No entanto, nenhum mostra a relação do consumo de pitangas e prevenção ou combate de doenças. Neste sentido, a Embrapa Clima Temperado está iniciando um projeto em que a pitanga será estudada quanto ao seu potencial na prevenção de câncer, uma doença crônica não-transmissível.

Em trabalhos preliminares, extratos de pitanga de coloração alaranjada foram testados em algumas linhagens de células cancerígenas (câncer cólon-retal, câncer de pulmão, câncer renal, câncer de mama, câncer de ovário), demonstrando redução na proliferação e viabilidade celular.

Neste projeto será focado o câncer de cólon e serão feitos estudos desde a obtenção e estabilização do extrato, até a identificação dos compostos fitoquímicos e estudos em células cancerígenas de cólon e em animais modificados geneticamente para desenvolver o câncer de cólon.

Este projeto conta ainda com a parceria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos.

Fonte: www.embrapa.br

Pitangueira

Pitangueira
Pitanga

História

A pitanga é uma espécie nativa da Mata Atlântica, um dos ecossistemas com mais alto índice de biodiversidade que predomina ao longo do litoral brasileiro, presente em 17 Estados do país.

A pitangueira é uma árvore colorida e perfumada. As flores brancas desta árvore contrastam com a abundância dos frutos vermelho-rubro e com as folhas verdes brilhantes, alegrando a paisagem. Destaca-se também um tom raramente encontrado na natureza, o preto. Sua cor escura a torna exótica e exuberante. Suas folhas exalam um perfume suave e agradável em virtude de seus numerosos canais produtores de óleos aromáticos.

É uma das frutas mais generosas e brasileiras que existe, e muito apreciada por ser azedinha e refrescante. Seus gomos vermelhos ou alaranjados são consumidos puros ou na forma de doces e bebidas. Suas folhas perfumadas são popularmente usadas em muitos lugares do Brasil para forrar o chão em procissões e dias festivos, pois caminhando sobre as folhas, ao amassarem, elas liberam um delicioso perfume.

Árvore de quintais e pomares, a pitangueira faz parte da infância dos brasileiros, deixando na memória a delícia de comer sua fruta no pé.

Responsabilidade Socioambiental

A pitanga orgânica é produzida na comunidade do Turvo (Paraná) e da Fazenda Alpina (São Paulo). Seu cultivo é feito através de plantio.

A colheita da pitanga deve ser feita primeiramente dos frutos e depois das folhas, deixando algumas em cada ramo, a fim de não prejudicar a nutrição da planta.

São das folhas da pitanga que a Natura extrai o seu óleo essencial. Após terminada a colheita das folhas, os frutos caem ao chão, tornando-o um verdadeiro tapete em que cores se misturam ao solo e servem como alimento para os animais da região, além de adubar de forma orgânica a plantação.

Uso Cosmético

Seus produtos traduzem em texturas a sua forma delicada, a qual tornou-se expressão da tropicalidade do Brasil. Com formulações enriquecidas com óleo ou extrato de pitanga e uma fragrância fresca, celebra a vibração da mata no seu banho.

Fonte: www.naturaekos.com.br

Pitangueira

PITANGA (Eugenia uniflora)

Nome cientifico: Eugenia uniflora L.
Família:
Myrtaceae
Nomes Populares:
Pitanga

Pitangueira
Pitanga

Origem

Nordeste do Brasil até o norte da Argentina, tendo sido largamente disseminada por outras regiões tropicais e subtropicais do mundo.

Descrição

A planta conhecida popularmente como pitangueira tem seu nome derivado do tupi pi’tãig, que quer dizer vermelho, em alusão à cor do seu fruto. Pertence à ordern Myrtales, família Myrtaceae e à espécie Eugenia uniflora L.

A pitangueira é frutífera nativa da região que se estende desde o Brasil Central até o norte da Argentina, tendo sido largamente disseminada por outras regiões tropicais e subtropicais do mundo (Williams et al., 1987).

O seu cultivo em Pernambuco vem crescendo em razão da utilização do fruto para o preparo de polpa e suco, como também para a fabricação de sorvetes, refrescos, geléias, licores e vinhos (Lederman et al., 1992; Bezerra et al., 2000).

Segundo Giacometti (1993), está presente em muitos centros de diversidade e domesticação brasileiros que incluem desde o Nordeste até o Sul do Brasil, os quais abrangem diferentes ecossistemas tropicais, subtropicais e temperados. Devido à sua adaptabilidade às mais distinta condições de clima e solo, a pitangueira foi disseminada e é atualmente cultivada nas mais variadas regiões do globo.

A pitangueira é um arbusto denso de 2 a 4 m de altura, mais raramente uma pequena árvore de 6 a 9 m, ramificada, com copa arredondada de 3 a 6 m de diâmetro, com folhagem persistente ou semidecídua. Apresenta um sistema radicular profundo, com uma raiz pivotante e numerosas raízes secundárias e terciárias (Fouqué, 1981).

As folhas são opostas, simples, com pecíolo curto de mais ou menos 2,0 mm. Limbo oval ou oval-lanceolado, de 2,5 a 7,0 cm de comprimento e 1,2 a 3,5 cm de largura, ápice acuminado-atenuado a obtuso, base arredondada ou obtusa, glabro, brilhante; coloração verde-escura e de consistência subcoriácea, as folhas jovens são verde-amarronzadas e de consistência membranácea; nervura central saliente na parte inferior. O limbo quando macerado exala um odor característico (Bezerra et al., 2000).

O fruto é uma baga globosa, deprimida nos pólos, com 7 a 10 sulcos mais ou menos marcados no sentido longitudinal, de 1,5 a 5,0 cm de diâmetro, coroado com as sépalas persistentes.

Quando inicia o processo de maturação, o epicarpo passa do verde para o amarelo, alaranjado, vermelho, vermelho-escuro, podendo chegar até quase o negro. O sabor é doce e ácido, e o aroma muito intenso e característico. A espessura endocarpo é de 3,0 a 5,0 mm e sua coloração é rósea a vermelha (Bezerra et al., 2000).

As variações climáticas das diferentes regiões de cultivo determinam as épocas de florescimento e frutificação. Nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, essas fases podem ocorrer duas ou mais vezes durante o ano; a floração normalmente ocorre de agosto a dezembro, podendo acontecer também de fevereiro a julho, e a frutificação, de agosto a fevereiro, podendo ainda ocorrer entre abril e julho (Mattos, 1993; Demattê, 1997).

No Brasil, e particularmente no Nordeste, a pitanga é consumida ao natural, mas sua principal utilização está no aproveitamento industrial e doméstico dos frutos para o preparo de polpas e sucos. Também é utilizada na fabricação de sorvetes, picolé, refresco, geléia, licor e vinho (Lederman et al., 1992).
Suporta poda forte e repetida, cresce lentamente, tem copa densa e compacta, podendo ser empregada como cerca viva e planta ornamental (Villachica et al., 1996).

O seu potencial de utilização é ressaltado quando se considera que o seu fruto de sabor exótico é rico em vitaminas, principalmente em vitamina A (635 mg/100g polpa). Por outro lado, existem grandes perspectivas de crescimento no mercado das misturas entre sulcos de frutas de espécies diferentes, principalmente com os de sabor exótico.

Também pode ser utilizada como aditivo em bebidas lácteas e, ainda, nas formas de produtos como refrescos em pó e néctar (Bezerra et al., 2000).

Com a demanda crescente dos mercados interno e externo por produtos à base de frutas nativas e de sabor exótico, calcula-se a possibilidade de crescimento do mercado interno em pelo menos 100% sobre o volume atual. O mercado exportador, que é completamente inexplorado, pode vir a ser uma excelente alternativa, desde que se promova o produto (Bezerra et al., 2000).

À medida que a pitangueira vai se tornando uma cultura de interesse comercial, o plantio a partir de sementes deve dar lugar à propagação vegetativa de variedades selecionadas, assegurando a formação de pomares com populações de plantas homogenias (Bezerra et al., 2000).

A propagação vegetativa pode ser obtida por enxertia do tipo garfagem no topo em fenda cheia ou à inglesa simples, utilizando-se porta-enxerto da própria pitangueira com 9 ou 12 meses de idade, produzindo em sacos plásticos pretos de 25 x 35 cm, cujos percentuais de pegamento de enxerto são acima de 60% (Bezerra et al., 2000).

Também, sob condições de viveiro, a enxertia por borbulhia de placa em janela aberta pode ser utilizada em porta-enxertos a partir de 12 meses de idade, com razoável percentual de pegamento (>55%) (Bezerra et al., 1999).

As covas deverão ter as dimensões de 0,35 x 0,35 x 0,35 metros. O espaçamento recomendado para os terrenos com declividade entre 10 e 40 % é o de 4 x 4 metros (721 plantas/ha).

Em plantios adensados é adotado o espaçamento de 1 x 1 metro (10.000 plantas/ha), eliminando-se, alternadamente, uma planta, quando as copas começarem a se tocar, ficando os espaçamentos de 2 x 2 metros (2.500 plantas/ha).

O processo de eliminação das plantas é executado até atingir um espaçamento definitivo de 4 x 4 metros. Com essa prática a produtividade inicial e intermediária será bem maior, não havendo nenhum prejuízo na população do pomar a ser formado (Bezerra et al., 2000).

A partir do primeiro ano deve-se fazer uma poda de limpeza/condução promovendo a retirada dos ramos ladrões. A planta deve ser desbrotada desde o solo até a altura da formação da copa, ou seja, entre 50 e 60 cm. A pitangueira deve ser mantida no limpo, fazendo-se o coroamento manual ou com herbicida (Bezerra et al., 2000).

Os melhores sistemas de irrigação para a pitangueira são aqueles de administração localizada tais como gotejamento e microaspersão, por distribuírem melhor a água na zona de concentração radicular, além de promoverem maior economia de água (Bezerra et al., 2000).

O IPA, por meio de seleção massal realizada em um banco de germoplasma, vem obtendo clones com elevado potencial produtivo e boas características agronômicas (Bezerra et al., 1995, 1997b).

A pitangueira inicia a sua produção a partir do segundo ano de plantio, aumentando gradativamente até o sexto ano, quando se estabiliza. A colheita é efetuada com aproximadamente 50 dias após a floração. Os frutos devem ser colhidos manualmente ainda na planta, quando apresentarem uma coloração vermelha ou roxa, dependendo da variedade.

O rendimento médio de frutos, em plantas não irrigadas, selecionadas pelo IPA, variou de 15,0 a 20,8 Kg ao ano, em matrizes com 11 anos de idade, enquanto que em condições irrigadas, Lederman at al.(1992) citam produções de 9 t/ha em plantios comerciais, com idade acima de seis anos.

A pitanga é uma fruta muito perecível cuja polpa apresenta excelente condições para industrialização, devido ao seu alto rendimento, aroma agradável e sabor exótico. A polpa constitui-se numa das principais matérias-primas para a fabricação de sucos, sorvetes, geléias e licores.

Atualmente, há uma tendência do mercado em exigir produtos naturais e saudáveis, isentos de conservantes, o que tem contribuído para o crescimento do comercio de polpa e sucos congelados, embora exista um forte segmento cuja linha de produção é sucos com aditivos químicos.

Fonte: www.cnip.org.br

Pitangueira

Pitanga. A fruta do azedinho doce

Pitangueira
Pitanga. Só de olhar dá vontade de saborear.

A pitanga, espécie nativa da Mata Atlântica, tem em seu nome origem tupi-guarani – “pyrang” que significa vermelha .

A fruta carnosa e aquosa, de cor vermelha (mais comum), amarela ou preta, tem sabor agridoce e já era apreciada pelos indígenas, bem como pelos primeiros colonizadores do Brasil.

Pertencente a família botânica das Myrtaceae, a pitanga (Eugenia uniflora L.) é uma das mais importantes frutas nativas da Mata Atlântica com grandes potencialidades para o cultivo comercial.

De seus frutos, que contém vitaminas A, C, do complexo B, cálcio, ferro e fósforo, além do consumo in natura, podem ser obtidos sucos, sorvetes, geléias, doces, licores e vinhos. Além desses usos, mais comuns, algumas indústrias de cosméticos já têm utilizado seu extrato para a fabricação de sabonetes e shampoos.

As folhas da pitangueira contém o alcalóide denominado pitanguina (sucedâneo de quinino); bastante utilizada na medicina popular através de chás, indicada contra diarréias persistentes, contra afecções do fígado, em gargarejos nas infecções da garganta, contra reumatismos e gota. Tem ação calmante, antiinflamatória, diurética, combate a obesidade e também possui atividade antioxidante.

A pitangueira é uma espécie de ampla distribuição geográfica natural ocupando regiões de clima tropical e subtropical, indo de Minas Gerais até o Rio Grande do Sul.

Atualmente as plantações comerciais significativas da fruta estão no nordeste brasileiro, onde o estado que se destaca é Pernambuco.

A pitanga é indicada para recuperação de áreas degradadas e também na implantação de sistemas agroflorestais, além de possuir boa potencialidade para consumo e processamento da polpa, é atrativa principalmente a avifauna, tornando-se uma espécie chave para indução na regeneração natural de florestas.

Também é utilizada como espécie ornamental em muitas cidades brasileiras.

A pitanga, assim como outras dezenas de frutas nativas da Mata Atlântica, são pouco consumidas quando comparada a frutas exóticas (maçã, pêra, laranja, ameixa, etc). Cabe salientar que as nossas espécies frutíferas nativas são incomparáveis quanto a sabor e teor de vitaminas.

A Pitanga

Nome científico: Eugenia uniflora L.
Família:
Myrtaceae

Pitangueira
Pitangueira

Utilização: Madeira utilizada para a fabricação de cabo de ferramentas e outros componentes agrícolas. Seus frutos são comestíveis e servem de alimento para diversas espécies de aves.

Época de coleta de sementes: Junho a janeiro.

Coleta de sementes: Diretamente da árvore quando começar a queda espontânea dos frutos ou recolhê-los do chão.

Fruto: Vermelho, laranja ou roxo, arredondado, contendo uma semente por fruto, possuindo aproximadamente 1,5 cm. de diâmetro.

Flor: Branca.

Crescimento da muda: Médio.

Germinação: Normal.

Plantio: Mata ciliar, área aberta.

Abaixo algumas dicas de receitas com Pitanga:

Licor de Pitanga

Ingredientes

1 e ½ litros de água filtrada
1 quilo de pitangas maduras
1 quilo de açúcar
1 litro de álcool 40

Modo de Preparo

Colocar numa vasilha de vidro, o álcool, o açúcar e as pitangas, deixando por um espaço de 4 dias, tendo porém, a precaução de mexer com uma colher de pau duas vezes ao dia. Passado esse tempo, misturar 1 e ½ litros de água filtrada, e, em seguida, filtrar e engarrafar. Este licor deve ser feito em vasilhame de vidro, louça ou cristal.

Geléia de Pitanga

Ingredientes

1 litro de pitangas
1/2 litro de água
Açúcar

Modo de Preparo

Retire o caroço da pitanga e ferva com água.
Retire do fogo e passe na peneira sem a água, junte o açúcar no mesmo peso da pitanga.
Cozinhe até dar o ponto.

Fonte: www.apremavi.org.br

Pitangueira

Pitanga uma fruta bem brasileira

A pitangueira ( Eugenia uniflora L. ) pertence à família das mirtáceas e é originária do Brasil distribuindo-se em  regiões  mais  chuvosas desde a fronteira com as Guianas até  São Paulo.  É  árvore  de  pequeno porte podendo atingir até 8 metros apresentando caule levemente tortuoso e muito esgalhado.

Suas flores são brancas,  discretamente  perfumadas e ricas em pólen  o que as torna bem atrativas a abelhas. Seus frutos atingem em média de 1,50 a 3 cm. de diâmetro e são muito  decorativos pois apresentam oito sulcos longitudinais.

Em plantas  produzidas  através de sementes o sabor dos frutos variam bastante podendo ser mais ácidos ou então bem mais doces. Colecionadores de frutíferas sempre estão à procura de plantas com frutos maiores e quando encontram perpetuam esta qualidade através de  enxertia.

Pitangueiras  enxertadas  são excelentes para plantio em vasos pois exemplares com 30 a 40 cm chegam a produzir fácilmente. Uma variação muito procurada de  pitanga é a preta, caso deseje cultiva-la é bom lembrar  que  só  mudas  enxertadas preservam esta característica.

Produtos feitos com a polpa de pitanga têm tanta aceitação no mercado interno que já vem sendo industrializada por uma grande marca de sucos líder no setor.

Sua polpa também tem muitas outras utilidadades: geléias, sorvetes, licores, batidas e polpa congelada.

No livro Frutas e Ervas que Curam de Antonieta Barreira Cravo a pitanga é citada como auxiliar no tratamento da gota, rins, reumatismo e também é considerada antifebril e antidiarréico.

Seu cultivo é muito fácil, necessita de local bem ensolarado e uma muda de aspecto saudável, plantar em covas com pelo menos 40 cm de diâmetro juntando 10 litros de esterco de curral ou húmus de minhoca mais 500 gramas de superfosfato simples ou farinha de ossos.

Misturar bem os adubos com a terra retirada da cova plantando-se a muda em seguida. Irrigar abundantemente por ocasião do plantio e posteriormente 3 vezes por semana até as raízes se estabelecerem ao solo, depois disso não é necessário irrigar frequentemente. A profundidade da cova também deve ser de 40 cm.

No Mercado de Flores do CEASA Campinas esta muda é encontrada com bastante facilidade e garimpando um pouco mais, até mudas enxertadas podem ser conseguidas.

Pitangueira
Pitangueira

Composição em 100g de polpa:

38 Calorias
19 mg de Cálcio
20 mg de Fósforo
2,3 mg de Ferro
0,03 mg de Vitamina B1
0,06 de Vitamina B2
14 mg de Vitamina C

Fonte: www.aproccamp.com.br

Pitangueira

Pitangueira
Pitangueira

Originária do Brasil, a pitangueira (Eugenia uniflora L.), uma Dicotyledonae, Mirtaceae, cresce em regiões de clima tropical e subtropical onde é valorizada pelo seu fruto, a pitanga, uma frutinha encantadora, com sabor, beleza e colorido. A pitangueira é encontrada desde a fronteira com as Guianas até São Paulo.

Sua árvore é muito ornamental e fácil de ser cultivada, tornando-a freqüente em jardins. Devido a sua adaptabilidade às mais distintas condições de solo e clima, esta frutífera foi disseminada e é atualmente encontrada nas mais variadas regiões do globo, existindo plantios comerciais na América Central, Flórida, Califórnia, China e Sul da França.

No Brasil, o maior plantio racional em escala comercial, também o maior da América Latina, está instalado no município de Bonito, no Agreste Pernambucano, pela Bonito Agrícola Ltda. Estima-se que a produção anual de pitanga em escala comercial do Estado de Pernambuco esteja entre 1.300 e 1.700 ton/ano.

A pitanga é comercializada, principalmente, na forma de polpa. No entanto, o mercado principal do fruto in natura são as centrais de comercialização e redes de supermercados no Nordeste brasileiro. A pitanga também tem sido extensivamente comercializada às margens das rodovias, nas feiras livres e quitandas.

Sua composição (em média 77% de polpa e 23% de semente), é rica em cálcio, fósforo, antocianinas, flavonóides, carotenóides e vitaminas C, indicando seu elevado poder antioxidante. Mais recentemente, tem sido apontado que esta frutinha também possui propriedades afrodisíacas. Devido a todos estes fatores de qualidade, a polpa da pitanga tem sido amplamente exportada para o Mercado Europeu.

A pitangueira torna-se uma pequena árvore após alguns anos de crescimento moderado, freqüentemente atingindo em torno de 8 m de altura. O tronco é freqüentemente algo tortuoso e bastante engalhado. As folhas são opostas, verde-escuras, brilhantes, ovais e inteiras. Quando novas, apresentam cor vinho. As flores são brancas, suavemente perfumadas, melíferas e abundantes em pólen. Localizam-se nas axilas das folhas e são hermafroditas. O fruto prende-se à arvoreta por meio de um pedúnculo com dois ou três centímetros de comprimento.

A pitanga é uma baga de 1,5 a 3 cm de diâmetro, de bela aparência e apresentando oito sulcos longitudinais. Entre seleções de pitangueiras, notam-se diferenças quanto à forma, tamanho, cor e sabor do fruto. Sua coloração alaranjada, vermelho sangue ou mesmo roxa (quase preta) torna essa fruta muito ornamental. A polpa da pitanga é macia, doce ou agridoce, cheirosa, deliciosa. Muitas variedades tendem a ser um tanto ácidas. Todavia, existem seleções muito doces.

A pitanga geralmente apresenta um só caroço, mas, às vezes, também dois. A propagação pela semente tem apresentado resultados satisfatórios. Todavia, como é desejável melhorar as variedades, aplicando a seleção às variações mais saborosas e de frutos maiores, a enxertia é indiscutivelmente o melhor meio de obtenção da muda.

O sucesso com a enxertia por garfagem permite fixar as variedades. O clima adequado é o tropical e subtropical, com boa ocorrência de chuvas.

A pitangueira adapta-se bem a tipos variáveis de solo, desde que apresente capacidade regular de retenção de umidade.

Geralmente, a pitangueira produz duas safras por ano: uma em outubro e outra entre dezembro e janeiro.

Fonte: www.todafruta.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Plastos

Plastos

PUBLICIDADE O que são plastos? Os plastos ou plastídeos são organelas de dupla membrana encontrados …

Plantas Tóxicas

Plantas Tóxicas

PUBLICIDADE O que são plantas tóxicas? As plantas tóxicas também chamadas de plantas venenosas contêm …

Plantas Carnívoras

Plantas Carnívoras

PUBLICIDADE O que são plantas carnívoras? As plantas carnívoras são definidas como plantas que atraem, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+