Guiné

PUBLICIDADE

Nome oficial: República da Guiné
Área: 245 857 km²
Capital: Conacri
Principais cidades: Conakry
Língua oficial: Francês
Moeda: Franco guineense
Dia Nacional: 02 de outubro

Guiné – História

Guiné é um país na África Ocidental, na fronteira com Guiné-Bissau, Senegal, Mali, Costa do Marfim, Libéria e Serra Leoa.

Guiné às vezes é chamado de “a Guiné Conakry” o nome de sua capital para diferenciá-lo do vizinho Guiné-Bissau e Guiné Equatorial.

O francês é a língua oficial, mas também fala mandinga, Fula, Susu e Bassari.

A população é cristão, muçulmano ou animista.

Guiné foi parte do Império de Mali, que abraçava uma grande parte da África ocidental entre os séculos XIII e XV. A partir do século XV començou ser frequentada por comerciantes europeus, e o país convirteu-se em colônia francesa em 1891. Sob a liderança de Sekou Touré, obteve a independência em 1858.

Touré optou por isolar-se do resto das ex-colônias francesas e da metrópole, o que unido à adoção do modelo revolucionário chinês, submergiu o país em profunda crise. Touré, que já tinha mudado muitas de suas políticas, morreu em 1984, e um mês depois um golpe de estado deu o poder ao coronel Lansana Contel.

Em 1991 introduziu-se o multi-partidismo no país, e em 1994 celebraram-se eleições que Contel ganhou com 51% dos votos. O país tem experimentado algumas melhoras, mas segue sendo um dos mais pobres da África.

história antiga da Guiné é pouco conhecido. Mas nós sabemos que as pessoas da região são muito cedo no primeiro milênio dC, encontrado no circuito Níger através do comércio e grandes ondas de migração na sub-região.

O país, portanto, diretamente envolvidos no comércio trans-saariano. Interior da Guiné foi incorporada ao Império do Gana para o século décimo. No século XIII, Sundiata Keita fundou o Império do Mali, cuja capital Niani, foi no território da atual Guiné.

A partir do século XIII, grupos de Fulani migraram do Sahel para a região Djallon Fouta propício para a reprodução. Eles forçaram a população local e oposição a estados vizinhos, em expansão. No século XVII, outros grupos Fulani convertido ao Islã, se juntou a eles.

No geral, no século XVIII, que lançou uma jihad contra os “infiéis”. Fouta Djallon é organizado em um Estado teocrático, sob a liderança de Karamoko Alfa (1725-1750) e Ibrahima Sori Sambego (1751-1784). A capital estava em Timbó.

A oposição entre as duas famílias, e Soriya Alfaya, levou em 1837 a um frágil acordo de alternância no poder diminuiu a resistência do país à conquista colonial.

Na década de 1870, um comerciante Dioula Samori Touré, formou um império na Alta Guiné, com Bissandougou capital. Converteu ao Islã em 1880, ele deu suas conquistas militares o caráter de uma nova jihad.

Ele foi ajudado por um exército poderoso ele equipado com armas feitas por ferreiros locais.

Guiné – A chegada dos europeus

O Português foi o primeiro, no século XV, ao longo da costa da Guiné e contatar as pessoas que estavam lá. Eles montaram contadores e praticou o comércio de marfim, ouro e tráfico de escravos.

Eles logo foram suplantados pelos britânicos e franceses.

No século XIX, os europeus lançaram missões de exploração para o interior: Francês Mollien atingiu o Djallon Fouta ea cidade de Timbó, em 1818, o inglês Gordon Laing (1826) eo francês René Caillié (1828 ) chegou a Timbuktu. Em 1840, o almirante francês Bouet-Willaumez (1808-1871), o futuro governador do Senegal, assinou os primeiros tratados com os chefes locais. Em 1880, o francês Olivier de Sanderval lançou as bases da colonização.

O governador francesa do Senegal, Louis Faidherbe, rapidamente percebeu que a região dos rios do sul, na costa da Guiné, seria uma base ideal para crescer dentro. Em 1881, o Bayol francês assinou um tratado de amizade, comércio e protetorado com o Djallon Fouta.

Almamy (soberano) Ibrahima Sori em seguida foi visitar Gambetta em Paris. Em 1882, tornou-se o Bayol Tenente primeiro dos rios do sul. Em 1884-1885, a Conferência de Berlim reconheceu os direitos da França na região. Em 1890, a Guiné se tornou uma colônia separada, com capital Conakry.

Em 1893 e 1894, a Costa do Marfim e Daomé foram destacados. Em 1899, Sudão francês perdeu a região do Alto Malinke Níger, ligado a Guiné.

Os franceses estabeleceram-se facilmente na costa. A exploração de disputas políticas no Djallon Fouta feito expansão colonial relativamente fácil.

Em contraste, na Alta Guiné, França correu forte resistência: as tropas francesas haviam entregue pesados combates contra Mahmadou Lamine e contras Almamy Samory Touré.

A empresa controlada por Louis Archinard Bissandougou então tomou Kankan.

O império de Samori Touré foi totalmente invadida em 1892, mas o conquistador cortar um novo estado no norte da Costa do Marfim. A área foi totalmente “pacificada” em 1912, após a derrota de Alfa Yaya Diallo.

Guiné – Colonização

França praticado o tráfico de lícito em grande parte confiada a grandes empresas comerciais. Em 1914, a linha férrea Conakry-Kankan foi concluída. Durante as duas guerras mundiais, a cidade foi em grande parte baseada em soldados guineenses. Guiné nacionalismo ganhou impulso após a Segunda Guerra Mundial.

Eleito em 1945, Yacine Diallo foi o primeiro membro da Assembléia francesa na Guiné. O Partido Democrático da Guiné (PDG seção RDA guineense), criado por Fode Mamadou Touré e Keita Madeira, liderou a luta pela independência.

A união Sékou Touré tomou a direção do CEO em 1952. A administração colonial tentou por todos os meios para quebrar o protesto. Após a lei de 1956 ea vitória das eleições CEO territoriais de 1957, Sékou Touré foi eleito Presidente do Conselho. O CEO se tornou o partido da Guiné.

No referendo sobre a Comunidade Francesa, Guiné seguido a instrução defendida por Sékou Touré e votou “não” para 94,4% dos votos. 02 de outubro de 1958, a Guiné proclamou sua independência.

Guiné contemporânea de 1958 até a morte de seu líder carismático, Sekou Touré, em 1984, a Guiné foi trancada em um sistema totalitário dinâmica nacional de esterilização.

O partido-estado e da ditadura de uma casta Malinke origem, capturando a mineração de bauxita de anuidade e de perseguir a oposição, especialmente os estudiosos Peul Fouta Djallon, eventualmente sufocar o país.

Produções exportado anteriormente, banana, café, abacaxi, amendoim, entrou em colapso e os camponeses se retiraram para suas terras para garantir a segurança alimentar.

Insatisfeito com a decisão, depois guineense no referendo de 28 de Setembro na Comunidade, a França suspendeu imediatamente e completamente ajudar. Sékou Touré se tornou presidente, estava fora da “zona franca” país em 1960 e substituir o uso de línguas locais em francês em 1968.

Na frente econômica, ele escolheu o caminho da “revolução socialista” e Guiné virou-se para o bloco comunista (URSS e China) para apoio e financiamento que a França recusou.

Sékou Touré impôs um poder ditatorial que levou para o exílio os líderes da oposição e uma parte da população.

A oposição tem, essencialmente, Paris, Dakar e Abidjan, foi organizado em 1965, em uma tentativa de derrubar o presidente. Ele nunca deixou de denunciar as conspirações fomentadas com apoio estrangeiro. Em 1970, apoiado pela expedição Português militares tentaram uma invasão do Português na Guiné, foi rejeitado pelo exército guineense.

Em 1977, a morte na prisão de Diallo Telli, ex-Secretário Geral da OUA, levantou uma emoção muito forte na opinião internacional. O descontentamento crescente da população, eventualmente, forçaram o presidente a flexibilizar a sua política econômica. Ele abriu a cooperação com a Guiné países capitalistas, especialmente a França. Em Março de 1984, Sékou Touré morreu subitamente.

Ele deixou um país arruinado, prisões completos e centenas de mortes sob tortura. Um golpe militar liderado alguns dias depois trouxe o coronel Lansana Conté ao poder.

Desde 1985, a Guiné tem realizado uma série de reformas para romper com o velho regime. Engajar-se duas reformas decisivas (função de moeda, e setor público), os líderes da Segunda República abordaram dois pilares fundamentais da herança.

Reforma monetária levou à criação do franco guineense eo tamanho do serviço civil, 84.000 pessoas, em 1984 foram reduzidos em 50%. Cerca de 300 empresas estatais foram fechadas, mas a privatização é difícil.

A diáspora (2 milhões de guineenses vivem no exterior), decepcionado, não contribuem enquanto a corrupção e desvio de verbas não foram eliminados. Relações com o FMI eo Banco Mundial têm piorado desde 1989.

Relações com os doadores são ainda mais difíceis as tensões políticas são elevados. O processo de democratização foi iniciado em 1990 (Constituição mutlipartisme restaurante, criação de um Conselho de Transição para a Recuperação Nacional substituir o Comité Militar para a Recuperação Nacional).

A eleição presidencial por sufrágio universal de 19 de Dezembro de 1993, foi vencido pelo general Lansana Conté (50,9% dos votos), mas os resultados foram muito contestada pelos partidos da oposição divididas.

A lenta transformação política foi concluído em 1995 com as eleições legislativas e municipais, mas a situação política continua muito incerto.

Confrontos entre Malinke, Susu e resurfacing Fula e um novo golpe de Estado, em fevereiro de 1996, mostra que a situação está longe de ser apaziguado. Com 550 dólares per capita (1995), apesar de sua riqueza mineral, o país permanece extremamente pobre. Em 1999, o presidente Lansana Conte disse a liderança do governo Lamine Sidimé.

Guiné – Política interna

Em 1958, a Guiné se recusaram a aderir à Comunidade francês novo e ganhou independência. Sob a liderança do ex-sindicalista Ahmed Sékou Touré e seu partido democrático da Guiné (PDG), que é um partido único, a Guiné adota um modelo de desenvolvimento socialista.

A repressão do regime prática severa contra a oposição, o que levou vários Guiné ns a tomar o caminho do exílio.

Resultados econômicos mostrarem insatisfatórios e uma ligeira mudança na direção do liberalismo é iniciada. Ele aumenta após a derrubada de Sékou Touré em 1984.

Aberturas democrática s, o que confirma a Constituição de 1990, também permite a participação de outros partidos na vida política. Durante os anos 90, a figura dominante da Guiné é o presidente Lansana Conté.

Em termos da organização dos poderes, é um estado unitário. “o sistema político é presidencialista, não governa presidente necessariamente ter o apoio do Poder Legislativo.

O sistema eleitoral é do tipo mista (paralelo).

Guiné – Política externa

A recusa da Guiné para se juntar à Comunidade Francesa e da proclamação da independência, em 1958, causando tensões com a França , que retirou seu apoio.

O presidente Ahmed Sékou Touré procura mitigar o impacto desta decisão, solicitando o apoio da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas ( URSS ) e China .

Sékou Touré também é expressa em favor do pan-africanismo, embora mantenha uma relação tensa com muitos dos seus vizinhos. A baixa resistência da economia guineense incentiva os gerentes a desviar países comunistas e se reconectar com a França em 1978.

A evolução para um modelo mais liberal também leva a uma maior participação do capital estrangeiro, especialmente no Ocidente.

Guiné – Governo

Guiné teve uma história de governo autoritário desde que ganhou sua independência da França em 1958. Lansana Conté chegou ao poder em 1984 quando os militares tomaram o governo após a morte do primeiro presidente, Sekou Touré.

Guiné não realizou eleições democráticas até 1993, quando o General CONTE (chefe do governo militar) foi eleito presidente do governo civil. Ele foi reeleito em 1998 e novamente em 2003, embora todas as votações fossem marcadas por irregularidades.

A história repetiu-se em Dezembro de 2008 quando seguindo-se a morte do Presidente Conté, o Capitão Moussa Dadis Camara liderou um golpe militar, tomando o poder e suspendendo a Constituição.

Sua relutância em ceder à pressão doméstica e internacional para renunciar levou a fortes crispações políticas que culminaram em Setembro de 2009, quando os guardas presidenciais abriram fogo contra uma manifestação da oposição matando mais de 150 pessoas, e no início de Dezembro de 2009, quando CAMARA foi ferido em uma tentativa de assassinato e evacuado para o Marrocos e, posteriormente, a Burkina Faso.

Um governo de transição liderado pelo General Sékouba Konaté realizou eleições democráticas em 2010 e Alpha Condé foi eleito presidente no país nas primeiras eleições livres e justas desde a independência.

As crianças da Guiné estão crescendo em dois mundos diferentes.

Muitas ainda têm pais envolvidos nas atividades tradicionais: o cultivo à mão ou a criação de gado. Ao mesmo tempo que seus pais ganham a vida desta forma, velha e tradicional, as crianças vão para escolas modernas, onde eles aprendem Francês, Inglês e Árabe. Cada criança também fala uma língua tradicional – a língua de sua família, a língua materna. Por isso, é através de linguagens que a criança expressa o velho e o novo.

República da Guiné fica na costa oeste da África. É limitada pela Guiné-Bissau, o Senegal, e o Mali no norte; a Costa do Marfim a leste; e Serra Leoa e a Libéria ao sul. A Guiné tem uma área total de quase 246.000 km².

Guiné – A Terra e o Povo

Dois dos principais rios da África Ocidental, o Niger e o Senegal (chamado de Bafing na Guiné), começam na região do planalto do país.

As águas desses rios e as do Rio Konkouré desempenham um papel essencial na agricultura da Guiné. O Níger, que cresce por 280 km do Oceano Atlântico, flui através de um número de países antes de varrer para o Golfo da Guiné, a 4.200 km de sua fonte.

Guiné consiste em quatro regiões geográficas, cada uma com diferentes características e diferentes povos. A primeira região é a planície costeira, uma área de baixa altitude perto do Oceano Atlântico.

Ela tem um clima tipicamente tropical, com chuvas de geralmente mais de 100 polegadas (250 cm) anualmente, e altas temperaturas durante todo o ano. Esta área é habitada por um número de grupos étnicos, o mais importante dos quais são os Susu e os Landuman.

A segunda região é a Fouta Djallon, também conhecida como Guiné Média. Esta área mais espetacular do país, é uma terra de penhascos e platôs.

É cortada por muitos rios e vales e é habitada principalmente pelos povos Fulani. A terceira região, que fica abaixo da Guiné Média, é a Alta Guiné.

Através dela uma série de pequenos rios drenam para o poderoso Níger. Este é o mais seco país do que a planície costeira ou a Djallon Fouta, e é o lar dos Fulani e dos povos Malinke.

A quarta região é o planalto da Guiné, uma área de floresta na parte sul do país. É a área mais remota da Guiné e é habitada por uma variedade de grupos étnicos menores, incluindo os Kissi, os Guerzi, os Toma, os Malinke e os Kouranke.

O governo tem feito grandes esforços para promover mudanças no sistema educacional do país. Ele incentiva os adultos a participar de aulas especiais para aprender a ler e outras habilidades.

A educação é gratuita e obrigatória, em princípio, para todas as crianças entre as idades de 7 e 13. O sistema educacional foi nacionalizado em 1961, e nova ênfase foi colocada sobre o treinamento técnico, comercial e político.

A estrutura do sistema educacional da Guiné ainda se assemelha ao modelo Francês, e um esforço para usar as principais línguas Guineenses nas escolas, juntamente com o Francês foi abandonado em 1984.

Tanto o número de escolas e o número de alunos matriculados nas mesmas subiram rapidamente desde a independência. No entanto, menos de 30% dos maiores de 15 anos sabem ler e escrever.

Guiné – Cidades

Conakry, uma comunidade moderna, é a capital nacional, o principal porto, e o núcleo da rede de transportes da Guiné. Aumentando na ilha de Tombo, ela está ligada por uma ponte ao continente.

Conakry tem um porto natural de águas profundas. A segunda cidade da Guiné, Kankan, é muito menor em tamanho, mas é um importante centro comercial do interior. Outras cidades importantes são Kindia, Labé e Siguiri.

Guiné – Economia

A Guiné é um país essencialmente agrícola. Gado é criado em grande parte do país, exceto na planície costeira.

Os agricultores cultivam plantações a serem exportadas ou para serem vendidas localmente. Estas culturas variam em diferentes regiões da Guiné.

Na planície costeira, por exemplo, a banana é cultivada em plantações, em grande parte para exportação. Muitas das plantações estão localizadas próximas às linhas ferroviárias ou perto do porto de Conakry, que tem equipamentos especiais para o carregamento de bananas.

O arroz é cultivado em duas variedades: o tipo molhado, que é gerado debaixo d’água, e o arroz montês, que é cultivado seco. Inhame e mandioca também são cultivados, principalmente para consumo familiar.

Na Fouta Djallon, bananas, frutas cítricas, e abacaxi são cultivados. A região montanhosa é também adequada para o cultivo do café. Habitada pelos Fulani, que foram pastores durante séculos, esta é também uma área para criação de gado.

Os Fulani e seus rebanhos de gado também são encontrados na região da Alta Guiné. Os agricultores lá crescem o amendoim, algodão, tabaco, e sementes para venda comercial, enquanto que cultivam mandioca e milho para uso familiar.

Nas remotas terras altas da Guiné, onde as fronteiras da Guiné, Serra Leoa, e Libéria se encontram, as nozes de cola, o café e o tabaco são as culturas tradicionais.

Esta região tem sido envolvida em tumultos transfronteiras no início do século 21 que têm perturbado a agricultura e criado uma grande população de refugiados.

Os minerais mais importantes da Guiné são a bauxita, diamantes e minério de ferro. Os diamantes são principalmente de qualidade industrial – muito poucos deles são pedras preciosas.

O minério da bauxita, usada para fazer alumínio, é encontrado em ricos depósitos, o mais importante dos quais fica na cidade de Fria, cerca de 145 km ao norte de Conakry.

Lá o minério é utilizado para fazer alumina que é exportada para refinarias de alumínio em outras partes do mundo.

Grandes depósitos de minério de ferro estão sendo trabalhados em pedreiras na Península Kaloum, cerca de Beyla e Kérouané, e nas Montanhas de Nimba.

O transporte na Guiné não está bem desenvolvido, apesar de uma rede de estradas agora cobrir grande parte do país. A ferrovia principal, originária de Conakry, corre para o Rio Níger a norte de Kankan, uma distância de cerca de 640 km.

Outras linhas conectam as principais áreas de mineração com Conakry. Os aeroportos internacionais estão localizados em Conakry e Kankan.

Guiné – História e Governo

A Bacia Superior do Níger, que inclui a Alta Guiné, faz parte da massa terrestre que se encontra ao sul do Saara. Nesta região um número de reinos Africanos começou e floresceu.

No século 11, os Árabes se mudaram do norte da África para as regiões do Sudão. A partir de então, acredita-se, um número de reinos existiam na área. Alguns deles se tornaram bem conhecidos, tais como os reinos de Ghana, Mali, e Gao. Em vários momentos o Fouta Djallon fazia parte desses reinos.

Os Portuguêses entraram na área em algum tempo durante o século 14. No entanto, eles não estabeleceram quaisquer assentamentos duradouros no que é hoje a Guiné.

Os Franceses estabeleceram feitorias ao longo da costa Atlântica do interior do Senegal. Eles desenvolveram interesses comerciais na Guiné nos 1850s.

Quando eles se mudaram para o interior, eles entraram em conflito com um reino criado por Samory Touré. Samory Touré, o filho de um comerciante, tinha construído o seu reino através de habilidade militar e sabedoria política.

Por 1875, ele havia estabelecido sua autoridade sobre muitas das pequenas chefias na Bacia Superior do Níger. Por 1886, ele havia estendido seu reino para incluir toda a área do planalto da Guiné e porções dos atuais Mali e Costa do Marfim.

Quando os Franceses entraram seu território, Samory Touré liderou uma campanha brilhante, mas seus homens em menor número foram forçados a recuar.

Quando as suas tropas se retiraram, elas conquistaram novos povos para o leste. Por 1896, Touré tinha perdido muito de seu reino na Guiné. No entanto, ele manteve um domínio praticamente novo cobrindo toda a porção norte da Costa do Marfim, o noroeste de Gana, e o segmento sul da atual Burkina Faso.

Em 1898, ele foi capturado pelos Franceses e deportado para uma ilha na costa do Gabão, onde morreu dois anos depois. Samory Touré permanece uma figura histórica importante da moderna Guiné, e sua memória é reverenciada. Após a morte de Samory Touré, a história da Guiné seguiu a das outras olônias Francesas do Oeste Africano.

Até o final da Segunda Guerra Mundial, a política Francesa enfatizou as diferenças entre os grupos étnicos da Guiné e aqueles em outras partes da África Francesa.

Nos anos seguintes à guerra, um novo senso de unidade começou a surgir entre os educados Africanos – o senso de serem Africanos.

Um partido político surgiu na Guiné que enfatizou as semelhanças entre os Africanos, em vez de as diferenças entre os grupos étnicos.

Um líder deste partido foi Ahmed Sékou Touré. Ele afirmou repetidas vezes que todos os homens são irmãos e todas as pessoas Africanas são iguais.

Ele disse ao seu povo: “Eu sou um homem como vocês, e eu sou um Africano”.

Usando essa abordagem igualitária, o Partido Democrático da Guiné (Parti Démocratique de Guinée, ou PDG) logo surgiu e começou a se mover em direção à independência do país.

Isso foi alcançado em 2 de Outubro de 1958, depois que o povo Guineense, seguindo a liderança do PDG, votou contra a associação com a França. Touré se tornou o primeiro presidente da nova República da Guiné.

Durante os próximos 25 anos, Touré transformou a nação em República Popular Revolucionária da Guiné. Oficialmente o país tinha uma forma republicana de governo, com um presidente eleito pelo povo e uma legislatura de uma-câmara, a Assembleia Nacional.

Na prática, porém, havia apenas um partido político legal, o Partido Democrático da Guiné, que operava através da mobilização de tanto da população quanto possível para participar na vida política.

O governo teve um papel muito ativo na economia através de agências estatais e o planejamento de longo prazo.

Touré foi eleito para um quarto mandato como presidente em Maio de 1982. Uma nova constituição foi adotada durante o mesmo mês. Em 27 de Março de 1984, Touré morreu de uma doença cardíaca.

Apenas uma semana depois, as Forças Armadas deram um golpe.

A Constituição foi suspensa, e o país foi administrado pelo Comité Militar para a Regeneração Nacional (CMRN); seu presidente, General Lansana Conté, serviu como chefe de Estado.

A nova Constituição aprovada no final de 1990 levou à substituição do CMRN em Janeiro de 1991 por um Conselho de Transição Nacional militar-civil.

Conté ganhou as eleições multipartidárias presidenciais realizadas em Dezembro de 1993, e as primeiras eleições democráticas legislativas foram realizadas em 1995. Conté foi reeleito em 1998 e 2003, mas as tensões políticas continuaram. Quando ele morreu em Dezembro de 2008, um grupo de jovens oficiais do Exército tomaram o poder.

O golpista Moussa Dadis Camara nomeou-se presidente e prometeu combater a corrupção.

Em Dezembro, Camara foi baleado e ferido e levado para fora do país para tratamento médico. Sékouba Konaté, um general do exército Guineense e vice-presidente da junta militar, tomou o controle do governo.

Ele prometeu devolver a Guiné para o governo civil.

Em Janeiro de 2010, Konaté nomeou um primeiro-ministro civil interino, Jean-Marie Doré, um líder da oposição, para formar um governo de partilha de poder que incluía os militares.

A principal missão de Doré foi supervisionar as eleições e retornar o país ao regime civil.

Em 27 de Junho de 2010, a Guiné realizou a sua primeira eleição presidencial democrática desde a independência em 1958. Nenhum dos dois mais votados candidatos, o ex-primeiro-ministro Cellou Dalein Diallo e o veterano líder da oposição, Alpha Condé, receberam mais de 50% dos votos.

Depois de sucessivos adiamentos, um segundo turno foi realizado. Condé ganhou. Empossado como presidente em 21 de Dezembro, ele prometeu reformar as forças armadas e a burocracia, reconciliar as divisões étnicas, e melhorar os serviços sociais.

Guiné – Arte e Cultura

Para apreciar as manifestações artísticas e culturais da Guiné, aconselhamos uma visita ao Museu Nacional da capital, onde poderá desfrutar de interessantes exposições.

Quanto ao artesanato deve-se mencionar os belos trabalhos, especialmente os instrumentos musicais.

Guiné – Localização Geográfica

Guiné-Conacri tem uma extensão de 245.587 quilometros quadrados e limita-se ao norte com Senegal e Mali, ao leste com Costa de Marfim, ao sul com Serra Leona e Libéria, e ao oeste como o oceano Atlântico.

O país tem quatro regiões geográficas.

A baixa Guiné inclui o litoral – marcado pelas desembocaduras dos rios, com seus estuários e deltas, algumas ilhas, lagoas e pântanos- e as planícies costeiras. Na costa, frente a Conakry, estão as ilhas de Los.

As terras altas do Fouta Djallom elevam-se íngremes para o interior (pico mais alto: monte Loura, 1.538 metros).

A Alta Guiné (altitude media 300 metros) compreende as planícies do Níger, que descem até o Sahara. A região dos bosques é um área isolada de colinas, ao sudeste do país.

O Fouta Dajllom é a fonte dos três rios maiores da África Ocidental: o Níger, o Senegal e o Gambia.

Guiné – Geografia

Estado costeiro para a África Ocidental, a Guiné tem um crescente semi-moldada, delimitada a norte-oeste pela Guiné-Bissau no norte pelo Senegal e Mali, no sudeste da Côte d ‘ Marfim, a sul pela Libéria e na Serra Leoa, no oeste pelo Oceano Atlântico. Seu potencial de mineração não um país rico ea liberação de ruína econômica em que a esquerda Sékou Touré (1958-1984) é muito difícil.

Quatro configura o território natural que abrange 245.860 km². A planície costeira e seu interior é a Baixa Guiné Guiné ou mar. A costa corte, Ilhas precederam (Loos Ilhas de Katral), realiza avançada rock (Kaloum península, capa ou Koundindé Verga) cruzando os alagados e pântanos salgados ao longo dos estuários, estuários de rios importantes do planalto interior, que Konkouré.

As planícies costeiras são dominados a leste por escarpas vigorosas (como montanhas Benna, 1124 m) anunciando a Djallon Fouta. Guiné Marítima tem um clima tropical Coyah muito úmido recebe Kindia 5000 mm anuais mais de 2.000.

A Guiné média (80.000 km²), que inclui a Djallon Fouta é formado Horst desgastado pela erosão resultantes de movimentos tectônicos terciários quebraram a poderosa base encimado fundações de arenito.

Estes braço cambaleou planaltos e navios de guerra (Bowe em fulani linguagem), separadas por vales profundos.

O maciço sobe para 1.538 m no Monte Loura. Estes planaltos de Guiné são médios 1600-2000 mm anuais, eo maciço, que surgem a partir de muitos rios, incluindo a Gâmbia, Senegal, Bafing e afluentes do Níger, como Tinkisso tem sido muitas vezes chamado de castelo água na África Ocidental.

Alta Bacia do Níger formam a Alta Guiné, uma tigela grande da bacia de convergência onde altitudes planícies e planícies de savana, pontilhada com pequenas ondulações, e raramente superior a 500 m onde a precipitação 1100-1500 milímetros por ano, é menor do que Fouta Djallon.

Alta Guiné ou Guiné Floresta, sudeste, é uma região montanhosa que abrange vários maciços do Backbone guineense, o Simandou e Doro, onde o Níger sobe, e as montanhas de Nimba, o ponto mais alto do país (1752 m). Inteiramente ao sul do paralelo 10, Guiné floresta é muito úmido (1600-2800 mm anuais), que promove a floresta.

Guiné – Gastronomia

A gastronomia de Guiné é uma deliciosa mistura das cozinha africana e francesa, na que destacam seus peixes. Por outro lado, aconselhamos que pergunte pelo riz sauce, um arroz preparado com molho de mandioca, ou pelo boullion, estofado de cordeiro. Para os mais conservadores deve perguntar pelo frango com molho de amendoim. Como sobremesa nada melhor que uma ração de banana frita.

Quanto às bebidas encontrará algumas marcas internacionais. Água, só engarrafada.

Guiné – Festividades

Os dias festivos oficiais são: a celebração do Ano Novo – 1 de janeiro; o Market Women’s Revolt – 27 de agosto; o Dia da Independência – 1 de outubro; o Dia das Forças Armadas – 1 de novembro; Natal – 25 de dezembro; Segunda-Feira Santa e outros dias festivos muçulmanos que variam dependendo do calendário lunar.

Fonte: www.portalsaofrancisco.com.br/www.rumbo.com.br/perspective.usherbrooke.ca/www.afrique-planete.com/Internet Nations/news.bbc.co.uk

Veja também

Pontos Turísticos de Moçambique

PUBLICIDADE Moçambique – Locais Turísticos Maputo É a capital de Moçambique. Foi uma bela cidade …

Locais Turísticos de Maurício

PUBLICIDADE Locais Turísticos Ilha Maurício aparece como uma delicada jóia rodeada e vigiada por um impressionante …

Locais Turísticos de Burkina Faso

PUBLICIDADE Pontos Turísticos UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL É a capital de Burkina Faso e foi fundada há …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.