Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Conspiração Dos Suassunas  Voltar

CONSPIRAÇÃO DOS SUASSUNAS

(1801)

Todos os movimentos de conjuração refletiram a insatisfação e a inquietação que atingia a Colônia. No entanto, naquele momento, apresentavam-se como manifestações regionais. Não havia o sentimento de libertar o Brasil, apenas o desejo de libertar a região. A dificuldade dos meios de transporte, ocasionando a formação de núcleos isolados, que mal se comunicavam, e o analfabetismo faziam com que o acesso às idéias liberais francesas fosse privilégio de muito poucos.

Emil Bauch, Pernambuco, 1852

As "infames idéias francesas" alcançaram também a Capitania de Pernambuco. Em 1798, o padre Arruda Câmara fundou uma sociedade secreta chamada Areópago de Itambé, provavelmente ligada à Maçonaria, que "...tinha por fim tornar conhecido o Estado Geral da Europa, os estremecimentos dos governos absolutos, sob o influxo das idéias democráticas..." Em 1801, influenciados pelos ideais republicanos, os irmãos Suassuna, Francisco de Paula, Luís Francisco e José Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque, proprietários do Engenho Suassuna lideraram uma conspiração que se propunha a elaborar um projeto de independência de Pernambuco. Os conspiradores foram denunciados e presos e, mais tarde, libertados por falta de provas.

Casa de Detenção de Recife onde estiveram, por alguns dias os acusados de participar da conspiração.

Fonte: www.multirio.rj.gov.br

CONSPIRAÇÃO DOS SUASSUNAS

(1801)

Expressando os ideais libertários em Pernambuco, ocorreu em 1801 a conspiração dos Suassunas, que, entre outras coisas, preconizava tomar Napoleão como protetor. Encontram-se aqui os germes da Revolução de 1817.

Os principais líderes da conspiração foram os três irmãos, Francisco de Paula, Luís Francisco de Paula e José Francisco de Paula Cavalcanti e Albuquerque, sendo o primeiro o dono do engenho Suassuna, nome pelo qual ficou conhecida a conspiração.

Todavia, esse episódio é pouco conhecido, por não ter ultrapassado o plano das tramas e porque a devassa ocorreu sigilosamente, dada a importância dos implicados.

Mas o fracasso da conspiração trouxe conseqüências imediatas, como o fechamento do Areópago de Itambé em 1802, que, no entanto, ressurgiu em seguida com o nome de Academia dos Suassunas, cuja sede era o próprio engenho dos antigos inconfidentes de 1801.

Apesar das repressões, o espírito de contestação difundido pelas sociedades secretas e pelo Seminário de Olinda não se desfez, ganhar do, ao contrário, novos e numerosos adeptos.

Fonte: www.culturabrasil.org

CONSPIRAÇÃO DOS SUASSUNAS

(1801)

A chamada Conspiração dos Suassunas foi um projeto de revolta que se registrou em Olinda, na então Capitania de Pernambuco, no alvorecer do século XIX.

Influenciada pelas idéias do Iluminismo e pela Revolução Francesa (1789), algumas pessoas reuniram-se e fundaram o Areópago de Itambé (1798). As mesmas idéias e eventos eram também discutidas pelos padres e pelos alunos no Seminário de Olinda, fundado em 1800.

O primeiro, fundado por Manuel de Arruda Câmara, membro da Sociedade Literária do Rio de Janeiro, era uma espécie de sociedade secreta onde se reuniam maçons e leigos, do qual não participavam europeus.

O Seminário de Olinda, fundado pelo Bispo D. José da Cunha de Azeredo Coutinho, em 16 de Fevereiro de 1800, teve entre seus membros, o padre Miguel Joaquim de Almeida Castro (padre Miguelinho), um dos implicados na revolução de 1817.

As discussões filosóficas e políticas no Areópago, evoluíram para uma conjuração contra o domínio português no Brasil, com o projeto de emancipação de Pernambuco, constituindo-se uma República sob a proteção de Napoleão Bonaparte. Integravam o grupo de conspiradores os irmãos Cavalcanti - Francisco de Paula, Luís Francisco de Paula e José Francisco de Paula Cavalcanti e Albuquerque -, o primeiro proprietário do Engenho Suassuna, que daria nome ao movimento.

A 21 de Maio de 1801, um delator informou às autoridades da Capitania os planos dos conjurados, o que conduziu à detenção de diversos implicados. Instaurado o processo de devassa, entretanto, vieram a ser absolvidos mais tarde, por falta de provas. A Aerópago foi fechado em 1802, reabrindo pouco mais tarde sob o nome de Academia dos Suassunas, com sede no mesmo engenho, palco das reuniões dos antigos conspiradores.

O episódio é pouco conhecido na historiografia em História do Brasil, uma vez que a devassa correu em sigilo à época, devido à elevada posição social dos implicados.

O movimento inscreve-se no contexto de Crise do Antigo Sistema Colonial. Apesar da repressão aos envolvidos, os seus ideais voltaram a reaparecer, anos mais tarde, na Revolução Pernambucana de 1817.

Fonte: pt.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal