Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História do Brasil / Nova República

Nova República

PUBLICIDADE

 

REPÚBLICA NOVA – (A ERA VARGAS)

A chamada Era Vargas, iniciada com a Revolução de 1930, que desalojou do poder a oligarquia cafeeira, divide-se em três períodos: o Governo Provisório (1930-1934), o Governo Constitucional (1934-1937) e o Estado Novo (1937-1945).

Durante o Governo Provisório, o presidente Getúlio Vargas iniciou o processo de centralização do poder, extinguindo os órgãos legislativos em todos os níveis (federal, estadual e municipal), nomeando interventores estaduais e suspendendo os direitos constitucionais. A oposição às pretensões centralizadoras de Vargas manifestou-se de forma violenta em São Paulo, que, em 1932, encabeçou um movimento armado – a Revolução Constitucionalista – exigindo a realização de eleições para uma Assembléia Constituinte. Apesar de o movimento ter sido derrotado, o presidente convocou eleições para a Constituinte que, em 1934, apresentou a nova Carta.

Entre outras coisas, a nova Constituição estabelecia o voto secreto e o voto feminino, além de conceder uma série de direitos aos trabalhadores.

Durante o Governo Constitucional, o debate político girava em torno de duas propostas principais: a fascista, defendida pela Ação Integralista Brasileira, e a democrática, apresentada pela Aliança Nacional Libertadora, que contava com elementos adeptos de reformas radicais da sociedade brasileira.

Vargas, porém, mantinha uma política de centralização do poder e, após a tentativa frustrada de golpe por parte da esquerda – a Intentona Comunista – , suspendeu novamente as liberdades constitucionais estabelecendo um regime ditatorial em 1937.

Nesse mesmo ano, impôs uma nova Constituição ao povo brasileiro, inspirada no modelo fascista, que garantia amplos poderes ao presidente. Nela ficava determinada a extinção do Legislativo e a subordinação do Judiciário ao Executivo. Visando um controle maior sobre o aparelho de Estado, Vargas criou o Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP) e o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), que, além de controlar os meios de comunicação, deveria divulgar uma imagem positiva do governo e, principalmente, do presidente.

As polícias estaduais tiveram suas prerrogativas ampliadas, e , para conquistar o apoio da classe trabalhadora, Vargas concedeu-lhe direitos trabalhistas, apesar de manter a atividade sindical sob direção do governo federal.

O Estado Novo implantou no Brasil o intervencionismo estatal sobre a economia e, ao mesmo tempo que oferecia incentivos na área rural, favorecia o desenvolvimento industrial, ao investir na criação de infra-estrutura ara a indústria. A entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial contra os países do Eixo deu margem ao crescimento da oposição ao governo de Vargas.

Assim, a luta pela democratização do país ganhou fôlego. O governo foi obrigado a conceder anistia aos presos políticos e aos exilados, além de convocar eleições gerais, que foram vencidas pelo candidato oficial, isto é, apoiado pelo governo, o general Eurico Gaspar Dutra.

O Significado da Revolução de 1930

Houve muitos que consideraram um exagero retórico o uso do termo revolução para designar o ocorrido em 1930. Na realidade, segundo esse ponto de vista, a chamada Revolução de 1930 nada mais teria sido senão um golpe que deslocou do poder de Estado um setor da oligarquia brasileira, para dar lugar a um outro setor dessa mesma oligarquia.

Evidentemente que a Revolução de 1930 não poder ser comparada à Revolução francesa de 1789 ou à Revolução russa de 1917. Ela não foi programada para produzir imediatas e radicais mudanças na estrutura sócio – produtiva do país. Decorreu, sobretudo, do efeito dos limites a que chegou a política econômica de proteção do café ante à violenta crise do capitalismo mundial.

Assim vista, a Revolução de 1930 se inscreve na vaga de instabilidade política que tomou conta da América Latina na década de 30, a qual produziu grandes agitações e golpes militares no Peru (1930), na Argentina (1930), no Chile (1931), no Uruguai (1933), em Cuba (1933) e nas repúblicas centro-americanas, no mesmo período.

O que não significa dizer, no entanto, que a Revolução de 1930 não tenha sido importante para o nosso passado. Pelo contrário. A Revolução de 1930 foi decisiva para a mudança de rumos da história brasileira. Ao afastar do poder os fazendeiros do café, que o vinham controlando desde o governo de Prudente de Morais, em 1894, pavimentou o caminho para uma significativa reorientação da política econômica do país.

Tendo cortado o cordão umbilical que unia o café às decisões governamentais atinentes ao conjunto da economia e da sociedade brasileiras, a Revolução ensejou uma dinamização das atividades industriais.

Até 1930, os impulsos industrialistas derivavam do desempenho das exportações agrícolas. A partir de 1930, a indústria passa a ser o setor mais prestigiado da economia, concorrendo para importantes mudanças na estrutura da sociedade. Intensifica-se o fluxo migratório do campo para os centros urbanos mais industrializados, notadamente São Paulo e Rio de Janeiro, que, adicionado ao crescimento vegetativo da população, proporciona uma maior oferta de mão-de-obra e o aumento do consumo. Entre 1929 e 1937 a taxa de crescimento industrial foi da ordem de 50%, tendo-se verificado, no mesmo período, a criação de 12.232 novos estabelecimentos industriais no país.

Desse modo, independentemente das origens sociais e das motivações mais imediatas dos revolucionários, não há dúvida de que a Revolução de 1930 constituiu uma ruptura no processo histórico brasileiro.

1) Significado da era Vargas: Getúlio implantou no país um novo estilo político – O POPULISMO – e um modelo econômico baseado no intervencionismo estatal objetivando desenvolver um capitalismo industrial nacional (processo de substituição de importações).

Populismo é um fenômeno típico da América Latina, durante o séc. XX, no momento de transição para estruturas econômicas mais modernas. Ele significa “política de massas”, ou seja, política que utiliza as massas como elemento fundamental nas regras do jogo. Caracteriza-se pelo contato direto da liderança e o povo. Através dele, Getúlio lutou contra as oligarquias, manteve o povo sob controle assumindo uma imagem paternalista e consolidou a indústria dentro de um esquema intervencionista. Não se tratava de povo no governo, mas de manipulação do povo para benefício do próprio líder carismático e das elites possuidoras.

2) governo provisório (1930-34) – fatos marcantes:

2.1 – A Revolução constitucionalista de SP (1932): a pretexto de democratizar e constitucionalizar o país, os cafeicultores de SP tentaram voltar ao poder. Foram duramente reprimidos.

Vargas, numa atitude claramente populista, concilia-se com os vencidos: nomeia paulistas para cargos chaves e mantém a política de valorização do café.

2.2 – A constituição de 1934: inspirada na constituição democrática de Weimar (Alemanha), a 3ª constituição brasileira foi promulgada com as seguintes características: federalismo, eleições diretas (a partir de 38 – até lá Vargas seria o presidente) e secretas, voto feminino, representação classista no congresso e leis sociais (salário mínimo e legalização dos sindicatos). Apesar dos avanços, ela não tocou na estrutura agrária e nem regulou as leis sociais o que impedia sua aplicação.

3) Governo constitucional (1934-37) – fatos marcantes:

3.1- A “intentona” comunista (1935): as contradições sociais aguçadas com o desenvolvimento industrial fortaleceram o partido comunista. O objetivo do PC era criar alianças com setores mais progressistas da sociedade por isso criou a Aliança Nacional Libertadora (ANL) com um programa nacionalista, antifascista e democrático. Com a repressão de Vargas a ANL, os comunistas passaram a preparar uma insurreição armada. Devido a não participação popular, a intentona  terminou em uma “quartelada” fracassada liderada por Prestes. Os dois anos que se seguiram foram marcados pelo fechamento político (estado de sítio) que prenunciava a ditadura que se iniciaria em 1937.

3.2- A ascensão da ideologia fascista: A ação integralista brasileira (AIB), liderada por Plínio Salgado, foi a expressão típica do modelo fascista no Brasil. Propunha o culto ao seu líder e uma retórica agressiva anticomunista e nacionalista. O integralismo apoiou entusiasticamente o Golpe de 37, no entanto, Vargas não dividiu os privilégios do poder com a AIB.

3.3- O plano COHEN: Em determinado momento, o governo anunciou ter descoberto um plano comunista subversivo e o utilizou para dar o golpe de estado em 1937 cancelando as eleições de 1938. Na verdade, o plano era falso e foi apenas o pretexto para a ditadura. Iniciava-se o ESTADO NOVO.

4) O Estado Novo (1937-45) – fatos marcantes:

4.1- A constituição de 1937 (a “polaca”): outorgada e fascista. Estabelecia que o presidente teria o poder nas mãos enquanto não se convocasse um plebiscito para aprová-la (o que não aconteceu).

4.2- A ditadura: os partidos foram suprimidos, o legislativo suspenso, a censura estabelecida pelo departamento de imprensa e propaganda (DIP), centralizaram-se as funções administrativas através do departamento de administração do serviço público (DASP), as liberdades civis deixaram de existir.

4.3- A economia: aprofundamento da industrialização através do processo de substituição de importações nos setores de bens de consumo não duráveis (tecidos e alimentos) e, principalmente, dos bens intermediários (metalurgia e siderurgia). O estado arcou com o ônus da industrialização numa demonstração de nacionalismo econômico: foram criados a vale do rio doce, a siderúrgica nacional e o conselho nacional de petróleo (nacionalização do refino, não a estatização).

4.4- A questão social: criou-se o salário mínimo (1940), a consolidação das leis trabalhistas (1943) e os sindicatos passaram a ser controlados pelo ministério do trabalho  Deixava-se claro a combinação entre paternalismo estatal e fascismo. O estado passava a controlar as relações entre capital e trabalho (CORPORATIVISMO).

4.5- A 2ª guerra  mundial e a queda de Vargas: até 1941, o Brasil manteve-se neutro na guerra com declarada simpatia pelos fascistas. Em 1942, porém, a ajuda americana para construção da usina de Volta Redonda foi decisiva para que Vargas declarasse guerra ao EIXO. A contradição entre a política externa e a realidade interna do regime se torna patente forçando a abertura do regime.

A abertura aconteceu em 1945: Surgiram partidos políticos como a UDN (burguesia financeira urbana ligada ao capital estrangeiro), o PSD (oligarquias agrárias), o PTB (criado por Vargas – massas operárias citadinas), o PCB (intelectualidade). Ao mesmo tempo, Getúlio adotava um discurso cada vez mais nacionalista e  articulava o movimento QUEREMISTA, favorável a sua permanência nos cargo. Em 1945, o exército derrubou o presidente evitando o continuísmo.

Fonte: www.geocities.com

Nova República

Governo José Sarney (1985-1990)

A transição democrática

Com o fim da ditadura, a sociedade civil esperava a redenção do país com o governo Tancredo, mas uma operação inesperada impediu a posse do presidente Sarney passou de dissidente da ditadura para a condição de responsável pela efetiva construção da democracia brasileira Continuísmo ou mudanças verdadeiras?

A redemocratização limitada

Sarney era representante de grupos políticos conservadores, dissidentes de última hora do regime militar Seu governo foi montado por Tancredo, político habilidoso e conciliador, distante das aspirações da maioria da sociedade Poucos eram os representantes de grupos populares no governo Tancredo-Sarney.

A reconquista dos direitos civis

Sem fazer mudanças estruturais, Sarney ao menos comandou uma recuperação legal dos direitos do cidadão brasileiro Entre as medidas mais importantes estão a liberdade sindical, o fim da censura, o pluripartidarismo ampliado, a convocação da Assembléia Constituinte, a remoção do “entulho autoritário” da ditadura.

Atuação econômica

A crise herdada dos militares, as dívidas do Estado, a desnacionalização da produção em setores importantes e a inflação foram problemas enfrentados desde março de 85.

Experimentando uma crise jamais vista no país, o presidente mudou a Fazenda várias vezes: Dorneles, Funaro, Bresser e Nóbrega.

Infelizmente, nenhuma deu resultado.

Os problemas fundamentais

Para superar a crise, o governo tinha que recuperar o crescimento com investimentos na produção, acabar com a especulação financeira, combater a inflação “galopante”, gerar empregos, atrair capital estrangeiro e desindexar a economia.

Em dúvida entre o modelo liberal ortodoxo e uma política flexível, optou pelo segundo.

Plano Cruzado (1986)

Planejado pela equipe de Dilson Funaro, o “choque heterodoxo” era uma política estruturalista para a economia nacional.

Decretou a substituição da moeda, a queda dos juros, o congelamento por uma ano de preços e salários e a eliminação das ORTNs.

Gerou no início deflação, estabilidade da moeda, crédito acessível e o consumismo.

Resultados efêmeros

A população comemorou os resultados do plano, mas não por muito tempo.

Com a popularidade em alta, o presidente contou com os “fiscais do Sarney” para impedir a volta da inflação, porém ocorreu uma disparidade entre consumo e produção.

O comércio desabastecido praticou junto com a indústria a cobrança do ágio.

Outros planos foram decretados

Após o fracasso do Cruzado, Funaro foi substituído por Bresser Pereira, que também deixou sua marca, o Plano Bresser (1987).

Sem resultados imediatos, Bresser perdeu o cargo para Maílson da Nóbrega, que em 1989 lançou o Plano Verão, outro fracasso.

A sucessão de planos e a explosão da inflação desgastaram o governo Sarney.

A constituinte (1987/1988)

Eleita na esteira do Cruzado, a Assembléia Constituinte foi o momento democrático do governo Sarney; as lutas entre o “Centrão” e os “Progressistas” marcaram os debates de Brasília no período.

Promulgada em outubro de 1988, recebeu a denominação “Constituição Cidad㔠pelos direitos garantidos aos brasileiros.

A sucessão presidencial

Com o desgaste político de Sarney, vários candidatos procuraram concorrer ao cargo.

Nenhum postulante ao cargo se aproximou do governo que tinha imagem de fracasso.

Rotulado de corrupto, ladrão, incompetente, coronelista e fisiologista, o presidente não seria um bom cabo eleitorial em 1989 diante da rejeição popular.

Uma disputa acirrada

Muitos partidos lançaram candidatura própria para a corrida eleitoral de 1989.

Os mais conhecidos eram Covas (PSDB), Brizola (PDT), Maluf (PDS), Aureliano Chaves (PFL), Afif Domingos (PL), Ulisses Guimarães (PMDB), Enéas (PRONA), Lula (PT) e Collor (PRN); até Silvio Santos tentou participar mas foi impedido pela J.E.

Governo Fernando Collor (1990/92)

O eleito pelo “povo”.

Representante das forças liberais e dos interesses conservadores, o “caçador de marajás” prometeu para os “descamisados e pés-descalços” um país novo, moderno, rico, sem corrupção e com empregos.

Para superar a crise deixada pelos políticos do atraso, sua equipe econômica planejou a abertura do mercado nacional.

Atuação econômica

Collor expressava indignação com o atraso da economia brasileira em relação aos países mais ricos do mundo.

Zélia Cardoso de Mello (Economia) montou o plano “que deveria matar o tigre da inflação com apenas um tiro”.

Após um longo feriado bancário (mar/90), o povo conheceu o Plano Brasil Novo.

Plano Collor (1990)

Política econômica medíocre, não atendeu as necessidades emergenciais do país.

Substituiu a moeda, seqüestrou o dinheiro de correntistas e aplicadores, congelou preços e salários, criou impostos, aumentou outros já existentes, demitiu servidores, extinguiu órgãos e cargos públicos, abriu o mercado, anunciou privatizações.

A abertura econômica neoliberal

Com taxas de importações reduzidas, a abertura unilateral do país não trouxe benefícios para o mercado interno; sem negociar com outros países, sem preparar os produtores brasileiros, o resultado foi um desastre para a economia nacional.

Mas que Estado neoliberal aumentava tantos impostos como o de Collor?

Os resultados do Brasil Novo

A produção interna caiu, as falências eram comuns, o desemprego cresceu, a inflação não foi controlada, o Estado ficou mais inoperante e o PIB baixou.

Milhares de ações contestavam as medidas governamentais que mais pareciam ordens de um ditador intransigente.

O capital externo esperou para ver o final.

O marketing pessoal

Enquanto a população perdia poder de compra, a economia se deteriorava, Collor seguia seu teatro político encenando a vida de playboy presidente.

Com os holofotes da mídia, o presidente era o modelo de homem jovem, moderno, rico, bem sucedido e poderoso que formava com os amigos a “República das Alagoas”.

A Casa da Dinda

Em sua mansão de Brasília, o presidente ostentava a riqueza da família e aplicava as gatunagens de seu grupo político.

Com a ajuda de PC Farias, reformou sua residência com luxo e desperdícios.

Nas festas promovidas para pessoas de alta classe, dinheiro público era torrado em nome do novo estilo de governar.

Plano Collor II (1991)

Os números desanimadores da economia no primeiro ano de governo fizeram a equipe tentar “mais um tiro no tigre da inflação”.

Sem competência para alterar o quadro, o novo plano falhou novamente.

A ministra Zélia, apaixonada pelo ministro Bernardo Cabral, fui substituída por Marcílio Marques Moreira

O irmão Pedro

Uma reportagem da revista Veja (maio/92) detonou um escândalo no governo; Pedro Collor revelou esquemas de corrupção no governo do irmão que repercutiram em todos os setores sociais do país.

Para apurar o esquema PC – Collor, uma CPI foi cria no Congresso; esse processo acabou comprovando as denúncias do irmão.

O Impeachment

Collor é afastado nos últimos meses de 1992; o vice Itamar Franco governa interinamente o país até o caso ser julgado pelos congressistas.

No final de dezembro, na eminência do processo de cassação, Collor manda uma carta de renúncia que não é aceita pelos congressistas que finalizam o processo.

Governo Itamar Franco (1992/95)

A estabilidade política

A queda da “República das Alagoas” trouxe novos ares para o cenário político nacional.

Apoiado por vários partidos, Itamar fez um governo estável, mesmo enfrentando a crise deixada por Collor.

Bem diferente do antecessor, Itamar não cuidava da imagem e não preparava frases de efeito para os jornalistas.

Atuação econômica

Mantendo uma política neoliberal, seu governo teve o mérito de conduzir melhor as práticas de abertura, privatização e busca da estabilidade da moeda.

Contudo, também trabalhou um discurso nacionalista e popular, protegendo certas empresas brasileiras e revitalizando o Fusca como símbolo de um carro popular.

A política de estabilização

Com FHC (Fazenda) o governo montou um plano de recuperação econômica neoliberal, monetarista, procurando acabar com a indexação de preços e salários.

Sem assustar os mercados financeiros, a moeda foi substituída aos poucos, a inflação foi domada, a produção retomada e a crise temporariamente afastada.

Plano Real (1994)

Com a transição Cruzeiro – URV – Real concluída em meados de 1994, o governo implantou com sucesso a paridade cambial em relação ao dólar, reprimiu o consumo, ganhou popularidade e lançou um candidato para a corrida presidencial.

A estabilidade da nova moeda fortaleceu o presidente que saiu com grande aprovação.

A sucessão presidencial

Mesmo com as oposições insistindo no caráter eleitoreiro do plano econômico, o candidato do governo ganhou a simpatia popular, mesmo após o caso da “antena parabólica” com Rubens Ricupero.

Considerado o “pai do real”, FHC realizou alianças políticas com conservadores em vários estados, ganhando no primeiro turno.

Governo F H C (1995/2003)

A estabilidade econômica.

Fazenda – Pedro Malan

A política monetarista implantada em 1994 foi prioritária para o governo FHC.

Para assegurar o sucesso do Real, reformas eram esperadas, mas as bases conservadoras da aliança que elegeu FHC e a própria falta de vontade política não geraram mais condições favoráveis para a economia.

Um Estado Liberal?

Comprometido com o Real, o governo FHC tratou de iniciar a modernização do país com as privatizações, a abertura do mercado aos investidores estrangeiros e o combate aos desperdícios do Estado.

O capital investido no país ajudou o Real a ficar estável, as privatizações eliminaram gastos, mas os impostos aumentaram.

Os parceiros políticos

Eleito com o apoio do PFL, com parcelas consideráveis do PMDB e com a simpatia de vários micro-partidos, FHC soube distribuir cargos e benefícios para assegurar maioria no Congresso Nacional.

Porém a aliança governista não realizou as reformas necessárias ao Estado – trabalhista, previdenciária, legislativa e tributária.

A Emenda Constitucional

A ampla base governista no Congresso, ao invés de votar as reformas que dariam mais força econômica ao Estado, preferiu colocar como prioridade política a reeleição para os cargos majoritários.

Com muitas vantagens aos congressistas que apoiaram a emenda da reeleição, os governistas tiveram 2/3 dos votos.

Um novo mandato

Com números favoráveis, o governo tinha aprovação da sociedade para continuar.

Sem mudanças no quadro político, o país viu as mesmas oposições de 1994 em 1998.

FHC havia consolidado a imagem de homem culto, de cosmopolita e de estadista respeitado internacionalmente; assim, ficou fácil ser reeleito no primeiro turno.

A desvalorização da moeda

Mas logo após a posse do segundo mandato, a sociedade conheceu o lado “negro” do Plano Real.

Surpreendendo a população, o governo acabou com a paridade da moeda e jogou milhares de pessoas e empresas numa situação difícil de superar; dívidas em dólar foram multiplicadas por 2.

“Maria Antonieta” do Planalto

Justificando a repentina mudança na política econômica como reflexo da crise mundial, o governo não lembrou que essa mesma crise já era conhecida em meados de 1997.

Adiando a flexibilização do câmbio, FHC e equipe criaram mais dívidas para encobrir os problemas do Real.

Resultado: reservas cambiais baixas.

Os efeitos sociais da crise

Recorrendo ao FMI para salvar o sistema financeiro brasileiro, o governo recebe determinações rigorosas de ajuste fiscal para os próximos anos.

A sociedade acabou pagando os “erros” do Real com aumento de impostos, juros altos, arrocho salarial, redução nos investimentos produtivos e desemprego.

A popularidade em queda

Em recessão econômica, a opinião pública deixou de apoiar o presidente; acuado, FHC deixou de ser o homem “inteligente”.

Entrando em choque com lideranças dos partidos aliados, perdeu a maioria no Congresso e viu a ascensão de Lula.

Mesmo assim, controlou o processo de sucessão dentro de sua base política.

A sucessão presidencial

FHC colocou Serra com candidato do governo para 2002; a aliança PSDB-PMDB que teve apoio do PFL enfrentou Lula, Ciro Gomes e Garotinho como opositores.

Mudando o discurso, além da propaganda, Lula fechou acordos com opositores e dissidentes do governo.

Resultado: 1ª vitória em 4 eleições.

Fonte: www.anglopiracicaba.com.br

Nova República

A República introduziu os militares na política nacional de forma cada vez mais “profissional” a partir do Estado Novo, até convertê-los, em 1964, de poder arbitral nos conflitos das elites regionais em “Poder Nacional” e único guardião permanente da “Ordem e Progresso”.

Essa transformação ocorre sobretudo depois da Segunda Guerra Mundial, com a mudança progressiva da doutrina da Escola Superior de Guerra e da forma de organização do Estado Maior das Forças Armadas, sintetizada, no período da ditadura militar até 1979, no binômio “Segurança e Desenvolvimento”. Com a “Transição Democrática”, o fim da Guerra Fria e o neoliberalismo da década de 90, os militares estão aparentemente sem “Doutrina Positiva”.

Os bacharéis do poder civil correram atrás e foram elaborando, depois de cada golpe militar ou mudança de regime político, uma nova Constituição da República. É fantástico contrastar a longa duração do código comercial diante das frequentes mudanças da Constituição brasileira.

A forma como entram e saem os direitos sociais e o caráter crescentemente restritivo do papel da Federação, mesmo na Constituição de 1988, merecem ser reestudados concretamente e não apenas à luz das mudanças da filosofia do direito, na qual foram tão profícuos os nossos bacharéis. A partir da desmontagem da Constituição de 1988, os bacharéis estão também aparentemente sem “Doutrina Positiva”.

A proclamação da velha República confirmou a hegemonia paulista no pacto de dominação oligárquico (contra os esperneios dos “jacobinos” civis e militares do Rio) e reforçou os nexos da sua burguesia com os centros financeiros internacionais.

Daí em diante, cada vez que a ligação se rompe ocorre uma mudança no padrão de financiamento da acumulação de capital que torna necessária a intervenção crescente do Estado Nacional (Caixa de Conversão, Tesouro, Banco do Brasil, BNDE etc.) para repor as condições de valorização da riqueza privada.

As políticas macroeconômicas, sobretudo as cambiais, as monetárias e de ajuste fiscal, nunca permitiram classificar claramente qualquer governo da República como plenamente liberal ou desenvolvimentista, mas sempre tentaram levar à prática uma “macroeconomia da riqueza” que evitasse a quebra dos principais bancos privados.

Não é por acaso que o patriciado paulista, apesar da acabrunhante derrota política em 32, manteve os prósperos e milionários negócios da sua nova burguesia e indicou o banqueiro Whitaker para ministro da Fazenda do primeiro governo de Vargas, que tentou refazer um novo pacto oligárquico, o qual termina no Estado Novo.

O Estado Desenvolvimentista nas suas várias versões, de Vargas a JK, de Médici a Geisel, esgota-se com a crise financeira nacional e internacional de 1982, que levou de roldão não apenas o padrão de financiamento que soldava os interesses das burguesias agrário-industrial e financeira, mas também o regime militar e sua falsa “via prussiana”.

A Nova República é o resultado de um novo pacto de compromisso entre as elites políticas civis e militares que, simbolicamente, nasce e começa a morrer com a morte do ilustre mineiro Tancredo Neves.

Em 1994, depois de várias versões fracassadas de transição, os “paulistas” supostamente voltam ao poder. A nova “Aliança Liberal” é implementada, mas com o auxílio de economistas cariocas de novo estilo, e a “ala desenvolvimentista” paulista foi posta para escanteio, até mesmo nas “privatizações bancárias” e na nova direção do BNDES.

Do ponto de vista constitucional o governo FHC foi além dos generais e da República Velha, destruindo uma das regras básicas da República: a não-reeleição do presidente. Em compensação, reintroduziu todos os “atrasos” conhecidos em matéria de pacto oligárquico, para torná-lo global.

Sobre as reivindicações populares e da chamada “sociedade civil”, aplica táticas de dissuasão dignas de um oficial de “Estado Maior” que certamente aprendeu em seu apurado estudo da história brasileira. Para manter o apoio dos “aliados” descontentes, usa o “mimetismo sedutor” de sua longa experiência de vida cosmopolita e domina no limite os recursos midiáticos para tentar apaziguar as massas.

Finalmente, centraliza o poder do Executivo além dos limites jurídicos e tenta liquidar de vez o Pacto Federativo sem destruir o poder político oligárquico. Sucateou parte das forças produtivas internas a pretexto de submetê-las a uma abertura competitiva e reduziu a uma insignificância o nosso comércio exterior, levando às últimas consequências o “capitalismo dependente” atrelado às finanças internacionais.

Em resumo: o atual presidente não levou em conta nem a legitimidade jurídica nacional nem o avanço da organização dos trabalhadores nas últimas décadas.

À luz dos interesses das grandes empresas nacionais, públicas e privadas, pode ser considerado um “leiloeiro” perdedor no mercado global. Como estadista nacional, afinal apequenou-se e corre o risco de tornar-se apenas um candidato a procônsul latino-americano da nova Pax Americana.

Maria da Conceição Tavares

Fonte: www.race.nuca.ie.ufrj.br

Nova República

Período da História Brasileira que vai de 1985 até aos dias atuais.

A Nova República é o período de nossa história onde o Brasil passou a ser verdadeiramente um país democrático.

Em 1985 Tancredo Neves foi eleito Presidente do Brasil pelo colégio eleitoral. A escolha de Tancredo Neves como presidente deu um ponto final na ditadura militar.

Na véspera de tomar posse do governo, Tancredo Neves adoeceu, e dias depois, 21 de Abril de 1985, venho a falecer.

O Governo Sarney (1985-1990)

Com a morte de Tancredo Neves, o vice-presidente eleito, José Sarney, assumiu a presidência do Brasil. José Sarney governou o Brasil espelhado na imagem de Tancredo Neves. O ministério foi composto pelos mesmos ministros escolhidos por Tancredo.

O Governo Sarney deu inicio a redemocratização do Brasil. Foi estabelecido eleições diretas para os cargos políticos. Também foi dado o direito de votar aos analfabetos e foi criada uma nova constituição.

A Constituição de 1988 é a mais democrática que o Brasil já teve.

No campo político o país respirava com a redemocratização mas, no campo econômico os problemas continuaram.

Buscando uma solução para a crise econômica, em Fevereiro de 1986, o Governo Sarney lançou um plano de estabilização econômica, o Plano Cruzado.

A nova moeda, o Cruzado, tinha o valor de mil Cruzeiro, antiga moeda. Pelo Plano Cruzado ficou estabelecido o congelamento de preços e salários. Estas medidas econômicas não surtiram efeito pois a inflação voltou a subir.

Com o fracasso do Plano Cruzado, outros planos econômicos foram elaborados, foi o caso do Plano Blesser e Plano Verão que criou o Cruzado Novo.

O Governo Collor (1990-1993)

Nas eleições de 1989, com o caos econômico instalado no Brasil, a população optou por votar num candidato que não fosse o indicado pelo governo Sarney.

O povo elegeu como Presidente do Brasil Fernando Collor de Mello. Em sua campanha política Collor afirmava que buscaria melhorias na condição de vida do povo brasileiro, chamado por ele de pés-descalços e descamisados.

Logo ao assumir a presidência, Collor pois em pratica o Plano Brasil Novo, conhecido também como Plano Collor.

O Plano Collor em comparação aos planos tomados pelos governos anteriores, foi o mais drástico. A moeda voltou a ser o cruzeiro que passou a ser circulado em menor quantidade. As contas bancárias e cadernetas de poupanças com saldo superior a 50 mil cruzeiros foram bloqueadas.

Inicialmente, as medidas econômicas tomadas no Governo Collor até surtiram efeito, mas no andamento do governo a inflação voltou a subir.

Para piorar a situação do presidente Collor, sua imagem ficaria suja devido as denuncias de corrupção em seu governo.

Pedro Collor, irmão do presidente, denunciou um esquema de corrupção que tinha como principal figura Paulo César Farias, tesoureiro da campanha politica de Collor.

A descoberta do Esquema PC Farias atingiu em cheio a popularidade de Fernando Collor. Seus dias como presidente estavam contados.

Demonstrando o seu descontentamento com o Governo Collor, boa parte da população brasileira surpreendentemente saiu as ruas para protestar. Queriam eles a imediata renúncia de Collor.

Pressionados pelos Caras Pintadas, a Câmara dos Deputados instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito. Na CPI foram levantadas provas suficientes que comprovaram a participação de Collor no Esquema PC.

O Congresso Nacional teve que se reunir para discutir a aprovação do Impeachment de Fernando Collor de Melo. Em 29 de Dezembro de 1993 Fernando Collor optou por renúnciar a presidência deixando o cargo para o seu vice, Itamar Franco.

O Governo Itamar Franco (1993-1994)

Com a renúncia de Fernando Collor, Itamar Franco teve que assumir a Presidência do Brasil.

No Governo Itamar Franco, foi encontrado uma solução para a crise econômica que assolava o Brasil.

Em Maio de 1993 Itamar Franco nomeou Fernando Henrique Cardoso como Ministro da Fazenda.

Fernando Henrique Cardoso, a frente de um grupo de economistas, elaborou um bem sucedido plano econômico, o Plano Real. A nova moeda, o Real, tornou-se um sucesso.

Com a nova moeda a população teve um melhor poder aquisitivo e seus salários não estavam mais sendo corroídos pela inflação.

O Governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002)

Foi dado a Fernando Henrique Cardoso o credito pela elaboração do Plano Real. A população confiava nele e por isso ele sagrou-se como candidato vencedor nas eleições presidênciais de 1994.

Fernando Henrique tomou posse do Governo em 1 de Janeiro de 1995. Ao final de 1998 foi reeleito como presidente derrotando novamente o candidato da oposição, Luís Inácio Lula da Silva.

Além de se engajar na missão de manter a inflação baixa, o Governo FHC optou por privatizar as empresas estatais e abrir economia brasileira para o MERCOSUL.

A nova política econômica adotada no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, fez com que o Brasil recorresse ao FMI o que gerou a desvalorização do Real.

Fonte: www.historiatecabrasil.com

Nova República

A Redemocratização

1. Introdução

O Brasil viveu em sua história três longos períodos democráticos. A Primeira República, de 1894 a 1930, era fortemente restrita, com poucos cidadãos aptos a votar e altamente corrupta e fisiológica. A segunda República, 1945 a 1964, era bem mais democrática, mas os sindicatos eram atrelados ao governo e os analfabetos eram proibidos de votar. A terceira República, de 1985 até hoje, apesar de vários problemas que há nela, é a mais democrática de todas, com sufrágio universal, sindicatos livres e constituição social-democrata.

2. Os novos partidos

A liberdade para abertura de novos partidos: No final de 1979, o Congresso extingue a ARENA e o MDB, abrindo caminho para a criação dos novos partidos. Segundo a legislação, todos os partidos deveriam ter um P de partido antes do nome. Isso foi feito para extinguir o termo ARENA, nada popular.

O PMDB: O MDB, partido de oposição à ditadura, vira PMDB prevalecendo como um dos partidos mais fortes do país. Apesar de ter uma constituição elitista, na década de 80 assume posições social-democratas. No final da década de 80, desiludido com o governo Sarney, sairia do seio do PMDB o PSDB, que nasce de centro-esquerda e vai rumando para a direita, principalmente quando chega ao poder em 1995.

O PDS, o PPB e o PFL: A ARENA se transforma depois em PDS. Depois, o PDS se transformaria em PPB, tendo hoje o nome de PP. Em função das eleições indiretas para presidente em 85, surge uma dissidência dentro deste partido que dá origem ao PFL. Todos esses partidos são de constituição elitista e com idéias francamente de direita, tendo práticas corruptas recorrentes, fisiológicas e nepotistas.

O PDT e o PTB: Brizola volta do exílio e com outros trabalhistas históricos do PTB de Vargas e Jango tenta refundar o partido. No entanto, Ivete Vargas consegue a sigla na Justiça, fundando um partido de direita vinculado ao PDS. Brizola fundaria, então, o PDT, partido trabalhista e de esquerda.

O PT: O PT, que nasce também em 1980, surge diferente dos outros partidos, por não se vincular a nada da política anterior. Formado por sindicalistas, ex-presos políticos e intelectuais socialistas de esquerda, é bem vinculado a movimentos sociais como o MST, a CUT e a parcela de esquerda da Igreja católica.

PCs: Os partidos comunistas, que se dividiram em vários na década de 60, foram proibidos neste momento de voltar à legalidade, sendo legalizados só no final da década de 80.

3. Os novos organismos sociais e as mobilizações

A reorganização dos sindicatos: A partir das greves no ABC paulista e outras várias pelo país, os sindicatos se reorganizam e é fundada a Central Única dos Trabalhadores – a CUT.

O MST: Em 1984 surge o Movimento dos Trabalhadores rurais sem terra no Sul do país, espalhando-se depois para o país inteiro.

Esse movimento exige a reforma agrária no país e diante da imobilidade do Estado, faz ocupações de terras pelo país.

A reorganização da sociedade: Além desses grandes movimentos sociais, surgem outros também nem sempre vinculados a questões políticas ou questões de trabalho. São movimentos feministas, homossexuais, negros, ONGs diversas e associações de moradores. De qualquer forma, mostram o ar democrático que se passava a respirar no país.

Eleições estaduais: Nas eleições diretas estaduais de 1982 o PMDB consegue a vitória em importantes estados e Leonel Brizola consegue se eleger governador no estado do Rio de Janeiro, apesar do boicote da ditadura e das organizações Globo, no que ficou conhecido como caso Proconsult.

As diretas já: Em 1984 uma emenda no Congresso para que houvesse eleições presidenciais diretas no ano seguinte levam a uma grande mobilização popular. É a campanha das Diretas Já, a maior mobilização popular da história do país. Reuniu 40 mil pessoas em Curitiba, 50 mil em Natal, 1 milhão no Rio e 1,3 milhão em São Paulo. A emenda, no entanto, foi barrada no Congresso.

O acordo para as eleições de 1985: Para a eleição indireta para presidente, o PDS lança Paulo Maluf e o PMDB Tancredo Neves. O PDT apóia Tancredo e o PT não. Uma briga interna dentro do PDS leva à criação da frente liberal, que apóia Tancredo para presidente, dando o nome para o vice deste, José Sarney.

Tancredo venceria, mas morreria antes da posse, dando lugar a Sarney como o primeiro presidente civil desde 1964.

Planos econômicos, recessão e miséria

1. Introdução

A década de 80 teve amplos avanços democráticos na política e na sociedade, ao mesmo tempo que a economia praticamente estagnou, tendo apenas um ano de crescimento nada sólido, o ano do Plano Cruzado. Em verdade, a economia não cresce de forma sustentada há 25 anos gerando miséria, violência e desemprego.

2. Sucessão de planos e continuidade da miséria

Inflação e dívida incontroláveis: A inflação chegava aos três dígitos em 1980 e a dívida externa superava U$200 bilhões em 1984. O Brasil faz um acordo com o FMI, cujas imposições para liberar o empréstimo levam à forte recessão. Tanto a inflação como a dívida pública – não só a externa, mas a interna também – tendiam a aumentar. Esse era o quadro econômico do país quando Sarney chega ao poder.

O plano Cruzado: O ministro da Fazenda Denílson Funaro propõe o plano Cruzado, onde preços e salários seriam congelados. O plano leva a uma explosão do consumo, o que deu grande popularidade ao governo. Além disso, gerou também um desestímulo à poupança e desabastecimento. A economia iria crescer bastante, mas logo os comerciantes passariam a cobrar um ágio nos preços, o que era a volta da inflação.

Eleições estaduais e parlamentares: O Cruzado estava ficando insustentável para as contas do governo. O presidente, no entanto, segurou o plano até depois das eleições de 1986 para aproveitar a popularidade do plano. Por isso, o PMDB de Sarney vence em todos os estados, exceto Sergipe e elege 54% dos constituintes.

Plano Cruzado II: O plano Cruzado tinha gerado um grande déficit na balança comercial, dificultando o pagamento da dívida externa. Acabadas as eleições, o governo decreta o fim do plano, lançando o Cruzado II, que liberava alguns preços e mantinha outros tabelados, com algum aumento. Porém, a dívida tornara-se impagável e o governo declara moratória no início de 1987. O Cruzado II também não segura a inflação.

Plano Bresser: O novo ministro, Bresser Pereira, congela preços por 2 meses e aumenta os impostos. O plano não surtiu efeito, continuando descontroladas a inflação e a dívida. O ministro se demite no final de 87.

‘Arroz com feijão’: O novo ministro Maílson da Nóbrega tentou implantar um modelo neoliberal, abrindo a economia, privatizando estatais e cortando gastos públicos. Não controlou a inflação nem a dívida.

Plano Verão: Um novo plano é tentado no final do governo com congelamento de preços e contenção de gastos públicos. Não adianta, a inflação chega aos 4 dígitos anuais e os juros a 80%.

A pobreza e a criminalidade: A crise econômica da década de 80 não se resume às constantes trocas de cadeira da posição de ministro da Fazenda, muito pelo contrário. Onde ela mais se via era nas grandes cidades, nos subúrbios, favelas, no campo. A década foi marcada por saques, revoltas urbanas contra a carestia, greves, pelo desemprego e subemprego, pelo crescimento da pobreza, da miséria e, principalmente, pelo aumento estrondoso da criminalidade, vista nos roubos, seqüestros, assassinatos e no tráfico de drogas, que dá um grande salto nessa década. A criminalidade só aumentou desde então até hoje.

Desilusões: O governo Sarney não foi ditatorial, mas estava longe de um regime democrático normal, com fortes momentos de autoritarismo. É o caso da greve em Volta Redonda em 1988, onde Sarney convocou o Exército e este matou três operários. Sarney prometera fazer uma reforma agrária, assentando 1,5 milhões de famílias. Acabou o governo assentando apenas 70 mil famílias. A violência no campo no período matou 70 pessoas por ano. O país ainda assistiu chocado o assassinato do seringueiro Chico Mendes.

Impopularidade e corrupção: No final de seu governo, Sarney era um dos presidentes mais impopulares da história da República. Por onde passava, era vaiado com gritos, protestos e até com tentativas de agressões físicas. A corrupção dos tempos da ditadura continuou no seu governo, já que os mesmos políticos da ditadura faziam parte do governo. CPIs chegaram a propor o seu impedimento devido à corrupção.

3. A nova Constituição (1988)

Definição

A mais democrática Constituição que o país já teve pode ser considerada uma Constituição social-democrata, por defender amplos direitos para os trabalhadores e prever uma cidadania participativa..

Avanços: A Constituição previu um plebiscito, realizado em 93, onde o povo decidiria entre presidencialismo, parlamentarismo ou monarquia e o presidencialismo venceria. Ela acabou definitivamente com a censura e tornou crime inafiançável a tortura, o tráfico de drogas e o terrorismo. Determinava uma carga semanal de 44 horas de trabalho, dava liberdade sindical, amplo direito de greve, licença-paternidade, melhora na remuneração das férias e da licença-maternidade. A população poderia fazer um projeto de lei ao conseguir 1% das assinaturas de eleitores.

A aventura de Fernando Collor

1. Introdução

A eleição para o primeiro presidente civil após quase 30 anos sem eleições presidenciais não teve um resultado feliz. Diante de uma eleição estranha, onde os mais tradicionais políticos não foram ao segundo turno, vence Fernando Collor. Seu curto governo se caracterizaria pela corrupção, pelo entreguismo econômico e pelo confisco das poupanças.

2. As eleições presidenciais de 89:

Os candidatos favoritos: Estranhamente, as eleições de 89 levaram para o segundo turno dois candidatos não favoritos à presidência. Dentre os candidatos, havia Leonel Brizola, símbolo do trabalhismo varguista e da República populista. Havia ainda Ulisses Guimarães, o presidente da Constituinte e grande homem símbolo das Diretas Já. Em função da péssima situação econômica do país e por ser a primeira eleição para presidente fortemente marcada pela televisão, esses favoritos perderiam espaço para dois não tão favoritos.

Os não favoritos: Lula, apesar de ter sido o deputado federal mais votado do país, era de um partido ainda pequeno. Collor era um político de família tradicional em Alagoas, também não tinha uma projeção nacional. A campanha pela TV mudaria isto. Os dois vão para o segundo turno.

A vitória de Collor: Usando de golpes baixos e explorando a televisão e a amizade com o dono da empresa que detém um monopólio na teledifusão no país, Collor chega ao poder, apoiado por empresários.

3. O governo de Collor

Confisco das poupanças

No Plano Collor, o presidente confiscaria as contas correntes e cadernetas de poupança de todos os cidadãos, como afirmara na campanha que Lula faria. O plano, além de deixar milhões de pessoas sem dinheiro, não conteve a inflação ou a dívida. O Plano Collor II também não logrou sucesso.

Reforma do Estado: Collor propõe uma reforma do Estado, trata-se de um plano neoliberal, onde foram extintos órgãos da Era Vargas, como o IAA, o IBC, além da Siderbrás e a Portobrás. Ele vendeu propriedades da União, demitiu funcionários públicos – os marajás, como dizia na campanha –, reduziu drasticamente tarifas aduaneiras e deu início a um programa de privatização das empresas estatais. O corte de gastos foi tanto, que o IBGE que fazia censos decenais desde 1940 foi por ele impedido de fazer em 1990, só o fazendo em 1991.

Efeitos da reforma do Estado: A reforma do Estado prenunciava o que seria, depois, o triunfo do neoliberalismo na política de Estado. A abertura das tarifas alfandegárias levou a uma quebradeira de indústrias nacionais, gerando desemprego e depressão econômica. A produção industrial do país decresceu 26% em um ano. Com tudo isso, a inflação não diminuiu sustentavelmente.

Escândalos de corrupção: Logo, apareceria outra face terrível do governo Collor, um amplo esquema de corrupção que desviava dinheiro público para contas pessoais do presidente. Ao total, foram repassados pela obscura figura de PC Farias, 10 milhões de dólares para as contas de Collor.

Os caras pintadas: Diante dos escândalos revelados pelas CPIs e pelo próprio irmão de Collor, a população – em sua maioria, estudantes – vai às ruas pedir o impedimento – ou impeachment – do presidente.

A queda: Diante de todas pressões dentro e fora do meio político, a situação de Collor se tornará insustentável. Uma tropa de choque constituída de Roberto Jefferson e Jorge Bornhausen faz a defesa do presidente até os seus últimos momentos. No entanto, o Congresso vota pelo impedimento e no último momento, Collor renuncia, não deixando de perder os direitos políticos por oito anos.

Mercosul: É criado em 1991 o Mercado comum do Sul, acordo comercial para redução mútua das taxas aduaneiras de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Depois, entrariam como sócios Chile e Bolívia, e em 2005, a Venezuela.

O triunfo do neoliberalismo

1. Introdução

A chegada de Fernando Henrique Cardoso o poder, assim como a continuidade de suas políticas na economia por Lula, marca o triunfo do neoliberalismo no Brasil. Trata-se de uma visão que econômica que projeta um Estado necessário. O neoliberalismo é fruto de um contexto histórico específico, com o fim da social-democracia, do socialismo real e ascensão dos EUA como única hiperpotência mundial.

2. A imposição do neoliberalismo no Brasil e a resistência

Neoliberalismo, uma definição: Com o fim da União Soviética e o fim do ‘perigo comunista’, não há mais motivo para a existência do Estado de bem-estar social no mundo e o chamado Estado de mal estar social no Terceiro mundo, aí incluído o Brasil. A organização das fábricas se modifica, com o fortalecimento do capital financeiro.

São três as mudanças defendidas pelo neoliberalismo: na relação capital-trabalho, concretizado na ‘flexibilização da legislação trabalhista’, que é na verdade o fim desta; na relação Estado-capital, onde o Estado perde tamanho e poder com as privatizações e a desregulação da ação das empresas; na relação entre Estado e cidadãos, onde o Estado deixa de oferecer os serviços fundamentais, acabando com a seguridade social e passando para o mercado a função de prover esses serviços básicos à população.

O plano Real: O plano Real ainda no governo Itamar, feito por seu ministro da Fazenda FHC, caracteriza-se por indexar o câmbio, elevar impostos federais e reduzir os gastos públicos, inclusive em educação e saúde. As taxas alfandegárias vão ao chão, trazendo produtos importados baratos, o que segura a inflação.

Isso gera uma onda de consumo, o que dá grande popularidade a Itamar e ao seu ministro. No entanto, há aí outro lado. Há uma nova quebradeira na indústria pelo Real valorizado e pelas taxas alfandegárias baixas. A indústria nacional vai à penúria.

A eleição e reeleição de FHC: Com a onda de consumo gerada pelo plano Real, FHC se elege facilmente presidente sobre Lula em 1994, impondo seu plano neoliberal. No meio do governo, o presidente manda para o Congresso a emenda da reeleição e esta é aprovada, havendo um escândalo de compra de votos na votação da emenda. FHC se reelege em 1998.

As conseqüências maléficas do plano: Além de quebrar indústrias e gerar desemprego, o plano Real, indexando a moeda e baixando as tarifas de importação, eleva drasticamente a dívida externa. Mesmo com a situação insustentável, o governo mantém o plano até as eleições de 98. No início de 99, a indexação cambial é desfeita, tendo a dívida aumentado drasticamente e comprometendo todo o orçamento anual do Estado.

As reformas empreendidas por FHC: FH afirma que quer acabar com a Era Vargas no Estado brasileiro. Vê-se claramente quais são os seus objetivos quando ele afirma isto. Primeiramente, ele termina com a defesa da indústria nacional, com a indexação da moeda e com as taxas aduaneiras. Põe fim ao monopólio de extração do petróleo pela Petrobrás, fazendo uma grande reforma administrativa dentro desta empresa.Depois, tenta impor uma série de privatizações, não conseguindo todas. Privatiza todo o sistema Telebrás por U$22 bilhões e a Vale do Rio Doce. A CSN já havia sido privatizada na gestão de Itamar por U$1 bilhão. Extingue a SUDENE e a SUDAM.

As reformas que ele queria fazer: FHC tinha ainda o plano de fazer mais privatizações, o que poderia incluir o sistema Eletrobrás todo – parte dele foi privatizado por ele –, a Petrobrás, o BB, a Caixa Econômica e as universidades públicas. Queria ainda fazer uma série de reformas: a previdenciária, feita por Lula que limitaria todas as aposentadorias e imporia a contribuição previdenciária aos inativos; a trabalhista, que ‘flexibilizaria’ as relações trabalhistas, ou melhor, iria extingui-las; a tributária, que reduziria impostos e não escalonaria o imposto de renda.

A resistência: Nas ruas e nas empresas públicas, uma série de manifestações, passeatas e greves eclodem contra as privatizações e as reformas neoliberais. Os movimentos sociais e, na época, o PT se mobilizam, tendo importância no impedimento de algumas reformas e privatizações.

O governo Lula: Apesar de toda a esperança, o governo Lula manteve as linhas principais do governo anterior, aceitando guardar grandes somas do dinheiro público para o pagamento da dívida pública e mantendo o cronograma de reformas, inclusive conseguindo aprovar a reforma da previdência.

Fonte: www.vetorvestibular.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fazenda Santa Gertrudes

Fazenda Santa Gertrudes

PUBLICIDADE No ano de 1821, o Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão comprou uma gleba de terras …

Fazenda Quilombo

Fazenda Quilombo

PUBLICIDADE Fundada na década de 1870, pelo Dr. Ezequiel de Paula Ramos e sua esposa …

Fazenda Morro Azul

Fazenda Morro Azul

PUBLICIDADE Enquanto a maioria das fazendas de café têm estilo colonial, são belas e amplas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+