Breaking News
Home / Turismo / Caldas Novas

Caldas Novas

A Cidade

PUBLICIDADE

Principal pólo turístico do Centro-Oeste, Caldas Novas é famosa pelos poderes medicinais de suas águas termais, cuja temperatura chega a 45° centígrados.

Hospitaleira como toda cidade goiana, oferece artesanato variado e saborosa culinária típica.

A Culinária

Saudável e variada, a culinária de Caldas Novas mistura peixes e aves com frutos do cerrado como o pequi, usado em pratos típicos como o arroz com pequi e a tradicional galinhada.

Outras delícias da região são o peixe na telha, a pamonha, o empadão goiano e os doces caseiros, muito bem acompanhados pelos excelentes licores produzidos na cidade.

O Artesanato

O artesanato goiano é conhecido por sua inspiração na natureza, e Caldas Novas não é exceção. Marcado pelo uso de matéria-prima da região, como fibras, raízes, folhas e frutos, e pela representação das belezas do cerrado em pinturas e esculturas, o artesanato de Caldas Novas é uma atração turística relevante e conta com artistas de renome nacional e internacional, como Pedro Pereira e Adeguimar Arantes.

SóSoja

Grande produtora local de Caldas Novas, a SóSoja é o resultado de um sonho de seus idealizadores: divulgar e popularizar o consumo da soja, um dos mais antigos alimentos da humanidade.

Rica em proteínas e excelente fonte de minerais, a soja reduz o risco de doenças crônicas e degenerativas, e é comprovadamente eficaz no tratamento da menopausa.

Distribuídos por todo o Brasil, os produtos SóSoja têm certificação de qualidade, e incluem soja crocante torrada e saborizada, composto alimentar, farinha de soja, paçoca, fibra e proteína de soja e achocolatado com soja, além da soja crua.

Ateliê Adeguimar Arantes

Inspiradas na biodiversidade do cerrado que cerca a cidade de Caldas Novas, as jóias de Adeguimar Arantes harmonizam gemas e metais preciosos reciclados com pedaços de couro e madeira, fibras, raízes, cipós, sementes, frutos, folhas e couro, em combinações originais que retratam o que Goiás tem de melhor: água pura, riquezas minerais, fauna, flora e a cultura de seu povo.

Peças de sua autoria conquistaram o prêmio Top 100 do Artesanato Brasileiro, do SEBRAE, e seu artesanato faz sucesso em eventos e exposições no Brasil e no exterior.

Ateliê Pedro Pereira

Um dos artesãos mais famosos de Caldas Novas, desde menino o Índio Xavante Pedro Pereira extrai sua arte de toras e raízes queimadas ou danificadas pela ação do homem, encontrando, debaixo da casca do pau-brasil, pássaros, animais, flores, pessoas e formas geométricas.

Auto-intitulado um “caçador de formas”, Pedro Pereira já expôs seu artesanato em dezenas de exposições coletivas e individuais no Brasil e no exterior.

Cachaçaria Vale das Águas Quentes

Produzindo a famosa cachaça de Caldas Novas, além de açúcar mascavo, rapadura e melado, tudo em conformidade com a tradição dos antigos alambiques coloniais e sob rígidos padrões de qualidade, a Cachaçaria Vale das Águas Quentes fica aberta diariamente à visitação do público, que pode acompanhar o processo de fabricação de seus produtos e visitar a exposição fotográfica e o acervo de objetos da época colonial.

Doces Caseiros Dona Maria

Produzidos desde a década de 1960, quando teve início o turismo de saúde em Caldas Novas, os doces e licores típicos de Dona Maria hoje são tradição na cidade.

Embora o negócio tenha se ampliado no decorrer do tempo, os Doces Caseiros de Dona Maria, desde os mais tradicionais até os mais exóticos, como os de tomate e de jiló, mantêm ainda as características de produção artesanal.

Acqua Park

Um dos principais pontos turísticos de Caldas Novas, com águas entre 34 e 42ºC, dispõe piscinas de ondas, coberta e infantil, toboáguas, playground, saunas, duchas, ofurô, hidromassagem, quadras de areia, jogos eletrônicos, grutas, muro de escalada e lazer monitorado, além de serviços de baby-sitter, berçário, fraldário, guarda-vidas e ambulatório, restaurante, bar molhado, lanchonetes e sorveterias.

Balneário Municipal

Antigo centro turístico de Caldas Novas, construído em 1910, o Balneário Municipal era a princípio uma casa de banhos particular, abastecida por três entradas de água com diferentes temperaturas, o que permitia regular a temperatura dos banhos.

Em 1935 a casa de banhos original foi demolida para a construção de um balneário que, administrado pela prefeitura a partir de 1940, foi novamente reformado e ampliado.

Casarão

Conhecida atração turística de Caldas Novas, o Casarão foi construído em 1908, e é um exemplo da arquitetura goiana do início do século XX, com portas, janelas e pé direito altos que se destinavam a amenizar o calor. Seu acervo conta com objetos típicos de uma casa da época, como o tear, a carda e a roca.

Abriga uma exposição de artesanato local, como rendas, colchas, tapetes, botinas e licores, e peças de cerâmica, pintura e escultura de artistas locais.

Feira do Luar

Tradicional atração turística de Caldas Novas, a Feira do Luar é realizada em uma área de mais de 1000m2 no centro da cidade, sábados e domingos a partir das 18h. Com mais de 100 barraquinhas, é um excelente lugar para quem quer ter uma visão geral do artesanato local e experimentar a saborosa culinária caldanovense, e recebe turistas o ano inteiro.

Igreja Matriz

Patrimônio turístico de Caldas Novas, a igreja foi construída em 1850, e é a construção mais antiga do centro de Caldas Novas.

Reformada em 1999, a Paróquia de Nossa Senhora das Dores manteve as paredes e colunas de madeira originais, que retratam a prosperidade da cidade à época de sua construção.

Jardim Japonês

Patrimônio turístico de Caldas Novas e Inspirado nos jardins dos templos budistas, o Jardim Japonês é guardado por dragões, e tudo tem um significado: as tamareiras representam os amigos, os cactus representam os inimigos, a ponte representa a paz, etc.

Em meio à natureza exuberante, seus pagodes convidam à meditação num lugar repleto de misticismo e livre do estresse cotidiano.

Lago de Corumbá

Atração turística natural de Caldas Novas, o Lago de Corumbá tem 100km de extensão e 65km2 de área, é formado pelos rios Pirapitinga, Piracanjuba, Peixe e São Bartolomeu, e se localiza a 9km do Centro de Caldas Novas.

Com perímetro bastante recortado e natureza exuberante, é ótimo para a prática de esportes náuticos, como lancha e jet-sky.

Lagoa Termas Parque

Uma das principais atrações turísticas de Caldas Novas, o Parque Aquático tem 400.000m2 de área, piscinas adulto e infantil, toboáguas, kamikaze, rampa gigante e infantil, playground, minitirolesa e miniescalada, quadras poliesportiva, de futebol e de vôlei, recreação, boutique, restaurante self-service, estacionamento e área de camping.

Mirante Serra Verde

Anexo ao Serra Verde Chocolates e Presentes, tradicional ponto turístico de degustação e compra dos famosos chocolates de Gramado, presentes e artesanato em geral, o Mirante Serra Verde é aberto ao público e, proporcionando uma ampla visão de Caldas Novas, é um excelente local para fotografar a cidade.

Monumento às Águas

Inaugurado em 2004 pelo Hotel Thermas diRoma, o Monumento às Águas é uma homenagem ao principal atrativo turístico da região, as águas termais.

Aberto à visitação pública, possui magníficas esculturas, cascatas artificiais e jardins.

Museu da Soja

Com o objetivo de contar a história da soja, mostrar os processos de produção e conscientizar os visitantes dos benefícios desse alimento, o Museu da Soja, construído pela Só Soja do Brasil, é um interessante ponto turístico de Caldas Novas.

Inaugurado em 2007, o museu é aberto ao público e funciona em horário comercial.

Parque da Lagoa Quente

Com bosques, piscinas termais e a lagoa quente que dá nome ao parque (Lagoa do Pirapitinga), é onde as águas atingem a temperatura mais alta em Caldas Novas, e um dos primeiros pontos turísticos da cidade.

Na nascente da lagoa a temperatura da água é tão alta que é possível cozinhar um ovo em poucos minutos.

Parque Estadual da Serra de Caldas Novas

Criado em 1970 para proteger as nascentes das águas termais do município, o PESCAN é uma importante área turística de Caldas Novas e abriga fauna e flora diversificadas, com algumas espécies ameaçadas de extinção.

Atualmente é administrado pela Agência Goiana do Meio Ambiente – AGMA, e dispõe de auditório, alojamento para os funcionários, guias, mirantes, trilhas e cascatas.

Templo da Ecologia e das Artes

Criado para incentivar a educação ambiental, o turismo ecológico e a produção artística e cultural de Caldas Novas, o TECA disponibiliza ao público visitante fotos e vídeos da história e dos principais pontos turísticos da cidade, além de expor e vender peças de arte e livros de artistas e escritores caldasnovenses.

Fonte: aondevou.com

Caldas Novas

País: Brasil

Estado: Goiás

Cidade: Caldas Novas

Região: Centro-Oeste

Bem no coração do Brasil, a aproximadamente 167 km de Goiânia, capital do Estado de Goiás, pulsa a cidade de Caldas Novas, que ostenta o título de maior estância hidrotermal do mundo. E não é para menos, afinal as águas quentes de Caldas Novas tornaram-se a grande praia do centro-oeste brasileiroCaldas Novas reina como um complexo repleto de belezas naturais e águas termais que brotam do chão, alcançando temperaturas de 58º C, além de abrigar o Lago Corumbá, reduto da prática de esportes náuticos e passeios a lindas cachoeiras.

Cada vez mais presente no roteiro de quem procura uma culinária de primeira, Caldas Novas cresce e aparece. A cozinha diversificada e muito saborosa gira em torno dos ingredientes típicos desta região, – como o pequi, fruto típico do cerrado – embora tenha recebido influência de outras culturas. Listam entre os pratos característicos de Caldas Novas o famoso empadão goiano, à galinhada com pequi, o peixe na telha e as deliciosas pamonhas doces e salgadas.

Fazer compras na cidade também tem um toque especial. A começar pela tradicional Cachaçaria, fabricante da cachaça Vale das Águas Quentes. A bebida tipicamente brasileira é a mais consumida do mundo e a de Caldas segue a risca todos os padrões de qualidade, mantendo a tradição dos alambiques da época colonial, que eram de cobres e envelheciam a bebida em barris de madeira nobre. Ainda muito procurado pelos turistas, o Vilarejo de Doces, típicos da região conta com o licor, produto forte na cidade. Por existir todo esse apelo saudável e relaxante, ervas medicinais são facilmente encontradas no comércio do município.

O Paraíso das Águas Quentes

Conheça Caldas Novas e encante-se com sua beleza, receptividade e, claro, seus recursos naturais. Localizada no Estado de Goiás, é um dos principais destinos turísticos do Brasil, além de carregar o título de Maior Estância Hidrotermal do Mundo.

Recebendo aproximadamente 1,5 milhões de turistas por ano, Caldas Novas é o município que mais cresce na região centro-oeste do Brasil. E isso não é à toa, pois conta com uma bela rede hoteleira e saborosa culinária, tendo como principal atrativo o fenômeno das águas quentes, recomendadas por todos os visitantes.

O turismo em Caldas Novas fica ainda mais divertido e atraente com o Parque Aquático – Hot Park, localizado dentro do complexo Rio Quente Resorts. O local oferece grande variedade de atrações para toda a família. Muita emoção no escorregador gigante, Giante Slide, única corredeira de água quente do mundo, toboáguas e o Acqua Race, nada mais que três pistas onde é possível deslizar atingindo velocidade de 25 a 30 km/h.

Tem até um espaço especialmente dedicado aos baixinhos, no Clubinho das Crianças, incluindo piscinas e mini toboáguas. Isso sob a orientação de profissionais preparados para lidar com o público infantil. Aproveite toda a estrutura e comodidade dos pacotes turísticos CVC e faça com que Caldas Novas seja a viagem dos seus sonhos!

Pontos Turísticos em Caldas Novas

Parque da Lagoa Quente

Localizado a cerca de 8 km do centro de Caldas Novas e de grande valor histórico, o parque possui um excelente parque aquático com toda a estrutura para adultos e crianças. Esse é o único ponto da cidade em que o visitante poderá observar uma fonte termal com água brotando do solo a uma temperatura de 58º C.

Oferece camping, sauna, quadras de areia e piscinas termais com nascente natural.

Lagoa Corumbá

Localizado a 10 km do centro de Caldas Novas, esse lago artificial, abastecido pelos rios Pirapitanga, Peixe, Piracanjuba e São Bartolomeu apresenta 65 km de extensão, ideais para andar de jet-ski, lanchas e praticar wind surf.

Balneário Municipal de Caldas Novas

Os visitantes podem realizar banhos de imersão, em banheiras individuais e ainda provar o chá douradinho, indicado para tratamento médico. Foi lá que aconteceram as primeiras incursões de pessoas que estavam em busca de cura para os seus males.

Jardim Japonês

Sua história começou nas mãos do japonês Toshiyuki Murai. O lugar resgata uma atmosfera mística e com grande valor espiritual.

Onde Comer

Ipê Restaurante e Chopperia

Com capacidade para 300 pessoas, o local oferece pratos à la carte, espaço para eventos, formaturas, casamentos e confraternizações em geral.

Destaque para as três especialidades da casa: o Risoto do Ipê, o Frango com Pequí e a tradicional feijoada.

Restaurante Hot Park

Opera no sistema self-service com pratos bastante variados.

Araras

Oferece café da manhã completo (café, leite, sucos, ovos mexidos, frutas e quitandas variadas), almoço self service com bufê completo (grelhados, doces, queijos, sobremesas, sorvetes e frutas), além de jantar com bufê completo de massas e serviço à la carte.

Colher de Pau

Famoso por sua culinária típica, o restaurante oferece self service por quilo, comida caseira com tempero cearense, além de toda simpatia nordestina.

Onde Comprar

Cachaçaria Vale das Águas Quentes

Na sede da Cachaçaria Vale das Águas Quentes é possível presenciar o processo de fabricação da cachaça, o prazo de degustação e uma viagem ao passado do Brasil dos engenhos, dentro de uma estrutura arquitetônica rústica e aconchegante, com seus jardins e a Capela ao fundo.

Ateliê Pedro Pereira

O Índio Xavante Pedro Pereira, um dos artesãos mais famosos de Caldas Novas, extrai sua arte de toras e raízes queimadas ou danificadas pela ação do homem.

Shopping de Artesanato de Serra Verde

No shopping, o visitante encontra produtos típicos de Goiás e da região Sul, estacionamento próprio, caixa eletrônico e sorveteria.

Doces Caseiros da Dona Maria

Um dos estabelecimentos mais tradicionais, quando o assunto refere-se a doces típicos e exóticos, mantidos em produção artesanal, desde 1960.

Caldas Novas
Parques aquáticos são atrativos de Caldas Novas

Caldas Novas
Jardim Japonês é atração em Caldas Novas

Caldas Novas
Piscinas termais são perfeitas para todas as idades

Caldas Novas

Fonte: cvc.com.br

Caldas Novas

História da Cidade

Caldas Novas também esteve no rastro da caminhada dos bandeirantes pelos sertões goianos. Em 1722, Bartolomeu Bueno da Silva Filho chegou à região de Caldas Novas, à procura de ouro.

Atribui-se ao também bandeirante Martim Coelho de Siqueira a descoberta de duas fontes termais: Caldas de Piratininga e Córrego de Lavras. O oficial, natural de Santo Amaro, veio para Goiás em 1775, residiu por um tempo em Santa Luzia, hoje Luziânia, onde se casou com Mariana Vieira de Magalhães.

Em 1777 chegou à região de Santa Cruz, descobrindo as Águas Termais, chamadas, na época, de Caldas de Piratininga e, logo depois, as que ficam à margem do Córrego das Lavras, denominadas Caldas Novas.

Em 23 de setembro de 1788, requereu e obteve uma sesmaria de três léguas de terras, nos Campos das Caldas, distrito de Santa Cruz, dando início à extração do ouro, abundante na região, e logo foram surgindo as primeiras habitações em função da mineração. Assim, deu-se o início da cidade de Caldas Novas.

O pesquisador francês August Saint-Hilaire chega à região em 1818, encontra diversas fontes termais e as registra em seus livros. Há informações de que Fernando Delgado de Castilho, em 1828, sendo o governador na época, conferia as propriedades terapêuticas das águas quentes, tendo, ele próprio, se curado de reumatismo.

Uma das primeiras edificações do lugar foi a Igreja de Nossa Senhora do Desterro, em 1850. A Igreja passou a abrigar a imagem de Nossa Senhora das Dores, em 1888, mudando assim de nome.

Na verdade, o município de Caldas Novas somente seria instalado em 21 de outubro de 1911. Seu primeiro governante (intendente) foi o Coronel Bento de Godoy. O primeiro prefeito seria eleito em 1915. Era o Coronel Orcalino Santos.

Devido às suas fontes de águas termais (com temperatura entre 35 e 45 graus), Caldas Novas tornou-se um dos mais disputados pontos turísticos do País, recebendo turistas de várias partes do mundo. Para isso, possui a maior rede hoteleira do Estado. São mais de 70 hotéis que oferecem um serviço de qualidade. O moderno Aeroporto de Caldas Novas é de Categoria Internacional.

Além das suas águas terapêuticas e da sua rede hoteleira, o turismo da região é incrementado pelas riquezas naturais, como a vegetação, as serras, a fauna. O lugar se destaca também como excelente para passeios ecológicos e para prática de esportes.

Formação Administrativa

0 DISTRITO foi criado pela Lei ou Resolução Provincial n.° 6, de 5 de outubro de 1857, e o Município, em 5 de julho de 1911, pela Lei Estadual n.° 393.

Na ocasião, figurava apenas com o Distrito-Sede, situação em que permanece.

Fonte: citybrazil.com.br

Caldas Novas

História

Descobrimento

Os primeiros habitantes da região eram os índios caiapó e xavante. “Em meio à aridez do sertão, esses índios viviam pacificamente. Como todos os nativos, andavam nus, alimentavam-se da pesca e caça, cultivavam, fabricavam suas armas, cerâmicas, instrumentos musicais e trabalhos com fibras vegetais. Acreditavam no seu deus e para ele dançavam e cantavam” (ELIAS,1994. In: “Caldas Novas Ontem e Hoje”).

Caldas Novas pertencia a Capitania de São Paulo, quando Brasil era colônia de Portugal.

Em 1722, época do descobrimento das águas termais de Caldas Novas, o governo português, ávido pelas nossas riquezas minerais, guardou-as para futuras explorações.

Todavia a exploração seguia com o passar dos anos. Bartolomeu Bueno Filho, filho de Anhanguera, por aqui andou. Depois Martinho Coelho, procedente de Santa Luzia (hoje Santa Cruz) considerada a primeira capital de Goiás, que a denominou de Caldas Novas de Santa Cruz.

Finalmente, na parte oriental da Serra de Caldas, as fontes termais de Caldas Novas viraram história.

Uma história com seus lances de lenda, coragem e perseverança. Conta-se que Martinho Coelho de Siqueira, numa de suas conhecidas caçadas de animais silvestres, sentiu de perto a agonia dos seus cães.

Em desabalada carreira eles passaram á sua frente como que atiçado por um fogo desconhecido, sendo descoberto a Lagoa Quente do Pirapitinga.

Nascia aí a primeira história das águas quentes de Caldas Novas, história de um arraial que virou cidade. E hoje é a capital mundial das águas quentes.

Emancipação

Liderados por Bento de Godoy vieram Orcalino Santos, Victor Ozeda Alla, João Batista da Cunha e outros. Eles chegaram à pequena vila que já começava a virar cidade a partir de 1900. A autonomia política, concedida a Caldas Novas, deu-se graças à solicitação destes à sede de Morrinhos.

Em 1911, por ordem de presidente do Estado, Urbano Gouveia, no dia 5 de julho nomeou Bento de Godoy como presidente da primeira intendência que foi instalada no dia 21 de Outubro. Desde então, nesta data se comemora o aniversário de Caldas Novas.

Foi durante sua administração (1911 a 1915) que Caldas Novas tomou um novo impulso para o desenvolvimento.

A cidade crescia, graças à dedicação e grande força de vontade de: Bento de Godoy, Orcalino Santos, Victor de Ozeda Allá, João Batista da Cunha, Joaquim Rodrigues da Cunha, José Teófilo de Godoy, Orcalino Costa, Josino Ferreira Brettas, Modesto Pires do Oriente, Joaquim Gonzaga Menezes, Luiz Gonzaga de Menezes, Orosimbo Correia Neto, Olegário Pinto, Orlando Rodrigues da Cunha (Mestre Orlando), Oscar Santos e Celso Godoy.

Além de muitos e muitos outros, são nomes que a história de Caldas Novas reverencia hoje e jamais as esquecerá.

Aniversário de Caldas Novas

O aniversário de Caldas Novas é comemorado no dia 21 de outubro, data na qual, há 86 anos, ocorreu a sua emancipação política. No inicio da sua história, Caldas Novas foi subordinada à Santa Cruz de Goiás e mais tarde a Morrinhos. Em 1911, sob a liderança do coronel Bento de Godoy, de Orcalino Santos, Juca de Godoy, Victor Ala, Josino Brettas, Orlando Rodrigues da Cunha e outros, é iniciado um movimento político da população, que culmina com a emancipação de Caldas Novas. O então presidente do Estado (cargo que atualmente é denominado governador), Urbano Gouveia, nomeia Bento de Godoy como 1º Intendente de Caldas Novas, designação que no princípio do século se dava aos chefes do poder executivo municipal, os atuais prefeitos. Em 1915, são feitas as primeiras eleições municipais e, através de subscrição popular, é adquirido um casarão no largo da Matriz para abrigar os poderes executivo e legislativo. Mais tarde este prédio foi demolido e, em seu lugar, em 1960, foi construído o Cine-Teatro Caldas Novas, até os dias de hoje de propriedade da Prefeitura Municipal.

Em 1923, na administração de Juca de Godoy, Caldas Novas é elevada da categoria de vila para a de cidade, quando então é iniciado um novo surto de progresso. Na verdade, a autonomia política de Caldas Novas foi conquistada no dia 5 de julho de 1911, mas somente no dia 21 de outubro é que foi instalada a Primeira Intendência. Desde então, nesta data se comemora o aniversário de Caldas Novas.

Caldas Novas Hoje

Com uma completa infra-estrutura de hotelaria, bares, restaurantes e campings, Caldas Novas é um verdadeiro oásis de atrações no interior do Brasil. Além do Aeroporto, Caldas Novas é interligada por via asfáltica a todos os pontos do Brasil.

Segundo maior mercado imobiliário de Goiás, com aproximadamente 3.000 unidades habitacionais construídas e centenas de outras em construção, visando atender à grande demanda de turistas em função das opções de lucro: lazer e renda mensal em investimento. A cidade possui a maior rede de hotéis de lazer de interior brasileiro. São dezenas de dezenas de hotéis, pousadas e privês, oferecendo milhares de leitos, moldada para atender os turistas com eficiência e bons serviços de hotelaria. O parque aquático termal de Caldas Novas, considerado hoje o maior do mundo, é distribuído em vários pontos da cidade, proporcionando piscinas com temperaturas que variam de 40 a 45 graus centígrados.

Do descobrimento das águas ao começo das Caldas

Caldas Novas
Foto a beira da Lagoa do Pirapitinga (atual Lagoa Quente)

Na verdade, a história de Caldas Novas começa bem antes da saga do coronel Bento de Godoy. Diz a tradição que um dos grupos exploratórios da bandeira de Bartolomeu Bueno, na rota que seguiu entre o sítio do Catalão e as margens da Lagoa Feia, localizou as águas quentes pela primeira vez.

Segundo Juca de Godoy, o grupo designado para explorar o maciço tocou pela esquerda do rio Corumbá na direção Norte, tendo cruzado o rio abaixo da barra do Pirapitinga. O lugar ainda hoje tem o nome de Porto do Fundão, dado por eles por causa da furna em que o rio corre.

Enquanto tentavam achar ouro na costa ocidental da serra, os bandeirantes encontraram as fontes, que formavam um ribeirão repleto de cachoeiras e em cujas margens assentaram seu primeiro arranchamento. O local é muito próximo de onde está estabelecida hoje a Pousada do Rio Quente.

A descoberta estimulou novas explorações no leito dos córregos. Não demorou muito e a planície revelou outras fontes termais, menos abundantes, mas de temperatura mais alta. E para diferenciar os dois sítios, o da encosta da Serra e o da planície, deram-lhes os nomes de Caldas Velhas e Caldas Novas.

Por volta do ano de 1770, o minerador Martinho Coelho de Siqueira tomou conhecimento do ouro encontrado nas encostas da Serra, no local que ficara conhecido como as Águas Santas de Santa Cruz. Ele deixou Santa Luzia (hoje Luziânia) e se transferiu para o local com parentes, agregados, escravos e tudo o que tinha.

A igreja Matriz

Caldas Novas
A Igreja Matriz

Construída em 1850, a Igreja de Nossa Senhora das Dores é considerada a construção mais antiga de Caldas Novas. Localizada no Centro da cidade, a Igreja Matriz, mesmo tendo passado por reformas, ainda retrata em suas paredes e colunas de madeira, um pouco da cidade que ainda era intendência e que já mostrava traços de prosperidade.

15 setembro – Dia dedicado a Nossa Senhora das Dores. A imagem de Nossa Senhora sendo trespassada no alto do calvário, por uma espada de dor, é motivo de devoção muito antiga.

A devoção às dores de Maria tem um fundamento bíblico nas palavras proféticas do Velho Simeão: “Tua alma será atravessada por uma lança”.

Aliás, o próprio Evangelho põe em evidência a presença de Maria ao pé da cruz: “Junto à cruz de Jesus estava de pé sua Mãe”.

A presença de Maria era uma presença de solidariedade nas dores do Filho com nossa redenção. A festa põe em destaque a participação ativa de Maria nos sofrimentos redutivos de Cristo. Ela nos faz também compreender a necessidade de unir nossos sofrimentos aos de Cristo.

A História da ponte – O Sonho de ter uma Ponte

Construir uma ponte sobre o rio Corumbá, abrindo o trânsito do sul de Goiás para a capital e, na direção contrária, criando um corredor para escoamento da produção, era um sonho acalentado por várias comunidades durante toda a segunda metade do século 19. Em Santa Cruz existiu até uma associação pela construção da ponte.

A Ponte de Madeira

Em 1909, o fazendeiro Joaquim de Deus Passos, o Quincão, que tinha propriedade às margens do Corumbá, havia conseguido a concessão do governo e construído uma ponte de madeira. Para grande frustração de todos, a ponte foi levada pela cheia do Corumbá em 1910, um ano depois de entrar em funcionamento. Mas os benefícios obtidos nesse curto espaço de tempo foram suficientes para que produtores e população em geral tivessem a certeza de que a ponte era a solução para o progresso local.

Caldas Novas
Ponte de Madeira

A Urbanização de Caldas Novas

Os anos que vão de 1909 a 1923 foram os mais importantes da história de Caldas. Entre 1909 e 1910, o coronel Bento aprovou o projeto de Juca de Godoy para urbanizar a currutela que Caldas representava na época. Com o auxílio do teodolito, Juca implantou o traçado urbano generoso e amplo (o mesmo que existe no centro de Caldas até hoje), retificando e alargando as ruas, criando praças e preparando a vila que, em 1911, tornou-se sede do município de Caldas Novas.

A Ferrovia chega a Ipameri

Em 1913, a ferrovia saltou o Paranaíba e reforçou a importância de uma ponte que permitisse a construção de uma estrada de rodagem ligando Caldas Novas a Ipameri. A possibilidade concreta disso se tornar realidade começou a ser articulada em julho desse ano, com a posse do governador Olegário Pinto.

O então prefeito de Caldas, coronel Bento de Godoy, adquiriu duas diligências para serem colocadas numa linha de Caldas a Ipameri: uma até o rio Corumbá e a outra, da margem oposta até Ipameri. Finalmente, em 1918, o coronel Bento conseguiu do presidente João Alves de Castro a concessão para exploração dos serviços da ponte. Em troca do pedágio, Bento de Godoy arcou com os duzentos e oitenta contos de réis que a ponte custou.

Caldas Novas
Ferrovia Ipameri

Referencia bibliográfica

Águas thermaes de Caldas Novas – ( Dr. Orosimbo Correia Neto – 1918)
As Fabulosas águas quentes de – Caldas Novas – Taylor Oriente
Caldas Novas, Ontem e Hoje – Ana Cristina Elias / 1994.
Caldas Novas a nossa cidade – (Cartilha) –.Magali Izuwa / 2003.
Caldas novas da mineração ao turismo – ( Ricardo Cassiano 1988)
Mistérios Das Águas Azuis – ( Maria Cândida de Godoy 1993)
Historias e Estórias de Caldas Novas – (Jose Theophilo de Godoy 1978)

Fonte: loctur.com

Caldas Novas

A cidade de Caldas Novas foi descoberta em 1722 por Bartolomeu Bueno da Silva (filho). Inicialmente pertencia a região de Santa Cruz, no sertão goiano, e que logo chamou a atenção de lavradores que identificaram nelas propriedades terapêuticas de alto valor. Martinho Coelho de Siqueira dirigiu um movimento de criação de um povoado para exploração das fontes, requerendo sesmaria. Em 1777, Martinho Coelho, enquanto caçava nas matas vizinhas, descobriu novas fontes às margens do Rio Pirapetinga, às quais deu o nome de Caldas de Pirapetinga, e outras às margens do Córrego Lavras, dando-lhes o nome de Caldas Novas.

Após a morte de Martinho Coelho, seu filho, Antônio Coelho de Siqueira assumiu a administração da Fazenda das Caldas. Em 1818, recebeu a visita de Auguste de Saint Hilaire, e do então Governador de Goiás, Capitão General Fernando Delgado Leite de Castilho, que se curou de paralisia e reumatismo em suas águas, tornando-as ainda mais conhecidas. Em 1838, a pedido do diretor da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, veio até Goiás, o dr. Vicente Moretti Foggia, examinar as propriedades terapêuticas das águas da Fazenda das Caldas.

Com a morte de Antônio Coelho, em 1848, Fazenda das Caldas, com todas as fontes, foi vendida a Domingos José Ribeiro, que em 27 de Janeiro de 1850, doou uma parte da fazenda, às margens do Córrego Lavras, para a construção da Igreja de Nossa Senhora do Desterro, a padroeira da cidade. A Igreja foi elevada à categoria de Freguesia em 1853, tendo como primeiro vigário, o Cônego José Olinta da Silva, que em 1857 substitui a padroeira por Nossa Senhora das Dores de Caldas Novas, que pertencia ao julgado de Santa Cruz, passando ao de Pouso Alto em 1869 e voltando ao primeiro em 1870, ano da criação da primeira escola, tendo como professor, Limírio Ribeiro Quinta.

Em 1880, o Capitão Cândido Gonzaga de Menezes, filho de Luiz Gonzaga, desagregou Caldas Novas de Santa Cruz e anexou ao município de Vila Bela de Morrinhos. Em 1893, foi elevada a Distrito e criada uma agência dos Correios, tendo como primeira encarregada Maria Carlota S. Miguel. Em 5 de Julho de 1911 foi criado o município de Caldas Novas, levando sua sede à categoria de Vila em 21 de Outubro de 1911, à categoria de cidade em 21 de Junho de 1923 e Comarca de 1ª Entrância em 15 de Junho de 1937.Caldas Novas hoje é conhecida internacionalmente pelas fontes termais, sendo considerada a maior estância hidrotermal do Mundo.

Primeiros habitantes

Sabe-se que os primeiros habitantes desta região foram os índios da tribo caiapó e xavante. Em meio à aridez do sertão, esses índios viviam pacificamente. Como todos os nativos, andavam nus, alimentavam-se de caça e pesca, cultivavam, fabricavam suas armas, cerâmica, instrumentos musicais e trabalhos com fibra vegetal.

No ano de 1722, Bartolomeu Bueno Filho, filho do ”Anhanguera”, teve o primeiro contato com esses índios quando aqui descobriu as fontes principais de Rio Quente.

Seguindo os caminhos desse bandeirante, chega Martinho Coelho de Sirqueira a essa região, conhecida como Caldas de Santa Cruz (essa cidade, uma das mais antigas, está localizada a 69 km da atual Caldas Novas).

Dois fatores contribuíram muito para o povoamento da região: as águas termais e ouro que era farto às margens do córrego das caldas, na época denominado córrego das lavras.

Entusiasmado com o manancial de águas quentes, Martinho coelho fixou residência ali, de olho também nas minas de ouro que se multiplicavam: apossou de uma vasta gleba de terra na localidade e construiu o sitio das caldas, em seguida requereu a sesmaria (direito de posse) das terras, legalizando suas propriedades, onde se dedicou ao garimpo de ouro. Logo a notícia da existência de ouro e do valor medicinal das águas se espalhou atraindo centenas de forasteiros e doentes, que construíram barracos às margens do córrego das lavras.

Martinho Coelho e seu filho Antônio, os proprietários do garimpo, também se preocuparam em construir banheiras de lajes de pedras com bicas de madeira para facilitar o uso das águas termais pelos inúmeros freqüentadores que buscavam o local.

Durante duas décadas Martinho Coelho de Siqueira trabalhou na mineração do ouro, coma ajuda dos escravos de sua propriedade e do filho Antônio Coelho de Siqueira. Quando percebeu que as reservas auríferas estavam se exaurindo, vendeu vários lotes de terra, deixando a fazenda de caldas para seu filho e depois mudou com o restante da família para meia ponte, onde morreu em 1916, deixando muitos herdeiros espalhados por caldas novas, Santa Luzia e Vila boa.

Seu filho Antônio Coelho de Sirqueira continuou a explorar o garimpo até este tornar-se totalmente improdutivo. ”Deste tempo de mineração ainda se podem perceber os rastros das escavações na terra deixados por aqueles garimpeiros”.

A fama das águas quentes já teria se espalhado ainda mais, atraindo inclusive o capitão-geral da província de Goiás, o governador Fernando Delgado de Castilho, para tratar de doença reumática, deslocou-se de Vila Boa até Caldas Novas, percorrendo cerca de 400 km em liteira, carregado por escravos, a fim de se tratar de um reumatismo que o deixara entrevado. Sendo recebido por Antônio Coelho, que para ele mandou construir uma banheira especial. O governador, tendo êxito na cura de sua doença, autorizou a propaganda oficial das águas termais, atraindo também em 1819, Auguste de Saint-Hileire,(o primeiro estrangeiro a pisar nesta região), famoso botânico e escritor francês que esteve aqui, financiado por Dom João VI para repouso e pesquisas.

Caldas Novas tinha , em 1842, cerca de 200 habitantes. Naquela época uma das primeiras aspirações das pessoas de uma localidade que estava se formando, era ter uma igreja. Em 1850, foi construída por Luis Gonzaga de Menezes, a igreja matriz, que é a mesma até hoje, tendo sofrido pequenas modificações.

Desde o descobrimento das águas termais de Caldas Novas até a segunda década do século 20,as pessoas tomavam seus banhos termais no córrego das lavras, hoje córrego da Caldas, que corta a cidade. Em 1910 foi construída a primeira casa de banho particular por Victor Ozeda Alla, mas foi em 1920,que o farmacêutico Ciro Palmerston construiu o primeiro balneário público, para atender à procura crescente de pessoas que vinham tratar da saúde. Os visitantes, chamados de ”aquáticos”, pela população local, costumavam se instalar em pequenos hotéis e pensões e se deslocavam para o balneário para tomar os banhos termais.

Liderados por Bento de Godoy vieram Orcalino Santos, Victor Ozeda Alla, João Batista da Cunha e outros. Eles chegaram à pequena vila que já começava a virar cidade a partir de 1900. A autonomia política, concedida a Caldas Novas, deu-se graças à solicitação destes à sede de Morrinhos.   

Em 1911, por ordem de presidente do Estado, Urbano Gouveia, no dia 5 de julho nomeou Bento de Godoy como presidente da primeira intendência que foi instalada no dia 21 de Outubro. Desde então, nesta data se comemora o aniversário de Caldas Novas. 

Foi durante sua administração (1911 a 1915) que Caldas Novas tomou um novo impulso para o desenvolvimento.

A cidade crescia, graças à dedicação e grande força de vontade de: Bento de Godoy, Orcalino Santos, Victor de Ozeda Allá, João Batista da Cunha, Joaquim Rodrigues da Cunha, José Teófilo de Godoy, Orcalino Costa, Josino Ferreira Brettas, Modesto Pires do Oriente, Joaquim Gonzaga Menezes, Luiz Gonzaga de Menezes, Orosimbo Correia Neto, Olegário Pinto, Orlando Rodrigues da Cunha (Mestre Orlando), Oscar Santos e Celso Godoy.

Além de muitos e muitos outros, são nomes que a história de Caldas Novas reverencia hoje e jamais as esquecerá.

Fonte: www.guiacaldasnovas.com.br

Caldas Novas

Caldas Novas é famosa pelos poderes medicinais de suas águas termais, cuja temperatura chega a 45° centígrados. Hospitaleira como toda cidade goiana, oferece artesanato variado e saborosa culinária típica.

Com águas entre 34 e 42ºC, dispõe de piscinas com ondas, coberta e infantil, saunas, toboáguas, playground, duchas, ofurô, grutas, hidromassagem, quadras de areia, jogos eletrônicos, muro de escalada e lazer monitorado, além de serviços de baby-sitter, berçário, fraldário, guarda-vidas, ambulatório, restaurante, bar molhado, lanchonetes e sorveterias. Saudável e variada, a culinária de Caldas Novas mistura peixes e aves com frutos do cerrado como o pequi, usado em pratos típicos como o arroz com pequi e a tradicional galinhada. Outras delícias da região são o peixe na telha, a pamonha, o empadão goiano e os doces caseiros, muito bem acompanhados pelos excelentes licores produzidos na cidade.

Comidas típicas

Caldas Novas e seus pratos de dar água na boca. A cidade trabalha sua gastronomia com base em ingredientes típicos desta região. É possível provar os docinhos, que variam de doce de leite, de abóbora e de abacaxi, até os mais diferentes, como doce de queijo, de jiló e de tomate.

Empadão Goiano

Pequi – fruto típico do cerrado

Palmito de sabor amargo

Jurubeba

Guariroba

Doce de leite

Abóbora

Abacaxi

Jiló e de tomate

Doce de queijo

Jiló e de tomate

Galinhada com pequi

Carne seca

Arroz e pequi

Fonte: www.freetimeturismo.com.br

Caldas Novas

OS ENCANTOS DE CALDAS NOVAS (GO)

Conhecido no mundo todo por ser a maior estância hidrotermal do mundo, Caldas Novas é um dos principais polos turísticos do Centro-Oeste e muito famosa pelos poderes medicinais de suas águas.

Hospitaleira como toda cidade goiana, ela oferece artesanato variado e saborosa culinária típica. Muito saudável, a culinária local mistura peixes e aves com frutos do cerrado como o pequi, usado em pratos típicos como o arroz com pequi e a tradicional galinhada. Outras delícias da região são o peixe na telha, a pamonha, o empadão goiano e os doces caseiros, muito bem acompanhados pelos excelentes licores produzidos na cidade.

Inspirado nos jardins dos templos budistas, o Jardim Japonês é uma das opções de passeio em Caldas Novas.

O local é guardado por dragões e tudo tem um significado: as tamareiras representam os amigos, os cactus representam os inimigos e a ponte representa a paz.

Em meio à natureza exuberante, os visitantes são convidados à meditação em um lugar repleto de misticismo e livre do estresse cotidiano.

Entre os atrativos mais visitados de Caldas Novas está o Lago de Corumbá. Projetado e construído artificialmente, ele fica a apenas 3km do centro da cidade e é excelente para a prática de esportes aquáticos, passeios de barco ou até mesmo a pesca. O Parque Estadual da Serra de Caldas é outra boa opção se você gosta de fazer trilhas pela mata.

Para um passeio mais cultural, visite a Paróquia de Nossa Senhora das Dores, de 1850, sendo a construção mais antiga da cidade. À noite, divirta-se em um dos barzinhos localizados na Praça Central.

Fonte: www.mt.gov.br

Caldas Novas

Por que ir

Todos os anos, mais de um milhão de turistas visitam a pequena Caldas Novas. Eles chegam em busca das águas quentes do balneário, considerado a maior estância hidrotermal do mundo. Com temperaturas variando entre 30 e 57 graus, as centenas de piscinas dos hotéis e dos clubes atraem especialmente grupos da terceira idade e famílias com crianças, que lá encontram atividades recreativas e muita diversão dia e noite. Relaxar também faz parte do programa – quem resiste a uma banheira de hidromassagem ao ar livre com água bem quentinha?

Fora dos hotéis também há muito o que fazer. Imperdível é passar um dia no Hot Park, que oferece muito mais que piscinas térmicas. O maior complexo de lazer da região – instalado na cidade de Rio Quente, a 30 quilômetros – tem corredeiras e toboáguas radicais que encantam crianças e adultos. Já na Lagoa de Pirapitinga, onde estão as nascentes com as mais altas temperaturas de Caldas Novas, o destaque é o Poço do Ovo, com águas que borbulham a 57 graus.

Caso o corpo sinta falta da água fria, tome a direção do Lago de Corumbá, um espelho d’água com 65 quilômetros quadrados, perfeito para a prática de esportes náuticos e passeios de barco. A área já começa a oferecer hotéis de lazer, com infraestrutura para a pesca esportiva e exploração das cachoeiras da região.

Não deixe de conhecer o Parque Estadual da Serra de Caldas. As caminhadas pelas trilhas, feitas exclusivamente acompanhadas por guias, conduzem a refrescantes banhos nas quedas da Cascatinha e do Paredão. Ainda no tour pela reserva, aprecie a flora e a fauna típicas do cerrado, que conferem cores e formas únicas à paisagem.

A natureza, aliás, é generosa também com a culinária da região, fornecendo os frutos que dão o gosto tão especial aos pratos tradicionais, como a galinhada com pequi e guariroba. Para a sobremesa, doces de frutas e de leite produzidos artesanalmente e que merecem ser levados para casa. As delícias são encontradas, ao lado de licores e laticínios, em lojinhas no Centro – bons motivos para sair da piscina do hotel e dar uma volta pela cidade.

O que ver e fazer em Caldas Novas

Com água quentinha por todos os lados, o melhor a fazer em Caldas Novas é mergulhar nas piscinas dos hotéis e dos parques aquáticos, seja para relaxar ou para brincar. Não deixe de conhecer o Rio Quente Resort, um complexo de hotéis e atrações como o Parque das Fontes (com bares molhados e piscinas térmicas que funcionam 24 horas) e o Hot Park – mais radical e divertido, com corredeiras e toboágua.

Quem ficar com saudades da água fria pode curti-la no passeio que descortina a Serra de Caldas. O parque estadual oferece trilhas com direito a banhos em cachoeiras de águas geladas. Já o Lago de Corumbá convida à prática de esportes náuticos. O tour deve incluir também uma visita à Lagoa Quente de Pirapitinga, o local onde brotam as águas de maior temperatura da região.

Rio Quente Resort – Parque das Fontes e Hot Park

Dezoito nascentes abastecem as diversas piscinas, corredeiras, toboáguas e lagoas do empreendimento, instalado no município de Rio Quente (31 quilômetros de Caldas Novas).

O complexo, que conta também com hotéis e pousadas, é divido em dois espaços: o Parque das Fontes, com bares molhados, piscinas e espaços para descansar e relaxar que funcionam 24 horas por dia; e o Hot Park, mais radical, com corredeira e toboáguas, mas também com hidromassagem em banheiras de água quente, além da Praia do Cerrado. A “praia” tem areia branca e fina, coqueiros, nove tipos de ondas que podem atingir até 1,20m de altura, restaurante e bar aquático. Quer mais? O espaço oferece aulas diárias de surf!

Caldas Novas
Águas quentes por todos os lados

Entre um mergulho e outro nas águas em torno de 37 graus, uma intensa programação movimenta os visitantes de todas as idades. Entre as atividades, hidroginástica, esportes terrestres e aquáticos, passeios a cavalo ou em pedalinhos, mergulho, trilhas e tirolesa.

E mais: shows, apresentações teatrais e semanas temáticas – um dos destaques é o Festival das Nações, que homenageia os países através da decoração, da gastronomia e do folclore.

Caldas Novas
Parque das Fontes e Hot Park

Caldas Novas
Parque das Fontes e Hot Park

Caldas Novas
Parque das Fontes e Hot Park

Lago de Corumbá

Além de abastecer a Usina Hidrelétrica de Corumbá I, o Lago de Corumbá é ponto de encontro dos praticantes de esportes náuticos. Com 65 quilômetros quadrados, é cenário para passeios de lancha, barco e jet-ski, que levam a cachoeiras e também a bares ao longo da “orla”. A pesca esportiva incrementa o movimento, principalmente quando há campeonatos.

Caldas Novas
Espelho d’água é ponto de encontro para curtir e relaxar

Caldas Novas
Lago tem 65 quilômetros quadrados de espelho d’água

Parque Estadual Serra de Caldas

Criado em 1970 para proteger o principal ponto de recarga do lençol termal da região, o Parque Estadual Serra de Caldas só foi estruturado para receber os visitantes em 1999. Em toda a sua extensão, que é de 123 quilômetros quadrados, as belezas da flora e fauna do cerrado brasileiro colorem o cenário. A reserva oferece duas trilhas – Cascatinha e Paredão, de níveis leve e intermediário – que levam a cachoeiras e a mirantes que descortinam bonitas paisagens a 1.043 metros de altitude. As caminhadas, que levam entre 1h20 e 2h20, só podem ser feitas com o acompanhamento de guias. Entre as recomendações estão o uso de sapatos apropriados e confortáveis, calças compridas e protetor solar. Lanche e sacos de lixo também são bem-vindos.

Obs: Para visitar o parque é necessário agendamento prévio

Como chegar: Acesso pela Av. Bento de Godoy, sentido Uberlândia. Chegando no trevo, seguir em frente, pela rua asfalta, por seis quilômetros

Caldas Novas
Banhos refrescantes na cachoeira do Paredão

Caldas Novas
Cachoeira dentro do parque estadual Serra de Caldas Novas

Lagoa Quente de Pirapitinga

As nascentes mais quentes do Brasil estão no Parque Aquático da Lagoa de Pirapitinga, cujas temperaturas ultrapassam a marca dos 50 graus. Por ali fica o Poço do Ovo, onde a água, bastante verde, chega a 57 graus. O nome vem do fato de muitas pessoas cozinharem ovos no local. Além do parque, repleto de piscinas com nascentes naturais, o espaço conta ainda com infra-estrutura para camping com banheiros, restaurantes, sauna, quadras e espaço para esportes radicais, como o arvorismo.

Como chegar: Acesso pela estrada para Pires do Rio, Km 5,8

Caldas Novas
Lagoa Quente – Caldas Novas/GO

Caldas Novas
Vista da Lagoa do Pirapitinga – belo lugar

Comprar doces e licores

A variedade de doces e licores artesanais produzidos na região é um convite irrecusável para sair da dieta. Seguindo receitas tradicionais, as lojinhas de Dona Maria, Dona Ana e Dona Olga oferecem doces de leite, de frutas, compotas, cajuzinhos e bebidas que combinam baunilha, chocolate e pequi – fruto típico da região. As delícias são mimos perfeitos para agradar a amigos e familiares.

Onde Comer em Caldas Novas

A maioria dos hotéis de Caldas Novas inclui em seus pacotes o serviço de pensão completa, oferecendo café da manhã, almoço e jantar. Nos imensos bufês há opções para todos os gostos, entretanto, vale a pena seguir para algum dos restaurantes que servem as delícias típicas da gastronomia goiana. Tendo o frango como destaque, a culinária oferece receitas únicas, como a Galinhada – frango cozido com arroz, pequi (fruto de árvore da região) e guariroba (fruto de palmeira). Para experimentar as especialidades regionais, siga para o Papas. Já o italiano Nonna Mia é um dos mais concorridos quando o assunto é galeto. A cidade oferece ainda pizzarias, churrascarias e restaurantes self-service.

Nonna Mia

A especialidade da casa é o rodízio de galeto.

Papas

Compras em Caldas Novas

Guarde um lugarzinho na mala para trazer as deliciosas lembranças de Caldas Novas, produzidas nas pequenas fábricas artesanais de doces caseiros. Há mais de 40 anos, os Doces Caseiros Dona Maria são preparados de acordo com as antigas receitas. São mais de dez variedades, desde os tradicionais – leite, mamão e abóbora – até os mais exóticos, como os de tomate e de jiló. Nos mesmos moldes são preparados os doces de Dona Ana.

Também artesanais são as bebidas, como os licores de Dona Olga, que ganham aroma e sabor de flores, frutas e ervas. Um dos destaques é o Pequirula, feito com chocolate, leite, baunilha e pequi (fruto típico da região), imitando o sabor da Amarula. Já as cachaças envelhecidas são encontradas na cachaçaria Vale das Águas Quentes, que produz a aguardente seguindo os padrões das fazendas coloniais. Os laticínios da região também são famosos. Da fábrica Serina saem queijos, manteiga, requeijão, iogurte e doce de leite que abastecem o mercado nacional. E até a farinha de mandioca, em várias versões, merece um espaço na bagagem. Além de pura, é encontrada também nas formas temperada e tipo biju, na Casa da Farinha.

A ausência de uma estrutura maior para abrigar os artesãos não impede de conhecer os trabalhos produzidos na região, em especial os feitos em cerâmica.

Duas feiras reúnem os artistas: a das Águas Quentes, que acontece às sextas-feiras na Avenida Antônio Sanches; e a do Luar, aos sábados, atrás do Sambódromo. Já a arte em toras de madeira é encontrada no ateliê do índio xavante Pedro Pereira, que funciona no Hotel Parque das Primaveras. As esculturas, que retratam pássaros, animais, flores e pessoas, já foram expostas no Brasil e no exterior.

Quando ir a Caldas Novas

Caldas Novas pode ser visitada o ano todo, sendo que o verão é chuvoso (de novembro a março). Nos principais feriados – e também durante o Caldas Fest Folia, em abril – a programação de shows costuma lotar a cidade de jovens e é recomendável reservar hotéis com antecedência.

Caldas Fest Folia

Caldas Novas também tem seu Carnaval fora de época. O Caldas Fest Folia acontece durante três dias do mês de abril, reunindo milhares de pessoas no Caldas Park Show, principal espaço de eventos da cidade. Entre as atrações, nomes consagrados da folia baiana.

Folia de Reis

As comemorações acontecem no Dia de Reis, 06 de janeiro, em fazendas na região do Sapé de Baixo. Além de apresentações folclóricas dos grupos de folia, a animação é garantida com o som das sanfonas e das violas, que dão ritmo às danças tradicionais. Comidas e bebidas típicas do Centro-Oeste são encontradas nas diversas barraquinhas.

Fonte: feriasbrasil.com.br

Caldas Novas

Um Paraíso Chamado Caldas Novas

Conhecida como a maior estância hidrotermal do mundo Caldas Novas em Goiás tem recido todos os anos mais de um milhão de turistas. Suas águas tem uma temperatura variante de 20 a 60 graus.

Com a sua principal fonte de renda voltada para o turismo, Caldas Novas possui vários hotéis, chalés, pousadas e casas noturnas.

Com seus hotéis possuindo piscinas de águas quentes, tornando assim um ótimo lazer para idosos e adultos em geral.

Quem optar por se instalar em algum apartamento ou uma casa sem piscina, poderá se refrescar no Hot Park, a 30 quilômetros da região. Nele, que é o maior complexo de lazer da região, você terá corredeiras e toboáguas à disposição.

Outra opção para se refrescar em Caldas Novas é o Lago de Corumbá, de 65 quilômetros quadrados, bastante procurado também para passeios de barco, e pesca esportiva.

Trilhas, sucedidas por banhos de cachoeira, podem ser realizadas no Parque Estadual da Serra de Caldas, onde você poderá fazer também um tour e conhecer a flora e a fauna típicas do cerrado.

Com mais de um milhão de turistas todos os anos, o município de Caldas Novas, em Goiás, é conhecido como a maior estância hidrotermal do mundo. Suas águas brotam do chão em temperaturas que variam de 20 a 60 graus.

Por ter sua principal fonte de renda no turismo, Caldas Novas possui uma excelente estrutura de hotéis, chalés, pousadas, casas noturnas e bares, e também vem sendo bastante procurado por ecoturistas.

Seus resorts e hotéis contam com piscinas de águas quentes, com temperaturas variando entre 30 e 57 graus, onde especialmente grupos de terceira idade e famílias com crianças que relaxam e se divertem, já que há atividades recreativas dia e noite.

Quem optar por se instalar em algum apartamento ou uma casa sem piscina, poderá se refrescar no Hot Park, a 30 quilômetros da região. Nele, que é o maior complexo de lazer da região, você terá corredeiras e toboáguas à disposição.

Outra opção para se refrescar em Caldas Novas é o Lago de Corumbá, de 65 quilômetros quadrados, bastante procurado também para passeios de barco, e pesca esportiva.

Trilhas, sucedidas por banhos de cachoeira, podem ser realizadas no Parque Estadual da Serra de Caldas, onde você poderá fazer também um tour e conhecer a flora e a fauna típicas do cerrado.

Onde Comer

A maior parte dos hotéis de Caldas Novas inclui em seus pacotes o serviço de pensão completa, que conta com café da manhã, almoço e jantar. Nos saborosos bufês as opções são para todos os gostos e paladares, mas, vale a pena conferir algum restaurante que serve as delícias típicas da gastronomia de Goiás.

Tendo o frango como destaque, a gastronomia oferece pratos únicos, como a Galinhada, que é uma espécie de frango cozido com arroz, pequi, que é um fruto da região, e guariroba, fruto da plameira. Para experimentar as especialidades da região, vá para o Papas. Já o italiano Nonna Mia é um dos mais disputados quando falamos de galeto. A cidade ainda conta com churrascarias, pizzarias e restaurantes no serviço de self-service.
Onde Se Hospedar

Best Western

Caldas Novas

Super prático, aconchegante e moderno, o Best Western Suites Le Jardin é um hotel de luxo com diversos serviços de alto padrão. Situado na parte nobre de Caldas Novas, o hotel tem tudo o que você precisa para viver momentos incríveis e inesquecíveis em um espaço criado sob medida para um público com muito estilo e exigente.

Ou seja, o Best Western Suites Le Jardin tem como meta satisfazer e proporcionar a você e a todos os seus hóspedes os melhores momentos de sua vida! Vale citar que o Best Western Suítes Le Jardin faz parte da maior rede de hotéis de todo o mundo. O hotel ainda oferece um Resort Spa super moderno, com saunas úmidas e seca, ôfuro em ambiente privativo e hidromassagem, para que você possa relaxar muito durante toda a sua estadia.

Hotel Morada do Sol

O Hotel Morada do Sol conta com 112 aconchegantes e confortáveis apartamentos, sete piscinas termais, restaurantes, bar, estacionamento, e um completo entretenimento para você e para todos os seus hóspedes.

Quando ir

Saiba que Caldas Novas pode ser visitada durante o ano inteiro. Mas, o verão é chuvoso, de novembro a março. Nos principais feriados, e ainda durante o Caldas Fest Folia, em abril, saiba que a programação de shows costuma lotar toda a cidade de jovens e o ideal é reservar os hotéis para a sua hospedagem com bastante antecedência.

Caldas Fest Folia

É o seu Carnaval fora de época. O Caldas Fest Folia ocorre durante três dias do mês de abril, e reúne milhares de pessoas no Caldas Park Show, que é o principal espaço de eventos da cidade. Entre as suas atrações principais, estão nomes consagrados da folia da Bahia.

Fonte: centralturismos.com.br

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.