Breaking News
Home / Geografia / Terceira Revolução Industrial

Terceira Revolução Industrial

PUBLICIDADE

Terceira Revolução Industrial ou Revolução Técnico-Científica-Informacional

Diversas revoluções aconteceram ao longo da história da humanidade, muitas delas foram responsáveis pelo rompimento de uma estrutura que era predominante na sociedade, seja no âmbito da política, da economia, da ciência ou da luta pelos direitos ambientais.

Elas, no entanto, não acontecem do dia para noite, sendo necessário muito tempo para que haja a emancipação e a espacialização dessas novas ideias e atos, ou seja, quando se fala de revolução, seja ela qual for, precisa-se ter a noção que se trata de um processo histórico e social, que pode ser demorado ou rápido, dependendo das forças que podem ser contrárias ou apoiadoras desses desenvolvimentos. É o que aconteceu, por exemplo, com a Revolução Agrícola na antiguidade, com a Revolução Russa da história moderna e as Revoluções Industriais.

Neste processo histórico, tem-se a Terceira Revolução Industrial, ou que também pode ser chamada de Revolução Técnico-Científica-Informacional, que se inicia em meados do século XX, e muitos especialistas indicam que está acontecendo até os dias atuais.

Este fato é marcado, principalmente, pelo desenvolvimento de novas tecnologias informacionais e das técnicas e o avanço constante da ciência moderna e contemporânea, como por exemplo, os famosos celulares inteligentes (smart-phones) e os computadores, vinculado a robótica, o desenvolvimento sistêmico da genética, da biotecnologia e das geotecnologias.

Que cada vez mais ganham espaços e pessoas em todo o mundo. Onde é possível, mesmo que através de robôs, pisar em outros planetas do sistema solar, a exemplo das sondas em Marte.

Esta revolução é responsável por alargar e modificar as formas de consumo, destruindo as barreiras geográficas do tempo e do espaço, construir dinâmicas sociais complexas e possibilitar que o sistema capitalista ganhe cada vez mais proporções, ao aumentar o processo de globalização, destruindo as fronteiras econômica, financeira, cultural e social, modificando então toda a estrutura produtiva.

Terceira Revolução Industrial
Terceira Revolução Industrial

Para elucidar a questão descrita acima, imagine que a distância entre São Paulo (BR) e Nova Iorque (EUA) é de aproximadamente 7.694 km e que um avião a faz em menos de 10 horas.

O que em um passado histórico levaria meses, hoje leva menos de um dia. Estes mesmos fatos acontecem – até mais rapidamente – em termos de mercadorias. O que é lançado na China em um dia, no mesmo dia já está chegando ao Brasil. O mesmo se dá a avanço da ciência, onde as pessoas podem viver mais, para consumir mais.

No entanto, esta III Revolução Industrial nem sempre é benéfica a sociedade, sobretudo, os que ficam à mercê destas expansões, uma vez que ela prioriza e está centralizada nas mãos de grandes empresas do capitalismo financeiro, que são detentoras de empresas multinacionais, que buscam em seu sistema produtivo, cada vez mais flexibilizar as formas de trabalho e adquirirem com isso os seus expressos lucros e até mesmo da exploração da mais-valia.

O que em geral se discute entre os estudiosos é, como o capitalismo e essa revolução técnico-científico-informacional podem se tornar tão selvagens a ponto de modificarem em escala global todo o espaço geográfico e as relações humanas de produção, cultura e consumo.

Eles teriam um fim já que tiveram um início? Cabe boas reflexões!

Terceira Revolução Industrial traz desenvolvimento global

Durante a primeira revolução industrial a tecnologia de trabalho humano e animal converteu-se em máquinas, como a máquina a vapor, a máquina de fiação, processos de poça e laminação para fabricação de ferro, fundição de coque, etc.

Durante a segunda revolução industrial, eletricidade, motor de combustão interna, encanamento interno, indústrias químicas, etc. tecnologias são desenvolvidas.

terceira revolução industrial começou na década de 1950 que é considerada como a mudança da tecnologia eletrônica mecânica e analógica para a eletrônica digital. Nano, bio e tecnologias de TI, impressão 3D, inteligência artificial, robótica, etc. são o driver mais importante da terceira revolução industrial.

Durante a primeira revolução industrial e a segunda revolução industrial, apenas a Europa Ocidental e os EUA foram desenvolvidos, mas durante a terceira revolução industrial o mundo se tornou cerca de 10 vezes mais rico e o desenvolvimento se espalha por quase todas as partes do mundo.

Na terceira revolução industrial foram desenvolvidos milhares de organizações empresariais e milhões de empregos em todo o mundo.

Grandes invenções modernas acontecem na terceira revolução industrial. Desenvolvimento econômico, desenvolvimento de transporte, desenvolvimento de impressão 3D, tecnologias robóticas, fab lab, etc. são atividades extraordinárias durante a terceira revolução industrial.

Na terceira revolução industrial, o padrão de vida e a expectativa de vida de todas as nações aumentaram em relação aos da primeira revolução industrial e a segunda revolução industrial.

terceira revolução industrial também tem alguns impactos negativos, como poluição do ar, redução da biodiversidade, poluição da água, destruição de habitats, emissões de gases de efeito estufa, aquecimento global e mudanças climáticas, etc.

Finalizando, a Terceira Revolução Industrial, ou Revolução Digital, começou no final dos anos 1900 e é caracterizada pela disseminação da automação e digitalização através do uso de eletrônicos e computadores, a invenção da Internet e a descoberta da energia nuclear.

Esta era testemunhou o surgimento da eletrônica como nunca antes, de computadores a novas tecnologias que permitem a automação de processos industriais.

Os avanços nas telecomunicações abriram caminho para a globalização generalizada, que por sua vez permitiu que as indústrias transferissem a produção para economias de baixo custo e radicalizassem os modelos de negócios em todo o mundo.

A Internet anunciou o início de uma terceira revolução industrial, baseada em avanços tecnológicos em software, hardware e telecomunicações.

Esses avanços tecnológicos estão transformando as práticas comerciais, gerando ganhos substanciais de produtividade e abrindo novos caminhos para a expressão política e social.

TENDÊNCIAS DO PASSADO, TENDÊNCIAS DO PRESENTE E PERSPECTIVAS FUTURAS DURANTE A PRIMEIRA, SEGUNDA E TERCEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

Terceira Revolução Industrial

Após o início da primeira revolução industrial na Grã-Bretanha (c. 1750), a produção industrial global levou mais de um século para dobrar. Entre meados do século XIX e a Primeira Guerra Mundial quadruplicou.

Ao longo de quarenta anos dominados pela depressão e pela guerra, 1913-1953, a produção triplicou e depois triplicou novamente nas duas décadas que se seguiram ao pico do longo boom em 1973. Depois disso, a taxa anual de crescimento da produção industrial global diminuiu, mas ainda permaneceu rápido pelos padrões históricos. No entanto, existem diferenças regionais dramáticas nesta produção.

Embora a produção industrial nos países do terceiro mundo provavelmente tenha dobrado nos dois séculos após 1750, até a Primeira Guerra Mundial, a produção total per capita pode ter diminuído tanto em termos relativos quanto em termos absolutos, à medida que a população da África, Ásia e América do Sul comprou uma crescente participação dos bens manufaturados que consumiam na forma de importações dos países industrializados da Europa e da América do Norte. A longo prazo, a parcela da produção industrial mundial proveniente da produção localizada nas economias do Terceiro Mundo diminuiu de cerca de 70%, 1750-1800, para a faixa de 10% por volta de 1950.

Começou a aumentar novamente durante o último quarto do século XX.

Historicamente, por dois séculos a partir de 1750, a industrialização (particularmente se for medida como produção industrial per capita) foi essencialmente confinada à Europa e seus assentamentos ultramarinos na América do Norte (Bairoch, pp. 269-333).

Assim, até recentemente, as discussões sobre o curso e as causas da industrialização estavam predominantemente preocupadas com a escala, a eficiência e o desenvolvimento das indústrias modernas (ou seja, tecnologicamente avançadas) na Europa e na América do Norte. Por muito tempo, na verdade por aproximadamente dois séculos antes de 1900, a Grã-Bretanha permaneceu como a principal economia industrial do mundo (visivelmente quando medida em termos de produção industrial per capita) antes de ser substituída pelos Estados Unidos por volta de 1900-1914 como resultado da “segunda revolução industrial“, e depois por outras economias europeias e pelo Japão à medida que o século XX avançava.

As indústrias européias e norte-americanas tentaram convergir e superar os padrões de produtividade do trabalho, avanço tecnológico e eficiência organizacional exibidos por muitas (mas não todas) indústrias britânicas.

Depois de 1900-1914 (e durante a segunda revolução industrial), os padrões estabelecidos para a convergência mudaram para os Estados Unidos e para as tabelas classificativas, que classificavam as indústrias nacionais e setores industriais em termos de uma bateria de indicadores de produtividade que pretendiam dizer aos empresários e governos quão bem ou mau desempenho de uma determinada economia na indústria global como um todo. O declínio relativo da Grã-Bretanha, a ascensão da América, Alemanha, Rússia, Suécia, Suíça, Bélgica, Itália, mais tarde Japão e os países recém-industrializados do Leste Asiático podem ser rastreados e analisados em relação a uma série de indicadores de poder industrial e eficiência.

O que se destaca durante a maior parte do século XX é o tamanho avassalador da indústria americana e seu domínio persistente, medido em termos de produção manufatureira per capita da população, mas menos em termos de produtividade (ou seja, produção manufaturada por homem-hora de trabalho empregado em indústria). Essa vantagem particular, que os Estados Unidos certamente retiveram por mais tempo do que teria sido sem duas guerras globais (1914-1918 e 1939-1945), diminuiu durante o longo boom quando o crescimento da produtividade em várias economias europeias ultrapassou o do país líder.

A história desta fase de “convergência” expôs como as interações entre oportunidades tecnológicas, capacidades sociais, economias de escala, dotações naturais iniciais e trabalho subempregado operaram como variáveis-chave por trás da taxa acelerada de industrialização alcançada pelas economias europeias e Japão, durante e desde o longo boom, 1948-1973.

Desde 1950, nas economias de mercado desenvolvidas da Europa e da América do Norte, a industrialização procedeu explorando e adotando o potencial de ganhos de produtividade já incorporados e funcionando claramente nas tecnologias, formas organizacionais e instituições das principais (ou líderes) economias industriais.

As tentativas de representar esse processo em termos de um vocabulário conceitual bastante brando de convergência extraído da economia e da sociologia carregam menos convicção quando transpostas para as culturas asiáticas e latino-americanas de países recém-industrializados. Para esses chamados industrializadores tardios, os papéis que seus governos desempenham e as estratégias e estruturas organizacionais adotadas por suas empresas, bem como os distintos processos de industrialização que surgiram, podem representar um “novo paradigma” ou talvez uma “terceira revolução industrial“. Esse paradigma incorpora a adaptação às oportunidades proporcionadas pelas novas tecnologias e aos desafios competitivos decorrentes da difusão da indústria para cada vez mais localidades e países ao redor do mundo.

Uma nova revolução nas tecnologias da informação, transporte de alta velocidade, bioquímicos, engenharia genética, robótica e sistemas de controle computadorizados, bem como a realocação, difusão e integração de indústrias em escala global, confrontam-se antes (europeus e americanos) bem como industriais tardios (asiáticos).

Para os historiadores econômicos e sociais, que têm uma visão de longo prazo, pode haver pouco que pareça novo na atual fase de reestruturação, reorganização e realocação da indústria, ou mesmo na redescoberta de fontes de inovação industrial e de ganhos de eficiência. entre as habilidades e motivações dos trabalhadores no chão de fábrica.

Tudo parece uma reminiscência da fase das economias regionais e da protoindustrialização na Europa entre 1492 e 1756.

Fonte: Gean Alef Cardoso/mpra.ub.uni-muenchen.de/manufacturingdata.io/www.encyclopedia.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Energia Fotovoltaica

PUBLICIDADE Energia Fotovoltaica – O que é Os materiais e dispositivos fotovoltaicos convertem a luz …

Geleiras

PUBLICIDADE Geleiras – O que são As geleiras são formadas de neve que, ao longo …

Mapas Temáticos

PUBLICIDADE Definição de Mapas temáticos Um mapa temático mostra a distribuição espacial de um ou mais temas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.