Locais Turísticos da Mauritânia

PUBLICIDADE

A maior parte dos núcleos de população concentra-se na parte oeste do país. Iniciaremos nosso percurso pela capital.

NOUAKCHOTT

Significa lugar do vento. Está situada na costa atlântica e foi fundada pelos franceses em 1903. Em 1953, já capital, contava com algumas casas e com 350 habitantes.

Por ser uma cidade relativamente nova, não há muito que ver, com exceção de suas interessantes mesquitas, às que os não muçulmanos não podem entrar. A grande mesquita foi construida pelos saudís e é assombrosa.

Encontra-se situada em pleno centro da capital, na Rua Mamadou Konaté. Outra interessante mesquita é também a da Avenida Abdel Nasser, a mesquita do Viernes.

Nesta artéria que atravessa a cidade encontram-se a maioria dos hotéis, bancos, restaurantes e lojas.

Fora da visita aos edifícios religiosos outro grande atrativo da capital mauritana são os mercados. Destaca o grande Mercado, onde pode-se encontrar artigos diversos como jóias de prata, trabalhos em madeira e prata, teteras típicas, pipas para fumar, além de especiarias e alimentos. Por sua parte o Quinto Mercado, mais distante, sem tantos artigos de venda é o mais tradicional.

O mercado do peixe, Port de Pêche, é outro lugar que não poderá perder. Ali pode-se ver os pescadores com seus barcos em pleno trabalho.

Se quiser conhecer um pouco mais da cultura nômade do país vale a pena ir ao Museu Nacional que se exibem artefatos e ferramentas que contam a história da herança mauritana.

Não se perca do Centro Artesanal Femenino.

Na zona industrial de Ksar encontra-se o Centro Nacional de Tapetes, onde é possível observar a fabricação destes e comprar os famosas tapetes mauritanos.

Nouakchott dispõe de numerosas praias onde pode-se nadar e desfrutar do sol.

ATAR

Encontra-se situada ao norte da capital, viajando para o interior e passando por Akjoujt. Nesta zona pode-se ver os nômades em seu habitat natural.

A cidade de Atar descorre entre suas estreitas ruas e seu colorido mercado cheio de vitalidade. Poderá adquirir nos postos numerosos artigos de ouro, pele, prata e tapete.

Atar tem lugares que pode degustar uma boa comida em meio de um entorno espetacular. É uma agradável e bonita cidade-oásis e um bom ponto de partida para excursões a outras cidades oásis que a rodeiam.

A rota entre Atar e Chinguetti através das montanhas é abrupta e estreita. Uma das vistas mais espetaculares é a do Paso Amogar, um canyon de gargantas profundas, onde encontrará algumas pinturas rupestres.

Atar é a porta de entrada para o Planalto Adrar e o local onde os visitantes vêm para planejar viagens para cidades de caravanas medievais envoltas no deserto, como a já mencionada Chinguetti.

Situada perto do coração do país, mas também perto da fronteira com o Saara Ocidental, a cidade tem um bazar e amplos mercados de artesanato – perfeito se você vier em busca dessas bugigangas tradicionais da Mauritânia.

Há também uma série de pousadas e restaurantes acolhedores que oferecem pratos do deserto, o que faz de Atar um excelente ponto de partida para futuras viagens a maravilhas como a Estrutura Richat ou os oásis do Saara nas proximidades.

CHINGUETTI

Chinguetti, a 120 quilômetros ao leste, é a sétima cidade Santa do Islão, lugar de encontro de peregrinos mauritanos em sua viagem para Meca. Foi fundada no século XIII e era a capital mora.

Os nômades plantam suas lojas ao redor do oásis e deixam a seus camelos alimentarem- se. A cidade possui um velho forte, uma biblioteca e uma mesquita como lugares de interesse.

Chinguetti emerge literalmente das dunas de areia movediças do poderoso Saara (as colinas de poeira que o cercam têm invadido e invadido há décadas, e até reivindicaram algumas das áreas residenciais nos limites do assentamento). Um lugar de ruas assustadoramente vazias que foram esculpidas e lascadas pelos ventos, já foi uma importante escala comercial entre o Mediterrâneo, no norte, e a região subsaariana, no sul.

Hoje, atrai algumas das maiores multidões do país, que se aglomeram para admirar as torres construídas em tijolos e as antigas fortalezas das tribos berberes e almorávidas que remontam à Idade Média.

O local também faz parte de um Patrimônio Mundial maior da UNESCO; um que também abrange uma série de outras cidades históricas do deserto na região de Adrar e além.

OUADANE

Ouadane encontra-se a 120 quilômetros ao nordeste de Chinguetti. Existem comunicações regulares mas pouco frequentes entre Atar- Chinguetti e Atar-Ouadane, mas não entre Chinguetti e Ouadane.

Ouadane foi fundada em 1147 pelos berberes. É uma típica cidade do deserto com seus muros de pedra, sua mesquita e dátiles. No alto da montanha se ergue a zona mais moderna, ainda diminuta.

Bem no final de uma estrada longa e sinuosa que vai da capital, Nouakchott, até o coração do Saara mauritano, a cidade empoeirada de Ouadâne é um lugar assustador e interessante que faz bem em revelar as duras realidades da vida. nesta paisagem árida e árida.

Ele desmorona e racha sob o sol escaldante do deserto, com sua coleção de bairros de pedra de adobe caindo em cascata pelas escarpas ásperas e em um centro de vielas e becos sinuosos habitados por nômades berberes ocasionais e solitários e sua coleção de artesanato e produtos incompatíveis.

Embora ainda seja oficialmente habitada, a maioria dos moradores daqui fez as malas e partiu para escaladas mais hospitaleiras.

E quando os ventos de poeira sopram e o calor do meio-dia atinge o seu apogeu, é fácil perceber porquê!

NOUADHIBOU

Existem belas praias desérticas para explorar em ambos os lados desta península, mas a parte oeste é do Saara, embora esteja ocupado pelos mauritanos desde 1975 e sem postes fronteriços, pelo que não convém adentrar-se.

No extremo da península arenosa, em Cape Blanc, está Nouadhibou. Pode ser interessante visitar o Porto Mineralino, a 15 quilômetros, onde se carregam os barcos com minerais.

Há barcos de carga europeus que levam ao velho continente em uma semana grátis. Também pode-se visitar a missão católica.

Projetando-se para o Oceano Atlântico a partir de sua casa na ponta de terra desértica conhecida como Cabo Blanca, a cidade de Nouadhibou é a casa das máquinas da indústria pesqueira da Mauritânia.

Suas docas aparentemente intermináveis, que margeiam a cidade frenética ao longo de sua extremidade sul, abrigam uma floresta de velas e barcos balançando aos milhares.

Estes saem diariamente para capturar a sua pedreira no Atlântico, enquanto outras indústrias na cidade incluem o processamento de minério de ferro que chega das caravanas dos centros mineiros do deserto.

Não saia sem admirar os colossos enferrujados dos transatlânticos em decomposição na Baía de Nouadhibou ou apreciar o pôr do sol à beira-mar em Cansado.

PARQUE NACIONAL ARGUIN

Um dos grandes atrativos de Mauritânia é a contemplação das aves e o melhor lugar para faze-lo é sem dúvida o Parque Nacional Arguin. Poderá ver flamingos e pelicanos brancos, entre outras curiosas espécies.

Também pode-se ver aves interessantes no Cabo Tagarit, ao norte de Tigra, além de algumas tartarugas.

O SUL DE MAURITÂNIA

Uma interessante rota é a que percorre o sul partindo da capital até Oulata. A zona desborda de belos paisagens e documentos neolíticos de grande interesse. Cada cidade supõe uma parada no caminho, para contemplar a vida e a herança do deserto.

BOUTILIMIT: É o berço do presidente Mokhtar Daddah. O mais atrativo da zona são suas fascinantes dunas.

KAÉDI

Encontra-se situada sobre a ribeira do Senegal e a maioria da população é Toucouleur. No mercado há numerosos artigos locais de grande interesse.

A cidade de Kaédi exibe uma rara mancha de vegetação urbana, para a qual você precisará viajar até o extremo sul do país, onde o rio Senegal curva e serpenteia ao redor do próprio Senegal.

A arquitetura do lugar é uma curiosa mistura de estilos, e é fácil ver a mistura das tradições mouriscas e subsaarianas entre as antigas casas baixas e aquele fascinante hospital construído em colmeias.

Como muitas cidades fronteiriças do país, também há aqui um grande mercado, repleto de produtos coloridos do sul fértil e de artesanato da terra do norte do Saara.

TIDJIKJA: Foi fundada no século XVII e é a capital da Região de Tagant. Possui um mercado, uma mesquita e um forte para visitar, além de algumas casas típicas dignas de serem vistas.

TICHIT

Foi uma próspera cidade que ficou somnte a lembrança guardada entre velhas casas e mesquitas, mas seu entorno é maravilhoso.

Tichit ainda se agarra à vida em sua posição remota, no meio do deserto do Saara.

Outro aspecto do Ksours da UNESCO do país, a cidade é verdadeiramente deslumbrante.

Olhe para cima e você verá a torre imponente da Mesquita Tichit, encimada por crenulações e incrustada com interessantes espaços de janelas triangulares (é talvez a mesquita mais famosa do país). Depois, reserve um tempo para passear pela cidade antiga e ver o curioso uso de pedras coloridas de pedreira – é exclusivo apenas de Tichit!

KIFFA

É a capital da região de Assabe e um grande centro comercial. A cidade é muito animada, sobretudo o mercado, onde começa-se a respirar o ambiente próximo da África negra.

Kiffa é uma interessante cidade encruzilhada situada à sombra das dramáticas Montanhas Affolle, que se erguem em paredes rochosas escarpadas e penhascos planos onde o sul do Saara se choca com as terras do Sahel africano.

Alguns vêm por aqui para explorar as cidades remotas nas montanhas, enquanto a maioria vem em busca das lendárias contas Kiffa que ficaram famosas pelos artesãos locais daqui.

Produzidas com uma mistura supersecreta de vidro em pó, são uma das formas de joalheria mais icônicas e reconhecíveis da região.

E como se isso não bastasse, você também pode ver o local do impacto de um grande meteorito que caiu nas montanhas em 1970, nas proximidades!

AYOÛN-EL-ATROÛS: É a seguinte paragem na rota. O mais destacável são suas casas construidas em rocha.

KOUMBI SALEH: É conhecida sobretudo por ser um interessante lugar arqueológico. Encontra-se já perto da fronteira senegaisa.

NEMA

É um ponto importante do caminho. A cidade dispõe de banco, mercado, hospital e estação de serviço.

Se você está procurando um vislumbre do antigo modo de vida nômade que outrora dominou as terras da Mauritânia, então talvez o assentamento de Néma, soprado pelo vento, no final da chamada Estrada da Esperança da capital, seja o lugar para ir.

Localizado a uma curta distância da fronteira com o Mali, o local sempre foi uma paragem popular para os comerciantes que entravam e saíam entre a costa atlântica e o coração da África Ocidental.

Hoje, também é conhecido como um lugar que defende a velha brousse: a tradicional vida rural do povo original da Mauritânia.

Isso significa que você terá bairros em ruínas com casas de tijolos de barro, ruas empoeiradas e gente simples e simpática.

OUALATA

Encontra-se situada no sudeste do país, a 90 quilômetros ao norte de Néma, e é uma das cidades mais famosas que pode-se encontrar desde o Saara a Tumbuctú em Mali.

Há aqui alguns restos arqueológicos de interesse e muitas casas decoradas com desenhos em relevo e “modelos de laços brancos”.

É difícil conseguir transporte de Néma a Oualata, mas não impossível se insistir.

Uma parte do aclamado Património Mundial da UNESCO da Mauritânia no deserto (os antigos Ksours do Sahara), Oualâta é inquestionavelmente uma das maravilhas mais encantadoras e impressionantes do país.

Vá passear entre os antigos frontispícios de arenito, onde elegantes padrões berberes e mouriscos estão rabiscados nas vergas e nas lareiras, e os desenhos arabescos terrosos imitam a elegância dos grandes kasbahs de Marrocos em cidades como Fez e Marrakech.

Não saia sem passear pela cidade velha em ruínas ou admirar as torres da grande Mesquita Oualâta.

ROSSO

Encontra-se a uns duzentos quilômetros ao sul da capital. Está muito perto da fronteira do Senegal pelo que constitui uma paragem importante para cruzar o país vizinho.

Uma vez ali é aconselhável que se aproxime de Keur Massene, uma pequena localidade costeira muito atrativa.

Pontos turísticos

Locais Turísticos da MauritâniaMauritânia

Centro nômade de Atar

Onde os nômades do norte do país vem atrás de comida, bebida e para se casarem. O mercado central é muito interessante e a partir dele é possível conhecer lugares curiosos, como as ruelas estreitas da área Ksar.

Koumbi Saleh

Capital do império medieval de Ghana, é o sítio arqueológico mais famoso do país. Parte da cidade foi escavada em 1913, sendo que uma enorme mesquita foi encontrada, dando indícios que uma população de milhares de pessoas viviam aí. Embora as escavações tenham cessado por falta de fundos, há muito que se ver.

Nouakchote

Uma névoa extensa e empoeirada de uma capital repleta de trânsito intenso e casas baixas em ruínas, Nouakchott é um lugar curiosamente cativante.

Isso pode ser porque é celestialmente confortável em comparação com os assentamentos de caravanas berberes ensolaradas do grande Saara (para onde a maioria dos viajantes está indo ou já esteve), mas também pode ter algo a ver com as vibrações terrenas e o caráter despretensioso da cidade.

Construída para apenas 15.000 pessoas, a grande área metropolitana daqui é estimada em cerca de dois milhões agora! Isso traz uma vida frenética aos bairros de lata e aos bairros nómadas, enquanto o Mercado de Peixe de Nouakchott é, sem dúvida, o local ideal.

Aqui, pirogas salgadas chegam do Oceano Atlântico, repletas de peixes e frutos do mar, todas as manhãs, os vendedores pechincham e os moradores locais cuidam de seus afazeres diários.

Terjit

Levando-nos a uma curta viagem de carro ao sul pela estrada principal que sai de Atar, a cidade oásis de Terjit continua sendo uma das atrações mais interessantes de toda a Mauritânia.

Ela brota das terras desérticas e secas nas margens do Saara em uma mistura de tamareiras verdejantes e riachos murmurantes; um pedaço de vegetação tropical cercado por um mar de areia.

Está situado entre uma série de desfiladeiros íngremes, que se elevam para encontrar as escarpas do Planalto Adrar de forma dramática.

Há locais para acampar no local abaixo dos galhos das palmeiras, um zoológico com camelos e até mesmo uma história de coroações reais para desvendar!

Banco d’Arguin

O Parque Nacional Banc d’Arguin é o único parque nacional de grande escala da Mauritânia.

E cara, isso merece o título! Uma vasta colcha de retalhos de bancos de areia baixos e praias salpicadas de rochas que descem até às águas da Baía de Arguin, no extremo norte da Mauritânia, é famosa pela sua crescente biodiversidade, que é destacada pela grande quantidade de aves migratórias que passam por esta região. maneira a cada ano.

Os observadores podem ver maçaricos e flamingos, pelicanos e andorinhas-do-mar nas águas rasas, embora se pense que a população de aves nidificando aqui é a mais alta de toda a África Ocidental!

É também o lar do povo tradicional Imraguen, que muitas vezes pode ser visto balançando em pirogas entre as ilhotas arenosas e o bater das ondas.

Sélibaby

Outra cidade com os pés firmemente colocados nas regiões mais tropicais do Sahel africano, nas profundezas da periferia sul do país e perto da fronteira com o Senegal, Sélibaby é um emaranhado de ruas estreitas e bairros em ruínas.

Graças à sua universidade e às novas instalações hospitalares regionais (financiadas, como tantos novos projetos nesta parte de África, pelos chineses), o local tem uma certa energia.

Também está bem posicionado para viagens futuras à metade sul do Mali – que fica logo a leste – e às cidades do Senegal, à beira da selva, que começa com a cidade de Bakel, do outro lado do rio Senegal, ao sul.

Zouerate

Indústria, indústria e indústria são as três coisas que governaram, acima de tudo, a ascensão e os tempos da extensa cidade de Zouérat.

Situado entre as grandes falésias bege e castanhas das cordilheiras de Tiris Zemmour, no extremo norte do país, é há muito conhecido pela sua proximidade com algumas das reservas minerais mais ricas de África.

Essa é a razão da fumaça e da poeira que expelem fábricas e refinarias, e do fluxo constante de comboios que se dirigem para o sul, em direção aos portos da costa.

Os viajantes provavelmente fariam melhor apenas vislumbrando a natureza laboriosa dos habitantes locais, antes de partirem para ver os assentamentos saarianos de Fderik ou outros como Chinguetti.

Parque Nacional Diawling

Um pequeno enclave de vegetação no extremo sul da Mauritânia, o Parque Nacional Diawling é outro dos locais de observação de aves do país.

Repleto de pelicanos e arrabios do norte, pardais dourados sudaneses e flamingos em tons de rosa, é um ótimo lugar para avistar as curiosas criaturas voadoras da África Ocidental.

Também é conhecido por seus extensos bosques de acácias e matilhas de lobos dourados, sem mencionar a riqueza de habitats ribeirinhos onde crocodilos encontram patos e hipopótamos ao longo das margens lamacentas.

Fonte: www.rumbo.com.br/www.geomade.com.br/www.thecrazytourist.com

Veja também

Pontos Turísticos do Iêmen

PUBLICIDADE Aberto ao turismo de forma amável. O Iêmen oferece um paraíso de lendas e história única. …

Pontos Turísticos da Geórgia

PUBLICIDADE Locais Turísticos da Geórgia Geórgia conta com algumas cidades de grande riqueza cultural, tranquilas e …

Pontos Turísticos do Chipre

PUBLICIDADE O Chipre, situado no cruzamento de três continentes – Europa, Ásia e África – …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.