Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Uganda

Uganda

História

PUBLICIDADE

Africanos de três principais grupos étnicos – Bantu, nilótica, e Nilo-Hamitic constituem a maioria da população. O Bantu são as mais numerosas e incluem a Baganda, o qual, com cerca de 3 milhões de membros (18% da população), constituem o maior grupo étnico.

As pessoas do sudoeste compreendem 30% da população, dividido em cinco grandes grupos étnicos: a Banyankole bahimas e, 10%, a Bakiga, 8%, o Banyarwanda, 6%, a Bunyoro, 3%, e o Batoro, 3 %).

Moradores do norte, em grande parte, do Nilo são o segundo maior grupo, incluindo o Langi, 6% e os acholi, 4%.

No noroeste são a Lugbara, 4%, e o Karamojong, 2% ocupam o território consideravelmente mais seco, em grande parte pastoral no nordeste.

Europeus, asiáticos e árabes representam cerca de 1% da população com outros grupos que representam o restante. População deUganda é predominantemente rural, e sua densidade é maior nas regiões do sul.

Uganda

Até 1972, os asiáticos constituíam o maior grupo étnico não-indígenas em Uganda. Naquele ano, o Idi Amin expulsou regime 50.000 asiáticos, que tinham estado envolvidos no comércio, indústria e profissões diferentes. Nos anos desde a queda do ditador, em 1979, os asiáticos lentamente retornaram.

Cerca de 3.000 árabes de várias origens nacionais e números pequenos de asiáticos viveram em Uganda. Outras pessoas não indígenas em Uganda incluiram várias centenas de missionários ocidentais e diplomatas de alguns e pessoas de negócios.

Quando os comerciantes árabes mudaram o interior de seus enclaves ao longo da costa do Oceano Índico da África Oriental e atingiram o interior do Uganda em 1830, eles encontraram vários reinos africanos bem desenvolvidas e as instituições políticas remontavam há vários séculos. Estes comerciantes foram seguidos em 1860 por exploradores britânicos através do rio Nilo. Missionários protestantes entraram no país em 1877, seguido por missionários católicos em 1879.

Em 1888, o controle da emergente “esfera de interesse” britânico na África Oriental foi atribuído para a Companhia da África Oriental, um acordo reforçado em 1890 por um acordo anglo-alemão confirmando o domínio britânico sobre Quênia e Uganda. O alto custo da ocupação do território levou a empresa a se retirar em 1893, e suas funções administrativas foram tomadas por um comissário britânico.

Em 1894, o Reino de Buganda foi colocado sob um protetorado britânico formal.

A Grã-Bretanha concedeu autonomia interna para a Uganda em 1961, com as primeiras eleições realizadas em 1 de março de 1961.

Benedicto Kiwanuka do Partido Democrata tornou-se o primeiro Ministro-Chefe.

Nos anos seguintes, os defensores de um Estado centralizado competiam com aqueles a favor de uma federação e um papel forte para a base tribal reinos locais.

Manobra política culminou em Fevereiro de 1966, quando o primeiro-ministro Milton Obote suspendeu a constituição, assumiu todos os poderes do governo, e removeu o presidente e vice-presidente.

Em setembro de 1967, uma nova constituição proclamou Uganda uma república, deu ao presidente poderes ainda maiores, e aboliu os reinos tradicionais.

Em 25 de janeiro de 1971, o governo Obote foi derrubado em um golpe militar liderado pelo comandante das forças armadas Idi Amin Dada. Amin declarou-se presidente, dissolveu o Parlamento, e alterado a Constituição para dar a si mesmo o poder absoluto.

Regra de Idi Amin de 8 anos produziu o declínio econômico, a desintegração social e violações maciças dos direitos humanos. As tribos Acholi e Langi eram objetos particulares de perseguição política Amin porque Obote e muitos dos seus apoiantes pertencia a essas tribos e constituiu o maior grupo no exército.

Em 1978, a Comissão Internacional de Juristas estimam que mais de 100 mil ugandenses foram assassinados durante o reinado de terror de Amin; algumas autoridades colocar a figura muito maior.

Em outubro de 1978, as forças armadas da Tanzânia repelido uma incursão de tropas de Amin em território tanzaniano. A força da Tanzânia, apoiados por Uganda exilados, travaram uma guerra de libertação contra as tropas de Amin e soldados líbios enviados para ajudá-lo.

Em 11 de abril de 1979, Kampala foi capturado, e Amin fugiu com suas forças restantes.

Após a remoção de Amin, a Frente Nacional de Libertação de Uganda formou um governo provisório com Yusuf Lule como presidente. Este governo adotou um sistema ministerial de administração e criou um órgão quase parlamentar conhecida como a Comissão Consultiva Nacional (NCC). O NCC e o gabinete Lule refletido muito diferentes visões políticas.

Em junho de 1979, após uma disputa sobre a extensão dos poderes presidenciais, o NCC substituiu Lule presidente com Godfrey Binaisa. Em uma disputa permanente sobre os poderes da presidência interina, Binaisa foi removido em maio de 1980.

Posteriormente, Uganda foi governado por uma comissão militar presidida por Paulo Muwanga. Em 1980 houve eleições e voltou a UPC ao poder sob a liderança do Presidente Obote, com Muwanga servindo como vice-presidente.

Obote governou até 27 de julho de 1985, quando uma brigada do Exército, composta principalmente de tropas Acholi e comandado pelo tenente-general Basilio Olara-Okello, tomou Kampala e proclamou um governo militar. Obote fugiu para o exílio na Zâmbia.

O novo regime, liderado pelo ex-comandante da força de defesa general Tito Okello (nenhuma relação com o tenente-general Olara Okello-), abriu negociações com as forças rebeldes de Yoweri Museveni e se comprometeu a melhorar o respeito pelos direitos humanos, acabar com a rivalidade tribal, e realização de eleições livres e justas.

Enquanto isso, violações maciças dos direitos humanos continuaram, enquanto o governo Okello assassinou civis e devastou o interior, a fim de destruir o apoio da ARN.

As negociações entre o governo Okello eo ARN foram realizadas em Nairobi, no outono de 1985, com o presidente queniano Daniel Moi buscando um cessar-fogo e um governo de coalizão em Uganda. Embora concordem no final de 1985 para um cessar-fogo, o NRA continuou lutando, Kampala apreendidos no final de janeiro de 1986, e assumiu o controle do país, forçando Okello a fugirem para o norte em Sudão. Forças de Museveni organizou um governo com Museveni como presidente.

Desde que assumiu o poder, o governo dominado pelo agrupamento político criado por Museveni e seus seguidores, o Movimento de Resistência Nacional (NRM), em grande parte pôr fim aos abusos dos direitos humanos dos governos anteriores, sob supervisão dos esforços bem-sucedidos de uma comissão de direitos humanos estabelecidos para investigar os abusos anteriores, iniciou a liberalização substancial político e liberdade de imprensa em geral, e instituiu amplas reformas econômicas após a consulta com o Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial e governos doadores. Uma comissão constitucional foi chamado para redigir uma nova Constituição, que foi debatido e ratificado por uma assembléia constituinte popularmente eleita em 12 de julho de 1995 e promulgado pelo Presidente Museveni em 8 de outubro de 1995.

Ao abrigo das disposições transitórias da nova Constituição, o “sistema de movimento” vai continuar por cinco anos, incluindo restrições explícitas de atividades dos partidos políticos, que são, no entanto ativo. A Constituição também prevê um referendo no quarto ano (no ano 2000) para determinar se ou não Uganda vai adotar um sistema multi-partidário da democracia.

Grupos insurgentes, o maior dos quais – Exército de Resistência do Senhor – recebe apoio do Sudão – assediar as forças governamentais e assassinato e sequestro de civis no norte e oeste. Eles não são, no entanto, ameaçam a estabilidade do governo. Devido à sudanês apoio de vários movimentos de guerrilha, Uganda cortou relações diplomáticas com o Sudão em 22 de abril de 1995, e os contatos entre o Governo do Uganda e do governo da Frente Nacional, dominado Islâmica do Sudão continuam limitadas.

Uganda- País

Se alguma coisa pode diferençar Uganda de outros países africanos é seu grande ramalho de parques nacionais onde refugia-se uma não menos rica vida animal e vegetal. Não se diferença de outros países vizinhos nos enfrentamentos étnicos que tanto dolor têm causado. O país tenta consolidar um caminho de democracia e tranquilidade.

Uganda está-se convertindo pouco a pouco em um país ideal para o viajante aficionado aos safaris fotográficos, porque Uganda tem todo: exotismo, reservas animais, população cordial e sabor a aventura.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Uganda fazia referência, no início, ao reino bantu de Buganda; depois extendeu-se a todo o território. Ocupa uma superfície de 241.040 quilômetros quadrados dividida em 38 distritos administrativos.

Limita ao norte com Sudão, ao leste com Quênia, ao sul com Tanzânia e Ruanda e ao oeste com a República Democrática do Congo. Não tem saída ao mar e a distância mínima desde o Océano Indico é de 800 quilômetros.

Uganda é uma altiplanície regular que desde os 1.134 metros do Lago Vitória vai descendo para o norte. No leste o Monte Elgom (4.321 metros) encontra-se na fronteira com Quênia; ao oeste partilha com o Congo o Maciço do Ruwenzori, com o Pico Margarita (5.109 metros), e uma série de vulcôes apagados na zona mais oriental, chamados na antigüidade clássica os “Montes da Lua”.

Na fronteira com o Congo e Ruanda as altitudes são entre os 2.000 e 3.000 metros. Por outro lado, o elemento que caracteriza Uganda é sua rede fluvial e, sobretudo, seus lagos. No sudeste estão o Lago Vitória (o segundo maior lago de água doce do mundo); os lagos Eduardo e Jorge no sudoeste, Alberto no oeste, e Kyoga e Salisbury no leste. Quanto aos rios o Nilo Vitória, o Nilo Alberto ou Nilo Branco são os mais importantes.

O clima é tropical, com temperaturas moderadas pela altitude. Na capital tem-se registrado máximas de 36 graus centígrados e mínimas de 12 graus. A precipitação média é de 1.270 mm ao ano, principalmente entre março e junho e setembro e novembro; na linha equatorial as chuvas são continuadas ao longo do ano.

FLORA E FAUNA

A flora em Uganda é exuberante devido às frequentes e copiosas precipitações. Muitas ribeiras pantanosas estão flanqueadas por grandes extensões de papiros.

Os bosques são numerosos e do tipo equatorial, árvores de tronco alto, cipos, plantas parasitas e um denso sotobosque.

Nas zonas mais altas aparecem os pastos e na alta montanha os fetos arbóreos e lobélias. Nas regiões do norte onde as chuvas são pouco frequentes aparece a estepa de arbustos espinhosos e acácias.

A fauna encontra-se protegida nos Parques Nacionais. No Parque da Rainha Isabel entre os lagos Eduardo e Jorge concentram-se grande quantidade de hipopotamos e aves como o avestruz, loros e cegonhas. O Parque Murchisom alberga olifantes, hipopotamos, búfalos, rinocerontes e crocodrilos. Outros animais pertencentes à fauna ugandesa são o chimpanzé, porco selvagem, okapi, girafa, zebra, gorila, onagro, antílope e tamanduá.

História

DADOS HISTÓRICOS

No ano 1.500 a.C. Uganda sofreu invasões camitas. Os buganda têm sido seus habitantes desde há muito tempo.

Uganda foi descoberta em 1862 e junto com Quênia e Tanzânia foi um dos territórios que integravam a África Oriental Britânica.

Colonização

Em 1862 chegaram os primeiros exploradores ingleses. O objetivo era descobrir as fontes do Nilo. Encontraram nas ribeiras setentrionais do Lago Victória ao povo preto buganda, regidos pelo kabaka. Como ele mostrou-se favorável, pronto chegaram missionários católicos e anglicanos.

Ao morrer o soberano, entre 1885 e 1887 tiveram lugar matanças de católicos, alguns deles indígenas. Mais tarde tive um período de calma, após de um acordo anglo-germano pelo qual o território ficaba sob influência inglesa. Em 1894 instaura-se o protetorado britânico.

Dominio britânico

Durante o século XX a evolução foi tranquila, pois proibia-se aos brancos adquirir terras. A dificuldade veio pelas diferença s entre o governo britânico e o monarca de Buganda.

Em 1953 teve lugar a crise mais importante deste período: foi deposto e exiliado o kabaka; até 1955 não voltou ao trono.

Em 1960 Buganda declara-se Estado independente, mas o governador de Uganda se opus. Em 1961 tive eleições gerais e saiu vencedor o partido demócrata. O 9 de outubro de 1962 atinge a independência e finda o protetorado britânico. Promulga-se uma constitução essencialmente republicana e se mantém o estatuto de pertencer à Commonwealth. O presidente da República era o rei de Buganda. Em fevereiro de 1966 o chefe de governo Miltom Obote deu um golpe de estado e toma o poder de um regime presidencialista.

Na atualidade o chefe de estado é Yoweri Kaguta Museveni e o chefe de governo Kintu Musoke, designado no ano de 1996.

Arte e Cultura

Uganda tem sido outro dos países do centro da África que não evitou enfrentamentos e guerras civiles. Estes afetaram as manifestações culturais e os restos de uma passado colonial.

As expressões regionais mais fortes vem dos habitantes de sempre: os buganda, cuja dinastia se remonta ao século XV de nossa era. Entre as construções mais importantes têm os túmulos Kasubi, com os enormes edifícios dos kabaka, reis do povo Buganda.

O artesanato, em todas as modalidades é outro dos aspectos culturais a regatar e distinguir de Uganda.

Gastronomia

A cuzinha ugandesa é deliciosa. Seus pratos típicos incluim tanto o peixe como a carne. Entre os mais comuns encontra-se o matoke, com bananas, pão de milho e troços de frango ou carne de vitela, ao igual que o peixe grelhado acompanhado troços de tomate. Nos hotéis de prestígio e em alguns restaurantes encontrará elaborados cardápios de pratos ocidentais.

Bebidas

Em Uganda achará algumas das bebidas internacionais. Em outras zonas podem escassear. Quanto à água, deve bebé-la engarrafada. Preferendo algo mais forte, experimente um gole de waragi, licor de banana.

Compras

Entre as compras mais típicas que podem-se realizar encontra-se o artesanato em madeira, como máscaras ou instrumentos musicais e os tecidos battik.

População e Costumes

No coração da África, Uganda têm sido o cenário de numerosas emigrações. Nas zonas costeiras do lago Vitória se sitúam os bantus. Os indígenas são pretos sudaneses cafres, camitas e nilóticos. Os buganda são a civilização mais avanzada cuja dinastia se remonta ao século XV. Ao oeste há núcleos de pigmeus de origem muito antiga. O grupo étnico predominante é o dos buganda, pertencente ao tronco bantu. O grupo estrangeiro mais importante é o asiático, constituido por índios e paquistaníes e árabes.

Entretenimento

Uma das atividades mais chamativas que oferece Uganda é realizar algúm safari fotográfico. Uganda é um belo país que conta com variada e interessante fauna selvagem. Possui, além disso, numerosos Parques Nacionais como o de Ruwenzori ou Murchison, e estações naturais de grande beleza onde desfrutar da vida tanto animal como vegetal.

Em poucas palavras: a oportunidade de apreciar a natureza em todo seu esplendor.

Os amantes da montanha têm ocasião de praticar esportes de aventura; igualmente, os que preferem os esportes náuticos podem praticá-los, especialmente nos lagos do país. Também os amantes da cidade poderão visitar cidades coloniais e cidades típicas africanas de grande encanto.

Festividades

Os dias festivos oficiais são: 1 de janeiro Ano Novo, 26 de janeiro, 8 de março, Dia do Trabalho, o 3 de junho, 9 de outubro Dia da Independência, Natal, 25 de dezembro e São Estevão e 26 de dezembro. Celebram-se, também, as festas de Semana Santa e as festas islâmicas que variam dependendo do calendário lunar.

Transportes

Avião

O aeroporto Internacional de Enntebe está situado a 3 quilômetros do centro da capital. As aero-linhas de Uganda atendem todas as rotas internas, mas há poucos serviços destes. As passagens interiores e internacionais devem ser pagas em efetivo, salvo residentes.

Trem

Há conexões ferroviárias entre Kampala, Kasese e Tororo. É uma boa alternativa para deslocar-se mas há que ter bastante paciência.

Ônibus

Existe uma linha regular de ônibus que liga os povoados mais importantes. Na maioria das cidades e povoados há uma estação de ônibus ou partada de micro-ônibus.

Carro

Na zona sul do país as estradas são boas e estão bem sinalizadas, enquanto que no norte a situação muda, sobretudo, depois da época de chuvas quando os caminhos ficam intransitáveis, momento em que se faz imprescindível o uso de um veículo 4 x 4.

Táxi

Uganda é o país do táxi e do micro-ônibus, nunca há escassez deles. O preço é fixado com antelação e partem quando estão cheios.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/www.genteviajera.es

Uganda

Nome Oficial: República do Uganda
Área: 241 038 km²
População: 31.367.972 habitantes.
Capital: Kampala
Principais cidades: Kampala
Língua Oficial: Inglês, Swahili
Moeda: Xelim de Uganda
Dia Nacional: 09 de outubro

História

Em Uganda colonial, Buganda foi dado um tratamento especial para ter escolhido em 1880 para sediar os missionários anglicanos e católicos.

No “Protetorado”, fundado em 1894, Buganda era o modelo: o Acordo de Uganda de 1900 estabelece as regras da administração indireta em Buganda e atribuiu grande parte da terra para o soberano e os chefes, embora o Posteriormente, os inquilinos foram concedidos a segurança da posse e taxa de aluguel da terra.

O mesmo sistema foi aplicado em um grau menor Bunyoro, e dois reinos “construído” pelos colonizadores: Toro e Ankole. Mais cedo do que outras regiões, Buganda estendeu culturas e imigrantes atraídos, incluindo Ruanda e Burundi.

Este tratamento desigual causado crescentes tensões entre Norte e Sul com a aproximação da independência (1962). O Baganda tendem a fechar seu particularismo. A Constituição de 1962 estabeleceu um sistema impraticável parlamentar, mas manteve os privilégios dos reinos e foi o rei (Kabaka) de Buganda o Presidente da República de Uganda.

O vencedor das eleições, o líder do Povo de Uganda Congresso, Milton Obote, Langi muito hostil à Baganda, entrou em conflito com o Kabaka, que teve que fugir (1966). Neste conflito, Obote teve de contar com o exército e, especialmente, o seu líder, o general Idi Amin Dada, um sudanês muçulmano do Nilo Ocidental, que tomou o poder em 1971. Para recompensar suas tropas, recrutamento étnica, ele dirigiu os índios em 1972 (mais de 80.000) e um reinado de terror no sul.

A economia afundou no caos. A invasão do noroeste da Tanzânia por soldados ugandenses levaram a intervenção da Tanzânia e Obote recuperação (1979). Sua segunda presidência foi mais sangrenta do que o regime de Idi Amin tomou repressão em Buganda, torres de genocídio, enquanto a economia continuou a se deteriorar.

O exército, o passado Acholi, levou o Poder (1985). Maquis foram formadas e, sob a autoridade de Yoweri Museveni, um Nkore, formaram o Exército de Resistência Nacional. Em janeiro de 1986, Museveni entrou em Kampala. Ele começou a tarefa de reconstrução do país.

A longa crise tem grande perigo sociedade ugandense (contrabando, crime e spread do mercado negro da AIDS). Estabilidade política e uma boa vista tomada pelo país organizações financeiras internacionais são grandes ativos, com o apoio de organizações internacionais, que estão preocupados no entanto, obstáculos colocados na operação de um sistema multipartidário, no entanto, fez não impedir a guerra civil.

Além disso, o resultado da eleição presidencial em março de 2001, venceu por Museveni com 69,2% dos votos, foi desafiado por seus adversários.

GEOGRAFIA

Estado de tamanho modesto (236 860 km2, dos quais 44.000 lagos e pântanos), delimitada ao sul pelo Lago Vitória, está encravado entre o Sudão ao norte, ao leste do Quênia, a República Democrática do Congo (ex-Zaire) oeste, Ruanda e Tanzânia ao sul-oeste.

A maior parte do território é constituído por planation andares, entre 1.200 me 1.500 m, distorcido em uma calha vasta que se aninham Lago Vitória (1134 m) e Lago Kyoga, que desce para o norte. Cúpulas de granito e outros relevos do accidentent residual, incluindo Bunyoro.

Os dispositivos de descompressão mais marcantes são: a oeste, a diferença do Rift Ocidental (600 m), dividido pelo horst Ruwenzori (5110 m) e as alturas das Kigezi, culminando na encosta norte dos Vulcões Virunga, no é, o acidente é o cone vulcânico de mais significativo Elgon (4321 m) para o Uganda Nordeste é separado do Quênia e do Sudão por horsts cristalinas robustos localmente por vulcões como Moroto (3.050 m).

População

Uganda está bem povoada (20,6 milhões horas), mas sem excessos: Sua densidade média é de 86,9 h / km ².

A população é dividida em diminuir a densidade de halos em volta do Lago Victoria, mas Buganda é menos populosa do que as montanhas do Sudeste e Sudoeste, onde a densidade média superior a 250 h. / Km ². O país permaneceu crescimento rural e agrícola, apesar Kampalaj, a capital (850 mil horas.).

A população urbana é de apenas 11% das outras cidades (exceto Jinja, 70.000 h., Industrial centro) é muito dimensões pequenas. A atividade urbana era, antes de 1972, uma grande parte da Ásia empresas indianas e tendo uma grande parte de pequenas indústrias.

No entanto, os africanos eram mestres da agricultura, o país ignorou o acordo agrícola europeu, com poucas exceções (plantações de chá da Europa em Toro, plantações de cana-de-indianos Busoga).

ECONOMIA

Antes da independência, Uganda poderia passar por uma pérola da coroa britânica. O primeiro afetado pela expansão da agricultura comercial, Buganda parecia um modelo de prosperidade rural, com sua produção de algodão e, especialmente, café robusta, que depois ganhou o Busoga.

Banana assegurada campanhas de alimentos e de capital. O café arábica foi cultivado no Elgon e Ruwenzori. O Kigezi especializada em jardinagem de mercado. No centro, Teso e Lango esticado campos de algodão, e do Nilo Ocidental especializada em tabaco.

O Nordeste ficou uma zona pastoral. Uganda tinha recursos minerais pouco (Kilembe cobre), mas sua atividade industrial, impulsionado pela agricultura forte hidrelétrica Owen Falls, no Nilo folhas Lago Vitória, não foi insignificantes pequenas unidades privadas, em sua maioria indianos (engenharia de alimentos pequena); paraestatais (Lira têxtil e Mbale, Soroti fábrica de conservas, cimento, Tororo, refino de cobre em Jinja).

Vinte anos de guerra civil arruinou o país, que hoje restaura seu potencial (a taxa de crescimento foi de 10% em 1995), mas de forma desigual entre as regiões. O Nordeste é uma insegurança de borda de área e do Centro está se recuperando lentamente.

É o sul, que levou mais rapidamente, acentuando mais contrastes sociais e econômicos são um do longo período de agitação.

Fonte:  www.afrique-planete.com

Uganda

Nome completo: República do Uganda
População: 34,5 milhões (ONU, 2011)
Capital: Kampala
Área: 241.038 km ² (93.072 milhas quadradas)
Principais idiomas: inglês (oficial), suaíli (oficial), Luganda, Bantu e vários Nilotic línguas
Grandes religiões: Cristianismo, Islã
Expectativa de vida: 54 anos (homens), 55 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 Xelim de Uganda = 100 centavos
Principais exportações: peixe, café e produtos de peixe, chá, tabaco, algodão, milho, feijão, gergelim
RNB per capita: US $ 510 (Banco Mundial, 2011)
Domínio da Internet:. Ug
Código de discagem internacional: 256

Perfil

Desde 1980 Uganda se recuperou do abismo da guerra civil e uma catástrofe econômica para se tornar relativamente pacífico, estável e próspero.

Mas a vida de centenas de milhares de pessoas no norte do país permanecem marcada por uma das rebeliões mais brutais da África.

Nos anos 1970 e 1980, Uganda foi notório por seus abusos aos direitos humanos, primeiro durante a ditadura militar de Idi Amin 1971-79 e depois o regresso ao poder de Milton Obote, que tinha sido deposto por Amin.

Durante esse tempo, até meio milhão de pessoas foram mortas no estado de violência patrocinada.

Desde que se tornou presidente em 1986, Yoweri Museveni introduziu reformas democráticas em um ritmo constante e foi creditado com substancialmente melhorar os direitos humanos, nomeadamente reduzindo os abusos por parte do exército e da polícia.

Apoiados pelo ocidente reformas econômicas produzido um crescimento sólido e cai na inflação em 1990, e da descoberta de petróleo e gás no oeste do país, aumentou a confiança.

A abertura econômica mundial de 2008 hit Uganda difícil, dada a sua dependência contínua das exportações de café, e empurrou para cima os preços dos alimentos.

Esta oposição ao galvanizado, que contestou vitória de Museveni em 2011 as eleições presidenciais e foi para organizar protestos de rua sobre o custo de vida e as liberdades políticas.

O presidente também criticado por envolvimento militar de Uganda, junto com outros cinco países, na vizinha República Democrática do Congo guerra de 1998-2003 civil.

DR Congo acusa Uganda de manter sua influência no leste rico em minerais do país. Uganda diz DR Congo conseguiu desarmar os rebeldes ugandeses no seu solo.

O culto-como Resistência do Senhor Army (LRA) tem tumultos no norte da Uganda para as duas últimas décadas e tem nos últimos anos se espalhou para países vizinhos, sequestrar e killng dezenas de milhares, bem como deslocando mais de 1,5 milhões.

O seu líder, Joseph Kony diz que quer governar o país ao longo das linhas do bíblico Dez Mandamentos, e é procurado pelo Tribunal Penal Internacional por crimes contra a humanidade.

Alguns críticos se perguntam por que o conflito já se arrasta há tanto tempo e questionou compromisso do Sr. Museveni para acabar com a insurgência. O governo por sua vez, apontou para o progresso desde 2011, quando os EUA se comprometeu a rastrear bases do LRA em países próximos.

Uganda ganhou elogios por sua vigorosa campanha contra o HIV / Aids. Isso ajudou a reduzir a prevalência do vírus – que chegou a 30% da população na década de 1990 – para um dígito números.

Uma cronologia dos principais eventos:

1500 – dinastias Bito de Buganda, Bunyoro e Ankole fundada por imigrantes de língua nilótica do atual sudeste do Sudão.

1700 – Buganda começa a expandir-se à custa de Bunyoro.

1800 – Buganda controla território limítrofe Lago Vitória do Nilo Vitória para o rio Kagera.

1840 – os comerciantes muçulmanos da costa do Oceano Índico troca de armas de fogo, tecido e contas para o marfim e os escravos de Buganda.

1862 – O explorador britânico John Hanning Speke torna-se o primeiro europeu a visitar Buganda.

1875 – O rei Mutesa Bugandan I permite que os missionários cristãos de entrar em seu reino.

A influência britânica

1877 – Os membros da Sociedade Britânica Missionário chegar em Buganda.

1879 – Os membros dos franceses romanos Padres católicos brancos chegarem.

1890 – Grã-Bretanha e Alemanha tratado sinal dando direitos da Grã-Bretanha para o que viria a se tornar Uganda.

1892 – Imperial British East Africa Company agente Frederick Lugard estende o controle da empresa para o sul do Uganda e ajuda os missionários protestantes a prevalecer sobre os seus homólogos católicos em Buganda.

1894 – Uganda torna-se um protetorado britânico.

1900 – Grã-Bretanha assina acordo com Buganda dando-lhe autonomia e transformá-lo em uma monarquia constitucional controlada principalmente por chefes protestantes.

1902 – A província oriental de Uganda transferido para o Quênia.

1904 – O cultivo comercial do algodão começa.

1921 – Uganda deu um conselho legislativo, mas o seu primeiro membro Africano não admitiu até 1945.

1958 – Uganda dada autonomia interna.

1962 – Uganda torna-se independente com Milton Obote como primeiro-ministro e com Buganda desfrutar de uma autonomia considerável.

1963 – Uganda torna-se uma república com o rei de Buganda de Mutesa como presidente.

1966 – Milton Obote termina autonomia Buganda e promove-se à presidência.

1967 – Nova Constituição coletes considerável poder no presidente.

Ano Idi Amin

1971 – Milton Obote deposto em golpe liderado pelo chefe do Exército, Idi Amin.

1972 – Amin ordens asiáticos que não eram cidadãos de Uganda – em torno de 60.000 pessoas – a deixar o país.

1972-1973 – Uganda se envolve em conflitos de fronteira com a Tanzânia.

1976 – Idi Amin declara-se presidente vitalício e afirma partes do Quênia.

1978 – Uganda invade Tanzânia, a fim de anexar região de Kagera.

1979 – Tanzânia invade Uganda, unificando os vários anti-Amin forças sob a Frente Nacional de Libertação de Uganda e forçando Amin a fugir do país; Yusufu Lule instalados como presidente, mas é rapidamente substituído por Godfrey Binaisa.

1980 – Binaisa derrubado pelo exército.

Milton Obote torna-se presidente após as eleições.

1985 – Obote deposto em golpe militar e é substituído por Tito Okello.

1986 – Nacional rebeldes do Exército de Resistência tomar Kampala e instalação Yoweri Museveni como presidente.

Início da recuperação

1993 – Museveni restaura os reis tradicionais, incluindo o rei de Buganda, mas sem poder político.

1995 – Nova Constituição legaliza os partidos políticos, mas mantém a proibição de atividade política.

1996 – Museveni voltou ao cargo em eleição direta Uganda primeira presidencial.

1997 – As tropas de Uganda ajuda depor Mobutu Sese Seko do Zaire, que é substituído por Laurent Kabila.

1998 – As tropas de Uganda intervir na República Democrática do Congo ao lado de rebeldes que buscam derrubar Kabila.

2000 – ugandenses voto para rejeitar política multipartidária em favor da continuidade de Museveni “nenhum partido” do sistema.

Janeiro de 2001 – Comunidade do Leste Africano (EAC) inaugurada em Arusha, na Tanzânia, colocando bases para passaporte do Leste Africano comum, a bandeira, a integração econômica e monetária. Os membros são Tanzânia, Uganda e Quênia.

Março de 2001 – Uganda classifica Ruanda, seu antigo aliado na guerra civil no Congo, como uma nação hostil por causa dos combates em 2000 entre os exércitos dos dois países na RD Congo.

Museveni vence mais um mandato no cargo, batendo seu rival Kizza Besigye por 69% a 28%.

Campanha contra rebeldes

Março de 2002 – Sudão, Uganda assinam acordo que visa contendo grupo rebelde de Uganda de Resistência do Senhor (LRA), ativo ao longo da fronteira comum.

Outubro de 2002 – Exército evacua mais de 400 mil civis presos na luta contra o culto-como LRA, que continua seus ataques brutais contra aldeias.

De dezembro de 2002 – acordo de paz assinado com o Uganda Frente Nacional de Resgate (UNRF) rebeldes após mais de cinco anos de negociações.

Maio de 2003 – Uganda puxa última de suas tropas do leste da RD Congo. Dezenas de milhares de civis RD Congo procurar asilo em Uganda.

2004 Fevereiro – LRA abate rebeldes mais de 200 pessoas em um acampamento para pessoas deslocadas no norte.

2004 dezembro – Governo e rebeldes do LRA realizar suas primeiras cara-a-cara fala, mas não há avanço em acabar com a insurgência.

Abril de 2005 – Uganda rejeita acusações feitas pela República Democrática do Congo no Tribunal Internacional de Haia. DR Congo diz Uganda invadiram seu território em 1999, matando cidadãos e saques.

Política multipartidária

Julho de 2005 – O Parlamento aprova uma emenda constitucional que desfaz limites do mandato presidencial.

Os eleitores em um referendo esmagadoramente para trás um retorno à política multipartidária.

Outubro de 2005 – Tribunal Penal Internacional emite mandados de prisão cinco comandantes do LRA, incluindo o líder Joseph Kony.

Novembro de 2005 – principal líder da oposição, Kizza Besigye é preso pouco depois de voltar do exílio depois de um julgamento em um tribunal militar sob várias acusações, incluindo traição e posse ilegal de armas de fogo. Os defensores dizem que o julgamento foi politicamente motivado, e ir para as ruas. Sr. Besigye é libertado sob fiança em janeiro de 2006, pouco antes das eleições presidenciais.

Dezembro de 2005 – Tribunal Internacional de Haia nas regras que Uganda deve compensar República Democrática do Congo por abusos dos direitos e de pilhagem dos recursos nos cinco anos que antecederam a 2003.

Fevereiro de 2006 – O presidente Museveni vence eleições multi-partidárias, tendo 59% dos votos contra 37% da quota de seu rival, Kizza Besigye. Os observadores da UE destacar intimidação do Sr. Besigye e preconceito da mídia oficial como problemas.

De agosto de 2006 – O governo eo LRA assinar uma trégua que visa acabar com o conflito de longa duração. Conversas de paz subsequentes são marcadas por regulares walk-outs.

Novembro de 2006 – Governo rejeita um relatório das Nações Unidas, acusando o Exército de usar força excessiva e indiscriminada em sua campanha para desarmar os guerreiros tribais na região sem lei nordeste do Karamoja.

Papel Somália

Março de 2007 – soldados ugandenses implantar na Somália como parte de uma missão da União Africano para ajudar a estabilizar o país.

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas diz que vai ter de reduzir para metade distribuição de alimentos para mais de 1 milhão de pessoas deslocadas pela guerra no norte.

Abril de 2007 – Protestos sobre uma floresta tropical explodir em violência racial em Kampala, forçando a polícia para proteger as empresas da Ásia e um templo hindu. Um homem asiático e outras duas pessoas são mortas.

Julho de 2007 – Exército de Resistência do Senhor diz falta de fundos para viagens ao exterior e para alcançar os comandantes em esconderijos remotos vai atrasar as negociações de paz.

De agosto de 2007 – Uganda e RDCongo acordo para tentar desarmar uma disputa de fronteira.

De setembro de 2007 – Estado de emergência imposto depois de graves inundações causar uma devastação generalizada.

Fevereiro de 2008 – Governo e sinal do Senhor Exército de Resistência que está destinado a ser um cessar-fogo permanente nas negociações em Juba, Sudão.

De novembro de 2008 – O líder do Exército de Resistência do Senhor, Joseph Kony, mais uma vez não apareceu para a assinatura de um acordo de paz. Uganda, Sudão do Sul e os exércitos RD Congo lançar ofensiva contra as bases do LRA.

2009 Janeiro – apelos de Resistência do Senhor do Exército para cessar-fogo em face da ofensiva continuando por países da região.

O Reino Unido petróleo explorador Heritage Oil diz que fez uma grande descoberta de petróleo em Uganda.

2009 Março – Uganda exército começa a se retirar da RD Congo, onde ele tinha perseguido os rebeldes do Exército de Resistência do Senhor.

Outubro de 2009 – islamitas somalis ameaçam alvo Uganda e Burundi após a ação de forças de paz africanas na Somália mata vários civis.

2009 Dezembro – Parlamento vota para banir a circuncisão feminina. Qualquer pessoa condenada por prática vai enfrentar 10 anos de prisão ou pena de prisão perpétua se a vítima morre.

2010 Janeiro – O presidente Museveni distâncias se do Bill anti-homossexualidade, dizendo que o partido governista MP que propôs o projeto de lei o fez como um indivíduo. A União Europeia e os Estados Unidos condenou a conta.

O exército de Uganda diz que matou Bok Abudema, um comandante sênior de Resistência do Senhor Exército grupo armado, na Central Africano República.

Fevereiro de 2010 – Heritage Oil vende seus ativos em Uganda para a Tullow Oil empresa britânica depois de energia italiana Eni desistiu da licitação.

Junho de 2010 – Promotor abre investigação de corrupção contra Bukenya Gilbert, Vice-Presidente, Ministro dos Negócios Estrangeiros Sam Kutesa e vários outros ministros e funcionários sobre o suposto roubo de US $ 25 milhões.

Junho e Agosto de 2010 – Operação contra Rwenzori ADF-Nalu rebeldes lutam por um Estado islâmico em Uganda pede 90 mil a fugir em província de Kivu Norte da vizinha República Democrática do Congo.

Explosões

2010 Julho – Dois atentados a bomba contra as pessoas assistindo Copa do Mundo em um restaurante e um clube de rugby em Kampala matam pelo menos 74 pessoas. O grupo islâmico somali Al-Shabab disse que estava por trás das explosões.

2010 Agosto – Movimento Nacional de Resistência eleições primárias para candidatos parlamentares e locais suspensos em meio a irregularidades, a violência.

2010 Outubro – Relatório da ONU sobre morte de hutus no Congo, entre 1993 e 2003, diz que eles podem constituir “crimes de genocídio”. Ele implica Ruanda, Uganda, Burundi, Zimbábue e Angola.

2010 Outubro – Tribunal Constitucional anula traição acusações contra o líder da oposição Kizza Besigye.

2011 Fevereiro – Museveni vence sua quarta eleição presidencial. Challenger Kizza Besigye alega fraude eleitoral e rejeita o resultado como uma farsa.

2011 Abril – Kizza Besigye preso várias vezes” pé para o trabalho” protestos contra o aumento dos preços.

2011 Julho – EUA implanta pessoal das forças especiais para ajudar os rebeldes de Uganda de combate do LRA.

2011 Setembro – Tribunal ordena libertação de LRA comandante Thomas Kwoyelo, dizendo que ele deveria ser dada a anistia oferecida pelo governo.

2012 Maio – Exército ugandês LRA captura sênior comandante César Achellam em um confronto na Central Africano República, um dos estados próximos em que a banda restante das tropas do LRA atua. Uganda diz que este é um grande avanço, Achellam faturamento como um estrategista LRA topo.

Dezenas de milhares de refugiados cruzam em Uganda, fugindo combates na República Democrática do Congo.

2012 Julho – ONU acusa Uganda seinding de tropas para RD Congo para lutar ao lado do movimento rebelde M23, uma carga Uganda nega.

2012 novembro – Uganda anuncia a sua intenção de retirar as suas forças da ONU apoiados missões internacionais, na Somália particular, a Central Africano República e República Democrática do Congo, em resposta às acusações da ONU que Uganda é armar os rebeldes congoleses.

Fonte:  news.bbc.co.uk

Uganda

Uganda é a pérola da África, um país com uma paisagem natural fantástica e um rico mosaico de tribos e culturas.

Viajar através de Uganda você será cativado por sua beleza, esmagada pela simpatia de seu povo e intrigado com tudo o que Uganda tem para oferecer.

Localização

Uganda está montado no Equador, na África Oriental entre longitudes 29 ½ ° Leste e 35 ° Leste e entre as latitudes 4 ½ ° Norte e ½ ° Sul, a uma altitude média de 1.100 metros acima do nível do mar. A área total é de 236.580 quilômetros quadrados.

Estamos fronteira com a República do Sudão do Sul para o Norte, a República do Quénia para o Leste, a República Democrática do Congo a oeste, ea República Unida da Tanzânia e da República do Ruanda para o sul.

Situado no Equador, Uganda é composta de quatro regiões (Central, Leste, Norte e Oeste) em uma área de 236, 580 km ², com sua capital em Kampala.

O país tem a sorte de porto Lago Victoria, o segundo maior lago do mundo formando a fonte do Nilo, o segundo maior rio do mundo.

População

Cerca de 31.367, 972 (2008 est) com um crescimento populacional de 3,6 por cento.

Povo e cultura

Uganda tem sido um caldeirão cultural, como evidenciado pela existência de mais de 30 diferentes línguas indígenas pertencentes a cinco grupos lingüísticos distintos, e um mosaico igualmente diversificada cultural de música, arte e artesanato.

Visão global

Ecologicamente, Uganda é onde o Leste Africano savana atende a selva Oeste Africano. Onde mais, mas neste destino exclusivamente exuberante se pode observar leões rondando as planícies abertas nos chimpanzés da manhã e trilha pelo mato floresta na mesma tarde, então no dia seguinte canais de navegação tropicais cheias de hipopótamos e crocodilos antes de partir para as montanhas enevoadas para visitar os gorilas das montanhas majestosas? Uganda é o destino safari único cuja faixa de floresta primatas é tão impressionante como a sua seleção de antílopes simples.

Além da grande biodiversidade, Uganda também é abençoada com uma população de aves vasta de mais de 1.000 espécies.

Idiomas comuns

Inglês (língua oficial)
Kiswahili
Luganda
Runyankole, rukiga ou Rutoro

Religiões

Católica romana (41%)
Anglicana (40%)
Islam (5%)
Outras crenças (14%)

Clima

Uganda tem um clima temperado, embora a maioria do país está dentro dos trópicos, com temperaturas entre 16 – 26’C para a maioria do ano (abril – novembro). No entanto, durante os meses mais quentes (dezembro – março) as temperaturas chegam a mais de 30 ° C.

Governo

A República de Uganda é um Estado soberano democrático regido pela Constituição de 1995. O Presidente é o Chefe de Estado e do Executivo, que compreende de 26 ministros do governo. Qualificações de voto são universais, para os maiores de 18 anos de idade.

Principais feriados

Dia de Ano Novo – 1 de Janeiro
NRM Dia da Libertação – 26 de Janeiro
Domingo de Páscoa, Sexta-feira Santa – Março – Abril
Dia dos Mártires – 03 de junho
Dia dos Heróis – 09 de junho
Independência – 09 de outubro
Dia de Natal – 25 de dezembro
Boxing Day – 26 de dezembro

História

Breve história

Os primeiros habitantes humanos em Uganda eram caçadores e coletores. Remanescentes dessas pessoas estão hoje a ser encontrado entre os pigmeus no oeste de Uganda. Cerca de 2000 a 1500 anos atrás, as populações bantu Falando da África central e ocidental migraram e ocuparam a maior parte das regiões do sul do país.

Os imigrantes trouxeram com eles a agricultura, habilidades ironworking e novas idéias de organização social e política, que até o dia 15-16 século resultou no desenvolvimento de reinos centralizados, incluindo os reinos de Buganda, Bunyoro-Kitara e Ankole.

Colonial Uganda

Em 1888, o controle da emergente “esfera de interesse” britânico na África Oriental foi atribuído por carta régia de Imperial William Mackinnon África Oriental Britânica Company (IBEACO), um acordo reforçado em 1890 por um acordo anglo-alemão confirmando o domínio britânico sobre Quênia e Uganda.

O alto custo da ocupação do território levou a empresa a se retirar em 1893, e suas funções administrativas foram tomadas por um comissário britânico. Em 1894, Uganda foi colocado sob um protetorado britânico formais.

Cedo independente Uganda

Grã-Bretanha concedeu a independência de Uganda, em 1962, e as primeiras eleições foram realizadas no dia 1 de Março de 1961. Benedicto Kiwanuka do Partido Democrata tornou-se o primeiro Ministro-Chefe. Uganda tornou-se uma república no ano seguinte, quando ganhou a sua independência em 09 de outubro de 1962, portanto, a aquisição de seus membros Commonwealth. Sir Edward Mutweesa II foi nomeado como o primeiro presidente

Nos anos seguintes, os defensores de um Estado centralizado competiam com aqueles a favor de uma federação e um papel forte para tribal-base de reinos locais. Manobra política culminou em Fevereiro de 1966, quando o primeiro-ministro Apollo Milton Obote suspendeu a constituição e assumiu todos os poderes do governo, removendo os cargos de presidente e vice-presidente.

Em setembro de 1967, uma nova constituição proclamou Uganda uma república, deu ao presidente poderes ainda maiores, e aboliu os reinos tradicionais.

Uganda sob Idi Amin Dada

Em 25 de janeiro de 1971, o governo Obote foi derrubado em um golpe militar liderado pelo comandante das forças armadas Idi Amin Dada. Amin declarou-se “presidente”, dissolveu o Parlamento, e alterado a Constituição para dar a si mesmo o poder absoluto.

Regra de oito anos de Idi Amin, produziu o declínio econômico, a desintegração social e violações maciças dos direitos humanos. Em 1978, a Comissão Internacional de Juristas estimam que mais de 100 mil ugandenses foram assassinados durante o reinado de terror de Amin; algumas autoridades colocar a figura tão alto como 300.000 – uma estatística citada no final do filme de 2006 “O Último Rei da Escócia “, que narrou parte da ditadura de Idi Amin.

Uma briga envolvendo fronteira exilados ugandeses acampados perto da fronteira com Uganda de Mutukula resultou em um avanço por parte do exército de Uganda para a Tanzânia. Em outubro de 1978, as forças armadas da Tanzânia rebateu uma incursão de tropas de Amin em território tanzaniano.

O exército da Tanzânia, apoiados por Uganda exilados travou uma guerra de libertação contra as tropas de Amin e os soldados líbios enviado para ajudá-lo. Em 11 de abril de 1979, Kampala foi capturado, e Amin fugiu com suas forças restantes.

Uganda entre 1979 – 1986

Após a remoção de Amin, a Frente Nacional de Libertação de Uganda formou um governo provisório com Yusuf Lule como presidente, e Lucas Jeremias Opira como o Secretário-Geral da UNLF e criou um órgão quase parlamentar conhecida como a Comissão Consultiva Nacional (NCC).

O NCC eo gabinete Lule refletido muito diferentes visões políticas. Em junho de 1979, após uma disputa sobre a extensão dos poderes presidenciais, o NCC substituiu Lule com Godfrey Binaisa. Em uma disputa permanente sobre os poderes da presidência interina, Binaisa foi removido em maio de 1980.

Posteriormente, Uganda foi governado por uma comissão militar presidida por Paulo Muwanga. Os dez 1980 eleições voltou a UPC ao poder sob a liderança do presidente Milton Obote, com Muwanga servindo como vice-presidente.

Sob Obote, as forças de segurança tiveram um dos piores do mundo histórico de direitos humanos. Em seus esforços para acabar com uma rebelião liderada por Yoweri Museveni Nacional do Exército de Resistência (NRA), que devastou uma parte substancial do país, especialmente na área de Luwero norte de Kampala.

Mensagem de Libertação guerra (1986 – 2000)

As negociações entre o governo Okello eo ARN foram realizadas em Nairobi, no outono de 1985, com o presidente queniano Daniel Arap Moi buscando um cessar-fogo e um governo de coalizão em Uganda.

Embora concordem no final de 1985 para um cessar-fogo, o NRA continuou lutando, e apreendeu Kampala e do país no final de janeiro de 1986, obrigando as forças de Okello a fugir para o norte em Sudão. Forças de Museveni organizou um governo com Museveni como presidente.

Desde que assumiu o poder, o governo dominado pelo agrupamento político criado por Yoweri Kaguta Museveni e seus seguidores, o Movimento de Resistência Nacional (NRM ou o “Movimento”), em grande parte pôr fim aos abusos dos direitos humanos dos governos anteriores, iniciado político substancial liberalização geral e liberdade de imprensa, e instituiu amplas reformas econômicas após a consulta com o Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial e governos doadores.

Gente e Cultura

Situado no coração geográfico do continente Africano, Uganda tem sido um caldeirão cultural, como evidenciado pela existência de mais de 30 diferentes línguas indígenas pertencentes a cinco grupos lingüísticos distintos, e um mosaico igualmente diversificada cultural de música, arte e artesanato.

Habitantes mais antigos do país, confinados ao sudoeste montanhoso, são o Batwa e os pigmeus Bambuti, as relíquias das culturas de caçadores-coletores que ocuparam grande parte da África Oriental para deixar para trás um rico legado de pinturas rupestres, como no Rock Shelter Nyero Kumi perto.

Central

A região central é dominada pelo grupo Bantu especificamente o Baganda.

A monarquia Buganda apresenta uma das melhores documentações da realeza em Uganda. O chefe de Estado é o rei conhecido localmente como Kabaka. O atual rei de Buganda, Ronald Sua Alteza Mutebi II foi coroado o Kabaka 36 de Buganda, em 1993, depois de seu pai Sir Edward Mutesa II morreu no exílio.

O reino também constitui um Parlamento (Lukiiko), compreendendo principalmente de idosos chefes de seus clãs 52. Outras pessoas, que ocupam cargos importantes no reino, incluem o Queen (Nabagereka), o primeiro-ministro (Katikiiro), a irmã real (Nalinya) e da Mãe Rainha (Namasole).

Sustento

Tradicionalmente, um homem pode se casar com cinco esposas ou mais desde que pudesse servir para eles. Era mais fácil tornar-se polígamo em Buganda que em outras partes de Uganda, porque as obrigações noiva riqueza que não é proibitivo ao contrário de antigamente, quando o casamento costumava ser realizada pelos pais, por exemplo, quando o pai da menina poderia escolher para seu marido sem um aproveitar a quaisquer alternativas.

Danças Tradicionais

Buganda é conhecido por suas distintas ocasiões cerimoniais organizados pela observância, comemoração, inauguração lembrança, ou fullfilment de rituais culturais e norms.Some dos comuns (altamente reconhecido) cerimônias em Buganda; incluem o início de gêmeos (okwalula abalongo), a introdução ( okwanjula) e último rito funeral (okwabya olumbe).

Jantar

Matooke (bananas do tipo Terra) é um prato popular local entre os Baganda. É descascado, amarrado em folhas de bananeira e colocar em uma panela com água suficiente para cozinhar as folhas. Mais tarde, o pacote é removido e espremidas para obter um purê macio e dourado suave amarelo. As folhas de banana são usadas para mantê-lo quente e húmido.

Oriental

A região Leste é outra área diversa composta por um número de diferentes grupos tribais incluindo; Bagisu, Basamia / Bagwe, Basoga, Bagwere, Iteso, Japadhola eo Sebei entre outros.

Além de outros grupos, o Basoga apresentar uma realeza distintivo no leste de Uganda com seu rei conhecido localmente como Kyabazinga.

Marrige e Vida Familiar

Nesta região, bem como o resto do país, dotes são altamente valorizados e são geralmente em forma de bovinos, ovinos e caprinos. O valor pago é negociada entre os pais do casal novo ser. Quanto maior o dote, o mais valorizado é a noiva, embora isso não faz necessária garantia o sucesso do casamento.

Cerimônias

Tamenhaibunga; Este tipo de dança é praticada pela tribo Basoga. Tamenhaibunga literalmente significa “bons amigos beber juntos, mas eles não lutam entre si para que não se quebre o guarda (eibuga) que contém a bebida.”

O guarda é simbolicamente utilizada para expressar o valor ea fragilidade do amor e da amizade. Outras danças em Busoga incluem Nalufuka, uma versão muito mais rápido e jovem de de Tamenhaibuga; Eirongo, um desempenho mais lento dança cerebrizar o nascimento de gêmeos; Amayebe, que constrói a resistência física, especialmente para os homens; Enswezi, usado para comunicar-naturais e super Ekigwo para lutadores.

Jantar

Kamaleewa: Estes são brotos tenros de bambu que são uma iguaria entre os Bagisu. Normalmente, após a colheita, os rebentos são primeiro cozidos e, mais tarde, sundried antes de cozinhar.

Outros incluem; Atapa, Akaro e peixe Sundried.

Norte

A região Norte também é um caldeirão de um grande número de tribos, incluindo; Acholi, Langi, Alur, Kakwa, e Lugbara entre outros.

Esta região compreende o Acholi e Langi, no norte, Alur, Lugbara e Madi na região oeste do Nilo. Como a maioria das regiões, as regiões langi e Acholi predominantemente dependem da agricultura como atividade econômica, com milheto e sorgo servindo como alimentos básicos.

Casamento e vida familiar

Tradicionalmente, um jovem depende de sua cabeça linhagem e anciãos, tanto para a permissão para casar e para os bens materiais necessários para a riqueza noiva; anciãos da linhagem da noiva também foram muito envolvido nas discussões e negociações em torno do casamento.

Cerimônias

Naleyo dança é executada pelas Karimajongs onde as mulheres se alinham e os homens atingem seus seios com os dedos enquanto dançam. Os Karimajongs são uma comunidade pastor na parte nordeste de Uganda.

Jantar

Akaro: Isto é feito de uma combinação de farinha de milho, sorgo e mandioca misturada em uma quantidade proporcional de água.

Malakwang: Um vegetal amargo geralmente preparada com pasta de amendoim para formar uma comida típica do norte. Malakwang é melhor servido com batata-doce.

Outros incluem, peixe fumado e Ugali.

Ocidental

A região oeste também é rica em cultura tribal, consiste; Bakonjo / Bamba, Batooro, Banyoro, Banyankore, Bakiga, Bafumbira e Bachwezi entre outros.

Realeza

O Batooro e Banyoro ter um sistema centralizado de governo liderada pelo Omukama. Inicialmente, fazia parte da Toro Bunyoro, mas depois se afastou. O primeiro rei foi Kaboyo Kasusunkwazi o verdadeiro fundador do reino e, atualmente, o reino é dirigido por Rei Oyo Nyimba Kabamba Iguru Rukidi IV.

Sustento

Casamento e Vida Familiar

Ankole no oeste é a tribo mais popular em termos de prestígio e da população. O rei possuía todo o gado e, teoricamente, possuía todas as mulheres. Hima pais estavam ansiosos para chamar a atenção para suas filhas porque o Rei deu presentes de casamento generosas. Meninas magras eram inadequados para a realeza para aquelas meninas que o rei, considerados de interesse para se casar com um de seus filhos foram alimentados à força em leite.

Danças tradicionais

Entogoro: Entogoro é dançado por Banyoro e Batooro do oeste de Uganda. A dança tem o seu nome a partir dos chocalhos pod (localmente conhecida como ebinyege) que os rapazes amarram em suas pernas para fazer ritmos diferentes enquanto dançam.

Ekitagururo: Esta é caracterizada por ritmos energéticos estamparia e tangling usando os pés e os movimentos do braço aéreas, que é realizada por ambos Banyankole e Bakiga na região ocidental sul.

Jantar

Eshabwe: Um prato tradicional Banyankole composto de manteiga, do leite desnatado. Isso geralmente é comido com Akaro. É uma refeição um certamente se familiarizar com uma visita às regiões ocidentais do Uganda.

Outros incluem; Akaro e Firinda.

Fonte:  www.visituganda.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+