Egito

PUBLICIDADE

Nome completo: República Árabe do Egito
Capital: 
Cairo
Principais cidades:
 Cairo
Área:
 1 milhão de quilômetros quadrados
Idioma: 
árabe, berber, núbio, inglês e francês
Principais religiões:
 islamismo, cristianismo
Moeda: 
libra egípcia
Clima: 
árido
Dia Nacional:
 23 de julho – Revolução de 1952

Egito – História

Egito tem uma minoria Cristã (Kopts). A regularidade e a riqueza da inundação anual do Rio Nilo, juntamente com o semi-isolamento propiciado por desertos ao leste e oeste, permitiram o desenvolvimento de uma das grandes civilizações do mundo. Um reino unificado surgiu por volta de 3200 a.C, e uma série de dinastias governaram o Egito pelos três milênios seguintes.

A última dinastia nativa caiu aos Persas em 341 a.C, que por sua vez foram substituídos pelos Gregos, Romanos e Bizantinos.

Foram os Árabes que introduziram o Islã e a língua Árabe no século 7 e que governaram para os próximos seis séculos. Uma casta militar local, os Mamelucos tomaram o controle cerca de 1250 e continuaram a governar após a conquista do Egito pelos Turcos Otomanos em 1517. Após a conclusão do Canal do Suez em 1869, o Egito tornou-se um importante centro mundial de transportes, mas também caiu pesadamente em dívida.

Ostensivamente para proteger seus investimentos, a Grã-Bretanha assumiu o controle do governo do Egito em 1882, mas a lealdade nominal ao Império Otomano continuou até 1914.

Parcialmente independente do Reino Unido em 1922, o Egito adquiriu plena soberania com a derrubada da monarquia apoiada pelos Britânicos em 1952. A conclusão da Barragem de Aswan em 1971 e o resultante Lago Nasser alteraram o local do tempo do Rio Nilo na agricultura e na ecologia do Egito. Uma população crescendo rapidamente (a maior no mundo Árabe), a terra arável limitada, e a dependência no Nilo tudo continua a sobrecarregar os recursos e estressar a sociedade.

O governo tem se esforçado para atender às demandas de crescimento da população do Egito através de reformas econômicas e investimentos maciços nas comunicações e na infraestrutura física.  A juventude Egípcia e grupos de oposição, inspirados pelos eventos na Tunísia para derrubar o governo de lá, organizaram uma campanha do “Dia da Fúria” em 25 de Janeiro de 2011 (Dia da Polícia) para incluir manifestações não-violentas, marchas e greves trabalhistas no Cairo e outras cidades por todo o Egito. As queixas dos manifestantes se concentraram sobre a brutalidade policial, as leis do estado de emergência, a falta de liberdade de expressão e de eleições, o desemprego elevado, os preços dos alimentos, a inflação e baixos salários mínimos. Dentro de alguns dias do início dos protestos, o Presidente Mubarak falou à nação prometendo a formação de um novo governo, e em um segundo pronunciamento ele ofereceu concessões adicionais, que não conseguiram acalmar os manifestantes e resultou em uma escalada do número e da intensidade das manifestações e confrontos com a polícia.

Em 11 de Fevereiro, o recentemente nomeado Vice Presidente Suliman anunciou a renúncia de Mubarak e a assunção da liderança nacional pelo Conselho Supremo das Forças Armadas (SCAF).

O SCAF dissolveu o parlamento Egípcio, suspendeu a Constituição do país, e formou uma comissão para recomendar mudanças constitucionais para facilitar uma transição política através de eleições democráticas.

No início de Março, Essam Sharaf substituiu Ahmed Shafik como Primeiro-Ministro e por meados do mês um referendo constitucional foi aprovado.

No início de Julho, o SCAF anunciou que as eleições para o parlamento teriam lugar em Setembro, mas a data foi posteriormente alterada para Novembro, e seria seguida por uma reformulação da Constituição e uma eleição presidencial. Em Julho de 2011, o descontentamento da oposição sobre o ritmo lento do progresso da SCAF na transição do governo levou a uma retomada dos protestos no Cairo e em mais de uma dúzia de outras cidades; menos frequentes, menores manifestações e protestos continuaram por Outubro.

Após a detenção de Mubarak e outros altos funcionários em meados de Abril, um julgamento em que Mubarak é acusado de corrupção e cumplicidade na morte de cerca de 900 manifestantes começou no início de Agosto, foi temporariamente suspenso em Setembro, e está programado para retomar no final de Dezembro.

As eleições para um novo parlamento foram marcadas para o final de Novembro de 2011.

República Árabe do Egito é um novo nome para a terra muito antiga do Egito. Mais de 5.000 anos se passaram desde que o primeiro faraó governou, mas o mesmo tipo de bois retratado nas paredes das primeiras tumbas ainda pode ser visto arando nos campos Egípcios. Séculos atrás, os Egípcios adoravam o rio Nilo, e a cada ano quando o rio transbordava, eles sacrificavam uma linda donzela jovem ao deus do rio. Hoje, quando a enchente do Nilo atinge a sua altura, um feriado é declarado, e bonecas elaboradamente decoradas são jogadas no rio.

Perto do movimentado terminal ferroviário do Cairo fica uma enorme estátua do faraó Ramsés II, um lembrete constante do século 20 aos viajantes da longa história do Egito.

Egito se encontra no canto nordeste da África. O país é limitado a oeste pela Líbia; ao sul com o Sudão; ao norte com o Mar Mediterrâneo; e no leste com a Faixa de Gaza, Israel, e o Mar Vermelho.

Egito – Visão Geral

Com uma área de pouco mais de 1 milhão de quilômetros quadrados, o Egito desfruta de apenas uns 40000 para a agricultura e habitações.

Esse oásis longo e estreito situa-se no trecho setentrional do vale do Nilo, entre a segunda catarata e o delta, na costa do Mediterrâneo.

A oeste dessas terras férteis, o território estende-se pelo deserto líbico; a leste, pelo deserto Arábico ate o mar Vermelho, continuando na outra margem do golfo de Suez – a península do Sinai.

Exceto litoral mediterrâneo, o clima é quente e muito árido. O rio Nilo, com seus 6 671 quilômetros percorre o território egípcio de sul para norte, pôr cerca de 1500 quilômetros.

O volume de água varia com as estações, e as enchentes periódicas são um fator indispensável à agricultura, pois garantem umidade às lavouras ao longo de suas margens.

Desde muitos milhares de anos atrás, o Egito havia dependido totalmente dessas cheias; só a partir de 1835 é que começaram a ser construídas grandes represas, e, em 1961, iniciou-se uma das maiores do mundo – a de Assuã, com 111 metros de altura e capacidade para 157 milhões de metros cúbicos de água.

Ocupando dois terços da superfície do país, o deserto Líbico ou Ocidental é uma das regiões mais secas da Terra; caracteriza-se também pelos oásis e pela sucessão de dunas.

O deserto Arábico ou Oriental situa-se entre o Nilo e o mar Vermelho; seus poços artesianos e fontes naturais dependem quase que totalmente das chuvas.

A península do Sinai é formada pôr altas cadeias de montanhas e apresenta um índice pluviométrico superior ao dos outros desertos.

O povo egípcio é predominantemente hamita, com minorias de núbios e beduínos, e 90% da população adota a religião islâmica. Pela estimativa de 1971, a população é demais de 34 milhões de habitantes, concentrados principalmente no delta e no vale do Nilo, onde se localiza a cidade do Cairo (capital), com mais de 4 milhões de habitantes e centro político do Mundo Árabe. Outras cidades importantes são Alexandria, principal porto do país, e Gizé, famosa por suas pirâmides.

história moderna do Egito se inicia em 1805, com o término da dominação otomana e o princípio de sua modernização com Mohammed Ali. A construção do Canal de Suez, terminada em 1869, deu ao Egito importante papel estratégico, o que provocou a intervenção europeia. Em 1882, a pretexto de dívidas não saldadas, a Inglaterra bombardeou Alexandria e estabeleceu seu protetorado no Egito.

Isso levou o povo à revolta, sufocada as ingleses e franceses. A Inglaterra passou a controlar diretamente o governo egípcio até 1922, época em que instalou a monarquia do rei Fuad.

Após várias insurreições nacionalistas, o Movimento dos Oficias Livres conseguiu depor o rei Faruk, em 1952. Partidários do socialismo árabe”, os revolucionário decretaram a reforma agrária, nacionalizaram os setores econômicos básicos e impuseram um governo forte em 1954, com Gamal Abdel Nasser à frente. Em 1956 Nasser nacionalizou a Companhia do Canal de Suez que pertencia aos ingleses e franceses desde 1869, e declarou que utilizaria as rendas do Canal para construir a represa de Assuã.

Esse fato provocou a invasão do Sinai por israelenses apoiados, pela França e Inglaterra que pretendiam voltar a explorar o Canal. Em 1958, o Egito passou a ser conhecido como república Árabe Unida (RAÚ).

Em março de 1967 quando Nasser ordenou a retirada das tropas da ONU que controlavam o Sinai e sua ocupação por tropas da RAU, repetiu-se a guerra egípcio-israelense (Guerra dos Seis dias), quando o Egito perdeu o Sinai. Essa derrota levou Nasser a obstruir o Canal em represália a Israel. Com a morte de Nasser em 1971, assume a presidência Anuar Sadat que continuou política de seu antecessor no sentido de recuperar os territórios perdidos para Israel e na unificação do Mundo Árabe. Nesse ano, a RAU uniu-se à Líbia e à Síria formando a Federação das Repúblicas Árabes (FRA). Em 1973, mais bem preparados e apoiados pelos países árabes que dispunham do petróleo, nova e poderosa arma, os egípcios iniciaram Guerra de Yom Kippur, cruzaram o Canal, de reconquistando vários pontos. Em junho de 75 Sadat efetiva a abertura do canal de Suez que passa a ser palco de confrontação militar entre EUA e URSS

Egito – Perfil

Muito conhecido por suas pirâmides e da civilização antiga, o Egito é o maior país árabe e tem desempenhado um papel central na política do Oriente Médio nos tempos modernos.

Na década de 1950 o presidente Gamal Abdul Nasser pioneiro do nacionalismo árabe e do movimento não-alinhado, enquanto seu sucessor Anwar Sadat fez a paz com Israel e voltou para o Ocidente.

Os protestos que derrubaram o presidente Hosni Mubarak em 2011 colocou o Egito, no cruzamento mais uma vez, já que levou a um grande avanço islâmico Irmandade Muçulmana em eleições parlamentares posteriormente anulada e uma vitória estreita para o candidato Brotherhood na eleição presidencial de 2012.

Passado antigo do Egito, e o fato de que ele foi um dos primeiros países do Oriente Médio a se abrir para o Ocidente após a invasão de Napoleão ter dado uma pretensão de ser o líder intelectual e cultural na região.

O chefe da Al-Azhar do Cairo é uma das maiores autoridades em islamismo sunita.

Mas o passo histórico pelo presidente Anwar Sadat para fazer a paz com Israel em Camp David acordo de 1979 levou para o Egito ser expulso da Liga Árabe até 1989, e em 1981 o Sr. Sadat foi assassinado por extremistas islâmicos com raiva de seus movimentos para reprimir a sua atividades.

Egito – Os Desertos

Sem o Nilo, o Egito teria permanecido apenas outra extensão do deserto que se estende pelo norte da África desde o Oceano Atlântico ao Mar Vermelho. A oeste do Nilo está a Líbia, ou Deserto Ocidental, parte do muito maior Sahara. A maior parte desta região é um planalto estéril que sobe para mais de 1.800 m, no sudoeste. Para o nordeste a Depressão Qattara cai para cerca de 134 m abaixo do nível do mar.

Os oásis do deserto da Líbia são as únicas áreas no Egito fora do Vale do Nilo que são adequadas para a agricultura. Entre os mais importantes destes são os oásis de Siwa, Farafra, e Kharga.

O Oasis Faiyum, que fica a oeste do Nilo, está ligado ao rio por um canal de irrigação.

O Deserto Árabe ou Oriental, situa-se entre o Nilo e o Mar Vermelho. A maior parte do Deserto da Arábia é um planalto árido dividido por numerosas cabeceiras secas chamadas wadis. Ao longo da costa oriental, uma cadeia de montanhas estreitas, as Montanhas do Mar Vermelho, sobe a alturas de mais de 2.100 m.

A Península do Sinai, a única parte da República Árabe do Egito que está no continente Asiático, faz fronteira a leste com a Faixa de Gaza, Israel, e o Golfo de Aqaba, e no oeste pelo Canal de Suez e o Golfo de Suez.

Após a guerra Árabe-Israelense de 1967, a Península do Sinai ficou sob ocupação Israelense. Mas, sob os termos do tratado de paz Egípcio-Israelense de Março de 1979, o Sinai foi devolvido ao Egito em três estágios – o primeiro de dois terços da área em 25 de Janeiro de 1980, e o terço final em 25 de Abril de 1982. O Sinai é na maior parte montanhas áridas e desérticas.

Com uma altura de mais de 2.620 m, o Gebel Katherina no sul do Sinai é o ponto mais alto no Egito.

O Canal de Suez, que fica a oeste da Península do Sinai, divide o Egito “Asiático” do Egito “Africano”. O canal se estende de Port Said no Mediterrâneo a Suez no Golfo de Suez, uma distância de cerca de 160 km.

Egito – Nilo

Mais de 2.000 anos atrás, o historiador Grego Heródoto chamou o Egito “o presente do Nilo”. Ele estava se referindo, naturalmente, à água da vida e o rico lodo que o rio carrega da África equatorial ao deserto do Egito.

Tradicionalmente os agricultores Egípcios tinham que aguardar a chegada da inundação anual para plantar suas lavouras. Durante o século 20, porém, um amplo sistema de represas, reservatórios e canais foi construído para aproveitar as águas do Nilo de forma mais eficaz.

O Nilo percorre mais de 3.000 milhas (4.800 km) através da África antes de entrar no Egito. No sul, ou Egito Superior, o rio corre entre  altos penhascos de arenito. O mamute da Barragem de Aswan, inaugurada em 1971, dobrou a capacidade do Egito de energia e aumentou a terra arável do país, fornecendo água para irrigação.

A partir de Aswan o Nilo flui norte para o Cairo. Logo abaixo do Cairo o rio se divide em dois ramos principais, o Rosetta e o Damietta. A área do país é conhecida como o Delta, ou Baixo Egito.

Toda a região é atravessada por canais que oferecem irrigação durante todo o ano.

Egito – Cidades

O Cairo e Alexandria são as mais importantes cidades do Egito. O Cairo, a capital do país, é a maior cidade da África. Alexandria é a segunda-maior cidade do país.

Outras cidades importantes incluem Giza (um subúrbio do Cairo) e os portos do Canal de Suez de Ismailia, Suez e Port Said. Aswan cresceu rapidamente como resultado da construção da Grande Barragem.

Egito – Cairo

Cairo está situada na margem leste do Nilo, ao sul do Delta. A cidade é um centro religioso e cultural para os mundos Árabe e Muçulmano, e sua influência é sentida muito além das fronteiras do Egito.

Esta influência é provavelmente tão antiga quanto o próprio Egito. O local no qual o Cairo está construído tem sido um centro administrativo desde o tempo dos faraós. Cairo, em Árabe é Al-Qahira, significando “o vitorioso”. A cidade moderna foi fundada no século 10 pelos Fatimidas, uma dinastia Muçulmana do norte da África que conquistou o Egito.

Todos os três poderes do governo nacional estão abrigados no Cairo, assim como diversas universidades. O Cairo é a principal  junção ferroviária e rodoviária do Egito, e os vôos de todo o mundo aterisam no Aeroporto Internacional do Cairo. O primeiro metrô da África foi inaugurado no Cairo em 1987.

Muitos tesouros do antigo Egito, incluindo as fabulosas relíquias encontradas no túmulo do Faraó Tutankamon, estão preservados no Museu Egípcio do Cairo.

Não muito longe da cidade estão as pirâmides e a Esfinge de Gizé.

O Velho Cairo reflete os séculos sucessivos do domínio Islâmico no Egito. O Khan Al-Khalili, ou bazar, está localizado na Cidade Velha.

Os artesãos do Khan ainda praticam as artes e ofícios que refletem os antigos motivos Egípcios e Muçulmanos. A arquitetura Islâmica está bem representada no Cairo. A Mesquita Al-Azhar, construída pelo general Fatimida Jawhar Al-Siqilli no século 10, mais tarde se tornou um dos grandes centros de estudos Islâmicos. A Mesquita Azul tomou seu nome dos azulejos que decoram algumas de suas paredes.

A Cidadela, iniciada por Saladino, também contém a Mesquita de Alabastro construída durante o século 19. Outras mesquitas famosas incluem as de Mehemet Ali, de Sultan Hassan, e de Al Rifai. A negligência, a poluição, um lençol freático alto, e os danos de um terremoto de 1992 ameaçam os alicerces de muitos dos edifícios históricos do Cairo.

Egito – Alexandria

Alexandria, a segunda-maior cidade e principal porto do Egito, fica na costa do Mediterrâneo. Ela foi fundada por Alexandre o Grande em 332 aC. Seus sucessores no Egito, os Ptolomeus, construíram o famoso Farol de Alexandria, um farol que se tornou uma das sete maravilhas do mundo. Os Ptolomeus também apoiaram a grande biblioteca de Alexandria, que atraiu estudiosos como o matemático Euclides.

Egito – Antigo

Egito é conhecido em todo o mundo, sobretudo, pela corte de seus antigos faraós e por suas magníficas e enigmáticas pirâmides. Habitado desde o Paleolítico no ano 4.000 a.C.

Egito já estava dividido em reinos que foram unificados por Menés, o primeiro rei do alto e baixo Egito. A este o seguiram trinta dinastias de faraós que se sucederam até o 31 a.C. ano em que morreu Cleópatra pela picada de uma aspid.

Estes 3.969 anos se dividem em distintos períodos:

Império Antigo (desde a dinastia I até a X). Seus faraós mais representativos foram Keops, Kefrém e Miquerinos que deixaram sua recordação nas pirâmides de Gizeh.
Império Médio (das dinastias XI à XVII). 
Destaca pelas construções hidráulicas de enormes proporções e pelo desenvolvimento da burocracia ao redor dos faraós.
Império Novo (1580-525 a.C.). 
Este período se desenvolve baixo o mandato de nove dinastias. Ramses III consegue expulsar a todos os povos invasores. A partir da dinastia XXI começa a decadência sofrendo continuas guerras que submeteram aos egípcios à dominação de libios, etíopes e assírios. Com a dinastia XXVI se recupera a independência e chegam novos tempos de prosperidade.
Período Persa (das dinastias XXVII à XXX). 
Egito foi conquistado pelos persas até a conquista de Alexandre Magno no 332 a.C. fundador da mística Alexandria, cidade que passaria a ser o centro da vida egípcia com um elevado nível cultural e artístico de claras influências gregas.

Egito é o berço da mais antiga civilização, a egípcia. O estudo dessa civilização tornou-e possível após 1822 guando da decifração dos hieróglifos.

Inicialmente a região achava-se dividida em cidades-estados, “nomos”, independentes politicamente.

Em torno de 4000 a.C. esses “nomos” uniram-se em dois reinos: Reino do Baixo Egito (Norte) e Reino do Alto Egito (Sul). A unificação desses reinos ocorreu por volta de 3 200 a.C., com Menés, que se tornou o primeiro faraó da primeira dinastia e deu início à história dinastia do Antigo Egito que vai até o século X1 a.C., quando termina a dinastia Ramsés e inicia a decadência.

Essa decadência se acentua com o aparecimento do novos reinos no Oriente Médio, com o enfraquecimento do Governo dos faraós, com o empobrecimento do país causado pela desorganização interna e pelas sucessivas dominações estrangeiras. inicialmente, a dominação assíria, seguida da dominação persa, macedonia, romana e árabe, sendo esta última responsável pela religião islâmica do Egito atual.

Os egípcios foram grandes construtores, erguendo casas e palácios com Tijolos e madeira. Recursos técnicos que talvez tenham trazido à Mesopotâmia. As pedras eram reservadas para a construção de túmulos.

Eram hábeis na arte de esculpir em pedras, fabricavam joias de ouro, pedras semipreciosas e esmalte, e descobriram o papiro, que servia para a escrita.

Desenvolveram conhecimentos e medicina e iniciaram investigações matemáticas, mais tarde desenvolvidas pelos gregos. Porem, onde os egípcios mais se destacaram foi na construção de túmulos, as pirâmides em geral em honra dos faraós. Contando com materiais rudimentares, porém com fartura de mão-de-obra, construíram verdadeiros monumentos de arquitetura, como as pirâmides de Quéfren, Quéops e Miquerinos que ficam na cidade de Gizé.

A arte egípcia em sua maior parte homenageava os mortos, sepultadas com os objetos julgados necessários paia a vida no além. Muitos faraós eram enterrados em túmulos escavados em rochas, outros tinham o corpo conservado pelo embasamento. os egípcios eram politeístas. Osíris, deus dos mortos, segundo eles desposara sua irmã, Íris, sendo morto por Seth; seu filho Horus, porém, ressuscitou-o. Horus, deus do firmamento e da chuva, reinava sobre os viventes, representado por um falcão. Havia o costume de representar o deus sob a forma antropozoomorfa (corpo de animal e cabeça humana).

Ra era o deus sol de Heliópolis; quando Tebas se tornou a capital (11.~ dinastia), Amon, o deus da cidade ficou sendo Amon-Ra, o rei dos deuses. Em 1340 a.C., o faraó Akhenaton, instituiu o culto a um só deus – Aton – o ‘sol, e mandou construir a nova Capital em Telel Anarna. Tutankhamon, seu sucessor, restabeleceu os antigos deuses, e seu túmulo foi o que abrigou a maior quantidade de tesouros no Egito.

O último faraó egípcio, Nectanebo morreu em 341 a.C.

Egito – Romanos e Árabes

Com a morte de Cleópatra e a dominação do Egito por parte do Império Romano, o país perde seu antigo esplendor passando a formar parte do Império Bizantino (395 d.C.).

No ano 640 d.C. Egito é conquistado pelos árabes, adotando sua religião, cultura e língua. O país se converte no centro do Islã baixo o governo dos famitíes. O célebre Saladino conseguiu estender o território do Egito até Síria, Mesopotâmia e África Setentrional.

Egito – Mamelucos, Franceses e Ingleses

Desde o ano de 1250 até o século XVIII os mamelucos governaram o país. Napoleao põe fim a esta presencia ao vencê-los em 1801. Com a vitoria de Mehmet Alí em 1811 consegue-se que Egito se converta num principado hereditário, fato que provoca uma importante renovação civil e econômica à que se une Sudão.

O neto de Saladino, Ismail, governa de 1863 a 1873 potenciando a influência anglofrancesa e obras de grande envergadura como o Canal de Suez, inaugurado em 1869. Estas medidas, contrariamente, empobrecem à população, dando lugar a revoltas civis, sufocadas com a dominação inglesa em 1882. Egito passaria a converter-se em protetorado no ano 1914.

Egito – Da Independência à República

Egito atinge sua independência em 1922. Porém, o país seguia dependendo economicamente de Gran Bretanha pois esta controlava o tráfico do Canal de Suez, ademais de outros privilégios civis e políticos.

Durante a Segunda Guerra Mundial o país foi ocupado por forças fascistas que foram desalojadas com ajuda dos ingleses em 1942.

Ao acabar a guerra e graças a seu apoio outorgado aos aliados, Egito consegue uma posição muito sólida entre os Estados da Liga Árabe, participando ativamente nas operações contra Israel de 1948.

Os reveses desta participação unidos escassa popularidade do rei Faruk dão como resultado o golpe de estado em 1952 de onde surge a República do Egito baixo a presidência do general Naguib.

Esta presidência só dura dois anos, Naguib é substituído por Nasser que em 1956 consegue nacionalizar o Canal de Suez, provocando a intervenção armada anglofrancesa e a ocupação da Península do Sinai por tropas israelense. Este conflito resulta favorável para Egito, graças à mediação da Organização de Nações Unidas.

O país inicia uma aproximação com a antiga URSS e estabelece pactos políticos com Síria que se alargariam até 1961, data na que Síria decide dar fim à união.

Egito – Os Últimos Anos

O novo presidente da República do Egito da uma virada na política, sobretudo em suas relações com a URSS, expulsando em 1972 a 20.000 assessores soviéticos que se encontravam no país. Em 1973 empreende uma nova ofensiva contra Israel que finaliza trás uma trégua propiciada pelas grandes potências mundiais firmando um acordo de compromisso com Israel pelo Sinai e se reabre o tráfico marítimo através do Canal.

Pouco a pouco Anuar el-Sadat vai distanciando-se da União Soviética e aproximando-se cada vez mais a Estados Unidos, Gran Bretanha e França. Esta aproximação dá seus frutos em 1978 com a firma dos acordos de Camp David, quando Israel e Egito firmam a paz com o beneplácito dos Estados Unidos. O assassinato de Sadat em 1981 não conseguiu acabar com esta política de não agressão pois Hosni Mubarak, que assumiu o governo no ano seguinte, vem mantendo a mesma linha até nossos dias.

Durante a Guerra do Golfo, Egito condena a invasão do Kuwait por parte das tropas irakíes, posicionando-se num papel intermediário entre os países árabes e as grandes potências mundiais.

Posição que tem-se visto reforçada trás o atentado que sofreu o presidente Mubarak em 1995 e que tem suposto apoio incondicional dos egípcios para seu presidente.

Egito – Clima

O clima varia dependendo da zona. No Cairo e o Sul do Egito os dias são muito quentes e as noites frias com uma alta umidade no ambiente. No norte o clima é tipicamente mediterrâneo e chove com freqüência.

As chuvas são ocasionais e de muito escassa quantidade, sobretudo em verão.

O Outono e o Inverno são as estações ideais para se visitar o Egito, quando o clima temperado prevalece, com temperaturas variando entre 15 e 27 graus centígrados. As noites são frescas. Durante o mês de Abril, um vento quente de areia sopra eventualmente, o que pode tornar a paisagem menos atraente. Os meses de verão são quentes, com a temperatura entre 27 e 40 graus centígrados, ar seco e baixa umidade.

Em Alexandria, no Mediterrâneo, os meses de Dezembro a Fevereiro são chuvosos e frescos. De Outubro a Abril é o melhor período climático, com a temperatura variando entre 15 e 20 graus centígrados.

Egito – Idioma

Árabe é a língua oficial do Egito. No entanto, a maioria dos egípcios entende e fala inglês e francês. Em cidades maiores, o visitante estrangeiro não encontra dificuldades para se comunicar com as pessoas nativas.

Egito – Religião

Aproximadamente 85% da população egípcia é muçulmana. Do restante, cerca de 9 milhões de pessoas são cristãos ortodoxos, pertencentes à Igreja Copta. Na maioria das cidades do Egito, mosteiros e igrejas são encontrados perto uns dos outros. Há também algumas sinagogas, já que uma pequena comunidade judaica ainda mora no Egito.

Egito – Localização Geográfica

Egito tem uma extensão de 1.001.449 quilômetros quadrados. Tem fronteiras ao leste com Israel e o Mar Vermelho, ao sul com Sudão, ao oeste com Líbia e ao norte com o Mar Mediterrâneo.

Egito é um país eminentemente desértico. O deserto de Líbia (por o oeste), que em realidade é o deserto do Sahara, se caracteriza pelas suas finas areias e imensas dunas. Em cambio, pelo leste, o deserto se mantém, mas com um aspecto totalmente diferente num terreno seco e desolado onde se erguem uma sucessão de rochas calcinadas pelo sol conhecidas como Cordilheira Arábiga ou Deserto Arábigo.

Também a Península do Sinai, ao oeste do país entre os golfos de Suez e Aqaba, é muito árida. Nela encontra-se o Monte Sinai e o Monte Catarina, este último com 2.642 metros de altitude, sendo o mais alto do país.

Em meio deste espetáculo desértico, onde só a impressionante beleza da desolação é capaz de oferecer, se produz um milagre: do nada surge um precioso e inesquecível vergel.

O responsável desta beleza é o Nilo, o rio mais longo do mundo com 6.671 quilômetros. As cheias anuais proporcionam um limo que alimenta as terras circundantes, proporcionando um excelente adubo que produz colheitas abundantes nos cultivos e uma exuberante vegetação em suas margens.

O leito do rio oscila entre os 15 e 20 quilômetros na zona do vale, atingindo os 250 quilômetros na região conhecida como Delta do Nilo (com forma de leque), formado por inumeráveis braços nos que se divide a corrente, dando lugar a uma extensa planície de terrenos cultiváveis. Nesta zona se concentra uma alta porcentagem da população do Egito.

O clima do Egito é muito quente e úmido. As temperaturas oscilam entre os 48 e 50 graus centígrados em pleno deserto e entre os 26 e 27 graus na zona do Delta nos meses de verão.

Na temporada de inverno as temperaturas se situam entre os 14 e 15 graus centígrados em todo o país. São habituais as tormentas de areia, muito perigosas, pois a escuridão que produzem é total, ademais de que a areia o cobre praticamente tudo fazendo o ar quase irrespirável.

Não podemos esquecer o Canal de Suez que substitui ao istmo natural que unia, milhares de anos atrás, África com Saía. Sua construção se inicio em 1859 e dez anos depois se abriu à navegação. Tem 161 quilômetros de comprimento e entre 70 e 125 metros de largura.

Egito – Geografia

Egito está localizado no canto nordeste da África. De forma retangular, sua área é de 995.880 km2. A Oeste encontram-se o Deserto Oeste e a Líbia, e a Leste estão localizados o Planalto Desértico, o Mar Vermelho e o Sinai. O Egito faz fronteira com o Sudão ao Sul e ao Norte encontra-se o Mar Mediterrâneo.

Apenas 4 ou 5% do vasto país é habitado.

Abaixo do Cairo, o Nilo se desmembra em dois afluentes principais ? Roseta no lado oeste e Damietta no leste.

O Egito pode ser dividido nas seguintes regiões:

O Deserto do Leste: Inclui o planalto que se estende desde o vale do Nilo até o Mar Vermelho, também localizando-se nesta região o Sinai que inclui o Monte Catherine, a montanha mais alta do Egito, com 2.642 metros.
O Deserto do Oeste: 
Corresponde a cerca de 68% do território total do país. Compreende a região desde o vale do Nilo até a fronteira com a Líbia e ainda desde a costa do Mar Mediterrâneo até a fronteira com o Sudão.
O Vale do Nilo: 
É a área mais habitada do Egito. Este fértil vale corresponde a uma faixa de 11 a 15 km ao longo do Rio Nilo e mais aproximadamente uns 9.600 km2 no Delta do Nilo. O comprimento total do Nilo no Egito é de 1.440 km.

Estado da África do Nordeste, limitado a norte pelo Mar Mediterrâneo, a oeste com a Líbia, ao sul com o Sudão, a leste pelo Mar Vermelho e ao norte-leste por Israel e Gaza (Palestina).

Sua posição central entre a Ásia ea África, entre os mares orientais e ocidentais, única forma de entrar em contato, no leste do Saara, a terra tropical e temperado, fez com que esta grande nação árabe, apesar de vários avatares, um jogador estado na cena internacional.

O rio Nilo, junto 6670 km, drenos são território egípcio como um quarto de seu curso.

No sul, o rio navegável para Aswan (1 catarata), cavou um vale coberto de preto rico e cercada por penhascos íngremes silte, separados de 2 a 15 km.

Perto do vale, como ele, em muitos aspectos, depressão Fayoum, a 90 km ao sul do Cairo, estende a sua terra rica em torno das águas do Birket Qarun (Lago Moeris Veteranos): o Superior Egito.

A poucos quilômetros ao norte de Cairo, o rio, liberta dos grilhões que cercavam as terras altas, filiais em vários ramos: o país “flat” Delta ou Baixo Egito, que se estende cerca de 4% do país, mas em que quase toda a população é concentrada.

Para o oeste, na margem esquerda do rio Nilo, no deserto ocidental cai rapidamente, formando a baixos platôs do deserto líbio. Fronteiras do Mediterrâneo formada por praias de areia branca. Grande bacia de areia do deserto é atravessada por uma linha de depressões.

Perto da água do solo, o último lar de uma infinidade de oásis fértil: Kharguèh, Dakhla, Farafra, Siwa e Bahriya.

Grandes mesas de rocha são encontrados nas bordas de falésias que perfuram através do vale de barrancos secos e coberto com dunas de areia.

Para o leste desenvolve o deserto da Arábia, platô que se eleva gradualmente a partir do Nilo para colocar ao longo do Mar Vermelho, uma cadeia de montanhas de até 2.187 m.

As montanhas cair sobre uma colina íngreme na depressão do Mar Vermelho e do Golfo de Suez. Planaltos e montanhas são atravessadas de oeste para leste por cortes profundos, velhas formas de passar caravanas vezes por estradas existentes. Anexado a este deserto, a Península do Sinai não é separado pela quebra do Golfo de Suez. É uma região serrana dominado pela 2.637 m do pico mais alto do Egito, Djbel Sainte-Catherine.

O rio Nilo longo aura mítica de mistério, é o rio mais longo do mundo (6671 km).

O impacto local das mudanças climáticas é insignificante em comparação com o papel principal na dieta do Nilo, nas terras altas da Etiópia e da região dos Grandes Lagos africanos: a intensidade da chuva que cai a 6.000 km a montante há muito tempo determinou a magnitude da enchente que inundou as terras agrícolas do Egito.

As águas do Nilo Branco do planalto da África Oriental e lagos receber chuvas fortes durante todo o ano. O Nilo Azul para as montanhas da Etiópia e são alimentados pelas chuvas da estação chuvosa.

Estas águas altas cobrir todas as terras baixas, infiltrar-se em fendas e depositou sedimentos férteis.

As águas baixam para a temporada de plantio.

Maior evento natural do ano por milhares de anos, o mecanismo do dilúvio foi modificado pelo homem desde o século XIX: a construção de barragens, escavação de canais de irrigação, barragens céus.

O livro é o mais colossal Aswan High Dam. Com uma capacidade de 130 km ³, com um reservatório de 60,000 km ², tem aumentado a terra arável de 30 a 40% de todo o Egito.

Esta mudança na tecnologia de irrigação tem causado agitação considerável. Alguns são positivos, outros negativos.

Egito – Flora e Fauna

Egito é um país onde se misturam o deserto e uma exuberante vegetação, o que provoca um contraste paisagístico muito estimulante.

Em meio de tórridas areias e calcinadas rochas os oásis oferecem um refugio paradisíaco. Cheios de palmeiras e rodeando a única fonte de água que pode-se encontrar no imenso vazio, se convertem em pequenos paraísos. O dourado e o verde intenso ressaltam com força oferecendo um espetáculo impressionante.

Nos oásis se pode provar deliciosas tâmaras que seguramente algum nativo lhe oferecerá recém colhido das palmeiras. aparte de palmeiras abundam as plantas de tamanho médio e diversas espécies de flores.

A flora do Egito tinham duas espécies emblemáticas: a flor de loto e o papiro. Desgraçadamente o loto tem desaparecido por completo e a pesar de que ainda se pode encontrar papiros no Delta, esta planta tem desaparecido no resto do curso do rio. A vegetação espontânea só se da no Delta do Nilo, a zona mais fértil onde se pode admirar acácias robinias, eucaliptos, mangas e figus.

Também nesta zona se pode ver grandes extensões de algodões, cereais, cana de açúcar e amendoins. Abundam oliveiras e pessegueiro, sobretudo na Península do Sinai, enquanto que nas zonas de irrigação crescem hibiscos, adelgas, buganvíles e fragrantes jasmins.

fauna do Egito não se caracteriza pela sua variedade. Obrigatoriamente, os camelos e dromedários formam uma estampa habitual da paisagem, num país com grande extensão de deserto. Ademais destes animais, acostumados à escassez de água, se pode ver espécies venenosas típicas das zonas desérticas como os escorpiões, cascavel de chifre ou as serpentes najas conhecidas com o nome de “aspid” por haver causado a morte da mística Cleópatra. Também são freqüentes os escaravelhos egípcios (segundo crenças populares signo de boa sorte, ademais de prevenir contra o “mal de olho”) e o gafanhoto migratório, cuja praga é temida por qualquer agricultor.

Em Egito se pode contemplar, ademais, íbis, chacais, raposas, búfalos, linces e crocodilos, um dos animais mais temido e à vez mais respeitado pelos egípcios ao longo de toda sua história. Estes répteis, que podem atingir até os 10 metros de altura, oferecem um belo espetáculo quando dormem a margens do Nilo e, sobretudo, quando se submergem no rio, ao transformar-se num dos animais mais rápidos, sigilosos e perigosos do mundo.

Egito – Arte e Cultura

Os monumentos religiosos e funerários da etapa faraônica são as principais maestras da arte egípcia. Pirâmides e templos, conhecidos em todo o mundo, refletem o fervor para os deuses e a firme crença de que a vida não termina com a morte, razão pela que os faraós deviam continuar manifestando seu imenso poder ainda depois de haver deixado este mundo.

Durante 3000 anos, as sucessivas dinastias que governaram Egito mandaram construir imponentes edificações em honra de seus deuses preferidos e em honra do que mais apreciavam, a eles mesmos.

Todas as mostras de arte egípcia compartem elementos comuns: monumentalidade, perfeitas figuras geométricas em volumes de formas simples, cânones de medida estritos à hora de representar figuras humanas que, ademais, se idealizavam em grado superior numa visão bidimensional sem nenhuma perspectiva.

Dentro do período dinástico encontramos, ao longo destes 30 séculos, distintas mostras representativas em cada período.

No Império Antigo destacam os enormes monumentos funerários mais conhecidos: as mastabas, edifícios de adobe com uma parte subterrânea na que se guardava o tesouro e a tumba, enquanto que na parte superior se instalava uma plataforma retangular para sinalar o lugar. As pirâmides escalonadas nascem da superposição de várias mastabas. As pirâmides, tal e como as conhecemos hoje em dia, se caracterizam por um subterrâneo onde se instalavam os tesouros e as sepulturas enquanto que o resto da construção é um autêntico labirinto com numerosas trampas destinadas à proteção.

A parte das construções como tais, são muito interessantes os baixos relevos que decoram o interior das tumbas. Estas pinturas descrevem a vida do defunto e sua viagem ao mais além.

O Império Médio não aporta nenhuma novidade, embora em esse tempo se conseguiu melhorar notavelmente os baixo relevos. No Império Novo a arte ressurge com força, é o tempo dos imponentes templos e as majestosas tumbas escavadas nas rochas.

Enquanto a escultura, se mantém os mesmos cânones expressados em pintura e baio relevos.

Egito – Economia

A economia egípcia tem um grande desenvolvimento na década de 70 com o vôo da indústria do petróleo, o desenvolvimento do turismo e do investimento contribuiu para o Canal de Suez. Atualmente, as indústrias mais importantes são têxteis, fertilizantes, borracha e cimento. O país tem muitas fábricas de montagem de automóveis e uma de fundição de aço. O principal parceiro comercial são os Estados Unidos, seguido de Alemanha, França, Holanda e Espanha.

Antes da Revolução de 1952, a economia egípcia dependia principalmente da agricultura. Desde então, no entanto, o país desenvolveu outros recursos naturais e, nos tempos atuais, o Egito exporta óleo, tecidos, alimentos enlatados, carros e o Canal de Suez é considerado uma importante fonte de renda, com uma média de 70 navios cruzando o canal diariamente e pagando taxas. Turismo é uma das pricipais fatias da economia.

Com um esforço no sentido de aumentar as terras cultiváveis, o País tem empregado novos métodos de irrigação e em algumas partes do deserto novas cidades têm sido construídas.

Egito – População e Costumes

Os descendentes dos faraós possuem como qualidade aguçada uma grande dignidade que, talvez, procede dos tempos de esplendor do antigo Egito e que tem permanecido inalterável como rasgo característico, ao longo dos séculos. A dignidade mistura-se com outro rasgo fundamental, a humildade que aparece provavelmente, pelo sentido trágico que os egípcios têm da vida, quer dizer, que tudo depende da vontade divina.

Por ele, em todas partes e em qualquer momento se pode escutar expressões de tipo religioso como “é a vontade de Deus”, “se Deus quer” e inclusive a típica saudação “salam aleikun” tem esse sentido pois o que deseja é que “a paz esteja contigo”.

O povo do Egito é profundamente religioso e espiritual. O Islam é muito importante para eles e é imprescindível respeitar seus costumes para poder chegar a conhece-los.

É aconselhável se vestir com calças ou saias longas e camisas ou camisetas com mangas, sobretudo ao visitar os lugares santos e as mesquitas (há que descalçar-se ao entrar).

Esta profunda religiosidade se percebe também claramente na família. Os núcleos familiares estão muito unidos e podem estar encabeçados pelos homens, pais, maridos, irmãos e filhos.

As mulheres são também importantes na sociedade ainda que devido às leis islâmicas, permanecem em sua maioria na sombra. As mais anciãs ordenam o grupo de mulheres de uma casa e são as que decidem, apesar de que as mulheres dos primogênitos também têm bastante poder. Nos últimos tempos estas rígidas leis foram abrindo-se, sobretudo, nas grandes cidades e são cada vez mais as jovens que estudam e trabalham participando ativamente em todos os campos da sociedade. Porém, existem certos aspectos que não foram mudados, por exemplo, estão proibidas terminantemente as relações pre-matrimoniais pois as mulheres devem chegar virgens ao matrimônio.

Talvez por este motivo alguns egípcios consideram que as estrangeiras são muito mais acessíveis pelo que convém evitar provocações desnecessárias vestindo mini-saias e camisetas muito justas.

O matrimônio é um acontecimento social importante e os casamentos se celebram com todo o luxo e pompa possível. Se reúne toda a família e os amigos, se fecham ruas para que nelas tenham lugar o banquete, o baile, as danças populares, os espetáculos acrobáticos, etc. É costume que os noivos passem em carro pelas ruas do bairro em meio das felicitações de todo o mundo.

Se tem oportunidade não deixe de assistir a uma celebração matrimonial.

As crianças são muito queridas no Egito. São criadas e amadas com generosidade pôr suas mães que podem ter um vínculo muito mais estreito com eles que com seus maridos.

As famílias têm numerosos filhos devido a que os filhos são considerados uma bênção divina e a que o índice de mortalidade infantil é muito alto.

Com respeito aos bebês são capazes de andar se lhes deixa uma grande liberdade, confiando plenamente na vontade divina.

Existe uma grande solidariedade entre as distintas comunidades, ajudando-se entre elas e defendendo-se contra as agressões externas. Os egípcios gozam de um excelente sentido de humor, lhes encanta contar piadas de qualquer tipo e fazer brincadeiras. Lhes animamos a que desfrute com paciência e bom humor da gente deste belo país.

Lembre-se que para alguns egípcios as fotografias podem trazer má sorte. Se deseja fazer uma instantânea, lhe aconselhamos solicitar permissão previamente.

Egito – Festividades

Os egípcios celebram suas festas dependendo da sua religião: os muçulmanos procedentes do Islam e os coptos procedentes da antiga tradição egípcia.

Ambos festejam as festividades de carater nacional. Se quiser desfrutar de alguma delas deve-se ter em conta que as datas são aproximadas pois em Egito existem três calendários, o gregoriano, igual ao resto de países ocidentais, o copto, baseado no ciclo solar e coincidente nos meses com o calendário gregoriano e o islâmico, regido pelo ciclo lunar que é 11 dias mais curto que o ocidental.

Festas Nacionais

Dia dos Sindicatos, 1 de janeiro e 2 de fevereiro.
Dia da União, 23 de fevereiro.
O dia de Liberação do Sinai é recordado em 25 de abril.
1 de maio, igual que em Europa, celebra-se o Dia do Trabalho.
18 de junho se comemora a “Retirada das tropas britânicas”.
23 de julho os egípcios saem às ruas para contemplar os desfiles que se fazem para celebrar a proclamação da República do Egito em 1952.
6 de outubro os desfiles voltam a ocupar as ruas para comemorar o começo da guerra de 1973 contra Israel no Dia das Forças Armadas.
24 de outubro é o Dia de Suez, agradecendo os beneplácitos que o Canal aporta à vida dos egípcios.
23 de dezembro é o Dia da Vitoria.

Sharm il Nassim significa “olor da brisa” e é a festa nacional que celebra o começo da primavera. Esta festividade se remonta aos tempos dos faraós.

Nela os egípcios saem às ruas para ver como as plantas e animais despertam a uma nova vida. Esta festa é única no mundo, é parecida com uma antiga celebração cristã na que se pintavam ovos de cores para dar a boas vindas à Primavera.

Egito – Festas Coptas

Em janeiro celebram-se duas festas religiosas, no 7 o Natal e 19 a Epifania. O Ano Novo copto celebra-se em 11 de setembro. E somente se celebram duas festas mais, 21 de março a Anunciação e 15 de agosto a Festa da Virgem Maria.

Egito – Festas Islâmicas

Há que dizer que as festas muçulmanas variam cada ano de acordo com calendário lunar. Se deslocam aproximadamente 13 dias menos com respeito ao ano anterior (do calendário gregoriano). Por exemplo, se uma celebração muçulmana se festejou em 20 de julho do ano 1996, no ano 1997 se celebrará, aproximadamente em 7 de julho.

Para os muçulmanos o Ano Novo começa no primeiro dia do Moharram. Na segunda quinza de janeiro os muçulmanos desfrutam enormemente com o Aïd el-Fitr, a festividade que marca o fim do mês santo do Ramadán. Durante três dias os muçulmanos desfrutarão de deliciosos manjares e de animadas tertúlias.

Também celebram as “mulids” festas em que se veneram aos santos locais. O décimo dia desse mesmo mês tem lugar a Comemoração da Ashura, a entrega a Moisés dos Dez Mandamentos.

A princípio de abril chega o Aïd el-Kebir na que os muçulmanos comemoram o sacrifício de Abraão e é conhecida popularmente como a Festa do Carneiro.

A meados de maio começa o ano muçulmano, o primeiro dia da Hégira, o Primer Moharem.

A meados de julho se comemora o Mulud, a celebração do nascimento do Profeta.

No final de outubro ou princípio de novembro celebra-se uma das mais importantes festividades para os muçulmanos, o Aniversário do Profeta. Os egípcios saem em procissão com trajes históricos, cavalos, música e doces.

O Laylat O Esraa comemora o vôo do Profeta de Jerusalém ao céu, enquanto que a Mulid de Abud el-Haggag recria a festividade da deusa Opet dos tempos faraônicos em Luxor.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/www.rumbo.com.br/news.bbc.co.uk/www.afrique-planete.com/Internet Nations/www.geocities.com

Veja também

Pontos Turísticos da Índia

PUBLICIDADE ÍNDIA, A MAGIA DO ALÉM A Índia é fascinante. Terra onde convivem numerosas etnias e diversas …

Pontos Turísticos do Iêmen

PUBLICIDADE Aberto ao turismo de forma amável. O Iêmen oferece um paraíso de lendas e história única. …

Pontos Turísticos da Geórgia

PUBLICIDADE Locais Turísticos da Geórgia Geórgia conta com algumas cidades de grande riqueza cultural, tranquilas e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.