Breaking News
Home / Turismo / Pirâmide de Sahure

Pirâmide de Sahure

PUBLICIDADE

A pirâmide de Sahure foi a primeira pirâmide construída na necrópole de Abusir, no Egito.

A pirâmide foi construída para o enterro de Sahure , segundo faraó da quinta dinastia c. 2480 aC.

A pirâmide de Sahure é parte de um complexo mortuário maior que compreende um templo às margens do Abusir lago, uma ponte a partir deste templo ao alto do templo localizado contra a pirâmide principal e uma pirâmide culto separado para o Ka do rei .

O complexo era conhecido no antigo Egito como HJ-b3 S3?.w R, “o nascer do Ba Espírito de Sahure “.

O complexo de pirâmides de Sahure foi amplamente escavada no início do século 20 por Ludwig Borchardt e agora é reconhecido como um marco na arquitetura antiga tumba egípcia, da sua disposição a definição de um padrão que se manteria inalterado até o final da sexta dinastia uns 300 anos mais tarde.

O vale e altos templos, bem como o passadiço do complexo foram ricamente decorados com mais de 10.000 sq. m (107.640 pés quadrados). dos relevos finos que fez o complexo de renome na antiguidade.

A alta templo também é notável pela variedade de materiais de construção utilizados para a sua construção, desde os de alabastro e basalto pisos à multa de calcário e vermelho granito das paredes.

Pirâmide de Sahure
Uma visão sobre os restos da pirâmide de Sahure, visto de seu Templo do Vale

A pirâmide foi relativamente pequeno, com uma base de 78,75 metros quadrados e inicialmente subindo a uma altura de apenas 47 metros.

Seu núcleo era formado por blocos de pedra calcária desbastadas que foram extraídos para o oeste de Abusir. Eles foram colocados em cinco ou seis etapas, com os blocos, realizada em conjunto com argamassa de barro.

No norte, os construtores deixaram uma grande lacuna que lhes permitiu trabalhar na estrutura interna da pirâmide, enquanto a construção do núcleo em torno dele. Esta lacuna foi posteriormente preenchido com detritos.

Estrutura interna da pirâmide é muito simples. A entrada está localizada no norte do país, um pouco a leste fora do centro, perto do nível do solo.

Uma passagem curta descendente forrado com granito vermelho foi bloqueada na parte inferior por uma pesada porta levadiça de granito.

A partir daí, a passagem, 1m87 de altura e 1m27 de largura e revestidas com calcário sobe ligeiramente para a câmara funerária.

A última parte da passagem antes de entrar na câmara mortuária foi novamente alinhadas com o granito.

A câmara funerária é uma sala retangular bastante simples medição de 12,6 por 3,15 metros. O telhado foi balbuciou com 3 camadas de enormes vigas de calcário. A câmara funerária foi muito danificado e apenas um único fragmento do sarcófago de basalto foi encontrado.

Fonte: www.ancient-egypt.org

Pirâmide de Sahure

Sahure, que reinou entre 2458 e 2446 a.C. aproximadamente, segundo faraó da V dinastia, escolheu um planalto na orla do deserto para edificar sua pirâmide.

Atualmente o local fica próximo da moderna cidade de Abusir. Impressionante por sua magnificência artística, estima-se que cerca de 10 mil metros quadrados de paredes de pedra calcária estavam cobertos de relevos neste conjunto arquitetônico.

Os egípcios chamavam-na de A Pirâmide onde o Espírito Ba se Levanta; ou, segundo outros autores, O Ba de Sahure resplandece.

O lado da base da pirâmide, quando intacta, media cerca de 78 metros e 33 centímetros e sua altura era de, aproximadamente, 49 metros e 37 centímetros. O revestimento era de pedra calcária e pouco restou dele, mas uma parte considerável da estrutura do monumento permanece intacta. A entrada localiza-se na face norte da pirâmide, um pouco a leste do centro e no nível do pátio circundante.

Dai parte um corredor descendente (1) por cerca de quatro metros e 27 centímetros, que a seguir torna-se horizontal por mais oito metros e 23 centímetros.

Nesse ponto ele é bloqueado por uma porta levadiça de granito (2) e a seguir sobe suavemente até desembocar numa câmara funerária oblonga (3).

Quase toda a extensão do corredor está revestida de pedra calcária, com exceção de pequenos trechos sem revestimento e de um trecho, não muito longo, em sua parte final, que é revestido de granito.

A câmara funerária foi construída totalmente em calcário. Seu teto em ponta é formado por três camadas de alvenaria superpostas.

Os maiores blocos do teto medem cerca de 10 metros e 67 centímetros de comprimento por dois metros e 74 centímetros de largura e três metros e 65 centímetros de espessura.

Pirâmide de Sahure
Esquema da Pirâmide de Sahure

O templo do vale era dotado de dois embarcadouros, um virado para o leste (1) e outro para o sul (2), conectados através de rampas, ora com um canal, ora com o próprio Nilo, dependendo do menor ou maior volume de água do rio.

Na face leste da construção existe um pórtico (3) com piso de basalto negro polido e teto de calcário.

Esse último é sustentado por oito colunas monolíticas de granito e, para imitar o céu, está pintado de azul e decorado com estrelas douradas esculpidas em relevo.

As colunas imitam a palma da tamareira, com suas folhas atadas em um feixe vertical formando os capitéis, e todas elas trazem, dentro de uma moldura retangular, o nome e os títulos do faraó em hieróglifos escavados e preenchidos com massa de cor verde.

As paredes do recinto são de pedra calcária, decoradas com relevos pintados e assentam-se sobre uma base quadrangular de granito. Um pórtico similar (4), mas de dimensões menores, abre-se na face sul da construção.

Tem piso de calcário e colunas cilindricas sem qualquer decoração nos capitéis. Ambos os pórticos ligam-se por passagens a um pequeno vestíbulo em forma de tê (5) e esse se comunica com a calçada (6) que liga os dois templos.

Pirâmide de Sahure
Esquema da Pirâmide de Sahure

O templo funerário é formado por cinco elementos principais: um vestíbulo de entrada, um pátio aberto, cinco nichos para estátuas, armazéns e um santuário.

O vestíbulo (7) tinha o piso em pedra calcária e suas paredes acentavam-se sobre uma base quadrangular de granito.

Entretanto, está por demais danificado para que se possa conhecer outros detalhes.

O pátio (8) era pavimentado com basalto polido e só havia nele um altar de alabastro no canto noroeste.

As arcadas que o rodeavam tinham o teto decorado com estrelas e sustentado por uma fileira de colunas em forma de palmeira. As paredes estavam decoradas com relevos mostrando o faraó triunfando sobre os seus inimigos, fossem eles asiáticos, representados na parede norte, ou líbios, retratados na parede sul.

Um desses relevos, — descreve I.E.S. Edwards — encontrado no canto sudoeste, mostra Sahure no ato de imolar um comandante líbio capturado; dois dos filhos do oficial líbio e uma mulher, que pode ser tanto sua esposa quanto sua filha, assistem implorando.

Outros cativos líbios, alguns dos quais são mulheres e crianças, também estão representados em atitude semelhante.

Em outro trecho da cena são mostrados animais vivos, tomados como butim; seu inventário é dado nas inscrições que acompanham a cena como 123.440 cabeças de gado, 223.400 asnos, 232.413 veados, cervos e corças e 243.688 ovelhas, mas apenas uma pequena fração deste vasto total está realmente representada.

Pirâmide de Sahure
Esquema da Pirâmide de Sahure

Um corredor largo, pavimentado com basalto e também decorado com relevos rodeia o exterior do pátio. Aqui os relevos seguem temática diferente. No lado setentrional — continua descrevendo o mesmo autor — há cenas do rei arpoando peixes e caçando pássaros com lanças de madeira.

No lado meridional, em um relevo que mede cerca de nove metros de comprimento, o rei é mostrado caçando. Atrás dele encontra-se seu sucessor Neferirkare e um grupo de cortesãos.

Em frente estão antílopes, gazelas, veados, cervos, corças e outros animais com chifres impelidos por batedores para um grande cercado onde o rei os abate com flechas do seu arco. Câes de caça agarram alguns dos animais feridos pela garganta e os matam. Aqui e ali o escultor variou a regularidade da cena com toques vivos, tais como uma cobra ou um ouriço-cacheiro prontos a desaparecer em suas covas e uma hiena agarando um antílope ferido como sua presa particular.

Alguns dos mais interessantes relevos de todo o templo estavam esculpidos na parede leste do corredor oeste. Ao norte da porta de saída do pátio aberto, o rei, acampanhado de seus cortesãos, está representado testemunhando a partida de doze navios marítmos para uma terra que não está especificada, mas que era provavelmente a Palestina ou a Síria.

Na posição correspondente do lado sul da porta, o rei e sua comitiva olham o retorno dos navios repletos de carga e transportando numerosos asiáticos.

Nada em sua aparência sugere que os asiáticos sejam prisioneiros; os navios podem, portanto, ter sido empregados em missão comercial ou, talvez, diplomática.

Já no reinado de Snefru os egípcios haviam procurado madeira na Síria e dessa maneira, se a carga era composta de mercadorias, essa expedição não representa um empreendimento novo iniciado por Sahure.

O corredor oeste, onde tais relevos se encontravam, era um ponto chave de todo o conjunto, pois ele permitia atingir, direta ou indiretamente, todas as partes do complexo piramidal. Uma porta em seu extremo norte dava acesso ou ao espaço murado que rodeava a pirâmide, ou a uma escada (9) que levava ao telhado do templo.

Outra porta no extremo sul do corredor levava também à área em volta da pirâmide e ainda ao pátio de uma pirâmide subsidiária (10) e a uma entrada lateral do conjunto (11). No meio do corredor, frente à porta de saída do pátio aberto, uma passagem seguida de pequeno lance de escadas dava para uma pequena câmara (12) contendo cinco nichos para estátuas.

Na parede sul dessa câmara uma porta era o único meio para atingir o santuário (13) e cinco recintos existentes ao lado dele (14), dos quais pelo menos dois eram usados para realização de algum tipo de cerimônia no ritual do templo.

O santuário media cerca de 13 metros e 70 centímetros de comprimento por quatro metros e 57 centímetros de largura e apresentava em sua parede oeste uma falsa-porta de granito, ao pé da qual ficava um altar baixo de alabastro. As demais paredes, erguidas sobre uma base quadrangular de granito, eram de pedra calcária e decoradas com relevos de deuses trazendo dádivas de provisões para o faraó.

Ainda no corredor oeste, além da entrada para os nichos das estátuas, existiam dois pequenos recintos cujos tetos eram suportados por colunas graníticas de três metros e 65 centímetros de altura.

Elas imitavam o formato de um conjunto de seis hastes de papiro amarradas, sendo que o capitel era formado pelos seus brotos. Através de passagens existentes em tais recintos, chegava-se aos armazéns (15), dispostos em duas fileiras, 17 à esquerda e 10 à direita.

Os armazéns eram construídos em blocos de dois andares, cada um deles formado por um cômodo, sendo que cada bloco tinha a sua própria escada. Ao que parece, o grupo menor de armazéns destinava-se a abrigar objetos particularmente valiosos, tais como vasos decorados e estátuas douradas, utilizados apenas em ocasiões especiais pelos sacerdotes funerários, enquanto que o grupo maior de armazéns deveria conter vasos de pedra e provisões.

Um detalhe que chamou a atenção dos arqueólogos no complexo piramidal de Sahure foi o seu elaborado sistema de drenagem. A chuva que caia sobre o telhado vertia através de bicas de pedra com formato de cabeça de leão que se projetavam da parte superior das paredes externas.

Esse tipo de gárgula — conjetura I.E.S.Edwards — pode ter sido escolhida porque a chuva era às vezes encarada como uma manifestação de Seth e de outros deuses hostis, a qual era assim consumida e expelida, após ter sido tornada inofensiva, pelo leão, o protetor dos locais sagrados. Nas partes descobertas do complexo, a água da chuva escoava através de aberturas existentes na base das paredes externas, para onde era conduzida por canaletas cavadas no piso.

Havia também necessidade de drenar água e outros líquidos utilizados durante as cerimônias religiosas, sendo perigoso tocá-los pois, em alguns casos, teriam se tornado ritualmente impuros.

Com essa finalidade era empregado um outro método.

Cinco bacias de pedra, revestidas de cobre, estavam espalhadas em lugares estratégicos: duas nos recintos ao lado do santuário, uma no próprio santuário, outra no corredor que leva ao santuário e, finalmente, outra no grupo menor de armazéns.

Canos feitos de cobre ligavam tais bacias com o sistema subterrâneo de drenagem, formado por uma linha de canos de cobre que corria por sob o piso desde o santuário até a extremidade da calçada que ficava junto ao templo do vale, onde terminava numa saída no lado sul.

Todo o metal empregado nesse encanamento, com mais de 304 metros de comprimento, deve ter sido trazido do Sinai ou do deserto ocidental.

Pirâmide de Sahure
Pirâmide de Sahure

Fonte: www.geocities.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.