Breaking News
Home / Bem-Estar / Homeopatia

Homeopatia

PUBLICIDADE

Homeopatia

O que é

É uma forma especializada de tratar pessoas e animais.

A Homeopatia é uma ciência médica desenvolvida pelo Dr. Samuel Hahnemann (1755-1843), um médico alemão.

Baseia-se no princípio de que “semelhante cura o semelhante”.

Em palavras simples, isso significa que qualquer substância, que pode produzir sintomas em uma pessoa saudável, pode curar sintomas semelhantes em uma pessoa que está doente. Esta ideia é referido como a “Lei dos Semelhantes”, e foi entendido por Aristóteles e Hipócrates e mencionado em manuscritos antigos hindus. Foi Hahnemann, no entanto, que a transformou em uma ciência de cura.

Método Tratamento

Homeopatiaé um método de cura que considera o paciente como um todo. É um método de cura holístico, alternativo e complementar e pode tratar todo o tipo de doenças.

É holístico, pois considera a pessoa como um todo, a sua própria individualidade:o resultado a nível físico, emocional e mental que são características diferentes e únicos em cada indivíduo.

É alternativa porque os seus princípios opõem-se àquelas em que se baseia a medicina convencional

Ao mesmo tempo, é complementar porque pode realmente funcionar muito bem junto com a medicina convencional.

O principal objetivo da medicina homeopática é restabelecer o balanço energético do próprio corpo, estimulando o sistema imunológico através da administração de substâncias naturais. Fazendo isto, o corpo chegará a um estado permanente de cura e a todos os níveis (físico, emocional e mental).

A homeopatia é um método de tratamento científico que se baseia na aplicação da lei dos semelhantes. Por milhares de anos, o homem procurou um método para promover a cura, que fosse eficiente, suave e permanente. Samuel Hahnemann, médico alemão que viveu entre 1755-1843, seguiu essa busca filosófica e científica através do desenvolvimento de um sistema terapêutico ideal onde reuniu uma série de descobertas e reflexões encontradas em toda a história da medicina. Depois de anos de aperfeiçoamento deste método terapêutico, ele chamou-o de homeopatia, unindo duas palavras gregas, “µe” (= homoeos) que significa “semelhante”, e pa (pathos =) significando “o que se sente.” A homeopatia consiste em tratar os doentes com remédios que, em doses em bruto, iriam produzir sintomas similares em pessoas saudáveis (“µe” – homoeos) aos da doença que precisam ser superadas.

Os remédios utilizados por médicos homeopatas vêm de fontes naturais e são preparados de forma a que sejam desprovidos de todos os toxicidade química. Na medicina convencional, os medicamentos são normalmente administrados pelos seus efeitos sobre o organismo, enquanto que na homeopatia, o remédio único é administrado para provocar uma reaão do organismo. Uma vez que apenas o organismo vivo se pode curar a ele mesmo, o remédio homeopático é apenas uma influência para provocar uma reação para levar à recuperação. Quanto maior for o grau de semelhança entre os sintomas provocados pelo remédio em uma pessoa saudável e os sintomas apresentados pela pessoa que está doente, maior será esta reação que irá levar à cura.

Esta causa fundamental é a susceptibilidade base para o indivíduo ficar doente. Em suma, podemos afirmar que a doença é um estado de desequilíbrio resultante da combinação de vários fatores.

Para simplificar, podemos resumir estes fatores ou causas em três grupos principais:primeiro, a predisposição geral do indivíduo para ficar doente, determinada por um lado, pela hereditariedade e, por outro lado por uma sensibilidade adquirida durante a vida; em segundo lugar, o meio ambiente e todos os fatores de stress, e terceiro, à higiene geral ou estilo de vida da pessoa, incluindo, naturalmente, a higiene mental.

Uma pessoa que esteja afetada por uma doença aguda (devido a uma infecção, um envenenamento, um acidente, um choque emocional, etc) ou por uma doença crônica (de natureza psicológica, emocional ou física), está em um estado de desequilíbrio, que é única para ele. O papel do médico homeopata, após uma análise completa de todos os sintomas e os aspectos do paciente, será a de encontrar o remédio que vai ser o mais específico para esse indivíduo nesse estado.

Portanto, a homeopatia é um método de cura que considera o paciente como um todo e pode tratar todo o tipo de doenças.

O principal objetivo da medicina homeopática é o de restaurar o equilíbrio energético do próprio corpo estimulando o sistema imunológico através da administração de substâncias naturais.

Fazendo isso, o corpo chegará a um estado permanente de cura em todos os níveis (físico, emocional e mental).

Homeopatia é muitas vezes considerada uma medicina alternativa, mas ela funciona realmente muito bem junto com a medicina convencional.

História

No §1 do ‘Organon’, Samuel Hahnemann disse: “O mais alto dever e única missão do médico é restaurar a saúde ao doente, curar”

Nos dias de Hahnemann, a teoria convencional da doença da comunidade científica, da época, era baseada em quatro estados. A medicina convencional estava centrada no restabelecimento do equilíbrio desses estados, quer pela tentativa de retirar os seus excessos (por métodos tais como a sangria e purga, laxantes, enemas e substâncias que provocariam o vomito) ou suprimindo os sintomas associados a esses estados, causando problemas, tais como, diminuindo a temperatura corporal dos pacientes febris.

Em contrapartida, Hahnemann promoveu uma visão imaterial e vitalista da doença:

“… a homeopatia pode facilmente convencer … … que as doenças do homem não são causados por qualquer substância, qualquer mordacidade … ou qualquer matéria da doença, mas que é apenas desequilíbrios do poder do espírito (dinâmico), ou seja o princípio vital que anima o corpo humano. “

O vitalismo foi uma parte da comunidade científica no século 18. No século XX, a medicina descartada o vitalismo em favor da teoria do germe da doença, na sequência do trabalho de Louis Pasteur, Alexander Fleming, Joseph Lister e muitos outros. A medicina moderna vê as bactérias e vírus como as causas de muitas doenças, mas Kent, e alguns homeopatas modernos consideram as bactérias e vírus apenas como efeitos e não causas da doença. Outros adaptaram-se ao ponto de vista da medicina moderna, referindo-se a distúrbios em e estimulação do sistema imunológico, ao invés da força vital.

Homeopatia
Samuel Hahnemann

Como foi referido anteriormente, a homeopatia parte do principio dos remédios semelhantes, o principio de que o “semelhante cura o semelhante”, enquanto Hahnemann estava traduzindo para Alemão, a Materia Medica (1789) de William Cullen, o chamado Hipócrates escocês. Ao ler a casca da Cinchona (que contém quinina) era eficaz porque era amarga, Hahnemann viu isto como implausível, porque existiam outras substâncias também amargas, mas sem nenhum valor terapêutico. Para entender os efeitos da Cinchona, ele decidiu tomar ele mesmo a Cinchona, e observou que as suas reações foram semelhantes aos sintomas da própria doença que a Cinchona era utilizada para tratar. Pelo menos um escritor sugeriu que Hahnemann tinha hipersensibilidade à quinina, e que ele pode ter tido uma reação alérgica.

No entanto, esta prova experimental feita por Hahnemann não foi única, pois outros antes dele já haviam tentado a mesma abordagem, como por exemplo, Anton von Storck (1731-1803), em 1760, que defendia o tratamento com o uso prudente de venenos. Na verdade, Hahnemann estudou, por algum tempo, em Viena (1777), onde Storck se tornou reitor da Universidade. A ideia da prova também havia sido recomendada pelo grande médico botânico suíço, Albrecht von Haller (1708-1777), cujo Hahnemann admirava muito, e ele traduziu a sua Matéria Medica em 1806. Portanto, pode-se dizer, que a experiência da prova veio a Hahnemann de diversas fontes anteriores.

Para Hahnemann, tanto o corpo como o espírito eram o foco da terapia, e não apenas localizar a doença. Hahnemann passou muito tempo com seus pacientes, perguntando-lhes não só sobre os seus sintomas ou doença, mas também sobre suas vidas diárias. Esta abordagem suave contrastava com as formas violentas comuns de medicina heróica da época, que incluíam técnicas como o sangramento como sendo uma coisa natural.

Quase tão importante como Hahnemann para o desenvolvimento da homeopatia foi James Tyler Kent (1849-1921). A influência de Kent, nos EUA era limitada, mas no Reino Unido, as suas ideias tornaram-se a homeopatia ortodoxa até o final da Primeira Guerra Mundial. A sua contribuição mais importante poderá ser o seu repertório, que é usado ainda hoje.

Kent tentou resgatar uma homeopatia pura e idealizada onde ele tentou voltar a sublinhar os aspectos metafísicos e clínicos dos ensinamentos de Hahnemann, em especial:

Insistência nas doutrinas básicas sobre miasmas e força vital
Ênfase na totalidade do caso, ao invés de memorização de prescrição para ‘nome de doenças’
Ênfase nos sintomas psicológicos (para completar a patologia física) na prescrição
Uso regular de potências muito elevadas

A oposição à Homeopatia

A formulação de Hahnemann sobre a homeopatia é muitas vezes referida como a homeopatia clássica. Os Homeopatas clássicos usam um único remédio de cada vez, e baseiam a sua prescrição também sobre os sintomas acidentais ou constitucionais. No entanto, os remédios homeopáticos são muitas vezes utilizados quer por outros profissionais quer pelo público com base em formulações comercializadas para condições médicas específicas. Algumas formulações usam uma abordagem tipo “shotgun” dos remédios mais indicados em uma única forma de mistura, enquanto outros, como os Heel e Reckeweg, são misturas de propriedades comercializadas para critérios de diagnósticos específicos baseados em vários sistemas de diagnóstico. A maioria da população não está familiarizada com a homeopatia clássica, e confundem estas abordagens com a homeopatia clássica, enquanto outros estão familiarizados com a abordagem clássica, mas entendem estas variantes como legítimas, enquanto outros consideram esta abordagem como um abuso. O uso destas abordagens não clássicas são essencialmente limitada aos lugares onde estas preparações são populares e onde muitos médicos usam medicamentos naturais como complemento à clínica convencional.

A ascensão da homeopatia

Em 1930 a popularidade da homeopatia diminuiu, especialmente nos EUA e na Europa, em parte devido aos avanços da medicina convencional e, em parte devido ao cepticismo em relação à homeopatia, o que levou ao fecho de praticamente todas as escolas de ensino médico de medicinas alternativas nos EUA. A Homeopatia no Ocidente teve um renascimento nos anos 1970, principalmente por causa de George Vithoulkas, e continua até hoje.

A Homeopatia atingiu o pico da sua popularidade em 1865-1885 e depois declinou, em parte devido ao reconhecimento pelo estabelecimento dos perigos de grandes doses de drogas e sangramento, e também pela discordância entre diferentes escolas de homeopatia. No entanto, a Fundação Carnegie emitiu o Relatório Flexner em 1910, onde apoiava a Medicina alopática (convencional), as escolas médicas, e condenava as escolas homeopáticas. Isto foi baseado na premissa de que os professores homeopáticos seriam médicos profissionais e que os cursos na área da farmacologia também seriam ensinados. Com novos medicamentos e $ 350 milhões de US Dolares a serem entregues à medicina alopática e hospitais por John D. Rockefeller, forçaram as escolas homeopáticas a fechar devido à falta de apoio e dinheiro “, de tal forma que na década de 1950, a homeopatia tinha sido praticamente extinta nos EUA.

Nos EUA, os remédios homeopáticos são, como todos os produtos de saúde, a regulamentação é feita pela Food and Drug Administration. No entanto, a FDA trata os remédios homeopáticos de forma muito diferente da dos medicamentos convencionais. Os produtos homeopáticos não têm que ser aprovado pela FDA antes da venda, não tem que ser provados para serem considerados seguro ou eficaz, que não têm de ser rotulados com uma data de expiração, e eles não têm que se submeter a testes de produtos acabados para verificar o seu conteúdo e força. Ao contrário das drogas tradicionais, os remédios homeopáticos não têm que identificar os seus princípios ativos, pelos motivos que têm poucos ou nenhum ingrediente ativo. Nos EUA, apenas os medicamentos homeopáticos que reivindicam tratar simples condições de patologia podem ser vendidos sem receita médica, remédios homeopáticos que reivindicam tratar uma doença grave pode ser vendido apenas sob prescrição médica.

Na Alemanha, cerca de 6.000 médicos são especializados em homeopatia. Em 1978, a homeopatia e a medicina herbal, foram reconhecidas como “formas especiais de terapia “, o que significa que os medicamentos são liberados da obrigação de provar a sua eficácia habitual. Desde 1 de Janeiro de 2004 os medicamentos homeopáticos, com algumas excepções, deixaram de ser comparticipados, quer pelos seguros quer pelo próprio estado. A maioria das seguradoras de saúde privadas continuam a cobrir homeopatia.

Na Suíça, os medicamentos homeopáticos foram anteriormente abrangidos pelo sistema básico de seguro de saúde, se prescritos por um médico. Isto terminou em Junho de 2005. O Governo suíço, após um julgamento de cinco anos, retirou a cobertura de seguro para a homeopatia e outros quatro tratamentos complementares, alegando que não preenchem os critérios de eficácia e custo-efetividade. Esta alteração aplica-se apenas ao seguro obrigatório, homeopatia e medicina complementar estão cobertas por um outro seguro adicional, se o tratamento for fornecido por um médico.

Homeopatia no Presente

Estima-se ser mais de 100.000 médicos a praticar a homeopatia em todo o mundo, com cerca de 500 milhões de pessoas a receber tratamento. Mais de 12.000 médicos e profissionais de cuidados de saúde administram o tratamento homeopático no Reino Unido, França e Alemanha. A homeopatia foi regulamentada pela União Europeia em 2001, pela Diretiva 2001/83/CE.

A homeopatia na Grã-Bretanha foi estabelecida pela primeira vez pelo Dr. Frederick Quin (1799-1878) por volta de 1827, embora dois médicos homeopatas italianos (Dr. Romani e Roberta) tinham sido contratados dois anos antes pelo Conde de Shrewsbury que vivia em Alton Towers, perto de North Staffordshire, no entanto, eles logo retornaram a Nápoles pois eles não podiam tolerar o clima húmido e frio Inglês.

Homeopatia no Reino Unido tornou-se rapidamente o tratamento médico preferido das classes superiores:Relativamente ao Dr. Quin, “… devido às suas conexões, ele foi rapidamente estabelecido entre a classe alta e ricos. O Dr Quin tinha os Duques de Edinburgh na sua lista de pacientes , e tornou-se médico para a casa da Duquesa de Cambridge. “Além disso, “os principais apoiantes dos hospitais (homeopáticos), até a morte Quin, em 1878, eram todos membros da aristocracia.” A Homeopatia na Grã-Bretanha “… tinha uma clientela de elite, incluindo membros da família real.” e “… a homeopatia tinha ainda muito apoio de pessoas bem posicionadas em meados do século XIX …”

No seu auge na década de 1870, a Grã-Bretanha tinha numerosas farmácias homeopáticas e hospitais de pequeno porte, bem como grandes hospitais em Liverpool, Birmingham, Glasgow, Londres e Bristol, quase exclusivamente financiado por membros da nobreza local. Por exemplo, o hospital de Bristol foi financiado e gerido por várias gerações da WD & HO Wills tobaco, enquanto o Hospital Hahnemann em Liverpool foi construído por membros da família Tate (que eram importadores de açúcar), que também fundaram e financiaram a Tate Gallery em Londres.

Na Grã-Bretanha, os remédios homeopáticos são vendidos ao balcão. Hoje, a Grã-Bretanha tem cinco hospitais homeopáticos, financiados pelo Serviço Nacional de Saúde, bem como muitas clínicas regionais. A homeopatia não é praticada pela maioria da classe médica, mas tem todo o apoio do público, inclusive do Príncipe de Gales e de muitos outros membros da família real.

Rumores dizem que foi após a homeopatia ter sido utilizada no tratamento de rei George V para enjoo em 1920 ou 1930 que a família real britânica se tornaram devotos firme deste sistema médico.

A maior organização de homeopatas na Grã-Bretanha é a Sociedade dos Homeopatas, foi fundada em 1978 e vem crescendo constantemente desde então, tem agora 1300 membros.

Os homeopatas médicos qualificados na Grã-Bretanha são representados pela Faculdade de Homeopatia em Londres:

“A Faculdade, que foi incorporada por uma lei do Parlamento, em 1950, tem mais de 1400 membros em todo o mundo e em crescimento pois o interesse em homeopatia tem vindo a aumentar tanto entre o público como em todos os setores dos cuidados de saúde. “

Na Índia a Homeopatia chegou com o Dr. John Martin Honigberger (1795-1869), em Lahore, em 1829-30, e é reconhecida oficialmente.O primeiro médico que trouxe a homeopatia para a Índia foi o Dr. Martin Honigburger, que veio pela primeira vez para o Punjab … em 1829.A Índia tem a maior infra-estrutura homeopática no mundo, com 300.000 homeopatas qualificados, 180 faculdades, 7500 clínicas do governo, e 307 hospitais. A Associação de Homeopatas Qualificados em India (IHMA) é o maior de seu tipo.

A Homeopatia foi estabelecida pela primeira vez nos EUA pelo Dr. Hans Burch Gram (1787-1840) em 1825 e rapidamente ganhou popularidade, em parte porque os excessos da medicina convencional eram extremos, e, em parte devido aos esforços do Dr. Constantine Hering (1800-1880 ):

“Dr. Hering emigrou para a América em 1833 e mais tarde ficou conhecido como o pai da homeopatia americana”. Homeopatia nos EUA teve uma grande popularidade. “Em 1826 a homeopatia tinha raízes em França, Itália, Inglaterra e países escandinavos…. a doutrina chegou a Nova York em 1825.” “A homeopatia espalhando-se primeiro na Alemanha, depois na França e Inglaterra. No entanto a sua maior popularidade foi na América. ” “Em nenhum lugar a (homeopatia) floresceu tão exuberantemente quanto nos Estados Unidos.” “… no início dos anos 1840, os médicos homeopatas Americanos foram ganhando influência e prestígio.

O uso da homeopatia nos Estados Unidos aumentou ainda mais na próxima década, no período 1880-1900 ela estava no auge de sua influência. Quase todas as cidades com mais de 50.000 habitantes tinham um hospital homeopático e muitas comunidades menores pediam hospitais. Em 1890 havia 93 escolas regulares, 14 homeopáticas e 8 ecléticas. Em 1900, havia 121 escolas regulares, 22 eram homeopáticas e 10 ecléticas. “Homeopatia gozava de ampla popularidade depois de 1841 … muitos médicos ortodoxos abraçaram gradualmente a homeopatia.”

Princípios

A palavra Homeopatia vem do grego e significa “semelhante sofrimento “:uma substância que possa produzir sintomas numa pessoa saudável, podem curar esses sintomas em uma pessoa doente.

Uma pequena dose de uma substância cuidadosamente seleccionada é dado para estimular a capacidade de cura natural do próprio corpo, possibilitando que o paciente retorne cuidadosamente ao estado saudável.

O Homeopata estará interessado em você como um indivíduo e conduzirá uma entrevista profundida onde serão considerados todos os aspectos:físicos, espirituais, emocionais e mentais.

São especialmente importantes as origens dos sintomas, modalidades, etc, porque eles dizem sobre a doença. Todos os sintomas estranhos, raros e peculiares são extremamente importantes.

Força Vital (Vital Force)

Os filósofos Asiáticos chamam-lhe de Prana, Ki, Qi, etc.

O conceito de “Força Vital” já era conhecido por Hipócrates e, posteriormente, por filósofos latinos que o nomearam de “vis vitalis“.

Essa energia vital representa a inteligência humana que anima cada ser humano. Por esta razão, terapias holísticas, como acupunctura e homeopatia são consideradas medicinas energéticas.

A Força Vital é, então, um mecanismo de defesa que mantém o indivíduo em equilíbrio (ver aph.9 do “Organon”) e quando a doença se manifesta de forma precisa (sintomas).

Susceptibilidade

É a sensibilidade específica de cada indivíduo, para reagir a qualquer evento, desde o stress a um resfriado comum.

Lei dos Semelhantes

A homeopatia é baseada no “Princípio dos Semelhantes”, expressa pela primeira vez por Hahnemann na exortação similia similibus curentur ou seja “deixe o semelhante curar o semelhante”. Isto é o exatamente oposto dos “contrários” da medicina Galênica de sua época, foi baseada, inicialmente, que Hahnemann inicialmente praticava e sobre a qual ele estudou.

A “lei dos semelhantes” é uma máxima médica antiga, mas sua forma moderna é baseada na conclusão de Hahnemann de que uma constelação de sintomas induzidos por um determinado remédio homeopático em um grupo de indivíduos saudáveis vai curar um conjunto similar de sintomas nos doentes. Os padrões de sintomas associados a vários remédios são determinados por “experimentações ou provas”, em que os voluntários saudáveis recebem remédios, muitas vezes em doses molecular, e os sintomas resultantes, quer físicos, mentais e espirituais são compilados pelos observadores em um “Quadro da Droga ou Drug Picture”.

Homeopatia
Homeopatia – Lei dos Semelhantes

Hahnemann, ao falar da experiencia que teve na sua primeira prova, disse:

“com esta primeira prova, fez-se luz em mim e desde então tem iluminado a arte médica, esta é uma virtude de seu poder de poder curar estados mórbidos e fazer com que o ser humano doente possa ser curado, e, de fato, apenas estes estados mórbidos são compostos de sintomas e o medicamento a ser seleccionado, produza o semelhante no saudável.”

Talvez ele estava ciente de Paracelso:

“veneno está em tudo, e nada é sem veneno. A dose faz o veneno ou um remédio “

Essa conexão subtil entre o veneno e o remédio, ou “o que pode matar pode curar ‘também foi observado por Shakespeare:

 “dentro da casca inocente desta pequena flor, reside o veneno e o poder medicinal”

Sucussão e Diluição

O mais característico e controverso princípio da homeopatia é o de que, pela diluição, a potência de um remédio pode ser reforçada (e os efeitos colaterais diminuírem), num procedimento conhecido como dinamização ou potencialização. Os líquidos são progressivamente diluídos (com água e álcool) e agitado por dez golpes duros contra um corpo elástico (sucussão).

Assim, os fundamentos da Homeopatia, como previsto por Hahnemann, são os seguintes:

1. Há uma lei científica natural e universal de cura, ou seja, o semelhante pode ser curado com o semelhante. Isto significa que pequenas quantidades de qualquer substância que possa causar a doença em uma pessoa saudável, pode ser usado para tratar a mesma doença em um paciente.

2. O conhecimento da ação dos remédios é colhida a partir de experiências simples e duplo cego no qual pequenas doses são administradas a indivíduos saudáveis, que mais tarde gravam as suas reações detalhadamente dessas substâncias ensaiadas. A isto é chamado de experimentação homeopática (ou prova homeopática). A base de conhecimento de uma determinada substância provém de relatos de casos de tratamento com medicamentos que não foram submetidos a uma prova, mas que promoveu a cura na prática clínica. A isto acrescenta-se a informação dos sintomas produzidos pela intoxicação acidental com substâncias tóxicas. As experimentações clínicas, e os dados toxicológicos formam a matéria médica dos remédios.

3. A capacidade que o organismo tem de sentir e de agir, ou atingir a homeostase é mantida por um princípio não- material chamado de dynamis. Este dynamis ou força vital é, de acordo com Hahnemann, semelhante, em natureza, às forças envolvidas na gravidade ou magnetismo. É uma força, que até à data, aludiu explicação ou classificação das ciências naturais.

4. As doenças, portanto, não são coisas materiais reais, mas eles são descrições ou classificações de padrões de sintomas. Os sintomas não são coisas para serem removidos ou suprimidos por drogas, mas eles são uma expressão da força vital na tentativa de se curar.

5. Os medicamentos homeopáticos devidamente preparados, seleccionados e administrados “ressoam” de alguma forma com a força vital estimulando o processo de cura. A seleção do medicamento é realizada encaixando o quadro da doença com o quadro do medicamento.

6. É administrado um remédio de cada vez pois dois ou mais remédios não podem ser o mais semelhante ao da doença. A administração do remédio único permite também uma avaliação clara de sua eficácia.

7. Deve ser usado a dose mínima. Pequenas doses de uma substância estimulam a cura, as doses médias paralisam o paciente e grandes doses podem matar.

8. A individualização do tratamento é essencial. Não existe duas pessoas exatamente iguais quer doentes quer saudáveis e, embora os homeopatas utilizem classificações dos tipos de doença, deve sempre ser feitas as distinções mais finas do indivíduo, uma vez que, embora a ação de dois remédios possam muitas vezes ser semelhantes, eles nunca são exatamente os mesmos.

9. A mera remoção de sintomas por meio supressivos é um grande perigo na medida em que elimina a tentativa da força vital em realizar a homeostase e coloca o paciente em risco de ter uma doença ainda mais grave.

10. Que existe uma distinção entre os padrões de doenças agudas ou epidémicas e crônicas dos pacientes. O cuidado preventivo homeopático requer um entendimento desses padrões crônicos.

O que acontece durante o tratamento?

Você será solicitado a descrever todos os seus problemas, em detalhes, bem como uma descrição completa de tudo o que o caracteriza, principalmente seus sentimentos, sensações, a psique, sensibilidade, e tudo o que concerne o seu organismo em termos de energia, sono, fome, digestão, etc. O médico homeopata irá concluir este estudo com um exame físico. Este exame geral inicial é profundo e requer aproximadamente 2 a 3 horas. Quanto melhor o médico homeopata entende o seu paciente e seus problemas, melhor ele poderá individualizar e encontrar o remédio específico e mais similar para o estado da doença do paciente.

Esse remédio é muitas vezes, administrado em dose única, uma só vez, até à próxima consulta. Na próxima consulta, que geralmente ocorre 2-6 semanas após a 1ª consulta para pessoas com doenças crônicas e menos tempo em casos mais urgentes, o médico homeopata vai analisar todas as mudanças que ocorreram desde a tomada inicial do remédio homeopático. A 2ª consulta dura em média cerca de uma hora. Se o paciente reagiu favoravelmente ao remédio, o médico homeopata irá escolher o momento ideal para a segunda dose para reacender a reação de cura. Um remédio homeopático bem prescrito é como uma faísca que desencadeia o forno. Quando o forno se apaga, é hora de reacende-lo. Enquanto o paciente melhora, não há necessidade de repetir a dose. Da mesma forma, não há necessidade de reacender o forno se ele estiver aceso.

Estranho, mas verdadeiro, é que na homeopatia nós não tratamos doenças, mas a pessoa que está doente. Quer a pessoa tenha uma doença crônica ou uma doença aguda, todos os seus sintomas, sejam físicos, mentais ou emocionais, formam um conjunto que representa um estado de desequilíbrio muito específico para o indivíduo. O objetivo do médico é o de reconhecer, através da expressão original de sintomas de um paciente, o padrão de energia perturbado e identificar, entre um grande número de medicamentos disponíveis o mais homeopático, ou o mais semelhante à doença do paciente. A homeopatia é “medicina da pessoa” por excelência.

Uma vez que o remédio homeopático tenha sido administrado, ele irá atuar, num certo período de tempo (dependendo do caso). As reações ao remédio homeopático variam com o indivíduo.

Alguns experienciam uma clara melhoria na sua saúde geral e imediatamente nos seus sintomas. Outros descobrem que, antes de melhorar, os seus sintomas podem intensificar-se por um tempo (agravamento) e depois melhorar.

Observações importantes e dúvidas comuns

A Homeopatia ajuda o organismo a recuperar, por si mesmo, a saúde debilitada ou perdida usando remédios simples, que não têm efeitos colaterais ou contraindicações.

Estes remédios são feitos de plantas?

O tratamento realizado com remédios feitos de plantas medicinais chamase fitoterapia.

A Homeopatia tem remédios feitos de:

Plantas (vegetais):raízes, caules, folhas, flores e frutos diversos.
Animais
: Ex. abelha, etc.
Minerais:
magnésio, ferro, prata, etc.

Como atua o remédio homeopático?

A ação do remédio homeopático é a de restabelecer a energia perdida pela pessoa doente. A saúde depende justamente do equilíbrio dessa energia que dá o vigor físico, mental e emocional. Em harmonia, o organismo tem todos os recursos de que precisa para enfrentar as doenças e se manter saudável. Assim, o medicamento homeopático age recompondo a força energética do paciente estimulando, o próprio organismo a reagir às doenças.

A Homeopatia pode curar todas as doenças?

Na prática, nenhuma terapêutica trata todas as doenças.

Existem ainda doenças incuráveis:Aids, certos tipos de câncer, problemas que exigem cirurgias, entre outras. Nesses casos, a homeopatia ajuda a fortalecer o doente, aliviar os efeitos colaterais dos tratamentos alopáticos e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Quem descobriu a Homeopatia?

Um médico alemão, Samuel Frederico Hahnemann.

Como a descobriu?

Pesquisando drogas usadas como remédios, no seu tempo (1790-1843).

Qual foi a primeira substância experimentada?

Foi a Quina ou Quinina, que já era usada para combater as febres intermitentes (Malárias).

Como chegou a essa conclusão?

Tomou a Quina pura e teve:febre alta, tremores, calafrios, semelhantes aos da Malária. Diluiu a Quina, aos poucos e foi experimentando no tratamento da malária. Não só diminuíram as reações, mas, ainda, curavam a doença.

E depois?

Ele e seus discípulos continuaram experimentando diversas outras doenças e os resultados se repetiram. Estava descoberta a HOMEOPATIA, o TRATAMENTO PELO SEMELHANTE.

Por que os nomes dos remédios homeopáticos são escritos em Latim?

Primeiro, para identificar a origem do mesmo; segundo, para facilitar a aquisição em qualquer parte do mundo, mesmo sem conhecer a língua do local que você estiver.

Os remédios homeopáticos são encontrados prontos em qualquer farmácia?

Não. Devem ser procurados nas FARMÁCIAS HOMEOPÁTICAS que os prepararão (aviarão) na hora, com receita médica, ou veterinária ou odontológica.

O tratamento homeopático é lento?

Os que não conhecem a homeopatia dizem isso, mas não é bem assim.

Quando o caso é crônico, já se arrasta por algum tempo, tendo sido, muitas vezes, usados outros tratamentos, pode até demorar um pouco, dependendo também da capacidade da reação do organismo do paciente.

Às vezes, nos casos agudos, a reação pode ser notada quase instantaneamente.

Os medicamentos homeopáticos podem causar danos à saúde?

Não, mas pode mascarar sintomas de algumas doenças se forem receitados, manipulados ou usados inadequadamente. Por isso, faça consultas somente com clínicos especializado em Homeopatia e mande aviar as receitas nas farmácias homeopáticas de sua confiança.

A mulher grávida ou que amamenta pode tomar medicamentos homeopáticos? E os bebês, também?

Sim. O medicamento homeopático, por não ter ação química, não vai causar danos à gestante e nem ao neném. Mas, não esqueça, só use medicamentos sob orientação de clínico especializado.

Pode-se tomar medicamento homeopático ao mesmo tempo de um alopático?

Pode, mas é indispensável que seja consultado o seu clínico. Ele é a pessoa mais indicada para avaliar a necessidade desta associação.

Os alimentos interferem no tratamento homeopático?

Sim, mas não somente no homeopático, em qualquer tratamento.

Durante o tratamento homeopático é proibido ingerir álcool, café, chá, etc?

Não necessariamente, a não ser que seja recomendada pelo clínico uma dieta restritiva.

Usando-se homeopatia uma vez tem de usá-la sempre?

Não. Uma vez sumidos os sintomas da doença e a pessoa curada, o uso dos medicamentos deve ser suspenso.

Por que o medicamento homeopático não tem bula?

O medicamento homeopático é indicado pelo conjunto de sintomas do paciente, respeitando sua individualidade. Somente o clínico está habilitado para fazer esta análise. As bulas, muitas vezes, são indutoras ao uso inadequado de medicamentos.

Alopatia e Homeopático

A Alopatia é a medicina tradicional, que consiste em utilizar medicamentos que vão produzir no organismo do doente reação contrária aos sintomas que ele apresenta, a fim de diminuí-los ou neutralizá-los. Por exemplo, se o paciente tem febre, o médico receita um remédio que faz baixar a temperatura. Se tem dor, um analgésico.

Os medicamentos alopáticos são produzidos nas indústrias em larga escala, ou em farmácias de manipulação de acordo com a prescrição médica. São os principais produtos farmacêuticos vendidos nas farmácias e drogarias.

Os principais problemas dos medicamentos alopáticos são os seus efeitos colaterais e a sua toxicidade.

O medicamento homeopático é preparado em um processo que consiste na diluição sucessiva da substância, devendo seguir todas as normas sanitárias e os cuidados para o seu uso, como qualquer outro medicamento. Os medicamentos homeopáticos podem ser utilizados com segurança em qualquer idade, até mesmo em recémnascidos ou pessoas com idade avançada, desde que com acompanhamento do clínico homeopata.

Fonte: hpathy.com/Instituto de Homeopatia do Ceará/www.visvitaliseducation.com

Veja também

triptofano

Triptofano

PUBLICIDADE O triptofano é um aminoácido, uma proteína sem a qual os seres humanos não …

melatonina

Melatonina

PUBLICIDADE A melatonina é um hormônio produzido pelo nosso cérebro, e esse hormônio interfere em …

Kefir

Kefir

PUBLICIDADE Alimentos probióticos são microrganismos vivos que ajudam a equilibrar a flora intestinal. A flora …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.