Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Zâmbia  Voltar

Zâmbia

ZÂMBIA, TERRA DE LIVINGSTONE

É o lugar onde Livingstone passou a maior parte de sua vida descobrendo belas paragens, dedicando a isto todas as energias físicas e espirituais; entre os lugares mais importantes há que destacar as Cascatas Vitória. Livingstone morreu em Zâmbia e o cortejo fúnebre que levou seu corpo até a costa de Tanganica estava composto por seus mais fieis seguidores, os indígenas.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Com uma superfície de 752.614 quilômetros quadrados Zâmbia está rodeada pela República Democrática do Congo (antigo Zaire), Tanzânia, Angola, Malaui, Moçambique e Namíbia.

É um planalto com algumas montanhas isoladas de altitude entre 900 e 1.500 metros. Os rios mais importantes são o Zambeze e seus afluentes Kufue e Luangwa; são importantes os lagos Bangweulu, Mweru e Tanganica; e, do outro lado, no sul, as Cascatas Vitória. A mineração é a base da economia da Zâmbia, sobretudo o cobre. Os principais cultivos do país são o milho, tabaco e amendoim.

O clima é tropical com temperaturas temperadas. Durante a estação úmida, de outubro a março, chove durante umas horas e logo o sol sai. Os meses de maior calor são de outubro a novembro enquanto que de maio a setembro as temperaturas são mais frescas.

FLORA E FAUNA

Devido à escasez de chuvas, Zâmbia possui uma flora nada exuberante. Nos lugares onde extende-se a savana crescem ervas altas, arbustos e algumas árvores de pequena estatura. Na medida que o clima se torna mais úmido, a savana aumenta em espessura ou converte-se em um auténtico bosque. O lugar onde atinge-se a maior extensão de flora é nas beira dos rios e lagos.

Na selva cresce, sobretudo, a teca; nas zonas pantanosas, o papiro. Pode-se ver também em Zâmbia o baobab.

A fauna está protegida por normas precisas que regulam a caça; igual que no resto da África, aqui também criaram-se parques nacionais onde a única em influir nos animais é a natureza. Entre os parques mais importantes encontra-se o de Kafue, com uma importante reserva de olifantes, rinocerontes, búfalos, girafas, zebras, leões, leopardos, avestruzes, hienas, crocodrilos, guepardos e hipopotamos.

HISTÓRIA

Os restos mais antigos da Zâmbia são as pinturas rupestres dos bosquimanos, o qual não significa que foram os primeiros habitantes deste território, embora chegaram antes que os pretos. Existem achados restos de um homem paleolítico, o Homo Rhodesiensis, na zona norte, concretamente em Brokem Hill.

Presença Árabe

Os árabes chegaram à antiga Rodésia (antiga colônia britânica composta pelo que são hoje Zimbabue, Zâmbia –Rodésia do Norte- e Malaui) desde o oceano Índico onde tinham-se estabelecido para conseguir escravos. A dominação árabe supus vários séculos de terror.

Livingstone e a colônia

No século XVI, o país esteve sob a influência portuguesa com importantes explorações por parte deles e com algúm estabelecimento permanente.

A verdadeira história da antiga Rodésia acontece durante o século XIX com as explorações do missionârio escocês Livingstone, quem fez amizade com Sebituane, no poder entre os anos 1846 e 1864, data em que os baratse adquiriram o mando. A primeira cosa que Livingstone fez foi reconhecer em 1853 uma parte do rio Zambeze. Em 1854, ao chegar à costa atlântica, descobre as Cascatas Vitória. Atravessou a antiga Rodésia e Moçambique e chegou até o Índico.

Entre 1855 e 1863 explora o curso inferior do rio Shire e descobre o Lago Nyasa.

Em 1866 em uma expedição através da antiga Rodésia e Nyasaland (hoje Malaui) descobre os lagos Banguelo e Muewra. As descobertas deste explorador fizeram conhecer melhor os territórios de Zâmbia, Rodésia do sul (atual Zimbabue) e Malaui, e favoreceram sentimentos contrarios à escravatura.

Em 1856 funda-se a missão anglicana de Inyati que deu origem ao primeiro estabelecimento permanente de europeus. Após a morte de Livingstone é Cecil Rhodes quem começa sua aventura.

A princípios do século XIX o chefe Moselekatse consegue o mando ao vencer à tribo dos mashona. Em 1870 Lobengula segue a este chefe. Os emisários de Rhodes assinaram um acordo com Lobengula, o que permitiu a Rhodes pôr o território dos matabele em mãos da British Sout-Africa Company. Em 1893 os matabele revooltam-se contra a companhia e se forma o Protetorado da África Central na antiga Nyasaland; no ano seguinte morre Lubengula e em 1895 o território passa a chamar-se Rodésia.

Século XX

No ano de 1902 morre Cecil Rhodes. Durante este século têm lugar acontecimentos importantes na história de Zâmbia; estabelece-se um governo local em Rodésia do Sul. Em 1924 a Companhia cesa sua atividade. Em 1963 desintegra-se a federação que em 1953 formaram Rodésia e Nyasaland e em 1964 é proclamada a independência de Zâmbia e Malaui; no ano seguinte é a vez de Rodésia do Sul.

Zâmbia foi parte integrante da Federação de Rodésia e Nyasaland; atingindo sua independência o 24 de outubro de 1964.

Na atualidade o chefe de estado e de governo é Frederick Chiluba, escolhido em novembro de 1991.

ARTE E CULTURA

Os documentos mais antigos que provam uma atividade humana em toda a antiga região rodesiana são as pinturas rupestres dos bosquimanos.

Encontrará manifestações artísticas em todos os centros culturais das cidades e aldeias, e inclusive nos mercados.

GASTRONOMIA

Não pode-se falar de uma cuzinha típicamente de Zâmbia, pois a gastronomia do país está fortemente influênciada pela cuzinha inglesa. Destacam os pratos de peixe como o besugo, perca e nkupi, um delicioso salmão de lago, ou as carnes de antílope, frango ou porco. A especialidade mais típica é o shima, a base de milho com carnes de frango e porco.

Bebidas

Nos restaurantes de luxo e nos hotéis de prestígio encontrará uma boa variedade de bebidas europeias. O aconselhável é beber água engarrafada e evitar aquelas bebidas locais que não reúnam as condições sanitárias necessárias.

COMPRAS

Entre as compras que podem-se realizar na Zâmbia encontram-se as máscaras e estatuinhas de madeira utilizadas nos ritos cerimoniais; também são bastante apreciados os objetos de pele e cuoro, assim como as jóias elaboradas com pedras semi-preciosas. O artesanato local compreende também instrumentos de música e armas tribais, objetos de cestaria e madeira lavrada. Não se esqueça de adquirir tambores, cestas e peças de cobre.

Existem numerosos mercados nos principais lugares turísticos.

POPULAÇÃO E COSTUMES

A população de Zâmbia ronda os 9 milhões de habitantes e compoe-se de variadas etnias. A maioria pertenece à etnia bantú, e também está composta das minorias joisánidas, asiáticas e brancos. A capital é Lusaka onde vivem em volta de 1 milhão de habitantes.

Embora o inglês é o idioma oficial, falam-se mais de 35 dialetos como o bamba, nyanja e tonga. Gozam de uma admiração especial os barotse, cujo rei, com a mundaça de estação, traslada-se em uma processão de canoas de grande atrativo turístico. A tribo balla leva um curioso penteado em ponta conseguido com pasta de estrume de antílope. São muito espetaculares os ritos fúnebres e os exercicios de iniciação dos pretos.

ENTRETENIMENTO

Nas cidades mais importantes existem alguns locais noturnos de influência inglesa. Porém, os principais entretenimentos são os esportes de aventura e a visita aos Parques Nacionais. Em Livingstone é possível contratar um guia para ver o Parque Nacional Mosi-Oa-Touya onde habitam rinocerontes brancos.

Outra possibilidade é alugar embarcações para descer pelo rio Zambeze, vendo os hipopotamos e olifantes. Pode-se praticar o rafting, vôos por cima das cascatas e outros esportes como o trekking e puenting. A entrada aos parques nacionais é considerável em relação a outros países.

Parque Nacional de Kafue

Tem uma extensão de 22.400 quilômetros quadrados, é um dos maiores da África. Os meandros do rio oferecem aos amantes da pesca uma boa possibilidade de pôr em prática suas habilidades. São prolíficos os pequenos antílopes, variedades de pássaros e zonas úmidas. O principal acesso é via Mumbwa desde Lusaka, ou através do sul do Parque via Namwala vindo de Livingstone (só na estação seca).

Parque Nacional Luangwa

Com 9.050 quilômetros quadrados de extensão é dos mais selvagems e cheios de vida animal. A atração principal é fazer safaris por todo o parque.

FESTIVIDADES

São dias festivos oficiais o 1 e 4 de Janeiro; o 12 de março, Dia da Juventude; o 1 e 25 de maio, Dia da Libertade; 1 e 2 de julho Festa dos Heróis e da Unidade; 5 de agosto, Dia dos Camponeses; 24 de outubro, Dia da Independência; 24 e 25 de dezembro, Natale.

TRANSPORTES

Avião

O aeroporto de Lusaka encontra-se a 26 quilômetros do centro da cidade. Desde este aeroporto internacional há vôos que ligam os principais pontos de população de forma regular. Nestes momentos os vôos são cobertos por Aero Zâmbia e Zâmbia Express

Trem

Há uma linha de ferro que une a capital com Ndola e Kitwe. Outra linha procede de Tanzânia cruzando de nordeste a sudoeste via Nakoude.

Carro

Existem dois eixos principais, de sul a norte Livingstone-Kitwe e Lusaka-Chipata. A maioria das estradas não estão asfaltadas.

Transporte Público

Existe um serviço de ônibus a comunicar as principais povoações, assim como táxis coletivos. Lembre combinar o preço antes de iniciar o trajeto.

Fonte: www.rumbo.com.br

Zâmbia

O nome "Zâmbia" é derivado do rio Zambeze, e possui uma riqueza de referências naturais, bem como uma indústria de turismo voltada para exibir o esplendor do país.

A República da Zâmbia é o país mais central localizado na região sul da África e é, portanto, o destino ideal para explorar a região.

Partes Zâmbia suas fronteiras ao norte com a República Democrática do Congo e Tanzânia; no leste com o Malawi e Moçambique, ao sul com o Zimbabwe, Namíbia e Botswana, e no oeste com Angola.

Com uma superfície de 750.000 km2, existem 19 parques nacionais, seis grandes lagos, mais de 20 grupos étnicos diferentes, vários museus, sítios arqueológicos e as maravilhas naturais incomparáveis das Cataratas Vitória e Rio Zambeze. Para aqueles que procuram uma experiência fantástica vida selvagem Africano, a Zâmbia tem muito a oferecer, incluindo todos os "Big Five" e mais de 700 espécies de pássaros. A rica vida selvagem do país pode ser facilmente explorada a pé, safaris todo o terreno (4x4) veículos e / ou safaris canoagem.

LOCAIS DE INTERESSE

É claro, o espetáculo mais impressionante da Zâmbia é a Victoria Falls, originalmente dado seu nome Inglês pelo famoso missionário e explorador Dr. David Livingstone. As pessoas locais se referem às quedas, que é do Sul e da África Central maravilha natural como "Mosi-oa-Tunya" traduzido literalmente significa "o fumo que troveja". Victoria Falls é a maior cortina de água que cai no mundo alongamento 1.708 metros de diâmetro e, enquanto não o maior, é, definitivamente, a cachoeira mais majestoso do mundo! Há vôos aviões ultraleves e balão sobre as quedas, bem como inúmeras trilhas para apreciar a paisagem de tirar o fôlego para incluir a observação de pássaros, caminhadas, mountain bike e cavalgadas. Há até mesmo um bungi emocionante saltar da Ponte das Cataratas Vitória, o salto segundo mais alto do mundo, onde uma gravação de vídeo permite que você reviver a sua experiência.

Lago Tanganyik um é outro local de interesse especial, embora raramente está associada com a Zâmbia. Águas do lago Tanganica de toque Tanzânia, Burundi, Congo e Zâmbia. É o lago mais longo água doce do mundo e mais profunda o segundo depois do Lago Baikal na Rússia. Atinge uma profundidade de 1433 metros (4700 pés), o que é uma espantosa 642 metros abaixo do nível do mar. Outro site especial é Kafue National Park, que é a maior reserva de caça na África. Alongamento do Lago Itezhi-Texhi, no sul de Plains espaçosos Busanga no norte, é o lar de uma abundância de vida selvagem e vegetação exuberante, regada pelos rios Kafue e Lunga.

O menor Zambezi National Park é um lugar tranquilo, onde o rio Zambeze - apesar de um dos maiores no continente - se espalha suas margens de largura para criar vistas intermináveis de águas que fluem lentamente. As planícies de inundação subseqüentes fornecer santuário para grande jogo e uma infinidade de espécies de pássaros. A pesca também é um passatempo essencial para os visitantes da área e aqueles que são mais aventureiros podem colocar as suas habilidades contra o peixe tigre feroz. As planícies de inundação Bangwuelu no norte do país apresentar exposições magníficas de fauna migratória, dependendo da temporada. Nas cabeceiras do rio Kafue, 60 km a oeste de Chingola, está o Orfanato Chimfunshi Wildlife. Seu nome é algo redutora como Chimfunshi é um centro de reabilitação do chimpanzé e do santuário.

FATOS E NÚMEROS

A República da Zâmbia, anteriormente conhecido como Rodésia do Norte, tem sido independente desde 24 de outubro de 1964. O atual Chefe de Estado é o presidente HE Levy P. Mwanawasa. População da Zâmbia é estimado em 9,7 milhão com a vida de 56% em áreas rurais. A cidade capital da Zâmbia é Lusaka, com uma população de mais de dois milhões. Outras cidades importantes incluem Maramba (anteriormente Livingstone), Kitwe, Ndola, Kabwe e Mufulira. Inglês é a língua oficial, e há alguns dialetos 73 regionais, que se dividem em grupos de línguas principais de Nyanja, Tonga, Bemba, Lozi, Kaonde, Kilunda, Luvale e Lunda.

Cerca de 20 por cento da população é cristã com alguns hindus e muçulmanos. O resto da população pratica tradicionais crenças africanas. Com uma variedade tão grande de grupos étnicos, há grandes diferenças entre as culinárias locais. No entanto, a maioria dos pratos tradicionais dependem de um grampo de vegetais, combinadas com carne ou peixe.

A maioria do país cai em uma região de planalto, que tem um clima agradável e é uma terra de floresta intocada, exuberante savana e planícies vastas. O vale do rio Zambeze é uma área de baixa altitude, que vão desde áreas costeiras pantanosas que executam a extensão das fronteiras ocidentais e do sul, com um clima mais quente e úmido. As áreas do extremo norte, chegando a um platô e cadeias de montanhas, tem um clima mais tropical como de costume eles chegarem às margens do Lago Tanganyika. Apesar da localização tropical, a altitude do planalto da Zâmbia garante um clima confortável durante todo o ano nos vales dos rios onde é marcadamente mais quente. Zâmbia tem três estações básicas - fresco e seco de maio a agosto, quente e seca, de setembro a novembro e quente e úmido de dezembro a abril.

A moeda local é o Kwacha e baixo custo da Zâmbia de vida e taxa de câmbio favorável representam excelente custo-benefício para todos os turistas e visitantes estrangeiros. Zona da Zâmbia horário é GMT +2.

O código do país é de 260 e os códigos de área a seguir se aplicam: Lusaka 01, Chipata 062, Chirundu 01, Kapiri Mposhi 05, Kasma 04, 02 Kitwe, Livingstone 03, e Ndola 02. Existe um telefone funcional e serviço postal em todo o país, bem como instalações de telefonia celular e Internet na capital. Fora das áreas urbanas e grandes resorts, a água potável deve ser fervida e filtrada ou tratada com comprimidos de purificação. Eletricidade, de 99,5 por cento, que é gerada pelo sistema de Kariba hidroeléctrica, roda a 220.240V AC, 50Hz.

ECONOMIA

A Zâmbia é um das regiões mais ricas do mundo para minérios metálicos, mas é bastante subaproveitado. A exportação de cobre responde por aproximadamente 70 por cento da receita externa da Zâmbia. Internamente, o país é essencialmente agrícola, baseado com cerca de 30 por cento do PIB neste setor. A economia também é dependente dos recursos minerais extensos (exceto cobre) do país, incluindo cobalto e zinco - que conta para outra de vinte por cento do PIB. A agricultura ea silvicultura respondem por 16 por cento do PIB com suas culturas principais de rendimento de cana-de-algodão, café, açúcar e tabaco. Além disso, a indústria do turismo teve quase 400.000 visitantes turísticas e estrangeiros, em 1998, representando cerca de US $ 90 milhões em moeda estrangeira.

ALOJAMENTO

Além das instalações de primeira disponíveis em todos os principais destinos dos turistas, fora das grandes cidades, acomodações comerciais é escasso e, quando encontrado, muito básico. Há pousadas mochileiros ", mas alguns poucos parques de campismo, exceto nas áreas turísticas. Visitantes que pretendem fazer caminhadas ou passeios de mochila são fortemente aconselhados a levar sua própria barraca e equipamentos de camping.

Os Parques Nacionais geralmente oferecem quatro tipos de alojamento: campismo (cerca de EUA $ 5 por pessoa), auto-suficiente (EUA US $ 10 a US $ 25), mid-range totalmente satisfeitas lojas (entre EUA US $ 50 a US $ 100) e topo de gama alojamentos (EUA $ 200 inclusive, para US $ 250).

Como chegar

Aeroporto Internacional de Lusaka é de trinta quilômetros da cidade. Voos da América do Norte podem ser organizadas com ou British Airways ou a Sul-Africano Airways. Companhias aéreas europeias como a KLM, Air France e Lufthansa também voar para Lusaka. Zâmbia Airways é a companhia aérea nacional e Sul transportadoras aéreas africanas que voam direto para Lusaka incluem Sul Africano Airways, Air Namíbia, Zimbabwe Air, Air Quênia e Ethiopian Airlines. Todos os visitantes necessitam de passaportes válidos e passagens aéreas de ida e volta. Cidadãos dos Estados Unidos são obrigados a obter vistos que são válidas para até seis meses.

Ferryboats existem em todo o rio Zambeze em Botswana e do Lago Tanganyika via, tanto para a Tanzânia eo Burundi. Transporte terrestre inclui duas ligações ferroviárias principais da fronteira da Zâmbia em Tanzânia e em Dar es Salaam ou através da Ponte das Cataratas Vitória para Bulawayo e Harare, no Zimbabwe. Pela estrada há serviços de transporte disponíveis para o Botswana, África do Sul, Zimbabwe e Malawi, que são frequentes. Viagens internas é mais convenientemente feito usando o grande número de empresas de fretamento privado de ar e, com cerca de 130 aeroportos e pistas de pouso em todo o país, o acesso pode ser adquirida a quase qualquer região da Zâmbia.

SAÚDE

Precauções recomendadas - especialmente se você está visitando reservas de caça - incluir vacinas atuais ou aumentado para hepatite A e poliomielite, assim como uma receita anti-malária. Também é preferível utilizar um inseto repelente eficaz como uma precaução contra a malária e, no caso de zonas remotas, doença do sono.

Itens para trazer: Um bom par de binóculos é recomendado para todos os visitantes a explorar áreas silvestres, bem como qualquer equipamento fotográfico ou de vídeo e uma boa oferta de baterias sobressalentes. Lembre-se que este é um país ensolarado para se certificar de que você tem um chapéu, óculos de sol e bastante protetor solar loção. Vestuário para áreas de jogo deve ser neutro ou terra cores, sapatos sensatos também devem ser incluídos e uma jaqueta corta-vento será útil para os períodos mais frios do dia, como de manhã cedo ou tarde da noite unidades de jogo.

O que comprar: Zâmbia é um bom lugar para comprar pedras preciosas, cestaria fina e uma grande variedade de madeira e esculturas em pedra. Também olhar para as belas tapeçarias e colchas de todo o Vale do Luanwa.

Dez melhores razões para visitar a Zâmbia

1: Proximidade de outros países da África Austral.

Zâmbia é facilmente acessível por via aérea a partir de todas as partes do mundo e tem uma excelente rede ou companhias aéreas regionais, rotas ferroviárias e rodoviárias.

2: Luangwa Valley. South Luangwa é um dos santuários de vida selvagem do mundo. A concentração de jogo em torno do rio Luangwa e seus Ox-Bow lagoas é uma das mais espetaculares da África.

3: Kafue National Park. Esta é a maior reserva de caça na África e oferece a visualização de todas as espécies mais importantes do continente.

4: rio Zambeze. Como um dos maiores cursos de água no continente Africano, este rio atrai espíritos aventureiros para explorar seu comprimento ou desafiar suas corredeiras.

5: Lochinwar National Park. Embora um dos menores parques nacionais, Lochinwar tem mais de 400 espécies conhecidas de aves, bem como outros animais selvagens.

6: Lago Kariba. Um lago artificial 280 km de comprimento. Uma maravilha da engenharia e milagre de conservação.

7: Patrimônio Cultural Há sete grandes grupos étnicos no país, composto por 25 grupos étnicos distintos, com seus próprios rituais exclusivos e 73 dialetos de linguagem..

8: Victoria Falls não o maior, mas certamente cachoeira a maior e mais bonita do mundo.. Victoria Falls é conhecida localmente como Mosi-oa-Tunya ou a "fumaça que troveja".

9: Locais de interesse histórico Museus que preservam a tradição de artefatos étnicos, bem como monumentos famosos de tempos mais recentes lembradas no Monumento Livingstone, o Von Lettow Vorbeck Memorial eo Museu Ferroviário na cidade de Livingstone..

10:. Clima e Infra-estrutura Devido à sua altura acima do nível do mar, a Zâmbia tem um clima muito agradável para uma nação tropical Africano. Isso, ea infra-estrutura bem desenvolvida de transporte e acomodações, o torna um lugar particularmente confortável para visitar.

Helen C. Broadus

Fonte: www.africa-ata.org

Zâmbia

Nome oficial: República de Zâmbia (Republic of Zambia).

Nacionalidade: zambiana.

Data nacional: 24 de outubro (Independência).

Capital: Lusaka.

Cidades principais: Lusaka (982.362), Ndola (376.311), Kitwe (338.207), Kabwe (166.519), Chingola (162.954), Mufulira (152.944) (1990).

Idioma: inglês (oficial), línguas regionais (principais: nianja, bemba, tonga).

Religião: cristianismo 72% (protestantes 34,2%, católicos 26,2%, adeptos de religiões cristãs africanas 8,3%, outros cristãos 3,3%), crenças tradicionais 27%, islamismo 0,3%, outras 0,7% (1980).

GEOGRAFIA

Localização: sul da África.
Hora local: + 5h.
Área: 752.614 km2.
Clima: tropical.
Área de floresta: 314 mil km2 (1995).

POPULAÇÃO

Total: 9,2 milhões (2000), sendo bembas 36,2%, nianjas 17,6%, tongas 15,1%, rotses 8,2%, mambuês 4,6%, tumbucas 4,6%, outros 13,7% (1980).
Densidade: 12,22 hab./km2.
População urbana: 39% (1998).
População rural: 61% (1998).
Crescimento demográfico: 2,3% ao ano (1995-2000).
Fecundidade: 5,55 filhos por mulher (1995-2000
Expectativa de vida M/F: 39,5/41 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil: 82 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: 22% (2000).
IDH (0-1): 0,420 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: República presidencialista.
Divisão administrativa: 9 províncias.
Principais partidos: Movimento pela Democracia Multipartidária (MMD), Nacional (NP).
Legislativo: unicameral - Assembléia Nacional, com 150 membros eleitos por voto direto para mandato de 5 anos.
Constituição em vigor: 1996.

ECONOMIA

Moeda: cuacha zambiana.
PIB: US$ 3,3 bilhões (1998).
PIB agropecuária: 17% (1998).
PIB indústria: 26% (1998).
PIB serviços: 57% (1998).
Crescimento do PIB: 1% ao ano (1990-1998).
Renda per capita: US$ 330 (1998).
Força de trabalho: 4 milhões (1998).
Agricultura: milho, mandioca, milhete, sorgo.
Pecuária: bovinos, caprinos, aves.
Pesca: 70,7 mil t (1997).
Mineração: cobre, cobalto.
Indústria: metalúrgica (cobre), automobilística, refino de petróleo, alimentícia (enlatados), têxtil, materiais de construção (tijolos), armamentista (explosivos).
Exportações: US$ 740 milhões (1998).
Importações: US$ 760 milhões (1998).
Principais parceiros comerciais: Botsuana, Lesoto, Namíbia, África do Sul, Suazilândia, Reino Unido, EUA, Alemanha, Japão.

DEFESA

Efetivo total: 21,6 mil (1998).
Gastos: US$ 63 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal