Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Suinã

Suinã

PUBLICIDADE

 

Nome cientifico: Erythrina velutina

Família: Fabaceae Faboideae

Nomes populares: Eritrina, Mulungu, Suinã

Nomes comuns: mulungu, suinã, bico-de-papagaio, canivete, corticeira, sananduva.

Onde é encontrada: Encontrada principalmente em jardinagem e paisagismo. De forma nativa se vêem exemplares isolados e raros.

Suinã
Suinã

Suinã
Suinã

Características

Suinã (Erythrina speciosa) – árvore, floresce no inverno.

Árvore com 8 a 12 metros de altura, com tronco de 40 a 70 cm de diâmetro, espinhenta, madeira macia..

Bastante copada. Folhas trifoliadas, bem largas, 11 cm. Fruto vagem curta, 6 cm, com sementes de um cm no formato de feijão, avermelhadas ou amarronzadas.

Ocorre do CE até MG, RJ e SP, principalmente na caatinga. Madeira leve, macia e pouco resistente aos agentes decompositores.

Pode ser utilizada na confecção de tamancos, jangadas, brinquedos e caixotaria.

Árvore extremamente ornamental, atrativa de pássaros, principalmente beija-flores, os quais as visitam a fim de sugar seu néctar.

Espécie ideal para cerca-viva de grandes propiedades.

Floresce a partir do final do mês de agosto prolongando-se até dezembro.

Os frutos amadurecem em janeiro e fevereiro.

Suinã – Erythrina speciosa velutina

Suinã
Suinã

Suinã (Erythrina speciosa velutina) ou mulungu, canivete e corticeira – é uma árvore nativa da Mata Atlântica brasileira, presente mais especificamente nas margens dos rios entre os estados do Espírito Santo e Santa Catarina.

Altura máxima do caule de 7 m, possui caule espinhoso e folhas grandes. Sua floração ocorre nos meses de junho a setembro, com a perda das folhas, suas flores possuem várias tonalidade de matizes entre o vermelho e o laranja vistosas em forma de candelabro.

Espécie muito rústica, de rápido crescimento, que apresenta grande potencial para fins ornamentais, sendo muito utilizada em canteiros centrais, podendo ser utilizada em diversas situações.

Adapta -se bem a locais úmidos.

Os frutos são comestíveis, apresentam forma ovalada e coloração castanho-alaranjada quando maduros.

Utilidades: Usada em paisagismo urbano. Melífera.

Época de floração e frutificação: Floresce em Agosto, frutos em Fevereiro

Fonte: www.clubedasemente.org.br/www.plantasonya.com.br

Suinã

NOMENCLATURA

Nome científico: Erythrina velutina Wilid.
Família: Leguminosae-papilionoideae
Nomes vernaculares: araçu-rana; bucaré, canivete,corticeira, mussungu, suína.
Origem / significado do nome: do tupi – mussungú – muzugú ou do africano mulungu – talvez em alusão ao som provocado pelas batidas em seu tronco oco.

Características

Árvore de 8 a 12 m de altura.

Tronco e ramos com muitos acúleos, casca lisa, com estrias longitudinais mais claras; ramos esverdeados com fissuras e pontuações mais claras e cecatrizes foliares. Folhas alternas, trifolioladas, com cercade 20 cm de comprimento, folíolos ovado-deltoídes, tomentosos e mais claros na face interior; com glândulas verdes na inserção com o pecíolo; pecíolo de 6 a 12 cm de comprimento, aveludado e cilíndrico. Flores vermelhas, dispostas em recemos.Fruto logume, semi tortuoso, com sementes e, formato de feijão, de cor avermelhada.

OCORRÊNCIA: Distribuição geográfica. Ocorre da América Central até São Paulo, sendo muito comum na região Nordeste.

Informações ecológicas

Planta decídua, pioneira secundária, característica de várzeas úmidas e beira de rios da caatinga da região semi-árida do nordeste brasileiro. Ocorre, preferencialmente, nas formações secundárias, apresentando, entretanto, dispersão bastante irregular e descontínua. Aparece como indivíduos bolados na comunidade ou, em alguns casos, em grupos pouco densos. Floresce com a planta totalmente despida da folhagem.

DESCRIÇÃO: Hábito de crescimento

Árvore de 6 a 12 m, com diâmetro variando de 50 a 90 cm. Seus ramos têm distribuição predominantemente horizontal, dando-lhe copa de formato quase piramidal

Caule

Rugoso, castanho e pouco aculeado quando já desenvolvido, porém quando ainda jovem, não só o caule como também os ramos são notadamente aculeados; acúleos com 0,8 a 1,2cm, enegrecidos e muito perfurantes. O caule, quando bem desenvolvido, pode atingir uns 70cm de diâmetro. Ramos novos verde-cinza claros, lisos, com lenticelas; extremidades, recobertas por camada de pelos ocráceos, facilmente detergiveis. Estipulas lineares, caducas, densamente recobertas de pelos estrelados.

Casca

A casca morta tem espessura de 2 a 5mm, ligeiramente rígida, dificilmente destacável, castanho-clara a ocreado, com ondulações suaves, e estrias superficiais longitudinais, formadas por numerosas lenticelas dispostas em linhas paralelas e convergentes, prolongando-se pelas raízes sobre o solo. São poucos ou nenhum os acúleos nos espécimes muito velhos e, quando presentes, são suberosos, rígidos, sublaminados, volumosos, esparsos e/ ou unidos, de forma próxima a piramidal, destacando-se quando completamente envelhecido.

Apresenta casca viva de espessura grossa, internamente amarelada. incisão, apresenta exsudato hialino, aquoso, sem odor ou sabor distinto.

Folha

Compostas, alternas, trifoliadas, sustentadas por pecíolo de 6 a 12cm, ápice arredondado, geralmente agrupadas na extremidade de ramos-curtos; folíolos cartáceos, com a face ventral apenas pulverulenta e dorsal de cor verde mais clara e revestida por densa pilosidade feltrosa, de 6 a 12 x 5 a 14cm.

Flor

lnflorescência em racemos agrupados no ápice de ramos novos. Como os pedúnculos permanecem nos ramos das floradas anteriores, pode-se, facilmente, observar o crescimento dos ramos entre as floradas. Flores vermelhas dispostas em verticilios. Botões florais subfusiformes, ocráceo-punmientos com ápice dotado de 5 protuberân(ias correspondentes às 5 sépalas.

Fruto

Frutojovem castanho escuro, às vezes levemente esverdeado, recoberto por denso indumento de pelos estrelados, cinza-ocráceo claro. Nesse estádio ainda permanecem, marcescentes, cálice e androceu. Possui 1 a 2 sementes.

Sementes

Reniformes, com a testa lisa, brilhante, vermelha.

Madeira

Madeira branca, leve, mole, porosa e pouco resestente ao ataque de organismeos decompositores. Usada na fabricação de palitos de fósforo. Altamente ornamental quando pede a folhagem, por isso é usada no paisagismo com sucesso. É ainda usada no sombreamento de cacaueiros e como cerca viva. Muitos pássaros procuram suas flores pelo seu néctar.

Características que podem diferenciar esta de outras espécies:

Por mulungu também são conhecidas mais duas espécies de Erythrina:

1 – Erythrina aurantiaca Ridi. – Árvore de porte regular, com poucos acúleos cônicos. Folhas trifoliadas. Flores amarelas, em racemos. Vagem pequena, com sementes manchadas de vermelho ou quase negras.
2 – Erythrina glauca Willd. – Árvore excelsa, com o tronco e ramos aculeados. Folhas trifoliadas, com grandes folíolos ovais e coriáceos. Flores cor de laranja, variando para o vermelho, em racemos axilares. Ocorre da Hiléia à América Central. lntroduzida no Ceará, com o nome de Búcare, tomou-se subespontânea na Serra do Baturité.

Outros: Cicio de vida de 16 a 60 anos.

USOS

Madeireiro

Empregada na confecção de cochos, gamelas, tamancos, jangadas, brinquedos, caixotaria, bóias, paus de jangada, balsa, faca de cortar papel, moderação, molduras, cavaletes pata natação e mourões de cerca, esta última aplicação pela facilidade do seu plantio por estacas.

Medicinal

A casca é utilizada contra asma, bronquite, coqueluche, verminoses, hemorróidas e abscessos da gengiva. Também é calmante, sedativa e emolite. O fruto seco é indicado como odontológico e o suco tem ação purgativa e diurética. Sua raiz, em decoção, é sudorífera.

Ornamental

A árvore é extremamente ornamental, devido a suas flores. É usada para cercas vivas, grupos vegetais arquitetônicos de ruas e avenidas. Como planta de cerca divisória, seus acúleos servem de empecilho para os atravesadores.

Outros usos:

A árvore é utilizada no sombreamento de cacaueiros.
Sua casca produz uma tintura amarela e tem propriedade tânica.
Suas flores são alimentícias, quer cruas ou cozidas. Maceradas produzem uma tinta amarelo-avermelhada boa para tingir panos.

Fabrica-se com as sementes colares, pulseiras, brincos, etc.

MANEJO

SEMENTES

Coleta e beneficiamento: os frutos deverão ser colhidos diretamente da árvore, quando iniciarem a abertura e queda espontânea, as sementes também poderão ser recolhidas no chão após a queda. Em seguida, os frutos são deixados ao sol, para completar a abertura e liberação das sementes.
Número de sementes por quilo: um quilograma de sementes contém aproximadamente 2.850 unidades.
Longevidade e armazenamento: sua viabilidade em armazenamento é superior a 10 meses.

PRODUÇÃO DE MUDAS

Semeadura: colocam-se as sementes para germinar logo que colhidas e sem nenhum tratamento (pois não apresentam dormência), diretamente em embalagens individuais contendo substrato organo-arenoso. Cobri-las com uma camada de 0,5cm de substrato peneirado e irrigar diariamente.
Germinação:
a emergência ocorre em 10 a 25 dias e a taxa de germinação geralmente é alta. As mudas desenvolvem-se rapidamente, ficando prontas para o plantio no 1ocal definitivo em menos de 4 meses. O desenvolvimento das plantas no campo é rápido, alcançando 3,5 m aos 2 anos. Para acelerar a germinação de sementes com maior tempo de armazenamento, aconselha-se a imersão das mesmas em água tépida, ou à temperatura ambiente, por um período de 12 a 24 horas, ao final do qual deverá ser procedido o semeio.

CARACTERÍSTICAS SILVICULTURAIS

A espécie é indicada para sombreamento de cacau, conjuntamente com bananeiras e outras árvores em sistemas agroflorestais. Suporta bem a poda drástica.

Flor: Agosto a Dezembro, com a planta despida de sua folhagem

Fruto: Janeiro a Fevereiro

Fonte: www.cnip.org.br

Suinã

Corticeira

Corticeira (Erythrina crista – galli L.), também chamada eritrina-crista-de-galo, bico-de-papagaio, sapatinho-de-judeu, suinã ou flor-de-coral, é uma árvore da família das leguminosas (Fabaceae), nativa do sul do Brasil, podendo atingir de 6 a 10 metros de altura.

Seu tronco é tortuoso. Suas folhas são compostas, trifolioladas com folíolos glabros. Suas flores são vermelhas de cálice campanulado. O fruto é uma vagem, conhecido também como legume, com sementes semelhantes ao feijão.

Tem grande importância para o paisagismo, pois, quando florida, é extremamente ornamental.

O que mais chama a atenção é que durante a sua floração as folhas caem. Alguns autores denominam essas plantas como sendo floríferas decíduas. Essa característica também ocorre em algumas outras espécies como o ipê e a cerejeira.

A flor da corticeira é a flor nacional da Argentina e Uruguai.

Suinã
Corticeira – Suinã

Suinã
Corticeira –
Suinã

Sinonímia

Corallodendron crista-galli (L.) Kuntze
Erythrina crista-galli L. Var. hasskarlii Backer
Erythrina crista-galli L. Var. leucochlora A. Lombardo
Erythrina fasciculata Benth.,
Erythrina laurifolia Jacq.
Erythrina pulcherrima Tod.,
Erythrina speciosa Tod.,
Micropteryx crista-galli Walp.
Micropteryx fasciculata Walp.
Micropteryx laurifolia Walp.

Classificação científica

Reino: Plantae
Divisão:
Magnoliophyta
Classe:
Magnoliopsida
Ordem:
Fabales
Família:
Fabaceae
Subfamília:
Faboideae
Género:
Erythrina
Espécie:
E. crista-galli

Nome binomial

Erythrina crista-galli

Fonte: saber.sapo.pt

Suinã

Eritrina Mulungu

Suinã
Eritrina Mulungu

Suinã
Eritrina Mulungu

O Mulungu (Erythrina mulungu) é uma árvore da familia Fabaceae-Faboideae, também conhecido como cuiarana, castanha-de-macaco, árvore-de-macaco, amêndoa-dos-andes, e cuia-de-macaco.

Espécie pioneira, e de médio porte, pode atingir de 10 a 14 metros de altura quando adulta. Sua madeira é leve, mole e de baixa durabilidade quando exposta à umidade.

A árvore em flor é extremamente ornamental, sendo muito utilizada para o paisagismos em geral. Além disso, pode ser utilizada em plantios mistos destinados á recomposição da vegetação de áreas degradadas de preservação permanente.

Suas flores são muito visitadas por papagaios, beija-flores, periquitos e outras aves, sendo um atrativo a mais sua utilização em vários aspectos.

Esta espécie possui ainda características medicinais, sendo muito utilizada também para este fim.

Características

O tronco desta árvore tem como destaque o fato de ser revestido por farta camada de cortiça. Espinhenta, a mulungu chega a medir entre 10 e 14 metros de altura.

Difícil não ficar hipnotizado pela cor laranja das flores da mulungu, árvore que normalmente floresce entre julho e setembro, e que, neste período, fica completamente desprovida de folhas.

Num cenário ideal (em campo aberto, num final de tarde e sob um céu de brigadeiro, por exemplo), não há como não admirar os contrastes a acender suas cores. Quem se aproveita do néctar de suas flores são os beija-flores, periquitos, papagaios e outras aves. Mas afora essa plasticidade e de servir de “restaurante” para pássaros, a mulungu costuma ter sua madeira empregada em caixotaria e na fabricação de pasta celulósica. Isso porque sua textura é leve e mole.

Cultivo

Produz, anualmente, grande quantidade de sementes viáveis. Ela se reproduz tanto por sementes como por estacas. As mudas crescem rapidamente (estão prontas para o plantio em menos de 4 meses). Já o seu desenvolvimento no campo pode ser considerado moderado (alcança 2,5 metros em dois anos).

Plante também espécies de características de crescimento:

Secundária Ex. Pau Brasil – Caesalpina echinata em bosque tipo mata atlântica, ou Jacarandá Branco – Platypodium elegans em Bosque tipo Cerrado.
Climácicas Ex. Jequitibá –
Cariniana estrellensis, ou o Cedro Rosa – Cedrella fissilis, em bosques tipo mata atlântica, ou a
Sucupira Branca –
Pterodon emarginatus em bosques tipo Cerrado.

Bioma de ocorrência natural: Cerrado.

Fonte: www.boninplantas.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Plastos

Plastos

PUBLICIDADE O que são plastos? Os plastos ou plastídeos são organelas de dupla membrana encontrados …

Plantas Tóxicas

Plantas Tóxicas

PUBLICIDADE O que são plantas tóxicas? As plantas tóxicas também chamadas de plantas venenosas contêm …

Plantas Carnívoras

Plantas Carnívoras

PUBLICIDADE O que são plantas carnívoras? As plantas carnívoras são definidas como plantas que atraem, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+