Breaking News
Home / Turismo / Lunda Sul

Lunda Sul

PUBLICIDADE

Lunda Sul é uma província da Angola, e sua capital é Saurimo. Tem um clima tropical úmido, área de 77 637 Km² e uma população de 400 000 habitantes.

Mapa de Lunda Sul
Mapa de Lunda Sul

CAPITAL: SAURIMO

Municípios: Cacolo, Saurimo, Dala, Muconda;

Clima: Tropical úmido;

Área: 77 637 Km²; altitude de 1.096 metros acima do nível do mar;

População: 400 000 Habitantes; densidade de 5,1 habitantes/ km²;

Principal Produção: Agrícolas arroz, mandioca, milho, horticultura; Abacateiro, Amendoim, Ananás, Batata-Doce, Feijão Cutelinho, Goiabeira, Mandioca, Mangueira, Hortícolas, Recursos Madeireiros, (Floresta tropical), Pinheiro, outros pecuária;

No setor agrário, a província tem condições edaf-climáticas para o cultivo de raízes, tuberculos, leguminosas e cereais com destaque para a cultura do arroz.

É importante a reabilitação e apetrechamento destas capatazias que serviram para o apoio técnico material e fomento da produção agrária das famílias camponesas que paulatinamente se reinstalaram nas suas áreas de origem.

Encontra-se normalizada as comunicações interprovincial com o resto do país.

Minerais: Diamante, manganésio e ferro;

Pastorícia: Bonivicultura de Carne;

Indústria

Materiais de Construção; O atual parque industrial da província é constituído pela Sociedade Mineira de Catoca cuja atividade principal é a extracção de diamantes.

Comércio formal é constituído por uma rede que exerce atividade apenas nas sedes municipais de Saurino e Cacolo. Setor de turismo circunscreve-se a cidade de Saurimo.

Sistema Financeiro e Bancário

Corporizado por uma delegação da ENZA – Empresa Nacional de Seguros de Angola. A dependência do Banco do Comércio e Indústria está limitada a administrações salariais públicas.

Distâncias em km a partir de Saurimo: Luanda .039 – Lucapa 135;

Indicativo telefónico: 053.

O corpo docente de 1.010 é insuficiente, foram matriculados 26.717 alunos prevendo-se matricular-se em 2003/4 40 mil, com principal incidência no I Nível.

Prevê-se a abertura de uma instituição de ensino Superior na Província (Centro Universitário do Leste-CULE). Existem 18 médicos, na cidade de Saurino, 351 enfermeiros distribuídos entre os Municípios: de Dala, Cacolo, Muconda sendo 290 em Saurino.

Possui 1 Hospital Provincial na cidade de Saurino, 3 Hospitais Municipais, 4 centros de Saúde e 15 postos de saúde, alguns de organizações não governamentais.

Estradas e Pontes

Os troços que ligam os Municípios à capital da Província, têm uma operacionalidade relativa mais operante. Urge a construção de uma ponte sobre o rio Cuilo.

Recentemente inaugurou-se a ponte sobre o rio Cacuilo na Estrada Nacional que permitiu o restabelecimento das atividades entre as Províncias do Leste à Capital e outras cidades do Litoral.

Lunda Sul

Terra de mistério antigo, parece ter sido primitivamente habitada pelos pigmeus, hoje encontrados um pouco mais a norte, na região dos grandes lagos.

Esses primitivos habitantes viriam a ser deslocados definitivamente pelas várias tribos bantu que na sua migração para sul ocupariam a totalidade do território de Angola.

Para além do rio Lalua. viviam várias comunidades de um povo vindo do nordeste – os bungos – subordinados a chefes, que, não obstante independentes, ouviam e respeitavam o mais velho chamado lala Mácu, estando assim em embrião a formação de um novo estado, o da Lunda ou Runda.

Este velho laia foi agredido, um dia, por dois dos seus filhos Quingúri e lala – quando embriagados e dessa agressão sobreveio-lhe a morte.

Antes de morrer, porém, indicou sua filha Lueji como sucessora e pediu aos outros chefes que a amparassem e aconselhassem, visto ser ela ainda nova e inexperiente, evitando que os irmãos se apoderassem do lucano (bracelete insígnia usada pelo chefe).

Precisava Lueji de escolher um homem para pai dos seus filhos, mas não o encontrava do seu agrado, até que nas suas terras apareceu um caçador de nome llunga, filho de Mutumbu, potentado da Luba, que foi o escolhido e o progenitor de Noeji, o primeiro Muatíânvua.

As divisões no novo estado cedo começariam com Quinguri que não querendo sujeitar-se à autoridade da irmã e do estrangeiro a quem ela se unira, deliberou com alguns parentes mais afeiçoados abandonar as suas terras e ir organizar, longe dali, um novo e forte estado, cujas forças pudessem mais tarde vencer as do Muatiânvua.

Outro grupo descontente, chefiado por Andumba, partiria mais tarde para com as gentes de Quinguri se juntar.

No seu caminho para oeste viriam a encontrar, no entanto, forças hostis que provocaram alteração na rota inicial, havendo então um retrocesso para leste, espalhando-os até ao rio Cassai e dando origem a diversas tribos que tomaram o nome dos rios nas margens dos quais se estabeleceram.

A esta gente os lundas designavam por aioco, que se pode interpretar por expatriado, e tal palavra evoluiria para quioco.

Sentindo Lueji o novo estado do Muatiânvua ameaçado pelos de Quinguri, que entretanto ia aumentando de poderio, mandou expedições de gente armada – as chamadas “guerras”, comandadas por parentes de absoluta confiança, em diversos rumos, a fim de ampliar os seus territórios e sujeitar outras tribos à sua obediência.

Por este motivo, para ocidente, foi Andumba, seu primo, a quem deu o título de Capenda Muene Ambango, que se demorou próximo ao rio Luachimo, atraindo a si outras gentes, sempre em ligação com a Mussumba.

Pela sua morte, ali, sucedeu-lhe sua sobrinha Mona Mavoa, que continuou o avanço para poente, chegando ao rio Cuango.

Dela descendem os Capendas: Capenda-ca-Mulemba, Capenda-Malundo e Capenda-Cassongo. todos estabelecidos ao longo deste rio reconhecida em 1907 a existência de diamantes nos vales de alguns rios que, correndo em Angola.

Penetram no Congo Belga. previu- se que o rico mineral existiria. também em território angolano e por tal motivo fundou-se a Companhia de Pesquisas Mineiras de Angola, à qual fora dada concessão para esse fim e que em 1913 fez avançar para a Lunda uma expedição chefiada pelo seu representante em Luanda. O então capitão de artilharia António Brandão de Melo.

Partindo de Camaxilo para leste, chegou ao rio Luachimo e aí estabeleceu uma estação que serviria de base aos reconhecimentos a efetuar e para se ligar aos engenheiros vindos do Congo Belga.

A descoberta dos primeiros diamantes em Angola, foi registada em Novembro de 1912 quando dois geólogos da empresa Forminière encontraram 7 diamantes no ribeiro Mussalala, tendo sido no mesmo ano constituída a PEMA (Companhia de Pesquisas Mineiras de Angola). As primeiras explorações tiveram lugar no rio Chicapa e seus afluentes.

Em Outubro de 1917 foi criada a DIAMANG que registou no seu primeiro ano a produção de 4. 110 quilates. A produção bateria o seu record em 1971 com 2 413 021 quilates. Em Janeiro de 1981 foi criada a ENDIAMA que substutuiria total e definitivamente a Diamang em 1988.

A divisão administrativa de hoje dIvide as Lundas em duas Províncias:

a Lunda Norte com a capital em Lucapa e;

a Lunda Sul, em Saurimo.

O setor dos diamantes de Angola tem sido dos mais afetados pela situação de guerra e posterior instabilidade que o País tem atravessado. A Região das Lundas tem sido das mais afetadas.

O preço da guerra provocou uma comercialização anárquica e em grande escala fomentada por numerosos dealers ilegais que catalizaram o desenvolvimento não só da garimpagem, mas também o desvio de importantes quantidades de diamantes para o exterior do País, em total prejuízo para o Estado.

O Programa de Estabilização do Setor dos Diamantes (PROESDA) deu origem às Leis 16/94 e 17/94, que complementando a Lei Quadro 1/92, definem a orientação para o setor.

Assim, a Endiama, deixando uma situação de controlo absoluto, associou-se a vários parceiros na propecção e pesquisa de diamantes. Os povos lunda-quiocos herdaram fabulosa riqueza etnográfica e a sua escola esculturica é das mais notáveis de toda a África.

Estes povos construíram uma civilização ara além das fronteiras de Angola, conhecidos internacionalmente por Tchokwe. A arte Tchokwe foi disseminada por coleccionares pelos cinco continentes e está presente nos maiores museus.

Fonte: www.consuladodeangola.org

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.