Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Pata-de-Vaca

Pata-de-Vaca

PUBLICIDADE

 

Pata-de-Vaca – Bauhinia forficata

Pata-de-Vaca 

Ocorrência: do Piauí até o Rio Grande do Sul.

Outros nomes: casco de vaca, mororó, pata de boi, unha de boi, unha de vaca.

Características

Espécie que atinge até 9 m de altura, com tronco tortuoso, de 30 a 40 cm de diâmetro e ramos jovens com dois espinhos curvos como estípulas na base do pecíolo.

Folhas compostas, com 2 folíolos germinados que, no conjunto, tomam a forma que lembra o casco de boi, glabras ou levemente pubescentes na face dorsal, nervuras proeminentes na região superior, coriáceas, lisa, brilhante na face superior, com glândula na base, bordos lisos, de 8 a 12 cm de comprimento.

Inflorescência em cacho terminal, com flores grandes, longas, estreitas estriadas, rugosas e brancas.

Fruto vagem alongada, pontiaguda, marrom-acizentado, de até 20 cm de comprimento por 2,5 cm de largura, com deiscidência elástica, de valvas lignificadas, abrindo-se em duas partes, com cinco a dez sementes, que se abre, liberando as sementes de coloração castanho a pretas, achatadas, com poros, medindo 1 cm de comprimento. Um Kg de sementes contém aproximadamente 15.100 unidades.

Habitat: formações florestais do complexo atlântico e nas matas de planalto.

Propagação: sementes.

Madeira

Moderadamente pesada, mole, de baixa durabilidade quando exposta ao tempo.

Utilidade

Eficazmente utilizada no tratamento da diabete.

Suas folhas, cascas, lenhos e raízes são usadas no tratamento das afecções urinárias. As flores novas possuem ação purgativa.

As raízes em decocto funcionam como vermífugo.

Florescimento: outubro a janeiro.

Frutificação: junho a agosto.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Pata-de-Vaca

A planta Pata-de-Vaca ( Bauhinia forficata) é uma árvore da família Fabaceae , difundida na América do Sul , especialmente em áreas com sol abundante e geadas.

Descrição

Pode atingir até 5 metros ou mais.

As suas flores são brancas e semelhantes a uma orquídea.

As folhas são caducifólias e assemelham-se a marca de um casco, daí o nome “pata de vaca”.

Ela se reproduz por sementes e brotos de raiz.

Usos

A madeira é usada, conhecida como mogno falso, embora o uso mais difundido como uma planta medicinal. A este respeito, têm sido bem estudados como as suas propriedades hipoglicemiante e diurética. Também é usado como um adstringente e anti-séptico.

Taxonomia

Bauhinia forficata foi descrito por Johann Friedrich Heinrich ligação e publicado em Enumeratio Horti Regii Plantarum Berolinensis Altera 1: 404. 1821.

Etimologia

Bauhinia: genérico nome em homenagem dos irmãos herbalistas e botânicos suíços, Caspar (1560-1624) e Johann Bauhin (1.541-1613).

O primeiro foi o botânico e médico, autor de um índice de nomes de plantas e sinônimos chamado Pinax Theatri Botanici, e professor de anatomia e botânica na Universidade de Basileia, que a distinção entre gênero e espécie, e foi a primeira a estabelecer um sistema de nomenclatura científica, enquanto o último foi co-autor do grande trabalho Historia Plantarum Universalis , publicado 40 anos após sua morte.

Forficata: epíteto latino que significa “fortificado”.

Lista de palavras sinônimas:

Bauhinia candicans Benth., Bauhinia aculeata Vell., Bauhinia brasiliensis Vogel

Referências

1. ” Bauhinia forficata “. Tropicos.org. Missouri Botanical Garden . Página visitada em 06 de setembro de 2012. 2. Bauhinia forficata em PlantList 3. em nome botânico 4. Em Epítetos Botânico

Fonte: es.wikipedia.org

Pata-de-Vaca

Pata-de-Vaca – Bauhinia forticata

Pata-de-Vaca
Pata-de-Vaca

Pata-de-Vaca
Pata-de-Vaca

Descrição

Da família das Leguminosas, é também conhecida como bauínia, miroró, mororó, pata-de-boi, pata-de-burro, unha-de-anta e unha-de-vaca.

Árvore com caule e ramos aculeados de até 10 metros de altura e espihosa.

As folhas são alternas, com 2 folíolos unidos pela base, largo ovadas, membranosas, coriáceas, apresentando 9 nervuras principais e um corte no centro no sentido vertical até o meio, o que lhe dá o aspecto de uma pata de vaca.

O pecíolo apresenta acúleos.

As flores, de cor branca, apreentam pétalas desiguais, filiformes.

O fruto é uma vagem contendo várias sementes. Reproduz-se por sementes e é de fácil cultivo, não exigente quanto ao solo e clima. É muito encontrada nas matas, beiras de estrada e terrenos baldios.

A colheita das folhas deve ocorrer, de preferência, antes da floração, as cascas do caule em qualquer época e as flores no momento de sua abertura.

Habitat: É natural da Amazônia ocorrendo no Cerrado e América central também.

História

É usado pela população indígena e ribeirinha dessas regiões há centenas de anos. Os usos nativos de pata de vaca bem não são documentados, mas muito tempo segurou um lugar em medicina herbácea brasileira.

Parte utilizada: cascas, folhas, flores, lenho, raízes.

Plantio: Multiplicação: sementes para formação de mudas.

Cultivo: originária da Ásia. É uma leguminosa, não exige clima nem solo. As de flores brancas são as melhores. Medem de 4 a 8 metros de altura. Planta-se na primavera em espaçamento de 8m X 8m.

Colheita: folhas, cascas do tronco ou da raiz, na época da floração.

Modo de conservar: As folhas, as cascas dos ramos e as flores devem ser secas à sombra, em local ventilado e sem umidade. Armazenar em vidros de pano ou papel.

Origem: América do Sul. Está espalhada por todo o Brasil e no norte da Argentina.

Propriedades: Casca e caule possuem propriedades expectorantes. As raízes são vermífugas, as flores são purgativas, as folhas são diuréticas e recomendadas como antidiabéticas.

Indicações: É empregada nos tratamentos da diabetes. A casca é indicada para diabetes e as folhas como diurético.

Principios Ativos: Taninos, flavonóides e glicosídeos.

Modo de usar: infusão de 2 xícaras de café da folha picada em 1/2 litro de água ou 1 folha picada por xícara de chá. Tomar 4 a 6 xícaras de chá ao dia para diabetes. A infusão das flores é purgativa.

Precauções: Evitar seu uso em pacientes com distúrbios da coagulação sanguínea.

Superdosagem: Não há relatos. Caso ocorra, além das medidas usuais para intoxicação, tratamento sintomático para vômitos, cólicas e diarreia deverão ser instituídos e dieta zero.

Contra-indicações/Cuidados: em caso de gestação ou lactação, usar somente sob orientação médica. Aumento do número de evacuações ou diarreia pastosa em intestinos com tendência à diarreia.

Efeitos Colaterais: pode potencializar drogas antidiabéticas; é contra-indicada para pessoas com hipoglicemia.

Modo de usar:

Como hipoglicêmica: dose de 3g/dia de folhas, por 56 dias; Infusão ou decocção sob forma de banhos: elefantíase e mordidas de cobra; – infusão de 2 xícaras das de cafezinho da folha picada em ½ litro de água ou 1 folha picada por xícaras de chá. Tomar 4 a 6 xícaras de chá ao dia (diabetes); flores (purgativo). – decocção de 1 colher das de sopa do pó da casca e folhas secas em 1 xícara de água. Tomar ½ a 1 xícara de chá ao dia; Decocção: ferver 1 a 2 colheres das de chá de folhas em 1 xícara das de chá de água. Tomar 3 a 4 xícaras ao dia Infusão a 2%: até 6 xícaras de chá ao dia; – infusão de 2 colheres de sopa de folhas (e ou flores picadas) para 1 litro de água fervente. Tomar 3 a 4 xícaras do chá morno por dia; ½cálice de água, 3 vezes ao dia.

Diabetes: coloque 1 colher de sobremesa de folha picada em 1 xícara de chá de água em fervura. Deixe ferver por 3 minutos e coe. Tome 1 xícara de chá, 3 vezes ao dia, sendo uma de manhã, em jejum e as outras antes das principais refeições.

Diurético; eliminador de cálculos renais: em 1 xícara de chá, coloque 1 colher de sopa de folha fatiada e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos. Tome 1 xícara de chá, de 1 a 3 vezes ao dia: 2 xícaras de chá, de 1 a 3 vezes e a outra à tarde, antes das 17:00 horas.

Diarréias: coloque 1 colher de sobremesa dos ramos picados em 1 copo de água em fervura. Deixe ferver por 3 minutos e coe. Tome 1 copo após cada evacuação.

Calmante dos estados nervosos; diurético; diabetes: coloque 3 colheres de sopa de folhas picadas em 1 xícara de chá de água potável. Deixe em maceração por 3 horas, ao sol. Em seguida, coe e adicione 1 xícara de café de conhaque. Misture bem. Tome 1 colher de café, diluído em um pouco de água, 3 vezes ao dia.

Toxicologia

Sem toxidade nas doses recomendadas. A DLM é acima de 300ml para humanos acima de 60Kg. Os extratos etanolícos em doses muito maiores que a terapêutica apresentam sinais de toxidade não especificados, não havendo nenhum relato de morte por intoxicação.

Farmacologia

O Pata de capacidade do vaca abaixar açúcar de sangue primeiro foi informado por um pesquisador brasileiro num em vivo 1 929 estudo clínico, que foi seguido por outro em vivo (cão) estudo em 1 931 . O mesmo pesquisador brasileiro publicou outro estudo em 1 941 , informando os efeitos de açúcar-abaixando de sangue de pata de vaca em seres humanos, caos, e coelhos. Um estudo foi financiado em 1945 determinar os constituintes ativos responsável para sua atividade.

Desde que um chá simples de folha foi mostrado ajudar níveis de açúcar de equilíbrio, tornou-se um popular natural remedeia, no entanto, nenhuns estudos subsequentes foram feitos para muitos anos devido a uma falta de financiamento para nonproprietary remedeia e droga; No mid-1980s, contudo (quando herbáceo remedeia outra vez eram popular), pata de vaca continuou uso como um substituto natural de insulina foi reiterado em dois estudos brasileiros. Ambos estudos informaram em ações de hypoglycemic de vivo em vários animal e modelos de ser humano. Pesquisa chilena em 1999 informou as ações de pata de vaca em ratos de diabético. Seu estudo determinou esse pata de vaca foi achado “extrair efeitos notáveis de hypoglycemic,” e ocasionou um “diminuição de glycemia em ratos de diabético de alloxan por 39%,”.

Em 2002, dois em estudos de vivo no sangue-açúcar-efeitos de abaixamento de pata de vaca foram conduzidos por dois grupos separados de pesquisa em Brasil. O primeiro estudo informou “um efeito significativo de glucose-abaixando de sangue em normal e ratos de diabético. No segundo estudo, 1 50 g da folha (por litro de água) foi dado a ratos de diabético como sua água que bebe. Os pesquisadores informaram isso, depois de um mês, esses pata de recepção de vaca teve um “redução significativa em soro e glucose urinário e ureia urinário. “Em comparação com o grupo de controle.

Em 2004, um grupo de pesquisa informou essa pata de vaca outra vez abaixou açúcar de sangue em ratos e triglicéridos também reduzidos, colesterol total e níveis de HDL-COLES-TEROL em ratos de diabético declarando, “Estes resultados sugerem a validez do uso clínico de N. forficate no tratamento de ripo de mellitus de diabetes II. Outros pesquisadores brasileiros informaram em 2004 esse pata de vaca, assim como uma única substância química extraiu das licenças chamado kaempferitrin, açúcar de sangue significativamente abaixado em ratos de diabético em todas dosagens mas açúcar abaixado de sangue em ratos normais só nas dosagens mais altas. Eles também documentaram um efeito antioxidante. A toxicidade estudado publicado em 2004 indica não havia nenhuns efeitos tóxicos em qualquer normal nem ratos de diabético, incluindo ratos grávidas de diabético.

(*) A cura pelas ervas e plantas medicinais brasileiras – Ri cardo Lainetti e Nei R. Seabra de Britto – Ediouro.

Pata-de-Vaca
Pata-de-Vaca

Fonte: www.plantasquecuram.com.br

Pata-de-Vaca

Pata-de-Vaca (Bauhinia forficata)

Ação e Indicação: Indicada para o tratamento de diabetes, por sua ação hipoglicemiante.

Formas Utilizadas:

Cápsula (pó da planta) Tintura (líquido) Chá (rasura) Extrato Fluido (líquido)

Pata-de-Vaca (Bauhinia forficata)

Estamos diante de uma planta que normalmente gera muita confusão entre as pessoas que a procuram.

Estamos falando da Pata-de-Vaca, arbórea que pode chegar a 6 metros de altura, copa frondosa, bonita, e que, em determinada época do ano, lança flores brancas que são muito parecidas com orquídeas. A Pata-de-Vaca pertence ao gênero Bauhinia, que é muito rico em nosso país. Possui várias espécies distribuídas em quase todo território brasileiro, e muitas delas são muito parecidas entre si. O que caracteriza as plantas deste gênero é o formato de suas folhas, que se parece muito com uma pata ou unha de vaca. Se por uma lado esta característica torna fácil a identificação destas plantas, por outro gera uma confusão enorme, pois para a população todas estas plantas recebem o mesmo nome popular “Pata-de-Vaca”, mas a composição química e conseqüentemente suas ações terapêuticas não são as mesmas, podendo levar a resultados frustrantes no tratamento.

A espécie que estamos tratando é a que possui dois espinhos no ramo onde fica aderido o pecíolo de cada folha, formando uma espécie de forca, daí o nome Bauhinia forficata. Esta espécie já foi muito estudada por pesquisadores financiados com recursos da extinta CEME (Central de Medicamentos do Ministério da Saúde), e o que foi confirmado é sua ação para o controle da diabetes. Não se conhece muito bem como é a ação desta planta em nível fisiológico, mas o pouco que já se conhece permite colocá-la como um grande medicamento da flora brasileira.

No início dos estudos imaginava-se que esta planta ativava as células do pâncreas a produzir mais insulina. Posteriormente alguns pesquisadores informaram que esta planta era rica em Cromo, e era por isso que funcionava no tratamento da diabetes, pois este elemento parece estimular o aumento da produção de insulina.

Mais recentemente descobriram que esta planta possui uma molécula quase que idêntica à insulina humana, tanto é que foi denominada de insulina vegetal. Isto foi realmente uma grande descoberta, pois mais uma vez a ciência confirma aquilo que a população já conhecia a muito tempo.

Não queremos que as pessoas abandonem seu tratamento convencional da diabetes e passe a usar a Pata-de-Vaca de uma forma descontrolada, pois isso pode levar a problemas. Sugerimos que as pessoas entrem em contato com seus médicos e peçam a eles para realizar uma substituição monitorada, para que possam ficar tranqüilas neste processo. Um grave problema que poderia acontecer seria a troca de plantas, ou seja, a pessoa utilizar a Pata-de-Vaca empregada na arborização urbana pensando que é a Bauhinia forficata. O cuidado na compra da matéria-prima por parte das farmácias é de fundamental importância para o sucesso no tratamento, pois como não existe cultivo desta espécie, a sua totalidade ainda é coletada nas matas, podendo levar a possíveis coletas de espécies diferentes da desejada.

É importante salientar que a Pata-de-Vaca não possui um efeito curativo, ou seja, a planta não vai curar a diabetes, mas vai manter a taxa de glicose controlada, e para isso deve-se manter o consumo diário da planta.

Ademar Menezes Junior

Fonte: www.oficinadeervas.com.br

Pata-de-Vaca

O Chá de Pata-de-Vaca e o Diabetes

O famoso Chá de Pata-de-Vaca talvez seja um dos tratamentos alternativos para o Diabetes mais populares no Brasil. Tenho certeza que quase todos os endocrinologistas (ou até mesmo clínicos) já se depararam com um paciente que diz estar realizando o tratamento de seu diabetes com este “maravilhoso e poderoso” chá (ou mesmo com cápsulas desta planta). Eu mesmo me deparei com um destes pacientes esta semana.

E ele foi totalmente enfático: “Doutor, depois que comecei a fazer uso deste chá, meus níveis de glicose baixaram muito.”

Depois disso, não tive dúvida: a coluna deste mês seria sobre a Pata-de-vaca.

O nome científico da Pata-de-Vaca é Bauhinia variegata (L.), pertencente a família Fabaceae, subfamília Caesalpinioidea. Esta planta é originária da Ásia, mais precisamente China e Índia. No Brasil, o gênero Bauhinia ocorre desde o Piauí até o Rio Grande do Sul, nas formações florestais do complexo atlântico e nas matas de planalto. Suas flores variam de brancas, róseas, roxo-pálidas até avermelhadas. Além das possíveis propriedades medicinais (que comentarei abaixo), esta planta também é muito utilizada no paisagismo, exatamente pela grande beleza de suas flores. Quanto a origem do nome Pata-de-Vaca, vale a pena comentar que ele é devido ao formato de suas folhas, que, de alguma forma, lembram a pata de uma vaca.

Agora vem a parte difícil da coluna. Embora uma pesquisa na Internet mostre inúmeros sites que comentam as propriedades antidiabéticas da Pata-de-Vaca, a literatura científica não é tão rica assim. Talvez o fato que tenha chamado mais minha atenção é que não existe NENHUM (isso mesmo, NENHUM) estudo clínico avaliando os efeitos do Chá de Pata-de-Vaca em humanos. Os pouquíssimos estudos que temos (na verdade, são apenas 03) investigam apenas seus efeitos em ratos. Esta total ausência de estudos me deixou bem surpreso e, ao mesmo tempo, preocupado, principalmente no que se refere a segurança desta planta. Embora ela possa realmente ter algumas propriedades que ajudem a baixar os níveis de glicose (novamente, demonstradas apenas em ratos), não temos a menor idéia de quais efeitos colaterais podem estar associados ao seu uso. Da mesma forma, não temos idéia de qual a dose mínima e máxima, qual sua possível interação com outros medicamentos para o diabetes e quais outros efeitos ela teria no corpo humano.

Um dos estudos mais interessantes que encontrei foi realizado na Universidade Estadual do Norte Fluminense, em Campos dos Goytacazes (Rio de Janeiro).

Neste estudo, os autores conseguiram identificar nas folhas da Pata-de-Vaca uma proteína que é estruturalmente parecida com a insulina bovina. Esta similaridade estrutural PODE fazer com que esta molécula, presente no chá, funcione parcialmente como a própria insulina produzida pelo corpo humano. Vale a pena ressaltar que, embora estes resultados sejam extremamente promissores e interessantes, eles apenas mostram que ainda temos muito o que pesquisar antes de começar a utilizá-la para o tratamento do Diabetes.

Não sabemos qual a potência desta molécula, qual a dose ideal e, principalmente, qual o risco de hipoglicemia associado ao seu uso. Não sabemos também como ela é metabolizada e quais outros efeitos ela terá no corpo humano. A literatura científica sugere que esta planta pode ter outros efeitos além dos efeitos na glicose e, portanto, muita pesquisa ainda é necessária antes de indicarmos seu uso para o Diabetes ou qualquer outra doença.

Em resumo, parece que, mais uma vez, a cultura popular está correta. A Pata-de-Vaca realmente PARECE ter alguns efeitos benéficos sobre os níveis de glicose.

Mas isso não indica que ela deve ser utilizada como medicamento para tratamento do diabetes, seja isoladamente seja combinada com outros medicamentos disponíveis no mercado. Esperamos que mais pesquisas sejam feitas, principalmente em humanos, para que possamos conhecer todos os detalhes desta planta e definir seu real papel no tratamento do diabetes e até mesmo de outras doenças.

Referências

1. Pepato MT, Keller EH, Baviera AM, Kettelhut IC, Vendramini RC, Brunetti IL. Anti-diabetic activity of Bauhinia forficata decoction in streptozotocin-diabetic rats. J Ethnopharmacol 2002; 81: 191-197. 2. Silva FR, Szpoganicz B, Pizzolatti MG, Willrich MA, de Sousa E. Acute effect of Bauhinia forficata on serum glucose levels in normal and alloxan-induced diabetic rats. J Ethnopharmacol 2002; 83: 33-37. 3. Rajani GP, Ashok P. In vitro antioxidant and antihyperlipidemic activities of Bauhinia variegata Linn. Indian J Pharmacol. 2009 Oct;41(5):227-32. 4. Azevedo CR et al. Isolation and intracellular localization of insulin-like proteins from leaves of Bauhinia variegata. Braz J Med Biol Res 2006.

Fonte: www.diabetes.org.br

Pata-de-Vaca

Pata-de-Vaca (Bauhinia forficata)

Nome Popular: Pata de Vaca, casco de vaca, mororó, pata de boi, unha de boi, unha de vaca.Nome científico: Bauhinia forficata LinkParte usada: Folhas, flores, raízes e/ou cascas do tronco.Propriedades terapêuticas: Purgativa, diuréticaIndicações terapêuticas: Problemas do aparelho urinário, diabetes

Propriedades Medicinais

Suas folhas são consideradas antidiabéticas, diuréticas e hipocolesterêmiantes, sendo empregadas nas práticas caseiras da medicina popular contra cistites, parasitoses intestinais, elefantíase e como auxiliar no tratamento de diabetes. Seu chá é recomendado no tratamento de diabetes e para eliminação de cálculos renais.

Indicações

Hipogliceminante (antidiabético), purgativo e diurético. Para problemas do aparelho urinário.

Preparo e dosagem:

Infusão: 2 xíc. de cafezinho da folha picada em 1/2 litro de água ou 1 folha picada por xíc. de chá, tomar 4 a 6 xíc. de chá ao dia (diabetes). Não interromper a dieta específica para diabetes. Infusão: flores (purgativo). Pó: feito com cascas e folhas secas. Usar na forma de decocção, com uma colher de sopa em 150 ml de água (1 xíc.). Tomar 1/2 a 1 xíc. de chá ao dia.

Fonte: ci-67.ciagri.usp.br

Pata-de-Vaca

Usada em várias versões como ornamental urbana, a pata-de-vaca contém compostos químicos auxiliares no combate ao diabetes e outras enfermidades.

Você já observou a árvore do seu quintal ou da calçada? Ou aquelas que enfeitam a rua, no seu trajeto diário? Muitas delas estão floridas agora em agosto, no auge da estação seca, mas o formato e a cor das flores variam.

O importante é prestar atenção na folha: se ela tiver o formato de uma pegada bovina, estamos falando de uma árvore que tem mais história e importância do que você imagina.

A nossa personagem é uma das muitas espécies do gênero Bauhinia, mais conhecida como pata-de-vaca, porém com diversos outros nomes populares conforme a região: unha-de-vaca, casco-de-vaca, pata-de-boi, casco-de-burro, mororó, mororó-do-sertão, miroró, bauínia, capa-bode, ceroula-de-homem, entre outros.

A história desse gênero vem de longe, mais precisamente da pré-história. Grãos de pólen da Bauhinia cheilanta, que não são degradados pelo intestino humano, foram encontrados intactos em amostras de fezes fossilizadas de milhares de anos num sítio arqueológico da caatinga nordestina, no Piauí. A descoberta é dos pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz) e da Universidade de Nebraska, em Lincoln, Estados Unidos.

Eles estudavam o uso de plantas com fins medicinais na Antigüidade. Desde os tempos mais remotos o homem sofre com doenças parasitárias e recorre a remédios à base de plantas para controlar as enfermidades.

Além de história, a pata-de-vaca tem importância na medicina popular e está entre as plantas mais pesquisadas por cientistas. Até o começo do século passado, a folha e a casca da planta eram a base dos remédios mais populares contra mordedura de cobra, lepra, vermes, elefantíase (inchaço nas pernas provocado por parasitas alojados nos vasos linfáticos) e blenorragia (doença sexualmente transmissível causada pela bactéria gonococo). E as flores eram valorizadas pela ação purgativa. Os primeiros estudos científicos registrados sobre a pata-de-vaca são de 1929, da médica Carmela Juliani. Os resultados, apresentados em congresso médico no ano seguinte e publicados no Jornal dos Clínicos em 1931, comprovam a atividade de controle de glicose (hipoglicemiante) em pacientes diabéticos.

Até hoje a pata-de-vaca entra na composição de fitoterápicos e medicamentos populares contra diarréia (casca e ramos picados), cistite, elefantíase, e como vermífuga, laxante e diurética. E não apenas no Brasil, mas em outros países das Américas, Ásia e África.

Mas é como auxiliar no tratamento do diabetes que a planta é mais conhecida entre os especialistas. Uma das pesquisas foi tese de mestrado da bióloga Cassiana Rocha Azevedo, na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), em 2003. Ela descobriu numa das espécies de pata-de-vaca – B. variegata – uma proteína muito semelhante à insulina, o hormônio produzido pelo pâncreas, fundamental no processo de controle da taxa de glicose no sangue.

Nos testes de laboratório, a ‘insulina vegetal’ reduziu os níveis de glicose no sangue de ratos diabéticos. Cassiana testou o extrato da proteína e não o chá da folha e, por falta de apoio de hospitais, não fez o teste em pessoas diabéticas. Assim, ainda não comprovou cientificamente que a pata-de-vaca é antidiabética. “Mas tudo indica que esta proteína similar à insulina poderia reduzir os níveis de glicose dos diabéticos”, diz.

Outro estudioso da pata-de-vaca é o doutor em Química Medicinal e produtos naturais bioativos, Valdir Cechinel Filho, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O grupo por ele coordenado publicou, em 2002, um artigo de revisão que demonstra os principais efeitos biológicos relatados para o gênero Bauhinia e as principais substâncias isoladas e identificadas. Cechinel Filho estudou a composição química da pata-de-vaca B. forficata e os resultados evidenciaram a presença de flavonóides glicosilados, que não constavam em outras espécies analisadas. Os flavonóides são compostos químicos contidos nos alimentos, capazes de influenciar a atividade de enzimas responsáveis por atividades celulares, tais como crescimento, divisão e diferenciação de células. Os flavonóides glicosilados, no caso, estão relacionados ao mecanismo de controle da glicose.

A prática difundida entre os diabéticos de usar o chá da planta motivou a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) a encomendar um estudo à antiga Central de Medicamentos (CEME) do Ministério da Saúde, realizado na Escola Paulista de Medicina. Segundo o presidente da SBD, o médico e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) José Egídio Paulo de Oliveira, “até o presente, os resultados de trabalhos desenvolvidos com metodologia aceita pela comunidade científica nacional e pela Sociedade Brasileira de Diabetes, com a Bauhinia forticata e outras espécies de plantas brasileiras, não demonstraram redução efetiva da glicemia em pacientes diabéticos”.

Já para a naturopatia – modo ou estilo de vida que só aceita terapias naturais -, a prática comprova que a pata-de-vaca é eficiente não só contra o diabetes, mas também contra cálculo renal, no combate à elefantíase e como auxiliar nos tratamentos para emagrecimento. O naturopata e fitoterapeuta André Rezende recomenda a associação do chá de pata-de-vaca com outras ervas, como cajueiro-doce, jambolão, pau-tenente, pedra-ume-Kaa, quina-quina e umbaúba, “para potencializar o efeito terapêutico da planta”.

Para Valdir Cechinel Filho, o fato de os resultados das pesquisas serem diferentes e até contraditórios “não significa que a planta não possa ser usada com finalidades terapêuticas”. Ele explica que muitos parâmetros e variáveis podem interferir no resultado. A constituição química de plantas de uma mesma espécie pode ser bem distinta, por exemplo, dependendo do local da coleta, tipo de solo, temperatura ambiente, estágio de crescimento, estação do ano, parte da planta, modo de preparação do extrato, etc. Ao receber o material vegetal para fabricação de remédios, portanto, o laboratório deve confirmar se o princípio ativo está presente, isolando um dos flavonóides identificados pelos pesquisadores catarinenses – kaempferitrina – considerado, por isso, um marcador químico.

Cechinel Filho ainda lamenta que as pesquisas são descontinuadas, isoladas, falta colaboração entre as diversas áreas: “É praticamente impossível ir da planta ao medicamento sem uma inserção de natureza multidisciplinar. Químicos, farmacólogos, botânicos, bioquímicos, agrônomos, médicos e outros são essenciais neste contexto”. Mas ele não deixa de ser otimista e acredita que, com a comunicação globalizada, a interação já se torna mais constante entre universidades e centros de pesquisa em todo o mundo. “Existem muitas moléculas promissoras em fase final de avaliação e acredito que muito em breve teremos novidades relevantes relacionadas ao tratamento do diabetes”, prevê.

Na Universidade Estadual do Ceará, o projeto de desenvolvimento de um novo remédio contra o diabetes está mais adiantado e conta com financiamento do Governo Federal. A espécie de pata-de-vaca é B. ungulata e além do controle do diabetes, espera-se que o medicamento sirva contra dislipidemias (alterações das gorduras no sangue como colesterol e triglicérides) e suas complicações.

Enquanto esses novos remédios, alopáticos ou fitofármacos, não chegam ao mercado, porém, o presidente da SBD tolera o uso do chá. “Não sou contra, seu uso está consagrado na família e na sociedade brasileira”, alega o médico José Egídio Paulo de Oliveira. Mas orienta os pacientes para não substituírem os medicamentos tradicionais. “Sabemos que algumas plantas podem oferecer benefícios no controle da glicemia entre os diabéticos, mas, por outro lado, podem apresentar efeitos colaterais tóxicos e nocivos”, alerta.

Precauções compartilhadas pelo naturopata André Rezende, para quem a pata-de-vaca, a exemplo de outros fitoterápicos, é aliada e não substituta da medicina tradicional.

Ele também adverte: folha de árvore na rua está sujeita à poluição, é um perigo. Chá comprado de ambulantes pode ter fungos, também é um perigo.

Se o fitoterápico for em cápsula, atenção para o conteúdo, que deve ser o extrato seco e não a folha seca, com a qual o doente só vai ganhar dor de estômago.

E cuidado também com a quantidade do chá, pois o exagero pode causar até uma hepatite medicamentosa. Para Rezende “o tratamento com qualquer fitoterápico deve ser prescrito e acompanhado por um terapeuta experiente ou pelo médico”.

Ou seja: nada de sair pelas ruas colhendo folhas de pata-de-vaca para fazer chá. Nas cidades é melhor admirar suas belas flores, o curioso formato das folhas e usufruir a sombra boa.

Com alguma sorte e paciência, nesse mês de agosto dá para assistir a um pequeno espetáculo: os frutos, em forma de vagem, ficam maduros e abrem de forma explosiva, espalhando sementes para todos os lados.

NATIVAS E ‘NATURALIZADAS’

As árvores do gênero Bauhinia, da família das leguminosas, são reconhecidas pelo formato de pegada bovina das folhas.

Entre nativas e exóticas, são mais de 300 espécies, algumas muito parecidas entre si.

São ornamentais, usadas em praças, em jardins, na arborização de ruas, e indicadas para recomposição de matas ciliares e áreas degradadas.

As folhas, ricas em proteínas e hidratos de carbono, são alimento da fauna silvestre.

A seguir, as principais espécies nativas brasileiras:

Forficata (antes B. brasiliensis): mais comum no Sudeste, mas encontrada também em remanescentes da Mata Atlântica até no Nordeste. Cresce até 9 metros e é espinhenta. As flores, brancas, abrem no final do verão. Os frutos ficam maduros entre julho e agosto.Candicans: ocorre no Sul. É muito semelhante e tem as mesmas propriedades da B. forficata a ponto de ser considerada, por alguns estudiosos, como a mesma espécie. É a mais florida.longifolia: Mede de 4 a 7 metros de altura. As áreas de maior ocorrência são os Estados de São Paulo e Minas Gerais.Cheilantha, B. ungulata e B. unguiculata: as três espécies comuns no Nordeste, onde também têm os nomes populares de mororó, mororó-do-sertão e miroró. A primeira ocorre no litoral; a segunda, no sertão. A terceira espécie difere das demais pelos lóbulos pontiagudos das folhas. Todas têm flores brancas, com variações de formato.Splendens: é uma curiosa trepadeira encontrada na Mata Atlântica. O tronco lembra uma escada, daí os nomes populares escada-de-macaco, escada-de-jabuti e cipó-unha-de-boi.

Algumas patas-de-vaca exóticas também se tornaram comuns no País.

São elas:

Variegata: originária da Índia e China. É muito usada em paisagismo por causa das flores brancas, rosas ou roxas, conforme a variedade. Começa a florir em julho e assim permanece durante três meses.Blakeana: uma das mais raras e bonitas, com flor lilás. Híbrido natural estéril, não produz semente e é reproduzida por enraizamento. A flor figura na bandeira e na moeda de Hong Kong, onde foi identificada.Monandra: também conhecida como árvore-orquídea. Cresce em solos secos e pobres. Do inverno ao início da primavera a árvore fica coberta de flores parecidas com orquídeas. Tem outros nomes populares: asas-de-anjo, flor-borboleta, pluma-de-Napoleão e orquídea-dos-pobres. – Galpinii: veio da África do Sul. É um arbusto de flor cor-de-rosa que se espalha pelo campo, mais encontrado no Rio Grande do Sul.

Fonte: www.premioreportagem.org.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Plastos

Plastos

PUBLICIDADE O que são plastos? Os plastos ou plastídeos são organelas de dupla membrana encontrados …

Plantas Tóxicas

Plantas Tóxicas

PUBLICIDADE O que são plantas tóxicas? As plantas tóxicas também chamadas de plantas venenosas contêm …

Plantas Carnívoras

Plantas Carnívoras

PUBLICIDADE O que são plantas carnívoras? As plantas carnívoras são definidas como plantas que atraem, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+